Google+ Badge

domingo, 12 de julho de 2009

POLÍTICA - Ciro Gomes e a aliança com Maluf, o que pega é catapora disse

Resulta cómico ouvir Ciro Gomes falar sobre política. eke já disse sobre alianças dime com quem andas e te direi que tu eres e agora saiu com essa de que faz aliança até com Satanás para fazer a obra de Deus.
Não tem dúvida o ciro é capaz de transformar Santa Maria e um bandido e um bandido en Santa Maria.


Veja notícia do Estado de S.Paulo abaixo.

GUARUJÁ - O deputado Ciro Gomes (PSB-CE) voltou a mencionar ontem a possibilidade de concorrer ao governo de São Paulo, em 2010, e admitiu ter mantido conversas com o ex-prefeito e deputado Paulo Maluf (PP-SP) sobre a disputa. "O que pega é catapora, conversar com as pessoas não faz mal nenhum", declarou o deputado, ao participar de palestra, no Guarujá, litoral paulista, onde foi saudado como "governador". Ao dizer que tem uma relação de "cordialidade" com Maluf, que respondeu a acusações de mau uso de recursos públicos, Ciro disse não descartar uma aliança com o PP. "Faço aliança até com Satanás se for para fazer a obra de Deus."

O PSB paulista e parte do PT querem Ciro na disputa estadual, como uma saída para o fato de o partido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva não ter um candidato natural.

Ciro citou o cientista político italiano Antonio Gramsci (1891-1937), referência do pensamento de esquerda, para criticar alianças políticas em que há "perda de hegemonia moral e intelectual". Esse seria o caso da aliança entre PT e PMDB no plano federal, avaliou. Mas não da aliança com o PP de Maluf. "O PP não tem hoje tamanho para alterar o centro de uma hegemonia moral-intelectual boa", disse. Ciro disse que não se aliaria ao PMDB de Orestes Quércia. "Não vou para uma aliança com o Quércia. Não vou. Ponto final", afirmou. Para setores do PT e do PMDB, Ciro critica a aliança porque teria interesse na vaga de vice na chapa da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, à Presidência.

Ele disse que estão colocando "a faca no pescoço" de Dilma ao fazerem com que ela defenda o presidente do Senado, José Sarney (PMDB). "Obrigar a Dilma a defender o Sarney? Que isso? O Lula, na Presidência da República, que se obrigue a essa tarefa institucional, eu entendo. E a Dilma, que é uma persona política em formação, pessoa de valor extraordinário? É uma exigência de faca no pescoço."

O Estado de S. Paulo

Nenhum comentário: