Google+ Badge

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Literatura, Ingrid Betancourt conta em livro o dia a dia em cativeiro das Farc. Recomendo

Durante seis anos o mundo pôde acompanhar pelos olhos da mídia a história de Ingrid Betancourt, sequestrada pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), uma organização guerrilheira do país que nasceu como uma reação à guerra civil entre os partidos conservador e liberal, iniciada em 1940. Com o lançamento de Não há silêncio que não termine - Meus anos de cativeiro na selva colombiana (Companhia de Letras, 556 páginas) a própria Ingrid nos revela com riqueza e segurança os detalhes dos dias de cativeiro em poder dos guerrilheiros.

Mais do que um relato, o livro é uma reflexão profunda do ser humano e de seus sentimentos diante do sofrimento e dos que o rodeiam. "Descobri que o que os outros têm de mais precioso a nos oferecer é o tempo, ao qual a morte dá seu valor", confessa Ingrid Betancourt em um trecho do livro.



O drama da prisioneira teve início em 23 de fevereiro de 2002. Na época, ela era candidata à presidência da República da Colômbia pelo partido Oxigênio Verde, e acumulou alguns desafetos tanto do lado do presidente Andrés Pastrana quanto das Farc. Virou prisioneira da organização depois de cair em uma emboscada quando tentava ir até o município de San Vicente del Caguán em um chevrolet 4x4 coberto de adesivos de campanha para encontrar o atual prefeito que era aliado do partido. "Assim que nosso carro saiu do talude, eu os vi. Estavam vestidos dos pés à cabeça com roupas militares, fuzil a tiracolo, agrupados em volta do veículo da cruz vermelha. Por reflexo, olhei atentamente para os seus sapatos: botas pretas de borracha, muito usada pelos camponeses nas zonas pantanosas. Tinham me ensinado a identificá-los assim: se fossem botas de couro, eram os militares; se fossem de borracha, eram as Farc", conta.

Na obra, Ingrid não inicia a história do começo. Ela salta no tempo de fevereiro para dezembro de 2002 retratando sua maior obsessão durante o tempo de prisioneira: a fuga. A autora relata a quarta tentativa que realiza ao lado da ex-coordenadora de campanha e também refém Carla Rojas.

Ingrid é detalhista, conta cada pensamento, ideia e momento vivido com a maior riqueza. Como a primeira vez em que foi ao banheiro no acampamento das Farc: "Um ruído de máquina me chamou atenção. Perguntei a Isabel qual era o motor que funcionava nas redondezas. (...) Ela responde: - Que nada! São as moscas!". É impossível não imaginar a cena e o som por meio do relato dela.

A obra também tem pontos delicados. Como, por exemplo, as referências ao pai falecido em outro dia marcante, 23 de março, e que só ficou sabendo quando lia a notícia em um pedaço de jornal que conseguiu do líder do acampamento da Farc. Esse tipo de contato com o mundo externo não é comum. Casualmente, Ingrid tinha acesso aos meios de comunicação, como o rádio em que ouvia o programa dedicado aos reféns da Farc.

Fala também do deterioramento da amizade com Carla. As duas, antes próximas e unidas pela política, viram o bom relacionamento terminar diante da situação extrema que viviam no cativeiro. Elas se desentendiam por tudo. Pelo espaço na cama e no mosqueteiro, tentativas de fuga e até pela decisão de Carla Rojas em ter um filho enquanto estava presa. "Vivíamos em mundos opostos. Ela procurava se adaptar, eu só pensava em fugir", revela Ingrid.

O acampamento
Enquanto era refém, Ingrid foi transferida diversas vezes para novos acampamentos. Na maioria das vezes isso acontecia porque os "chulos", como eram chamados os militares colombianos pelas Farc, estavam tentavam atacar a guerrilha.

Certa vez, o acampamento teve que se mudar para uma área na Amazônia. Ingrid se lembrou de um aviso recebido de uma vidente um tempo antes de ser levada pelas Farc. O medo tomou conta dela. "Sentia o perigo. Não o via. Não o reconhecia. Mas ele estava ali, na minha frente, e eu não sabia como evitá-lo", disse ao relembrar o fato.

