Google+ Badge

sábado, 13 de agosto de 2011

Lula diz que presos não são "bandido qualquer"




Ex-presidente critica a PF por algemar suspeitos de fraudes no Turismo

Marta Suplicy, que chefiou a pasta, evita defender ex-aliado preso por ações após sua saída do governo


VERA MAGALHÃES DE SÃO PAULO
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a criticar ontem a ação da Polícia Federal nas prisões da Operação Voucher. Ele disse que alguém com documentos e endereço conhecidos não deveria ser preso como "um bandido qualquer".

"Não é aceitável que uma pessoa que tem endereço fixo, RG e CPF seja presa como se fosse um bandido qualquer e algemada como se estivesse participando de uma exposição pública", afirmou.
Lula fez a ressalva de que a PF é uma instituição respeitável, que não deveria ser condenada por "excessos" de alguns policiais, e disse que todas as suspeitas têm de ser investigadas com rigor.

A senadora Marta Suplicy (PT-SP), que foi ministra do Turismo no governo Lula, disse que o ex-secretário-executivo da pasta Mário Moyses "sempre foi uma pessoa muito correta", mas evitou defendê-lo por atos após sua saída da Esplanada.

"Depois de maio de 2008, não posso falar. Saí em maio de 2008 e fui fazer uma campanha. Não fiquei com nenhuma ligação com o ministério", afirmou Marta.

Ela disse ainda que a prisão do ex-assessor não vai atrapalhar sua postulação a uma nova candidatura à Prefeitura de São Paulo.

"Fico completamente ultrajada de ter sido colocada nisso. Não tenho nada com isso", disse a senadora ontem à noite, na Vila Formosa, onde participou de caravana do PT com os pré-candidatos do partido à prefeitura.

Questionada sobre a operação da PF a e a divulgação de fotos dos presos na Operação Voucher, Marta disse: "Fico me perguntando por que estão fazendo isso com as pessoas sem que haja provas. E se num segundo momento ficar provado que são inocentes, o que vão fazer?"

O ministro Fernando Haddad (Educação), que participou com Lula da Feira Literária de São Bernardo, saiu em defesa de Marta, com quem disputa a chapa do PT à Prefeitura de São Paulo em 2012.

Ele disse que a prisão do ex-presidente da Embratur Mário Moyses, que assessorou Marta no Ministério do Turismo, não prejudica a pré-candidatura da rival.

"Ela deixou o ministério há quanto tempo? Você responde pela sua gestão. Além do que, existe o direito de a pessoa se defender das acusações", afirmou Haddad, que evitou responder às críticas recentes da adversária.

O PAC muda de mãe

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou ontem que a ministra Miriam Belchior (Planejamento) não deve ser a candidata do PT à Prefeitura de Santo André (SP) para ficar no governo.

"Antes a Dilma era a mãe do PAC", disse Lula. "Agora, a mãe do PAC é a Miriam", completou

Grampo mostra foragido ensinando a superfaturar

"É pro governo, tudo vezes três", diz empresário suspeito de fraude no Turismo

Escuta flagra Humberto Silva Gomes orientando interlocutor a inflar artificialmente o valor de contratos públicos.
Conversas telefônicas interceptadas pela PF mostram suspeitos de desviar recursos do Ministério do Turismo discutindo como superfaturar e até falsificar documentos em licitações. "Superfaturamento sempre existe", conta o empresário Humberto Silva Gomes. Agora foragido, ele relata ao interlocutor que em Brasília corre a máxima: "Ah, é pro governo, joga o valor pra três, tudo vezes três".


Conversas telefônicas interceptadas na Operação Voucher da Polícia Federal mostram investigados falando sobre como superfaturar e até falsificar documentos em licitações com o governo.

Nas conversas, os suspeitos de integrar o esquema chegam a afirmar que "quando o dinheiro é público não pesa no bolso" e apontam Brasília como um paraíso para obtenção de facilidades: "Mandou para Brasília, ficou fácil", diz uma investigada.

Na terça, a PF prendeu 36 suspeitos de desviar recursos do Ministério do Turismo em convênios com ONGs -entre servidores e empresários que faziam negócios com a pasta.
Em conversa gravada com autorização judicial, em 21 de junho de 2011, o empresário Humberto Silva Gomes diz que no Brasil "o governo paga e quer que você apenas gaste direitinho, ele não quer um retorno". Ele é sócio da Barbalho Reis, uma das empresas suspeitas de integrar o esquema, e está foragido.

