Google+ Badge

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Sucessão no Pará - Sem inspiração - Ctrl C + Ctrl V

Entrar nesse papo das eleições do Pará, conferir o nível do debate e em geral os recursos mediáticos dos políticos paraenses, deixa sem sem vontade de aparecer na imprensa paraense.

Mas como é o nosso Estado, por ser nossa região, onde temos passado a maior parte de nossa vida profissional (no meu caso, adotei o Estado como minha referência físicav e têrrea mais importante), não da para não estar enterado do que alí acontece e não procurar, contribuir minimamente com os nossos amigos leitores (também no meu caso, só meus amigos me acessam, o resto, não só não acessam meu blog, como também, não recomendo que passem por aqui).

Hoje fui no teclado e fiz uso ao recurso que todo mbommpesquisador faz: Ctrl C + Ctrl V. Vejam o que saiú.

Deu no Blog Hupomnemata do Prof. Fabio Fonseca e no Blog Ananindeua Debates

Os porquês do PMDB 1 

Não tive tempo de mencionar, mas a contundente fala da deputada Bernadete ten Caten (PT), na Assembléia Legislativa, refutando as declarações do deputado Jáder Barbalho (PMDB), foi didática e completa.

A militância petista agradece, porque a pergunta que todos fazem é a seguinte: porque o PT apanha do PMDB e continua virando a outra face? As respostas a essa pergunta são todas impraticáveis: Seja porque tem culpas a expiar, seja porque aceita pagar um preço exorbitante pelo resgate da aliança política com objetivo eleitoral, seja porque não sabe porquês.

Os porquês do PMDB 2

As falas anteriores do deputado Zé Geraldo e de Cláudio Puty foram apaixonadas e por isso mesmo vitais, mas a fala de Bernadete tem o mérito do didatismo, porque ela apontou, um por um, os elementos da participação do PMDB no governo. Aliás, vale à pena reproduzir a lista de Bernadete ten Caten, mostrando que o PMDB é o aliado com maior participação no governo

Os porquês do PMDB 3

Lendo a lista de Bernadete, vê-se bem que não é pouca coisa. E ela não inclui outros mimos feitos ao partido, como os patrocínios ofertados a seus colunistas de guerra, como Marcelo Marques, Mauro Bonna e Guilherme Augusto, os repasses exorbitantes à Assembléia, as emendas parlamentares e o apoio do governo aos municípios governados pelo partido.

Então porque o PMDB quer sempre mais? Para aumentar seu próprio resgate... A grande estratégia do PMDB sempre foi se seqüestrar a si mesmo para cobrar resgate por sua própria devolução. É, o PMDB é mesmo o partido da cobiça...

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Sucessaõ - Lula minimiza palanque dividido para Dilma nos Estados

LIÉGE ALBUQUERQUE - Agência Estado

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje que não considera crítico à campanha presidencial da pré-candidata Dilma Rousseff o fato de vários Estados estarem dividindo os partidos da base aliada em dois palanques.
"É claro que o ideal é a base unida em torno da candidata, mas se não for possível, como no caso do Pará, paciência. Vamos encontrar um jeito para fazer campanha. Eu acredito muito na capacidade de discernimento do partido para a escolha do palanque", defendeu Lula, depois do lançamento do Plano Nacional de Biocombustíveis, em Tomé-Açu, a 293 quilômetros de Belém.

 Leia a matéria completa no Estadão Aqui

Sustentabilidade - Petrobrás terá usina de biodiesel no Pará


O presidente da Petrobras Biocombustível, Miguel Rossetto, anunciou ontem em Belém a construção de uma usina de biodiesel no Pará.

A usina deve entrar em operação em julho de 2013. O presidente da Petrobras Biocombustível, Miguel Rossetto, anunciou ontem em Belém a construção de uma usina de biodiesel no Pará. A usina deve entrar em operação em julho de 2013. O investimento é de R$ 330 milhões.

