Google+ Badge

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Belo Monte- Perguntar não ofende. De quanto será a “compensação financeira” para o Estado do Pará e seus municípios? Como será calculada?

Interessante artigo do Mário Ribeiro, colega da Faculdade de Economia da UFPA, Presidente da Fundação de Pesquisa do Estado. 

Seguem alguns trechos do artigo publicado hoje (sabado 12 de fevereiro) no Jornal O Liberal do Pará.

O que existe de perigoso no “modelo de compensação” de Belo Monte é que
as coisas foram mal feitas. É para lá de óbvio que o País precisa superar os seus
“gargalos” de infraestrutura, dentre os quais o de energia. 

O atual Plano Decenal de Energia para 2010-2019 é bastante claro neste aspecto. Chega a romper com os princípios que emolduraram o modelo de oferta de energia para o país entre 2003 e 2009.

Mas este não é o ponto em discussão. Praticamente toda a margem direita do
rio Amazonas é naturalmente propícia à implantação de usinas hidrelétricas
- desde as Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCH, com capacidade abaixo de 30MW) até as usinas como Belo Monte, ou como as seis que estão no PDE 2019 para a bacia do Tapajós (na região hidrográfica da Amazônia, o PDE 2019 planeja construir mais 18 hidrelétricas).
 
Logo, se a moda pega...
 
O pesadelo começa quando se imagina: 

a) Quais as medidas de mitigação do dano ambiental, ex-ante e ex-post à implantação do projeto? Note-se que depois de construídas as usinas, a energia gerada é limpa (o dano ambiental é baixo), mas durante a fase da construção destas existem valores econômicos, jurídicos, antropológicos e culturais, biológicos, físicos e geológicos, entre outros, que exigem o máximo de esforço para se obter o mínimo de dano. Aqui o dano ambiental é extremamente alto.

Ofende a quem perguntar isto? 


b) Quanto será a “compensação financeira” para o Estado do Pará e seus municípios? Como será calculada? A legislação atual simploriamente tira “um número do bolso da casaca”;

c) O tal cálculo de viabilidade econômica esconde os custos das “externalidades negativas” do projeto, isto é, os custos gerados na fase de construção e que ficam externos à contabilidade do projeto, mas que existem, e que a econometria ambiental moderna para o cálculo de “valores de existência” do meio ambiente (aqueles bens ambientais que não
têm preço de mercado porque simplesmente não existem estes mercados!) tem as mais perfeitas condições de informar; 

d) A inclusão destes valores, que são universalmente aceitos na economia ambiental, e devidamente trabalhados nos países do Ocidente (muitos já estão inclusive juridicamente positivados, na maior parte dos países da OCDE!), apenas geraria a justa “renda compensatória” para os paraenses; 

e) O Pará tem sido nos últimos cem anos o Estado mais espoliado neste modelo de colonialismo monárquico que ainda desaba sobre nós. Calculada dessa forma discricionária (no modelo de Belo Monte) a “renda compensatória”, rasga-se o véu e percebe-se que o quanto os nossos municípios receberão os coloca na condição de mendicantes de seus próprios direitos.

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Desafio do Brasil eliminar a pobreza

Até agora mais publicidade que realidade.


PAÍS RICO É PAÍS SEM POBREZA

Nova logomarca do Governo Federal

por Secom em 10/02/2011 19:40hs

A ministra Helena Chagas, da Secom, apresentou, nesta quinta-feira, a nova logomarca do Governo Federal. Por meio do slogan "País rico é país sem pobreza", ela traduz a prioridade do governo federal com a erradicação da miséria e redução da pobreza extrema. A concepção da marca foi solicitada pela Secom e é uma evolução da anterior.
Ela foi criada e doada pelo diretor de arte Marcelo Kertész, que trabalha na equipe do publicitário João Santana. Não houve custo para o governo. Ainda este mês, a Secom apresentará o Manual de Aplicação para uso pelos órgãos que integram o Sistema de Comunicação do Poder Executivo Federal (Sicom). Até lá, a marca anterior e seu manual continuam vigentes, sem necessidade de retirada ou mudança.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Argentina deve passar EUA no ranking dos mercados para produtos brasileiros



A Argentina deve superar os Estados Unidos, em breve, como segundo destino para as exportações brasileiras, só atrás da China, segundo dados do Ministério do Desenvolvimento obtidos pelo Valor. Em janeiro, as exportações aos argentinos cresceram 35,6%, bem acima da média do aumento nas vendas externas brasileiras, de 28,2%, na comparação com o mesmo mês do ano passado. As exportações para os EUA cresceram apenas 15,4%. As vendas argentinas ao Brasil não seguem o mesmo ritmo, o que tem provocado sucessivos superávits nas contas bilaterais. Em janeiro, o superávit quase quintuplicou em relação ao mesmo mês de 2010.