"Quando é dinheiro público, não pesa no seu bolso. Aí você joga pro alto mesmo, até porque se você não jogar você vai perder logo de cara, porque todo mundo vai jogar. Criou essa ideia aqui: "Ah, é pro governo, joga o valor pra três, tudo vezes três'", diz Humberto: "Superfaturamento sempre existe".

Em outro diálogo, de 26 de maio, Sandro Saad, diretor financeiro da ONG Ibrasi, conversa com um empresário sobre um edital da Prefeitura de São Vicente (SP) que nem sequer tinha sido lançado.

No áudio, Sandro pergunta se eles vão "falsificar os outros [concorrentes] ou tentar compor o jogo" e diz que "o pessoal lá de dentro" quer que ele pegue a licitação.
Em outra escuta, os diretores do Ibrasi, Maria Helena Necchi e Luiz Gustavo Machado, falam sobre como vão adulterar papéis do convênio no Amapá para simular comprovação de despesas que não teriam sido realizadas.

Esta era uma exigência para que a ONG recebesse recursos de um segundo convênio com o governo federal.
"São aqueles pontos lá, e eles vão fazer uma carta, uma, não sei o termo como é que chamam, mas é um termo jurídico, não vou lembrar o nome agora", afirma Luiz Gustavo. Em seguida, Maria Helena apoia o colega.
E ele conclui que "se eles não concordarem [em liberar o segundo convênio] vão mandar pra Brasília, mandou pra Brasília ficou fácil".

SURPRESA
Ainda segundo as escutas, o secretário-executivo do Ministério, Frederico Costa, pergunta ao assessor Antonio dos Santos Júnior se é possível acelerar prazos.

Em resposta, Júnior afirma que pode "fazer de tudo pra atropelar algumas coisas". A Folha revelou ontem que os acusados de desvio de verbas no Turismo tinham livre acesso ao ministério. Eles chegaram a usar a sala do assessor do secretário-executivo da pasta, Frederico da Silva Costa, chamado-o de "bambambã" e "reverendo".

(MATHEUS LEITÃO, CÁTIA SEABRA, DIMMI AMORA, BRENO COSTA E MARIA CLARA CABRAL)

Eike Batista para líder do governo


"Quis sinalizar para o mercado que o mundo real está pegando fogo". O empresário Eike Batista explicava à repórter Marina Falcão, do Valor, as razões por que, face a perdas bilionárias dos papéis de suas empresas na bolsa, resolvera dar um aumento salarial de 8,5% a seus funcionários.

O empresário enxerga uma janela de oportunidades para o Brasil em mais essa leva de inquietações nas finanças mundiais. Acha ridículo o risco da dívida de um país que imprime a moeda mundial - "Não vai faltar tinta nem papel" - e diz que vai sobrar no mundo a mão-de-obra qualificada de que falta ao Brasil.

Esforço pela biodiversidade pode favorecer as comunidades locais


O declínio da biodiversidade é consequência da baixa valorização da matéria-prima extraída da natureza. Manoel Cunha, presidente do Conselho Nacional das Populações Extrativistas (CSN), conhece bem essa situação.

"O grileiro chega e oferece um valor irrisório pela floresta; como o caboclo em geral está insatisfeito com o que apura no trabalho, ele aceita qualquer oferta e se muda para a cidade grande, imaginando que terá uma vida melhor. Todo mundo sabe como termina essa história". Cunha falou durante o painel que tratava de biodiversidade, na Conferência Ethos.

Encontrar valores econômicos que contemplem a sobrevivência das populações extrativistas e representem vantagem para investidores são os desafios. Segundo Cunha, a questão só será resolvida a partir de um modelo de política pública favorável aos dois lados. E a transformação deve ser radical. "Até início dos anos 1990 o governo incentivava o desmatamento. Quem não desmatava não conseguia crédito."

As consequências estão aí: "Não tivemos tempo nem oportunidade de formar técnicos para lidar com a biodiversidade."

"O extrativista é um caboclo que depende não só de políticas públicas, mas precisa de orientações técnicas diferenciadas sobre como lidar com as culturas; precisa aprender a tratar com mercados diferenciados e obter compensações para desenvolver uma atividade em harmonia com o meio ambiente."

Mesmo com tantas carências, Claudio Maretti, líder da Iniciativa Amazônica do WWF, demonstrou otimismo durante sua participação no painel. "Somos o país que mais reduziu emissões de carbono associadas a desmatamento", disse. "Apesar de recente, esse histórico é muito positivo."

