Google+ Badge

sábado, 21 de novembro de 2009

Música - Bom domingo

Tecnologia - Inquérito contra empresas de celulares, OBA!!!. Bula no celular que informe que o uso do aparelho pode dar origem a doenças graves, como o cancer.


Uso de celulares pode dar origem a doenças graves.

Conceituado jornal brasileiro divulga comentário sobre os riscos do telefone celular principalmente considerando a falta de informações e pesquisas científicas sobre o seu efeito para a saúde humana considerando o uso imoderado a longo e médio prazos:

“O primeiro estudo científico que associou a exposição a campos eletromagnéticos de baixa freqüência, como o provocado por antenas de celulares, e a ocorrência de câncer foi publicado em 1979. Milhares de pesquisas e muita polêmica depois, ainda não há consenso sobre a relação entre as antenas, o uso desses aparelhos e a saúde.

Entretanto, com base no princípio da precaução, pesquisadores de diversas universidades, como a UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) e a Unicamp, defendem que a população seja alertada sobre os possíveis riscos e que sejam definidas restrições maiores às ERBs (Estações Rádio-Base) - as antenas de celular. Eles querem, além de antenas mais espaçadas umas das outras e com menor potência, que as pessoas usem o celular o mínimo possível.

"Não está sendo respeitado o direito à informação da população. A meu ver, deveriam ser divulgadas recomendações de falar somente o essencial em telefones móveis - celulares ou telefones sem fio", diz Álvaro Almeida de Salles, da Escola de Engenharia da UFRGS.

Ele cita estudos do grupo de Lennart Hardell, do Departamento de Oncologia do Hospital Universitário de Orebo (Suécia). "Há um aumento substancial na incidência de tumores cerebrais entre os usuários mais constantes dos celulares e telefones sem fio, coincidindo com o lado da cabeça em que normalmente eles são usados. Os resultados somente aparecem para períodos iguais ou maiores que dez anos."

Um dos estudos foi publicado neste ano no periódico "International Journal of Oncology". Anos atrás, porém, o Conselho Nacional de Proteção Radiológica do Reino Unido criticou pesquisas de Hardell com conclusão parecida, dizendo que lhes faltava precisão estatística.

Numa ação na Justiça para a retirada de uma antena, a posição de Vitor Baranauskas, da Faculdade de Engenharia Elétrica da Unicamp, é apresentada. Para ele, enquanto os usuários podem desligar o celular se o desejarem, os vizinhos das ERBs, que nem sempre têm aparelhos, "recebem uma dose adicional de radiação no ambiente durante 24 horas do dia, por vários anos, sem benefício".

Veja reportagem completa Aqui

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Assuntos Estratégicos - Uma visão estratégica que Brasil precisava


O novo ministro chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, Samuel Guimarães, visitou, na manhã desta quarta-feira (18), o presidente do Senado, José Sarney, com quem conversou sobre as tarefas que o aguardam no novo cargo. Ele foi empossado há um mês na secretaria deixada, no meio do ano, por Mangabeira Unger.

À saída da audiência, Samuel Guimarães foi questionado pelos jornalistas sobre a decisão a ser tomada pelo Plenário do Senado sobre o ingresso da Venezuela no Mercosul. Ele defendeu a aprovação do protocolo de adesão desse país ao bloco.

- O ingresso da Venezuela ao Mercosul é extremamente importante para o Brasil. A Venezuela tem extraordinários recursos naturais e não somente petróleo. O governo da Venezuela tem tratado o Brasil de forma extraordinária. Temos um saldo comercial com aquele país que talvez ainda seja o maior saldo comercial do Brasil. A Venezuela sempre foi democrática e ali há plena liberdade de opinião - afirmou Guimarães.

Suellen Rodrigues Meneses
Assessoria para Assuntos Parlamentares
SAE/PR

Leia mais no site da SAE/PR Aqi

Energia - Preço do petróleo US$1 milhão o Barril?



Quanto custaria o barril de petróleo se fosse considerado o tempo da formação das jazidas. Já houve quem calculasse isso. Há 15 anos, escutei numa palestra de Martínez-Alier que o custo seria de cerca de 1.000.000 de dólares o barril. Se pagamos 75 dólares, o resto é subsídio.

