Google+ Badge

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Presidenta do Brasil - Foto oficial


quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Estados definem secretários de Ciência e Tecnologia

Quase todos os governadores eleitos em outubro já anunciaram os titulares das secretarias estaduais de C&T ou órgãos similares

A maior parte dos novos secretários estaduais de Ciência e Tecnologia (ou dirigentes de órgãos responsáveis por ações na área) assumiu na primeira semana de janeiro. De todas as unidades da federação, apenas a Bahia aguarda pela nomeação de seu novo secretário de C&T.

Confira os perfis dos novos gestores:

- Acre

Edvaldo Soares de Magalhães é o secretário de Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Indústria e Comércio. Professor e atual presidente do comitê estadual do PCdoB, Magalhães também presidiu o Sindicato dos Trabalhadores em Educação. Foi deputado estadual pelo PCdoB por três mandatos e líder do governo Jorge Viana por oito anos, além de ter presidido por dois mandatos a Assembléia Legislativa do Acre (Aleac).

- Alagoas

O secretário de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior é Eduardo Setton, professor de Ciências da Computação da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) e coordenador do Laboratório de Computação Científica e Visualização (LCCV), um dos mais avançados no estudo de soluções para plataformas petrolíferas do Brasil. Entre as prioridades já anunciadas estão o Pólo Agroalimentar em Arapiraca e Batalha e o projeto do Cais Tecnológico, que pretende incentivar a vinda de empresas para o estado.

- Amapá

Antônio Cláudio Almeida de Carvalho, pesquisador do Centro de Pesquisa Agroflorestal do Amapá - Embrapa Amapá, assume a Secretaria de Ciência e Tecnologia. É engenheiro agrônomo e doutor pelo Núcleo de Altos Estudos Amazônicos da Universidade Federal do Pará (Naea-UFPA), na área de concentração em economia dos recursos naturais. Desenvolve tese sobre a valoração das áreas de Reserva Legal da Amazônia pela maximização dos produtos florestais não-madeireiros, entre eles o cipó-titica.

- Amazonas

Odenildo Teixeira Sena, professor da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) e atual presidente da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), permanece como secretário de Ciência e Tecnologia, cargo que assumiu em julho do ano passado. Acumulará as duas funções até a nomeação de novo presidente da Fapeam. É graduado em letras, com especialização em psicologia do ensino e aprendizagem pela Ufam e possui mestrado e doutorado em lingüística aplicada e estudos da linguagem pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

- Ceará

O ex-reitor da Universidade Federal do Ceará (UFC) René Barreira permanece à frente da Secretaria de Ciência e Tecnologia e Educação Superior, que assumiu em janeiro de 2007. Atualmente preside o Conselho Nacional de Secretários Estaduais para Assuntos de Ciência, Tecnologia e Inovação (Consecti).

- Distrito Federal

Gastão Ramos é o novo secretário de Ciência e Tecnologia. É formando em engenharia mecânica pela UnB. Concorreu ao cargo de vice-governador do DF em 2006, pelo PV, e foi candidato a deputado federal pelo PSB na última eleição. Foi diretor da Federação das Indústrias (Fibra). Já apontou como metas a implantação do Parque Tecnológico Capital Digital e do programa de banda larga e a implantação da infovia.

- Espírito Santo

O novo secretário de Ciência e Tecnologia é Jadir José Pella, ex-reitor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo (Ifes) e ex-secretário estadual de Meio Ambiente. Pella é licenciado em Mecânica pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), mestre em Educação Agrícola pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) e doutorando em Produção Vegetal pela Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf).

- Goiás

O economista Mauro Netto Faiad assume a Secretaria de Ciência e Tecnologia. Formado pela Universidade de São Paulo (USP), foi professor de Economia da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO) e presidente do Instituto Pró-Economia. Também já foi secretário de Administração do Estado de Goiás. Tem como prioridade melhorar a economia do estado por meio de dois pilares de atuação: facilitar o processo de inovação tecnológica e qualificar o trabalhador goiano.

