Google+ Badge

sábado, 18 de julho de 2009

POLÍTICA - Lula defende adversários históricos. Será que vale a pena?

Presidente esquece o que disse e sai em defesa de Sarney, Maluf e até do ex-inimigo Fernando Collor. Será que pensa assim também do Serra?

Se o presidente Lula chamasse o ex-sindicalista Luiz Inácio Lula da Silva para um debate sobre a honestidade dos políticos e o papel desempenhado por figuras como José Sarney, Paulo Maluf e Fernando Collor, o encontro terminaria mostrando, de maneira insólita, o quanto um diverge do outro. Ou quanto o Lula presidente resolveu adaptar aos tempos atuais tudo o que disse o Lula sindicalista e político da oposição ao longo de duas décadas - anos 80 e 90.

O Lula sindicalista denunciaria os "300 picaretas do Congresso", "o grileiro" Sarney e seu patrimonialismo, "a falta de honestidade" de Maluf, além de defender o impeachment de Collor, acusado de comandar um esquema com o ex-tesoureiro PC Farias. Desde que colocou a faixa presidencial, em 2003, Lula passou por uma série de experiências que o fizeram ir além da renúncia ao que disse. O presidente passou a julgar os políticos por critérios especiais, comportando-se com um juiz da história.

Para o senador Pedro Simon (PMDB-RS), um aliado de primeira hora do governo Lula, o presidente vive agora uma fase que merece uma reprimenda a la rei de Espanha. "Lula tem 80% de popularidade. Nunca um presidente teve esse índice. O sucesso deve ter subido à sua cabeça, pois só isso pode explicar o bando de bobagens e coisas que ele tem feito. Eu vou repetir o que o rei da Espanha (Juan Carlos) disse ao Hugo Chávez (presidente da Venezuela). Cala-te, cala-te Lula", disse o senador Pedro Simon (PMDB-RS).

A governabilidade máxima e a qualquer custo também ajudaria a explicar o comportamento. Para o cientista político Marco Antônio Carvalho Teixeira, pesquisador da PUC-SP e da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Lula teve de fazer concessões antes mesmo de chegar à Presidência, o que definiu o estilo camaleônico atual. "O Lula tem defendido pessoas que têm importância em seus postos ou partidos. Tanto o presidente quanto o partido dele, o PT, tiveram que fazer concessões. Só que Lula se adaptou mais rápido a elas", avaliou Teixeira.

Veja a matéria completa no Estadão

ECOLOGIA - FIM DE ÁGUA ENGARRAFADA, POR QUE NÃO?




(Huw Kingston, líder da campanha contra a água engarrafada em Bundanoon, Austrália)

Veja como é possível viver sem água engarrafada. A experiência dessa cidade da Austrália mostrou uma alternativa ecológica que é perfeitamente possível, com um investimento maior no tratamento da água potável (???) pode ser diminuído o Trade-off da produção de água engarrafada. embora a minha experiência não seja um belo exemplo, cresci bebendo água nas torneiras das praças públicas, nas mangueiras dos jardineiros de residências particulares ou simplesmente, pedindo um copo de água nos restaurantes que frequentava e era de graça. Razão tem quando se disse que a economia é BURRA, incluindo o mercado.

Matéria sobre o tema.

Quando os moradores de Bundanoon (Austrália) votaram neste mês pela proibição da venda de água engarrafada na cidade, não imaginavam que conquistariam fama mundial.

Com uma votação quase unânime em uma reunião da comunidade, os moradores desta pequena cidade turística iniciaram um debate mundial sobre os efeitos sociais e ambientais da água engarrafada que colocou a indústria de bebidas na defensiva.
Autoridades estaduais e municipais nos EUA vêm diminuindo o uso de água engarrafada em escritórios públicos nos últimos anos, alegando diversas preocupações, dentre elas a energia usada para produzir e transportar as garrafas e o aumento da desconfiança do público na água encanada. Até onde sabem os ativistas, Bundanoon é a primeira cidade no mundo a proibir a venda de água engarrafada.

Localizada nas terras altas no sudeste de Sydney, Bundanoon é uma cidade pacata de jardins arrumados e chalés graciosos cercados por casas de campo de cidadãos urbanos ricos. É o típico lugar onde desconhecidos conversam nos bancos do parque ao longo da pitoresca rua principal e as pessoas do lugar deixam flores no memorial de guerra local.

De acordo com Huw Kingston, proprietário do Ye Olde Bicycle Shoppe e líder da campanha, a proibição não começou como cruzada ambiental. Começou quando a empresa engarrafadora pediu permissão para extrair milhões de litros de água do aquífero local.

