Google+ Badge

sexta-feira, 15 de março de 2013

Nao traz, mas ajuda

http://www.valor.com.br/opiniao/3046196/dinheiro-traz-felicidade via "Brasil Noticias" http://play.google.com/store/apps/details?id=com.acerolamob.android.brasilnoticias

quinta-feira, 14 de março de 2013

Brasil 'estaciona' na 85ª posição do ranking de IDH em 2012

BRASÍLIA - A Organização das Nações Unidas (ONU) divulgou nesta quinta-feira o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) referente ao ano de 2012. O indicador considera a expectativa de vida, educação e renda per capta para classificar o grau de desenvolvimento de 187 países.



Em 2011, o desempenho brasileiro foi de 0,728.



O IDH do Brasil está abaixo da média calculada para a América Latina e Caribe, que se situou em 0,741 (0,739 em 2011). Segundo a ONU, essa é a segunda maior média do mundo, perdendo apenas para a região da Europa e Ásia Central, com IDH de 0,771. A média da região latina também é superior à média mundial, de 0,694 (0,692 em 2011).

Segundo o relatório, a região apresenta bom desempenho em todos os indicadores que compõem o IDH. A esperança de vida média ao nascer é de 74,7 anos e a média dos anos de escolaridade esperados está em 13,7 anos. Tais leituras colocam a região à frente de outras no que diz respeito a estes componentes. Já a expectativa de vida é praticamente cinco anos mais elevada do que a média mundial.

A região ocupa também o segundo lugar no quesito média de anos de escolaridade (média de 7,8 anos) e rendimento nacional bruto (RNB) per capita. A média do rendimento per capita está acima da média mundial, que é de US$ 10.184.

Chile em destaque


Ainda na América Latina, o Chile é mais bem colocado no ranking IDH, com 0,819 e a 40ª colocação. Depois aparece a Argentina, com índice de 0,811, na 45ª colocação. Esses dois países estão classificados com o “desenvolvimento humano muito elevado”.

Uruguai tem a 51ª colocação e IDH de 0,792, o que coloca o país no mesmo grupo do Brasil, de “elevado desenvolvimento humano”. A linha de corte é 0,8 de IDH. Também estão no grupo o México (0,775 e 61ª colocação), Venezuela (0,748 e 71ª colocação), Peru (0,741 e 77ª colocação) e a Colômbia (0,719 e 91ª colocação).

Considerando o IDH ajustado à desigualdade interna, a leitura no Brasil cai de 0,73 para 0,531, uma perda de 27,2% decorrente das disparidades na distribuição dos índices avaliados. Para efeito de comparação, as notas de México e Colômbia perdem entre 23,4% e 27,2% em função dessas disparidades.

Sul em alta

O Relatório de Desenvolvimento Humano (RDH) de 2013, elaborado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimentos (Pnud) tem o título de “A Ascensão do Sul”. Nele, a agência da Organização das Nações Unidas (ONU) avalia como a redução da pobreza e o crescimento da classe média se apresentam como os futuros o recente progresso da América Latina, Ásia e África.

“A ascensão do Sul tem ocorrido em uma velocidade e escala sem precedentes,” diz o documento. “Nunca, na história, as condições de vida e as perspectivas de futuro de tantos indivíduos mudaram de forma tão considerável e tão rapidamente.”

Como exemplo desse crescimento "espetacular", o documento lembra que a China e a Índia duplicaram o seu Produto Interno Bruto (PIB) per capita em menos de 20 anos. Isso representa um ritmo duas vezes mais rápido do que o verificado durante a Revolução Industrial na Europa e na América do Norte.

“A Revolução Industrial foi vivida, provavelmente, por uma centena de milhões de pessoas, mas o fenômeno que assistimos hoje é protagonizado por milhões de milhões de pessoas,” diz Khalid Malik, autor principal do Relatório de 2013.

