Google+ Badge

sábado, 31 de janeiro de 2009

BRASIL - AMAZÔNIA PARA SEMPRE!

BRASIL - Como funciona a Amazônia (2) a maior floresta tropical do mundo

A maior floresta tropical do mundo

A Amazônia é a maior floresta tropical em área contínua da Terra. São cerca de 7 milhões de quilômetros quadrados divididos entre o Brasil, Venezuela, Suriname, Guiana, Guiana Francesa, Equador e Colômbia. Nela também está a maior bacia hidrográfica do mundo com o maior rio do planeta, o Amazonas. Ficam no Brasil cerca de 80% da floresta.A maior parte do ecossistema amazônico fica em terra firme numa grande planície de 100 a 200 metros de altitude que segue até as montanhas onde inicia a Cordilheira dos Andes. Esta grande planície é fruto dos sedimentos deixados pelo lago Belterra, que existiu na região se formou a 1,8 milhão de anos atrás e desapareceu há 25 mil anos.

Na foz da bacia hidrográfica no litoral brasileiro, o solo e a vegetação estão praticamente no nível do mar e, em algumas áreas abaixo, o que faz com que o mar invada o leito do rio, provocando um fenômeno chamado pororoca. Igarapés, estreitos riachos que cortam a mata, e igapós, extensas áreas com água cobrindo a vegetação mais baixa, são comuns na região. Uma das mais interessantes atrações turísticas da região, o encontro das águas em Manaus mostra outra característica da região: de um lado as águas escuras e ácidas do rio Negro, do outro as barrentas do rio Solimões se unem para formar o Amazonas.



Como todas as floretas tropicais, a maior parte do seu solo é pobre em nutrientes, formando uma grande biomassa na base das árvores, essa sim rica em nutrientes. Suas árvores como as samuameiras, castanheiras, mogno ou jatobá podem chegar a alturas entre 30 e 50 metros de altura. As palmeiras também são comuns na região. O açaizeiro, de onde sai o açaí - fruto utilizado na alimentação diária de boa parte da população tradicional da região, é um dos mais comuns.

A dimensão da rica biodiversidade amazônica ainda é uma incógnita, havendo as mais diversas estimativas para o número de espécies vegetais e animais presentes na floresta. Alguns animais aquáticos bem conhecidos como o pirarucu, boto e peixe-boi estão ameaçados de extinção graças a exploração desenfreada. O mogno, árvore cuja madeira pela sua maleabilidade é muito procurada, também está ameaçada.

A pressão econômica e social do homem tem sido a maior razão para a devastação amazônica. O chamado arco do desmatamento, área fronteiriça da floresta que abrange Rondônia, norte do Mato Grosso, sul do Pará e oeste do Maranhão, empurra a destruição cada vez mais para dentro da mata.

Degradação da floresta

Por ano, são desmatados, em média, cerca de 21 mil quilômetros da floresta no Brasil, o que significa dizer que a Amazônia perde o equivalente a um Estado de Sergipe anualmente. De 2004 até metade de 2007, houve uma queda acentuada nos índices de desmatamento, chegando a 14 mil quilômetros quadrados entre agosto de 2005 e julho de 2006. De agosto de 2006 a julho de 2007, foram desmatados 11,2 mil quilômetros quadrados. A situação, no entanto, começou a se inverter novamente. Nos últimos cinco meses de 2007, o desmatamento foi de 3.233 quilômetros quadrados, um número muito alto principalmente porque nos últimos meses do ano, com as chuvas fortes na região, a derrubada de árvores costuma ser pequena. Mas quais as razões para o desmatamento?

São várias as causas do desmatamento amazônico: aumento populacional, exploração de madeira, pecuária e agricultura extensiva, queimadas, extração mineral e ampliação da infra-estrutura da região, são as principais resposáveis do desmatamento da Amazônia.

BRASIL - Como funciona a Amazônia (1)


A Amazônia está na crista da onda. Seu futuro tem sido discutido, nos últimos anos, de maneira intensa pela comunidade científica, mídia, políticos e sociedade em geral tanto no Brasil quanto no resto do mundo. Não é para menos. Afinal é a maior área contínua de floresta tropical do mundo e já foi considerada o pulmão do nosso planeta na luta contra o aquecimento global, teoria hoje descartada. No entanto, sua importância continua sendo grande. Estudos mostram que o desmatamento poderá alterar, por exemplo, a dinâmica das chuvas no planeta, além de uma série de outros problemas. Além disso, a região é um fonte de recursos que enche os olhos de vários empresários, desde os madeireiros até a indústria farmacêutica.

­O maior rio do mundoEm julho de 2008, uma revisão das dimensões dos rios no mundo colocou o rio Amazonas como o maior rio do mundo, antes considerado o Nilo, no Egito. Antes, o Amazonas já era o maior rio em volume de água. Um levantamento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) aumentou a extensão do rio. Assim, o Amazonas mede 140 km a mais do que o rio Nilo. Ou seja, o rio latino-americano mede 6.992 km contra os 6.852 km do africano.
Bibliografia.
Luís Indriunas. "HowStuffWorks - Como funciona a Amazônia". Publicado em 24 de agosto de 2007 (atualizado em 10 de julho de 2008) http://ambiente.hsw.uol.com.br/amazonia1.htm (30 de janeiro de 2009)

INTERNACIONAL CHILE - PEDRAS NO CAMINHO PARA EDUARDO FREI QUE ASPIRA NOVAMENTE À PRESIDÊNCIA DO CHILE

Aos 66 anos, com sua inscrição para as primárias da coalizão que governa o Chile desde 1990 de maneira ininterrupta, o senador democrata-cristão Eduardo Frei iniciou a corrida para suceder a Michelle Bachelet na presidência da República, cargo que ele já ocupou entre 1994 e 2000.Para voltar ao Palácio La Moneda, Frei deverá vencer dois obstáculos. O primeiro, que os analistas consideram mais fácil, é a batalha que poderá oferecer nas primárias governistas o senador e ex-ministro da Justiça José Antonio Gómez, presidente do Partido Radical Social-Democrata, a menor coletividade da Concertación (coalizão de partidos políticos chilenos onde confluem social-democratas e democratas-cristãos).

Eduardo Frei o Pai.

Eduardo Frei Montalva, foi presidente entre 1964 e 1970, encabeçou a oposição contra Salvador Allende e depois de apoiar inicialmente a ditadura liderou as forças contrárias ao general Augusto Pinochet, até sua morte em uma clínica privada onde foi operado. A justiça investiga se, como acreditam a família Frei e muitos no Chile, a ditadura mandou envenenar o ex-presidente. Os exames encontraram indícios de que foi assim e espera-se uma rápida resolução do juiz encarregado do caso.

Uma das pedras no caminho do Frei filho para ser novamente Presidente é José Antonio Gómez e muitos apostam que Gómez não conseguirá chegar até a última primária, a de Santiago, em 17 de maio, por falta de recursos para sustentar a campanha e porque depois da retirada do ex-presidente Ricardo Lagos e do secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), José Miguel Insulza (de uma corrida na qual nunca entraram completamente), Frei chegou à disputa com o apoio de democratas-cristãos, socialistas e do Partido pela Democracia, três dos quatro maiores partidos da Concertación.Anteriormente, a senadora e ex-ministra Soledad Alvear se demitiu da presidência da Democracia Cristã (DC) e abandonou a competição pela presidência ao ver que não subia nas pesquisas, assim deixando o caminho livre para Frei.

O principal obstáculo que ele tem pela frente é o empresário Sebastián Piñera, o representante da direita, cuja fortuna é estimada em US$ 1,3 bilhão, que depois de ser derrotado por Bachelet em 2005 começou imediatamente a corrida para a eleição presidencial de dezembro de 2009 e que agora tem uma grande vantagem em todas as pesquisas sobre seu rival democrata-cristão.Por enquanto, a Concertación só pede a Frei para forçar um segundo turno, apesar do esperado impacto da crise econômica internacional, que se traduzirá no Chile em maior desemprego e menor crescimento, para então tentar derrotar Piñera.

Entretanto, a direita aspira a ganhar sem chegar à recontagem de votos.Com um período presidencial de quatro anos sem reeleição, os chilenos deverão se acostumar à repetição de rostos nas eleições para La Moneda. Logo haverá vários ex-presidentes e candidatos derrotados que podem aspirar a uma segunda oportunidade. De fato, a batalha de dezembro de 2009 será entre um ex-presidente e um ex-candidato presidencial. A própria Bachelet fica situada como candidata para a eleição de 2013, depois de se recuperar nas pesquisas e de estar se transformando em uma figura querida pelos chilenos.