Matéria na íntegra

sexta-feira, 17 de julho de 2009

SBPC - DEBATES SOBRE MODELOS ALTERNATIVOS PARA A SUSTENTABILIDADE DA AMAZÔNIA

Até dia 17.0709 continua a realização em Manaus/AM, a 61ª reunião da SBPC . O Evento está sendo realizado na Universidade Federal do Amazonas – UFAM, no Campus Universitário, Bairro Coroado/Japiima.

Ontem 16.07.09, quinta feira, foi realizado o Simpósio sobre os "PROBLEMAS DO DESENVOLVIMENTO NA PERSPECTIVA ECONÔMICO-ECOLÓGICA: APLICAÇÕES AO CASO DA AMAZÔNIA"

Na Palestra proferida pelo autor deste blog: "Economia da biodiversidade e a sustentabilidade da Amazônia na visão da economia ecológica" foram ressaltadas as diferenças entre a economia convencional e as contribuições da economia ecológica para tratar a questão do meio ambiente e a biodiversidade.

Veja algumas das questões sobre a sustentabilidade da Amazônia e algumas conclusões do debate.

Como satisfazer as necessidades humanas e alcançar uma alta qualidade de vida para as gerações atuais e futuras?

É preciso, em ordem de importância:
Escala ecologicamente sustentável
Distribuição socialmente justa de recursos dentro e entre gerações
Alocação economicamente eficiente

Desafio da sustentabilidade

Combinar atividades e destinações distintas do uso e ocupação do solo que mantenham o máximo da “floresta em pé”:

extrativismo vegetal,
indústrias limpas e ambientalmente responsáveis,
agricultura consorciada,
transporte multimodal,

OS PRINCIPAIS DILEMAS DA AMAZÔNIA

Não basta regular a economia de mercado.
Não basta atenuar as desigualdades produzidas pelo mercado com políticas sociais compensatórias.

É preciso construir mecanismos pelos quais a floresta em pé valha mais que a floresta derrubada

Veja relação de participantes do Simpósio:

Coordenador: Clóvis Cavalcanti (FUNDAJ),
Participantes:
Philip Fearside (INPA),
Gonzalo Enríquez (UFPA),
Maria do Perpétuo Socorro R. Chaves (UFAM).

INTERNACIONAL - contundente discurso de Obama

O Presidente dos Estados Unidos está marcando a diferença como lider e revisita seus principais redutos eleitorais na comunidade negra. Obama tem mostrado a que ele vem quando decidiu entrar na luta pelo governo do seu País.

Veja a matéria da Folha Online.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ligou sua histórica ascensão ao poder ao vigor e ao valor dos líderes negros da luta pelos direitos civis, em um discurso proferido na sede da Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor - NAACP (na sigla em inglês), considerado seu primeiro grande pronunciamento especialmente voltado para a questão racial desde que assumiu a Presidência.

A entidade escolhida por Obama para fazer o discurso teve um papel ativo na luta pelos direitos civis no EUA no século 20 e contou entre seus membros com Rosa Parks, a mulher que deu início a um grande movimento de resistência à segregação racial quando se recusou, em 1955, a ceder sua cadeira em um ônibus do Alabama a um homem branco, conforme ditava a lei de segregação racial da época.

Obama disse aos líderes da NAACP que o sacrifício de outros "deu início à viagem que me trouxe até aqui." O primeiro presidente negro alertou, no entanto, que as barreiras raciais persistem.

"Não se enganem: a dor de discriminação continua a ser sentida na América", disse o presidente, em homenagem à convenção que marca o 100º aniversário da organização negra.

Matéria na íntegraegra

Leia discurso de Obama sobre a questão racial, na íntegra

quarta-feira, 15 de julho de 2009

EDUCAÇÃO - Bolsa para Todos anuncia o presidente da CAPES em Manaus

Capes anuncia Programa Bolsa para Todos

Com a proposta de investir na capacitação de recursos humanos nas regiões Centro-Oeste e Norte, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) anunciou, ontem (14), em Manaus (AM), o Programa Bolsa para Todos. Os detalhes da iniciativa foram apresentados pelo presidente da instituição, Jorge Guimarães, durante a Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

O programa integra um grupo de três ações que impulsionarão a formação de doutores na Amazônia. "Qualquer planejamento estratégico de desenvolvimento com a presença mais forte da C&T na região amazônica tem como primeiro elemento a formação de massa crítica", destacou Guimarães.

O Bolsa para Todos terá início em agosto e será destinado para estudantes de mestrado e doutorado de instituições públicas e privadas nas regiões Centro-Oeste e Norte, com exceção do Distrito Federal. De acordo com Guimarães, as bolsas atenderão aos estudantes que não possuem vínculo empregatício e que não contam com bolsas da Capes, do CNPq e das fundações estaduais de amparo à pesquisa.

