Google+ Badge

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

A grande estrela brilha com luz própria



No evento mais concorrido desta quinta-feira na Festa Literária de Paraty, a escritora Isabel Allende levou o público às gargalhadas falando de sua vida pessoal.

A entrevista, mediada pelo jornalista Humberto Werneck, lembrou mais uma conversa do talk show da norte-americana Oprah Winfrey do que um debate literário. Isabel Allende está lançando "A Ilha Sob o Mar", seu primeiro livro em três anos, mas o assunto passou praticamente em branco no encontro.

Desde "Casa dos Espíritos", em 1982, ela já vendeu mais de 58 milhões de livros em 30 idiomas. Uma medida de sua popularidade pôde ser vista ao final da palestra: uma fila de 100 metros foi formada por pessoas ávidas por um autógrafo da autora.

Com certeza uma das maiores filas formadas na Flip. Abaixo, alguns dos melhores e mais divertidos momentos da participação de Isabel Allende no evento: “Como jornalista, já me arrependi de coisas que escrevi. Como romancista também. Um personagem, num livro, teve a perna amputada e no seguinte ele reapareceu com as duas pernas. Um crítico na Espanha disse que era o realismo mágico” “Desgraçadamente, vivo em inglês com um marido que acha que fala espanhol.

É uma tragédia. Falamos spanglish. Quando brigamos, ele fala em castelhano, para que eu entenda, e eu falo em inglês, para que ele entenda.” “Sou uma mulher mandona. Mais que a mãe judia, que a mãe italiana. Uma mãe chilena.”

“Meu atual marido, quando o encontrei, acho que era o último heterossexual solteiro na Califórnia. Estava recém-separada, há três semanas sem sexo.

Estamos casados há 23 anos.” “Eu precisava de um visto americano. Precisava casar. Ele disse que já tinha casado duas vezes e que precisava pensar. Eu disse. ‘Entendo. Tem até amanha ao meio-dia.’ Foi muito romântico.”

“Por que meus livros são populares? Venho do jornalismo. Não quero perder o leitor, preciso da atenção do leitor. Esta é a sua primeira obrigação”. “Fui uma péssima jornalista. Não era objetiva. Se não tinha o que contar, inventava” Mantenho uma correspondência com a mãe há muitos anos. Tenho um acordo com a minha mãe que nunca será publicado.

Ela me escreve todos os dias. Ela não me escreveria o que escreve se soubesse que alguém iria ler. Falamos mal de muitas pessoas." “Depois de ‘Casa dos Espíritos’, a família ficou 20 anos sem falar comigo.

Só voltaram quando saiu o filme, com Jeremy Irons e Meryl Streep”.

“Um homem com quem sonho? Antonio Banderas. Não está mais jovem, mas também não estou...

Uma mulher para fazer o meu papel no cinema? Penelope Cruz” “Nunca entendi o feminismo como uma guerra contra os homens.” “O que acho do amadurecimento? Hoje me falaram do Pitanguy. O amadurecimento tem coisas boas, poucas, e ruins, muitas.

Não gosto da dependência; o bom do amadurecimento é o desapego, dos bens materiais, se tornar mais humilde.” “Como me vejo velha? Espero ter cabelos. E dentes. Me imagino uma velha um pouco louca, mas escrevendo, cada vez mais desprendida do mundo”.

“Um dentista me disse que quando se aposentar vai escrever. E eu disse: quando me aposentar vou arrancar dentes. Hahaha... Escrever não é arrancar dentes. Escrever é uma paixão.”

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

E depois criticam o Iran

Sefer tem candidatura mantida

Sefer passou no TRE por 4 a 2.

No caso de Sefer o TRE analisou que a representação contra ele não tinha aptidão porque foi formulada pelo Psol e o partido não é legitimado para oferecer representação pois não tem nenhum representante na Alepa.

A pergunta que não quer calar. Por que dois membros votaram pelo impedimento da candidatura?.

Se fosse 6x0, até que poderia ter uma interpretação juridica, mas aqui 2 membros argumentaram contra o pedófilo.....

Não existe país no mundo civilizado, -deve haver alguma excepção, comunidades indígenas onde é prática social comer seres humanos-, que libere e permita a candidatura a deputado de um pedófilo. Pará é o exemplo dessa atrocidade.