O governo aponta o fato como demonstração da crescente importância da Argentina para a indústria brasileira, mas o aumento do superávit brasileiro com a Argentina preocupa a presidente do país vizinho, Cristina Kirchner, que abordou o assunto ao receber a presidente Dilma Rousseff, em Buenos Aires, no início do mês.

Leia mais no O Valor (para assinantes). 

Belo Monte - Deu no Reporter 70 do "O Liberal"

��ICMS
Belo Monte

A revisão da cobrança do ICMS sobre o consumo
de energia elétrica desponta como
mais uma pedra no caminho da construção
da Hidrelétrica de Belo Monte. O deputado
Arnaldo Jordy, por exemplo, tem planos
para tentar mudar as atuais regras através
de uma proposta de emenda à Constituição
- prevê a cobrança do ICMS no local onde
é produzida a energia -, já em tramitação
na Câmara. Contra o projeto também pesa,
segundo Jordy em seu twitter, a falta de
cumprimento das condicionantes impostas
pelo Ministério Público.
 


Edital
Apesar das pressões, abaixo-assinado e
passeatas, o edital para o leilão da usina
de Belo Monte deve ser divulgado pela
Agência Nacional de Energia Elétrica logo
após o carnaval. Segundo o diretor-geral
da Aneel, Nelson Hubner, o governo prefere
resolver antes algumas questões técnicas.
“Esse prazo para o leilão, de 12 de
abril, é totalmente factível”, disse o diretor.
Ainda segundo Hubner, devem participar
da licitação no máximo três consórcios,
sendo mais provável que a disputa
ocorra com apenas dois grupos: “Podem
ser três, mas é difícil ter muitos porque é
um investimento muito alto, muito pesado
e é difícil juntar tantas empresas com
essa capacidade”.

A trajetória da educação no Brasil



Antigamente se ensinava e cobrava tabuada, caligrafia, redação,datilografia...
Havia aulas de Educação Física, Moral e Cívica, Práticas Agrícolas, Práticas Industriais e cantava-se o Hino Nacional, hasteando a Bandeira Nacional antes de iniciar as aulas...

Leiam o relato de uma Professora de Matemática:

Semana passada, comprei um produto que custou R$ 15,80. Dei à balconista R$ 20,00 e peguei na minha bolsa 80 centavos, para evitar receber ainda mais moedas. A balconista pegou o dinheiro e ficou olhando para a máquina registradora, aparentemente sem saber o que fazer.
Tentei explicar que ela tinha que me dar 5,00 reais de troco, mas ela não se convenceu e chamou o gerente para ajudá-la.
Ficou com lágrimas nos olhos enquanto o gerente tentava explicar e ela aparentemente continuava sem entender.
Por que estou contando isso?
Porque me dei conta da evolução do ensino de matemática desde 1950, que foi assim:

1. Ensino de matemática em 1950:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção é igual a 4/5 do preço de venda.
Qual é o lucro?

2. Ensino de matemática em 1970:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção é igual a 4/5 do preço de venda ou R$ 80,00. Qual é o lucro?

3. Ensino de matemática em 1980:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção é R$ 80,00.
Qual é o lucro?

4. Ensino de matemática em 1990:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção é R$ 80,00.
Escolha a resposta certa, que indica o lucro:
(  )R$ 20,00 (  )R$ 40,00 (  )R$ 60,00 (  )R$ 80,00 (  )R$ 100,00

5. Ensino de matemática em 2000:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção é R$ 80,00.
O lucro é de R$ 20,00.
Está certo?
( )SIM (  ) NÃO

6. Ensino de matemática em 2009:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção é R$ 80,00.
Se você souber ler, coloque um X no R$ 20,00.
(  )R$ 20,00 (  )R$ 40,00 (  )R$ 60,00 (  )R$ 80,00 (  )R$ 100,00

7. Em 2010 vai ser assim:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção é R$ 80,00.
Se você souber ler, coloque um X no R$ 20,00.
(Se você é afro descendente, especial, indígena ou de qualquer outra minoria social não precisa responder).
(  )R$ 20,00 (  )R$ 40,00 (  )R$ 60,00 (  )R$ 80,00 (  )R$ 100,00 E se um moleque resolver pichar a sala de aula e a professora fizer com que ele pinte a sala novamente, os pais ficam enfurecidos pois a professora provocou traumas na criança.