Ao anunciar o programa, Guimarães destacou a necessidade de formar jovens doutores na Amazônia, preferencialmente os que são da própria região. "O melhor candidato para se fixar aqui é alguém da própria região. Isso não foi muito considerado no passado", disse. Ele acredita que, a partir do programa, haverá uma procura maior por parte dos estudantes que ainda não cogitavam fazer pós-graduação.

O presidente da Capes lembrou que hoje o país conta com 160 mil estudantes de pós-graduação. Deste total, um terço possui vínculo empregatício, um terço conta com bolsas e um terço não entra em nenhum dos casos citados. As bolsas contemplarão os estudantes das regiões Centro-Oeste e Norte que se enquadram no terceiro grupo. "Esse é o primeiro elemento de uma decisão de governo explícita para a capacitação de recursos humanos na Amazônia", disse.

Férias

Outra iniciativa anunciada por Guimarães é um programa de apoio a estágios para graduandos em férias. A Capes concederá bolsas no valor de R$ 300 para estudantes de graduação interessados em se capacitar em outras instituições de ensino superior qualificadas, fora do seu Estado. Os selecionados também serão contemplados com as passagens e alojamento, que serão garantidas pela universidade visitada. O presidente da coordenação citou como exemplo uma iniciativa semelhante, que foi bem sucedida e realizada com estudantes de países africanos, como Angola, Moçambique e Cabo Verde.

Guimarães lembrou que, se o estudante estiver no primeiro ano de estudos, poderá repetir essa experiência outras vezes. "Ao final do curso, ele será um dos melhores candidatos para o mestrado", afirmou.

O presidente da Capes também anunciou um programa que levará pesquisadores seniors para novas universidades. A idéia é fazer com que esses profissionais levem a sua experiência para essas instituições de ensino superior por até cinco anos. Os professores serão contemplados com bolsas de R$ 7,7 mil. "São pessoas que poderão sedimentar o processo para criar mestrados e doutorados", disse.


Veja mais aqui no Portal da CAPES

MEIO AMBIENTE - "Floresta plantada": a enganação dos desmatadores



Artigo de Milton Pomar
EcoDebate

Roberto Rodrigues, ex-ministro da Agricultura do governo Lula, e ex-presidente da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), atualmente é presidente do Conselho Superior do Agronegócio da Fiesp, coordenador do Centro do Agronegócio da FGV e continua professor do Departamento de Economia Rural da Unesp-Jaboticabal. Além disso, é agrônomo, há mais de 40 anos, e produtor rural.

Portanto, uma figura com autoridade suficiente para se pronunciar a respeito de qualquer tema, em particular sobre os ligados à área rural. E é com o argumento da autoridade que ele se manifesta, em artigo (”Floresta plantada”) publicado na Folha de S. Paulo, do dia 20 de junho, na seção Dinheiro.

Roberto Rodrigues trata da revisão do Código Florestal nesse artigo, e, após comentar especificamente sobre ele, entra no que interessa: “O setor de florestas plantadas reivindica há tempos que seja reconhecido como atividade produtiva, e não ambiental: em vez de plantar café, milho ou tomate, o agricultor planta árvores como exploração econômica. Sendo assim, deveria estar na estrutura do Ministério da Agricultura, argumentam os florestadores.”

Não existem florestas plantadas. Existem plantios em larga escala de uma ou duas espécies de plantas, como há em culturas de soja e milho, ou de café e feijão, ou… Muito distante do que é uma floresta, com sua diversidade de plantas, não apenas árvores, e de animais. Floresta pressupõe antes de mais nada diversidade, vegetal e animal. Muita diversidade, por mais “pobre” que seja a floresta.

Essa não é uma diferença apenas conceitual. Quem utiliza o termo “floresta plantada” o faz de propósito, como enganação mesmo. Uma enganação ideológica, utilizada como base de argumentação para a propaganda do modelo de agricultura capitalista, no qual a floresta que foi dizimada, é agora “replantada”. A área devastada pode se tornar de novo produtiva, graças ao plantio de uma floresta empresarial.

Roberto Rodrigues, em seu lobby pelo setor, afirma ainda no artigo que “É um tema para refletir. O setor apresenta hoje números impressionantes. Há no Brasil 6,5 milhões de hectares de florestas plantadas, dos quais 3,6 milhões são certificados. É um dado expressivo. Daquele total, 4,26 milhões de hectares são plantados com eucalipto e 1,87 milhão com pinus. Os demais estão com plantações de seringueiras, araucárias, acácias, tecas e outras espécies.”

