Google+ Badge

sexta-feira, 19 de junho de 2009

EDUCAÇÃO - O STF DEU MAIS UM GOLPE À EDUCAÇÃO, AO CONHECIMENTO E À INTELIGÊNCIA

Por maioria, o Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, nesta quarta-feira, que é inconstitucional a exigência do diploma de jornalismo e registro profissional no Ministério do Trabalho como condição para o exercício da profissão de jornalista.

O entendimento foi de que o Decreto-Lei 972/1969, baixado durante o regime militar, não foi recepcionado pela Constituição Federal (CF) de 1988 e que as exigências nele contidas ferem a liberdade de imprensa e contrariam o direito à livre manifestação do pensamento inscrita no artigo 13 da Convenção Americana dos Direitos Humanos, também conhecida como Pacto de San Jose da Costa Rica.

A decisão foi tomada no julgamento do Recurso Extraordinário (RE) 511961, em que se discutiu a constitucionalidade da exigência do diploma de jornalismo e a obrigatoriedade de registro profissional para exercer a profissão de jornalista. A maioria, vencido o ministro Marco Aurélio, acompanhou o voto do presidente da Corte e relator do RE, ministro Gilmar Mendes, que votou pela inconstitucionalidade do DL 972.

Para Gilmar Mendes, “o jornalismo e a liberdade de expressão são atividades que estão imbricadas por sua própria natureza e não podem ser pensados e tratados de forma separada”, disse. “O jornalismo é a própria manifestação e difusão do pensamento e da informação de forma contínua, profissional e remunerada”, afirmou o relator.

Felizes devem estar os que não freqüentaram a universidade (por diversas razões que não são aqui discutidas) para conseguir diploma de jornalista.

A obrigatoriedade de um diploma universitário e o registro no colégio da ordem de jornalistas, para exercer a profissão, não é atentado à liberdade de imprensa, não é uma medida que afete a capacidade de exercer uma função de comunicação ante a população e nem um requisito burocrático surgido na ditadura para proibir a liberdade de expressão.


É um verdadeiro atentado à inteligência, ao conhecimento e a educação do povo brasileiro.

Tristes os que estudaram 5 anos, disciplinas como gramática, português, línguas estrangeiras, literatura, redação, sociologia, estudos comparados da América Latina, Linguagem e literatura, redação jornalística, ética e tratamento jornalístico, semiologia, cultura visual contemporânea, liberdade de expressão, comunicação interpessoal, análise da imagem fixa, da imagem áudio visual, estudos culturais, produção jornalística radial, jornalismo televisivo, enfoques latino-americanos, análise da imagem audiovisual, oficinas de crônica, entrevistas, redação, reportagem, expressão oral e corporal (oficinas repetidas durante os 5 anos que dura o curso de graduação, de tempo integral), clássicos da comunicação, o problema do conhecimento, cultura de massas e indústria cultural, epistemologia da comunicação, comunicação política e espaço público, criação de médios escritos, gestão da comunicação externa e interna. E assim por diante durante 5 anos.

Infelizmente, o Brasil está na contramão da história, por enquanto as necessidades de capacitação aumenta na maioria dos países, no Brasil a tendência é nivelar por baixo tudo o que se refere à educação.


veja aqui a decisão do STF

Entre aqui e veja na Universidade do Chile a GRADE CURRICULAR do curso de jornalismo e envie para os membros do STF para que não apenas se refiram aos países onde o Diploma de jornalista não é exigência e sim analisem os casos onde é obrigatório e não por isso a liberdade de imprensa é violada

Faculdade de jornalismo Universidade do Chile Grade Curricular (em formato PDF)

POLÍTICA - MORRE NO CHILE A VIUVA DE SALVADOR ALLENDE



ASSISTA VÍDEO COM O HINO DA CAMPANHA PRESIDENCIAL DE ALLENDE

ESPORTE - VEJA "O GORDO"

ECONOMIA - Política monetária chilena, os juros continuam caindo

O jogo di aumento ou diminuição dos juros é o brinquedo mais utilizado da política monetária. O problema é que alguns países de economia já estabilizada não tem muito para onde correr porque a taxa de jurus está no limite. Na américa Latina o chile é um desses países.

