Google+ Badge

sábado, 31 de agosto de 2013

Pela lei, Patriota é quem deveria ser processado



Diário do Poder, Cláudio Humberto

Visualizações do Blog do Enríquez por países 31/08/2013




quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Manifestações contra cubanos são 'imenso preconceito', diz Dilma

Atitude é xenofóbica!!



A cara do Brasil moderno

Visita que a terça feira a Presidenta fez à Câmara dos Deputados rendeu..

STF tinha condenado deputado Natan Donadon (PMDB-RO) a prisão, mas seus pares deputados negam cassação.

Plenário da Câmara nega cassação, parlamentar cumpre pena na Papuda.
Agora ele vai atuar como deputado na cadeia.



Política Monetária manda.


Com Selic a 9%, poupança retoma regra e rende TR mais 0,5% ao mês

Em linha com o esperado pelo mercado e pelos economistas, o Comitê de Política Monetária (Copom) manteve o passo de ajuste das condições monetária e subiu a Selic em meio ponto percentual para 9% ao ano, maior taxa desde abril do ano passado.


A decisão desta quarta-feira foi unânime e sem viés e o breve comunicado divulgado pelo colegiado manteve a redação vista nos encontros de maio e julho: “Dando prosseguimento ao ajuste da taxa básica de juros, o Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa Selic para 9% ao ano, sem viés. O Comitê avalia que essa decisão contribuirá para colocar a inflação em declínio e assegurar que essa tendência persista no próximo ano”.


Com a taxa básica de juros subindo a 9% ao ano, o rendimento da caderneta de poupança retoma a “regra antiga”, ou seja, passa a ser de 0,50% ao mês, mais Taxa Referencial (TR), o que representa um retorno anual de 6,17% mais TR.


O tradicional investimento rende pouco mais do que a inflação projetada para o período – o IPCA esperado para os próximos 12 meses está em 6,08%.
Valor. 

Passo a passo, golpe a golpe....Quase 1000





Facebook quer mais

Facebook pode triplicar receita com publicidade móvel, diz consultoria

Os esforços do Facebook para ganhar dinheiro com a venda de anúncios para dispositivos móveis parecem estar surtindo efeito. A avaliação é da empresa de pesquisa e Marketer.


A expectativa é que a participação da rede social nos investimentos publicitários para aparelhos móveis em todo o mundo chegue a 15,8% no fim do ano. É quase três vezes mais que os 5,35% registrado no fim de 2012 — o primeiro ano em que a companhia vendeu esse tipo de anúncio. A estimativa inicial da eMarketer era de que a parcela do Facebook chegaria a 12% do total de 2013. O mercado total de publicidade em aparelhos móveis terá um crescimento de 89% em 2013, chegando a US$ 16,65 bilhões, segundo a eMarketer.

O segmento continuará sob a liderança do Google, com 53,17% de participação, leve alta em relação aos 52,36% registrados em 2012. De acordo com a eMarketer, o desempenho será resultado do aumento nas buscas feitas por meio de dispositivos móveis e de novas fontes de receitas a partir do YouTube.

O Google também se manterá como o principal destino para a publicidade digital em todo o mundo em 2013, com um terço do mercado. No ano passado, a parcela era de 31,46%. O Facebook ficará em segundo lugar, com 5,41% (era 4,11% em 2012). Segundo a eMarketer, o Yahoo perderá um pouco de espaço (a participação sairá de 3,37% para 2,97%) e a Microsoft terá um desempenho praticamente estável (de 2,46% para 2,49%).

O mercado de publicidade digital no mundo pode chegar a uma receita de US$ 117,6 bilhões em 2013, alta de 13% na comparação com 2012, conforme cálculos da eMarketer.


quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Diplomacia à deriva



Por Rosângela Bittar

A presidente Dilma Rousseff demitiu o chanceler Antonio Patriota em boa hora, por motivo forte, para alívio dela, do staff do Itamaraty enjoado da perda de poder e prestígio e, com certeza, do próprio ministro, cansado de ouvir todos os dias advertências sobre sua demissão iminente. Dilma queria, e não escondia, defenestrá-lo há muito tempo, por que não o fez não se sabe. Talvez pela dificuldade que tem de trocar ministros. Suas frituras são longas e dolorosas.