Social - OIT alerta: continua 'déficit de trabalho decente' no Brasil

AE Agencia Estado

GENEBRA, SUÍÇA - O Brasil atravessou a crise sem passar por um impacto social profundo.

Mas, agora, terá de concentrar esforços para melhorar as condições de trabalho dos brasileiros. O alerta foi feito pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), durante reunião de ministros do Trabalho do G-20 (grupo das 20 maiores economias do mundo), realizada na semana passada em Washington. Segundo a entidade, 25% da população brasileira ainda ganha menos de US$ 75 por mês.


Para a entidade, o "déficit de trabalhos decentes ainda persiste". Segundo a OIT, o desafio do governo no pós-crise mundial será o de criar condições para uma melhora da renda. A OIT admite que a crise do desemprego foi atenuada pelo aquecimento do mercado interno e pelos incentivos fiscais do governo. Mas alerta para o fato de que a geração de emprego é insuficiente para lidar com a situação social do País, apontando os trabalhos degradantes que persistem.


O documento mostra ainda que o Brasil é o País que tem a menor cobertura de seguro-desemprego entre as economias do G-20, atendendo 7% da população. Na Argentina, é 8%, na África do Sul, 11%, no Japão, 35% e na Espanha, mais de 60%. A OIT recomenda que os governos mundiais mantenham os pacotes de resgate à economia, para evitar uma explosão na taxa de desemprego.

Em 2009, esses pacotes salvaram 8 milhões de empregos e devem evitar mais de 6,7 milhões demissões em 2010. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Política, Pará - Almir Gabriel deixa ninho tucano, ataca Serra e votará no candidato do Jader

O ex-governador Almir Gabriel formalizou ontem sua desfiliação do PSDB, partido que ajudou a fundar e no qual estava há 22 anos.

Agora poderá fazer campanha por Juvenil, candidato do PMDB.


Agora, sem legenda, está livre para aparecer em programas eleitorais no rádio e TV e em todos os materiais de campanha do candidato do PMDB ao governo, deputado estadual Domingos Juvenil, a quem Gabriel declarou apoio e com quem tem viajado para fazer campanha em vários municípios. “Já me sentia liberado (para fazer a campanha), mas sem essa desfiliação prejudicaria o Juvenil”.

A legislação eleitoral não permite a presença em propaganda eleitoral de filiados de outros partidos, a não ser que haja coligação formal. A carta de desfiliação foi protocolada no final da tarde na sede do PSDB. Hoje, Almir entrega o documento na primeira Zona Eleitoral da capital cortando assim o último vínculo com o partido por onde se elegeu duas vezes governador do Pará. No documento, Gabriel diz que deixou o PSDB por discordar dos arranjos pelos quais foram “escolhidos e impostos” os candidatos tucanos à presidência da República, à vice-presidência e ao Governo do Pará.

Disse também repudiar a atitude discriminatória do PSDB paraense em relação “à idade, saúde física e mental, cor da pele, sexo”. O ex-governador acredita que a idade, 78 anos foi um dos motivos que levaram o PSDB a optar por outro candidato ao governo que não ele. Almir criticou também o que chamou de intromissão “indevida sub-repitícia e insolente do presidente da multinacional de minérios nos destinos políticos do Pará”. A multinacional a que se refere é a Vale, presidida por Roger Agnelli. Nas últimas linhas do documento, o ex-governador admite lastimar deixar o partido que ajudou a fundar ao lado de nomes como Mário Covas, Artur da Távola e Fernando Henrique Cardoso.

A decisão de Almir de deixar o PSDB foi anunciada no dia 13 de dezembro do ano passado, mesma data em que a legenda sacramentou Simão Jatene como nome da legenda na disputa ao governo do Estado. A decisão contrariou Almir que havia lutado até o último momento contra a candidatura. Nos últimos meses, a quem perguntava quando seria formalizada a desfiliação, o ex-governador respondia que tomaria a medida no momento oportuno. Ontem, contou ao DIÁRIO que a intenção era protocolar o documento durante uma visita do candidato tucano à presidência da República, José Serra.