- Maranhão

O novo secretário de Ciência, Tecnologia Ensino Superior e Desenvolvimento Tecnológico é João Bernardo Bringel, administrador formado pela Universidade Católica de Brasília. Foi diretor dos departamentos de Programas Econômicos e de Programas Sociais, secretário de Orçamento Federal-Adjunto e secretário de Orçamento Federal, na Secretaria de Orçamento Federal, assessor da Subsecretaria de Planejamento e Orçamento e coordenador de Planejamento no Ministério da Fazenda. Desde 2005 ocupava o cargo de secretário-executivo do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Destacou como principal desafio "tornar o conhecimento universal, levá-lo aos mais humildes e colocá-lo a disposição da sociedade como um todo". Pretende dar legitimidade aos Conselhos de Ciência e Tecnologia, para integrar as ações entre a universidade estadual e federal, a Fapema, os entes de pesquisas e o IFMA, além, da sociedade civil e as demais secretarias parceiras.

- Mato Grosso

O deputado federal Eliene Lima (PSB) assume a Secretaria de Ciência e Tecnologia. Engenheiro civil e professor, foi presidente da Comissão Provisória e do Diretório Regional do PSB de 2000 a 2004. Eleito vereador em 1992, e dois anos depois para a primeira gestão como deputado estadual. Em 1996 foi eleito deputado federal, reeleito em 2010.

- Mato Grosso do Sul

Carlos Alberto Negreiros Said Menezes permanece à frente da Secretaria de Meio Ambiente, Planejamento e Ciência e Tecnologia, cargo que ocupa desde o início da primeira gestão do governador André Puccinelli (PMDB). Engenheiro civil e consultor para grandes obras, foi secretário de Serviços e Obras Públicas da prefeitura de Campo Grande e secretário de Obras do estado. Acumula a função de diretor-presidente do Instituto de Maio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul).

- Minas Gerais

O novo secretário de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior é Narcio Rodrigues, jornalista e deputado federal pelo PSDB, partido do qual foi presidente no estado. Uma das prioridades já anunciadas é a consolidação das universidades estaduais, especialmente a Universidade do Estado de Minas Gerais (Uemg), que, segundo ele, precisa ser definitivamente estadualizada. Entre as metas da pasta estão "estimular a criatividade no governo, patrocinar a inovação e apostar na ousadia.

- Pará

Ex-reitor da Universidade Federal do Pará (UFPA) por dois mandatos consecutivos (entre 2001 e 2009), Alex Fiuza de Mello é o novo secretário de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia. Possui graduação em Ciências Sociais pela UFPA (1977), mestrado em Ciência Política pela Universidade Federal de Minas Gerais (1982), doutorado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (1998) e pós-doutorado pela Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales, Paris (1999/2000) e pela Cátedra Unesco de Gestión y Política Universitaria, da Universidad Politécnica de Madrid (2009/2010). Foi membro do Conselho Nacional de Educação, do Ministério da Educação (2004/2008) e membro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República (2007/08).

- Paraíba

João Azevêdo Lins Filho é o novo secretário de Ciência, Tecnologia e do Meio Ambiente. Fformado em Engenharia Civil pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), é professor do Instituto Federal de Educação Tecnológica (IFPB) desde 1982. Foi secretário de Serviços Urbanos e de Planejamento da Prefeitura de João Pessoa e chefe de Gabinete da Sedurb. Foi também assessor da Seplan e secretário adjunto de Habitação. Seu último cargo foi a secretaria de Infraestrutura de João Pessoa.