Esse histórico leva Maretti a prever desmatamento zero até 2020. Para tanto ele enumera providências básicas e urgentes: investimento no desenvolvimento do valor econômico da floresta e dos ecossistemas, mecanismos de compensação para quem não desmata (item que o Código Florestal não prevê), além da valorização dos ativos da floresta. "O modelo que temos hoje é contra a biodiversidade", alerta Maretti.

Embora nas duas últimas décadas o governo federal tenha reduzido em 40% o desmatamento na Amazônia, a partir de fiscalização e criação de áreas protegidas, Luciano Penido, mediador do painel, acredita que ainda há muito por fazer.

É imprescindível, na opinião dele, promover a integração das fronteiras com os países amazônicos. "O momento é propício", diz ele. "Como já temos georreferência, precisamos também de um cadastro ambiental rural - transparente e à disposição de toda a sociedade". Segundo Penido, grandes proprietários e empresas devem arcar com esse custo. "O cadastro ambiental é fundamental para a preservação da diversidade e nem é tão caro."

Manoel Cunha citou o Fundo Médio Juruá, parceria entre a comunidade de Carauari e a Natura como um exemplo de melhoria do processo coletivo. "Os investimentos melhoraram a produção, o beneficiamento e a distribuição", conta Cunha. "Antes disso passávamos três horas caminhando até chegar à área de produção; hoje temos um rabete, que nos leva à área de produção em uma hora, o que aumentou a produção de forma sustentável. Mas precisamos de mais empresas que queiram fazer negociação saudável na Amazônia, em que o investidor ganha e o caboclo, também", disse.

A população extrativista de Carauari envolve 200 mil famílias. "Estamos mais felizes do que há dez anos", diz. "Antes éramos classificados como doidos defendendo a floresta. Hoje, o sofrimento geral que veio com os efeitos das mudanças climáticas mobilizou a sociedade para uma economia verde". Cunha continua: "Nos últimos dez anos caminhamos o que não caminhamos em 100 anos".

Há muito a se fazer ainda, na opinião de Rodolfo Gutilla, diretor de assuntos corporativos e relações governamentais da Natura. Gutilla ficou entusiasmado com a revelação de Bráulio Ferreira Dias, secretário de biodiversidade e florestas do Ministério do Meio Ambiente, que reconheceu que a legislação brasileira está a merecer um item específico que contemple o acesso das empresas ao patrimônio genético. "Como explicar aos acionistas que o governo leva 17 meses para aprovar uma autorização de acesso ao cacau, ou à andiroba?", questionou.
Tanto o governo como as empresas deveriam olhar a biodiversidade como uma oportunidade de negócio, segundo Maretti, do WWF. "Ainda que a sociedade grite contra o desmatamento, por enquanto estamos apenas reduzindo o prejuízo", diz. E citou um estudo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente que mostra a necessidade de o Brasil investir US$ 40 bilhões ao ano para conservar as florestas. "Perdemos cem vezes mais com o desmatamento."
Silvia Torikachvili | Para o Valor, de São Paulo
12/08/2011

Vazaram fotos de envolvidos em operação contra corrupção no Ministério do Turismo

Vazaram há pouco as fotos de seis dos presos na operação Voucher. Os homens são acusados de envolvimento em um esquema de irregularidades em convênios entre empresas privadas e o Ministério do Turismo. Dentre os que aparecem nas fotos estão o secretário executivo do Turismo, Frederico Silva Costa (o do meio, no quadrante de cima), o secretário de Desenvolvimento do Turismo, Colbert Martins (primeira foto), e ex-secretário executivo da pasta Mário Augusto Lopes Moysés (sem identificação), indicado pela senadora Marta Suplicy (PT-SP).

Coluna do C. Humberto

O turismo no Pará não anda

O Liberal (R-70)

Pirataria
Um grupo de turistas estrangeiros foi atacado
por piratas em Santarém, mas a empresa
responsável pelo passeio manteve o caso
sob sigilo. Nem a polícia local comunicou o
episódio à delegacia-geral ou à Paratur, que
soube através de terceiros e entrou no circuito.
O operador de Santarém permitiu aos
turistas passarem a noite em uma área isolada,
distante de Alter-do-Chão, e não disponibilizou
seguranças para a embarcação.
Quer dizer, deu mole para os piratas, que,
como se sabe, só querem um pezinho...


Providências

O episódio desagradou à Paratur, embora
as vítimas não tenham sofrido danos, a não
ser de ordem material. Preocupada com a
segurança dos turistas que visitam o Pará, a
empresa negocia desde janeiro a instalação
de um grupo de polícia especializada no aeroporto
de Belém e até criou uma gerência
de Assuntos Internacionais para cuidar desses
casos.