Desse total, R$ 90 milhões serão gastos na área industrial e outros R$ 240 milhões na área agrícola. Rossetto disse que a usina produzirá 120 milhões de litros por ano e irá abastecer toda a região Norte.

O suporte à usina será a instalação de dois complexos industriais de extração de óleo de palma, abrangendo unidade de cogeração de energia elétrica e esmagadoras. Na visita doPresidente Lula, nesta quinta-feira a Tomé-Açu, no Pará, ele lançará o Programa Nacional de Óleo de Palma.

Estava prevista uma visita de Lula à área do viveiro, com 1 milhão de mudas (não tinha sido confirmada). Segundo Marco Antonio Leite, coordenador de agroenergia da Petrobras, os impactos econômicos e sociais dos projetos são extremamente positivos para a região. No projeto, denominado Biodiesel Pará, está prevista a geração de 7 mil empregos diretos, sendo 5,2 mil no setor agrícola e 1.750 na área industrial e de logística. Outros 2.250 agricultores familiares serão envolvidos no plantio de palma. Equilíbrio. As plantações ficarão localizadas em uma das áreas mais degradadas do nordeste paraense.

Um dos benefícios ambientais dos projetos será a recuperação dessas áreas afetadas pelo desmatamento, proporcionando, segundo a empresa, proteção de solo, equilíbrio ecológico e a reintegração econômica de regiões com pouca atividade produtiva, além de contribuir com a redução de gases de efeito estufa no ciclo de produção do óleo vegetal e na produção de biodiesel.

Segundo Rossetto, a nova usina é uma adição ao projeto de produção de biodiesel em Portugal, em parceria com a Galp Energia, já anunciada, com investimentos somados de US$ 530 milhões. Ele informou que ainda em 2010 serão adquiridas 1,1 milhão de sementes de palma para o início da produção de mudas em viveiro. O plantio das mudas nas áreas de produção está previsto para dezembro de 2011 e o início da colheita, a partir de 2014. "Estamos muito felizes em atuar aqui, numa parceria com o governo estadual.

A Petrobras veio para ficar no Pará", acrescentou Rossetto. O projeto Belém prevê a produção de 250 mil toneladas de biodiesel por ano em Portugal, em parceria com a Galp Energia, para atendimento ao mercado ibérico. A parceria faz parte da estratégia da Petrobras de entrada no mercado europeu de combustível. O investimento total é de R$ 1,017 bilhão, sendo R$ 554 milhões no Brasil para a produção de 300 mil toneladas de óleo de palma por ano e R$ 463 milhões em Portugal para a implantação de uma unidade de biodiesel. A previsão de entrada em operação da usina é 2015.


Home iG - Economia

Mapas da Biodiversidade - A Petrobrás e as espécies nativas da Amazônia

Biomapa da Amazônia 28/4/2010 Agência FAPESP –

Informações sobre mais de 100 espécies nativas da Amazônia estão reunidas no Biomapas, lançado nesta terça-feira (27/4) pela Petrobras.

Durante o trabalho de produção de petróleo na província petrolífera de Urucu, na região central do Estado do Amazonas, a empresa financiou um levantamento de espécies nativas locais, em parceria com centros de pesquisa da região.

O resultado deu origem a um livro, Biodiversidade na Província Petrolífera de Urucu, lançado em 2008. Agora, o material foi ampliado e transformado em fonte de consulta na internet.

No site, são encontrados textos explicativos com os nomes, características e curiosidades de espécies nativas vegetais como goiaba de anta, caroba, breu e pará-pará, e animais, como piaba e estalador-do-norte.

Os animais e vegetais catalogados estão distribuídos em um mapa que identifica o local em que foram encontrados. A visualização e pesquisa de forma georreferenciada são feitas por meio do Google Maps ou Google Earth.

Vídeos e fotos sobre expedições realizadas nos últimos anos por biólogos, engenheiros florestais e de coletores locais, entre outros especialistas ambientais, estão disponíveis no YouTube, Flickr e Picasa.