Mas disse que cansou de esperar. “Como o Serra, mais uma vez, não cumpriu com a palavra resolvi me desfiliar”, disse, referindo-se a uma visita do candidato à presidência programada para Belém no início desta semana, mas que acabou desmarcada. Almir Gabriel disse que já recebeu convites de três partidos para se filiar. Não quis informar quais e garantiu que por enquanto ficará sem legenda. “Estou livre, leve e solto”, resumiu, em tom bem humorado. Nos últimos meses o ex-governador se tornou um entusiasta da chamada terceira via, uma candidatura alternativa às de Simão Jatene e de Ana Júlia que concorre à reeleição.

O caminho escolhido por ele foi apoiar Domingos Juvenil. Para isso sepultou anos de disputa com o presidente do PMDB do Pará, o deputado federal Jader Barbalho. “Nós dois queremos o bem do Pará e isso passa pela eleição do Juvenil”. O ex-governador Almir Gabriel formalizou ontem sua desfiliação do PSDB, partido que ajudou a fundar e no qual estava há 22 anos. Agora, sem legenda, está livre para aparecer em programas eleitorais no rádio e TV e em todos os materiais de campanha do candidato do PMDB ao governo, deputado estadual Domingos Juvenil, a quem Gabriel declarou apoio e com quem tem viajado para fazer campanha em vários municípios. “Já me sentia liberado (para fazer a campanha), mas sem essa desfiliação prejudicaria o Juvenil”.

A legislação eleitoral não permite a presença em propaganda eleitoral de filiados de outros partidos, a não ser que haja coligação formal. A carta de desfiliação foi protocolada no final da tarde na sede do PSDB. Hoje, Almir entrega o documento na primeira Zona Eleitoral da capital cortando assim o último vínculo com o partido por onde se elegeu duas vezes governador do Pará. No documento, Gabriel diz que deixou o PSDB por discordar dos arranjos pelos quais foram “escolhidos e impostos” os candidatos tucanos à presidência da República, à vice-presidência e ao Governo do Pará. Disse também repudiar a atitude discriminatória do PSDB paraense em relação “à idade, saúde física e mental, cor da pele, sexo”.

O ex-governador acredita que a idade, 78 anos foi um dos motivos que levaram o PSDB a optar por outro candidato ao governo que não ele. Almir criticou também o que chamou de intromissão “indevida sub-repitícia e insolente do presidente da multinacional de minérios nos destinos políticos do Pará”. A multinacional a que se refere é a Vale, presidida por Roger Agnelli. Nas últimas linhas do documento, o ex-governador admite lastimar deixar o partido que ajudou a fundar ao lado de nomes como Mário Covas, Artur da Távola e Fernando Henrique Cardoso. A decisão de Almir de deixar o PSDB foi anunciada no dia 13 de dezembro do ano passado, mesma data em que a legenda sacramentou Simão Jatene como nome da legenda na disputa ao governo do Estado.

A decisão contrariou Almir que havia lutado até o último momento contra a candidatura. Nos últimos meses, a quem perguntava quando seria formalizada a desfiliação, o ex-governador respondia que tomaria a medida no momento oportuno. Ontem, contou ao DIÁRIO que a intenção era protocolar o documento durante uma visita do candidato tucano à presidência da República, José Serra. Mas disse que cansou de esperar. “Como o Serra, mais uma vez, não cumpriu com a palavra resolvi me desfiliar”, disse, referindo-se a uma visita do candidato à presidência programada para Belém no início desta semana, mas que acabou desmarcada. Almir Gabriel disse que já recebeu convites de três partidos para se filiar. Não quis informar quais e garantiu que por enquanto ficará sem legenda. “Estou livre, leve e solto”, resumiu, em tom bem humorado. Nos últimos meses o ex-governador se tornou um entusiasta da chamada terceira via, uma candidatura alternativa às de Simão Jatene e de Ana Júlia que concorre à reeleição.

O caminho escolhido por ele foi apoiar Domingos Juvenil. Para isso sepultou anos de disputa com o presidente do PMDB do Pará, o deputado federal Jader Barbalho. “Nós dois queremos o bem do Pará e isso passa pela eleição do Juvenil”.

DESAVENÇAS COM OS TUCANOS

As desavenças de Almir Gabriel com o ninho tucano começaram na última eleição para o governo do Estado quando perdeu a disputa para a atual governadora Ana Júlia Carepa, do PT. Almir credita a derrota ao pouco empenho do então governador Simão Jatene, a quem acusou publicamente de fazer “corpo mole” durante a campanha. De relações cortados com o ex-pupilo, tentou convencer o senador Mário Couto a ser o candidato ao governo, mas este acabou se aliando a Jatene, e Gabriel optou por deixar a legenda.