Escolheu para substituí-lo o embaixador Luiz Alberto Figueiredo, um diplomata em quem já confiava porque, apesar do fiasco da Rio+20, avaliou que ele foi hábil negociador e fez tudo o que podia para reduzir o fracasso a só uma aparência.

Acaba por aí a clareza do episódio de remoção do senador boliviano Roger Molina da embaixada brasileira na Bolívia para Brasília, conduzido espetacularmente estrada afora por Eduardo Saboia, o encarregado de negócios da embaixada e embaixador substituto, hoje já um herói nacional pelo quixotesco feito.

Figueiredo tem missão que desafia o hábil negociador

Ciclofaixas da rua Mundurucus

Confira o Tweet de @blogdoenriquez: https://twitter.com/blogdoenriquez/status/372706279396896768

Jader.... SUDAM? Plano Marajó? coisa do PT/PMDB


Zenaldo o culpado

Diario do Pará. RD. 
 















segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Partido de Marina Silva deve filiar apenas três deputados




BRASÍLIA - Apenas dois deputados federais e um senador acompanharam a ex-senadora Marina Silva no pedido de registro do seu novo partido, o Rede Sustentabilidade, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nesta segunda-feira. A falta de apoio de parlamentares deve limitar a campanha de políticos do partido a poucos segundos de propaganda eleitoral na televisão e rádio.

Acompanharam o protocolo os deputados Walter Feldman (PSDB-SP) e Domingos Dutra (PT-BA) e o senador Pedro Simon (PMDB-RS). O pemedebista, porém, disse que não vai trocar de partido e que foi apenas apoiar o registro do Rede. Apenas um outro deputado deve se filiar ao partido, na conta dos dirigentes: Alfredo Sirkis (PV-RJ), que não foi ao ato por já ter um compromisso em seu Estado no mesmo horário.

A falta de tempo de propaganda eleitoral deve dificultar a candidatura de Marina à Presidência e de possíveis candidatos aos governos estaduais e ao Legislativo. Com três deputados, o partido terá direito a cerca de seis segundos de propaganda, fora o tempo distribuído igualitariamente entre os candidatos.

“A incerteza sobre o registro dificultou as filiações. Muitos deputados mostraram interesse no partido, mas disseram que não podiam arriscar ficar sem legenda para 2014. Quem está vindo é porque acredita nas ideias do Rede”, afirmou o deputado Walter Feldman ao Valor PRO, serviço de notícias em tempo real do Valor.

Para Feldman, a falta de tempo de televisão é um problema a ser contornado com uma estratégia diferente de mobilização, como propaganda pelas redes sociais. Ele reconhece, porém, que esse instrumento não atinge toda a população, e que a sigla terá que pensar em novas formas de chegar aos eleitores.

“A última campanha [de 2010] já mostrou que a mídia abre espaço, com entrevistas e nos telejornais, para os candidatos que se mostram competitivos”, disse. “Também podemos fazer coligação com outro partido”. Em 2010, Marina ficou em terceiro lugar na eleição para presidente, com 20 milhões de votos, mesmo com escasso tempo de propaganda na TV.

Feldman aponta outro problema eleitoral causado pela incerteza do registro: o pouco tempo para convencer pessoas de fora da política a se candidatarem. “Nosso estatuto prevê que 30% das vagas para o Legislativo fique com candidaturas avulsas, de pessoas ligadas a uma bandeira e que não pertencem à estrutura partidária. Cada Estado começou a levantar o nome desses possíveis candidatos, mas o tempo para convencimento vai ser curto”, afirmou.

O Rede corre contra o tempo para conseguir o registro até 5 de outubro, prazo legal para participar das eleições de 2014. O partido protocolou nesta segunda-feira o pedido de fundação no TSE mesmo sem os cartórios terem certificado todas as 492 mil assinaturas de apoio necessárias – cerca de 220 mil ainda estão sendo analisados pelos cartórios eleitorais.