Acontece que quando os operadores
de turismo não fazem a sua parte na
segurança, fica difícil conter a violência.

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Real Class: na total impunidade e com a "justiça" do seu lado, a empresa Real Engenharia consegue adiar a conciliação por mais um ano



Aconteceu na manhã de hoje (11), no juizado especial do Centro Universitário do Estado do Pará - Cesupa, a audiência conciliadora entre famílias de moradores do edifício Blumenau e engenheiros da construtora Real Engenharia.

Estiveram presentes na audiência oito pessoas moradoras de dois apartamentos do edifício Blumenau, o advogado Graco Ivo Coelho, que representou as famílias, dois engenheiros responsáveis pela obra do edifício que desabou e o advogado da construtora, Tiago Sefer.

Sem acordo entre as partes, a juíza conciliadora que participou da audiência, Ana Lúcia Bentes Lynch, determinou uma nova audiência para o mês de maio de 2012.

De acordo com o advogado das famílias que pedem pela indenização, a Real Engenharia não apresenta nenhuma proposta aos moradores que foram afetados pelo desabamento, que aconteceu em 29 de janeiro deste ano.

As famílias pedem pela indenização, pelos traumas, constrangimentos e privações por terem sido desalojados de suas residências por um longo período, além dos problemas de ordem emocional e psicológica que alguns vêm sofrendo até hoje.

O CASO
O prédio de 34 andares, que estava sendo construído na travessa 3 de Maio, deixou um saldo de três pessoas mortas e três feridas, além dos moradores dos prédios Blumenau e Londrina, vizinhos ao acidente, que foram desalojados por um período.

No local onde estava sendo construído o edifício, tudo o que se vê são escombros e restos de ferro retorcido do que sobrou das 4 mil toneladas de entulho que foram retiradas da área. (DOL). 

A Real Engenharia possui mais outros prédios, alguns deles com sérios problemas de construção. O Maior e mais luxosso deles é o Palácio Antônio Lemos, localizado na Rua dos mundurucus com Apinagés.

Exportador neto de energia eletrica o Pará não consegue gerar sua própria energia



Após 19 horas sem luz, moradores interditam rua para conseguir reparo


Moradores do Jurunas, no perímetro entre a avenida Fernando Guilhon e a passagem Jacó, em frente à Unidade Municipal de Saúde do bairro, interditaram ontem a pista da avenida, por cerca de duas horas, queimando pedaços de madeira para protestar contra cerca de 19 horas sem energia elétrica. Os manifestantes relataram que, por volta das 2 horas da madrugada de ontem, um transformador deixou de funcionar, interrompendo o fornecimento de energia elétrica em algumas casas. "Nós ligamos para a Celpa e os técnicos (da Endicon, empresa contratada pela Celpa para serviços) só chegaram aqui por volta das três horas da tarde. 

Eles mexeram no transformador que fica na passagem São Miguel (próximo da Jacó), e ele começou a pegar fogo. Os técnicos foram embora e não voltaram mais. A Celpa disse que não ia mais voltar aqui, porque é área de risco, e os técnicos não voltaram até o começo da noite, e foi aí que os moradores se revoltaram com a situação e fecharam a rua", afirmou o pedreiro Santino Leal, que participou da manifestação na Fernando Guilhon.

De acordo com os manifestantes, a área sem energia elétrica envolveu a Fernando Guilhon e as passagens Jacó, São Miguel "A", "B" e "C" e Gurjão, reunindo cerca de 300 famílias. Com a interdição da rua, três guarnições da 4ª Zona de Policiamento compareceram ao local, sob o comando do major Sérgio Fialho. O militar relatou a situação ao Centro Integrado de Operações (Ciop), que acionou a Celpa. Ocorre que os técnicos enviados à noite ao perímetro sem energia elétrica eram os mesmos que haviam ido ao local durante o dia. 

Os moradores começaram a fazer pressão para o conserto rápido do transformador, o que provocou pânico entre os funcionários da empresa prestadora da serviços. Eles deram a ré na camionete pela Fernando Guilhon e saíram rapidamente do local. Momentos depois, foram convencidos pelos policiais da 4ª ZPol a retornar ao trecho e fazer o serviço. Por volta das 21 horas, o problema foi solucionado, retornando o fornecimento de energia elétrica.


quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Cientistas apresentam tratamento promissor contra leucemia.

Modificação genética se mostrou eficaz contra a forma mais comum de câncer no sangue

AFP


A modificação genética das células T, tipo de glóbulos brancos que integram o sistema imunológico, demonstrou ser eficaz contra a leucemia linfocítica crônica, a forma mais comum de câncer do sangue, segundo estudo experimental publicado esta quarta-feira.