SÃO PAULO - O Comitê de Política Monetária do Banco Central do Chile cortou hoje o juro básico do país em 0,5 ponto percentual. A taxa passou a ser de 0,75% anuais. O cenário de estabilidade de preços, queda da atividade econômica e relativa melhora das condições externas justificou a determinação.Segundo comunicado emitido para anunciar a decisão, o comitê avaliou que " será necessário manter o estímulo monetário por um tempo mais prolongado do que o implícito nos preços dos ativos financeiros " . A estimativa é de que a inflação fique em torno de 3% no horizonte da política monetária.

Para o BC chileno, as pressões inflacionárias estão reduzidas e o desemprego aumentou. As estimativas do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre são negativas na comparação com 2008 e a oferta de crédito permanece apertada, embora já com uma reação ao " impacto do maior estímulo monetário " . Do lado externo, o comitê lembra que as bolsas de valores se recuperaram e os prognósticos sobre a atividade econômica mundial se estabilizaram. Além disso, o BC chileno menciona que as cotações de commodities subiram, especialmente as do cobre e do petróleo.

Valor Econômico

ECONOMIA - A prorrogação da Redução de impostos sobre Produtos Industrializados (IPI) "To be, or not to be: that is the question"

Apesar de que o governo já decidiu o que fazer sobre a prorrogação da diminuição do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), ainda a população está com a expectativa de que a medida seja prorrogada por mais tempo. em entrevista recente, o Ministo Mantega não se manifestou sobre essa possibilidade. Na realidade, a medida de redução de impostos trouxe mais benefícios do que perdas para o governo. Por um lado diminuiu a arrecadação de impostos, entretanto, aumentaram as vendas e também o pagamento de impostos. O que pareceria ser uma troca de seis por meia duzia, foi um benefício político importante para o governo, principalmente em mopmentos de uma crise que se anunciava como aguda crise econômica internacional.
SÃO PAULO - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, voltou a ser evasivo quanto à prorrogação, ou não, do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) reduzido para a compra de veículos. " A redução termina no final do mês, e a população tem mais duas semanas para comprar " , disse o ministro.

Ele completou que o governo "não sabe o que vai fazer depois" a respeito dessa desoneração. Mantega comentou que " o incentivo funcionou muito bem " , destacando que a queda do IPI fez com que o setor automobilístico ampliasse as vendas e recuperasse níveis pré-crise." Apenas em três países o setor automobilístico retomou as vendas em patamares de antes da crise " global, iniciada em setembro de 2008, disse Mantega. Além do Brasil, ele citou Alemanha e China. O ministro comentou ainda que a redução do IPI está ajudando a ampliar as vendas, também, de eletrodomésticos da linha branca e de materiais da construção civil.

Valor OnLine

quarta-feira, 17 de junho de 2009

AMAZÔNIA, PARÁ - Assassinato na Amazônia, quantas irmãs dorithy mais? murder in the Amazon, Dorothy how many more?

Por enquanto o mundo discute sobre o papel estratégico da biodiversidade, da Amazônia e a necessidade de se conservar a floresta em pé, aqui mesmo na Amazônia os atores da barbárie continuam avançando sobre a floresta, aumentando o desmatamento, destruindo um dos patrimônios mais importantes da sustentabilidade do Brasil.
O líder dos camponeses assassinado, não tinha o prestígio da irmã Dorothy nem a família conta com recursos para exigir o esclarecimento e condena do assassinato. Esse será mais um crime que ficará impune em um Estado onde pouco tem sido feito para melhorar as condições de segurança combater a violência, que os donos dos latifúndios e das grandes extensões de terra promovem, com seus pistoleiros armados fora da lei.

Veja nota de pesar da ADUFPA

Uma das mais expressivas lideranças do movimento camponês no Pará foi encontrada morta nesta segunda-feira (15), numa região próxima ao município de Conceição do Araguaia, sul do Pará. O ativista social Luis Lopes, coordenador da Liga de Camponeses Pobres do Pará e Tocantins (LCP), foi encontrado com dois tiros na cabeça, o que caracteriza um típico crime de execução.

