Google+ Badge

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

A história se repete como mínimo duas vezes


A história é narrada, no ano de 2004, pelo personagem Iván, um aspirante a escritor que atua como veterinário em Havana e, a partir de um encontro enigmático com um homem que passeava com seus cães, retoma os últimos anos da vida do revolucionário russo Leon Trotski, seu assassinato e a história de seu algoz, o catalão Ramón Mercader, voluntário das Brigadas Internacionais da Guerra Civil Espanhola e encarregado de executá-lo. Esse ser obscuro, que Iván passa a denominar 'o homem que amava os cachorros', confia a ele histórias sobre Mercader, um amigo bastante próximo, de quem conhece detalhes íntimos. Diante das descobertas, o narrador reconstrói a trajetória de Liev Davidovitch Bronstein, mais conhecido como Trotski, teórico russo e comandante do Exército Vermelho durante a Revolução de Outubro, exilado por Joseph Stalin após este assumir o controle do Partido Comunista e da URSS, e a de Ramón Mercader, o homem que empunhou a picareta que o matou, um personagem sem voz na história e que recebeu, como militante comunista, uma única tarefa - eliminar Trotski. São descritas sua adesão ao Partido Comunista espanhol, o treinamento em Moscou, a mudança de identidade e os artifícios para ser aceito na intimidade do líder soviético, numa série de revelações que preenchem uma história pouco conhecida e coberta, ao longo dos anos, por inúmeras mistificações. As duas trajetórias ganham sentido pleno quando Iván projeta sobre elas sua própria experiência na Cuba moderna, seu desenvolvimento intelectual e seu relacionamento com 'o homem que amava os cachorros'.

Ruim para a indústria paraense


Diário do Pará, RD

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Deu no Blog do Edir Veiga, Bilhetim. A conferir!


O ex reitor da Universidade Federal do Pará e deputado federal em seu quarto mandato, Nilson Pinto(60) se lançou candidato a candidato a governador a ser decidido na convenção do PSDB até o mês de junho deste ano.

Deputado com vasta experiência administrativa à frente da UFPA, da SEDUC e da Secretaria Especial de Promoção Social, Nilson Pinto quer ser candidato ao governo do Estado num contexto de desmobilização política porque passa o PSDB, quando do anunciado afastamento, do cargo, do governador Jatene a partir do dia 08 de abril.

Nilson Pinto se apresenta como alento tanto ao PSDB como ao próprio governador Jatene. O atual gestor estadual vem sendo objeto de enormes pressões políticas por parte dos grupos governistas que o querem ver concorrendo à reeleição, por ser teoricamente o candidato mais competitivo.

Informações não oficiais indicam um enorme dilema e drama pessoal vivido pelo governador Jatene, que em virtude de conviver com vários stents implantados na artéria coronária, exigiria uma vida menos corrida e não stressada . Segundo fontes bem abalizadas, a família do governador gostaria de vê-lo longe destas enormes responsabilidades para preservá-lo de fatores de risco.

Agora o PSDB já tem um candidato com visibilidade estadual e que se coloca à disposição da convenção partidária. Agora a questão é a seguinte: Nilson Pinto unificaria os grupos tucanos numa disputa que visaria como primeira meta levar a eleição ao segundo turno?

Jatene estaria disposto a “comprar” esta briga, através da ação do vice Helenilson Pontes para levar um candidato do PSDB ao segundo turno? Uma coisa parece certa: o lançamento da candidatura Nilson Pinto indica com clareza de que o PSDB terá candidatura ao governo do estado em 2014.

Recomendo esta leitura. TRAJETÓRIAS DO DESENVOLVIMENTO Maria Amélia Enríquez.




Este livro é um amplo levantamento – em linguagem clara e comunicativa – das variadas concepções do desenvolvimento que se sucederam ao longo das últimas décadas: das teorias clássicas às marxistas, das teorias institucionalistas às do desenvolvimento sustentável. Percorrer essas ideias e conhecer seus formuladores proporciona ferramentas indispensáveis para debater os impasses do mundo de hoje.

Mas o debate sobre os desafios do desenvolvimento, como lemos aqui,, é uma consequência direta da grande depressão dos anos1930. No âmbito da polarização entre o socialismo intervencionista e o capitalismo keynesiano, os economistas mergulharam numa rica e polêmica discussão sobre como reduzir a vulnerabilidade às crises, as mazelas da pobreza e do atraso e as incertezas quanto ao futuro. Os trinta anos que se seguiram ao final da Segunda Guerra foram decisivos em termos de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento, com a convergência das dimensões econômica e social.

A crise fiscal do Estado, marcante nos anos 1970, obscureceu o tema, na medida em que crescia um certo desencanto quanto à real capacidade do Estado em promover o desenvolvimento. Tanto na academia quanto nas ações políticas, parecia que o debate voltaria à pauta das virtudes do mercado como regulador principal e fundamento da evolução dos negócios públicos e do bem-estar social.