- Essa pergunta foi vencedora em um congresso sobre vida sustentável:
"Todo mundo está 'pensando'
em deixar um planeta melhor para nossos filhos...
Quando é que se 'pensará'
em deixar filhos melhores para o nosso planeta?"

Gato escondido com rabo de fora

Do Jornal "O Liberal"

repórter70
��ENFIM


Secretário

A Secretaria de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia acaba de abrir dois procedimentos para apurar o sumiço de computadores no apagar das luzes do governo Ana Júlia.

Um desapareceu no dia 27 de dezembro, do Centro Comunitário Boi-bumbá Pingode Ouro; o outro, dois dias depois, da Associação Comunitária dos Moradores do Residencial Rouxinol. A publicação da abertura desses procedimentos é o primeiro grande ato do secretário Alex Fiúza de Melo, que está no governo há mais de mês.

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Biodiversidade - O composto antiesquizofrenia a base de frutas


Substância de plantas e frutas se une a células-tronco para tratar doenças mentais

Uma substância encontrada em plantas e frutas como o maracujá, a laranja e o limão pode ser a chave para o tratamento de transtornos mentais como a esquizofrenia, que afeta 1% da população mundial.

O primeiro passo para essa terapia seria um estudo publicado por oito pesquisadores brasileiros na próxima edição da revista "Stem cells and development", uma das principais do mundo na área de células-tronco.

A equipe, coordenada pelo Instituto de Ciências Biomédicas da UFRJ, é a primeira a estudar o efeito de flavonoides - um composto fartamente encontrado na natureza - em células-tronco embrionárias ou reprogramadas. O grupo não almejava o combate de doenças psíquicas, mas já avalia que esta poderia ser uma aplicação de seu trabalho.

Uma série de pesquisas já havia identificado os efeitos antioxidantes dos flavonoides. Trata-se de uma característica benéfica, que reduz o risco de diversas doenças e até retarda o envelhecimento.

- É um composto estudado há muito tempo. Já se descreveu sua ação hormonal, anti-hemorrágica, anticâncer - lembra Stevens Rehen, diretor do Laboratório Nacional de Células-Tronco Embrionárias. - O flavonoide também está presente em alimentos processados, como chá e vinho. Ainda assim, nunca haviam experimentado o seu efeito sobre o metabolismo de células-tronco.

Rehen, então, resolveu incluir a substância em sua pesquisa. E o fez de duas formas. A primeira, com células-tronco embrionárias, que têm o potencial de se transformar em diversos tipos. Para isso, são diferenciadas em laboratório, de modo que ocupem adequadamente o tecido onde são necessárias.

A segunda forma, e a mais importante para ele, é com células reprogramadas.

- Extraímos célula da pele de indivíduos adultos, reprogramamos este material e transformamos em neurônios- explica Rehen.

Aí entra o flavonoide. O composto, retirado da catingueira - uma planta típica do Nordeste semiárido -, impediu a morte celular e praticamente triplicou o número de neurônios gerado pelas células.

- Podemos dizer que o flavonóide deixa a célula-tronco mais propensa a se transformar em um neurônio - comemora Rehen. - Para haver essa conversão, a  célula precisa ter acesso a uma substância chamada ácido retinoico. Chegar a ela exige um receptor. E o flavonóide aumenta justamente o número desses receptores. Como a célula reprogramada vem da pele do próprio paciente, será possível criarmos uma medicina individualizada.

Uma substância que, como o flavonoide, é um antioxidante e favorece a formação de neurônios, poderia ser usada para aumentar a memória de um cérebro já formado. Também reduziria a possibilidade de qualquer transtorno que prejudicasse o desenvolvimento daquele órgão. Essas utilidades, no entanto, ainda dependem de novos estudos. Mas a prioridade da equipe é outra: testar o componente natural no combate a doenças mentais. Algumas enfermidades, como a esquizofrenia, destroem a via que liga
o ácido retinoico às células. O flavonoide poderia reparar essa ligação, facilitando a produção de neurônios - e, assim, combatendo os sintomas característicos daquele transtorno.

Para isso, no entanto, é preciso conhecer melhor o material que protagoniza esse tratamento. A equipe de Rehen prepara-se para estudar os efeitos antioxidantes do flavonoide sobre neurônios reprogramados de pacientes com transtornos mentais.

- O desenvolvimento da esquizofrenia tem como característica disfunções no sistema antioxidante - lembra o pesquisador. - Portanto, ao estudarmos as propriedades desse
composto encontrado em frutas e plantas, estamos nos informando sobre como podemos usá-lo para combater os transtornos mentais.