Mas não é só dos momentos tristes que Ingrid lembra. Na obra, ela relembra as festas feitas no acampamento para comemorar mesmo à distância o aniversário de seus filhos, Melanie e Lorenzo, o conhecimento mais profundo da Biblía e até a amizade com dois guerrilheiros, Beto e Ferney.

Mulher dada como morta quase enterrada viva

Uma idosa de 88 anos dada como morta pelo Hospital Municipal de Ipatinga, no Vale do Rio Doce, quase foi enterrada viva. Maria das Dores da Conceição chegou a ser levada para a funerária e colocada no caixão, quando se mexeu, segundo a família. Nesta quinta-feira (23), Maria das Dores está internada e recebe cuidados na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do mesmo hospital.

A neta Noeme Silva Amâncio, de 31 anos, disse ao G1 que o óbito foi constatado pelos médicos nessa quarta-feira (22) e comunicado aos familiares. A assessoria de comunicação Social da Prefeitura de Ipatinga, que também responde pela Secretaria Municipal de Saúde, não soube informar a causa atestada como motivo da morte e disse que o documento ficou com a família. O atestado teria se perdido depois de entregue à funerária, segundo a neta. “Um funcionário da funerária disse que entregou o papel para a assistente social do hospital”, disse Noeme.

Na funerária, ao ser percebido que a senhora apresentava sinais vitais, ela foi levada de volta ao hospital. Noeme conta que foi uma das primeiras a chegar para acompanhar a avó, que voltaria a ser internada. “Ela estava de lado, dentro do caixão no carro da funerária, na porta do pronto- socorro do hospital. Ela estava respirando e mexendo mais do que antes”, disse. A neta informou que a avô está sendo bem atendida nesta quinta-feira (23).

Por meio de nota oficial, a Prefeitura de Ipatinga diz que solicitou à Polícia Civil a apuração do caso e que a direção do hospital está à disposição da família para os esclarecimentos necessários.

A nota diz que a idosa deu entrada no Hospital Municipal de Ipatinga na manhã de terça-feira (21). A paciente apresentava histórico médico de hipertensão arterial, doença vascular periférica obstrutiva e demência de Alzheimeir, além de ser acamada. Noeme confirmou que a avó é acamada e tem a doença degenerativa e que foi levada ao hospital pela primeira vez porque gemia e se queixava de muita dor.
Ainda segundo a assessoria da prefeitura, na tarde desta quarta-feira (22), a paciente não apresentou sinais vitais e recebeu o atestado de óbito às 16h50. Depois de passar pela funerária, ela foi levada novamente ao hospital, por volta de 20h30, onde recebeu de imediato atendimento médico, de acordo com a prefeitura.
De acordo com a assessoria da Polícia Civil, o caso já está sendo investigado.

* colaborou  Keila Mendes, da Inter TV dos Vales

Meio ambiente - Madeireiras acusadas de poluir ambiente

Pelo menos duas empresas madeireiras de Santarém continuam provocando prejuízos ao meio ambiente. Uma das nascentes do Igarapé Irurá, principal manancial de captação de água potável pela Cosanpa em Santarém, vem sendo destruída pela Estância Alecrim. A empresa, instalada na BR-163, deposita os resíduos da serraria numa área próxima ao igarapé e o chorume da montanha de serragem desce por um córrego até o leito do igarapé.

Já os moradores do bairro Nova República, que fica ao lado da Madeireira Rancho da Cabocla, reclamam que as chuvas lavam o pátio onde é feito o manejo e o tratamento da madeira beneficiada, levando grande quantidade de água poluída com produtos químicos e pó de serragem pelas ruas e deságuam no igarapé do bairro.

Keibo Ciesca, da madeireira, declarou não ter conhecimento do assunto. “Falar de poluição de madeireira é algo fácil, mas não sei que poluição pode ser. Eu acredito que o lixão do Santo André polui muito mais e ninguém faz nada”.