No entanto, a emergência da questão ambiental, desde os anos1970, ajudou a que as teorias (e práticas) do desenvolvimento fossem revistas e atualizadas, agora com a inclusão da dimensão ecológica como conteúdo indissociável da economia e do bem-estar. O conceito de sustentabilidade revigora e dá novo conteúdo ao debate.

Este livro tem o mérito de lançar luz, de forma didática e atual, sobre o tema. A releitura de autores clássicos do desenvolvimento é agora apresentada com o foco também na sustentabilidade. Com isso, ganham os estudantes e pesquisadores, que passam a dispor de uma obra de referência clara, objetiva e de grande atualidade. Ganham também os tomadores de decisão, que encontrarão no texto bases relevantes para as políticas públicas.


Presidente do PT/PMDB acusa de Dinossáurios a ex ministros do Lula e Dilma



Em evento do PT e desconhecendo a história recente do Governo de Lula e Dilma, Rui Falcão, presidente do PT lançou acusações de "NovoVelho" e Dinossáurio ao candidato a Presidente da República, Eduardo Campos e Marina Silva, possível candidata a Vice, na chapa do PSB/REDE.

Parecia presidente de um diretório de um núcleo de estudantes articulando palavras e diatribas sobre a campanha de Campos, que a diferencia do PT, aliado à oligarquia "pemedebista", construí uma aliança democrática e socialista.

Diário do Pará.

Ingratidão e o que sobra no governo.


Quando precisavam do Campos e Miguel Arraes aí eram grandes aliados. veja registros recentes.







  

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Quem manda é a Fazenda




domingo, 9 de fevereiro de 2014

Protestos fizeram governo mudar discurso sobre Copa



Sondagem apontou ceticismo da população em relação ao legado do evento


Orientada por pesquisa, presidente deixou de enfatizar obras e passou a usar tom ufanista em discursos sobre evento



O governo federal mudou o discurso em relação à Copa depois que pesquisas internas apontaram no ano passado que a população via com ceticismo o "legado" do evento e enxergava as obras como uma "maquiagem" para garantir o sucesso do Mundial.

Uma ampla sondagem feita entre junho e agosto de 2013 para medir o impacto real das manifestações de rua fez com que a presidente Dilma Rousseff reformasse o tom de seus discursos.

Cruzamento entre as constatações das pesquisas e o comportamento do governo nos meses seguintes mostra adoção de medidas e novos hábitos de comunicação em razão das sondagens.

Após o levantamento, a mensagem oficial do Mundial deixou de enfatizar as obras de infraestrutura que ficariam como herança do evento e passou a enaltecer o ufanismo e o orgulho do "país do futebol" em sediar a Copa.

Os dois discursos permanecem na comunicação do Planalto, mas a ênfase mudou. Surgiu o bordão "Copa das Copas" em detrimento do "Pátria de Chuteiras", inicialmente adotado.

O mote "Copa das Copas" foi bolado pelo marqueteiro Nizan Guanaes em uma reunião secreta com Dilma em novembro passado. Outros assessores já tinham sugerido o foco na paixão nacional, não no legado. No dia 6 de dezembro, no sorteio da Copa, Dilma usou o bordão pela primeira vez --repetiu várias vezes depois, inclusive em sua conta no microblog Twitter.

"O futebol deve ser usado como um fim, não como um meio para atingir outros fins", diz a conclusão do levantamento qualitativo, que reuniu grupos de discussão para capturar tendências.

Foram esses grupos que usaram espontaneamente o termo "maquiagem" para definir as ações do governo.

"Havia grande expectativa de que os benefícios sociais e de infraestrutura da Copa seriam concretos e permanentes. Porém, com o passar dos dias, esse sentimento está se convertendo em percepção de maquiagem' e que tudo voltará a ser como antes quando a Copa terminar", diz o relatório da época, que apontou ainda que a "maquiagem está para a Copa assim como o jeitinho' brasileiro está para o lado negativo do comportamento brasileiro."

As sondagens detectaram uma percepção mista sobre o Mundial: um formado pelo sentimento de orgulho, união e nacionalismo e outro, negativo, formado pelo temor com a falta de segurança pública e obras atrasadas.

No levantamento, nota-se pessimismo nas classes C e D, sobretudo em São Paulo.

A Fifa é alvo preferencial. "É na associação entre governo e Fifa que as críticas são mais cáusticas", diz o estudo.

Há mais uma contradição: "A imagem dos estádios como obra é a melhor possível, mas é exatamente essa imagem que torna os estádios alvos de crítica, porque são comparados com a qualidade dos hospitais e escolas."

O texto recomenda ao governo sempre usar o termo "fiscalizar" ao tocar no tema.

Esse é um dos levantamentos mais completos feitos após os protestos, com custo não divulgado. Os resultados, coletados e aferidos pelos institutos Análise e Ibope, estão em 428 páginas sobre o perfil das manifestações, a relação delas com a Copa e índices de aprovação e rejeição.

NATUZA NERY
FILIPE COUTINHO
DE BRASÍLIA