Frei, um engenheiro civil e hidráulico e empresário, também tem como desvantagem a forma como terminou seu governo, em meio a uma recessão provocada pelo ajuste diante da chamada crise asiática, que quase custou a vitória a Lagos contra Joaquín Lavín, e obscureceu os primeiros anos de crescimento e modernização de seu mandato.Mas o sobrenome Frei é quase uma marca na política chilena. Seu pai, Eduardo Frei Montalva, foi presidente entre 1964 e 1970, encabeçou a oposição contra Salvador Allende e depois de apoiar inicialmente a ditadura liderou as forças contrárias ao general Augusto Pinochet, até sua morte em uma clínica privada onde foi operado. A justiça investiga se, como acreditam a família Frei e muitos no Chile, a ditadura mandou envenenar o ex-presidente. Os exames encontraram indícios de que foi assim e espera-se uma rápida resolução do juiz encarregado do caso.

Quarto de sete irmãos, Eduardo Frei Ruiz-Tagle se dedicou tardiamente à política. Considerado sério, de oratória frágil e até aborrecido, sua falta de loquacidade é mais atribuível à timidez, porque em particular tem senso de humor. Para esta campanha mudou seu estilo. Hoje está mais desenvolvido e seguro de si. Saiu em último lugar nas preferências das pesquisas, mas começou a ganhar terreno na medida em que seus adversários da Concertación se retiravam. Flertou até com a esquerda e depois propôs uma nova Constituição para o Chile em 2010, no bicentenário da independência, a mais sólida que fez algum dos candidatos.Declarou estar disposto a abrir espaço parlamentar para os comunistas, que 19 anos após a volta da democracia ainda não conseguiram eleger um deputado ou senador, pelo sistema eleitoral criado pela ditadura. A rigor, segundo indicam as pesquisas, sem esses votos não poderia vencer Piñera. De todos os possíveis candidatos da Concertación, Frei é o que mais pode evitar a drenagem de votos do centro para Piñera, que votou contra o ex-ditador Pinochet no plebiscito de 1988.Frei já teve uma disputa eleitoral direta com Piñera, em 1989, o último ano do governo Pinochet, para chegar ao Senado. Na época Frei quase duplicou os votos de Piñera, com 41% contra 21,9%, obteve primeira maioria nacional e ambos chegaram à Câmara Alta. Mas então a Concertación não sofria o desgaste de 19 anos de governo. Frei superou esse registro ao ser eleito presidente com 57,9%, a maior votação já obtida por um candidato ao cargo.É católico, casado com a orientadora familiar Marta Larraechea, uma mulher simpática e brincalhona, com quem tem quatro filhas. Ao se inscrever para as primárias, Frei afirmou que "esta é uma etapa, um caminho, que há alguns meses parecia escuro. Vamos ganhar em dezembro e vamos continuar construindo um país mais humano, mais justo".

Mas, nas águas da coalição do governo ou base aliada (como se diz no Brasil) não estão tão calma assim como parece. Novas pedras surgiram e dificuldades maiores surgiram do próprio interior da coalição governista. a esquerda, que já leva 16 anos no poder está extremamente, por assim dizer, cansada e existem correntes importantes dentro do partida da presidenta que lutam por uma maior expressão no exercício do poder e é, reiteradamente, obstaculizada sua maior participação no governo.
É a velha guarda que viveu o retorno à democracia e que usufruiu do poder por estes 16 anos. a idade dos principais principais líderes, se somadas, alcançariam cerca de 800 anos.

De muita experiência e de pouca vontade de inovar. Não gostam da transparência das ações do governo, não gostam de caminhar pelas ruas e recorrer seus distritos eleitorais. Na eleições´, apenas aparecem em cartazes com suas fotos maquilhadas, como se fossem, ainda jovens maduros. E ainda querem continuar governando. Já disse uma amigo que o poder, até de sindico, é motivo de briga e de ambição.

Logo veremos em detalhe esse novo panorama da política chilena. Os jovens também querem participar dos destinos do país. eles representam cerca de 3 milhões de votos que não se registraram e não voraram nas últimas eleições.
Hoje contam com representantes que querem entrar nessa briga, desde dentro da consertação.
Quens são? quais são suas propostas. Em outra matéria analizaremos detalkhes de essa luta que recem começa no Chile e seguramente se expandirá para outros países.

DAVOS - A CRISE ACENDE O DEBATE PELO PROTECIONISMO ECONÔMICO

En el Foro de Davos, el premier británico se opuso a medidas que hagan retroceder la globalización y una reducción del comercio; la ministra de economía francesa afirmó que es "un mal necesario"; India advirtió medidas similares; Lula da Silva cree que "sólo puede agravar la situación"; polémica por la cláusula Buy American.

El crack financiero internacional y la necesidad de disciplinar a los mercados pusieron sobre el tapete una vieja discusión, en torno del proteccionismo económico. El debate entre potencias, entre sí, y con los países en vías de desarrollo, recrudece frente a la crisis.
¿Cuál es la mejor receta para afrontar la crisis? ¿Cerrarse al mundo para ordenarse en las cuestiones domésticas? ¿Hasta dónde? ¿Hasta cuándo? ¿Cómo será el nuevo capitalismo que emerja de esta debacle?

Los interrogantes están abiertos y admiten diferentes respuestas alrededor del mundo.
Algunos, ya tejen estrategias. El presidente norteamericano, Barack Obama, incluyó en su paquete de medidas económicas una cláusula conocida como "Buy American" (Compre productos estadounidenses) para la adquisición de acero, incluida en el proyecto de estímulo de 825.000 millones de dólares, lo que irritó a algunos socios comerciales de Washington. La Cámara de Representantes aprobó la medida esta semana.

Artigo completo aqui ftp://www.lanacion.com.ar/nota.asp?nota_id=1095079

INTERNACIONAL - A PRESIDENTA CHILENA MICHELLE BACHELET FOI CONVIDADA A ESTADOS UNIDOS POR BARACK OBAMA


La Presidenta de Chile Michelle Bachelet recibió una invitación telefónica del Mandatario estadounidense Barack Obama para que visite el país del norte durante los próximos meses.

La evolución de la crisis económica internacional, en particular los alcances que tendrá ésta para el continente, y la importancia de la Cumbre de las Américas que se llevará a cabo en abril, fueron los temas que se abordaron en la conversación.

Durante el diálogo, Obama valoró muy positivamente los avances alcanzados por Chile en materias sociales.

Asimismo, Bachelet conversó con la nueva secretaria de Estado Hillary Clinton, en la que la Mandataria chilena felicitó a la ex primera dama por su designación en el gabinete del primer afroamericano que gobierna Estados Unidos, según se informa desde la Presidencia de la República.

Durante su discurso de investidura el pasado 20 de enero, Obama se refirió a la futura relación de la principal potencia del mundo con América Latina, situación que se abordaría en la eventual reunión bilateral que sostendrán ambos presidentes.
Fonte: Jornal "La Tercera"

FÓRUM SOCIAL MUNDIAL - UM OUTRO MUNDO, APENAS UM MUNDO MELHOR do Deputado Fernando Gabeira

Na insurreção estudiantil de maio de 1968, na França já foi lançada uma bela frase de impacto "sejamos realistas peçamos o impossível".

Hoje em Belém do Pará, Amazônia, Brasil, a consigna do dia, que estava em todas as declarações e discuros era "um outro mundo é possível"!

Aí está Gabeira, líder do Partido Verde, que não perdoa deslize, com um dos seus artigos que faz sentido para o momento.


FERNANDO GABEIRA (da Folha de São Paulo)

Outro mundo

RIO DE JANEIRO - Quando estava preso, Affonso Romano me visitou e disse que achava que nossa visão revolucionária tinha muito de religioso. Naquele momento, estranhei. Mais tarde, lendo a conferência de George Steiner, "Os Sonhadores do Absoluto", percebi que havia afinidades. Sobretudo nessa certeza em determinar o sentido do homem, em sonhar com um mundo completamente novo, inclusive com um homem novo.No meio da década de 60, no bar Degrau, disse para Bolívar Lamounier que, como Sartre, achava o marxismo o horizonte intelectual insuperável de nosso século. "Bobagem do Sartre", respondeu diante do copo de chope. Também estranhei. Sartre era o filósofo.Tinha muitas reações de estranheza diante dos livros de Isaiah Berlin. Ele escreveu numa revista "Encounter" financiada pelo governo americano. Era considerado da CIA. A qualidade de sua obra me conquistou. Além de entender a Revolução Russa, achou bem no romantismo alemão as raízes revolucionárias.

Homem novo? Sentido da história? Todas essas grandes ideias passam por sua análise fria, liquidificadora.Leio agora sobre a Europa. Deu um grande salto no pós-Guerra. Um a um, os partidos social-democratas se livraram das certezas da história, contentando-se com o aumento do poder de consumo, a maior liberdade das pessoas, uma estabilidade democrática.