Os indícios apontam que o assassinato ocorreu às proximidades da Fazenda Batente. Em 2007, Luis Lopes foi um dos grandes mobilizadores para a tomada da Fazenda Forkilha, um dos grandes símbolos do latifúndio naquela região. Na ocasião, o movimento foi duramente reprimido pelo Governo Ana Júlia Carepa durante a operação “Paz no Campo”. Além do terror praticado pelos militares, os camponeses foram alvos de ameaças e tentativas de intimidação por parte dos latifundiários.

A ADUFPA lamenta a perda de mais um companheiro de luta e manifesta profunda solidariedade aos movimentos sociais de trabalhadores camponeses no Pará.

Diretoria da ADUFPA

Na Íntegra no site do ADUFPA

ENTRETENIMENTO & CULTURA - A origem dos números arabigos

Os números que utilizamos no dia dia estão formados por algarismos (1, 2, 3, 4,5,6,7,8,9, e 0) são os números arábicos que foram difundidos pelos árabes como forma de distinguir dos algarismos romanos, representados pelas letras (I, II, III, IV, V, VI, VII, VIII). Diz a história que os fenícios que deram inicio na utilização dos números arábicos que hoje regem nosso dia a dia, segundo fatos, utilizavam os números para contar e fechar a contabilidade de seus comércios.

Mas por que 1 é um, 2 é dois e 3 é três? A lógica é simples, veja abaixo a tabela que ilustra o segredo dos números. A resposta está nos ângulos. Cada número representa a quantidade de ângulos na forma pela qual a mesma se apresenta, como mostra a figura a seguir.


terça-feira, 16 de junho de 2009

MEIO AMBIENTE - CARLOS MINC SOLTA O VERBO NA UnB/CDS

Hoje o Ministro do meio Ambiente Carlos Minc proferiu palestra no Centro do Desenvolvimento Sustentável da Universidade de Brasília.

Para cerca de 300 alunos, professores e pesquisadores o Ministro disse, que por enquanto, na maioria dos países do mundo se estão desenhando políticas e se está lutando para diminuir a destruição das florestas e ampliar os biomas, no Brasil, no Congresso Nacional, procura-se, por todos os meios, de elaborar políticas para ampliar a base de desmatamento dos diferentes biomas, para aumentar as áreas da pecuária, da soja e de outros plantios que contribuem com o desmatamento.

Carlos Minc teve como debatedor ao Senador Cristovam Buarque que questionou a falta de um “casamento” ou entrosamento entre a política ambiental e a produtiva do Brasil.

Segundo o senador o MMA não se entende com os outros ministérios, em particular com Mangabeira Unger e perguntou ao Ministro como ia esse “casamento”.
Cristovam Buarque disse que no governo Lula apenas dois Ministros mereciam destaque especial: a Ministra Marina Silva e Carlos Minc, os outros são a mesma coisa que ministros dos governos passados, sem nenhuma diferença.

O Ministro Minc disse que Mangabeira é uma pessoa brilhante, inteligente e conta com boas idéias, entretanto, ele não tem a costume de trabalhar em equipe, a dialogar, ele lê muito e também escreve. Prova disso é que realizou uma proposta para a Amazônia, só que não dialogou com o MMA, realizou uma proposta para a Defesa do Brasil e nem conversou com o Ministro Jobim, realizou uma proposta para o desenvolvimento do Nordeste e nem visitou o Ministro de Integração Regional.

Em fim, Carlos Minc estava inspirado, retornando de uma sabatinada onde teve que dar explicações sobre sua participação nas marchas em defesa dos homossexuais e da maconha.

Ah, ah, também falou da Senadora Abreu chamada de “Rainha do Desmatamento”. Olha que segundo ele mesmo disse que estava proibido pronunciar o nome de certos Ministros do Governo Federal, mas falou e muito, inclusive faliu de um Ministro, segundo deu a entender, hoje lider dos pecuaristas e ruralistas.......

Amazônia, Pará - Maneschy Reitor, compromisso de fazer a Universidade crescer, com um 'diferente modelo de gestão'


Após dois meses de espera, foi publicada ontem, pelo Diário Oficial da União, a nomeação do professor Carlos Edilson de Almeida Maneschy como novo reitor da Universidade Federal do Pará (UFPA). Maneschy, que será o 12º reitor da instituição, foi o vencedor da eleição homologada no dia 30 de março, depois da 4ª Reunião Ordinária do Conselho Universitário (Consun) e assumirá o comando da Universidade no proximo dia 2 de julho.