- Paraná

A Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior tem como titular Alípio Leal Neto. Graduado em Direito e especialista em Educação, Leal Neto foi professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e da PUC-PR. Também foi diretor da Escola Técnica da UFPR, presidente do Conselho Superior do Instituto Federal do Paraná, membro do Conselho Universitário e do Conselho de Planejamento e Administração da UFPR, presidente do Conselho Nacional de Dirigentes das Escolas Técnicas vinculadas às universidade federais e do Conselho Nacional dos Dirigentes dos Institutos Federais do Brasil. Ele destacou a importância da pasta no desenvolvimento e na produção científica do estado. "Nosso compromisso é com a tecnologia, ou seja, com a ciência aplicada visa preferencialmente os arranjos produtivos locais e o incentivo ao desenvolvimento dos setores produtivos da sociedade".

- Pernambuco

O secretário de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente é Marcelino Granja. Formado em engenharia civil na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), foi secretário da Fazenda e Administração de Olinda durante dois mandatos. Uma de suas metas é "consolidar, de forma social e democrática, aquilo que já vem sendo desenvolvido na Sectma".

- Piauí

O deputado estadual Warton Santos (PMDB) assume a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Tecnológico. Em reunião com empresários da Associação das Indústrias e da Federação das Indústrias do Estado do Piauí, recebeu relatório elaborado pela categoria no ano passado contendo sugestões para serem aplicadas no setor a partir deste ano.

- Rio de Janeiro

Titular da Secretaria de Ciência e Tecnologia desde 2007, o médico Alexandre Cardoso permanece na pasta. No último pleito, foi reeleito deputado federal pelo PSB e é presidente regional do partido. Entre suas prioridades está a criação de 50 novos Centros de Vocação Tecnológica (CVTs) no estado.

- Rio Grande do Norte

O economista Benito Gama é o novo secretário do Desenvolvimento Econômico. Ex-secretário de Transportes, Indústria e Comércio da Bahia, seu último cargo foi a presidência regional da Sudene. Disputou um cargo de deputado federal, mas não se elegeu. Sua gestão terá como uma das principais metas a descentralização econômica de pólos focados na região metropolitana dos municípios de Natal e Mossoró.

- Rio Grande do Sul

O novo secretário de Ciência, Inovação e Desenvolvimento Tecnológico é Cleber Prodanov, que ocupava o cargo de pró-reitor de Pesquisa e Inovação da Universidade Feevale. Seu trabalho inicial será de composição, de criação de oportunidades e de articulação com academia, empresas e demais segmentos da economia e sociedade gaúchas.  Assegurou também que a inovação estará presente transversalmente em todas as ações da secretaria.

- Rondônia

O novo titular da Secretaria de Planejamento, pasta responsável pelas ações de ciência e tecnologia, é George Alessandro Gonçalves Braga. Graduado em Direito, pós-graduado em Gestão Pública, é analista judiciário e ex-diretor geral do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) em Porto Velho.

- Roraima

O engenheiro agrônomo Emi Leitão assume a Fundação Estadual do Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia (Femact), responsável pelas ações em C&T. Servidor do órgão ambiental desde 2002, ainda na época do extinto Departamento Estadual do Meio Ambiente, Leitão atualmente estava como diretor de Monitoramento e Controle Ambiental e, na ausência da ex-presidente da Femact, Luciana Surita, respondia como presidente interino.

- Santa Catarina

Paulo Bornhausen, deputado federal reeleito (DEM), é o novo secretário de Desenvolvimento Econômico e Sustentável. Advogado, é líder do partido na Câmara Federal.

- São Paulo

O novo secretário de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia é Guilherme Afif Domingos (DEM), que vai acumular o cargo com a vice-governadoria do estado. Empresário, foi secretário de Emprego e Relações do Trabalho na última gestão paulista. Terá como missão fortalecer os programas da pasta e implantar novos projetos, como o Via Rápida do Emprego, que vai oferecer cursos profissionalizantes de acordo com a vocação econômica das diferentes regiões do estado. Além disso, a secretaria assumiu, neste mês de janeiro, as atribuições da extinta Secretaria de Ensino Superior, e ficará responsável pela gestão da Fapesp e das três universidades públicas do Estado de São Paulo (USP, Unicamp e Unesp), além da Universidade Virtual do Estado de São Paulo (Univesp). (Leia mais sobre a mudança na notícia 2 desta edição)

- Sergipe

O engenheiro civil Jorge Santana de Oliveira permanece como secretário de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, cargo que ocupa desde 2007. Entre outras funções, foi dirigente da Associação Brasileira das Empresas de Software (Assespro).