Vejam a desfaçatez: do total de “florestas plantadas”, quase 66% são com uma única espécie (eucalipto)! É uma monocultura florestal! Essa lógica pode valer para a Natureza, quando há predominância de uma espécie em uma determinada região (araucária, no Sul do Brasil, por exemplo), é um fenômeno natural encontrado em muitos países. Mas daí a dizer que a atividade desse setor de “florestas plantadas” é de “reflorestamento” é um absurdo, até porque o eucalipto não é natural do Brasil, ele é o que se denomina tecnicamente uma “planta exótica” – se não havia antes florestas de eucalipto, como então “reflorestam” com eucalipto?

Mas a questão central não é o eucalipto, é a idéia que se passa para a maioria da população de que há “(re)plantio de florestas”. Essa idéia induz a uma outra (caso típico de propaganda subliminar) de que as florestas são passíveis de reposição, se acabarem as atuais, pode-se plantar novas. Afinal, existe até um “setor de florestas plantadas".

Artigo na íntegra aqui

EDUCAÇÃO - continua em Manaus a 61ª reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência - SBPC

Até dia 17.0709 continua a realização em Manaus/AM, a 61ª reunião da SBPC . O Evento está sendo realizado na Universidade Federal do Amazonas – UFAM, no Campus Universitário, Bairro Coroado/Japiima.

Amanhã 16.07.9, conforme programação abaixo, estaremos participando de Simpósios sobre meio ambiente, sustentabilidade da Amazônia e em um debate sobre a economia ecológica e sua contribuição para a sustentabilidade da Amazônia.

O tema do Simpósio e a apresentação para o debate:

SIMPOSIOS SOBRE PROBLEMAS DO DESENVOLVIMENTO NA PERSPECTIVA ECONÔMICO-ECOLÓGICA: APLICAÇÕES AO CASO DA AMAZÔNIA.

"Economia da biodiversidade e a sustentabilidade da Amazônia na visão da economia ecológica"

Dia 16, quinta-feira, às 15:30h. FD - SALA 03

Coordenador: Clóvis Cavalcanti (FUNDAJ),
Participantes:
Philip Fearside (INPA),
Gonzalo Enríquez (UFPA),
Maria do Perpétuo Socorro R. Chaves (UFAM).

Veja aqui a programação completa do evento

terça-feira, 14 de julho de 2009

PARÁ - Ibama encontra serrarias clandestinas e balsas com madeira ilegal no Marajó


Equipes do Ibama e do ICMBIO (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade)divulgaram na manhã desta quinta-feira (9), o resultado da Operação Ínsula, realizada em junho e só consolidada em julho. A equipe apreendeu dez barcos, três balsas e dois rebocadores que transportavam madeiras ilegais no Arquipélago do Marajó (PA). Os fiscais identificaram diversas serrarias clandestinas às margens dos rios e igarapés da Ilha e autuaram os respectivos responsáveis em multas que totalizam mais de R$ 520,7 mil.

De acordo com o coordenador da Operação Ínsula, o fiscal do Ibama Ricardo Fecury, a incidência de balsas com madeiras em toras é comum em todos os rios da região. A essência mais retirada é a Virola, que é muito utilizada na fabricação de cabos de vassoura. “A extração ilegal de palmito também é outra atividade observada na localidade, por isso, quando os infratores não estão explorando o palmito, estão retirando madeiras para a produção de cabos de vassouras ou para abastecer os municípios da região e da capital”, afirma Fecury.

Os municípios de Limoeiro do Ajurú, Oeiras do Pará, Breves, Melgaço, Portel e a Flona de Caxiuanã, localizados no Arquipélago do Marajó, receberam base operativa móvel do Ibama que atuou, por meio da Operação Ínsula, no combate às atividades ilegais de desmatamento, comércio e transporte de madeira e portos clandestinos no Marajó.

Desde a primeira descida da equipe na região do Marajó, foi constatada a existência de diversas serrarias clandestinas utilizadas por pessoas que vivem às margens do rio Tajapurú, no município de Breves. Na localidade, também foram apreendidas embarcações com madeiras serradas, vindas de desmatamento ilegal.