A demora no processo de nomeação é vista como 'dentro do previsto', de acordo com a Assessoria de Comunicação da UFPA, já que também estavam sendo nomeados, no mesmo período, reitores em outras instituições. Porém, esse não foi o único motivo do atraso. No dia 22 de dezembro do ano passado, o Consun homologou o resultado que dava vitória a Maneschy, com 47 votos a 30, e elaborou a lista tríplice, a qual foi rejeitada pelo Ministério da Educação (MEC), pois não estava de acordo com a Lei nº 9192 de 1995, que somente prevê a regulamentação da nomeação se a lista estiver nos moldes que esta determina. Por esse motivo, foram feitos ajustes na lista tríplice, que, em um primeiro momento, foi enviada com quatro nomes.

O novo reitor comenta que a demora ocorreu principalmente pelas discursões promovidas na Universidade, mas não pelo fato de a primeira lista enviada ter sido rejeitada. Com toda a repercussão sobre a demora e boatos de que ele não mais seria nomeado, Maneschy afirma ter se mantido confiante de que o Conselho iria ratificar a decisão da comunidade, que o elegeu.

Dando inicio a um novo período, o reitor traz como propostas a excelência na formação dos estudantes de graduação, com investimentos para a melhoria da qualidade dos cursos; a consolidação da instituição como uma universidade multicampi, promovendo a mobilidade de alunos e professores, para que os campi dos municípios do interior seram considerados de mesma qualidade que o da capital; investimentos no projeto de comunicação mais profissionalizada, fazendo com que a comunicação funcione dentro e fora da Universidade.

Com sua equipe de pró-reitoria já definida - o vice será Horácio Schneider -, Maneschy diz que vai tentar impor um novo ritmo institucional e aponta que irá incentivar a participação de todos no compromisso de fazer a Universidade crescer, com um 'diferente modelo de gestão'

Fonte O Liberal

segunda-feira, 15 de junho de 2009

AMAZÔNIA, PARÁ - CARLOS MANESCHY NOMEADO REITOR DA UFPA PELO PRESIDENTE LULA

Foi publicada na seção 2 (Ano L, N. 111) do Diário Oficial da União desta segunda-feira, 15 de junho de 2009, a nomeação do professor Carlos Edilson Maneschy para a reitoria da Universidade Federal do Pará. Para ver o documento assinado pelo presidente da República, acesse:
O ATO DA POSSE SERÁ REALIZADO DIA 02 DE JULHO DE 2009.

A conspiração dos emergentes. Brasil, Rusia, India e China se reúnem para buscar alternativas à crise (em espanhol)


El País.com
Uno de los organismos internacionales informales más importantes del mundo es el llamado BRIC, que reúne a Brasil, Rusia, India y China (las iniciales dan nombre al grupo), y que se ha convertido en uno de los centros de debate más interesantes. Los líderes de los cuatro países, que se reunieron por primera vez en mayo de 2008, volverán a encontrarse mañana en Yekaterimburgo (Rusia). No se esperan acuerdos espectaculares ni el anuncio de un programa común, pero sí un decisivo intercambio de opiniones.

Los BRIC, que representan la mitad de la población mundial, el 23% del PIB y más del 40% de la superficie de la Tierra, quieren aprovechar la crisis para organizar un sistema internacional que deje mucho más margen de maniobra que el actual para alternativas y experimentos sociales y políticos, explicó a EL PAÍS Roberto Mangabeira Unger, ministro brasileño de Asuntos Estratégicos, que acaba de participar en Moscú en una reunión preparatoria de la cumbre de junio.

Los cuatro países del BRIC reclaman un mayor protagonismo en las decisiones mundiales y coinciden en una agenda de cinco puntos, en la que destaca el debate sobre el dólar como moneda de reserva; el papel de organismos como el G-20 y el propio BRIC; la reestructuración del régimen mundial de comercio; garantías para la seguridad, con una reconsideración del papel del Consejo de Seguridad de Naciones Unidas, y que la agenda de no proliferación nuclear sea paralela a nuevas conversaciones sobre desarme.

