Google+ Badge

sábado, 11 de outubro de 2014

"O governo tucano esconde pra baixo do tapete. O da Dilma investiga.....


Por 4 anos o Paulo Roberto Costa e só agora demitiu da Petrobras, com elogios rasgados, assim não dá. 


Gabrielli, Dilma, Paulo Roberto "na" Costa e Graça (ainda Presidente? da Petrobras) 


A Demagogia do PT

São Paulo - Em vídeo postado nesta sexta-feira, 10, em sua página oficial no Facebook, o ex-presidente tucano Fernando Henrique Cardoso diz que o ex-presidente petista Luiz Inácio Lula da Silva mentiu quando o acusou de criticar os nordestinos. "O PT fica querendo fazer demagogia, querendo nos jogar contra o povo, dizendo que o PSDB fez isso ou aquilo, que eu disse isso ou aquilo, o Lula mentiu, eu não falei de Nordeste ou de nordestinos, nada disso", disse.

Na postagem, Fernando Henrique disse lamentar que a presidente e candidata à reeleição pelo PT, Dilma Rousseff, "tenha embarcado nessa, não é verdade". E disse: "O povo não é bobo, o povo sabe que quem fez o Plano Real fomos nós, quando fui ministro da Fazenda, que melhorou a vida de todo mundo, dos pobres, do trabalhador."

Veja aqui a íntegra do vídeo.

Nas críticas à gestão petista, o ex-presidente tucano disse que é com o receituário do PSDB que se combate a pobreza "e não deixando a inflação voltar e depois aconselhando o povo a não comer carne, a comer tomate, a comer frango, ovo". E continuou: "Não é deste jeito que se resolve a pobreza. Nós, do PSDB, sim, fizemos o que dissemos e deu certo."

O vídeo é mais um capítulo do embate que os dois ex-presidentes da República estão travando com mais frequência neste segundo turno, em prol de seus candidatos, Aécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT).


sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Pesquisa interna do PT





Territórios com Mineração



Participação de alunos, gestores municipais e empresários da mineração no curso sobre Planejamento Estratégico realizado em Parauapebas. Os depoimentos de alunos que parabenizam à SEICOM e a UFPA mostram a presença do Estado nos municípios do Sul e Sudeste do Estado do Pará, onde a mineração é o foco da atividade econômica do município. Assim também é no município do Canaã dos Carajás, Itaituba (consorcio Tapajós), Santarém, São Miguel do Guamá e outros municípios, onde os diverso cursos estão acontecendo.



quinta-feira, 9 de outubro de 2014

É só uma pesquisa


Dilma questiona no TSE pesquisa que mostra vitória de Aécio



BRASÍLIA - A coligação da presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, entrou com um questionamento no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra a pesquisa divulgada na quarta-feira pela revista “Época” que apontou vitória de Aécio Neves, candidato do PSDB, no segundo turno das eleições.

O levantamento foi feito pelo Instituto Paraná, e mostrou que Aécio tem 54% das intenções de voto no segundo turno. Dilma conseguiu 46%. Ao todo, 2.080 eleitores responderam o questionário em 152 municípios.

A petição, protocolada nesta quinta-feira pela coligação petista, é contra o instituto de pesquisa — e não contra a revista. O relator do caso é o ministro Tarcísio Vieira de Carvalho Neto. O PT quer ter acesso à metodologia e abrangência da pesquisa, pedindo mais informações ao sistema interno de controle, verificação e fiscalização da coleta de dados do Instituto Paraná.


Por Thiago Resende | Valor

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Dilma vence em 15 Estados, três a menos do que em 2010, e Aécio ganha em dez



Pela sexta vez consecutiva, desde 1994, a polarização entre PT e PSDB decidirá o vencedor da eleição à Presidência da República. A virada de Aécio Neves (PSDB) na reta final, indicada por pesquisas Ibope e Datafolha, no sábado, foi confirmada ontem nas urnas com a ultrapassagem do tucano, com 33,55% dos votos válidos, sobre a ex-senadora Marina Silva (PSB), que obteve 21,32%. O tucano enfrentará, no segundo turno, dia 26, a presidente Dilma Rousseff (PT), que amealhou 41,59% dos votos - cinco pontos a menos do que os 46,91% que conseguiu na primeira etapa em 2010.

Com a virada, Aécio superou em um ponto percentual o desempenho de quatro anos atrás do correligionário José Serra (32,61%) e pôs fim à maior ameaça em duas décadas à polarização entre petistas e tucanos. Marina Silva chegou a liderar as pesquisas ao lado de Dilma no início do mês passado. Mas desidratou com os ataques dos dois principais adversários. Juntos, Dilma e Aécio tiveram oito vezes mais tempo de propaganda no rádio e TV do que a candidata do PSB. No segundo turno, os dois terão espaços iguais.



