Google+ Badge

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Feliz Natal e um ano novo de muito sucesso!





segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

BLOG DEGABRIELA PUGLIESI CONTA O SEGREDO PARA EMAGRECER



Fenômeno na internet, a blogueira Gabriela Pugliesi, de 27 anos, conquistou seu espaço na web através de um tema cada vez mais em ascensão na blogosfera: a vida saudável e emagrecimento. Com dicas de alimentação e exercícios físicos, a criadora do blog Tips 4 Lifevêm atraindo mais adeptos para esse estilo de vida.





fotos/reprodução: Instagram Gabriela Pugliesi /Tips 4 Life

Gabi também é sucesso no Instagram: tem mais de 150 mil seguidores e posta fotos diariamente das suas refeições e seus treinos. O Vila Mulher entrevistou a blogueira com exclusividade para descobrir o segredo para manter essa rotina tão saudável sem perder o foco. Veja só!


VM - Você já foi gordinha ou sempre teve esse corpinho? Desde quando você tem essa preocupação com a forma?


Gabi - Fui gordinha quando era criança e comecei a me preocupar na adolescência com a vaidade. Não sou favorecida geneticamente desde que emagreci naturalmente e aos poucos, me tornei disciplinada, e fui gostando de viver um estilo de vida saudável, foi tudo muito natural. Nunca fiz dietas malucas.


VM - Além do blog, com o que você trabalha?


Gabi - Hoje trabalho "apenas" com o blog. Entre aspas, pois o blog é super trabalhoso. Eu não paro em casa um minuto e viajo bastante agora também.


VM - Como surgiu a ideia do blog? Foi também uma forma de incentivo para você?


Gabi - Surgiu naturalmente, já que sempre gostei de falar sobre vida saudável e sempre incentivei as pessoas ao meu redor a mudarem maus hábitos. Então tive a ideia de dividir meu estilo de vida com mais gente. Fiz o blog em dois dias, ele tem apenas três meses! E é um autoincentivo para mim sim, meu corpo e meu estilo e vida melhoraram muito de três meses para cá, principalmente porque agora esse é meu trabalho e eu aprendo cada vez mais sobre tudo que envolve saúde e bem estar.


VM - Confessa: não tem algum momento da semana que você se permite comer algumas bobagens ou um pouco mais? Ou você não perde o foco nunca?


Gabi - Em dias de semana eu não faço questão de comer besteira. Eu adoro ser regrada, acredite se quiser (risos). As pessoas não entendem que isso não é uma fase, é um estilo de vida. Faz parte do meu perfil comer bem. Às vezes quando eu tenho vontade é mais nos finais de semana, quando viajo, em festas. Eu tomo um vinho, como uma sobremesa, docinho de casamento, mas são ocasiões isoladas. Eu amo minha rotina de dieta e tenho prazer em fazer tudo certinho. Mas já fui viciada em chocolate, só comia nos finais de semana, só que hoje não faço mais questão, como quando tenho vontade, que é quase nunca.


VM - Como você foi adquirindo o conhecimento sobre a área de nutrição e fitness?


Gabi - Com a vida e por gostar muito do assunto, venho tentado melhorar minha alimentação ao longo dos anos e com isso a gente aprende. E meu marido é personal trainer, então também aprendo bastante com ele. E adoro ler livros sobre nutrição e saúde.


VM - Como veio a ideia de compartilhar fotos dos treinos e até das compras do supermercado?


Gabi - Foi natural, posto tudo que envolve minha rotina, sempre dando dicas. Achei que seria legal as pessoas verem minhas compras no supermercado, então o carrinho virou uma marca também do meu Instagram. Uso meu Instragram como uma ferramenta de trabalho, então posto coisas só sobre saúde e bem estar, coisas que abordam esse tema. Sempre falando sobre a minha vida e nunca passando dietas ou treinos para as pessoas. Dou dicas mais genéricas.


VM - Qual é o feedback das leitoras?


Gabi - Maravilhoso. Recebo depoimentos todos os dias, com histórias de como a vida delas mudou e o legal é que tem meninas de 14 anos, mães, até avós que me abordam para falar que a partir do blog elas mudaram de vida. Para mim não poderia ser melhor né? Quero fazer um movimento mesmo, que chamo de "geração Pugliesi".


VM - Os homens também comentam?


Tem homens que comentam sim, inclusive eles ficam bravos quando eu falo "meninas". Eles falam: "poxa, nós também estamos aqui", (risos). O blog só me trouxe coisas boas em todos os sentidos, mas o retorno positivo das pessoas é o melhor para mim.


VM - O que você acha essencial para uma dieta bem-sucedida? Você daria algumas dicas básicas de como não perder o foco na hora de malhar ou ter uma alimentação mais balanceada?

Gabi - O principal é não esperar por um milagre e não acreditar em dietas milagrosas! As pessoas se frustram muito porque começam uma dieta que promete perder 10 quilos em uma semana. Elas até perdem peso, mas não aguentam fazer essa dieta por mais de 1 mês, então engordam tudo de novo e até mais, vivendo esse efeito "sanfona". Se for um inferno fazer dieta, nunca vai dar certo. O segredo é uma reeducação alimentar mesmo, as pessoas precisam pensar mais a longo prazo, emagrecendo com qualidade, pois isso vira prazer.


Por Jessica Moraes

domingo, 11 de dezembro de 2016

Lula, outra vez


Ex-Odebrecht cita caixa 2 para Pezão, Paes, Lindbergh e Garotinho, Valor Econômico




sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Brasil ocupa penúltima posição em ranking de patentes válidas

O número de pedidos de patentes cresceu 5,1% no Brasil em 2012.
Na China, o aumento foi de 24%


O último relatório anual da Organização Mundial de Propriedade Intelectual (WIPO), vinculada à Organização das Nações Unidas (ONU), mostra que o número de patentes válidas no Brasil está muito atrás de países considerados referência em inovação. O levantamento, feito entre os 20 maiores escritórios de concessão de patentes no mundo, traz dados de 2012 e aponta os Estados Unidos em primeiro lugar, com 2,2 milhões de patentes, seguido do Japão, que tem 1,6 milhão. Depois estão China (875 mil), Coreia do Sul (738 mil), Alemanha (549 mil), França (490 mil), Reino Unido (459 mil) e até o principado de Mônaco (42.838). O Brasil está na 19ª posição, com 41.453 patentes válidas. São 211 a mais que o último lugar, ocupado pela Polônia. No bloco dos BRICS, todos estão na frente: seguidos pela China aparecem Rússia (181 mil), África do Sul (112 mil) e Índia (42.991).

“Patente é requerida e concedida para tecnologia, seja de produto inédito ou para aprimorar alguma invenção. O número de patentes é um dos fatores que refletem o grau de inovação de um país. O Brasil precisa estar mais bem equipado para dar agilidade ao exame desses pedidos”, alerta o gerente executivo de Política Industrial daConfederação Nacional da Indústria (CNI), João Emílio Padovani Gonçalves.

De acordo com a WIPO, o número de pedidos de patentes cresceu 9,2% em 2012 – um recorde nos últimos 18 anos. Dos 20 países pesquisados, 16 registraram crescimento. Os maiores foram na China (24%), Nova Zelândia (14,3%), México (9%), Estados Unidos (7,8%) e Rússia (6,8%). No Brasil, também houve aumento de 5,1%.

LONGA ESPERA – No Brasil, o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) é responsável por receber os pedidos, examinar e conceder, ou não, o direito de patente. Entre 2003 e 2013, foram concedidas 34.189 patentes. Em média, 3.108 por ano. Além de o volume ser baixo em relação a outros países, o tempo médio de espera por uma resposta do INPI quase dobrou no mesmo período. Em 2003, no caso de invenção, a demora era de pouco mais de seis anos. Em 2008, passou a ser de nove anos. Em 2013, chegou a onze anos.

Dependendo da área em que o direito de patente é requerido, a demora pode ser maior. No ano passado, os registros que mais esperaram pela concessão foram os de Telecomunicações (14,2 anos). Em seguida, vieram Alimentos e Plantas (13,6 anos); Biologia Molecular (13,4 anos); Física e Eletricidade (13 anos); Bioquímica (12,9 anos); Computação e Eletrônica (12,6 anos); Farmácia (12,3 anos); Agroquímicos (12,2 anos).

Uma das causas dessa longa espera aparece quando analisada a relação entre o número de examinadores do INPI e a quantidade de pedidos que estão na fila – o chamado backlog. Em 2012, havia 225 profissionais para avaliar 166.181 pedidos de patentes. Eram 738 pedidos por examinador. No ano passado, caiu o número de examinadores e aumentaram os pedidos: eram 192 para 184.224. A relação passou para 980 pedidos de patente por examinador.