Segundo cientistas da Escola de Medicina da Universidade da Pensilvânia (leste dos Estados Unidos), este tratamento permitiu que a doença recuasse no prazo de um ano em dois dos três pacientes pesquisados que sofriam de leucemia em estágio avançado.

O terceiro sofreu uma recorrência da doença depois de quatro meses, mas de forma atenuada. Esta terapia poderia ser aplicada também em outros cânceres, como o de pulmão, de ovário e o melanoma, afirmaram os cientistas.

O tratamento consistiu em eliminar as células T nos pacientes doentes e modificá-las geneticamente para que atacassem seletivamente as células cancerosas, todas portadoras de uma determinada proteína, e salvar a grande maioria das células saudáveis do corpo.

Os cientistas também programaram as células T para acelerar sua multiplicação. Em seguida, injetaram estas células modificadas em seus pacientes, que foram tratados previamente com quimioterapia.

"Em três semanas, os tumores foram destruídos com uma eficácia nunca vista até agora", disse o doutor Carl June, professor de patologia no Centro Oncológico Abramson da Universidade da Pensilvânia, autor principal deste trabalho, publicado nas revistas New England Journal of Medice e Science Translational Medicine.

"Foi muito mais eficaz do que esperávamos", disse o cientista, destacando que as células T modificadas geneticamente, as quais chamou de "assassinas em série", destruíram quase um quilo (910 gramas) de tumor em cada paciente.

Segundo os autores do estudo, os resultados deste teste clínico piloto contrastam fortemente com os tratamentos existentes para o tratamento deste tipo de leucemia. Estes três pacientes tinham poucas chances de tratamento. Outra alternativa era um transplante de medula óssea, um procedimento que requer uma longa hospitalização e tem risco de mortalidade de 20%.

Além disso, o transplante não oferece mais do que 50% de chances de recuperação. "Este novo tratamento tem o potencial de oferecer as mesmas possibilidades de cura, mas com muito menos risco", resumiu David Porter, professor de Medicina da Universidade de Pensilvânia e co-autor do estudo.

O partido de governo não faz política política econômica focada no social, apenas administra o Estado.


Marco Maia admite instabilidade política no governo

De Maria Clara Cabral, da Folha.com

O presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT-RS), admitiu nesta quarta-feira que a Casa passa por um momento de instabilidade política por causa das acusações de irregularidades em diversos ministérios do governo da presidente Dilma Rousseff.

Hoje, partidos da base aliada paralisaram as votações na Câmara. Eles reclamam do tratamento que vem sendo dado pelo governo aos partidos que comandam as pastas com suspeitas de irregularidades.

Também cobram, mais uma vez, a liberação de emendas parlamentares.

"Há sim um clima de desconforto, de instabilidade em função dos últimos acontecimentos políticos. Mas há um esforço e é de interesse da sociedade que a estabilidade política volte na Câmara", afirmou Maia.

Nesta quarta-feira, o presidente da Câmara também praticamente descartou a votação da emenda constitucional que muda a tramitação das medidas provisórias ainda neste semestre.
Maia disse que, apesar de a intenção ser chegar a um acordo sobre o assunto, há outras prioridades para os deputados.

Proposta neste sentido foi aprovada hoje na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado.

Leia mais no Caderno Poder da Folha.com

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Dilma pede ajuda ao Congresso para enfrentar crise econômica. A presidente não disse se tratar de uma 'marolinha' como fez o seu antecessor.



A presidente Dilma Rousseff se mostrou preocupada nesta segunda-feira com a crise econômica internacional e fez um apelo para que o Congresso não aumente despesas do governo no momento de turbulência internacional.

Durante reunião da coordenação política do governo, no Palácio do Planalto, Dilma disse, segundo participantes da reunião, que o Brasil tem instrumentos para enfrentar a crise, mas não pode "fechar os olhos" neste momento para o cenário externo.

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), afirmou que o governo não estuda impor cortes no Orçamento --mas evitar a aprovação de projetos no Congresso que resultem em aumento de gastos.

"Ela confia que o Congresso vai dar respaldo ao governo no momento de dificuldade internacional", afirmou.

Segundo o líder, Dilma pediu que a equipe econômica priorize três pilares no combate à crise: responsabilidade fiscal, manter o controle dos gastos e incentivos à produção interna.
No encontro com o seu núcleo político, o ministro Guido Mantega (Fazenda) fez um retrato da situação do Brasil diante da crise internacional. O ministro manifestou otimismo ao classificar de "confortável" a situação do país neste momento depois de ter enfrentado outros momentos de turbulência no passado, mas admitiu que o contexto é negativo no cenário atual.