Na íntegra aqui

EDUCAÇÃO - Câmara aprova criação de universidade no oeste do Pará

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) aprovou há pouco a constitucionalidade do projeto (PL 2879/08, do Executivo) que cria a Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa). A proposta, já aprovada pelas comissões de Trabalho, de Administração e Serviço Público; de Educação e Cultura; e de Finanças e Tributação, tramitou em caráter conclusivo e segue para o Senado.A instituição vai absorver o campus da Universidade Federal do Pará (UFPA) e a unidade descentralizada da Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra) em Santarém (PA).Os alunos regularmente matriculados nos cursos ora da UFPA e da Ufra em Santarém serão transferidos automaticamente para a nova universidade, assim como professores, funcionários e recursos materiais das duas instituições que serão desmembradas.CargosO projeto cria 432 cargos efetivos de professor; 120 cargos técnico-administrativos de nível superior; 212 cargos técnico-administrativos de nível médio; 41 cargos de direção; 170 funções gratificadas, e um cargo de reitor e um de vice-reitor.O relator da matéria na comissão, deputado Zenaldo Coutinho (PSDB-PA), sugeriu a aprovação. "Vemos que o projeto não oferece problemas relativos aos aspectos a observar nesta oportunidade", afirmou.A reunião da CCJ encerrou-se logo após a votação, em razão da sessão do Congresso que votará a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que já começou.

IMPRENSA - Solidariedade a Lúcio Flávio Pinto

Nos diverso meios de comunicação se abriram canais de solidariedade com o jornalista LÚCIO FLÁVIO PINTO que sofre com perseguições políticas por parte da família das ORM em Belém do Pará.

A jornalista e fotógrafa paraense Cláudia Leão está difundindo este blog que recolhe assinaturas em apoio ao referido jornalista.


para quem quiser assinar, é só postar um cometário no blog clicando aqui abaixo

SOLIDADRIEDADE COM LÚCIO FLÁVIO PINTO

Se encontra alguma dificuldade em postar sua assinatura no blog, favor enviar nome e RG para adm.aalfp@gmail.com solicitando sua inclusão.

SBPC - Está acontecendo em MANAUS a 61ª REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA PARA O PROGRESSO DA CIÊNCIA

Brasil desperdiça potencial econômico da biodiversidade

Herton Escobar do Estado de S. Paulo.

O Brasil se orgulha de ter a maior biodiversidade do planeta. Somadas as riquezas biológicas da Amazônia, cerrado, mata atlântica, Pantanal e caatinga, o País abriga mais espécies de plantas, animais, fungos e bactérias do que qualquer outro. Ótimo. Mas e daí? Para que serve essa biodiversidade? Quanto dessa riqueza biológica está sendo convertida em riqueza econômica e desenvolvimento para o País - além de render belas fotografias?

"Muito pouco" até agora, segundo especialistas consultados pelo Estado às vésperas da 61ª reunião anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que começa hoje à noite em Manaus. As estatísticas mostram que o tão alardeado e cobiçado potencial econômico da biodiversidade brasileira ainda está longe de ser capitalizado a contento.

O Estado que serve de anfitrião para o evento ilustra bem isso - com um território gigantesco e 98% de sua cobertura vegetal original preservada, o Amazonas tem mais de 1,5 milhão de quilômetros quadrados de floresta tropical intacta, habitada por uma riqueza incalculável de espécies. Mas qual é a importância dessa biodiversidade na economia do Estado?

"Não tenho um número exato para te passar, mas é próximo de zero", diz o presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), Odenildo Sena. O Estado com a maior área de floresta tropical do mundo sobrevive da produção de motocicletas e aparelhos eletrônicos na Zona Franca de Manaus.

A importância da biodiversidade na pauta de exportações brasileira também é pequena e fragmentada. Muitos dos principais produtos do agronegócio não têm raízes na biodiversidade nacional. Soja, café, cana-de-açúcar, laranja, gado zebuíno - todas espécies exóticas, trazidas de outros continentes e adaptadas pelo esforço de cientistas e produtores rurais.

Entre os produtos "nativos" do Brasil, o que mais pesa na balança comercial é a madeira, com um efeito colateral gravíssimo, que é a destruição da floresta. Quebrar esse paradigma - encontrar maneiras de transformar riqueza biológica em riqueza econômica sem acabar com a biodiversidade no processo - é um dos maiores desafios da ciência na Amazônia. "Não queremos manter um santuário ecológico. Temos 25 milhões de pessoas na região que precisam sobreviver", argumenta Sena. "Precisamos tirar proveito dessa biodiversidade, e para isso precisamos pesquisá-la, gerar conhecimento sobre ela."

POTENCIAL IGNORADO

O primeiro desafio é simplesmente saber o que existe na floresta. Mais de 50 mil espécies de plantas e animais já foram catalogadas na Amazônia brasileira, mas os próprios cientistas estimam que isso representa, no máximo, 10% da biodiversidade real do bioma. Sem contar os microrganismos, de grande interesse para a indústria de biotecnologia, cuja variabilidade está na casa dos milhões.