Na Europa, em 2012, eram 363.521 pedidos para 3.987 examinadores. Cada um com 91,2 pedidos para analisar. Enquanto isso, nos Estados Unidos, no mesmo ano, a situação era bem mais confortável: 603.898 pedidos para 7.831 examinadores, ou 77 pedidos por examinador.

De acordo com a Lei de Propriedade Industrial (9.279/1996), a partir da data de depósito no INPI, a patente de invenção tem prazo de validade de 20 anos e a de modelo de utilidade, 15 anos. Essa última se refere a um objeto, ou parte dele, com nova forma que resulte em melhoria funcional ou de sua fabricação. A demora é compensada pela mesma lei que assegura que o prazo de vigência não seja inferior a dez anos para a patente de invenção e a sete anos para a patente de modelo de utilidade, a contar da data de concessão. Assim, uma patente de invenção de Telecomunicações, por exemplo, depositada em 1999 e concedida em 2013, terá prazo de validade até 2023. Mas, por se tratar de tecnologia, a longa espera prejudica.




domingo, 2 de outubro de 2016

Reforma do ensino médio defende chances iguais, diz idealizadora

Resultado de imagem para maria helena guimarães de castro




Com sólida experiência na área da educação, a professora Maria Helena Guimarães de Castro, 70 anos, desenhou, com uma equipe técnica, a reforma do ensino médio que o governo Temer baixou por meio de uma medida provisória. Em sua segunda passagem pelo Ministério da Educação (a primeira foi no governo FHC), agora como secretária executiva do ministro Mendonça Filho, Maria Helena tem plena consciência de que mexeu em um vespeiro — até o apresentador Fausto Silva, no Domingão do Faustão, esculhambou a proposta. Para ela, depois de duas décadas de debates inconclusivos, a reforma do ensino precisava mesmo de uma chacoalhada decisiva. Em seu gabinete em Brasília, a educadora recebeu VEJA para a entrevista a seguir.

O Faustão se referiu à reforma como uma decisão de “cinco gatos-pingados que não sabem p… nenhuma”. Foi isso mesmo?

O Faustão deu uma mostra de ignorância e grosseria da pior espécie. Claramente não sabe do que está falando, não leu nada e saiu por aí difundindo inverdades. Esta reforma não é obra de uns gatos-pingados. Não é uma ideia ao acaso. Ela vem sendo discutida há duas décadas no Brasil, independentemente de governos e partidos, porque o modelo em vigor é um fracasso.

Se a necessidade de mudança é tão evidente, por que saiu via medida provisória, que é por natureza um instrumento autoritário?

Por uma questão de urgência mesmo. Um projeto de lei que propõe a reforma se arrasta desde 2013 no Congresso e está parado. Enquanto o tempo passa, os jovens ficam enredados em um sistema de péssima qualidade, reconhecido como um dos piores do planeta. A meu ver, a relevância do assunto justifica a medida provisória.

Se o assunto é tão urgente, por que fica parado no Congresso?

Porque a reforma mexe em vários vespeiros. Corporações de professores temem perder direitos adquiridos. Há uma indústria gigantesca para preparar os jovens para o Enem, passaporte para a universidade que se baseia no atual modelo de ensino médio. São forças que se fazem representar no Congresso. E pesa ainda um fator político. Parlamentares podem entender que encampar tal proposta não é tão vantajoso do ponto de vista eleitoral.

Mesmo com essas forças contrárias, a senhora acredita que a MP, ainda sujeita à apreciação de deputados e senadores, vingará?

As sinalizações que temos hoje são positivas. O ministro da Educação está encarregado das costuras políticas. Acho que o debate, embora longe da unanimidade, já alcançou grau de maturidade suficiente.

Mas, no meio do barulho enorme ocorrido nas redes sociais, não havia uma vastidão de opiniões inconclusivas?

A discussão sobre a reforma se desenrola desde 1996, no âmbito da Lei de Diretrizes e Bases da Educação, a LDB. Passou pelo governo FHC, ficou viva em toda a era petista e, agora, ocorre na gestão Temer. É uma questão apartidária, e os próprios secretários de Educação, responsáveis por sua implantação em cada estado, estão pedindo por uma mudança. São sinais de maturidade do debate.

Por que tanta crítica então?

A resistência a mudanças é da natureza humana, mas no Brasil, e no caso específico da educação, é muito pior. O que estamos propondo — a flexibilização de uma parte do tempo do jovem na escola — bate de frente com uma ideia incrustada no caldo cultural da academia brasileira, que reverbera por toda a sociedade. É a ideia de que todo mundo tem direito ao mesmo ensino, independentemente de classe social, cor, credo. Esse discurso soa inclusivo, mas trata-­se aqui de um pseu­doigualitarismo. Na verdade, engessar os jovens no mesmo modelo cria uma grande desigualdade, cria uma das maiores desigualdades do mundo.

Como isso ocorre?

Uma parcela importante dos jovens fica pelo caminho, sem chance nenhuma de um bom futuro. Metade dos que ingressam no ensino médio não se forma. Menos de 20% deles vão para a universidade. Um batalhão entre 15 e 17 anos está fora da escola. O que o Brasil pratica com seu modelo monolítico, único no mundo, é a igualdade da mediocridade. O sistema atual não abre caminhos diferentes para pessoas de capacidades e ambições diferentes. Ele fecha portas. Muita gente não entendeu que, ao propor trajetórias diversas dentro da escola, a reforma defende justamente a igualdade de oportunidades.

Para ler a reportagem na íntegra, compre a edição desta semana de VEJA no iOS, Android ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no iba clube.

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Avisado, Lewandowski preparou-se para manobra que suavizou punição de Dilma



Seção IV
Do Senado Federal


Art. 52. Compete privativamente ao Senado Federal:


I - processar e julgar o Presidente e o Vice-Presidente da República nos crimes de responsabilidade, bem como os Ministros de Estado e os Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica nos crimes da mesma natureza conexos com aqueles;

II - processar e julgar os Ministros do Supremo Tribunal Federal, os membros do Conselho Nacional de Justiça e do Conselho Nacional do Ministério Público, o Procurador-Geral da República e o Advogado-Geral da União nos crimes de responsabilidade;



Parágrafo único. Nos casos previstos nos incisos I e II, funcionará como Presidente o do Supremo Tribunal Federal, limitando-se a condenação, que somente será proferida por dois terços dos votos do Senado Federal, à perda do cargo, com inabilitação, por oito anos, para o exercício de função pública, sem prejuízo das demais sanções judiciais cabíveis.

Avisado, Lewandowski preparou-se para manobra que suavizou punição de Dilma




Seção IV
Do Senado Federal


Art. 52. Compete privativamente ao Senado Federal:


I - processar e julgar o Presidente e o Vice-Presidente da República nos crimes de responsabilidade, bem como os Ministros de Estado e os Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica nos crimes da mesma natureza conexos com aqueles;

II - processar e julgar os Ministros do Supremo Tribunal Federal, os membros do Conselho Nacional de Justiça e do Conselho Nacional do Ministério Público, o Procurador-Geral da República e o Advogado-Geral da União nos crimes de responsabilidade;


Parágrafo único. Nos casos previstos nos incisos I e II, funcionará como Presidente o do Supremo Tribunal Federal, limitando-se a condenação, que somente será proferida por dois terços dos votos do Senado Federal, à perda do cargo, com inabilitação, por oito anos, para o exercício de função pública, sem prejuízo das demais sanções judiciais cabíveis.

Avisado, Lewandowski preparou-se para manobra que suavizou punição de Dilma




Seção IV
Do Senado Federal


Art. 52. Compete privativamente ao Senado Federal:


I - processar e julgar o Presidente e o Vice-Presidente da República nos crimes de responsabilidade, bem como os Ministros de Estado e os Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica nos crimes da mesma natureza conexos com aqueles;

II - processar e julgar os Ministros do Supremo Tribunal Federal, os membros do Conselho Nacional de Justiça e do Conselho Nacional do Ministério Público, o Procurador-Geral da República e o Advogado-Geral da União nos crimes de responsabilidade;


Parágrafo único. Nos casos previstos nos incisos I e II, funcionará como Presidente o do Supremo Tribunal Federal, limitando-se a condenação, que somente será proferida por dois terços dos votos do Senado Federal, à perda do cargo, com inabilitação, por oito anos, para o exercício de função pública, sem prejuízo das demais sanções judiciais cabíveis.

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Só escravidão deve superar moto em destruição social, diz sociólogo





O engenheiro e sociólogo Eduardo Vasconcellos na Flip em 2011


"É difícil encontrar na história do Brasil, fora a escravidão, um fenômeno social tão destrutivo quanto a motocicleta", afirma o engenheiro e sociólogo Eduardo Alcântara Vasconcellos, especialista na análise de dados sobre o trânsito nas cidades.