Com a melhoria dos padrões de vida, o percentual global de pessoas em situação de pobreza extrema caiu de 43% em 1990 para 22% em 2008. Como consequência disso, o mundo atingiu a principal meta em matéria de erradicação da pobreza fixada nos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio, que era reduzir para metade a percentagem de pessoas que vivem com menos de US$ 1,25 por dia entre 1990 e 2015.

O documento também chama atenção ao aumento de participação dos países em desenvolvimento no comércio internacional. Eles praticamente duplicaram a fatia de participação, passando de 25% para 47% entre 1980 e 2010.

As trocas comerciais entre esses países do Sul saíram de menos de 30% do comércio mundial, 30 anos atrás, para 25% atualmente, enquanto o comércio entre os desenvolvidos recuou de 46% do total global para 30%. E pelas projeções feitas no RDH, as relações comerciais entre os países do Sul ultrapassarão as existentes entre as nações desenvolvidas. O documento lembra que há correlação entre abertura comercial e progresso humano.


Por Eduardo Campos | Valor

quarta-feira, 13 de março de 2013

Os tucanos chiam...., e a contribuição deles?



Alvaro Dias cobra solução para o desequilíbrio federativo, e pede melhor distribuição de recursos


“Espero que a grandiosidade do encontro de governadores de hoje não se transforme em um ato feito apenas para gerar falsa expectativa”. A afirmação foi feita pelo senador Alvaro Dias (PSDB/PR) no Plenário, ao comentar o encontro realizado entre governadores e líderes partidários nesta quarta-feira (13/03), para debater propostas em torno da celebração de um novo pacto federativo. Para o senador tucano, o desequilíbrio brutal do sistema federativo afeta e prejudica principalmente os municípios, e para que não haja recuo na promoção de um novo pacto, a Presidência da República não pode se ausentar deste debate.
Leia Mais e veja o vídeo


Emenda do senador paranaense à MP dos Portos é endossada por empresários e trabalhadores do setor portuário


Emenda apresentada pelo senador Alvaro Dias (PSDB/PR) à Medida Provisória 595/ 2012 - MP dos Portos - foi endossada por entidades que representam os portuários e os empresários ligados ao comércio exterior, pois descentraliza a gestão, fortalecendo os estados. A emenda do senador altera o artigo 16 da MP e resgata pontos da Lei nº 8.630/1993, restabelecendo, em todos os portos, um Conselho de Autoridade Portuária que terá a competência, entre outras, de homologar o horário de funcionamento do porto e os valores das tarifas portuárias; opinar sobre a proposta de orçamento do porto; fomentar a ação industrial e comercial do porto; estimular a competitividade e indicar um membro da classe empresarial e outro da classe trabalhadora para compor o conselho de administração. Leia Mais


Alvaro Dias manifesta preocupação com precariedade do ensino superior e evasão excessiva de alunos


Ao registrar, na sessão plenária desta terça-feira (12/03), o apelo de estudantes de medicina da Universidade Gama Filho, que lhe encaminharam dossiê sobre as dificuldades enfrentadas pelos mais de dois mil alunos da instituição privada, o senador Alvaro Dias lamentou a precariedade do ensino superior no Brasil, sobretudo a evasão de estudantes, "que se constitui em um dos principais problemas da nossa educação". Segundo dados oficiais apresentados pelo senador tucano, houve evasão de 896 mil alunos do ensino superior, entre 2008 e 2009, o que causou um prejuízo de R$ 9 bilhões à economia do País. Leia Mais


Aprovado projeto do senador que aumenta transparência e fiscalização sobre projetos do setor cultural


O Ministério da Cultura poderá ser obrigado a publicar uma lista atualizada de projetos culturais que tenham captado recursos por meio de renúncia fiscal e ainda não tenham recebido avaliação final. Esse é o objetivo do projeto do senador Alvaro Dias (PSDB-PR), que foi aprovado nesta terça-feira (12/03) pela Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA). O projeto de lei 22/2012, de Alvaro Dias e que foi relatado na CMA pelo Líder do PSDB, senador Aloysio Nunes (SP), estabelece que sejam obrigatoriamente publicadas, mensalmente, no Diário Oficial da União e no sítio eletrônico do Ministério da Cultura, diversos tipos de informações, tais como: o nome do projeto beneficiado com renúncia fiscal; o responsável por sua execução; o número de registro do projeto no Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac); a data da conclusão; os recursos captados; e a justificativa para a não realização da avaliação fin al da aplicação dos recursos recebidos no prazo determinado, entre outras. Leia Mais