Vista retrospectivamente, foi uma extraordinária conquista.Nesse momento de crise, em vez de outro mundo, peço um mundo melhor. É o caminho para abordar a economia e a degradação ambiental. Uma vez foi tentada uma conferência entre os dois fóruns, Davos e Porto Alegre. Um caos. Cada um falava a sua língua. Não conseguiram se entender. Se houver outro mundo, ou, mais modestamente, um mundo melhor, dependerá mesmo de fóruns como esses?

CAPA DE ALGUNS PRINCIPAIS JORNAIS E RÁDIOS DO BRASIL

RÁDIOS
BandNews
Reajuste do funcionalismo público pode ser revisto
Segundo a rádio BandNews, o Ministério do Planejamento anunciou que, em caso de agravamento da crise financeira mundial, os reajustes concedidos a servidores públicos podem ser revistos.

CBN
Celso Amorim critica protecionismo norte-americano
Jovem Pan
Abimaq faz acordo com CUT para garantir empregos

JORNAIS
Folha de S. Paulo
Governo quer comprar e revender casa popular
Por meio de licitação, o governo quer comprar casas de construtoras para refinanciá-las pela Caixa Econômica Federal. A medida é parte de pacote que deve ser fechado na semana que vem. Os financiamentos beneficiariam quem tem renda mensal entre R$ 1.200 e R$ 2.200. O governo quer a construção de 1 milhão de moradias até 2010 em todo o pacote habitacional.

O Globo
BNDES dará socorro direto a montadoras
Jornal do Brasil
Juros do BC devem cair a 9% este ano

TELEJORNAIS
Rede Globo- Jornal Nacional
Presidente Lula critica protecionismo ao aço americano
Para Lula, a proposta do presidente Barack Obama de só utilizar aço produzido nos Estados Unidos nas obras financiadas pelo governo americano é prejudicial para o comércio entre os países.

Rede Record- Jornal da Record
Salário mínimo passa a valer R$ 465 a partir de domingo
TV Brasil - Repórter Brasil Noite
Apoio do PSDB à candidatura de Tião Viana tumultua as eleições no Congresso

COMO DISSE UM GRANDE ECONOMISTA: A ECONOMIA É BURRA, CRESCEU ESTÁ ÓTIMO, NÃO CRESCEU ESTÁ RUIM

Previsões econômicas para o crescimento da economia brasileira

Todo início de ano o governo, e as instituições econômicas, fazem as suas projeções de crescimento.

Abaixo estão as 10 projeções mais confiáveis para o crescimento da economia brasileira em 2009:

01. Governo - 4%
02. Banco Central - 3,2%
03. Banco Mundial - 2,9%
04. UNCTAD - 2,9%
05. BIS - 2,8%
06. CNI - 2,3%
07. Boletim Focus - 2%
08. Cepal - 2,1%
09. FMI - 1,8%
10. Banco Morgan Stanley - 0%

O governo pode ter exagerado, mas, o Morgan Stanley, com certeza, aloprou.

Não obstante, segundo os feiticeiros, entre o 0% e o 4% estão em jogo 5 milhões de empregos.

Portanto, mesmo dando coluna do meio, não há como o país não ficar preocupado com a retração dos postos de trabalho causada por uma taxa de crescimento que se apure menor que a projeção do Banco Central.

Olha que as previsões para o crescimento da América Latina são de 0,5%.

Fonte: http://www.parsifal.org/

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Floresta Amazônica está cada vez mais devastada (do Le Monde) Estes dados não contam nos arquivos do IMAZON?.

Recentemente, como foi comentado neste blog, a ONG IMAZON divulgou a queda do desmatamento da Amazônia em mais de 80%. No artigo abaixo do Jornal Le Monde a versão que se da é diferente. Confira.


Laurence Caramel

Melhor que qualquer discurso, um número resume a dimensão do choque ao qual se submete a Amazônia: 17% da floresta foi destruída em cinco anos, entre 2000 e 2005. É o que afirma o Programa das Nações Unidas pelo Meio Ambiente (PNUMA), no relatório sobre o "Meio ambiente na Amazônia", que será publicado e que provavelmente constitui o trabalho mais completo sobre o assunto em dez anos.

Essa cifra mostra a dimensão, no nível dos oito países que dividem a maior massa florestal do planeta (Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname, Venezuela), de uma desordem que na maior parte do tempo só é percebida através do prisma do gigante brasileiro. No decorrer desse período, 857 mil quilômetros quadrados de árvores - o equivalente à superfície da Venezuela - viraram fumaça ou foram cortadas sobre uma área de 5.148 quilômetros quadrados que correspondem à definição mais rígida da Amazônia. Aquela que, segundo os especialistas, atendem aos critérios hidrográfico, ecológico e político.

A maior parte do arroteamento foi feito no Brasil, mas os outros países, com exceção do Peru e da Venezuela, também se depararam com um rápido desaparecimento da cobertura vegetal. "O avanço das frentes pioneiras na Amazônia e das transformações que elas introduzem é tão grande, que o movimento de ocupação dessas últimas 'fronteiras do planeta' parece irreversível", constatam os autores.

Por trás do desflorestamento, acontece uma grande corrida para a apropriação das gigantescas reservas de terra e matérias-primas da região. "A dinâmica econômica, em resposta à demanda dos mercados estrangeiros, alimenta uma forte pressão sobre os recursos naturais. O modelo de produção dominante, que não leva em conta nenhum critério de desenvolvimento sustentável, leva à fragmentação dos ecossistemas e à erosão da biodiversidade", eles lamentam, denunciando um sistema predatório. A exploração florestal, muitas vezes ilegal, conquista novas terras para a pecuária ou para as culturas voltadas à exportação como a soja, extração mineral e petroleira, construção de estradas e infraestruturas....

A colonização da Amazônia é acompanhada por uma multiplicação dos conflitos com as populações locais dentro de um contexto em que os direitos de propriedade continuam indefinidos. O PNUMA não condena a exploração da Amazônia somente pelo desastre ecológico ao qual ela conduz. Ele também estigmatiza um modelo de desenvolvimento deplorável do ponto de vista social, uma vez que a população - concentrada nas cidades - ultrapassa os 33 milhões de habitantes, contra 5 milhões nos anos 1970 e que aumenta mais rápido que no resto dos países da zona. "A renda per capita mostrada por certas localidades não deve mascarar uma situação geral de grande pobreza. A riqueza extraída da exploração dos recursos naturais, na maioria das vezes, não é reinvestida no local", adverte o relatório. No Equador, nas cidades petroleiras de Orellana e Sucumbíos, a renda per capita ultrapassa US$ 25 mil por ano, oito vezes mais que a média nacional, mas os indicadores de desenvolvimento humano continuam piores do que em outros lugares. O relatório também destaca o impacto da degradação do ambiente, da poluição das águas sobre o crescimento das carências alimentares ou a propagação de certas doenças como a dengue ou a malária. O desaparecimento de certas espécies, que funcionam como predadores naturais dos agentes de transmissão dessas doenças, facilita a propagação das epidemias.

Diante desse quadro devastador, existem iniciativas para introduzir um desenvolvimento mais sustentável. Mas elas permanecem em segundo plano. Os planos de desenvolvimento sustentável adotados pela maior parte do país e a classificação como zonas protegidas de cerca de 15% do território amazônico também não parecem, aos olhos do PNUMA, razões suficientes para se tranquilizar quanto ao futuro. Um futuro para o qual a instituição da ONU enxerga quatro cenários possíveis. De uma exploração controlada até o desaparecimento do paraíso verde: todas as opções são consideradas, exceto aquela que consistiria em transformar a Amazônia em uma gigantesca reserva natural.

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

AS EXTERNALIDADES POSITIVAS E NEGATIVAS DO BURACO NEGRO - BOA NOITE!

CADA ESCOLHA É UMA RENÚNCIA

Desmate cresce 52% em 14 cidades das líderes de lista

Um ano após a entrada em vigor do plano emergencial para combate ao desmatamento nos 36 municípios que mais devastavam a Amazônia, dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) mostram que, embora tenha havido redução média de 7% no desmate, em 14 dessas cidades as derrubadas cresceram 52%.

Em janeiro de 2008, o governo suspendera as licenças para desmatamento no grupo de municípios --a maioria no Pará e em Mato Grosso.
Em Nova Ubiratã (MT), o total de áreas abertas subiu de 19,7 km2 entre agosto de 2006 e julho de 2007, para 143,2 km2 no período posterior, um aumento de 624%. Em Marcelândia (MT), campeã de desmate segundo o Ministério do Meio Ambiente, o aumento foi de 132%.
Nos outros 22 municípios, a redução média foi de 32%, com destaque para Porto Velho (RO), que registrou a maior redução em termos de área, e Brasil Novo (PA), com maior redução proporcional.