Autor do livro recém-lançado "Risco no trânsito, omissão e calamidade" (ed. Annablume), Vasconcellos se refere às mortes registradas em acidentes de motos. Em 2015, 74% dos pedidos de indenização por morte ou invalidez no trânsito de São Paulo se originaram de acidentes com motocicletas, que representam apenas 19% da frota de veículos no Estado.

Desde a introdução da motocicleta no Brasil, pelo menos 220 mil pessoas morreram e 1,6 milhão ficaram permanentemente inválidas devido a quedas e colisões com as motos, totalizando 1,8 milhão de acidentes. Os dados integram uma radiografia feita por Vasconcellos no livro.

Em 300 anos de escravidão no Brasil, estima-se que cerca de 640 mil negros morreram durante o deslocamento transatlântico forçado por traficantes, segundo um levantamento feito por pesquisadores da Universidade Emory, em Atlanta, nos Estados Unidos.

Também assessor da ANTP (Associação Nacional dos Transportes Públicos), Vasconcellos é mestre e doutor em política pública pela USP, com pós-doutorado na Universidade de Cornell (EUA). Ele analisa políticas públicas que incentivaram a disseminação de motocicletas pelo país e é autor de outros livros, incluindo "O que é trânsito?" (ed. Brasiliense), da coleção Primeiros Passos.

Entre 2012 e 2014 o governo federal adotou a redução do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para a indústria automotiva, reduzindo o custo de automóveis e aumentando a frota de veículos no trânsito. Fabricantes de motocicletas instalados na Zona Franca de Manaus já se beneficiavam com a isenção do imposto.

Entre 2011 e 2014, o número de acidentes anuais com motos saltou de 194 mil para 497 mil –alta de 156%.

Para Vasconcellos, erros de regulamentação e de capacitação na difusão das motos –agravados pela deficiência de transporte público– resultaram em "uma tragédia que não se justifica".



*








Leia abaixo trechos da entrevista à Folha:

*

Folha - O sr. fala sobre a frequência de acidentes envolvendo motocicletas no país. Por que a situação é tão grave?
Eduardo Alcântara Vasconcellos- Houve um descuido na introdução de um veículo novo, a motocicleta, no trânsito. Não foi só aqui no Brasil, foi também nos países ricos. Mesmo o carro, quando entrou nos Estados Unidos, matou muita gente. No Brasil a grande tragédia é que já existia uma experiência acumulada no mundo, sobre os impactos fatais da motocicleta, porque a pessoa fica em uma posição muito vulnerável.
Quando se resolveu definir uma política pública de incentivo à motocicleta, os estudos e experiências internacionais foram ignorados. Assim criamos essa tragédia. É difícil encontrar no Brasil, fora a escravidão, um fenômeno social tão destrutivo quanto a motocicleta. Conseguimos a proeza trágica, no século 21, de fazer essa barbaridade. A quantidade é absurda. 220 mil pessoas morreram. 1,6 milhão recebem indenização por invalidez permanente. É uma tragédia que não se justifica.

Como o poder público incentivou o uso da motocicleta?
O governo, desde os anos 90, tomou duas decisões: dar incentivo fiscal à indústria e acesso ao crédito para o financiamento do veículo. Você deu todo o tipo de facilidade para a aquisição da motocicleta. Do ponto de vista econômico, foi um sucesso. O número de motos aumentou de 1 milhão para 20 milhões. Mas o sucesso financeiro não justifica o custo social, que tem um custo muito alto. Eu não aceito esse tipo de argumento.
O problema ainda é agravado pela deficiência do transporte público, principalmente para o jovem de periferia. O ônibus é muito desconfortável, por conta da distância até o ponto de parada, os veículos são superlotados, além de ser caro. Você paga R$ 3,80 para entrar em um ônibus em São Paulo. Com uma motocicleta, em uma viagem média de 10 km, o gasto para o deslocamento é cerca de R$ 1, R$ 1,20. Mas é um veículo muito inseguro.

Mas o incentivo está errado? A motocicleta não tem suas vantagens por ser acessível?
Como você não preparou esse veículo para entrar no trânsito, quanto mais gente usando esse tipo de deslocamento, pior será. 220 mil pessoas morreram. Você colocar milhões de pessoas nessa condição insegura é inaceitável. Se quisermos continuar usando em larga escala a motocicleta temos que pensar em uma maneira decente para se fazer isso. Muita gente se opõe. Há uma tendência de jogar essas mortes para o campo da tragédia, destino, vontade divina. Não é. A motocicleta em si, fora da rua, é um veículo conveniente. É barato, consome pouco combustível e você consegue estacionar com facilidade. O que eu critico não é a motocicleta, mas a forma como ela foi introduzida no trânsito brasileiro, sem os devidos cuidados.

Quais foram os erros ao introduzir a motocicleta no trânsito?
O primeiro foi não preparar as pessoas. Não só os motociclistas como os outros participantes do trânsito. O que acontece muito hoje são atropelamentos de pedestre no cruzamento. O pedestre não está preparado para um veículo pequeno, super ágil, que vai sair correndo assim que o sinal verde abrir. Ninguém preparou o motorista de ônibus e de caminhão, cujos espelhos não conseguem ver a moto na maioria dos casos. Você joga a moto no trânsito cheio ônibus e caminhões e os motoristas não veem a moto se aproximando. Eles atropelam um motociclista e acham que passaram por uma pedra, nem percebem o que aconteceu.
O segundo erro me parece tão grave quanto, é você não preparar o ambiente de trânsito com clareza sobre o que a motocicleta poderia fazer. O que aconteceu? O código de trânsito de 1997 levou seis anos para ser discutido. Nós [ANTP] propusemos que a motocicleta não deveria circular entre os veículos. Houve uma pressão contrária da indústria e a casa civil da presidência vetou o artigo. A moto poder circular entre os carros piora muito a periculosidade dela.
O terceiro, parcialmente corrigido nas marginais de São Paulo, foi permitir que as motos circulassem ao lado de caminhões muito grandes. Uma moto pesa centena de quilos, o caminhão pesa toneladas. É uma convivência desastrosa. O quarto foi a fiscalização não ser reforçada. Em várias áreas do nordeste, por exemplo, 50% dos motociclistas não têm carteira de habilitação. Ou seja, a política de incentivo à motocicleta foi, do ponto de vista politico, e de faturamento da indústria, extremamente bem-sucedida. Do ponto de vista social, foi um desastre, uma tragédia. Não tem outra palavra para dizer isso, além de tragédia.

Por que não há uma maior reação da população a esse tipo de violência?
O único setor público que reagiu ao problema, por uma questão óbvia, foi sistema de saúde pública. É o setor que mais se movimentou, alertando para a gravidade e para o custo que tem para a sociedade. Nos outros âmbitos da política federal, fica-se dizendo quantos empregos gerou, essas coisas. Ninguém informou adequadamente do risco que o motociclista está correndo. Existe ainda uma parcela da população que tem uma situação de renda muito precária e que mesmo que conheça o risco, essas pessoas podem aceitá-lo por falta de alternativa. Por exemplo, os motoboys, são jovens de baixa escolarização sem oportunidade de emprego.
Poder circular entre os carros, isso para eles foi muito importante na vida deles, empregos foram gerados. Mas eles morreram aos milhares.

Há uma solução para o problema?
Dá para consertar? Dá. Mas para reduzir o número de acidentes, temos que restringir o uso da motocicleta em várias situações, não permitir a circulação entre carros e reduzir os limites de velocidade. Quem vai encarar essa briga? Os políticos não vão. Quem está disposto somos nós, que estudamos o assunto, e a comunidade médica, apenas. E é claro, as famílias das vítimas do trânsito.

sábado, 6 de agosto de 2016

Lula contra o Brasil




PODER - SP - O Presidente Lula fala no Seminario Nacional do Sistema financeiro e Sociedade. 29/07/2016 - Foto Marlene Bergamo/Folhapress - 017
O ex-presidente Lula fala em seminário em São Paulo, em julho

Fiquei triste ao saber que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva havia ingressado com uma petição contra o Brasil no Comitê de Direitos Humanos da ONU.

Em seu recurso, alegou perseguição da imprensa e denunciou violações de seus direitos individuais por parte de membros do Poder Judiciário brasileiro, especificamente o juiz federal Sergio Moro, no âmbito da operação Lava Jato.

Ao pedir a atenção da ONU para uma questão estritamente doméstica, o ex-presidente Lula lança dúvidas sobre a legitimidade e a capacidade de autogestão do Poder Judiciário nacional. Aos olhos do mundo, coloca todos os magistrados do Brasil sob suspeição.