Milton Schnnor, um dos donos da Estância Alecrim, declarou que há dois anos a empresa faz trabalhos para diminuir o impacto ambiental. Segundo ele, alguns projetos foram colocados em prática e 80% dos rejeitos da madeireira são doados para olarias e outros municípios. (Diário do Pará)

Pará - Jatene anuncia mais 5 integrantes

O governador-eleito, Simão Jatene, fez ontem os primeiros anúncios de nomes indicados pelo PMDB para o próximo governo. Como já antecipado pelo DIÁRIO, o titular da Secretaria de Agricultura (Sagri) será o ex-vice-governador no segundo mandato de Almir Gabriel, Hildegardo Nunes.

Hildegardo tentou de tudo na política paraense e percorreu diversos partidos.  

Já foi vice governador do Almir Gabriel e titular da Sagri. Rompeu com Gabriel para ser candidato ao governo.
 
Foi também, candidato a Vice, na chpa do Juvenil e candidato a deputado e prefeito, ficou como Secretário. 

Esteve no Governo Federal, como coordenador de ações regionais, no Ministério de Integração, quando Ciro era ministro. Não gostou de Brasília e retornou à terra, Até hoje era o homem forte do Prefeito de Ananindeua Helder Barbalho.

Veja o perfil dos demais indicados para cargos no governo do Jatene. 

O titular da Secretaria de Integração Regional (Seir), também indicado pelo PMDB, será o engenheiro florestal e servidor do Instituo Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Antônio José Guimarães, apontado como amigo e pessoa de extrema confiança do presidente do PMDB do Pará, Jader Barbalho.

Jatene fez também ontem anúncios de dois nomes indicados pelo DEM. A engenheira agrônoma Cleide Amorim assumirá o comando da Empresa Brasileira de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), por indicação do deputado federal reeleito pelo DEM, Joaquim de Lira Maia.

O secretário de Saúde do município e Castanhal, Kleber Miranda (irmão do deputado estadual reeleito Márcio Miranda) será o presidente do Instituto de Assistência aos Servidores Públicos do Pará (Iasep).

O engenheiro Civil Orlando Salgado Gouvêa será o novo diretor geral do Centro de Perícias Técnicas Renato Chaves. Ele foi indicado pelo delegado Luiz Fernandes, que assumirá a Secretaria de Segurança.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

TECNOLOGIA - Vale financia projetos de pesquisa em três estados


 Fundações do Pará, São Paulo e Minas vão desenvolver os projetos escolhidos


A Vale e as Fundações de Amparo à Pesquisa dos estados de São Paulo, Minas Gerais e Pará divulgaram ontem o resultado das propostas para apoio a projetos de pesquisa científica, tecnológica ou de inovação. Foram selecionados 85 projetos – dos quais 57 individuais e 28 em rede, a serem desenvolvidas por grupos de pesquisas dos três estados envolvidos. No total, foram submetidas 151 propostas em rede e 125 projetos individuais, que passaram pela avaliação das FAPs, da Vale e pelo Comitê Gestor da parceria. O convênio foi lançado há um ano e prevê investimentos de R$ 120 milhões – dos quais R$ 72 milhões aportados pela Vale e o restante dividido entre os demais parceiros. É a maior parceria do setor privado com órgãos públicos de fomento do País.

Os recursos serão usados para fomento de projetos nas áreas de mineração, energia, ecoeficiência e biodiversidade e produtos ferrosos para siderurgia.

"Os desafios de pesquisa nessas áreas são relevantes tanto para o desenvolvimento tecnológico e industrial da empresa como para a acumulação de conhecimento necessário para aplicação em diversos campos pela sociedade brasileira", afirma Luiz Mello, diretor do ITV (Instituto Tecnológico Vale), que viabilizou o convênio pela Vale.