Por Raphael Di Cunto e Juliano Basile | Valor


domingo, 25 de agosto de 2013

Avião negreiro - ELIANE CANTANHÊDE



BRASÍLIA - Ninguém pode ser contra um programa que leva médicos, mesmo estrangeiros, até populações que não têm médicos. Mas o meio jurídico está em polvorosa com a vinda de 4.000 cubanos em condições esquisitas e sujeitas a uma enxurrada de processos na Justiça.

A terceirização no serviço público está na berlinda, e a vinda dos médicos cubanos é vista como terceirização estatal --e com triangulação. O governo brasileiro paga à Opas (Organização Pan-Americana da Saúde), que repassa o dinheiro ao governo de Cuba, que distribui entre os médicos como bem lhe dá na veneta.

Os R$ 10 mil de brasileiros, portugueses e argentinos não valem para os que vierem da ilha de Fidel e Raúl Castro. Seguida a média dos médicos cubanos em outros países, eles só embolsarão de 25% a 40% a que teriam direito, ou de R$ 2.500 a R$ 4.000. O resto vai para os cofres de Havana.

Pode um médico ganhar R$ 10 mil, e um outro, só R$ 2.500, pelo mesmo trabalho, as mesmas horas e o mesmo contratante? Há controvérsias legais. E há gritante injustiça moral, com o agravante de que os demais podem trazer as famílias, mas os cubanos, não. Para mantê-los sob as rédeas do regime?

E se dez, cem ou mil médicos cubanos pedirem asilo? O Brasil vai devolvê-los rapidinho para Havana num avião venezuelano, como fez com os dois boxeadores? Olha o escândalo!

O Planalto e o Ministério da Saúde alegam que os cubanos só vão prestar serviço e que Cuba mantém esse programa com dezenas de países, mas e daí? É na base de "todo mundo faz"? Trocar gente por petróleo combina com a Venezuela, não com o Brasil. Seria classificado como exploração de mão de obra.

Tente você contratar alguém em troca de moradia, alimentação e, em alguns casos, transporte, mas sem pagar salário direto e nem ao menos saber quanto a pessoa vai receber no fim do mês. No mínimo, desabaria uma denúncia de trabalho escravo nas suas costas.

Mais PT envolvido em rolo com propina de empresa

Petista teria oferecido propina em nome da Oi

Acusação contra o deputado Vicente Cândido (SP) foi feita pela revista 'Veja'

O conselheiro da Anatel que teria recebido a oferta esteve duas vezes em seu gabinete, afirma a publicação


O deputado federal Vicente Cândido (PT-SP) é acusado de oferecer propina a um conselheiro da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) para que a empresa Oi fosse beneficiada com a redução de multas pendentes com o órgão.

De acordo com reportagem da revista "Veja", o parlamentar se reuniu em Brasília com Marcelo Bechara, um dos conselheiros da Anatel, para tratar do tema.

No encontro, realizado no gabinete do deputado, sempre segundo a revista, Cândido ofereceu propina a Bechara para que ele atuasse a favor da Oi, companhia de telecomunicações que tem dívidas com a Anatel avaliadas em mais de R$ 10 bilhões.

A Anatel, responsável por regulamentar e fiscalizar as empresas do setor, discute no momento se as companhias poderão usar parte dinheiro que seria destinado a honrar o débito para fazer novos investimentos.

À revista, Cândido admitiu ter perguntado a Bechara "se ele tinha honorários". O deputado, ainda de acordo com a "Veja", confirmou ter atuado a favor da Oi, já que diz ser amigo de importantes sócios da empresa, mas afirmou não receber por isso.

Bechara, que disse à revista ter estranhado a "abordagem" do deputado, voltou ao gabinete para uma segunda reunião, afirma a publicação.

A fusão da Oi com a Brasil Telecom, um dos maiores negócios da história do setor, ocorreu em 2008 com o apoio do governo Lula, simpático com a ideia de uma grande tele nacional.

Ontem, a companhia soltou nota sobre o assunto: "a Oi refuta qualquer ilação de que haja atuação de terceiros em seu nome no âmbito da Anatel. A empresa desautoriza qualquer pessoa que tente atuar indevidamente em seu nome em atos que estejam em desacordo com a lei e princípios éticos".

Procurados ontem pela Folha, Vicente Cândido e Marcelo Bechara não foram encontrados.