Na quarta-feira, Dilma vai reunir todos os partidos aliados para discutir a crise econômica. A intenção da presidente é fazer um apelo para que todos ajudem o governo a controlar os gastos e evitar o aumento de despesas.

A presidente também vai anunciar amanhã medidas para incentivar o Super Simples e o empreendedorismo individual.

OPOSIÇÃO
Senadores da oposição se mostraram dispostos a apoiar medidas do governo no Congresso para enfrentar a crise internacional. "A oposição está disposta a contribuir aprovando medidas que o governo desejar para conter qualquer turbulência econômica. Não havendo roubalheira, contem com a oposição", disse o senador Álvaro Dias (PSDB-PR).

O senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) afirmou que o Brasil está mais "preparado" para a enfrentar a crise atual, inclusive com o discurso mais cauteloso da presidente frente à crise. "A presidente não disse se tratar de uma 'marolinha' como fez o seu antecessor. É um bom começo. Não há recusa em colaborar com o governo nas coisas importantes para o país."

Jatene identifica irregularidades de R$ 77 milhões


 Segunda-Feira, 08/08/2011
 
O governador do Estado, Simão Jatene, anunciou que a Auditoria Geral do Estado (AGE) identificou irregularidades na prestação de contas de operações de empréstimos bancários junto ao Banco do Brasil e ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (BNDES) pela administração de Ana Júlia Carepa. Dezesseis notas fiscais idênticas, que totalizam R$ 77 milhões, foram apresentadas aos dois bancos para justificar financiamentos distintos.

A informação  foi repassada - em reunião na manhã desta segunda-feira (8) no Palácio dos Despachos -  à presidente do Tribunal de Justiça do Estado, Raimunda Noronha; ao presidente da Assembleia Legislativa, deputado Manoel Pioneiro; ao presidente do Tribunal de Contas do Estado, Cipriano Sabino; e ao Pocurador Geral do Ministério Público,  Eduardo Barleta.  

A iniciativa de Simão Jatene é - juntamente com os outros poderes - evitar o engessamento do Estado, que corre o risco de ficar inadimplente caso não retifique a prestação de contas junto aos BNDES, o que inviabilizaria qualquer outra operação de crédito ao Pará no momento.

 Tanto o empréstimo de R$ 366 milhões tomado junto ao BNDES no apagar das luzes da administração petista para repasse em grande parte aos municípios, como o de R$ 82 milhões tomado junto ao Banco do Brasil, com recursos também do BNDES, para obras do Projeto Ação Metrópole estão cheios de falhas contábeis, como por exemplo a não identificação de rubricas de aplicação, o que dificulta o rastreamento do dinheiro dentro das contas públicas. “Até o momento, dos R$ 275 milhões repassados ao estado pelo BNDES, apenas R$ 51 milhões estão com a rubrica aplicada corretamente. O restante está sem identificação e foi jogada diretamente na conta única do Estado”, disse o governador Simão Jatene.

Do valor de R$ 366 milhões do BNDES, R$ 187 milhões deveriam ser repassados aos município; R$ 42 milhões serviriam a emendas parlamentares; R$ 16 milhões seriam de uso exclusivo do Estado e R$ 121 milhões deveriam ser destinados a despesas de capital. No entanto, apenas 62 dos 143 municípios do Estado receberam recursos oriundos do empréstimo. “Avaliar como estes recursos foram aplicados é uma segunda etapa desta investigação”, afirmou o governador Simão Jatene. (Agência Pará).

Operação apreende transporte clandestino

Segunda-Feira, 08/08/2011
 
Em Belém, especialmente em bairros periféricos e afastados do centro da cidade, é comum ocorrer o transporte irregular de passageiros, realizados clandestinamente. Este tipo de transporte, que expõe a população a inúmeros riscos, é o alvo da “Operação Pedregulho”. Iniciada em agosto do ano passado, a Companhia de Transportes do Município de Belém (CTBel) decidiu intensificar, desde o último dia 4, a fiscalização destes transportes que circulam diariamente na capital paraense.

Desde então, até esta segunda-feira (8), já foram apreendidos cerca de 30 veículos. Os mesmos somente serão liberados mediante determinação da Justiça. Vale ressaltar ainda, que desde a determinação judicial de apreensão do transporte clandestino, aproximadamente 1.200 veículos já foram recolhidos pela fiscalização da CTBel e Guarda Municipal.