- Tocantins

Luiz Carlos Borges da Silveira é o novo secretário de Ciência e Tecnologia. Formado em Medicina pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), pós-graduado em Organização e Administração Sanitária, foi chefe de gabinete da Secretaria de Assistência aos Municípios do Governo, chefe do 7º Distrito Sanitário da Secretaria de Saúde, vice-prefeito de Pato Branco (PR), deputado federal por três mandatos e ministro da Saúde (1987/89). A intenção da nova gestão é fazer da secretaria um centro de desenvolvimento, com a promoção de cursos de qualificação, mestrados e doutorados por meio da Fundação Unitins (Universidade do Tocantins).

(Com informações das secretarias estaduais de C&T e do portal do Consecti)

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Mineração - Os Royalties mais baixos do mundo

Ministro MME - Edison Lobão
No encontro com jornalistas, realizado nesta sexta-feira (08/01), o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, falou das perspectivas para o ano de 2011 nos setores de energia, petróleo e mineração. 


Mineração - O ministro Edison Lobão disse que o novo marco regulatório da mineração será encaminhado ao Congresso ainda no primeiro semestre deste ano.  Ao todo, serão encaminhados três projetos independentes: um que trata das regras de exploração do minério, outro que cria a agência reguladora do setor e um terceiro que trata exclusivamente dos royalties.

Lobão destacou que a presidente Dilma Rousseff quer analisar o projeto. "A presidente da República manifestou desejo de ela própria examinar os projetos", afirmou.

Quando questionado sobre a alíquota dos royalties, o ministro explicou que o assunto está em estudo por uma comissão formada por representantes do Ministério de Minas e Energia e da Fazenda.

Segundo Lobão, esse levantamento é necessário porque o Brasil tem hoje um dos menores royalties do mundo. “Nós cobramos no Brasil talvez o royalty mais baixo do mundo. A Austrália e países da África chegam a cobrar 10% e o Brasil apenas 2%”, completou. Lobão lembrou, porém, que o setor no Brasil sofre com a cobrança de outros impostos.

Durante a entrevista, o ministro também confirmou que o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) será extinto e dará lugar à agência reguladora do setor. A mudança não implicará aumento de gastos para o governo uma vez que os funcionários do DNPM serão transferidos para a agência reguladora.


Fonte: MME.

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Ciência e Tecnologia - Mudanças e novas indicações


Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do MCT  

Foi confirmada na última sexta-feira (7), a permanência do físico Ronaldo Mota na chefia da Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do MCT. À frente da pasta desde 2009, Mota atualmente preside os Comitês Gestores dos Fundos Setoriais de Energia e Mineral e exerce a presidência pro-tempore da Rede de Ciência e Tecnologia do Mercosul (RECyT).

     Com grande experiência na área, Mota já foi secretário de Educação Superior e de Educação a Distância, órgãos vinculados ao Ministério da Educação. Professor titular de física da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), ele é pós-doutor pela University of British Columbia-Canadá (1985) e pela University of Utah-EUA (1993). Em 2008 foi condecorado pelo presidente da República como Comendador da Ordem Nacional do Mérito Científico e promovido no ano passado à Classe Grã-Cruz da Comenda da Ordem Nacional do Mérito Científico.

     Outro nome já anunciado para ocupar cargo estratégico na área de C&T foi o do presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Marco Antonio Raupp, que deverá assumir a presidência da Agência Espacial Brasileira (AEB).