Consulte aqui os Biomapas

"O Brasil é o retrato da globalização", diz Cristovam Buarque


Se algo apaixona o ex-ministro da Educação brasileiro e atual senador Cristovam Buarque (nascido em Recife em 1944) é buscar respostas. Um descanso durante sua estada em Madri serviu para uma rápida visita a uma livraria, onde adquiriu três livros de autores muito diferentes (o austríaco Stefan Zweig, o libanês Amin Maalouf e o espanhol Fernando Díez Martín), mas com um tema em comum.


Os três títulos procuram porquês, e não estranha que seu livro, "Um Novo Mundo Feliz: Dicionário pessoal dos horrores e das esperanças do mundo globalizado" (ed. Taurus, 2010), busque precisamente as modificações que a modernidade deixou nas palavras. "Há novas palavras, ou as mesmas mas com outros usos. Para ter as soluções, é preciso entender o que enfrentamos."


"A globalização causou uma brecha entre ricos e pobres que supera a desigualdade e exige outras interpretações", afirma. Engenheiro, economista e ex-reitor da Universidade de Brasília, Buarque não esquece que foi um professor. A cada pergunta, pede papéis e desenha diagramas para esclarecer suas respostas. "Não há país que exemplifique melhor os problemas atuais que o meu. O Brasil é o retrato da globalização. Apenas alguns metros separam os milionários dos mais pobres, mas não existe uma convivência."


Segundo Buarque, a globalização aumentou o abismo entre as classes. "É verdade que há um mundo globalizado, mas este só pertence à classe alta", salienta. Dá como exemplo o hotel onde se realiza a entrevista. "Este hotel não se distingue de um em Nova York, em São Paulo ou em Kinshasa", afirma. "Os ricos voam nos mesmos aviões, leem os mesmos livros, vestem a mesma roupa e até usam a mesma gravata."


Um mundo separado por "muralhas modernas", o que define como "a cortina de ouro": a firme divisão entre classes. O maior risco, acrescenta, é o desinteresse e a frieza da sociedade moderna em relação à miséria. Frieza diante de assuntos tão sérios quanto as "meninas Paraguai" que menciona em seu livro: menores de idade que se prostituem nas cidades do nordeste do Brasil por R$ 1,99.

Leia a matéria completa no UOL Aqui

terça-feira, 4 de maio de 2010

Energia - Os custos do crescimento - "There´s no such thing as a free lunch"

Sucessão - Dilma em Uberaba

segunda-feira, 3 de maio de 2010

CORRUPÇÃO - DIGA NÃO E APOIE A FICHA LIMPA!!!

Caros amigos, Faltam 2 dias para a votação da Ficha Limpa. Clique a abaixo para acabar com a corrupção!:

A nossa pressão está funcionando! Em uma vitória incrível, centenas de deputados, quase todos que receberam os milhares de emails e telefonemas nossos, assinaram o pedido de urgência para levar a Ficha Limpa para votação nesta terça-feira! Agora nós só temos 3 dias para garantir um vitória histórica na luta contra a corrupção no Brasil. 3 dias é pouco, mas ainda podemos atingir a nossa meta de 2 milhões de nomes na petição.

Nós temos agora 1.940.007 assinaturas - e estamos organizando um ato no gramado do Congresso Nacional para entregar os 2 milhões na terça - precisamos ter certeza que todos que conhecemos já assinaram! Encaminhe este email, para que terça à noite seja a festa da vitória!

FICHA LIMPA

Quando a Ficha Limpa se tornar lei ela irá remover das eleições candidatos que cometeram crimes sérios como corrupção, lavagem de dinheiro, tráfico de drogas e assassinato. Só assim poderemos eliminar uma classe política criminosa responsável por sujar o nosso governo e roubar os recursos do nosso país. Obrigado por acreditar neste país e se engajar de forma ativa. Juntos nós podemos mudar a política do nosso país.