Energia - Recursos públicos para Belo Monte


RIO - O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BDNES) aprovou um empréstimo-ponte de R$ 1,087 bilhão ao consórcio Norte Energia para o projeto da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará.
Os recursos serão destinados à compra de materiais e de equipamentos nacionais, além do pagamento de serviços de engenharia e de estudos técnicos.
De acordo com comunicado divulgado pelo BNDES, a operação para concessão de financiamento de longo prazo, via project finance, está em análise no banco e depende da conclusão do processo de licenciamento do projeto.
“Nenhuma obra civil ou instalação de equipamentos será realizada no local da usina antes da obtenção do devido licenciamento ambiental e da licença de instalação do empreendimento”, informou o banco de fomento.
O consórcio Norte Energia, que tem participação da Chesf, Queiroz Galvão, Galvão Engenharia e outras seis empresas, venceu o leilão da usina em abril deste ano. O projeto faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). A primeira unidade de geração de Belo Monte deve entrar em operação comercial em fevereiro de 2015.
(Juliana Ennes | Valor)

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Direitos Humanos - O governo e o compromisso histórico


Lula vai embora gostando mais dos militares do que quando entrou, em democracia pode até ser correto, mas os crimes da ditadura não prescreveram. Lula vai embora com essa dívida.

Optou-se por uma saída à brasileira, indenizar às vítimas e familiares, mas não se enfrentou de fato a verdade.

Fora do Ex Ministro Tarso Genro que lutou até o fim do seu mandato pela condena aos militares responsáveis pelos crimes de tortura e assassinato, na 
realidade o resto do PT  deixou no esquecimento aos familiares e vítimas da ditadura.

Diferente tem sido a postura dos governos da Argentina, do Chile e dos outros governos que retornaram à democracia.

Nesses países, os responsáveis pelos crimes estão pagando, um a um.

Veja o mais recente caso da Argentina.


CORDOBA, Argentina, 22 dez 2010 (AFP) -O ex-ditador argentino Jorge Videla (1976-81) foi condenado nesta quarta-feira à prisão perpétua, por assassinato de opositores e outros crimes contra a humanidade.

O ex-general, de 85 anos, já havia sido condenado à prisão perpétua em 1985 durante um processo histórico da junta militar por crimes cometidos durante a ditadura (1976-1983), que fez 30.000 desaparecidos, segundo as organizações de defesa dos direitos do homem.

Mas a pena foi anulada em 1990 por decreto do ex-presidente Carlos Menem, que, por sua vez foi declarada inconstitucional em 2007 - decisão esta confirmada pela Corte Suprema em abril. O tribunal também suprimiu, em 2005, a lei de anistia para os crimes da ditadura.

A partir daí, vários processos foram abertos contra Jorge Videla, católico fervoroso que fazia-se de moderado, até liderar o golpe de 24 de março de 1976 e de dirigir o país até 1981. Estes anos foram os mais duros do regime militar.

Em Córdoba (centro), o ex-general estava sendo julgado desde o início de julho junto com outros 29 repressores pela execução de 31 presos políticos.

Entre os julgados está o ex-general Luciano Menendez, já condenado à prisão perpétua por três vezes, em processos por violação aos direitos do homem.

Processado por roubos de bebês de presos políticos, um crime não acobertado pelo perdão de 1990, Videla foi colocado em prisão domiciliar de 1998 a 2008, até ser transferido para uma unidade prisional em detenção preventiva, enquanto aguardava os múltimos julgamentos.

A partir de 2001, foi também processado por sua participação no Plano Condor, coordenado pelas ditaduras de Argentina, Chile, Paraguai, Brasil, Bolívia e Uruguai para eliminar opositores.

"Assumo plenamente minhas responsabilidades. Meus subordinados limitaram-se a cumprir ordens", destacou Videla no tribunal de Córdoba, um dia antes da divulgação do veredicto.

No depoimento final de 49 minutos que leu pausadamente, o ex-ditador, de 85 anos, disse que assumirá "sob protesto a injusta condenação que possam me dar".

"Reclamo a honra da vitória e lamento as sequelas. Valorizo os que, com dor autêntica, choram seus seres queridos, lamento que os direitos humanos sejam utilizados com fins políticos", disse Videla.