Matéria na íntegra aqui

Veja aqui a programação completa do evento

SIMPOSIOS SOBRE PROBLEMAS DO DESENVOLVIMENTO NA PERSPECTIVA ECONÔMICO-ECOLÓGICA: APLICAÇÕES AO CASO DA AMAZÔNIA.

Dia 16, quinta-feira, às 15:30h. FD - SALA 03

Coordenador: Clóvis Cavalcanti (FUNDAJ),
Participantes: Philip Fearside (INPA),
Gonzalo Enríquez (UFPA),
Maria do Perpétuo Socorro R. Chaves (UFAM).

TECNOLOGIA - softwares livres ou privados?

A disputa entre aqueles que defendem o uso dos softwares livres e dos que utilizam o softwares proprietários não envolve apenas questões tecnológicas. A escolha do usuário tem efeitos na política, na economia e no desenvolvimento sustentável de um país como o Brasil.

Cíntia Guedes, Matheus Araújo

(20/05/2009)

Navegar é preciso, pagar não é preciso

É quase sempre proibido copiar, distribuir, reproduzir ou modificar a maioria dos produtos que tem como matéria-prima a informação, a tecnologia ou o conhecimento. Acostumamos com o tal dos ‘direitos reservados’, e é assim com a imensa maioria dos livros, CDs, softwares etc. Até pouco tempo, só com muito dinheiro era possível acompanhar o ritmo das inovações. Agora, proliferam-se no mundo inteiro movimentos que defendem a bandeira do sistema colaborativo de produção de conhecimento criando soluções palpáveis, inteligentes e rentáveis de produção, entre outras coisas, de Softwares Livres. Alternativas, aparentemente, mais acessíveis e bem mais justas.

Aqui na íntegra LE MONDE diplomatic

SAÚDE - Alencar se recupera bem, diz boletim médico


Boletim médico divulgado nesta segunda-feira (13) afirma que o vice-presidente José Alencar continua internado e se recuperando da cirurgia a qual se submeteu, na quinta-feira (9), no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, para desobstrução intestinal.O chefe de gabinete da vice-presidência, Adriano Silva, afirmou que as filhas de Alencar devem visitá-lo ainda hoje à tarde. Silva também disse que o vice-presidente conversou por telefone com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pela manhã, antes do início da reunião ministerial, em Brasília.
UOL

segunda-feira, 13 de julho de 2009

SAÚDE - Fundo quer ter patentes para fabricar remédios baratos para países pobres

A Unitaid, a agência internacional criada em 2006 para comprar remédios para Aids, tuberculose e malária, deu o primeiro passo para estabelecer um mecanismo para enfrentar o custo proibitivo dos medicamentos, que acabam ficando fora do alcance da população mais pobre.

A agência está aprovando a criação de uma comissão de especialistas que deverão explorar a viabilidade de um “fundo para patentes”. Em teoria, o fundo deteria as licenças de remédios patenteados, que poderiam ser usadas para fabricar esses remédios a um custo mais baixo para os países pobres. A princípio, o fundo irá enfocar remédios para crianças com Aids, bem como pacientes adultos que desenvolveram resistência às drogas de primeira linha.

Apesar de as patentes para a maioria dos remédios de primeira linha contra Aids terem expirado e estarem mais acessíveis graças aos fabricantes de genéricos, ainda existem patentes para muitos medicamentos pediátricos de segunda linha. Nos países mais pobres, apenas uma minúscula parcela da população em tratamento contra Aids consegue obter as os medicamentos mais recentes.

Na íntegra G1

Leia mais sobre patentes Audiência Pública sobre o patenteamento de micro-organismos vivos de plantas e animais

IMPRENSA - FALECE EM BELÉM JUVÊNCIO ARRUDA AUTOR DO 5ª EMENDA

O comunicado da família no próprio blog do 5ª EMENDA.

Prezados amigos, irmãos, companheiros e todos que acompanharam Juvêncio Arruda em suas andanças pelo 5ª Emenda e por tantos outros lugares.

Não temos palavras para expressar nossa dor. No início da tarde desta segunda,13 de julho, nosso querido Juca se foi.

Ele, que nunca fugiu do bom combate, de uma discussão acalorada, de uma farta gargalhada e nem de estar na presença de quem amava e admirava, hoje nos deixou.

Seu velório acontece na Beneficente Portuguesa, em Belém a partir das 19h.
O enterro será amanhã, no Cemitério de Santa Isabel, saindo da Beneficente Portuguesa às 10h.

Marise, Joyce, Lívia, Lygia, Lucas, Silvia, Ângela, Marcelo, Mirtes e Wilson.