Considerando apenas os 36 municípios da lista, as derrubadas caíram de 5.246 km2 para 4.897 km2.
da Agência Folha,
em Campo Grande,
Belém e SP

Aquecimento global pode ser irreversível, diz estudo

Uma equipe de cientistas especializados em meio ambiente nos Estados Unidos fez um alerta de que muitos dos efeitos das mudanças climáticas podem ser irreversíveis. Em artigo publicado na revista "Proceedings of the National Academy of Sciences", os cientistas afirmam que as temperaturas na Terra podem se manter altas por até mil anos, mesmo se as emissões de gás carbônico (CO2) fossem eliminadas hoje.
Segundo os pesquisadores, se o nível de CO2 na atmosfera continuar a subir, vai chover menos em áreas que já são secas no sul da Europa, na América do Norte e em partes da Ásia e da Austrália. Eles também afirmam que, atualmente, os oceanos estão desacelerando o aquecimento global ao absorver calor, mas que em algum momento vão liberar este calor de volta à atmosfera.

Mudanças nos EUAA divulgação das conclusões dos ambientalistas coincide com o pedido feito pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, para que a Agência Americana de Proteção Ambiental reveja as regras de emissão de gás carbônico por veículos de passageiros. Vários Estados americanos, liderados pela Califórnia, querem introduzir leis para obrigar as montadoras a melhorar drasticamente a eficiência do uso de combustíveis. A medida encontrou oposição de vários setores, que argumentam que essa decisão poderia derrubar a demanda por novos carros neste período de recessão. Os cientistas envolvidos na nova pesquisa dizem que políticos precisam agir imediatamente para contrabalançar os danos já provocados ao meio ambiente.

Rajesh Mirchandani
De Los Angeles para a BBC News

Em Belém, os antiglobalistas se reorganizam em torno do combate ecológico


Onde foram parar os antiglobalistas? Apesar de a crise financeira ter abalado as certezas dos liberais mais fervorosos, aqueles que há quase dez anos se impunham como uma força ascendente de oposição à globalização liberal, no estardalhaço do primeiro fracasso da OMC em Seattle (EUA), estão ausentes dos debates sobre a reforma do capitalismo, que faz parte da agenda das grandes potências e principalmente do Fórum de Davos, que acontece esta semana.


Oito anos após sua primeira edição em Porto Alegre, o Fórum Social Mundial (FSM) foi aberto na terça-feira (27 de janeiro) para cinco dias em Belém, às portas da Amazônia, voltando para o Brasil após desvios pela Ásia e pela África e um ano "em branco" em 2008, durante o qual o Fórum deu lugar a uma jornada de ação mundial que passou praticamente despercebida. Quase 100 mil pessoas são esperadas na capital do Estado do Pará, sinal da atração que esse espaço único de encontros e debates continua a exercer sobre os movimentos da sociedade civil.

Os antiglobalistas ficaram de fora? "

O Fórum Social Mundial é movimentado por uma renovação permanente de organizações que querem se juntar novamente ao processo", garante Catherine Gaudard, do Comitê Católico contra a Fome e pelo Desenvolvimento (CCFD), ao mesmo tempo em que reconhece que o movimento perdeu visibilidade.Nem todos compartilham desse otimismo.

"O movimento se difundiu na América Latina, pois coincidiu ali com uma onda progressista; na Europa, ele logo perdeu o fôlego, e em outros lugares ele não pegou", considera Gustavo Marin, da Fundação para o Progresso Humano, que além disso julga severamente a "produção" do FSM: "Na prática, ela se resume a três documentos""."Os mais pobres são as primeiras vítimas do desajuste climático"De fato, para que a reunião não se limitasse a um grande grito de protesto, em 2005 foram redigidos cadernos de propostas. Mas a iniciativa não foi em frente. "Não haverá uma única voz antiglobalização que nos dê um novo modelo ideal de sociedade. A crise atual nos faz ver com mais clareza o absurdo de certos mecanismos perversos do capitalismo. Mas o outro mundo no qual acreditamos se construirá na diversidade", explica o brasileiro Chico Whitaker, um dos fundadores do Fórum.

Ele lembra que a regulamentação mais rígida dos mercados e o controle dos paraísos fiscais são ideias que foram trazidas pelos antiglobalistas.Se a crise financeira está no centro dos debates, o Fórum 2009 assume, entretanto, uma coloração nova, com a posição concedida à mudança climática e à crise ecológica. "Esse sinal é muito importante. A mudança climática não é simplesmente uma questão ambiental, é com urgência que os movimentos sociais devem tomar conta dela.

As populações mais pobres serão as primeiras vítimas do desajuste climático", explica Kátia Maia, da Oxfam International, que vê ali uma oportunidade de reforçar os laços entre ONG de proteção ambiental e movimentos sociais.É o que também espera Cândido Grzybowski, diretor do Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (Ibase): "Aqueles que quiserem preservar o ambiente deverão levar em conta o destino das populações". Luta contra o aquecimento, agrocombustíveis e segurança alimentar, acesso aos recursos naturais, dívida ecológica... Não faltam assuntos onde se cruzam o meio ambiente e as lutas sociais. A Amazônia é o melhor símbolo disso, e o Fórum realmente espera ter um peso no debate internacional.Belém também será a ocasião para se fazerem ouvir milhares de indígenas, representantes desses povos nativos tão pouco considerados nas discussões internacionais. A sobrevivência deles depende de decisões que os Estados tomarão ou não para preservar os grandes ecossistemas planetários.

Laurence Caramel
Enviado especial a Belém
Le Monde

O CLIMA E O VALOR DA BIODIVERSIDADE COLOCOU AMAZÔNIA NA AGENDA MUNDIAL (1)


Com o aumento da preocupação mundial com o aquecimento global e com o futuro do planeta, cresceu também atenção internacional sobre a Amazônia.
Algumas das razões fundamentais que explicam por que a região é estratégica para o resto do mundo.
Primeira razão: a floresta exerce um papel fundamental no ciclo de carbono que influi na formação do clima mundial.
Aquecimento global
Cerca de 200 bilhões de toneladas de carbono são absorvidas por vegetação tropical em todo o mundo, dos quais cerca de 70 bilhões apenas pelas árvores amazônicas.
Hoje, estima-se que a Amazônia absorva cerca de 10% das emissões globais de CO2 provenientes da queima de combustíveis fósseis em carros e fábricas, por exemplo.
Por outro lado, as altas taxas de desmatamentos fazem com que mais carbono se converta em dióxido de carbono, seja no momento em que as árvores são queimadas para 'limpar' áreas de floresta, seja mais lentamente através da decomposição de madeira não-queimada.
Estima-se que cerca de 20% das emissões globais de gases que causam o efeito estufa provêm da derrubada de florestas tropicais em todo o mundo.
E, segundo o IPPC – Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática da ONU – o aquecimento global está ligado diretamente à concentração de CO2 na atmosfera.
De acordo com o relatório Stern sobre a economia da mudança climática encomendado pelo governo britânico e divulgado em 2006, a perda de bosques naturais contribui mais que o setor de transporte para as emissões.

O mesmo documento alertou que, sozinha, a destruição de mata tropical pode lançar nos próximos quatro anos mais carbono na atmosfera que todos os vôos do inicio da aviação até 2025.

O desmatamento – e não a queima de combustíveis fósseis – explica por que o Brasil figura entre os cinco maiores emissores de gases que causam o efeito estufa.
Com informações da BBC Brasil

O CLIMA E O VALOR DA BIODIVERSIDADE COLOCOU AMAZÔNIA NA AGENDA MUNDIAL (2)

A segunda razão é o potencial da região amazônica para agir como o que os cientistas denominam 'ponto de inflexão' para o clima global neste ano.

Um estudo divulgado em fevereiro deste ano por uma equipe de cientistas da Universidade de Oxford, do Instituto Potsdam e de outros centros de pesquisa concluiu que a floresta amazônica é a segunda área do planeta mais vulnerável à mudança climática depois do Oceano Ártico.

A idéia central é que a seca da Amazônia e/ou o aumento no desmatamento poderiam gerar um ciclo vicioso: a grande redução na área de floresta amazônica geraria um aumento significativo nas emissões de CO2, que por sua vez elevariam as temperaturas globais, que assim causariam a seca da Amazônia.

