Google+ Badge

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Rejeitados no Brasil, por não conhecerem o futebol local, azar do Brasil.

Um episodio inédito na historia da Copa América

 


Las cuatro selecciones semifinalistas de la Copa América Chile 2015 tienen como director técnico a profesionales argentinos. Es un episodio inédito en la riquísima historia de la copa más antigua del mundo en competiciones de fútbol.
Jorge Sampaoli. Se ganó la consideración internacional como DT frente de Universidad de Chile. Y después reemplazó nada menos que al renombrado Marcelo Bielsa.

Gerardo Martino tuvo su bautismo en el fútbol de alta competición con la selección de Paraguay que alcanzó una posición inusual en Sudáfrica 2010.

Ramón Díaz un histórico goleador ganó espacio después de abandonar su vida de jugador como técnico de River Plate de Buenos Aires. Su enorme influencia lo demuestra una vez más con Paraguay pulverizando pronósticos cambiando rotundamente la imagen de su equipo.

Ricardo Gareca otro goleador que se construyó en Vélez Sarsfield y como con una varita mágica revivió a la selección peruana que se ha reencontrado con la hidalguía de sus hazañas atesoradas.

Está historia de Chile 2015 tendrá a uno de ellos como el laureado campeón.

domingo, 28 de junho de 2015

Comentaristas são unânimes e detonam seleção de Dunga após eliminação

A CBF não escuta! O pior que tem o futebol brasileiro é sua falta de autocrítica, seu excesso de arrogância e viver de ilusão. 

As mesas redondas esportivas debateram na noite deste sábado a eliminação brasileira da Copa América e teve de tudo: Galvão falando que a Seleção perdeu chances de definir o jogo e pregando necessidade de melhora para as Eliminatórias, comentaristas criticando o técnico Dunga e a mentalidade brasileira de jogo, sugestão de técnico estrangeiro e alívio brasileiro por fugir da Argentina de Messi nas semifinais.

Confira as opiniões na TV:

Galvão Bueno, narrador da Rede Globo:

“Brasil jogou bem durante 30 minutos, fez o gol e o próprio Robinho disse ao final: 'tivemos a oportunidade de definir o jogo'.Quando não definiu e trouxe o inimigo para dentro da sua própria casa, o Brasil complicou a vida e na decisão por pênaltis perdeu. Temos que melhorar muito porque as Eliminatórias vêm por aí já no mês de outubro.''

José Trajano, no programa Linha de Passe, da ESPN:

“Aquele gol foi a única jogada. Tirando dois gols do Philippe Coutinho e esse gol, a Seleção não fez rigorosamente nada, e o Paraguai é um time medíocre. Vendo a coletiva do Dunga, dá a impressão que não aconteceu nada de errado, trabalho bem feito e bem planejado e que uma simples virose e acabou com a Seleção Brasileira. O Roberto Firmino, pelas atuações que fez nessa Copa América custar 120 milhões e o Douglas Costa [negociado com o Bayern de Munique] só pode ser lavagem de dinheiro, além de outras desconfianças que tenho.''

Juca Kfouri no mesmo Linha de Passe:

“Que mudança houve depois da Copa? Puseram o Dunga no lugar do Felipão. Você considera isso uma mudança? Evidente que não é. Não se fez nada. O que mais precisa acontecer para que as coisas mudem? Segundo eliminação consecutiva nos pênaltis para o Paraguai. O Paraguai somos nós e aí eu me pergunto: não terá sido melhor ser eliminado hoje pelo Paraguai nos pênaltis do que levar uma traulitada da Argentina na terça-feira?''

Comentarista Mauro Cezar Pereira na mesa redonda da ESPN:

“Fica cada vez mais evidente que o Dunga não tem qualificação para ocupar o cargo, não só pelo seu trabalho como treinador que é ruim, ma por alguns predicados que o cargo exige: diante de câmeras de televisão, fala coisas sem sentido, é um cara que à beira do campo mais parece um torcedor, não consegue refletir, não tem ideias, o seu repertório como técnico é muito pobre. Não conseguiu avançar nada desde a demissão do Mundial de 2010 e tá até pior porque em 2010 tinha o Jorginho do lado dele, que é uma pessoa capaz de enxergar melhor as coisas. Acho que a Seleção Brasileira deveria contratar um técnico estrangeiro de primeira linha. Não vejo nenhum técnico no país que tenha capacidade de comandar o Brasil nesse momento.''

Mário Marra, comentarista da ESPN, no programa Bate-Bola:

“O Dunga fala: 'temos que jogar com velocidade'. Você pode não jogar com velocidade, ser um grande time sem velocidade. É isso, o remédio vai ser velocidade? Não vai. Isso resolve um jogo, talvez até um campeonato. O nosso problema é uma hemorragia interna, muito grande, um esparadrapo não vai curar nem tapar, só que vai enganar, engana durante um tempo.''

Rafael Oliveira, analista também da ESPN:

“Meio-campo fica nessa de 'falta um 10'. O futebol de hoje não é dependente de um 10. Sites de estatísticas apontaram, e aconteceu hoje, que o Brasil teve mais posse de bola nas laterais do que com os volantes durante toda a Copa América. E hoje o jogo passa pela distribuição nesse setor do campo. Se não consegue ter qualidade para distribuir e se impor por ali, seu jogo não vai fluir. Não é culpa do Elias e do Fernandinho, é culpa de uma mentalidade. Esse é o tipo de transformação, de reformulação, de repensar que o Brasil precisa passar, porque é muito simples dizer que a geração é ruim. Não é. O Philippe Coutinho esteve entre os indicados a melhor jogador da última Premier League, o Willian é titular do Chelsea campeão da Premier League. Não são craques, mas dá pra fazer um time coletivamente mais forte. A individualidade é o Neymar, mas falta o coletivo.''