Não cabe a mim ou ao ex-presidente julgar se as decisões de Sergio Moro são acertadas ou não. Nenhum de nós prestou concurso para a magistratura. Quem deve dizê-lo e modificar eventuais decisões incorretas —como, de resto, já se fez— são as instâncias superiores de justiça em funcionamento neste país.

Então, por que o ex-presidente resolveu criticá-las internacionalmente?

Porque, na lógica presidencial, o fato não conta. O que conta é a versão.

Lula já assumiu várias identidades. De operário, passou a líder sindical. De político de oposição a presidente da República. Agora, quer passar de réu a vítima.

Ele não é o único a tentar essa estratégia.

No Senado, cozinha-se um fedorento projeto de lei 280/2016, que visa a coibir "abusos" cometidos por autoridades judiciais, como se o Judiciário não contasse com seus próprios mecanismos de controle.

O que se quer coibir, na verdade, é a independência do Judiciário —sem a qual não há democracia que resista. A reação, seja no Planalto ou no Congresso, é claramente de defesa contra juízes incontroláveis. Você gostaria de um juiz que descobrisse seus crimes e quisesse te mandar para a cadeia? Nem eles.

A petição de Lula à ONU, dado o seu descabimento, parece ter a intenção de desinformar a opinião pública internacional sobre o funcionamento das instituições brasileiras. Fontes ligadas ao ex-presidente se jactavam de a ação ter repercutido na imprensa de 48 países.

O ex-presidente posa de mártir e tenta forjar uma identidade que não é justa nem com a verdade, nem com o Brasil. Tenta transformar uma questão de direito penal em questão de direitos humanos.

A petição de Lula à ONU deixa a sensação de que ele, tendo perdido a esperança de se absolver nas cortes brasileiras, busca agora salvação no exterior. Internacionalmente, assume a identidade de "perseguido político" e pode, sim, estar lançando as bases conceituais para um eventual pedido de asilo, como já se comentou.

O fato de Lula ter deixado o segundo mandato com 80% de aprovação popular não o exime do respeito à lei. O ex-presidente deve entender que decisões judiciais nada mais são do que a aplicação do ordenamento jurídico ao qual ele, como qualquer outro brasileiro, deve se submeter.

Dá para compreender a força do instinto, mas é melancólico assistir a um outrora grande homem reduzir-se para sobreviver.

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Magistrados e procuradores querem enquadrar apps






Autoridades do Poder Judiciário, do Ministério Público e da Polícia Civil ouvidas pelo Estado consideram muito importante para a investigação contra o crime organizado o acesso às conversas de criminosos pelas redes sociais, principalmente o WhatsApp. É lá que são combinadas as ações e os planos dos bandidos. Para eles, é necessário enquadrar os aplicativos.

A desembargadora Ivana David, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), atuou nas investigações contra o Primeiro Comando da Capital (PCC) por dez anos. “A interceptação telefônica sempre foi instrumento insuperável. Hoje, é de extrema importância que a autoridade policial tenha todos os mecanismos possíveis para descobrir e até se antecipar a uma ação criminosa. O acesso às conversas pelos aplicativos é um deles.”

Para a desembargadora, a suspensão dos serviços deve ser a última alternativa do magistrado para que os milhões de usuários e também a própria investigação não sejam prejudicados. “Existem várias formas de coerção para a empresa cumprir uma decisão judicial. Penas e medidas previstas pelo Código Civil, Procon, que determinam pagamento de multa diária. Em alguns casos, é possível até cobrar multa por hora.” Diante da atual ineficiência das escutas telefônicas causada pelo uso de aplicativos, o Departamento de Investigações Criminais (Deic) está priorizando o trabalho com informantes e a infiltração nas quadrilhas.

O procurador de Justiça Márcio Sérgio Christino disse que a empresa deve criar mecanismos para cumprir uma decisão judicial de quebra de sigilo de usuários suspeitos de envolvimento com crimes e afirma que ela deve ser punida em caso de descumprimento. “O bloqueio do WhatsApp traz prejuízo à um número não dimensionado de pessoas, mas será que por causa disso estaria acima da lei? Seria um instrumento capaz de proteger de modo absoluto a prática de crimes?”

Christino avalia que a decisão da empresa em não cumprir uma ordem judicial desconsidera a importância de uma investigação. “Em escala de valores se coloca a comodidade em detrimento até da vida humana. É fácil defender o WhatsApp, o difícil é explicar para uma família de um refém sequestrado à beira da morte que nada pode ser feito porque prevalece a liberdade incontrolável e absoluta da comunicação.”

domingo, 17 de julho de 2016

De Ramon.Mercader@edu para J.Vaccari@pol




Companheiro Vaccari,
Você não é Ramon Mercader. Como eu, houve poucos no mundo. Matei o Leon Trotsky em 1940, passei 20 anos na cadeia e não contei o que todos sabiam: acabei com o velhote a mando do Stálin. Quando saí da prisão, você tinha dois anos e quando morri, em 1978, você tinha acabado de se filiar ao sindicato dos bancários de São Paulo. Eu era um velho de 65 anos e você, um garoto de 20. Não vou tomar seu tempo contando minha história porque se você não leu "O Homem que Amava Cachorros", do cubano Leonardo Padura, peça-o a sua família. O final do livro não presta, mas de resto é coisa fina, sobretudo para quem está preso.

Vaccari, eu era do aparelho de segurança soviético, você era do braço do sindicalismo bancário petista, coisas inteiramente diversas. Daqui, já percebi que você, o José Dirceu e dois diretores da Petrobras (Duque e Zelada) estão em silêncio. No seu caso, a condenação está em 15 anos e deve aumentar. Se você tiver que pagar cinco anos em regime fechado, sairá da cela, em 2020, aos 62 anos. Admiro sua resistência e seu vigor ideológico, mas escrevo-lhe para dizer que são fúteis.

Na cadeia, eu sabia que tinha sido condecorado com a Ordem de Lênin. Ao sair, fui proclamado "Herói da União Soviética". Vivi bem em Moscou e em Cuba. Você nunca será um "Herói do PT". Sua família sofre com sua prisão, enquanto minha mãe estimulava meu silêncio.

Tudo o que o PT pode lhe oferecer são algumas visitas discretas de parlamentares. Não ouvi ninguém louvar publicamente seu silêncio.

Durante os 20 anos que ralei, eu sabia que no dia 1º de Maio a União Soviética desfilava seus foguetes na praça Vermelha. Graças a artes do PT (e suas), o presidente do Brasil chama-se Michel Temer e Dilma Rousseff vai morar em Porto Alegre.

Os empreiteiros que atendiam teus pedidos disseram coisas horríveis a teu respeito. Estão no conforto de suas tornozeleiras eletrônicas e posso supor que as solícitas OAS e Odebrecht colocarão mais cadeados nas tuas grades. Todos viverão com patrimônios superiores ao teu.

Eu morri com saudades de Barcelona, a cidade onde nasci, mas quando os comunistas espanhóis ofereceram-me ajuda para visitá-la, queriam que eu contasse minha história. Morri em Cuba sem rever a Catalunha e minhas cinzas foram para Moscou.

Valeu a pena? Não sei, mas garanto que no teu lugar, eu chamaria o Ministério Público para uma conversa exploratória.

Saudações socialistas

Ramon Mercader

*

A OI NO STF

A ex-SuperTele Oi convive com uma estranha estatística. Lidera a lista das empresas que vão até o Supremo Tribunal Federal em litígios que envolvem os consumidores. Batalha em 6.271 processos. Em segundo lugar vem o banco Santander, com 2.847 casos.

Tamanha diligência judicial pode explicar o fato de a OI gastar cerca de R$ 500 milhões anuais com advogados.

Entende-se uma das razões pelas quais a Oi foi para o buraco quando se vê que desde 2011 a taxa média de sucesso em recursos apresentados ao Supremo está em 3,04%. A dos grandes litigantes contra consumidores é de 0,21%. A taxa de sucesso da Oi ficou em 0,07%.

GULA SINDICAL

Com o afastamento do comissariado, centrais sindicais e sindicatos perderam algumas de suas generosas fontes de financiamento e há entidades que não conseguem fechar as contas. Hoje todo brasileiro dá um dia de seu trabalho para o aparelho sindical. Milhões de trabalhadores pagam também mensalidades para sindicatos. Há anos arma-se a cobrança compulsória de uma "taxa negocial".

Com as caixas vazias, o aparelho está com pressa para aprovar mais essa tunga. Se o governo quer fazer uma reforma trabalhista, poderia começar pela estrutura do imposto e pelas contribuições que engordam sindicatos patronais e de trabalhadores.

ERRO

Estava errada a informação segundo a qual a Odebrecht atrasou o pagamento de R$ 936 milhões pela outorga (leia-se aluguel) do aeroporto do Galeão.