Cientistas e especialistas que trabalham em modelos de clima discordam em relação a quando este ponto de inflexão poderia ocorrer, até em relação à possibilidade de que ocorra.
O britânico Centro Hadley vê como "muito provável" que a Amazônia seja duramente afetada pela mudança climática nas próximas décadas.
Outras estimativas levando em conta todos os modelos recentes sugerem uma probabilidade de 10% a 40%.

Por baixa que seja a probabilidade, entretanto, as mudanças na Amazônia devem ter "alto impacto" no clima mundial.




Biodiversidade

A terceira e mais importante. A Amazônia é importante pela sua biodiversidade.

É a maior porção de floresta tropical, com o maior reservatório biológico da Terra – cerca de 30% das espécies terrestres de todo o mundo.
A região dá ao Brasil o título de país com maior biodiversidade do mundo, com mais de 50 mil espécies catalogadas de plantas, 1,7 mil espécies de aves e entre 500 e 700 tipos – por categorias – de anfíbios, mamíferos e répteis.

Tão grande é sua biodiversidade que um único arbusto na Amazônia pode contar mais espécies de formigas que todas as Ilhas Britânicas, enquanto um só hectare de floresta pode ter mais de 480 espécies de árvores.

Toda esta rica biodiversidade está ameaçada pela combinação destrutiva de desmatamento com mudança climática.

Mesmo com tantos pontos de interrogação sobre o futuro da Amazônia e seu efeito no clima mundial, cientistas concordam que, por causa de sua diversidade genética e o papel crucial da região na definição do clima do planeta, é urgente encontrar a melhor combinação política para conservar suficiente da floresta.

Com Informações da BBC Brasil

NOVAS NEGOCIAÇÕES COM AS FARC DA COLÔMBIA LIBERARÁ MAIS REFENS NESTE FINAL DE SEMANA




Farc devem libertar reféns no domingo, diz senadora colombiana Piedad Córdoba (na foto).

As Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) devem libertar alguns de seus reféns no próximo domingo, de acordo com a senadora colombiana Piedad Córdoba.
A senadora, que já auxiliou nas negociações para a libertação de outros reféns, afirmou nesta quarta-feira que foram dadas a ela as coordenadas exatas do local do resgate."Eu já tenho as coordenadas, a operação está a caminho e a primeira liberação acontece no domingo, depois acontecerão três entregas sucessivas", disse a senadora a repórteres.Segundo ela, dois políticos locais e quatro membros das forças de segurança colombianas que estão em poder da guerrilha devem ser libertados.
Fonte: BBC Brasil

AS MANCHETES DESTA QUINTA FEIRA, 29 DE JANEIRO


MANCHETES DE ALGUNS DOS PRINCIPAIS JORNAIS DO BRASIL NESTA QUINTA FEIRA
Globo: Lula amplia Bolsa Família um dia após cortar o Orçamento

- Folha: Lula amplia Bolsa Família e dá merenda para jovens

- Estadão: FMI derruba previsão de crescimento para o Brasil

- JB: O choque da violência

- Correio: Debate sobre praça chega ao Planalto

- Valor: Distribuição de lucros cresce em plena crise

- Gazeta Mercantil: CVM quer mais transparência nas assembléias
- Diário do Pará : Benefício Federal - Governo amplia a Bolsa Família
Acesse aqui maiores os detalhes das informações dos jornais

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Y AGORA COMO É QUE FICA? QUEM PAGA A CONTA DA FARRA FINANCEIRA?

FMI reduz previsão de crescimento do Brasil para 1,8% em 2009

A economia do Brasil poderá crescer somente 1,8% em 2009, segundo previsão divulgada nesta quarta-feira pelo Fundo Monetário Internacional (FMI). A nova previsão significa uma revisão para baixo em relação à previsão feita em novembro pelo FMI, de um crescimento de 3% para o Brasil neste ano.

nova previsão significa uma revisão para baixo em relação à previsão feita em novembro pelo FMI, de um crescimento de 3% para o Brasil neste ano.

O relatório do fundo prevê ainda um crescimento mundial de 0,5% em 2009, no nível mais baixo desde a Segunda Guerra Mundial.Em novembro, o FMI havia previsto um crescimento global de 2,2% em 2009. Em um relatório divulgado nesta quarta-feira, a entidade explica a revisão argumentando que as dificuldades financeiras no mundo continuam agudas, apesar das várias políticas de incentivo adotadas recentemente em vários países, e que isso está atrapalhando a economia. "Uma recuperação econômica sustentável não será possível até que a funcionalidade do setor financeiro seja restaurada e o mercado de crédito seja desobstruído", diz o documento. Recuperação Ainda assim, o FMI prevê que a economia mundial deve passar por uma recuperação gradual em 2010, com crescimento máximo projetado para 3%.

DE VOLTA A KEYNES - E SCHUMPETER?

Reproduzo literalmente (leia neste blog, se não é assinante da Folha ) um artigo de Delfim Netto, tão criticado quando Ministro da ditadura e hoje, respeitado e ouvido, quando a crise da economia mundial toca as portas do Brasil.
Refere-se o ex-ministro da utilização de forma indiscriminada, entretanto de forema positiva, de conceitos e idéias de economistas que foram a base de propostas de modelos econômicos. Aí estão: Smith, Marx, Walras, Marshall e Keynes.
Da minha conta e risco acrescento o Joseph Alois Schumpeter (1883-1950) que foi um dos mais importantes economistas do século XX. Suas teorias foram uma resposta ao enfoque neoclássico (tradicional) que colocava apenas no mercado a questão do progresso técnico, como fator fundamental para alcançar o crescimento econômico e acima de tudo o desenvolvimento, sem esquecer suas condicionantes para a transformação da economia (novas fontes energéticas, novas formas de gestão, novos mercados, empresários inovadores, etc.).

Por que Keynes?
Antonio Delfim Netto

OS ECONOMISTAS dão o nome de "bem público" aos bens ou serviços que gozam de duas propriedades: 1) ninguém pode ser excluído de seu uso e 2) o uso que cada um faz dele não diminui a quantidade disponível para os outros, como é o caso, por exemplo, da defesa nacional.

Existem pessoas cujo pensamento tem um vigor e uma originalidade (mas não clareza) que gozam das propriedades dos bens públicos: transformam-se em instituições. Alguns economistas de várias tribos (esta expressão já está na "Riqueza das Nações"), Adam Smith (1723-1790), Karl Marx (1819-1883), Leon Walras (1834-1910), Alfred Marshall (1842-1924) e John Maynard Keynes (1883-1946), assumiram esse "status".

Existe um Smith, um Marx, um Walras, um Marshall e um Keynes para cada um de nós. Seus pensamentos são tão vigorosos e originais que depois de nos atingirem nunca mais nos livramos completamente deles. Felizmente não são claros. É essa ambiguidade que permite que cada um deles possa ser o "nosso" sem que isso impeça que seja também dos "outros", cada um à sua maneira.Nenhum deles produziu uma "explicação" definitiva do "universo econômico". Todos, entretanto, viram alguns aspectos fundamentais da vida econômica (e de sua influência sobre a condição humana) que um dia, talvez, integrarão uma compreensão da contínua e crescente complexidade que a domina.

É por isso que hoje todos podemos ser um pouco smithianos, marxistas, walrasianos, marshallianos e keynesianos, sem arrependimento, sem vexame e sem contradição.O que parece inegável é que a crise que estamos vivendo, produzida pela maléfica "autonomização" do sistema financeiro, encontra a sua melhor explicação em Keynes. Afinal isso não deveria ser surpresa: ele enxergou mais longe porque subiu nos ombros dos antecessores que, às vezes, finge ignorar. Com a sua teoria monetária da produção, ele colocou a moeda, o crédito, a demanda e a incerteza no coração do sistema.

Os macroeconomistas, em lugar de continuarem a cultivar uma teoria monetária obviamente estéril, e os economistas "financeiros", em lugar de procurarem distribuições "gordas" para justificar os "desastres" nos preços dos ativos, deveriam procurar desenvolver a intuição keynesiana sobre como funciona a economia tocada a crédito quando o futuro é rigorosamente opaco e imprevisível.É hora de aceitar que entre os modelos de equilíbrio geral (que fazem a "ciência" de alguns de nossos bons economistas) e a economia monetária da produção existe distância intransponível. Naqueles, a moeda e o crédito sempre serão fatores essencialmente estranhos.

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

AMAZÔNIA, BELÉM - FÓRUM SOCIAL MUNDIAL SUCESSO DE PÚBLICO

Trânsito de Belém fica congestionado em primeiro dia de debates do Fórum Social Mundial
Da Agência Brasil
Em Belém (PA)

O movimento do primeiro dia do Fórum Social Mundial já é visível no trânsito de Belém. De hoje (27) até domingo (1º) a capital paraense deve receber 120 mil pessoas, um acréscimo de 10% na população local.

