Google+ Badge

sábado, 10 de abril de 2010

Política - O Brasil e a política pós Lula

Em análise de perspectivas para a campanha e as eleições de outubro, o historiador e cientista político Luiz Felipe de Alencastro vê razões para preocupação.

Para o historiador e cientista político Luiz Felipe de Alencastro, os cenários políticos que podem emergir das urnas, em outubro, contêm elementos preocupantes, seja quem for o vencedor. Michel Temer, como eventual vice-presidente de Dilma Rousseff, tenderia a comandar um PMDB fortalecido demais, a ponto de comprometer o poder da presidente.

Quanto a José Serra, Alencastro entende que o ex-governador de São Paulo, embora tenha "muita experiência" e seja "um grande líder", tem "um problema sério", derivado da dificuldade de formular uma proposta que se diferencie de políticas que se mostraram bem-sucedidas no governo Lula. Essa situação pode trazer certo conforto para a candidata do PT, mas está aí outro motivo de inquietação", pois "não é sadio para país nenhum a ausência de alternância política".

Tendo acompanhado de perto a formação dos novos partidos, nos anos 1980, Alencastro conhece a dinâmica interna das principais legendas. No PT, vê o risco de transformação do lulismo no varguismo que o partido combateu em sua origem. Já o PSDB pode ficar circunscrito a São Paulo, enquanto a direita passa por um processo de radicalização semelhante ao dos republicanos nos Estados Unidos.

Sobre Serra: "Tem muita experiência, é um grande líder, mas, com a expectativa em torno de seu nome, vai fazer o quê no governo? Exilado em 1968, Alencastro, então estudante da Universidade de Brasília, foi recebido na França pelo economista Celso Furtado e Raul Ryff, secretário de Imprensa do governo João Goulart. Na Europa, completou a graduação, o mestrado e o doutorado, antes de voltar ao Brasil para lecionar na Unicamp.

Titular da cadeira de História do Brasil na Sorbonne desde 2001, o autor de "O Trato dos Viventes" [Companhia das Letras, 2000] conversou com o Valor num café próximo de sua residência parisiense.

A seguir, trechos da entrevista.

Valor: A revista "The Economist" fez uma matéria de capa sobre o Brasil, dizendo que o futuro chegou para o país do futuro. O sr. compartilha desse otimismo?

Luiz Felipe de Alencastro: Até a oposição compartilha desse otimismo. Dentro e fora do país há um consenso favorável sobre a economia brasileira, sobretudo com a entrada da China no mercado mundial, com uma forte demanda por matérias-primas. O lado negativo é que o comércio externo fica parecido com o que era no século XIX. Há um risco nessa divisão internacional do trabalho que vai se criando, em que o Brasil vira exportador de matérias-primas novamente.

Sobre a candidata do PT: "O real da Dilma são o Bolsa Família, o PAC (...), mas acho problemático ela não ter a experiência de um mandato eletivo" Luiz Felipe de Alencastro: Até a oposição compartilha desse otimismo. Dentro e fora do país há um consenso favorável sobre a economia brasileira, sobretudo com a entrada da China no mercado mundial, com uma forte demanda por matérias-primas. O lado negativo é que o comércio externo fica parecido com o que era no século XIX. Há um risco nessa divisão internacional do trabalho que vai se criando, em que o Brasil vira exportador de matérias-primas novamente.

Valor: E a perspectiva política?


Alencastro: O que me assusta é a ideia de ter Michel Temer como vice-presidente. Ele é deputado há décadas e foi presidente da Câmara duas vezes. Controla a máquina do PMDB e o Congresso à perfeição. Vai compor chapa com uma candidata que nunca teve mandato e é novata no PT. O presidencialismo pressupõe um vice discreto, porque ele é eleito de carona, para trazer alianças e palanques. Aos trancos e barrancos, instaurou-se um sistema presidencialista que tem dado certo no Brasil. O fato de haver dois turnos, associado à integração do vice na chapa do presidente, deu estabilidade ao sistema. Foi assim com Fernando Henrique e Marco Maciel. Foi assim com Lula e José de Alencar. Dilma e Temer formam uma combinação inédita: uma candidata até então sem mandato associada a um político cheio de mandatos e dono do PMDB, que é o maior partido do Brasil, mas nunca elegeu um presidente e vai com sede ao pote. O PMDB pode estabelecer um vice-presidencialismo, com um papel de protagonista que seria descabido.

Leia a entrevista completa no Valor Econômico Aqui

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Pedofilia - Cancer que corroe a alma paraense

Aqui é onde a mensagem bíblica é mais expressiva: "A quem todo tem, todo lhe será dado e em dobro. Y quem nada tem todo lhe será tirado, inclusive aquilo pouco que tem".

A dignidade era o único que a criança paraense possuía, e até isso lhe foi tirado. 