Luiz Rocha, presidente da concessionária, esclarece que a cifra correta é R$ 286 milhões.

*

DÁ E TOMA

A pedido do Ministério Público, a Marinha cassou as medalhas do Mérito Naval que deu aos comissários José Dirceu, José Genoino e João Paulo Cunha.

Um decreto de 2000 determina a cassação dos crachás concedidos a pessoas condenadas pela Justiça. Em 2015, o Exército expurgou da Ordem do Mérito Militar todos os mensaleiros.

Os comissários haviam sido condenados em 2012 e, em muitos casos, as condecorações são concedidas em função dos cargos ocupados pelo homenageado.

O dá e toma poderia ser evitado se fossem usados critérios mais duros na concessão das medalhas. Nunca é demais lembrar que, em 1977, o general Silvio Frota deu a Medalha do Pacificador ao legista Harry Shibata dois anos depois de ele ter assinado o laudo fraudulento do suicídio de Vladimir Herzog.

Tudo ficaria mais claro se o ato da cassação viesse acompanhado pelo nome do comandante militar que concedeu a honraria.

SOCIALISMO REAL

No dia do aniversário da queda da Bastilha, antes do atentado de Nice, o mundo soube que o presidente socialista francês François Hollande paga (com dinheiro da Viúva) um salário equivalente a R$ 36.210 ao seu barbeiro particular. Na cabeça de Hollande há poucas ideias e pouco cabelo.

É provável que o companheiro pague mais pelo seu corte que as conservadoras Angela Merkel e Theresa May. (O da Merkel era castanho escuro e medonho.)

As duas senhoras tem penteados discretos. Já o americano Donald Trump veste uma instalação e o novo chanceler inglês Boris Johnson tem como marca uma cabeleira de roqueiro, retocada no salão.

-

TEMER LIGOU E NÃO LIGOU, MAS LIGARIA

Só o tempo dirá o tamanho do estrago imposto a Dilma Rousseff pela sua relação agreste com a verdade. Ela tinha doutorado pela Unicamp e fora presa por "delito de opinião". Falso.

Temer chegou à cadeira de Dilma com dois episódios esquisitos na caminhada. Em dezembro passado, escreveu uma carta à presidente e seu conteúdo foi para a imprensa em poucas horas. Temer garante que o texto foi distribuído pelo comissariado do Planalto. Em abril, foi ao ar um áudio do vice-presidente oferecendo um governo de "salvação nacional".

A distribuição dessa plataforma de governo teria acontecido por engano. A verificação do episódio desmente essa versão.

Há poucos dias, saiu do Planalto a informação segundo a qual a professora Helena Nader, presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, concordara em retornar ao cargo depois de receber um telefonema do presidente.

Falso. A professora não recebeu telefonema nenhum e só reassumiu o cargo atendendo a um apelo do conselho da SBPC.

Como Helena Nader desmentiu a patranha, o palácio corrigiu-se: Temer queria telefonar, mas desistiu.

Fica combinado assim.

terça-feira, 28 de junho de 2016

(Relator Enojado) Argentina 0 Chile 0 (2-4) (Relato Mariano Closs) Copa...

Medio uruguayo da cinco argumentos que respaldan el triunfo chileno ante Argentina



Publicado por Juan Carlos Pérez (Rádio Bio-Bio, Chile)


“Chile consiguió el bicampeonato en silencio“, comienza el texto publicado en Ovación. En él, se argumenta que La Roja aprovechó la atención que brindó la prensa a la argentina de Messi y sus opciones de no volver a fracasar, para llegar “por la sombra” a la final de la copa.

Con los dos equipos listos en el pasto del MetLife Stadium, una victoria de Chile no parecía en lo absoluto una casualidad, explican, pues los de Pizzi tienen muchos factores que fundamentan aquél triunfo.

La publicación argumenta que el juego colectivo del equipo es el principal arma de los nacionales, y ese factor sobresale por sobre cualquiera de las ‘estrellas’ de la escuadra.

“Alexis Sánchez, Arturo Vidal, Gary Medel y Claudio Bravo juegan en la élite y destacan, pero el juego colectivo es el gran fuerte“, explican.

Parte de los resultados alcanzados por el ‘Equipo de Todos’ se los atribuyen a los técnicos que han estado a la cabeza del combinado, partiendo por Bielsa, luego Borghi, Sampaoli y ahora Pizzi.

“Uno de los principales propulsores de ese click mental tiene nombre y apellido: Marcelo Bielsa(…) Presión en el campo contrario, tenencia de balón, orden táctico y apuesta ofensiva fueron los factores de juego que sumados al cambio mental, llevaron a Chile a clasificarse al Mundial 2010″, exponen.

Además acotan qué aportó cada DT antes mencionado, remarcando que los campeones de América siguen una línea.”El bicampeonato chileno tiene base trasandina y un toque argentino“.


1. Chile, otra copa que levantó por merecimientos.

No fue casualidad que Chile se quedará con la Copa América . Bravo Medel y Beausejour en defensa, Vidal en el medio y Sánchez arriba fueron individualidades que brillaron en un equipo que en conjunto resalta.

2. Sánchez, clase en el ataque.

Una de las fortalezas de la selección chilena es la ofensiva y gran parte recae en la actuación de Alexis Sánchez. El delantero aparece y desequilibra y por eso fue elegido como el mejor jugador del torneo.

3. El goleador es suyo: Vargas.

Quizás no fueron los tantos más relevantes del torneo, pero Eduardo Vargas la mandó a guardar en seis oportunidades en el torneo y fue el máximo artillero. Dos a Panamá y cuatro a México le dieron el botín de oro.

4. Bravo, garantía en el arco.

El arco chileno tuvo un candado en la fase final y en los últimos tres partidos no recibió goles.Claudio Bravo fue una de las claves del torneo y se llevó el Guante de Oro por segunda vez consecutiva.

5. Ocho jugadores del once ideal.

Entre los once jugadores elegidos como el equipo ideal de la Copa Centenario hay ocho chilenos: Bravo, Isla, Medel, Beausejour, Vidal, Aránguiz, Vargas y Sánchez. Otamendi, Mascherano y Messi completan.

El negocio de compartir: Lanzan en Santiago el primer sistema de "carsharing"

Desde el 1 de julio comenzará a operar Awto, un modelo de arriendo de vehículos por tiempo reducido que busca ser una complemento al sistema público de transporte.




SANTIAGO.- Negocios, tecnología y colaboración parecen ser la combinación perfecta para los modelos de empresas que están creciendo con fuerza en Chile. La idea ya no es sólo acumular, sino que compartir. Y a eso es lo que apuntan compañías como Awto, el primer sistema de "carsharing" (uso temporal de automóviles) del país que comenzará a funcionar el 1 de julio en seis comunas de la Región Metropolitana.

Si ya existe Uber -en donde las personas utilizan sus autos particulares como taxis- o aplicaciones de "carpooling" -que comparten su auto cuando realizan un viaje y así se reparten los gastos de bencina o peaje-, Awto se convierte en la primera compañía en tener una flota propia de arriendo de automóviles por tiempos reducidos. "La idea es crear un sistema complementario a los sistemas de transporte.

Ya existe el Metro, ya existe el Transantiago, los taxis, rent a car, las bicicletas compartidas y ahora Awtos es una solución más a ese transporte intermodal. No es una competencia al taxi, sí al automóvil privado y a en cierta forma al rent a car", explica Francisco Loehnert, CEO de la compañía. Funciona igual que las ya conocidas bicicletas naranjas "Bike Santiago" –con la que también pretenden llegar a una alianza estratégica-.

El usuario se inscribe en el sitio web de Awto y paga una membrecía mensual, además de un costo por minuto del tiempo en que esté en funcionamiento o estacionado el auto. Cuando quiera utilizar uno, lo busca en los estacionamientos establecidos –y cuya disponibilidad se puede ver en la app-, y lo deja en el estacionamiento más cercano a su destino.

La primera etapa de Awtos -que es un proyecto de Kaufmann, el presentante de Mercedes Benz en Chile, creado con ayuda de SocialLab- tendrá a disposición 41 city cars Suzyky Swift y 5 híbridos Toyota Prius en Providencia, Ñuñoa, Las Condes, La Reina, Vitacura y Lo Barnechea . Para el segundo año de funcionamiento esperan aumentar la flota a 100 autos para después expandir sus servicios a otras grandes ciudades del país. Y las positivas proyecciones están en la experiencia internacional: el sistema existe en más de 20 países –desarrollados y emergentes, como México- y desde hace más de tres décadas, como es el caso de Alemania. "Lo que hace este modelo es que las personas ocupen de manera más concientizada el vehículo por menores periodos de tiempo.