O trajeto de menos de 20 quilômetros entre o aeroporto e a Universidade Federal do Pará (UFPA), umas das sedes de atividades do fórum, que geralmente é feito em 30 minutos, na manhã de hoje chegou a levar 2h30 para ser percorrido.

O maior ponto de congestionamento é a avenida Perimetral, principal acesso à UFPA e à Universidade Federal Rural da Amazônia.As obras de duplicação da avenida, prometidas pelo governo do Estado para o fórum, não ficaram prontas a tempo.A caminhada de abertura do fórum, marcada para as 15h (horário local), vai fechar as duas das mais movimentadas avenidas de Belém. A previsão é de que 100 mil pessoas participem da marcha.

VICE-PRESIDENTE JOSÉ ALENCAR: NÃO TENHO MEDO DA MORTE, TENHO MEDO DE PERDER A DIGNIDADE

Estado de saúde do vice-presidente José Alencar é estável, diz boletim médico
Do UOL NotíciasEm São Paulo


O estado do vice-presidente José Alencar é estável. Ele se recupera de uma cirurgia para a retirada de tumores no abdômen. Já se passaram as primeiras 24 horas desde que o vice-presidente deixou o centro cirúrgico. De acordo com os médicos que participaram da operação, José Alencar está reagindo bem nesse período, que é muito importante para a recuperação.

Na manhã desta terça-feira, ele está sedado, respira por aparelhos e mantém os sinais vitais. Inclusive, o bom funcionamento do rim. Hoje, o presidente Lula deve vir a São Paulo para participar das comemorações do aniversário da Previdência e é esperada a presença dele no Hospital Sírio Libanês. Ainda não existe previsão de quando José Alencar vai deixar a Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

O Hospital Sírio Libanês divulgou às 10h45 desta sexta-feira o último boletim médico sobre o estado de saúde do vice-presidente José Alencar, que foi submetido a uma cirurgia para retirada de tumores no último domingo.

Boletim Médico - Vice-Presidente

da República - Sr.José AlencarJosé Alencar Gomes da Silva, 77 anos, Vice-Presidente da República, segue internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, após submeter-se a cirurgia de alta complexidade para retirada de tumores no retroperitônio (porção posterior do abdome), no domingo, 25/1. O paciente está estável, respira por aparelhos e mantém todos os sinais vitais normais, inclusive com bom funcionamento do rim.As equipes que assistem ao Vice-Presidente são coordenadas pelos professores doutores Paulo Hoff (oncologista clínico), Roberto Kalil Filho (cardiologista) e Ademar Lopes (cirurgião-oncologista).

Não tenho medo da morte, tenho medo de perder a dignidade, declarou em uma ocasião o vice-presidente José Alencar. Depois confessou que eram poucos os brasileiros com os quais se poderia tirar uma foto. Um homem digno, o Brasil reza para que se recupere pronto. Um exemplo de esforço e luta pela vida. Convive com um câncer por mais de 10 anos e já passou por inúmeras cirurgias, das quais saiu sempre mais fortalecido.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

AGORA ACONTECE QUE ATÉ O SEXO FAZ MAL - DEU NO THE NEW YORK TIMES (SÓ PODIA SER LÁ)



Sex and Depression: In the Brain, if Not the Mind

Sexo e depressão: se não na mente, no cérebro

Richard A. Friedman (The New York Times)

Como todo mundo sabe, sexo é bom.

Será? Nos últimos anos, recebi vários pacientes para quem o sexo não apenas não é prazeroso; mas de fato parece fazer mal.

Um deles, um jovem de 20 e poucos anos, descreveu dessa maneira: "Depois do sexo, eu me sinto literalmente dolorido e deprimido por cerca de um dia inteiro".

Do contrário, ele tem uma ficha limpa de saúde, tanto médica quanto psiquiátrica: bem ajustado, trabalhador, com muitos amigos e uma família unida.

Acreditem, eu poderia ter fabricado uma explicação muito facilmente. Ele tinha conflitos escondidos em relação ao sexo, ou tinha sentimentos ambivalentes em relação a sua parceira. Quem não tem?

Mas pesquisei o quanto pude para encontrar uma boa explicação, e não consegui achar nenhuma. Apesar de seus sintomas e ansiedade serem bastante reais, disse que ele não tinha nenhum problema psiquiátrico importante que necessitasse de tratamento. Ele ficou claramente desapontado ao deixar meu consultório.

Não pensei muito sobre o caso até algum tempo depois, quando conheci outra paciente com uma queixa similar. Era uma mulher de 32 anos que passava por períodos de quatro a seis horas de depressão intensa e irritabilidade depois de um orgasmo, sozinha ou com um parceiro. Era tão ruim que ela estava começando a evitar o sexo.

Recentemente, um colega psicanalista - um homem conhecido por sua capacidade de desvendar psicopatologias - telefonou para mim sobre outro caso. Ele estava intrigado com uma mulher de 24 anos que ele considerava psiquiatricamente saudável, exceto por uma intensa depressão que durava várias horas depois do sexo.

Não há nada estranho em sentir um pouco de tristeza depois do prazer sexual. Conforme diz o ditado, depois do sexo os animais ficam tristes. Mas esses pacientes experimentavam uma intensa disforia que durava muito tempo e era muito perturbadora para ser descartada como simples tristeza.

Ainda assim, é difícil resistir à tentação de especular sobre explicações psicológicas em relação ao comportamento sexual. Os psiquiatras gostam de brincar que tudo está relacionado ao sexo, exceto o próprio sexo, o que é outra forma de dizer que praticamente todo comportamento humano é permeado por um significado sexual escondido.

Talvez, mas eu me perguntava se nesses casos, não seria algo menos profundo como um simples desvio na neurobiologia do sexo que fazia com que esses pacientes se sentissem tão mal.

Pouco se sabe sobre o que acontece no cérebro durante o sexo. Em 2005, o Dr. Gert Holstege da Universidade de Groningen na Holanda usou a tomografia por emissão de pósitrons para escanear o cérebro de homens e mulheres durante o orgasmo. Ele descobriu, entre outras mudanças, uma diminuição drástica de atividade na amígdala, a região do cérebro envolvida no processamento dos estímulos de medo. Além de causar prazer, o sexo claramente reduz o medo e a ansiedade.

A antropóloga Helen E. Fischer, de Rutgers, usou imagens de ressonância magnética funcional para observar mais amplamente o circuito neural do amor romântico. Para um grupo de homens e mulheres jovens que disseram estar apaixonados, ela mostrou uma foto do objeto da paixão e de uma pessoa neutra. Os sujeitos mostraram uma ativação notável no circuito de recompensa de dopamina do cérebro apenas em resposta ao amado, similar à resposta do cérebro a outras recompensas como dinheiro e comida.

Será que alguns pacientes têm uma atividade particularmente forte na amígdala depois do orgasmo que faz com que eles se sintam mal?

A literatura de pesquisa não diz praticamente nada sobre depressão induzida pelo sexo, mas uma pesquisa no Google revelou vários websites e salas de discussão sobre algo chamado tristeza pós-coito. Quem imaginaria? Lá, eu li vários depoimentos quase idênticos aos dos meus pacientes, com indicações de vários remédios para a doença.

Quando os médicos avaliam os tratamentos comuns e não conseguem encontrar nada, como eu fiz, num território sem mapa com poucas evidências quanto ao que fazer, eles consideram os chamados tratamentos novos. Frequentemente, você prescreve um desses tratamentos baseado em sua especulação sobre a biologia por trás da síndrome em questão. Isso pode envolver o uso de drogas aprovadas em situações para as quais elas dificilmente foram prescritas.

Uma pista para um possível tratamento é que o Prozac e seus similares, inibidores da recaptura de serotonina, normalmente interferem no funcionamento sexual em determinado grau. A serotonina é boa para o humor, mas muita quantidade dela no cérebro e na medula espinhal é definitivamente ruim para o sexo.

Eu achava que, se pudesse de alguma forma modular a resposta sexual dos meus pacientes, torná-la menos intensa, isso poderia diminuir o estado emocional negativo depois. Em outras palavras, eu exploraria os efeitos colaterais normalmente indesejados dos SSRI para um possível efeito terapêutico.

Como qualquer um que tenha tomado uma dessas drogas para depressão pode confirmar, pode levar algumas semanas até que você se sinta melhor, mas os efeitos colaterais, como a disfunção sexual, são normalmente imediatos. Para os meus pacientes, isso acabou se mostrando uma vantagem. Depois de apenas duas semanas tomando o medicamento, ambos disseram que apesar de o sexo ser menos prazeroso em intensidade, não foi seguido por crise emocional.

