Google+ Badge

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Eduardo Campos será candidato em 2014, disse Prefeito de Belo Horizonte, que é do mesmo partido


Campos parece estar “bastante decidido” em ser candidato, diz Lacerda




BRASÍLIA - O governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), demonstra estar bastante decidido em ser candidato a presidente da República em 2014, segundo afirmou a avaliação foi feita nesta quarta-feira pelo prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda (PSB), correligionário de Campos.

“Isso é uma posição do nosso presidente do partido e da direção nacional de colocar a candidatura dele como uma possibilidade concreta. A impressão que se tem é que ele está bastante decidido”, afirmou Lacerda, após o II Encontro dos Municípios com Desenvolvimento Sustentável, evento promovido pela Frente Nacional de Prefeitos.

“Naturalmente, a direção nacional vai ter que se posicionar sobre isso e as direções estaduais no momento certo, já no próximo ano. Mas, é uma aspiração legítima dele como líder político.”

Para Lacerda, porém, é preciso aguardar para ver qual será o cenário que se desenhará no ano que vem. “São cenários que podem acontecer. Pode ser candidato como pode não ser, depende das circunstâncias. Se a eleição fosse hoje, possivelmente ele seria candidato, assim como o senador Aécio [Neves, PSDB-MG]. Se a eleição fosse hoje, possivelmente a presidente Dilma seria imbatível. Então, cada momento tem a sua realidade e o seu cenário. Vamos aguardar”, ponderou o prefeito, que no âmbito estadual é aliado de Aécio.O prefeito de Belo Horizonte sublinhou que pessoalmente ainda não tem uma posição se apoia a candidatura própria do PSB. Uma ala do partido resiste à ideia.

“O PSB tem algo a contribuir para o país, e daqui a um ano vamos ver o que será de fato a decisão. Particularmente, eu, como filiado ao PSB, neste momento não tenho posição. De fato, a minha prioridade como prefeito recém-eleito é cuidar da cidade e cumprir meus compromissos de campanha”, disse.

Lacerda também negou estar disposto a lançar-se na disputa pelo governo de Minas Gerais em 2014.

“Eu, pessoalmente, não me coloco como pré-candidato. O meu compromisso é com a cidade e a administração municipal.”

(Fernando Exman e Lucas Marchesini | Valor)

Multam gigante da internet

Alemanha multa Google em 145 mil euros por violação de privacidade




HAMBURGO (ALEMANHA) - Autoridades alemãs multaram hoje o Google por coletar ilegalmente grandes quantidades de dados pessoais, incluindo e-mails, senhas e fotos, com o estabelecimento de seu serviço de imagens Street View, informou a agência de notícias francesa “AFP”.

O escritório de proteção de dados de Hamburgo afirmou que cobrou 145 mil euros da gigante da internet por violação de privacidade em uma “escala sem precedentes”, como chamou o caso.O governo descobriu que, enquanto os veículos equipados com câmera pelo Google tiraram fotos entre 2008 e 2010 para o Street View, também acabaram reunindo informações de redes sem-fio inseguras. “Entre os dados coletados, havia porções significativas de informações pessoais de qualidades variadas. Por exemplo, e-mails, senhas, fotos e históricos de conversa via internet foram reunidos”, explicou o órgão, em nota.

Reclamações do tipo foram feitas desde que a americana iniciou a operação de seu serviço de fotos de localidades. Mas, para Johannes Caspar, diretor do escritório de proteção de dados de Hamburgo, “esse caso é uma das maiores violações de privacidade da história”.

(Dow Jones Newswires)

domingo, 21 de abril de 2013

Tem alguém mais chato do que vc, acredite.