O criminoso continua solto, livre e feliz.

O ex-deputado estadual Luiz Afonso Seffer, acusado de ter abusado sexualmente de uma adolescente, hoje com 18 anos de idade, depôs na tarde desta quinta-feira, no Fórum Criminal de Belém. Foram quatro horas de depoimento à portas fechadas.

Ao sair, Seffer demonstrou uma aparência confiante e serena, e preferiu não se pronunciar. Já o advogado de Seffer, Osvaldo Serrão, disse que a expectativa é de absolvição. Após a fase de depoimentos que terminou hoje, está aberto o período de diligências, onde defesa e acusação terão cinco dias para acrescentar algum documentos nos autos e, posteriormente, o período de apreciação ou alegações finais, com cinco dias intervalares, onde as partes irão se manifestar pela última vez antes do processo voltar para as mãos da juíza e esta anunciar a sentença.

(Diário Online com informações Diário do Pará)

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Eleições paraenses - A verdade só é verdadeira se falada por quem exerce o poder

Não adianta um simples mortal produzir uma matéria sobre qualquer assunto.

Esta pode ser lapidar, nítida, clara, precisa e estar submetida a qualquer prova. Entretanto, só será certa e clara, quando publicada por aquele que tem cobertura na imprensa. Um burro, semi-letrado ou até analfabeto, não importa, ele está no poder e sua notícia será a que rodará pelos jornais e meios de imprensa.


Veja o que tenho falado sobre as eleições no Pará.

Sem mais comentários.

Muito se fala sobre as chapas dos candidatos à eleição de 2010. Alianças, acordos em 2010, o pagamento em 2014 o apoio em 2012 no pleito para a prefeitura, etc.etc.etc. Só exercício para dar trabalho a jornalistas sem notícia que publicar. Os paparazzis dos textos saem por aí caçando fofocas políticas, interpretando jantares de candidatos, reuniões secretas, relação de acordos e compromissos de hoje, para cumprir nos próximos anos, nas próximas eleições, até na próxima década. Muitas bobagens e disso muitos vivem e muitos leitores adoram ler essas besteiras. Mas cansa e muito ouvir ou ler tanta estupidez reunida em parágrafos desconexos.

Têm jornalistas que todo dia revelam algum segredo dos possíveis candidatos. Tipo assim: Sabem com quem vai jantar hoje o Jader? Ah, não sabem?, Pois eu vou falar: vai jantar com a mesmíssima governadora. E o cardápio qual vai ser?, O clima do Belém, seguramente.

Outra. O Dudu sumiu da Prefeitura, o que andará fazendo no rio de Janeiro, Não deve ser vistoriando as enchentes, com o Prefeito do Rio, claro. Logo mais: O Puty, ex-chefe da Casa Civil viajou para São Paulo, no fim de semana, veja aqui (e mostra o DOE) as diárias que leva para torrar na capital paulista.

Mais uma: Jader falou que sua decisão sairá nesta semana, vai dedicar o feriado de páscoa, vai conversar com sua família e na próxima semana falará ao povo paraense sua decisão. Claro ele é um soldado do partido e ouvirá o seu PMDB.

E o Jatene. Ah ele pegou um avião, o das 4h00 da matina e foi, sabem para onde? Eu sei! Foi para....São Paulo e daí para Bertioga, não precisamente a tomar um banho nas ondas do mar paulista. E por aí vai meu caro leitor. Você pode passar longas horas lendo e rindo, -ou chorando-, de ouvir e ler tanta bobagem. 90% é lixo, nada agrega ao nosso já atrofiado intelecto. Não agregam conhecimento nem conteúdo essas oligofrênicas análises.

Sobre as eleições pouco pode mudar de como já foi definido e claro terão algumas surpresas sobre candidatos a deputado, e até um senador que entre no páreo. Mas, para governador, isso já está definido faz muito, muitíssimo tempo. E me ouçam, caros jornalistas profissionais: a partir dessa definição é que se faz a análise e não ao contrário.

Então o Básico no Pará é assim: Ana Julia candidata a reeleição e, possivelmente será eleita, dependendo de quão grande seja o estomago do Jader para entregar todo seu apoio. Mas, mas, como ele vai para o Senado e também deve contar com o apoio (discreto) do PT, Ela&Ele serão eleitos. O resto é conseqüência.

Pedofilia - Igreja dos Estados Unidos campeã do crime

Nos Estados Unidos é a prórpia igreja a responsável pelo aumento de um dos maiores crimes da história moderna: a pedofilia.

No coração do império romano dos nossos dias, os Estados Unidos da américa, apenas na igreja católica, foram registrados más de 4.392 curas e diáconos católicos que abusaram sexualmente de ao menos 10.677 crianças estadounidenses entre 1950 e 2002.

Veja a matéria completa no Jornal chileno "El Mercurio" Aqui