Agora, há pelo menos três razões possíveis para os pacientes se sentirem melhor: a droga funcionou; ela teve um efeito placebo; ou houve uma flutuação aleatória dos sintomas - eles teriam melhorado se não tivessem feito nada.

Eu sugeri parar o tratamento, e retomar se o problema voltasse. Em ambos os casos, os sintomas voltaram e depois diminuiram com a droga - sugerindo, baseado nesse minúscula amostra, que o efeito da droga era real.

Se esses pacientes me ensinaram alguma coisa, é que os problemas sexuais nem sempre escondem problemas psicológicos profundos e sombrios. A verdade é que o órgão sexual mais importante dos seres humanos é o cérebro. O sexo pode ser o mais físico dos atos, mas a depressão também pode ser física - às vezes sem um significado maior do que um desvio na biologia.

Governo do Estado investe cerca de 21 milhões em obras no bairro do Guamá - a UFPA agradece


A governadora Ana Júlia Carepa entregou neste domingo 25, a primeira etapa das obras de duplicação da Avenida Perimetral e do terminal de ônibus da Universidade Federal do Pará (UFPA). Acompanhada de secretários, do prefeito de Belém, Duciomar Costa, do reitor Alex Fiúza e de comunitários, Ana Júlia Carepa percorreu o trecho de 1km da duplicação e visitou as instalações do primeiro bloco do terminal rodoviário. O governo do Estado investiu cerca de 21 milhões de recursos próprios nas duas obras.
O terminal possui áreas específicas para despachantes, banheiros, lanchonetes e vai operar nessa primeira fase com 20 linhas e capacidade para até 300 ônibus/dia. A estrutura está pronta para atender às demandas do Fórum Social Mundial, que se inicia na próxima terça-feira 27, data em que o terminal entra em operação. As obras continuam em execução e devem ser totalmente concluída em maio próximo.
A governadora entregou ao morador Célio Bastos o título de regularização de seu imóvel, emitido pelo Instituto de Terra do Pará (Iterpa). O imóvel está assentado em uma área doada pela UFPA, ao governo do Estado. Ao todo, 40 famílias receberam seus títulos imobiliários. Ana Júlia Carepa destacou que "graças ao compromisso da universidade com os temas sociais muitas famílias terão, finalmente, seus imóveis regularizados".
Para Célio Batista, que mora no local há 30 anos, a titulação das áreas é a realização de um sonho e da luta pela casa própria. O governo deverá entregar 4.800 títulos até 2010, dos quais 2.400 em parceria com a UFPA.
Duciomar Costa enfatizou a importância do trabalho integrado entre as instâncias de poder como forma de ampliar os benefícios à população. “Estamos aqui para nos darmos as mãos e lutar para levar obras de melhorias e qualidade de vida aos quatro cantos da nossa cidade”. A comitiva visitou ainda o terminal hidroviário construído pela UFPA e a Prefeitura. O píer já está concluído e vai receber embarcações durante o FSM.
A governadora conclamou a todos a receberem bem os povos de todos os continentes que chegam a Belém para o FSM e ressaltou que "é possível morar na floresta e cuidar dela, para esta e as gerações futuras, usufruindo com equilíbrios as riquezas da floresta".
Fonte: Agência Pará

AMAZÕNIA, BELÉM - FÓRUM SOCIAL MUNDIAL A TODO VAPOR


O credenciamento para o FSM 2009 de pessoas e organizaçoes retorna às 8 horas de 26 e segue até o dia 30, no ginásio da UFRA. INFORMAMOS QUE NÃO SERÁ PERMITIDO O ACESSO DE VEÍCULOS NO INTERIOR DA UNIVERSIDADE. Cultura e imprensa terão locais e dias específicos. ACESSE AQUI.


O Grupo de Facilitação do FSM 2009 está disponibilizando alguns tradutores voluntários durante o Fórum. Se houver requerimento de tradutores nas línguas: Inglês, Espanhol, Francês e Português, por favor, enviar a demanda ao email: traducao@fsm2009amazonia.org.br

A lista contempla, dentro do possível, as mudanças e adequações solicitadas pelas organizações proponentes à coordenação do evento. Consulte a lista para encontrar a atividade desejada.

AMAZÔNIA, BELEM - AGRESSÃO SEXUAL A CRIANÇAS E ADOLESCENTES - POUCO SE FALA E NADA SE FAZ

Pelo menos 936 crianças e adolescentes receberam atendimento assistencial por terem sofrido alguma violência sexual ano passado.
do jornal O lIBERAL

O número real é maior, mas ainda não se sabe em que dimensão porque a integração dos serviços voltados para o problema ainda não é completa. Atualmente, a rede de atenção às crianças e adolescentes abusados ou explorados sexualmente - caso em que alguém lucra com a venda do corpo - oferece vários serviços, da identificação do caso à proteção da vítima.
O serviço com mais postos de atendimento no Pará é o do conselho tutelar. Mesmo sem disporem de total infraestrutura, esses locais são considerados a principal porta de entrada para as denúncias. É de lá que partem os casos para o Propaz, instalado na Santa Casa de Misericórdia, no qual as vítimas recebem atenção psicológica e médica.

Dependendo da situação, meninos e meninas são encaminhados para o atendimento hospitalar (reconstrução de órgãos, partos ou abortos legais) ou a família para programas sociais (bolsas e projetos de geração de renda). A delegacia especializada instalada também na Santa Casa acolhe as denúncias e toca o inquérito para ser remetido à Justiça. Se a situação pedir, a criança pode ainda ser integrada ao programa de proteção de vítimas.

PROTEÇÃO
A engrenagem é boa, segundo coordenação, mas saber se o carro acomoda todo mundo e está andando como deveria ainda não é possível. É ao pedir informações e a cadeia se quebra. Cada um fala sobre o que oferta isoladamente e para onde encaminhou, mas não se tem um responsável pelo monitoramento. Na capital paraense, por exemplo, além do Propaz, entidades civis prestam serviços para esse público sendo o programa Jepiara um que concentra da assistência psicológica à jurídica, além de capacitação para profissionais.
Tanto o monitoramento quanto o diagnóstico de todos os casos atendidos pelo poder público ou entidade civil estão previstos nos planos nacional e estadual de Enfrentamento da Violência Sexual Infantojuvenil. Em Belém, onde também foi montado um plano municipal, o fórum de representantes (inclui Funpapa, Creas, Cedeca) não se reúne faz tempo porque órgãos municipais não se dispõem.

Estado terá rede de enfrentamento
O diretor de Cidadania e Direitos Humanos da Secretaria Estadual de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), Luiz Romano, afirma que o órgão está cumprindo algumas metas. Entre elas está o diagnóstico sobre as vítimas e os serviços assistenciais disponíveis. O levantamento dos casos e da rede de atendimento foi encomendado à Fundação de Amparo ao Desenvolvimento da Pesquisa (Fadesp) e deve ficar pronto em dois meses.

Ele também cita um banco de dados que será concluído pelo Prodepa até o final do semestre. Através de uma parceria, foi possível incluir o público infanto-juvenil no arquivo que está sendo montado sobre a violência contra a mulher. Romano afirma que a articulação das redes de enfrentamento é o objetivo do programa estadual que foi dividido em três etapas. A primeira é a análise da situação a partir do diagnóstico em execução.

QUALIFICAÇÃO
A segunda e a terceira, à espera da conclusão da primeira, prevêem a organização da rede assistencial através de cursos e o monitoramento das ações executadas para conferir os resultados. Porém, algumas ações voltadas ao atendimento das vítimas já estão sendo ampliadas. É o caso da recente implantação dos Centros de Referência em Assistência Social (Creas) regionais em Breves, Santarém e Tailândia.

A escolha dos locais, diz, já se baseou em dados preliminares que apontam 16 municípios como os mais problemáticos: Santarém, Trairão, Oriximiná, Itaituba, Rurópolis, Breves, Portel, Soure, Salvaterra, Belterra, Alenquer, Altamira, Marabá, Marituba, Belém e Ananindeua. 'Sem diagnóstico é trabalhar no escuro. É preciso saber quais as condições para os municípios enfrentarem o problema para se ter referência de quais são as prioridades e avaliar se está as ações estão dando certo', diz.

Ano passado, 85 contraíram DSTs
Somente o Propaz atendeu 936 vítimas ano passado, 813 em 2007 e 1.005 em 2006. Os casos exigem assistência especializada por causa da dificuldade de identificação e sequelas provocadas. Em 2008, 85 crianças e adolescentes atendidas contraíram Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST). A coordenadora do Propaz, Eugênia Fonseca, revela que o serviço já atendeu criança de 2 anos de idade com grave laceração dos órgãos genitais causada pela violência sexual. O caso exigiu atendimento hospitalar urgente.