Há chatos e chatos. Há o chato pegajoso, o chato que telefona muito, o chato que cutuca. Há o enochato, que faz questão que você saiba que ele sabe tudo sobre vinhos, e o ecochato, assim chamado porque se preocupa demais com ecologia ou porque vive se repetindo, como um eco.
Há o egochato, cujo único assunto é ele mesmo, e o chato hipocondríaco, uma especialização do egochato, cujo único assunto é sua própria saúde, ou falta dela. Há o chato invasivo, que fala a centímetros do seu nariz, e o chato hiperglota, que não para de falar.
Mas também há — embora seja raro — o chato que se flagra, que tem consciência de que é chato e quer se regenerar, e que diz muito “Eu estou sendo chato? Hein? Hein?” e portanto é o pior chato de todos.
Tem o caso daquele chato com autocrítica que decidiu pedir ajuda, mas não sabia quem procurar. Chatice não se cura com remédios ou com exercícios, muito menos com cirurgia. Não existem clínicas para a recuperação de chatos. O que fazer? Nosso chato resolveu consultar um psicanalista.
— É que eu sou chato, doutor, e sei que sou chato.
— Deve ter alguma coisa a ver com sua mãe.
— Minha mãe? Por que minha mãe?
— É que na psicanálise sempre partimos da hipótese de que, seja o que for, a culpada é a mãe. Facilita o tratamento. Mas me fale da sua infância.
— Bem, na escola meu apelido era “Sarna”. Também me chamavam de “Desmancha Bolinho” porque, assim que eu chegava num grupo, o grupo se desfazia.
— Sua família também o achava chato?
— Não sei. Mas desconfiei quando, nos meus dezoito anos, eles me deram as chaves da casa e em seguida mudaram todas as fechaduras.
— E sua vida amorosa?
— É normal, eu acho. Até me casei, embora minha mulher alegue que meu pedido de casamento a fez dormir e que só saiu do estado comatoso no altar, onde teve que dizer “sim” para não dar vexame. Hoje vivemos bem, em casas separadas, apesar de eu só poder visitá-la nos dia 29 de fevereiro, se ela não mandar dizer que não está. Tivemos um filho que eu ninava quando era bebê, mas ele fingia que dormia para eu parar. É o efeito que eu tenho nas pessoas, doutor. Ser chato é uma fatalidade biológica ou a chatice é um produto do meio? É possível deixar de ser chato com algum programa de reorientação? É o meu tom de voz que chateia ou o que eu digo? Ou as duas coisas juntas? Hein, doutor? Doutor...? Doutor...? Acorde, doutor!
Luis Fernando Veríssimo

O Queridinho da vez

 Socorro a Eike terá gigante da Rússia, malaios e Petrobras

Em vez de cuidar da crise econômica, financeira e de tecnológica na que se encontram as pequenas e meias empresas, que geram 90% dos empregos do País, o governo Federal cuida das suas "empresas queridinhas" a VALE e as empresas do Eike Batista

Matéria da Folha. RENATA AGOSTINI DE BRASÍLIA

Petroleira Lukoil negocia compra de cerca de 40% da OGX, cujas ações acumulam desvalorização de 90% em um ano.


Empresário negocia venda de parte de campo com a Petronas por US$ 1 bi e parcerias com estatal brasileira.

O socorro ao combalido grupo X, como é conhecido o império de empresas de Eike Batista que levam por superstição a letra nos seus nomes, começará pela petroleira OGX. O plano envolve um sócio russo, a venda de ativos e parcerias com a Petrobras em novos campos de petróleo.

Segundo a Folha apurou, a empresa negocia de forma avançada com a petroleira russa Lukoil, que pretende atrair como parceira, e com a malaia Petronas, para quem deseja passar parte de campo de petróleo para fazer caixa.

Os executivos de Eike já iniciaram também conversas com a Petrobras para firmar parcerias em campos da estatal, nos quais assumiria o posto de operadora.

Iniciar o resgate do grupo pela OGX é estratégico para Eike, que está sendo assessorado pelo BTG. De suas seis empresas com ações negociadas na Bolsa, foi dela o maior tombo --queda de 90% no valor dos papéis em um ano.

A crise de confiança contaminou várias operações do grupo. Ainda assim, a OGX representa quase um terço do império X, avaliado em pouco mais de R$ 14 bilhões.

O centro da estratégia está na Lukoil. A ideia é atrair a companhia, quarta maior petroleira privada do mundo, como sócia da OGX, cedendo participação de cerca de 40% no capital total da brasileira.

A fatia, segundo executivos próximos à operação, é suficiente para que os russos possam consolidar os números da OGX em seu balanço sem que Eike perca o posto de controlador de sua petroleira, considerada a "joia da coroa" do seu grupo.

A Lukoil esquadrinha os números da OGX desde o início do ano. Para isso, foi montado um "data room" --banco de dados com informações estratégicas da companhia.

A avaliação inicial foi positiva e, há cerca de um mês, os russos contrataram o escritório brasileiro Pinheiro Guimarães para iniciar a chamada "due diligence", uma averiguação detalhada dos ativos e informações da companhia antes da aquisição.

No momento, os advogados estão debruçados sobre detalhes como obrigações trabalhistas e de conteúdo local.