Eduardo Monsanto, apresentador doo programa Bate-Bola:

“O Brasil tem jogadores capazes de formarem um time coletivo, mas não tem o técnico.''

Edinho, ex-jogador comentarista no Seleção Sportv:

“Como é que a gente tá cobrando resultados de um Brasil de um tempo atrás se não somos mais o Brasil de um tempo atrás. Tem que ter calma agora, ter paciência, os resultados foram bons de amistosos, o amistoso faz parte do processo. O Brasil até teve uma imposição no começo, o Paraguai ficou preocupado. O Brasil não foi incisivo, envolvente. Trazer técnico estrangeiro é importante, desde que esteja aberto a isso e que o próprio treinador venha ver o nosso conceito, nossa cultura, que é mais difícil.''

Paulo Cesar Vasconcellos, no mesmo programa:

“Talvez o que cause um certo desconforto é que em nenhum momento ao longo dessa Copa América, não é que se vá ver atuações espetaculares, mas que talvez falte um pouco de consistência ao jogo brasileiro. Talvez o que decepcione e cause uma enorme irritação no torcedor seja a ausência de consistência, porque você não vai querer que uma seleção que trocou de técnico e disputou amistosos, trabalho iniciando, vá ser a melhor do mundo.''

Rogerio Jovaneli
Do UOL, em São Paulo

Virose, saldo positivo?, me aplica!

Dunga vê virose de jogadores como vilã, mas faz saldo positivo da Copa América


Após a eliminação nos pênaltis para o Paraguai, o técnico Dunga revelou que uma virose afetou o grupo de jogadores e prejudicou na rotina de treinamentos do grupo para a partida.

"Não estou usando isso como desculpa, mas cerca de 15 jogadores foram atingidos por uma virose. Eles tiveram dores de cabeça, dores nas costas, mal estar no corpo. E isso variou", revelou o comandante.

"Por conta disso, precisamos diminuir o ritmo de treinos, com o objetivo de recuperar eles para a partida. Frisei que a nossa velocidade seria fundamental, mas não conseguimos regularidade", disse.

Na zona mista, alguns jogadores confirmaram o vírus. Contra o Paraguai, o time teve bom desempenho nos primeiros 25 minutos de jogo, mas depois acabou inferior ao rival.

De acordo com Dunga, a virose interferiu nas decisões que o treinador tomou durante o duelo, principalmente na hora de tirar Willian e Robinho.

"Gostaria de ter mantido o Willian e o Robinho. Mas o Willian passou mal no intervalo, e o Robinho no fim estava muito cansado. Por isso precisei optar por jogadores, uma vez que queria vencer a vaga no tempo normal, não coloquei eles já pensando na decisão nos pênaltis", afirmou.

Nos lugares dos atletas, entraram Douglas Costa e Éverton Ribeiro, exatamente os jogadores que erraram as cobranças na decisão por pênaltis. Ao sair de campo, Robinho garantiu que queria, sim, seguir jogando e cobrar o pênalti.

Saldo positivo?

Da 'bobeira' ao 'jogo sólido' - jogadores divergem opiniões após eliminação da Copa América






Talvez fosse a eliminação ainda latente. Talvez, uma dificuldade de avaliação. Certo é que as opiniões divergiram consideravelmente entre dois líderes da Seleção Brasileira após a derrota nos pênaltis para o Paraguai neste sábado: enquanto Robinho reconheceu a incapacidade da equipe para matar o jogo, Miranda falou em 'jogo sólido' em Concepción, mesmo que o Brasil deixe a Copa América sem mostrar nada demais a seu torcedor.

O autor do gol brasileiro criticou a atuação do segundo tempo, e a incapacidade da equipe marcar o segundo para selar a vitória diante de um adversário tecnicamente inferior.

"O Paraguai, com todo o respeito, não é uma das melhores seleções. Tivemos a oportunidade de matar o jogo, tomamos um gol numa bobeira nossa e infelizmente perdemos", disse.

Por outro lado, o zagueiro Miranda viu um bom rendimento da Seleção sob o comando de Dunga, mesmo deixando o Chile com um resultado aquém do esperado.

"Difícil falar neste momento, um momento de tristeza, a gente fez um jogo sólido", afirmou o defensor. "Mas é levantar a cabeça e pensar agora nas Eliminatórias."

Abaixo, as falas completas na saída de campo

Robinho

Atuação

"Infelizmente, a gente caiu de produção no segundo tempo, tivemos a chance de matar o jogo. O Paraguai, com todo o respeito, não é uma das melhores seleções. Tivemos a oportunidade de matar o jogo, tomamos um gol numa bobeira nossa e infelizmente perdemos."

Substituição

"Queria ficar para bater, mas a gente respeita, foi uma opção do professor. Queria ter ficado, sempre bati os pênaltis."

"Mas agora, é saber que o nosso time precisa melhorar muito né. Perde um, perdem todos."

Miranda

Avaliação

"Difícil falar neste momento, um momento de tristeza, a gente fez um jogo sólido. Infelizmente numa jogada de bola aérea o pênalti, sofremos o gol. E logo nas cobranças de pênalti fomos infelizes. Mas é levantar a cabeça e pensar agora nas Eliminatórias."

Escolha dos cobradores

"Escolhemos ali quem tava bem, preparado na hora. Pênalti é isso, as vezes você tá preparado e falha. E só tem condição de acertar ou falhar quem vai cobrar. Os escolhidos estavam preparados, mas infelizmente dois falharam."

"A equipe esteve bem até agora, fizemos jogos importantes, jogos difíceis, em alguns jogos atuamos bem, em outros nem tanto. Mas e isso, agora precisamos pensar em Eliminatórias que é o mais importante pra gente."