A apreensão ocorre quando a fiscalização da CTBel constata que o veículo está sem condições de trafegabilidade, muitas vezes sendo conduzidos por pessoas não habilitadas ou quando habilitadas não estão dentro da categoria específica para condução de passageiros, muitos até com licenciamentos vencidos e sem o seguro obrigatório em dia, além da utilização de menores no serviço de cobrador.

A fiscalização deste tipo de transporte poderia ocorrer sem a apreensão. Ao efetuar a fiscalização e detectar o transporte clandestino, bastaria ao órgão competente reter e autuar o veículo pelo transporte irregular de passageiros. Entretanto, uma sentença judicial de janeiro de 2007, determina que a CTBel tire de circulação este tipo de transporte, sob pena de pagar uma multa diária de R$ 10 mil pelo não cumprimento da ordem. As informações são da Ctbel.

(DOL)

domingo, 7 de agosto de 2011

FACEBOOK E UM NOVO DILEMA: O QUÉ FAZER COM OS USUÁRIOS QUE MORREM?

Purvin Courtney ficou chocado a última vez que visitou Facebook no mês passado. O site sugeriu que ele entrasse em contato com um velho amigo da família que tinha tocava piano em seu casamento há quatro anos.
 
O amigo havia morrido em abril.
 
"Parecia um pouco macabro", disse ele. "Foi como voltar dos mortos."
 
Facebook, a maior rede social do mundo, sabe muito mais de 500 milhões de membros. Seu software é rápido para ajudá-lo a se lembrar de coisas como um aniversário iminente ou amigos que você não tem contato com você. Mas a empresa tem se esforçado para automatizar a tarefa de perceber que um membro tenha morrido.
 
Isso pode levar a momentos difíceis ou simplesmente inconveniente para os usuários do Facebook, quando o site ainda está embaralhando seu amigo morreu em sua algoritmos social.
 
Em Facebook dizem que estão lutando para ver como lidar com a questão dos fantasmas, mas reconhece que chegou a uma boa solução.
 
uma questão muito sensível", disse Meredith Chin, porta-voz da empresa ", é claro, ver os amigos mortos que nos visitam podem ser dolorosas." Dado o tamanho do site, "e as pessoas morrendo todos os dias, nunca podemos estar completamente atualizado", disse ele.
James E. Katz, professor de comunicação na Rutgers University, disse que a companhia estava tendo "um problema da velhice." "Muitos dos primeiros usuários do Facebook eram muito jovens e morte era extremamente raro e trágico", disse Katz.
 
Hoje, as pessoas com mais de 65 estão adotando Facebook em uma taxa mais rápida que qualquer outro grupo etário, com apenas 6,5 milhões de assinantes em maio, três vezes mais do que em maio de 2009, de acordo com a empresa de pesquisa comScore. Pessoas acima de 65 são, naturalmente, a maior taxa de mortalidade, de modo que o problema é complicado.

A INTERNET: UMA AVALANCHE DE INFORMAÇÃO


Uma pesquisa realizada pelo Centro de Indústria da Informação Global (Centro da Indústria Global Information), Universidade da Califórnia (San Diego) revelou que cada americano consumiu uma média de 34 gigabytes de dados por dia, em 2008, equivalente a leitura de cerca de 100 mil palavras ou 222 páginas de um livro de 24 horas.

Os dados da pesquisa chamada de quanta informação (muita informação), referem-se apenas para os EUA, mas pode ser visto como indicadores de tendências que estão se manifestando no mundo, com intensidade variada. Um pouco mais, porque em alguns países escandinavos e da Europa do Norte o uso da Internet é ainda mais intensa do que nos Estados Unidos.


Mais impresona volume de dados, bem como o indivíduo é absorvido pelo aumento do número de horas que um americano foi exposto à informação. A pesquisa disse que um total de 11,45 por dia em 2008, um aumento de 59,4 em comparação com 1980.


Se levarmos em conta a atividade diária de uma pessoa, vemos que em 2008 o americano médio consumia 75% de informação durante o tempo que ele estava contra menos de 50% 28 anos atrás.


O consumo de 34 gigabytes (o equivalente a quase 8 visto diariamente com DVD 4,4 GB cada) inclui vinte tipos diferentes de mídia, de jornais impressos para e-mails enviados pelo twitter. Quase metade do volume de informações consumida é formado por imagens e sons transmitidos pela televisão, cinema e vídeo em DVD ou pela internet.


Em 1980, os americanos consumiram apenas 22% do seu tempo para consumir as informações transmitidas por rádio e televisão, que mostra como a impressão é de perder a sua hegemonia absoluta na presença de aumentar narrativas visuais e de áudio.