Clovis Cavalcanti - ECOECO

Sociedade Brasileira de Economia Ecológica-ECOECO

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Meio Ambiente - Acredite se quiser, mas se está avançando


Nota do ministro do Meio Ambiente aos servidores

Na semana de 9 a 13 de novembro de 2009, houve dois fatos muito importantes, muito marcantes,que foram vitórias do Ministério do Meio Ambiente, do Ibama, da Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental do MMA. Mas também vitórias de vários parceiros, da sociedade. Uma delas,foi o menor desmatamento da Amazônia da história brasileira, desde que esse bioma é monitorado pelo Inpe, há 21 anos. Uma queda muito expressiva. O outro número menor tinha sido 11 mil Km2, há muitos anos, e esse foi 7 mil Km2. Mesmo recentemente, em 2004, por exemplo, o esmatamento foi de 27 mil Km2. Então, alcançamos uma marca de um quarto disso. É um número muito expressivo,uma contribuição para o Brasil, para os povos da Amazônia, para o mundo, para o clima do planeta.

A outra vitória foi o Brasil ter adotado metas de redução de CO2. Durante muitos anos, a posição brasileira não era essa, por questões diplomáticas, econômicas, por questão de se achar que a responsabilidade pela redução dos gases-estufa era só dos mais ricos. Em suma, por várias questões, o Brasil não tinha meta. No Ministério do Meio Ambiente, a Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental tomou uma posição forte em relação à questão, e nós bancamos,fomos com a sociedade, com a academia, e felizmente, também nessa semana, o governo brasileiro adotou essa posição de corte entre 36 e 39 por cento das emissões de 2020.

Então, em apenas uma semana, houve dois fatos importantes: o menor desmatamento da história e as metas de clima. Então eu queria compartilhar com todos os técnicos, analistas ambientais, profissionais do Ministério, do Ibama, do Chico Mendes, da Secretaria de Mudanças Climáticas, do Serviço Florestal. Em suma, de todas as áreas que atuaram nisso.

Eu queria fazer especialmente uma homenagem aos nossos companheiros do Ibama. Nossos companheiros do Ibama estão na linha de frente. Eu participei de mais de vinte operações junto com os companheiros, lá, em lugares muito isolados, no interior do Pará, de Mato Grosso, em Buriticupu, no Maranhão perto do Pará, em Paragominas, onde os carros do Ibama foram queimados, a sede foi queimada, e eu sei em que condições esses companheiros trabalham, com outras forças também, como a Força Nacional, a Polícia Federal. Portanto, eu me dirijo em especial aos companheiros do Ibama, nossos dirigentes, nossa área da fiscalização, do Departamento de Proteção, para os nossos superintendentes em todos os estados, da Amazônia em especial.

Participamos também de boas operações no Paraná, no Rio de Janeiro, no Nordeste. Operações, por exemplo, contra a pesca predatória da lagosta.
Então, eu queria deixar aqui o nosso reconhecimento para os nossos companheiros do Ibama. Vocês foram excelentes, deram tudo de si, eu estou

orgulhoso de vocês, o Brasil também está reconhecido, o presidente Lula está reconhecido. O Governo adotou uma meta forte de clima. Portanto, a gente mostrou que, no caso da meta de queda do desmatamento, o que parecia impossível, foi possível.

Eu estou querendo compartilhar isso com todo o ministério, também com os ambientalistas, com o Governo, com os aliados. Um abraço muito forte para a Suzana Kahn e toda a turma do clima, para a Branca Americano, para os nossos companheiros, para o Tasso Azevedo, que se esmeraram, que ficaram lá virando noites para a gente chegar a uma boa fundamentação desses números das reduções. E para nossos companheiros do Ibama, o Luciano Evaristo, nosso diretor da Dipro, e toda a sua equipe, de primeira linha, que estão lá, ralando, suando a camisa pelo Brasil para que não tirem o verde da nossa bandeira, para que a Amazônia não vire um deserto, para que outros biomas também não sejam destruídos.

Agora, a guerra contra o desmatamento está sendo direcionada também para o Cerrado, para a Caatinga. Uma das metas é Cerrado, graças inclusive ao monitoramento que o Ibama fez junto com outros setores do desmatamento do Cerrado. Então, um grande abraço para vocês, meu orgulho, meu reconhecimento. Continuem assim, porque vocês estão dando um exemplo para esse país, um exemplo de que é possível resistir com dignidade e mudar nossa história.

Saudações ecológicas e libertárias do Carlos Minc

MMA