     Ainda segundo informações divulgadas pelo ministério na última quinta-feira (6), o coordenador da Rede Clima e ex-diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Carlos Nobre, será o novo secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento do órgão. O engenheiro eletrônico é considerado um dos maiores especialistas mundiais em mudanças climáticas e integra o Comitê Científico do International Geosphere-Biosphere Programme (IGBP).


Finep tem novo presidente

     Professor livre-docente do Departamento de Sociologia da Universidade de São Paulo (USP) e tinker visiting professor na Universidade de Wisconsin-Madison (EUA), Glauco Antonio Truzzi Arbix é o novo presidente da Finep.

     Arbix realizou estudos de pós-doutorado no Massachusetts Institute of Technology (MIT) (EUA), na Universidade de Columbia (EUA), na Universidade da California - Berkeley (EUA), e na London School of Economics (Reino Unido).

     O presidente da financiadora também é membro do Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia (CCT) e coordenador geral do Observatório de Inovação e Competitividade do Instituto de Estudos Avançados da USP.

     Ainda entre as atribuições, Arbix foi presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), coordenador geral do Núcleo de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, membro do Group of Advisers do United Nations Development Programme (PNUD-ONU) e Fulbright New Century Scholar.

    

  Finep
     A Finep é uma empresa pública vinculada ao MCT. Tem como missão promover o desenvolvimento econômico e social do Brasil, por meio do fomento público à ciência, tecnologia e inovação em empresas, universidades, institutos tecnológicos e outras instituições públicas ou privadas.

     Ao assumir a pasta da C&T, o ministro Aloizio Mercadante disse que pretende transformar a Finep numa instituição financeira. De acordo com ele, funcionaria como um Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), mas voltada apenas para a pesquisa e inovação. “Ela passará a não depender apenas de recursos orçamentários e poderá se alavancar com recursos do mercado. Com mais recursos para investir teremos mais empresas inovadoras”, acredita Mercadante.



Anunciado nome para a presidência do CNPq

     Glaucius Oliva, professor titular do Instituto de Física de São Carlos, da Universidade de São Paulo (USP), deverá presidir o CNPq, segundo informações divulgadas nesta segunda-feira (10). Graduado em engenharia elétrica e eletrônica pela Escola de Engenharia de São Carlos, da USP, Oliva exerce a função de diretor na área de Engenharias, Ciências Exatas e Humanas e Sociais do conselho.

     O pesquisador tem mestrado (pela USP) e doutorado (pela University of London) em cristalografia e desenvolve estudos nas áreas de biologia estrutural, desenvolvimento de novos fármacos, com particular ênfase em doenças endêmicas brasileiras. Ele é membro titular da Academia Brasileira de Ciências (ABC) e comendador da Ordem Nacional do Mérito Científico.


     Informações sobre o CNPq podem ser obtidas no site www.cnpq.br


 

Mercadante discute temas comuns ao MMA e MDIC 

     Na semana passada, o ministro da C&T, Aloizio Mercadante, tratou de assuntos comuns aos ministérios do Meio Ambiente (MMA) e do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), juntamente com os respectivos ministros Izabella Teixeira e Fernando Pimentel. Eles se reuniram para discutir temas e projetos em desenvolvimento, já que as duas pastas integram ações do Plano de Ação Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional (Pacti 2007-2010).

     Mercadante também se reuniu hoje (10) com o diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Gilberto Câmara. Ele conheceu as instalações do Laboratório de Integração e Testes (LIT), onde recentemente o Inpe atendeu aos exigentes protocolos da Nasa nas atividades com o satélite SAC-D.

     Para conhecer as ações do MCT acesse o site www.mct.gov.br.




domingo, 9 de janeiro de 2011

Programa de erradicação da pobreza extrema

Ministra do MDS, Tereza Campello e a nova Secretária Executiva do Programa de Erradicação da Pobreza, Ana Fonseca, declararam que o foco do Programa de Erradicação da Pobreza não é o Bolsa Família e que o programa estará constituído por um conjunto de ações nas áreas de saneamento, educação, saúde, habitação, alimentação e inclusão produtiva.