O mapa da geografia do voto presidencial ficou menos vermelho. Dilma conquistou 15 Estados, três a menos do que os 18 de 2010. Os tucanos tiveram um avanço: enquanto Serra foi o mais votado em oito Estados, Aécio foi o preferido em dez. O refluxo de Marina na reta final de campanha foi grande: em meados de setembro, a pessebista liderava quatro unidades da Federação e empatava, na margem de erro, em mais sete. Ganhou apenas em Pernambuco e no Acre, sua terra natal. E perdeu no Distrito Federal, que lhe deu a única vitória há quatro anos, quando concorreu pelo PV e conquistou nacionalmente 19,33% dos votos. O pior desempenho foi em Rondônia (10,4%).

No caso do PT, foi o Distrito Federal (23%). Mas o Nordeste mantém-se como a grande mancha vermelha, no maior reduto eleitoral do partido. Dilma teve seu recorde de votação no Piauí (70,6%) - patamar semelhante ao apoio máximo de 2010 no Maranhão (70,65%). Na região, a presidente venceu em todos os Estados, exceto em Pernambuco, onde travou uma disputa acirrada com Marina, herdeira dos votos do ex-governador Eduardo Campos, morto em acidente aéreo em 13 de agosto.

A ascensão de Marina à cabeça de chapa levou a candidatura do PSB a ultrapassar Aécio e empatar com Dilma, numa reviravolta inédita em eleições presidenciais. Em Pernambuco, a pessebista venceu por 48% contra 44,2% da petista. Muito longe, Aécio Neves registrou 5,92% - seu pior resultado estadual - num reflexo do mau desempenho histórico do PSDB na região. O Nordeste foi onde Aécio colheu suas piores votações. Ficou em terceiro lugar em cinco dos nove Estados, ainda que por pequena diferença em dois: Bahia e Piauí. Mas no Rio de Janeiro também terminou atrás de Marina, por quatro pontos (31,06% a 26,93%).

Por outro lado, a ida de Aécio ao segundo turno dá ânimo aos tucanos, que durante todo o último mês estavam num distante terceiro lugar. Aécio recuperou terreno principalmente em São Paulo, o maior colégio eleitoral do país. De acordo com pesquisa Ibope realizada entre os dias 6 e 8, o tucano tinha apenas 15% das preferências no Estado, contra 38% de Marina e 25% de Dilma. Nas urnas, fechou em primeiro, com 44,2%, à frente da petista (25,82%) e da pessebista (25,09%).

A melhor votação proporcional de Aécio foi em Santa Catarina, com 52,89%, mas perdeu para Dilma em Minas Gerais, seu Estado, por 43,48% a 39,75%.

Por Cristian Klein | De São Paulo

Aécio busca Marina e homenageia Campos


Otimismo de Aécio: o candidato à Presidência pelo PSDB acena logo depois de votar, ontem, em Belo Horizonte; agora sua prioridade é buscar o apoio de Marina Silva para o segundo turno





O senador e candidato presidencial pelo PSDB, Aécio Neves, confirmou a virada sobre Marina Silva (PSB), que as pesquisas já vinham apontando, e disputará com a presidente Dilma Rousseff (PT) o segundo turno das eleições. Ele surpreendeu na votação ontem e ficou apenas oito pontos percentuais atrás de Dilma.

Aécio teve uma vantagem de 4 milhões de votos sobre a presidente Dilma em São Paulo, no maior colégio eleitoral do país.

O tucano terá como tarefa imediata tentar atrair o apoio de Marina Silva, o que tornaria mais fácil a migração de eleitores marinistas para ele no segundo turno. O PT também brigará por uma costura eleitoral com Marina.

Ontem à noite, ao comentar os resultados da eleição, ele lembrou Eduardo Campos, candidato do PSB morto no início da campanha num acidente aéreo. Foi uma reverência a um amigo, mas também um claro aceno para cativar Marina e alas do partido ligadas ao antigo líder.

"Quero aqui, desde já, deixar uma palavra de homenagem muito pessoal a um amigo, a um homem público honrado, digno, que foi abatido por uma tragédia no meio dessa campanha: o governador Eduardo Campos. A ele, aos seus ideais e aos seus sonhos também, a minha reverência. Nós saberemos juntos transformá-los em realidade", disse Aécio.

"É hora de unirmos as forças. A minha candidatura não é mais a candidatura de um partido político ou de um conjunto de alianças", afirmou, em entrevista coletiva no comitê da campanha tucana em Belo Horizonte.

Um interlocutor de Aécio disse ao Valor, no sábado, já ter tido duas conversas por telefone na semana passada com um dos políticos próximos a Marina. "Foi o começo de um ensaio de diálogo."

O grupo de Aécio dá um senso de urgência a essa aproximação. O ideal, segundo duas pessoas do círculo de Aécio, é que a abordagem seja rápida e que no máximo até o fim da semana a união entre os candidatos esteja sacramentada. O segundo turno está marcados para o dia 26.

Aécio disse ontem que não havia tido ainda nenhum contato com o campo de Marina e afirmou ter "enorme respeito pessoal" por ela.

O tucano, no entanto, fez um convite: "Nosso projeto é um projeto generoso. Não é o projeto de um partido é um projeto da sociedade brasileira e todos aqueles que quiserem se somar a ele e tiverem contribuições a dar a essas mudanças serão muito bem vindos".