LEILÃO À VISTA

A expectativa é que o negócio possa ser fechado no início de maio, a tempo da 11ª rodada de licitações para áreas de exploração de petróleo, programada para os dias 14 e 15 e que oferecerá 289 blocos.

Para a OGX, a sociedade traria musculatura --e capital-- para uma oferta mais agressiva na disputa. A empresa precisa de novas áreas após campanha exploratória com resultado abaixo do "vendido" aos investidores.

Já os russos ganhariam um valioso atalho ao mercado brasileiro, ao ter acesso a uma empresa com corpo técnico já formado e considerado de boa qualidade.

Paralelamente, os executivos de Eike negociam a venda de 40% do campo de petróleo Tubarão Martelo para a Petronas, por US$ 1 bilhão.

Segundo apurou a Folha, as negociações estão em ritmo acelerado. O diretor jurídico da OGX, José Roberto Faveret, foi a Kuala Lumpur, na sede da Petronas, negociar os termos finais da operação.

A venda do campo traria alívio imediato à OGX, dispensando Eike de capitalizar a empresa --em outubro, o empresário se comprometeu a injetar US$ 1 bilhão do próprio bolso na empresa caso o plano de negócios estivesse comprometido por falta de caixa.

Em outra frente, a OGX movimenta-se para fechar parcerias com a Petrobras em campos já em operação. As conversas já foram iniciadas, segundo executivos do grupo, que falam sob reserva.

A intenção da OGX é entrar como sócia da estatal em alguns campos, assumindo o papel de operadora.

Procurada, a petroleira de Eike se limitou a dizer, por meio de nota, que "as informações não procedem".

Colaborou MARIANNA ARAGÃO, de São Paulo

UFPA marca presença no VII Fortec



A UFPA, por meio da Agência de Inovação Tecnológica (Universitec), participa da VII Edição do Fórum Nacional dos Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia (Fortec), até esta quarta-feira, 17, das 8h às 18h, no Hotel Ouro Minas, na cidade de Belo Horizonte – MG. Belém foi sede da VI edição do evento, organizado pela Rede Namor.

Participação - A Universitec, desde 2009, tem participado ativamente dos encontros do Fortec, sendo, inclusive, uma de suas instituições afiliadas. A agência está sendo representada pelo diretor da Universitec, professor Gonzalo Enríquez, e pelos servidores Gabriel Oliveira, coordenador da Consultoria e Serviços Tecnológicos (CST), e Rosângela Cavaleiro, da Coordenadoria de Propriedade Intelectual da agência. O evento é considerado importante em função das discussões sobre as áreas de Inovação Tecnológica, Propriedade Intelectual e Empreendedorismo, apresentadas por meio de palestras e minicursos, ministrados por especialistas nacionais e internacionais.

Inovação - Temas para alavancar o nível e a eficiência dos Núcleos de Inovação Tecnológica (NITS), de modo que auxiliem na estruturação e no fortalecimento do Sistema Nacional de Inovação (SNI) brasileiro, a troca de experiências com especialistas internacionais e nacionais da área de Inovação e Tecnologia, a fim de apresentar formas de maximizar a proteção do conhecimento e a transferência de tecnologia, são assuntos diretamente ligados aos NITS da Região Amazônica.

Participam do evento, também, representantes de Núcleos de Inovação do Pará (NITS), da Rede de Núcleos de Inovação Tecnológica da Amazônia Oriental (Rede Namor). A Rede Namor, coordenada pelo Museu Paraense Emílio Goeldi, tem como integrantes as seguintes instituições: Universidade Federal do Pará (UFPA), por meio de sua Agência de Inovação (Universitec), Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA); Instituto Federal de Ciência, Tecnologia e Inovação do Pará (IFPA), Universidade Estadual do Pará (UEPA), Universidade Federal do Amapá (Unifap), Universidade Federal do Tocantins (UFT); Centro de Ensino Superior do Pará (Cesupa); Embrapa Amazônia Oriental, Fundação UNITINS e Rede de Núcleos de Inovação Tecnológica da Amazônia Ocidental (Rede Amoci).

Sobre o Fórum - O Fortec ocorre anualmente. Trata-se de uma Associação Civil de Direito Privado e, entre os seus objetivos, está disseminar a cultura da inovação, da propriedade intelectual, da transferência de tecnologia e do empreendedorismo.

Texto: Hellen Lobato – Ascom / Universitec
Foto: Divulgação