O estudo foi realizado com camundongos, a partir de células embrionárias e reprogramadas daquele animal. Nos últimos seis meses, no entanto, os pesquisadores já ensaiam o início de um levantamento semelhante com humanos.
(Renato Grandelle)
(O Globo, 9/2)

Educação - Calouros que fizeram o Enem serão dispensados de Enade



Instituições privadas reivindicavam a mudança na avaliação do ensino superior. Segundo Haddad, medida vale a partir deste ano

Os universitários recém-chegados ao ensino superior que forem convocados a participar do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) poderão ser dispensados de fazer a prova. A condição é ter participado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O ministro da Educação, Fernando Haddad, informou nesta terça-feira (8/2) que a medida atende antiga reivindicação das instituições privadas de ensino superior e vale a partir deste ano.

Segundo Haddad, as opiniões das instituições são importantes para aprimorar os processos de avaliação. A mudança, nesse caso, reflete aperfeiçoamento na opinião do ministro. Haddad disse que as faculdades reclamavam que, com o atual desenho do Enade (que avalia estudantes no final do primeiro ano de curso e no último), o esforço feito por elas para nivelar o conhecimento dos calouros não era observado.

"A alteração foi feita no sistema a pedido das instituições. O esforço de nivelamento dos alunos feito por elas no primeiro ano das graduações não era medido", disse. De acordo com o ministro, isso altera o fator de ponderação que dá nota aos cursos de graduação e à própria instituição. Outras propostas apresentadas pelas instituições estão ainda em análise.

Enade

O exame é aplicado a alunos ingressantes e concluintes de cursos superiores com o objetivo de medir a qualidade do ensino oferecido pelas instituições brasileiras. Eles são escolhidos por amostragem, mas precisam fazer o exame para receber o diploma. Quem não pode comparecer à prova precisa justificar a ausência.

Cada graduação recebe uma nota em uma escala de 1 a 5, sendo que 1 e 2 são considerados desempenho insatisfatório; 3, razoável; e 4 e 5, bom. Cada curso passa pela avaliação de três em três anos. O Enade é um dos fatores utilizados para compor a avaliação dos cursos superiores e das instituições.

(Priscilla Borges)
(IG, 8/2)

Ibama multa fazendas em R$ 155 milhões por quebra de embargo no sul e sudeste do Pará




O Ibama vistoriou durante a operação Harpia, entre 17 e 31/01, mais de 72 mil hectares de áreas ilegalmente desmatadas e embargadas no sul e sudeste do Pará. Essa extensão de terra, junta, equivale a mais de duas vezes o tamanho da cidade de Fortaleza, no Ceará. Segundo os fiscais da Gerência Executiva do órgão em Marabá, poucas propriedades respeitaram a sanção, não permitindo a recuperação do meio ambiente degradado. Na ação, nove fazendas acabaram multadas em cerca de R$ 155 milhões – tanto por descumprir o embargo quanto impedir a regeneração da floresta – em São Félix do Xingu, Santana do Araguaia, Cumaru do Norte, Santa Maria das Barreiras e Bannach.

“Se a proibição de uso tivesse sido cumprida, já haveria uma mata crescendo nestas áreas. Ao invés disso, encontramos pastagens, com rebanhos associados. A continuação da atividade pecuária impediu a regeneração natural da floresta”, explica o coordenador da operação, Diego Guimarães, da Divisão de Fiscalização do Ibama em Marabá. Todos os fazendeiros autuados foram notificados para retirar em até 30 dias o gado das áreas embargadas.

A operação Harpia é uma das maiores investidas do Ibama contra a quebra dos embargos aplicados às áreas ilegalmente desmatadas no Pará. Ela aconteceu simultaneamente nas regiões de Marabá, no sul e sudeste, e em Santarém, no oeste do estado.

“O Ibama está preparando o terreno para futuras ações de fiscalização nos moldes da operação Boi Pirata I e II. Quem insistir em criar gado em terras desmatadas e embargadas, vai ter os animais apreendidos. A pecuária ilegal é um dos grandes responsáveis pelo desmatamento da floresta amazônica e será combatida”, afirmou o chefe da Divisão de Fiscalização do instituto no Pará, Paulo Maués. Em 2011, 90 operações de médio e grande porte estão prevista para ocorrer no Pará.