Com esperança, Graziela, Ricken, Pascal, Alice, Luis, Iain, Paul e toda a equipe Avaaz PS.

O ato no Congresso Nacional será na terça feira 04 de maio, das 16h às 18h - para maiores informações escreva para portugues@avaaz.org. CLIQUE NO LINK DA FICHA LIMPA AO LADO PARA ACABAR COM A CORRUPÇÃO

 AQUI SUA ASSINATURA FICHA LIMPA

domingo, 2 de maio de 2010

Sucessão - Pará PMDB dá nó no PT paraense

Flerte com tucanos e ameaça de candidatura própria ao governo complicam a aliança

Josie Jeronimo- Correio Braziliense.

A aproximação do deputado Jader Barbalho (PMDB-PA) com o PSDB do Pará e a rejeição à governadora Ana Júlia Carepa (PT) tem abalado a cúpula petista. Para resolver o problema, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva já escalou três aliados de peso para negociar a aliança entre PT e PMDB no estado.

O presidente do partido, José Eduardo Dutra, o ministro de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, e o ex-ministro José Dirceu já tentaram convencer o PMDB a repetir no Pará a aliança nacional ensaiada entre as siglas.

Preocupada com o desempenho eleitoral de Simão Jatene, pré-candidato tucano ao governo, e também de Jader, que já anunciou candidatura para vaga no Senado, Ana Júlia foi bater à porta do deputado do PMDB, seu vizinho de condomínio, para tentar estreitar os laços. Mas nem os acenos do PT nem a visita de cortesia convencem Jader. O deputado até tem como prioridade receber a pré-candidata do PT, Dilma Rousseff, em seu palanque, mas não quer apoiar Ana Júlia. Isso não significa, no entanto, apoio ao tucanato.

Jader adotará uma política de não agressão ao PSDB sem oficializar suporte a Jatene. Para isso, lançaria mão de um candidato-tampão. José Priante (PMDB), sobrinho dele, é o nome mais cotado. Priante confirma que o PMDB tem conversado com os tucanos, mas acena que a hipótese da candidatura própria cresce à medida que o partido se afasta de Ana Júlia.

O PMDB perdeu pelo menos seis grandes cargos no governo, entre secretarias e autarquias. “O estado parou. O Jader está sentado em cima da bola. Não diria que a aliança com o PT está descartada, mas é improvável.

O problema é a forma como o governo tem tratado o PMDB. Temos um projeto nacional, que é a candidatura da Dilma, mas hoje, no Pará, o PMDB é o maior partido”, afirma Priante. Solução à mineira A estratégia política do partido é ficar em cima do muro no primeiro turno e vender a peso de ouro o apoio do PMDB à governadora se a disputa seguir empatada para o segundo turno.

Os peemedebistas do estado querem barganhar junto ao governo federal fatia maior no comando do setor energético em um eventual governo de Dilma Rousseff. A única esperança do PT para sair do xeque eleitoral capitaneado por Jader vem de Minas Gerais. Petistas calculam que o apoio do partido para que o senador Hélio Costa (PMDB-MG) concorra ao Palácio da Liberdade pode garantir dividendos em outros estados.

Ao abrir mão do segundo maior colégio eleitoral do país, o PT iniciaria uma barganha para conquistar o apoio do PMDB em outros estados. Pré-candidato do PT ao Senado, o deputado Paulo Rocha (MA) ainda aposta na aliança. Pelo acordo original, Rocha seria companheiro de chapa de Jader na disputa pelo Senado. “Queremos manter a aliança que existe hoje.

Já está acertada uma candidatura do Senado para o PT e outra para o PMDB”. A governadora já conseguiu apoio do PR. Pretende emplacar o vice-prefeito de Belém, Anivaldo Vale, como seu vice. Mas, para derrotar o PSDB, precisa do apoio peemedebista.