Este blog transmite os sentimentos de pesar à família de Juvência Arruda nestes momentos de imenso dor pelos que passam seus seres queridos

AMAZÔNIA UFPA - As mais importantes medidas dos primeiros 100 dias do Reitor da UFPA Carlos Maneschy (do blog do Bilhetim)

Maneschy: missões centrais nos 100 dias iniciais

1- Responder urgentemente à grave crise vivenciada pelo curso de medicina.

2- Colocar na prática iniciativas que viabilizem a universidade multicampi.
3- Melhorar o plano de saúde dos servidores da UFPA.

4- Criar um núcleo especializado em captação de recursos para disputar verbas nos ministérios.

5- Tomar iniciativas que visem dar condições para que os egressos cotistas possam realizar seus cursos, diminuindo a evasão acadêmica.

6- Preparar o planejamento estratégico da gestão quadrienal e dar os primeiros passos para a formulação do PDI 2010-2020.

6- Junto à bancada federal do Pará lutar para que todos os recursos previstos na LOA para 2009 sejam liberados para a UFPA.

Blog do Bilhetim

MÚSICA - ENCONTRE AS 33.253 DIFERENÇAS

MEIO AMBIENTE - Primeira usina alimentada com soja quebra

A primeira usina que terminou utilizando soja para manter capacidade de produção quebrou e demonstrou as limitações do programa de biodiesel, principalmente se for baseado em insumos provenentes do segmento alimentário.

A usina de biodiesel da Brasil Ecodiesel, em Crateús, no sertão central cearense, fechou suas portas por problemas financeiros e ambientais. Inaugurada, em janeiro de 2007, pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a unidade estava parada havia seis meses. Tinha capacidade instalada de produção para 10 milhões de litros de óleo/mês, mas desde a sua inauguração apresentava problemas em adquirir matéria-prima. Recentemente, suas ações despencaram.

De acordo com o prefeito de Crateús, Carlos Felipe Saraiva Beserra, a empresa teve seus problemas agravados com a queda do valor das ações na Bolsa de Valores. Começou operando com a ação avaliada em R$ 12 e agora estava em apenas R$ 0,80. O fechamento da unidade foi anunciado, nesta sexta-feira (11), na Assembleia Legislativa do Ceará, pelo deputado Hermínio Resende. Segundo ele, a empresa estaria inclusive com as contas de água e luz atrasadas.

Amparada no programa do governo federal de desenvolvimento do biodiesel, a usina deveria incentivar a produção de mamona no sertão cearense. O governador Cid Gomes (PSB) destina R$ 200 para cada hectare plantado, mas, apesar dos subsídios recebidos, a empresa sequer conseguia pagar o preço mínimo do quilo da baga do produto aos pequenos agricultores da região.

Começou a funcionar com 20 mil toneladas de mamona estocadas, quantidade suficiente para somente 80% da capacidade total de produção de um mês. Como o plantio de mamona não deslanchou no município, a unidade passou a adquirir, então, soja e dendê nos estados do Piauí e Bahia.
(Fonte: Agência Estado / Gazeta do Povo online)

POLÍTICA - Senador de muitos amigos

ACREDITE SE QUISER OU SE FOR BOBO.

Recentemente, o senador Arthur Virgílio foi citado em reportagem da “IstoÉ " que dizia que ele recebeu US$ 10 mil do ex-diretor-geral do Senado, Agaciel Maia, durante uma viagem particular a Paris. O tucano teria pedido ajuda a um assessor, que acionou Agaciel, de quem era amigo.

Virgílio disse não saber que o dinheiro era de Agaciel e que foi reposto após três amigos terem se cotizado para quitar a dívida. Afirmou ainda que quitou a dívida com a devolução do imposto de renda.

Também não explicou como foi que o Senado pagou um saco de dinheiro para financiar um tratamento de saúde da mãe do senador por mais de 350 mil reais, quando o limite de gastos não podia ultrapassar os 30 mil.

E não explica como um funcionário lotado no seu gabinete recebia salário do senado quando morava em Barcelona, Espanha e ainda, horas extras pelo seu trabalho. Desmoralizou o Senador.

domingo, 12 de julho de 2009

A floresta no limite

Redução de chuvas elimina árvores de grande porte e diminui capacidade de absorção de carbono na Amazônia

A paisagem que Paulo Brando encontrou em outubro passado na Floresta Nacional do Tapajós em Belterra, município no oeste do Pará, é bem distinta da que o encantou em sua primeira viagem à região seis anos atrás. As árvores mais altas e imponentes tinham muito menos folhas que o normal e já não se abraçavam no topo da floresta como antes. Várias estavam secas e mortas e por entre os vãos da copa deixavam espiar o céu. Quase sempre inacessíveis a quem caminha pela mata, os raios de sol chegavam à camada de folhas no solo, deixando-a mais seca e propensa a pegar fogo. Felizmente a transformação observada pelo engenheiro florestal paulista se restringe – ao menos por enquanto – a uma pequena área da Amazônia que na última década vem servindo de laboratório natural para pesquisadores brasileiros e norte-americanos interessados em descobrir o que pode acontecer com a mais vasta floresta tropical do mundo caso, como previsto, a temperatura do planeta continue aumentando e as chuvas diminuam na região.