(Diário do Pará)

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Eleições - Ironia em pauta



Numa rede de TV o candidato tucano José Serra foi consultado sobre as competências do seu vice, no caso de ter que assumir a presidência da república. Serra respondeu que "minha saúde está ótima". Sem comentários.

domingo, 1 de agosto de 2010

Diálogo franco com candidato no TWITTER

Na madrugada do Sabado mantive um curto diálogo com o Candidato Tucano Simão Jatene, através do twitter. Ele foi franco e direto. Fui também ao ponto: os políticos paraenses costumam enganar aos mais pobres e acreditam que são amados pelo povo quando correm tras deles nos comícios.

Se as pessoas querem, até no TWITTER se pode ser honesto. No candidato Jatene percebi isso.

Mas também falei que para ser convencido era necessário propostas concretas. Pelo menos meu voto será decidido depois de ouvir e ler os programas dos candidatos.

Se ele era mesmo Jatene nem sei, mas era com seu Twitter.

Em outras palavras (não ditas no TWITTER) os candidatos precissam mostrar seu diferencial que oriente suas propostas para levar o Estado do Pará a um nível superior de desenvolvimento.

Esclareço, segundo todos os índices o Pará é o último em IDH da Amazônia e do Brasil só é mais ruim o Piauí e Maranhão.
Não adianta só crescer, nem acelerar o crescimento, é fundamental saber desenvolver políticas públicas para transformar crescimento em melhores condições de vida da população.

O que tem mudado no Pará nas últimas décadas?, pouco ou quase nada.

Algumas obras, e recursos distribuídos entre as populações mais pobres que contribue muito, mas não pode ser esse o foco da ação pública. O Pará não pode só voltar a crescer, se não existe uma política pública e um consenso de lideranças, os custos do crescimento podem ser muito altos.

Veja como todos os candidatos falam em três ações importantes: Segurança, Saúde e Educação. Mas durante seus mandatos o forte da sua política esses três itens tiveram o pior desempenho.

Veja uma postagem minha sobre os indicadores do crescimento da produção mineral no Pará

 Aqui

O diálogo com Jatene começou assim:

Jatene: Diante da descreça quase generalizada da população nos políticos e até na política, o carinho com que tenho sido recebido chega a emocionar.

Blogodoenriquez: RT @sjatene45 a reciproca devia ser verdadeira, mas não é, os políticos paraense enganam ao povo

Jatene: @blogdoenriquez A generalização além de perigosa, é quase sempre injusta. O povo percebe a diferença, isso me emociona e aumenta esperança

Jatene: @blogdoenriquez O carinho da nossa gente não me envaidece, aumenta responsabilidade. Se puder veja algumas imagens no  www.jatene45.com.br

Blogodoenriquez: @sjatene45 Só blog é bom, mas não suficiente, estamos na expectativa de debates e propostas, para decidir.

Blogdoenriquez: @sjatene45 Esclareço não me refiro só ao Sr, meus comentários valem para todos os candidatos. Preciso me convencer

Blogdoenriquez: RT @sjatene45 "Diante da descreça quase generalizada da população nos políticos e até na política" suas próprias palavras, só duvidei do carinho.

Até aqui o diálogo com o blogueiro Jatene, candidato ao governo do Estado, pelo PSDB e PPS.

Campanha morma no Pará. Ainda nem pesquisa registrada existe

Veja os candidatos ao governo do Estado. Consulte as agendas nos sites dos candidatos. Dado interessante, apesar de algumas ações que o Governo do Estado tem realizado nas tecnologias de de informação e comunicação (Navega Pará) os próprios candidatos estão muito pouco interessados estão da midia eletrônica. A maioria continua prefirindo o velho esquema de focar nos eleitores semi analfabetos, -que são a maioria no Estado-que pouco acessam os meios eletrônicos.

A seguir, pela ordem alfabética, os Blogs dos mais importantes candidatos e que, na primeira pesquisa, deverão sair na frente.

Ana Julia Carepa (PT) Aqui

Domingos Juvenil Aqui

Simão Jatene Aqui