O estudo também mostrou alguns paradoxos que indicam a necessidade de melhor investigar as mudanças em curso na informação ecológica contemporânea. Durante os 18 anos tomado como referência pelos pesquisadores James Short e Roger Bohn, da quantidade de dados consumidos em forma digital, em média, cresceu 5,4%, enquanto o poder de processamento dos computadores aumentou em 30% a cada 12 meses.


Outro paradoxo é que, apesar da queda no consumo de informação através de jornais e livros, triplicou entre 1980 e 2008 a taxa de leitura relatadas pelos entrevistados, mostrando que a leitura não está necessariamente associado com o papel impresso, e a Internet é hoje o principal responsável para o hábito da leitura.Este aumento no consumo de tempo está associada com a presença crescente de informações em nossas vidas diárias, informações não só vem no jornal, rádio ou televisão para obter informações. Ele está em toda parte, como objetos cada vez mais, serviços e indivíduos estão se tornando portadores de mensagens informativas que identificam padrões de consumo, status social e estados de espírito, para dar apenas alguns exemplos.


Doses maciças de informação que o homem moderno começa a consumir alterar completamente tudo o que imaginar em termos de meios de transformação do mundo em que vivemos. A mídia está cada vez mais composta de a realidade percebida pelas pessoas, porque não há condições de tempo ou material para comparar o que um jornal, por exemplo, a realidade concreta.


Fonte: Carlos Castilho.  Blog La oveja100

Governo e ambientalistas começam a elaborar plano para a preservação da biodiversidade


O Brasil quer estabelecer metas de conservação do meio ambiente e do uso sustentável da biodiversidade para atender aos compromissos assumidos na 10ª Conferência das Partes (COP-10), realizada no ano passado em Nagoia (Japão) com a participação de 193 países.

Governo e ambientalistas fazem até esta quinta-feira (4), em Brasília, a primeira reunião com o meio empresarial para estabelecer uma estratégia brasileira de biodiversidade até 2020.
A COP-10 determina que os países devem elaborar planos estratégicos nacionais para esta década, calculando o valor da biodiversidade nas contas públicas. A ideia é ter um indicador para medir os benefícios e prejuízos financeiros causados pelo impacto de uma atividade econômica no meio ambiente.

Segundo Cláudio Maretti, do WWF-Brasil, para proteger todas as florestas do planeta a estimativa é de custo global de US$ 40 bilhões ao ano. Entretanto, a perda financeira pelo desmatamento pode custar até 100 vezes mais, considerando, por exemplo, a extinção de fontes de matéria-prima, a diminuição de recursos hídricos e os efeitos climáticos (que ocasionam, por exemplo, grandes prejuízos com as inundações de cidades).

Maretti avalia que há empresários de diferentes setores (inclusive do agronegócio) “entendendo que a biodiversidade é parte do negócio” e que o meio ambiente deve ser tratado como “capital natural”. Essa postura rompe com a visão tradicionalista de que é inevitável a destruição ambiental para que haja desenvolvimento.

Para o secretário-executivo do Meio Ambiente, Francisco Gaetani, a crise econômica mundial de 2008 “reintroduziu o crescimento predatório”, o que pode ser um risco para a biodiversidade do planeta.

“Nenhum país renuncia ao seu potencial de crescimento, mas para que a gente possa aproveitar esse potencial, precisamos conhecer antes de destruir e gerar danos irreversíveis”, disse Gaetani que avalia que o Brasil pode ser protagonista na defesa da agenda ambiental. “O país é G1 em biodiversidade”, lembra referindo-se à extensão territorial e diversidade de biomas.

Em junho do ano que vem, o Brasil sediará a conferência Rio+20 que deverá ter como temas a transição para a chamada economia verde, com baixos níveis de poluição, tendo em vista o crescimento sustentável e o foco na diminuição da pobreza. A discussão das estratégicas, de acordo com a COP-10, prepara o país para coordenar a conferência no Rio. “Temos que discutir na Rio +20 quais são os procedimentos adotados por todos”, defende Maretti.

Além dos empresários, o governo e os ambientalistas farão reuniões nos próximos meses com a sociedade civil; com o meio acadêmico; com os povos indígenas e comunidades locais; além das representações dos três níveis de organização da Federação (municípios, estados e União).  
(Fonte: Gilberto Costa/ Agência Brasil)

Alguma coisa está faltando nessa  nova articulção do governo com o setor empresarial, a presença da Amazônia, empresários, pesquisadores e as comunidades, onde se concentra a biodiversidade brasileira. Como sempre acontece, eles estão ausentes.