REVISTA FAPESP

BIODIVERSIDADE DO SERRADO - CHAPADA IMPERIAL

A NATUREZA NÃO NOS FOI DOADA PELO NOSSOS AVÓS E SIM EMPRESTADA PELOS NOSSOS NETOS.








BOM DOMINGO! NAÕ PERCA - DUPLICIDADE O FILME, VALE A PENA

POLÍTICA - Ciro Gomes e a aliança com Maluf, o que pega é catapora disse

Resulta cómico ouvir Ciro Gomes falar sobre política. eke já disse sobre alianças dime com quem andas e te direi que tu eres e agora saiu com essa de que faz aliança até com Satanás para fazer a obra de Deus.
Não tem dúvida o ciro é capaz de transformar Santa Maria e um bandido e um bandido en Santa Maria.


Veja notícia do Estado de S.Paulo abaixo.

GUARUJÁ - O deputado Ciro Gomes (PSB-CE) voltou a mencionar ontem a possibilidade de concorrer ao governo de São Paulo, em 2010, e admitiu ter mantido conversas com o ex-prefeito e deputado Paulo Maluf (PP-SP) sobre a disputa. "O que pega é catapora, conversar com as pessoas não faz mal nenhum", declarou o deputado, ao participar de palestra, no Guarujá, litoral paulista, onde foi saudado como "governador". Ao dizer que tem uma relação de "cordialidade" com Maluf, que respondeu a acusações de mau uso de recursos públicos, Ciro disse não descartar uma aliança com o PP. "Faço aliança até com Satanás se for para fazer a obra de Deus."

O PSB paulista e parte do PT querem Ciro na disputa estadual, como uma saída para o fato de o partido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva não ter um candidato natural.

Ciro citou o cientista político italiano Antonio Gramsci (1891-1937), referência do pensamento de esquerda, para criticar alianças políticas em que há "perda de hegemonia moral e intelectual". Esse seria o caso da aliança entre PT e PMDB no plano federal, avaliou. Mas não da aliança com o PP de Maluf. "O PP não tem hoje tamanho para alterar o centro de uma hegemonia moral-intelectual boa", disse. Ciro disse que não se aliaria ao PMDB de Orestes Quércia. "Não vou para uma aliança com o Quércia. Não vou. Ponto final", afirmou. Para setores do PT e do PMDB, Ciro critica a aliança porque teria interesse na vaga de vice na chapa da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, à Presidência.

Ele disse que estão colocando "a faca no pescoço" de Dilma ao fazerem com que ela defenda o presidente do Senado, José Sarney (PMDB). "Obrigar a Dilma a defender o Sarney? Que isso? O Lula, na Presidência da República, que se obrigue a essa tarefa institucional, eu entendo. E a Dilma, que é uma persona política em formação, pessoa de valor extraordinário? É uma exigência de faca no pescoço."

O Estado de S. Paulo

MEIO AMBIENTE - Brasil quer cobrar por emissão de CO²

Na esteira do programa econômico do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, o governo brasileiro começou a preparar um modelo de tributação para créditos de carbono. O marco regulatório em estudo pode resultar na criação de um tributo direto sobre as emissões de dióxido de carbono (CO²).

O debate ganhou celeridade depois que Obama, ao apresentar o orçamento de 2009, propôs levantar US$ 646 bilhões até 2020 com novas leis relacionadas às mudanças climáticas. Ganha força a tese de que essa nova tributação pode abrir uma janela de oportunidade de investimentos e gerar emprego e renda em meio a um ambiente de recuperação econômica pós-crise. Além, é claro, de preservar o meio ambiente.

O Brasil quer avançar na discussão desse tema até a próxima reunião da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre mudanças climáticas, em Copenhague, no início de dezembro. O secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, informou ao Estado que a área econômica começou os estudos para escolher o modelo brasileiro. É o assunto da hora no mundo, diz ele. "É o tributo do século 21. A discussão envolve muito mais que preservação do meio ambiente. É uma questão econômica", afirma. (Fonte: Estadão Online)