Mantega convocado para explicar falta de rumos e “mágica contábil”


Os senadores da Comissão de Assuntos Econômicos aprovaram requerimento do senador Alvaro Dias para que o ministro da Fazenda, Guido Mantega, compareça ao Senado e preste esclarecimentos sobre os rumos da economia brasileira. Ao justificar o requerimento, o senador Alvaro Dias afirmou que há hoje forte preocupação na sociedade e no mercado em relação aos destinos da economia brasileira. Leia Mais

E por que não?

Aécio defende “reestatização” da Petrobras






BRASÍLIA - Após participar de seminário realizado pelo PSDB para debater o que o partido considera “gestão temerária” da Petrobras durante os governos do PT, o senador Aécio Neves (MG), provável candidato tucano à Presidência da República, defendeu a “reestatização” da empresa, que considera estar servindo hoje mais a “interesses privados e partidários” do que aos da nação.

O evento foi o primeiro de uma série que será promovida pelo partido, com o objetivo de dar espaço para que o presidenciável assuma posições em contraponto às ações do governo e apresente alternativas. A Petrobras foi o primeiro tema, pelo simbolismo político e importância econômica da empresa.

Aécio criticou a adoção do modelo de partilha de produção para a exploração da camada pré-sal, mas não defendeu claramente a mudança na legislação para que o contrato de concessão seja mantido como único sistema para a extração e produção do petróleo, como era até 2010. Segundo o presidente do PSDB, deputado Sérgio Guerra (PE), o partido ainda não tem posição definida sobre manter ou não o modelo de partilha.

O senador mineiro foi mais explícito ao defender o fim da exigência de 30% de participação mínima da Petrobras em todos os consórcios vencedores de leilões do pré-sal no modelo de partilha. Disse que a empresa está “descapitalizada” e terá de buscar recursos no mercado para arcar com esse financiamento, o que significará novos adiamentos de leilões e “dificuldades crescentes”.

“O que queremos, na verdade, é reestatizar a Petrobras, que foi partidarizada excessivamente pelo PT e perdeu eficiência, punindo seus acionistas e gerando muita incerteza em relação a novos investimentos. É preocupante hoje a situação da Petrobras. Vamos dialogar com especialistas e apresentar alternativas”, afirmou Aécio. Ele também sinalizou posição favorável à flexibilização da exigência de nacionalização do conteúdo na exploração do pré-sal, com a qual disse concordar, mas ponderou que não “adianta demandar para uma indústria que não existe”.

Sobre os eventos a serem realizados pelo PSDB, disse que a intenção é “contrapor cada vez mais o Brasil real do Brasil da propaganda”, feita, segundo os tucanos, pelo governo Dilma Rousseff. O de hoje recebeu o nome de “Recuperar a Petrobras é o nosso desafio”.

A direção do PSDB e o Instituto Teotonio Vilela (ITV), órgão de estudos do partido, convidou palestrantes com posições identificadas com as da oposição para falar sobre a Petrobras e listou 11 pontos para abordar.

São eles: a autossuficiência do Brasil na área do petróleo, anunciada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva mas nunca alcançada, a perda de 47,7% do valor de mercado da empresa, desconfiança pelos elevados investimentos e baixos retornos, perdas sucessivas no ranking mundial, queda das ações, paralisação dos leilões por causa da confusão pela distribuição dos royalties, investigação do Ministério Público da compra da refinaria de Pasadena, no Texas (EUA), aumento do custo de construção da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, e o aumento do quadro de servidores efetivos e terceirizados na gestão de José Sérgio Gabrielli.

(Raquel Ulhôa | Valor)

© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A.