Muitas precisam de atendimento clínico por causa de DST. Outras, exigem atenção mais complexa porque a violência gerou uma gravidez indesejada. Ano passado, 43 meninas foram submetidas ao aborto legal porque não aceitaram a gravidez provocada pela violência. O procedimento é feito após análise que comprova se tratar de estupro e perícia que atesta gestação de até 23 semanas.

Eugênia diz que as vítimas precisam de acompanhamento psicológico por tempo prolongado porque essa situação e a violência em si deixam traumas. Se não tratados, eles podem gerar problemas mais graves no futuro. Há vítimas que estão há dois e até três anos em tratamento. Muitas abandonam o serviço. Outras são encaminhadas para abrigos provisórios (Funpapa, Dulce Accioli, CVC, EAPI, EAPE, Centro Maria do Pará). Algumas também são encaminhadas para programas que utilizam atividades lúdicas como tratamento complementar (CRAS, Jepiara, Gempac, Fundação Tancredo Neves, Curro Velho, Funpapa).

Foram muitos anos de descaso e de falta de políticas públicas, pelos sucessivos governos, para atender um segmento da população que sempre foi esquecida , por não ter voz nem canais de expressão que lutassem pelos seus direitos. Recem agora se começa a delinear uma ação que ainda se encontra na fase de diagnóstico.

FALA O CHEFE DA CASA CIVIL DO GOVERNO ANA JULIA - (integra do Blog Espaço Aberto)



PUTY ATACA ELITES LOCAIS, REAFIRMA ALIANÇA PT-PMDB E NEGA SAÍDA DA CASA CIVIL

(do BLOG Espaço Aberto http://blogdoespacoaberto.blogspot.com/

Quem imaginava um chefe da Casa Civil do governo Ana Júlia arrogante ou irônico, no programa Jogo Aberto, da Rádio Tabajara FM 106.1, no sábado que passou, deve ter quebrado a cara. Cláudio Puty (na foto) se revelou uma pessoa diferente daquela que é pintada na Imprensa de Belém. Chegou sozinho à emissora e entrou no estúdio molhado pela chuva que caía na ocasião. Não reclamou de nada. E não deixou nenhuma pergunta sem resposta, encarando com naturalidade as provocações feitas pelos jornalistas Carlos Mendes e Francisco Sidou.Puty fez revelações e também desmentidos, além de uma crítica indireta ao prefeito Duciomar Costa pelo pouco empenho da PMB na realização do Fórum Social Mundial. Lembrando que a saúde é municipalizada, revelou que o governo estadual interveio diretamente na saúde para ajudar a prefeitura a dar "conta do recado" para que o FSM pudesse acontecer sem problemas. Um resumo do debate.

Segue um resumo sobre os principais assuntos abordados pelo chefe da Casa Civil durante o programa:

ALIANÇA PT-PMDB

“Não é verdade que exista rompimento e não há qualquer perspectiva de que isso venha a acontecer. Quem estimula um rompimento e vive plantando isso na Imprensa é o PSDB. Ele quer sair do isolamento. Divergências entre os aliados são normais. Às vezes um órgão não vai bem e é preciso mexer. Não há nada demais nisso. O PMDB foi muito importante para derrotar o PSDB. Precisamos de aliados para manter a governabilidade. Nós e o PMDB temos trabalhado para manter a aliança".

ELEIÇÃO EM 2010

"As conversas que correm entre os aliados são as seguintes: o interesse do PMDB é ter o deputado federal Jader Barbalho como candidato ao Senado. O interesse do PT é disputar a outra vaga ao Senado com os deputados Paulo Rocha e Zé Geraldo. Há ainda a Maria do Carmo, se ela não voltar à Prefeitura de Santarém. No conjunto desses interesses, a Ana Júlia seria candidata à reeleição. Estamos conversando também com o PV e o PPS, que não fazem parte da aliança. Dentro de 15 dias, vocês terão novidades".

SAÍDA DO GOVERNO

"Eu estava em férias no Peru e comecei a receber telefonemas de que a Imprensa estava noticiando minha saída da Casa Civil. Eu respondia: poxa, o cara mal saí de férias por 10 dias e já estão dizendo que ele está fora do governo. Nada disso é verdadeiro. A governadora já me disse que não há qualquer intenção dela em me tirar da Casa Civil. Falam e repetem mentiras na Imprensa como se fossem verdades. Nem me preocupo em procurar esses veículos para desmentir, porque não tem coisa pior que desmentir o que não existe".

ELITES

"Na função que ocupo muitas vezes durante o dia sou obrigado a dizer ‘não’. As elites fazem pressão por nomeações e cargos de DAS. Tem gente que me achado malvado e alguns setores da imprensa distorcem seus conceitos sobre mim. Essas elites vivem criticando o Bolsa Família, não aceitam que a Ana Júlia tenha chegado ao governo, mas adoram um contracheque oficial. As elites de Belém são originárias do Marajó. Elas se apropriaram do Estado para conduzir seus interesses. Temos que combater isso e resistir a essas pressões".

SAÚDE NO FÓRUM SOCIAL

"Construímos, graças aos recursos federais, 10 Centros Integrados de Serviços (CIS), que cobrirão as áreas de emergência médica e odontológica do Fórum. Haverá dez hospitais de campanha com capacidade para 10 leitos em cada um. Além disso, cadastramos 270 leitos nas redes pública e privada".

SEGURANÇA PÚBLICA

"A governadora não dorme preocupada em dar um choque de gestão no policiamento de Belém para combater a onda de violência e criminalidade. Os R$ 50 milhões que foram investidos em segurança para o Fórum servirão ao benefício da população depois que o evento passar. Tinha muito policial fardado servindo aos poderosos. Botamos esse pessoal na rua para cuidar da segurança de todos os habitantes".

DEBATES

"Morei nos Estados Unidos e na Itália e vi que nesses países as emissoras de rádio fazem muitos debates, colocando frente a frente pessoas das mais diferentes e extremadas opiniões. Fico emocionado ao ver uma emissora como a Rádio Tabajara(radiotabajarafm@hotmail.com
preocupada em promover debates de idéias. É importante ouvir, por exemplo, políticos de extrema esquerda e de extrema direita".

PUBLICIDADE DO GOVERNO

"Nos governos do PSDB eles tinham acordo com determinado grupo de comunicação para gastar com publicidade. As verbas eram centralizadas. O que é estranho é que eles faziam muita publicidade, mas o orçamento do setor era baixo. No governo da Ana, o orçamento com publicidade tem distribuição mais democrática entre os meios de comunicação. A partir de junho de 2008 houve um aumento de inserções do governo na TV".

COMPARAÇÃO

"O PSDB pouco fez de serviços públicos e gastou muito com obras suntuosas, de muita visibilidade. Saúde, moradia e educação são três exemplos, se compararmos os governos do PSDB com o nosso. Ainda no meio do mandato da Ana Júlia, já fizemos duas vezes mais do que todo o governo Jatene pela educação. Em moradia, eles construíram três mil casas e nós já fizemos 10 mil. Os recursos para investimento em saúde da família, que eram 18% no governo deles, no da Ana já estão em 32% e devem chegar a 50%".

COMUNICAÇÃO

"Concordo com o Francisco Sidou. Tem muito DAS e pouca comunicação no governo. O Delfim Neto tem uma frase que eu gosto muito. Ele costuma dizer que reduzir despesa com pessoal é teoria de economista desocupado. Só um economista fora do governo defende esse tipo de coisa. Quando entrei na Casa Civil, ouvi que era preciso reduzir o número de assessores, mas isso não é fácil de mexer. Resumo da ópera: estamos fazendo esforço para melhorar a comunicação do governo. Temos obras em pleno andamento, como a do PAC Tucunduba e outras obras do PAC pelo Pará, mas que não aparecem. A governadora sabe disso. Mas a grande obra do governo que precisa ser mostrada é o tratamento às pessoas, aos mais pobres. Vou adiantar uma coisa: o governo vai fazer licitação descentralizada de combustíveis, de telefonia, e também reduzir gastos com DAS".

O QUE OS VISITANTES DO FSM NÃO VERÃO (1)



Laranjal do Jari, município de fronteira na Amazônia. Fonte: G.Enríquez/2007.

domingo, 25 de janeiro de 2009

O QUE OS VISITANTES DO FSM NÃO VERÃO (2)



Uma viajem entre Santarém e Alenquer. G. Enríquez/2007.

O QUE OS VISITANTES DO FSM NÃO VERÃO (3)



Caminho à Floresta Nacional de Tapajós. Desmatamento em áreas de proteção ambiental (APA) para criação de gado e plantio de soja. Ainda restam algumas castanheiras no fundo da área dedicada aos plantios de soja. G.Enríquez/2007.