Manejo sem floresta: mais R$ 80 mi em multas

Ao vistoriar a Fazenda Rio Tigre, em Santana do Araguaia, fiscais da operação Harpia flagraram mais um plano de manejo florestal fraudado em atividade no Pará. A propriedade, embargada pelo Ibama desde 2006, obteve aprovação da Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema), ano passado, para explorar milhares de metros cúbicos de madeira nativa amazônica, sem possuir sequer uma floresta com potencial madeireiro em seus limites (havia apenas matas secundárias e pastos degradados). O dono da fazenda beneficiada pela ilegalidade foi multado em R$ 80 milhões, pela venda fictícia da madeira e por inserir informações falsas no sistema de controle ambiental.

Mesmo sem madeira para manejar, a Rio Tigre movimentou cerca de 6,5 mil m3 de toras (aproximadamente 250 caminhões cheios) em créditos fictícios no Sistema de Comercialização e Transporte de Produtos Florestais (Sisflora) – que controla a compra e venda de madeira no Pará. De acordo com o Ibama em Marabá, o plano de manejo fraudulento serviu para colocar no mercado, como se fosse legal, milhares de metros cúbicos de madeira de desmatamento a partir do sul e sudeste do estado.

Nelson Feitosa, Ascom/Ibama/PA

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

EM POUCAS LINHAS - O Liberal do Pará


Verdade? mentira? fofoca ? notícia plantada? - Você avalie. 

Falta do que falar.
Os petistas continuam discutindo vaga.
O Basa, se o PT fizer a indicação, ficará
com Edilson Rodrigues.

�� O ministro da Saúde, Alexandre Padilha,
pode dar ao irmão da prefeita de
Santarém, Carlos Martins, a direção da
Funasa aqui no Estado.

�� O Estado negocia seus débitos com empresas
de telefonia celular. Semana passada,
quase a internet era cortada.

�� Especialistas acreditam que os laudos
periciais sobre a queda da torre da Três de
Maio, tanto os particulares como o oficial,
só ficarão prontos quase no final do ano.

�� As entidades da construção civil ainda
não decidiram sobre a contratação de um
perito de fora para analisar os motivos do
desabamento.

�� Foi sepultado, ontem, em Soure, o corpo
do fiscal de rendas do Estado, David
Paulo, falecido em Belém aos 96 anos.
David tinha na memória toda a história
do município.

�� O Evandro Chagas teme que possa ter
ocorrido em Belém o primeiro caso do tipo
de dengue 4, que está sendo pesquisado e
que só havia sido registrado em Manaus e
Santarém Novo.
�� Um grande grupo do Pará acompanhou
a sessão do STJ que escolheu a lista tríplice
na qual está incluído o nome do advogado
paraense Reinaldo Silveira.

�� A Capaf foi novamente ao mercado vender
parte de sua carteira de empréstimos,
estimada em R$ 11 milhões, para pagar
alguns benefícios aos seus associados.

�� A operação está sendo feita com um deságio
alto, o que significa prejuízo para a
entidade, uma vez que os empréstimos
vencem daqui a 10 anos.

�� A TAP voltou a falar em fazer um voo
para a região e estaria escolhendo entre
Manaus e Belém. O pessoal do turismo
daqui ainda não sabe de nada.

�� Pelo fio, Ana Júlia diz que não vai renunciar
à pensão que passa a receber como
ex- governadora e que está dentro da lei.

É está !!

�� Diz ela que foi vereadora, senadora e governadora
e não se serviu do dinheiro público.
“Saí do governo como entrei”, declara.

domingo, 6 de fevereiro de 2011

Tablets devem integrar programa Computador para Todos, diz Bernardo



BRASÍLIA – O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, afirmou hoje que os computadores portáteis com tela sensível ao toque, conhecidos internacionalmente por tablets, podem ser incluídos no Computador para Todos, programa federal que prevê a isenção fiscal de PIS/Cofins e linhas de financiamento para a aquisição de equipamentos de informática.

“Vendemos 14 milhões de computadores no ano passado. Agora, vamos ver se incluímos o tablet no programa”, disse Bernardo ao participar do programa de rádio “Bom dia, Ministro”.

JJá nas primeiras semanas de governo, o ministro afirmou que recebeu recomendações da presidente da República, Dilma Rousseff, para estudar medidas para popularizar o uso do equipamento no país. Este tema, segundo ele, será discutido hoje à tarde com o presidente da Associação brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), Humberto Barbato.

Outra alternativa a ser avaliada pelo governo é incluir o tablet na lista de equipamentos beneficiados pelos incentivos fiscais da medida provisória 517. Durante a entrevista, o ministro afirmou que já vem mantendo contato com os próprios fabricantes para buscar meios de redução do preço dos tablets.