Los BRIC suman la mitad de
la población y el 23% del PIB
del mundo

En la reunión de Moscú participaron, además de Mangabeira, el secretario del Consejo de Seguridad de Rusia, general Nikolái Pátrushev; Dai Bingguo, uno de los cuatro miembros del Consejo de Estado de China, y el consejero de Seguridad de India, K. M. Narayanan. Los cuatro países mantienen discrepancias en temas fundamentales, como la posición de la Organización Mundial del Comercio (OMC) respecto al proteccionismo agrícola, que India y China defienden a capa y espada para proteger su agricultura familiar, mientras que los intereses de Brasil, gran exportador de alimentos, por ejemplo, van claramente en la otra dirección. Aún así el acercamiento de posiciones en los cinco puntos mencionados supone una de las grandes novedades mundiales y la reunión de junio está despertando un extraordinario interés en todos los círculos políticos internacionales.

Veja a Reportagem completa aqui

domingo, 14 de junho de 2009

AMAZÔNIA, BELÉM - ATÉ O PRESIDENTE LULA FICOU IRRITADO PELA DESCLASSIFICAÇÃO DE BELÉM DA SUB-SEDE DA COPA 2014

Dois gols contra

Gol contra 1. Lula ainda não engoliu o fato de Belém (PA) ter ficado de fora da lista das 12 capitais da Copa em 2014. Ele se empenhou pessoalmente na tentativa de emplacar o Estado governado pela petista Ana Júlia Carepa entre os escolhidos.

Gol contra 2. A irritação de Lula ficou ainda maior quando chegou ao Planalto a versão de que a entrada de Natal (RN) no grupo dos 12 foi fruto de um lobby bem sucedido do senador José Agripino (DEM-RN), que é próximo do presidente da CBF, Ricardo Teixeira, e teve três conversas com ele sobre o tema.
Veja no Painel da Folha

Amazônia, Pará - O pior desempenho no Ensino Médio do Brasil - The worst performance in high school in Brazil


Dados recentes do Ministério da Educação mostram uma realidade assustadora a respeito das deficiências e fragilidades do ensino público no Pará. Esses dados, inseridos na proposta de Ensino Médio Inovador, encaminhado recentemente ao Conselho Nacional de Educação, revelam, por exemplo, que o Pará está em penúltimo lugar na taxa de atendimento escolar de jovens de 15 a 17 anos, ficando à frente apenas de Rondônia.

No Pará, apenas 71% dos jovens nessa faixa etária estão matriculados, percentual inferior ao da média regional (Norte), que é de 78%, e também da média nacional, de 81%. Outro número infausto diz respeito à taxa líquida. De acordo com o professor Ronaldo Marcos de Lima Araújo, docente e pesquisador do Instituto de Ciências da Educação da Universidade Federal do Pará, o Estado tem a pior taxa líquida do Ensino Médio do Brasil.

Evasão no Ensino Básico: eles lutam contra a maré

Trabalho retira jovens e crianças das escolas

Apenas 28% dos jovens de 15 a 17 anos estão matriculados no Ensino Médio, que é onde eles deveriam estar, enquanto os demais jovens (72%) ou estão atrasados ou fora da escola – afirma Ronaldo Lima. Para que se tenha uma ideia do que isso representa, basta dizer que a média regional, que já é sofrível, situa-se na faixa de 35%, ou seja, sete pontos percentuais acima da taxa paraense. A disparidade é ainda mais acentuada quando a comparação se faz com a média nacional, que chega a 52%.

O pesquisador da UFPA chama ainda a atenção, ao avaliar os dados do MEC, para o fato de que o Pará registra o pior desempenho na evolução de matrículas no Ensino Médio no Brasil. Ou seja: além de apresentar atendimento deficitário, o Pará ainda contempla números regressivos no tocante à demanda, tanto que, de 2007 para 2008, deixaram de se matricular nada menos que 31 mil jovens. “Ao invés de caminharmos na direção da universalização do Ensino Médio, diminuímos as nossas matrículas. Eram 368mil em 2007 contra 337 mil matrículas em 2008”, destacou Ronaldo Lima.

Veja reportagem do Diário do Pará na íntegra aqui