Los estudios demuestran que las personas que forman parte del carsharing, aproximadamente un 30% decide renunciar al automóvil propio o decide vender el segundo automóvil", explica Loehnert. "El club de la confianza" Para las personas que hagan un buen uso del sistema, que los dejen limpios y con más de un cuarto de gasolina –financiado con una tarjeta Copec que estará junto a los documentos del auto-, serán premiados por Awtos con media hora de uso gratis.


 Lo contrario, tendrá sus penalidades que incluyen multas o eliminar la membrecía. Porque la idea, dice Loehnert, es formar un "club" en base a la economía colaborativa. "Cuando partió los de las bici (del Banco Itaú) en 2012 la gente estaba un poco escéptica de qué tan buen uso se le daría. Además del deterioro típico, el estado en general es bastante bueno. La gente se ha estado acostumbrado a compartir espacios y momentos. Y eso pasa con restaurantes, taxis y hoteles, y los resultados avalan que la economía colaborativa funciona y optimiza el bolsillo", afirma.

sábado, 25 de junho de 2016

A lista do impeachment



Dilma Rousseff alegou que as pedaladas no BNDES bancaram empréstimos para pequenos e médios empresários.

Agora o BNDES mandou para a Comissão do Impeachment a lista de beneficiários desses empréstimos estatais.

A lista os repasses de Dilma Rousseff...



Do Blog o Antagonista

A Lei Rouanet e o Louvre


Eu não trocaria Leonardo por Caetano. do blog o Antagonista.






O dado está na Folha: de 1992 a 2011, artistas brasileiros e internacionais captaram 11,7 bilhões de reais, via Lei Rouanet -- ou seja, por meio de renúncia fiscal. O que voltou para os cofres públicos? Nada. E estamos cada vez mais incultos.

O Antagonista faz a comparação: no mesmo período, o governo francês gastou no máximo 8,8 bilhões de reais com o Museu do Louvre, cuja receita anual variou entre 2 bilhões e 400 milhões de reais e 4 bilhões de reais. Com isso, o museu não só aumentou o seu acervo, como abriu filiais -- e, assim, contribuiu enormemente para impulsionar a indústria turística na França, além do acesso à cultura de cidadãos do mundo inteiro.

quarta-feira, 22 de junho de 2016

Dilma anda por onde?




E a Granda Chefa Toura Afastada Impichada Golpeada Pisoteada?


A Dilma tá indo até a batizado de cachorro, inauguração de quebra-molas e festa junina de condomínio!


E topa ir até o "SuperPop"! Entrevista pra Luciana Gimenez!



ESTÁ DOCUMENTALMENTE PROVADO QUE CONTAS NA SUÍÇA SÃO DE CUNHA, DIZ JANOT

STF JULGA NESTA QUARTA SE O PEEMEDEBISTA VIRA RÉU PELA SEGUNDA VEZ



JANOT DIZ QUE ORIGEM DE RECURSOS EM CONTAS DE CUNHA 'É ABSOLUTAMENTE ESPÚRIA' (FOTO: REPRODUÇÃO/TV JUSTIÇA)


O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, reiterou nesta quarta-feira, 22, no julgamento da segunda denúncia no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que contas na Suíça localizadas nas investigações da Operação Lava Jato para ocultação de cerca R$ 5,2 milhões são mesmo do peemedebista.

"Está documentalmente provado que as contas são de titularidade do acusado e que a orgiem dos recursos é absolutamente espúria", disse Janot.

O procurador-geral fez questão de mencionar movimentações entre o Brasil e as quatro contas localizadas no país europeu que, segundo ele, serviram para Cunha esconder recursos ilícitos provenientes do esquema de corrupção na Petrobrás. Ele destacou também que em uma das contas, a senha era o nome da mãe do peemedebista.

"Sobre todas essas operações há documentos incontestáveis que comprovam as condutas praticadas pelo acusado, reconhecidos pela justiça e pelo Ministério Público suíço", argumentou Janot. Ele destacou que, embora negue possuir as contas, Cunha e a família efetuaram pagamentos milionários em hotéis e restaurantes de luxo com os recursos.

De acordo com o procurador-geral, a propina embolsada por Cunha e ocultada na Suíça era a contrapartida pelo apoio dado por ele ao ex-diretor da área internacional da estatal, Jorge Luiz Zelada, para que o executivo se mantivesse no cargo e não impusesse obstáculos em negócios da Petrobrás de interesse do peemedebista.

"Não há dúvida de que o pagamento ao acusado estava relacionado ao titulo de mandato de deputado e sua influência em razão do cargo exercido, e a potencialidade de, caso não fosse pago, exercer pressão em sentido contrário", disse Janot durante o julgamento.

O procurador destacou também a incompatibilidade com os rendimentos do congressista. Ele aponta que, em nove dias, Cunha gastou cerca de R$ 169 mil, embora tenha declarado a quantia de R$ 17,7 mil. "Essas despesas de são absolutamente incompatíveis com os rendimentos declarados", disse o procurador, que destacou que os gastos continuaram após a eleição de Cunha para presidir a Câmara dos Deputados.

Denúncia. O parlamentar é acusado pela PGR pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Ele teria atuado, segundo investigadores, para manter esquema ilícito na Petrobrás e receber propina oriunda de um contrato de um campo de Petróleo em Benin, na África. A denúncia da PGR pede a devolução dos valores bloqueados nas contas além de reparação de danos morais e materiais e perda do mandato.

Documentos enviados pelo Ministério Público da Suíça ao Brasil comprovam que um negócio de US$ 34,5 milhões fechado pela Petrobrás em 2011, no Benin, na África, serviu para irrigar as quatro contas no país europeu que têm como beneficiários Cunha e a esposa. A filha do parlamentar, Daniele Dyts, aparece como dependente em uma das contas.

A mulher e a filha do deputado, investigadas no mesmo caso, tiveram seus processos apartados e enviados ao juiz Sérgio Moro, que conduz a Lava Jato na primeira instância. A defesa de Cláudia, que já é ré no processo, pede para que ela seja julgada no Supremo. Os ministros decidiram que o recurso sobre o assunto será julgado antes da análise sobre o recebimento da denúncia contra Cunha.

Defesa. A advogada de Cunha, Fernanda Tórtima, defendeu que a denúncia seja rejeitada pelo STF. Ela afirmou que não há indícios "minimamente sólidos" contra o peemedebista e rebateu a afirmação de Janot de que Cunha é o dono das contas.

Fernanda sustentou, por exemplo, que a base da denúncia seria uma reunião entre Cunha e Zelada que nunca existiu. Teria sido nesse encontro que o valor da propina que alimentou as contas na Suíça foi negociado.

Ela também afirmou que Cunha não pode responder por crimes que não são crimes no país de origem, no caso a Suíça. (AE)

COM A MESMA LOROTA DE SEMPRE, CARDOZO LEVA AUXILIAR A CAIR NO SONO



ADVOGADO NÃO AGUENTOU A LADAINHA DE CARDOZO E TIRA COCHILO


Gabriel Cavalho Santana, advogado auxiliar de José Eduardo Cardozo na defesa da presidente afastada, Dilma Rousseff, não resistiu à mesmice interminável alegada na defesa da petista e acabou caindo no sono durante oitiva de testemunha na reunião de hoje da comissão do impeachment do Senado.

Há quem diga que Santana foi vencido pelo sono porque trabalha demais, mas quando o chefe disse que "o direito não socorre aqueles que dormem" arrancou gargalhadas no plenário da comissão.

O comentário não teria sido dirigido ao auxiliar, mas a pedidos da acusação para convocar novas testemunhas. Apesar disso, a versão mais palatável entre os favoráveis ao afastamento definitivo de Dilma é que Santana não aguenta mais a lorota de que não há embasamento a para o impeachment e que tudo se trata de um "golpe parlamentar".

DILMA IRÁ DEPOR À COMISSÃO DO IMPEACHMENT NO DIA 6 DE JULHO

PODE OPTAR SE ENFRENTA OU NÃO SENADORES NO DIA 6 DE JULHO



A comissão do impeachment no Senador definiu a data de 6 de julho para o depoimento da presidente afastada, Dilma Rousseff. O cronograma foi aprovado sem os votos dos senadores Lindbergh Farias (PT-RJ), Fátima Bezerra (PT-RN) e Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM).

Apesar da expectativa gerada, a data ainda pode ser adiada e Dilma pode decidir se comparece ou não para enfrentar os senadores. O advogado de defesa José Eduardo Cardozo disse que a ida de Dilma ainda não está definida, mas é possível que ela decida ir, pois seria uma "estratégia muito pessoal".

A definição das datas foi feita de comum acordo entre os advogados de defesa e acusação, além do presidente da comissão, Raimundo Lira (PMDB-PB), e do relator, Antonio Anastasia (PSDB-MG), que considerou as datas como "factíveis". Confira o cronograma definido até o final do processo.

