Google+ Badge

domingo, 12 de julho de 2009

A floresta no limite

Redução de chuvas elimina árvores de grande porte e diminui capacidade de absorção de carbono na Amazônia

A paisagem que Paulo Brando encontrou em outubro passado na Floresta Nacional do Tapajós em Belterra, município no oeste do Pará, é bem distinta da que o encantou em sua primeira viagem à região seis anos atrás. As árvores mais altas e imponentes tinham muito menos folhas que o normal e já não se abraçavam no topo da floresta como antes. Várias estavam secas e mortas e por entre os vãos da copa deixavam espiar o céu. Quase sempre inacessíveis a quem caminha pela mata, os raios de sol chegavam à camada de folhas no solo, deixando-a mais seca e propensa a pegar fogo. Felizmente a transformação observada pelo engenheiro florestal paulista se restringe – ao menos por enquanto – a uma pequena área da Amazônia que na última década vem servindo de laboratório natural para pesquisadores brasileiros e norte-americanos interessados em descobrir o que pode acontecer com a mais vasta floresta tropical do mundo caso, como previsto, a temperatura do planeta continue aumentando e as chuvas diminuam na região.

REVISTA FAPESP

2 comentários:

JAIRCLOPES disse...

Caro Gonzalo, fico contente em encontrar um blog de tão alta qualidade preocupado com o meio ambiente. Parabéns. Também escrevo alguma coisa em meu blog para contribuir com essa boa causa.

BLOG DO ENRIQUEZ disse...

Sim Jair,
Já visitei seu blog e achei ele maravilhoso. Parabens!!
Gonzalo