Ex-integrante do PT por mais de 20 anos e ex-ministra do Meio Ambiente do governo Lula, Marina será também cortejada pelos petistas - se não para aderir a Dilma, ao menos para se manter neutra, como fez em 2010. O presidente do PSB, Roberto Amaral, é próximo de Lula. Lideranças petistas afirmam que uma fatia importante dos eleitores de Marina tende a apoiar mais facilmente a candidata do PT.

No caso do PSDB, ex-presidente Fernando Henrique Cardoso é visto pelo grupo de Marina como a pessoa com quem ela fará a ponte para um início de conversa com Aécio Neves.

Na corte de Aécio a Marina, além do ex-presidente, outra pessoa terá importância: a viúva de Eduardo Campos, Renata Campos. "Sem dúvida ela será uma conselheira importante. Marina ouve a Renata e tem uma ligação pessoal e política muito sólida", disse o interlocutor da candidata ouvido pela reportagem

Aécio disse que não tinha ainda nenhuma conversa agendada com ela e que é "muito cauteloso com relação a essas questões".

No lado dos tucanos, a avaliação é que, além de FHC, outros nomes serão importantes na tentativa de costura com Marina. Entre eles, estão Márcio França (PSB), que se elegeu vice-governador de São Paulo na chapa de Geraldo Alckmin (PSDB); o candidato a vice de Marina, Beto Albuquerque (PSB), o presidente do PPS, Roberto Freire.

Mas a conversa com a Marina terá de ser com o Aécio, acrescenta um parlamentar tucano, dizendo que essa não é uma discussão que possa ser "terceirizada".

Marina chegou a ter 34% das intenções de voto, encostando em Dilma, que tinha 35%, na pesquisa do Datafolha feita entre 1 e 3 de setembro. Aécio apareceu com 14%. Para recuperar o segundo lugar nas pesquisas, a campanha tucana começou a criticar Marina, dizendo que ela não tinha experiência de gestão, que suas opiniões oscilavam em função de conveniências e que não era, de fato, oposição ao governo atual, já que esteve por mais de 20 anos no PT.

Aécio procurou, no entanto, misturar as críticas palavras positivas e de respeito sobre a adversária.

No sábado, o interlocutor de Aécio disse à reportagem que, na semana passada, teve duas conversas longas com uma pessoa da confiança de Marina e que os contatos serviram de "sinalização", de "abertura das conversas" sobre um apoio de Marina a Aécio - ou de Aécio a Marina.

As últimas pesquisas mostraram uma ascensão de Aécio proporcional à contínua queda de Marina. O tucano recuperou votos em Minas, sua base eleitoral e Estado que ele governou entre 2003 e 2010. Mas, ainda assim, teve menos votos do que Dilma entre os mineiros.

Sua campanha na TV foi marcada por exemplos de políticas bem sucedidas que ele adotou quando governador e que ganhariam escala caso fosse eleito presidente.

Mas Aécio terá dificuldades de continuar a exibir Minas como sua vitrine no segundo turno. Não apenas ele teve menos votos do que Dilma no Estado, como o candidato a governador apoiado por ele, o tucano Pimenta da Veiga, foi batido no primeiro turno por Fernando Pimentel, do PT, depois de três gestões seguidas do PSDB.

Aécio disse ontem que a oposição a Dilma já foi vitoriosa porque teve a maioria dos votos no primeiro turno. "Eu me sinto extremamente honrado em ser o representante desse sentimento."

Ele prometeu intensificar as ações de campanha já a partir de amanhã. O tucano estará em São Paulo hoje para definir com coordenadores da campanha suas próximas viagens pelo país.

Ainda sobre as futuras conversas entre tucanos e marinistas, os dois lados usam o mesmo termo quando se referem à forma a conversa entre Marina e Aécio terá de se dar: em bases programáticas. Quem convive com Marina acredita que ela começará a conversa com base nos compromissos que a candidatura de Aécio assumirá e no interesse dele em absorver algumas bandeiras que ela considere mais importantes.

É a mesma postura que ela teve em 2010, quando ficou em terceiro lugar nas eleições presidenciais, atrás de José Serra (PSDB) e Dilma. Naquele ano, ela acabou não apoiando nenhum dos dois no segundo turno.

Para o parlamentar tucano, a "discussão programática" não será dificuldade. Ele lembra que conselheiros econômicos de Marina, Eduardo Gianetti da Fonseca e André Lara Resende, defendem posições muito semelhantes à da campanha do PSDB.

Uma das poucas diferenças que apareceram na campanha diz respeito ao Banco Central. Marina passou a defender que é necessário que instituição seja independente do Poder Executivo. Aécio, não.

Nas políticas sociais, ainda conforme o parlamentar tucano, não há diferenças entre os dois lados. As únicas arestas seriam quanto à questão ambiental e ao agronegócio, temas em que Marina já defendeu posições mais restritivas e críticas do que Aécio.

Por Marcos de Moura e Souza | De Belo Horizonte