Depois apontou para o governo da presidente Cristina Kirchner, assinalando que as organizações armadas dissolvidas "não mais precisam da violência para chegar ao poder, porque já estão no poder e, daí, tentam a instauração de um regime marxista à maneira de (Antonio) Gramsci" (téorico marxista italiano).


terça-feira, 21 de dezembro de 2010

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Lula admite se candidatar novamente à Presidência

"Não posso dizer que não porque sou vivo", diz, sobre disputar novo mandato

Para petista, Barack Obama não tomou "atitude na hora certa" e paga preço de crise herdada de Bush 

Mais uma da Ana Julia - Agora em Brasília


Então tá A corrente Democracia Socialista, do PT, pode ter dado um tiro no pé ao bombardear a candidatura do petista Cândido Vaccarezza (SP) na Câmara para expressar insatisfação com a perspectiva de perder o Ministério do Desenvolvimento Agrário. A equipe de transição agora se diz "descompromissada" com a corrente. 


Lição de casa Embora tenha defendido tese de doutorado sexta-feira, não há registro da produção acadêmica de Aloizio Mercadante na Plataforma Lattes, referência no meio universitário. O futuro ministro da Ciência e Tecnologia prometeu providenciar um currículo hoje.


Coluna de RENATA LO PRETE UOL. 


Acho que falta só atualizar.....

Direitos Humanos - A Dívida do Lula


Obra, dedicada às famílias das vítimas da ditadura, será lançada amanhã no Rio 

DE BRASÍLIA 

Um documento da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência diz que, sem uma resposta oficial do Estado brasileiro sobre desaparecidos políticos na ditadura de 1964 a 1985, não pode ser considerada "plenamente concluída a longa transição para uma democracia".

A Folha obteve o livro "Habeas Corpus - que se Apresente o Corpo, a Busca dos Desaparecidos Políticos no Brasil", que será lançado pelo ministro de Direitos Humanos, Paulo Vannuchi, amanhã, na Assembleia Legislativa do Rio.

Na "Apresentação e Dedicatória", Vannuchi afirma que a falta de resposta oficial sobre os desaparecidos políticos "é uma dívida inegável do Estado Brasileiro, ainda não resgatada".
Vannuchi assume publicamente "discordâncias" entre ele e o ministro da Defesa, Nelson Jobim. Dedica a obra a famílias dos desaparecidos.

O ministro dos Direitos Humanos afirma que o presidente Lula teve de arbitrar as diferenças entre Defesa e Direitos Humanos a respeito da proposta de criação de Comissão Nacional da Verdade, projeto de lei do Executivo que tramita no Congresso.

O número de desaparecidos políticos na ditadura brasileira é incerto. O livro estima entre 150 e 180 pessoas.
Adota como critério de desaparecido a interpretação da ONU (Organização das Nações Unidas).
"Desaparecido é aquela vítima para a qual permanece a ocultação do destino ou paradeiro, ou seja, quando não se divulgou ou identificou os restos mortais, ou não se encontrou a pessoa viva".

O livro cita opinião do ex-deputado federal Aldo Arantes, representante do PC do B que acompanha as missões do GTT (Grupo de Trabalho Tocantins), que cobra "que os militares que participaram da ação repressiva venham a se manifestar dando indicações mais precisas para a localização dos restos mortais dos guerrilheiros".

O GTT é um grupo que procura restos mortais de cerca de 60 desaparecidos na Guerrilha do Araguaia, movimento do PC do B dizimado pela ditadura de 1972 a 1974.

O livro narra operações de "limpeza" dos militares no Araguaia nos anos 80 e 90.
No lançamento, será inaugurada exposição sobre o deputado Rubens Paiva, um dos mais importantes desaparecidos. O documento conta que a ditadura tentou construir várias versões para o assassinato de Paiva.


A dívida é grande e o governo hoje não deu resposta às demandas dos familiares de desaparecidos e torturados durante a ditadura.

Mais uma herança para o Governo Dilma. 

domingo, 19 de dezembro de 2010

Nacionalista atestado... pelo governo americano"!

Um ministro encontrou dias atrás com Samuel Pinheiro Guimarães e resolveu provocá-lo a propósito dos papeis do governo dos EUA, vazados via Wikileaks, que descrevem o secretário brasileiro de Assuntos Estratégicos como antiamericano:


-Samuel, não sabia que você era um nacionalista!

O ex-número dois do Itamaraty rebateu:

-Pois é. Eu, inclusive, agora escrevo nos meus cartões de visita: "Samuel Pinheiro Guimarães - nacionalista atestado pelo governo americano"!