Google+ Badge

sexta-feira, 31 de maio de 2013

Então Tá, no longo prazo estaremos todos mortos.

Inflação pode cair abaixo de 5% em 2014, diz Tombini a jornal

SÃO PAULO - O presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, afirmou em entrevista concedida ao jornal Folha de S.Paulo, que a decisão da autoridade monetária de subir a taxa básica de juro em 0,5 ponto percentual tem por objetivo reforçar a confiança de investidores e consumidores na economia brasileira. E afirmou que é possível ter uma inflação abaixo de 5% em 2014.
O comunicado divulgado após a última do Copom, na quarta-feira, disse que alta de juros “contribuirá para colocar a inflação em declínio e assegurar que essa tendência persista no próximo ano”, embora muitos analistas vejam ainda com ceticismo a possibilidade de inflação recuar para baixo dos 5,5%. Tombini reiterou, entretanto, que o BC trabalha “nesse horizonte para a convergência da inflação para a meta, de 4,5%”.

“Inflação baixa, sob controle, é uma condição necessária para o planejamento dos empresários, logo, para o investimento”, afirmou. Tombini negou que a economia do país esteja entrando em um processo de estagflação, como afirmam alguns especialistas, pois a economia brasileira começa agora uma recuperação gradual. E disse ainda que o investimento será o carro-chefe do crescimento. “O consumo, naturalmente, ajuda a propagar o crescimento, mas não necessariamente vai ser o carro-chefe”, disse.

Sobre o câmbio, Tombini disse que a desvalorização observada recentemente segue o movimento internacional. Reforçou que o câmbio é flexível e refletirá os fundamentos da economia. E que o Banco Central “intervirá sempre que necessário para reduzir a volatilidade”.


Por Lucinda Pinto | Valor

terça-feira, 28 de maio de 2013

O Futuro do Pará, pensado da forma planejada, sem ilusão.


Da Redação
Agência Pará de Notícias

Sidney Rosa, Secretário Especial SEDIP
Um grupo de técnicos e gestores reuniu no último dia 24 para afinar os detalhes de um dos projetos considerados estratégicos para o Governo Estadual. Iniciada já nos primeiros meses da gestão atual, a ação tem como objeto o levantamento minucioso da situação econômica, fiscal e social do estado que servirá como subsídio para elaboração de uma política de desenvolvimento que transcenda o próprio governo e se torne uma política de Estado, dando condições ao desenvolvimento do Pará até o ano de 2030.

Trata-se do Pará Estratégico 2030, projeto que deve ser apresentando, em forma de diagnóstico, no dia 20 de junho em uma audiência pública especial na Assembleia Legislativa do Estado. Esse documento traz todos os indicadores que tornam possível uma visão ampla e detalhada dos riscos e dos potenciais econômicos do Estado, servindo tanto à formulação de políticas públicas quanto aos investidores que tem interesse em se instalar em nosso território.

Coordenado pela Secretaria Especial de Desenvolvimento Econômico e Incentivo à Produção (Sedip), que tem Sidney Rosa como titular, o projeto inclui técnicos das 11 secretarias executivas e órgãos de governo vinculados à pasta. Quem coordena os trabalhos de diagnóstico e, agora, a fase de elaboração do plano, é a professora doutora Maria Amélia Enriquez, adjunta da Secretaria de Indústria, Comércio e Mineração (Seicom).

“No dia 20 nós vamos apresentar um diagnóstico e as projeções do governo para o futuro do Estado. Já em outubro, será apresentado o Plano, ou seja, um documento com propostas, metas e diretrizes para o desenvolvimento sustentável do Pará até o ano de 2030”, explica a professora, doutorada pela Universidade de Brasília em Desenvolvimento Sustentável e ex-técnica do Ministério de Minas e Energia do Governo Federal.

Maria Amélia Enríquez,  Secretária Adjunta SEICOM
Segundo Maria Amélia Enriquez, a economia do Pará está dividida em três eixos: a) o eixo dos projetos de desenvolvimento de energia, mineração, agronegócio e infraestrutura, onde o estado deve concentrar esforços para extrair e obrigar cada vez mais os grandes projetos a darem garantias ambientais e sociais, minorizando os impactos e ampliando os benefícios desses empreendimentos à população, b) as economias tradicionais do extrativismo, agricultura familiar, pesca artesanal, economia de subsistência e outras, que serão alvo de um trabalho direcionado do governo que as amplie e desenvolva em benefício da qualidade de vida das populações rurais e crescimento sustentável e, finalmente, c) o eixo da inovação, da economia criativa, do turismo, biotecnologia e todo o potencial de desenvolvimento de setores menos tradicionais e mais modernos da economia, projeto que deve estar vinculado à uma política educacional e social.

É nesse sentido, e a partir desses três eixos, que o governo tem buscado as contribuições de cada setor de gestão e produção para elaborar o plano.

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Aniversário na UFPA lota auditório

Agência de Inovação Tecnológica e  a Incubadora de Empresas promovem Evento de aniversário


A Agência de Inovação Tecnológica e o PIEBT|Universitec, da Universidade Federal do Pará (UFPA), completa 18 anos de contribuição para o desenvolvimento do empreendedorismo baseado em ciência e tecnologia e na disseminação da transferência de conhecimentos gerado na UFPA.