Junho
27 - Entrega do laudo da perícia
28 - Pedido de esclarecimentos do laudo pelas partes

Julho
1º - Entrega dos esclarecimentos dos peritos
4 - Entrega dos laudos dos assistentes técnicos
5 - Audiência com peritos e assistentes
6 - Depoimento da denunciada
7 a 12 - Alegações finais da acusação
13 a 27 - Alegações finais da defesa
28 a 1º de agosto - Elaboração do parecer

Agosto
2 - Leitura do parecer na comissão
3 - Discussão do parecer na comissão
4 - Votação do parecer na comissão
5 - Leitura do parecer em plenário
9 - Discussão e votação do parecer em plenário
16 - Votação final do julgamento

DILMA IRÁ DEPOR À COMISSÃO DO IMPEACHMENT NO DIA 6 DE JULHO

PODE OPTAR SE ENFRENTA OU NÃO SENADORES NO DIA 6 DE JULHO



A comissão do impeachment no Senador definiu a data de 6 de julho para o depoimento da presidente afastada, Dilma Rousseff. O cronograma foi aprovado sem os votos dos senadores Lindbergh Farias (PT-RJ), Fátima Bezerra (PT-RN) e Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM).



Apesar da expectativa gerada, a data ainda pode ser adiada e Dilma pode decidir se comparece ou não para enfrentar os senadores. O advogado de defesa José Eduardo Cardozo disse que a ida de Dilma ainda não está definida, mas é possível que ela decida ir, pois seria uma "estratégia muito pessoal".

A definição das datas foi feita de comum acordo entre os advogados de defesa e acusação, além do presidente da comissão, Raimundo Lira (PMDB-PB), e do relator, Antonio Anastasia (PSDB-MG), que considerou as datas como "factíveis". Confira o cronograma definido até o final do processo.

Junho
27 - Entrega do laudo da perícia
28 - Pedido de esclarecimentos do laudo pelas partes

Julho
1º - Entrega dos esclarecimentos dos peritos
4 - Entrega dos laudos dos assistentes técnicos
5 - Audiência com peritos e assistentes
6 - Depoimento da denunciada
7 a 12 - Alegações finais da acusação
13 a 27 - Alegações finais da defesa
28 a 1º de agosto - Elaboração do parecer

Agosto
2 - Leitura do parecer na comissão
3 - Discussão do parecer na comissão
4 - Votação do parecer na comissão
5 - Leitura do parecer em plenário
9 - Discussão e votação do parecer em plenário
16 - Votação final do julgamento

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Planeta mais jovem do universo é descoberto por astrônomos


Exoplaneta K2-33b tem aproximadamente 10 milhões de anos.
Astro 'caçula' foi identificado fora do sistema solar, graças a telescópio.



Os astrônomos descobriram o planeta "caçula" do universo. O K2-33b tem aproximadamente 10 milhões de anos, o que o transforma no mais jovem identificado até agora e isso oferece uma "oportunidade única" para entender a formação e o desenvolvimento de outros planetas, entre eles a Terra.

O K2-33b, descoberto graças ao telescópio espacial Kepler, se situa em uma região do universo chamada Escorpião Superior. Por seu tamanho, é parecido com Netuno, que tem cinco vezes a dimensão da Terra, e orbita ao redor de sua estrela uma vez a cada cinco dias, segundo um estudo publicado nesta segunda-feira pela revista "Nature".

Os cientistas responsáveis pela descoberta, entre eles Sasha Hinkley, da Universidade de Exeter (Inglaterra), acreditam que o planeta tem entre 5 e 10 milhões de anos, por isso ainda está em sua infância, se comparado à Terra, que tem 4,5 bilhões de anos.

Assim, o K2-33b é o planeta mais jovem já identificado e um dos poucos recém-nascidos descobertos até o momento, o que proporciona "uma imagem extraordinária do processo de formação" destes corpos celestes, acrescentou Hinkley.

"É muito raro encontrar um planeta na fase de sua infância, o que nos proporciona uma oportunidade única para entender mais sobre como os planetas se formam e se desenvolvem, inclusive a Terra", disse o pesquisador.

saiba mais


Entre as principais curiosidades dos cientistas sobre o K2-33b, Hinkley destacou que os mesmos queriam saber "se o astro se formou no lugar onde foi descoberto, ou se em outro, muito mais longe de sua estrela, e foi se aproximando dela".

Para o astrônomo, isso é "um acontecimento decisivo" que dará oportunidade aos cientistas para conhecer melhor o ciclo da vida dos sistemas planetários.

Assim como é mais fácil entender o desenvolvimento de uma pessoa se é possível estudá-la desde bebê, "nossa compreensão dos planetas só aumentará quando aprendermos mais sobre eles durante sua primeira existência", explicou Hinkley.

Quando as estrelas se formam, elas estão cercadas por densas regiões de gás e pó, chamadas discos protoplanetários, a partir dos quais os planetas se formam. No entanto, quando os astros já têm alguns milhões de anos, os discos quase desaparecem e a formação dos planetas está quase completa.

A estrela ao redor da qual orbita o novo exoplaneta conserva ainda uma pequena quantidade do disco protoplanetário, o que sugere que este está na última fase de seu desaparecimento.

Os astrônomos sabem que a formação de estrelas na região conhecida como Escorpião Superior acaba de se completar, pois cerca de um quarto das estrelas ainda têm discos protoplanetários brilhantes, afirmou Trevor David, o autor principal do estudo.

Hinkley disse que a equipe agora é capaz de estudar com frequência a luz tênue emitida por essa estrela e sua intensidade para determinar a órbita e o tamanho do novo exoplaneta.

sábado, 18 de junho de 2016

Projeto que restaura Marco Legal da CT&I já tem relator



Cristovam Buarque vai ser o relator de projeto que recupera dispositivos vetados no novo marco de CT&I - Foto: Agência Senado O senador Cristovam Buarque (PPS-DF) foi escolhido para ser o relator do Projeto de Lei do Senado (PLS) n° 226/2016, de autoria do senador Jorge Viana (PT-AC), que recupera o texto original do Marco Legal da Ciência, Tecnologia e Inovação (Lei n° 13.243/2016). A matéria chegou na relatoria nesta sexta-feira (10).

Viana havia convidado o senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) para ser relator, como forma de mostrar que o tema de CT&I tem potencial para unir parlamentares tanto da oposição como do governo. Contudo, Buarque também tinha manifestado interesse na matéria. A portas fechadas, Nunes e Cristovam conversaram sobre quem poderia ocupar o cargo.

Buarque já é familiarizado com a agenda de CT&I. O senador é membro da Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT) do Senado e foi presidente do colegiado no ano passado. Nesse período, participou de 50 encontros, sendo 22 reuniões deliberativas, 28 audiências públicas, dois seminários internacionais e duas eleições para instalação da comissão. O grupo também analisou 296 proposições.

Segundo Jorge Viana, o próximo passo é dar regime de urgência ao projeto no Senado, para votá-lo o quanto antes. A ideia é reintegrar completamente os oito pontos do texto que sofreram vetos da Presidência da República. “Não tenho dúvidas que vamos fazer a lei ficar da maneira como ela foi concebida pela comunidade científica, pela Câmara e pelo Senado”, comentou. 

Os dispositivos vetados preveem, entre outras medidas, isenção de impostos previdenciários sobre as bolsas pagas por instituições científicas e tecnológicas públicas; isenção das importações de empresas para atender projetos de P&D; autonomia gerencial, orçamentária e financeira das ICTs públicas que exercem atividades de produção e serviços; e o que dispensa de licitação para contratar micro, pequenas e médias empresas para prestar serviços ou fornecer bens elaborados com aplicação de conhecimento científico e tecnológico.

(Leandro Cipriano, da Agência Gestão CT&I)

quinta-feira, 9 de junho de 2016

Seleção de Discursos da Presidente Dilma






“Antes de Lula, o Brasil estava afunhunhado. Mas o presidente Lula me deixou um legado, que é cuidar do povo brasileiro. Eu vou ser a mãe do povo brasileiro. O Brasil é um dos países mais sólidos do mundo, que, em meio à crise econômica mundial, das mais graves talvez desde 1929, é o país que tem a menor taxa de desemprego do mundo.

“Nós não quebramos, este é um país que tem… tem aquilo que vocês sabem o que é. Por isso, não vamos colocar uma meta. Vamos deixar a meta aberta, mas, quando atingirmos a meta, vamos dobrar a meta. Ajuste fiscal? Coisa rudimentar. Gasto publico é vida. Eu posso não ter experiência de governar como eles governaram; agora, governar gerando emprego, distribuição de renda, tirando 24 milhões da pobreza elevando a classe média, eu sei muito bem fazer.

“Entre nossos projetos, nós vamos dar prioridade a segregar a via de transporte. Segregar via de transportes significa o seguinte: não pode ninguém cruzar rua, ninguém pode cruzar a rua, não pode ter sinal de trânsito, é essa a ideia do metrô. Ele vai por baixo, ou ele vai pela superfície, que é o VLT.

“A mesma coisa nós vamos fazer com o Seguro Defeso, por exemplo. Nós somos a favor de ter Seguro Defeso para o pescador, sim. Agora, não é possível o pescador morar no semiárido nordestino e receber Seguro Defeso, por um motivo muito simples: lá não tem água, não tendo água não tem peixe. Também não seremos vencidos pela zika e dengue; quem transmite a doença não é o mosquito; é a mosquita.

“Antes, também os índios morriam por falta de assistência técnica. Hoje não; pois temos muitas riquezas.

“E aqui nós temos uma, como também os índios daqui e os indígenas americanos têm a deles. Nós temos a mandioca. E aqui nós estamos comungando a mandioca com o milho. E, certamente, nós teremos uma série de outros produtos que foram essenciais para o desenvolvimento de toda a civilização humana ao longo dos séculos. Então, aqui, hoje, eu estou saudando a mandioca. Acho uma das maiores conquistas do Brasil.

“Vocês, dos jogos indígenas, estão jogando com uma bola feita de folhas, e por isso eu acho que a importância da bola é justamente essa, o símbolo da capacidade que nos distingue como… Nós somos do gênero humano, da espécie sapiens. Então, para mim, esta bola é um símbolo da nossa evolução. Quando nós criamos uma bola dessas, nós nos transformamos em homo sapiens ou ‘mulheres sapiens’.

“Eu ouço muito os prefeitos — teve um que me disse assim: ‘eu sou o prefeito da região produtora da terra do bode’. Então, é para que o bode sobreviva que nós vamos ter de fazer também um Plano Safra que atenda os bodes, que são importantíssimos e fazem parte de toda tradição produtiva de muitas das regiões dos pequenos municípios aqui do estado.

“Aqui tem 37 municípios. Eu vou ler os nomes dos municípios... Eu ia ler os nomes, não vou mais. Por que não vou mais? Eu não estou achando os nomes. Logo, não posso lê-los.

“A única área que eu acho que vai exigir muita atenção nossa, e aí eu já aventei a hipótese de até criar um ministério, é na área de… Na área… Eu diria assim, como uma espécie de analogia com o que acontece na área agrícola.

“A Zona Franca de Manaus, ela está numa região. Ela é o centro dela porque ela é a capital da Amazônia. Aliás, a Zona Franca evita o desmatamento, que é altamente lucrativo — derrubar árvores plantadas pela natureza é altamente lucrativo.

“Eu quero adentrar agora pela questão da inflação, e dizer a vocês que a inflação foi uma conquista destes dez últimos anos do governo do presidente Lula e do meu governo. Não acho que quem ganhar ou quem perder, nem quem ganhar nem perder, vai ganhar ou perder. Vai todo mundo perder. A autossuficiência do Brasil sempre foi insuficiente.

“Os homens não são virtuosos, ou seja, nós não podemos exigir da humanidade a virtude, porque ela não é virtuosa. Se os homens e as mulheres são falhos, as instituições, nós temos que construí-las da melhor maneira possível, transformando… aliás isso é de um outro europeu, Montesquieu. É de um outro europeu muito importante, junto com o Monet.

“Até agora, a energia hidrelétrica é a mais barata, em termos do que ela dura com a manutenção e também pelo fato de a água ser gratuita e de a gente poder estocar. O vento podia ser isso também, mas você não conseguiu ainda tecnologia para estocar vento. Então, se a contribuição dos outros países, vamos supor que seja desenvolver uma tecnologia que seja capaz de na eólica estocar, ter uma forma de você estocar, porque o vento ele é diferente em horas do dia. Então, vamos supor que vente mais à noite, como eu faria para estocar isso? O meio ambiente é sem dúvida nenhuma uma ameaça ao desenvolvimento sustentável.

“Aliás, hoje é o Dia das Crianças. Ontem eu disse que criança… o dia da criança é dia da mãe, do pai e das professoras, mas também é o dia dos animais. Sempre que você olha uma criança, há sempre uma figura oculta, que é um cachorro atrás, o que é algo muito importante.

“Por isso, afirmo que não há a menor hipótese do Brasil, este ano, não crescer. Eu estou otimista quanto ao Brasil. Eu sou algo que a humanidade desenvolveu quando se tornou humana.”


Gelo do Ártico está prestes a atingir o menor nível da história






Tem sido um ano quente no Ártico, com o gelo do mar derretendo antes e mais rápido do que já tínhamos visto. Novos dados mostram que o mês de maio teve o menor nível de extensão glacial já registrado, por uma margem considerável. Isso significa que é muito provável que em pleno verão no Hemisfério Norte, o mar Ártico esteja no menor nível da história.

O Climate Central informa que dados do Centro Nacional de Dados sobre Neve e Gelo, instituição dos Estados Unidos que monitora a extensão glacial, mostram que o oceano está coberto com pelo menos 15% de gelo do mar. A questão não se restringe apenas à extensão glacial, que está bem menor do que deveria estar, mas também por ser a quarta pior redução de nível na história.

O mês de maio registrou 12 milhões de quilômetros quadrados de cobertura de gelo do mar. O número é 580 mil quilômetros quadrados menor que o recorde anterior, estabelecido em 2004.






Se o gráfico acima não é assustador o suficiente para você, é fácil ver como as coisas estão feias a partir dessa imagem feita pela NASA do mar de Beaufort, próximo ao Pólo Norte.




Não só é possível notar que há muito mais águas “descobertas” do que deveria para esta época do ano, mas também uma outra tendência que tem preocupado os pesquisadores. Este gelo branco opaco é o que eles chamam de gelo de muitos anos, que é uma geleira feita de gelo do mar que não derrete durante o verão e ajuda a manter a temperatura do oceano local baixa. O problema é que esses gelos antigos estão quebrando e derretendo, o que significa que o gelo da próxima estação será o que eles chamam de “gelo de primeiro ano”, que derreterá tão rápido que não ajudará a manter a temperatura do oceano baixa.

O El Niño pode ter aumentado essas tendências loucas de temperatura com uma onda de calor que levou temperaturas mais altas ao Pólo Norte, mas a evidência agora é óbvia: a região está com taxas de aumento de temperatura duas vezes superior a do resto do planeta — que já está vivendo seus anos mais quentes. O Ártico está claramente com um gelo muito fino.





Imagem do topo: O pesquisador Walt Meier registra gelo derretido no mar de Barrow, no Alasca. Crédito: W. Meier, NASA.

sexta-feira, 20 de maio de 2016

PT irrita Exército





O comandante do Exército, general Eduardo Villas Boas, reagiu com irritação à Resolução do Diretório Nacional do PT sobre Conjuntura, aprovada na última terça­feira, em que o partido, em meio críticas à própria atuação e ao governo Dilma Rousseff, incluiu um “mea culpa” por não ter aproveitado seus 13 anos no poder para duas providências em relação às Forças Armadas: modificar o currículo das academias militares e promover oficiais com “compromisso democrático e nacionalista”. “Com esse tipo de coisa, estão plantando um forte antipetismo no Exército”, disse o comandante ao Estado, considerando que os termos da resolução petista _ e não apenas às Forças Armadas _ “remetem para as décadas de 1960 e de 1970″ e têm um tom “bolivariano”, ou seja, semelhante ao usado pelos regimes de Hugo Chávez e agora de Nicolás Maduro na Venezuela e também por outros países da América do Sul, como Bolívia e Equador. Segundo o general Villas Boas, o Exército, como Marinha e Aeronáutica, atravessam todo esse momento de crises cumprindo estritamente seu papel constitucional e profissional, sem se manifestar e muito menos sem tentar interferir na vida política do país. Ele espera, no mínimo, reciprocidade. Além dele, oficiais de altas patentes se diziam indignados contra a resolução do PT. Há intensa troca de telefonemas nas Forças Armadas nestes dois últimos dias. Eis o parágrafo da Resolução do PT que irritou o Exército, na página 4 do documento: “Fomos igualmente descuidados com a necessidade de reformar o Estado, o que implicaria impedir a sabotagem conservadora nas estruturas de mando da Polícia Federal e do Ministério Público Federal; modificar os currículos das academias militares; promover oficiais com compromisso democrático e nacionalista; fortalecer a ala mais avançada do Itamaraty e redimensionar sensivelmente a distribuição de 5 verbas publicitárias para os monopólios da informação.”