Para comemorar essa importante data, a Universitec promoveu nesta sexta-feira, 24 , um evento que contou com a apresentação de cases de sucesso de empresas que fazem parte da Incubadora, bem como as que já estão no mercado, além de serem apresentadas as metas para os próximos anos.
Reitor com palestrantes no evento
Estiveram presentes o reitor da Universidade, Carlos Edilson de Almeida Maneschy; o pró-reitor de Pesquisa e Pós Graduação, professor Emmanuel Zagury Tourinho; o secretário de Estado de Indústria, Comércio e Mineração (Seicom), Davi Leal; o coordenador do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), Ronaldo Lima, além de empresários, representantes do Sebrae, do Banco do Brasil, entre outros parceiros da Universitec, da Incubadora e da Universidade. O Evento lotou o auditório da Agência de Inovação. 

Durante a cerimônia, o reitor Carlos Maneschy foi homenageado por sua importante contribuição como diretor da Fadesp, período em que a Incubadora foi implantada. Maneschy foi fundamental para o desenvolvimento e consolidação da Incubadora de Empresas de base Tecnológica da UFPA. Outro homenageado foi o professor Douglas Gabriel Domingues pela inestimável contribuição ao ensino da disciplina Direito Industrial e a consolidação da proteção do setor de Propriedade Intelectual da UFPA, que, atualmente, integra a Universitec como Coordenadoria de Propriedade Intelectual.

Professor Maneschy recebe Homenagem da Pró-reitora Marlene Freitas
Maioriade bem-sucedida - Ao longo desses 18 anos da Incubadora-PIEBT, já foram apoiadas 42 empresas/projetos, nas áreas de biotecnologia, produtos naturais, alimentos, cosméticos, dermocosméticos, fitoterápicos, energia, tecnologia da informação, comunicação e design e, em geral, empresas voltadas para o aproveitamento da biodiversidade da Amazônia.´

Apesar de serem mais de 40 empresas que passaram pela Incubadora, foram selecionadas duas empresas como vitrine da Incubadora ao longo desses 18 anos. Uma delas pelo sucesso alcançado nas suas ações de empreendedorismo e no uso de riquezas naturais para fabricação de cosméticos, a Empresa Chamma da Amazônia, representada pela empresária Maria de Fatima Chamma; e a segunda, pela sua enorme capacidade para desenvolver processos de inovação tecnológica na elaboração de seus produtos originados da Biodiversidade, a empresa Amazon Dreams, que foi representada pelo professor doutor Herve Louis Ghislain Rogez .

Projetos inovadores - Como parte das suas atividades e foco de atuação do PIEBT, durante esses anos, foram apoiados a criação e o desenvolvimento de projetos inovadores de alunos, professores, pesquisadores e da sociedade em geral, que contavam com potencial para transformarem-se em produtos, serviços ou processos dotados de tecnologia agregação de valor, que contribuíssem para o desenvolvimento do Estado.

Na ocasião, foi proposto pelo secretário de Estado de Indústria, Comercio e Mineração, Davi Leal, um acordo de cooperação técnica entre a Secretaria de Estado e a UFPA, por meio da Universitec, para o desenvolvimento de ações com objetivo de incentivar o empreendedorismo no Estado.

Atualmente, o PIEBT possui nove empresas incubadas e seis projetos pré-incubados, dentre os que já passaram ou ainda estão instaladas na Incubadora, encontram-se Chamma da Amazônia, Amazon Dreams, Inovar, Digitalizar, Dynamis Techne, ITAIC, BIO+, Amazon Biotec, Mundo Digital Interativo e Syanz. Entre as que receberam premiações regionais e nacionais, estão Chamma da Amazônia e Amazon Dreams. Ambas já têm forte atuação nos mercados nacional e internacional.

Serviços - Com um espaço físico especialmente construído para alojar temporariamente micro e pequenas empresas, a Incubadora-PIEBT oferece uma série de serviços, tais como cursos de capacitação gerencial, assessorias, consultorias, orientação na elaboração de projetos a instituições de fomento, serviços administrativos, acesso a informações entre outros. A Incubadora é reconhecida por oferecer suportes técnico, gerencial, operacional e agilizar o processo de inovação tecnológica nas micro e pequenas empresas.

Para o diretor da Agência de Inovação Tecnológica (Universitec), professor Gonzalo Enriquez, da qual a Incubadora faz parte, a Incubadora vem cumprindo o seu objetivo principal, que é promover e disseminar o empreendedorismo inovador na comunidade acadêmica e empresarial local. Entretanto um dos desafios mais importantes, não apenas da Incubadora, mas também da própria Agência de Inovação Tecnológica (incluindo o PIEBT, a área de serviços de laboratórios e de propriedade intelectual), consiste na criação de um Ambiente de Inovação na Universidade, em conjunto com seus importantes Stakeholer, que se constitua em uma referência para a Amazônia.

Texto: Ascom/ Universitec
Fotos: Alexandre Moraes