Não será apenas um programa de transferência de renda já que a inclusão produtiva será também um dos focos do programa. 

Essa parece ser a nova linha de atuação do MDS para tirar à população que continua pobreza extrema. 

O que ainda não está claro é a forma em que operará o Programa e como a Secretaria Executiva, recem constituída, dará conta do passo a passo das ações do novo PAC da pobreza do Governo Dilma.  

Veja na integra o anúncio para a imprensa da Ministra do MDS

Meu Deus - O Pará não merece


Entra governo sai governo e o Pará se debate entre herança maldita, bendita e economia de Guerra.
Por enquanto a economia brasiliera  ameaça ser uma das que mais cresce, dentre os países emergentes.

O Pará está lá embaixo. 


Veja as notícias.


INFLAÇÃO - Índice é de 6,86% na capital paraense contra os 5,91% a nível nacional


Nas onze capitais pesquisadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Belém foi a que teve a maior inflação para famílias com renda de um a 40 salários mínimos em todo o ano de 2010 e a segunda maior na faixa de famílias com rendimento de um a seis salários mínimos. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação da classe média, foi de 6,86% em Belém, à frente de todas as capitais.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que mede o custo de vida dos pobres e é usado no Pará para reajustar as mensalidades escolares todo início de ano, foi de 7,17% em Belém, a segunda maior taxa acumulada em 2010, atrás somente de Curitiba - 8,11%. Em nível nacional, o IPCA saltou de 4,31% em 2009 para 5,91% e o INPC, de 4,11% em 2009 para 4,71% em 2010.

Leia mais no O Liberal.com

Jatene anuncia que Estado terá economia de guerra

(E olha que Ana Julia deixou uma herança bendita) 



O Estado do Pará vai entrar em economia de guerra já a partir dos próximos dias. A informação é de quem pode decidir. E já decidiu. “Vai. Não tem nenhuma chance para fazer diferente”. Foi assim que o governador Simão Jatene anunciou na sexta-feira, em entrevista ao DIÁRIO DO PARÁ, a próxima adoção de um conjunto de medidas objetivando a contenção de gastos na administração pública estadual.
O governador disse que já teve oportunidade de discutir o assunto com os secretários e dirigentes de órgãos do Estado. “Eu tive com eles uma reunião, na qual tratei de alertá-los sobre isso”, afirmou Simão Jatene, acrescentando que deverá baixar brevemente um decreto disciplinando questões referentes a viagens, pagamentos de diárias e outras despesas.

Leia mais no Diário.com


Veja alguns indicadores comparativos do Pará e Amazônia...

para refletir sobre o nosso desenvolvimento. 



Índice Firjan de Desenvolvimento (IFDM) - 2006 (*)

Ranking Brasil ano 2006
IFDM- AML
IFDM
Emprego & Renda
Educação
Saúde
11º
MT
0.6545
0.5667
0.6037
0.7932
15º
RO
0.6336
0.5999
0.6071
0.6938
16º
TO
0.6321
0.5477
0.6156
0.7331
18º
RO
0.6302
0.5964
0.5738
0.7204
19º
AMs
0.6101
0.6602
0.5342
0.6360
20º
AC
0.5993
0.5799
0.5645
0.6535
23º
AP
0.5923
0.5900
0.5596
0.6272
24º
PA
0.5899
0.6116
0.5291
0.6291
26º
MA
0.5720
0.5190
0.5721
0.6250
(*) Indicador da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro. 
Um dos indicadores mais atualizados do Brasil e que raramente 
oferece dúvidas sobre sua veracidade.

Pará, o último estado da Amazônia! 

Outras notícias revelam que o Pará não é aquele que se pintava faz alguns dias, como um estado que já não mais seria mero exportador de commodities e sem de valor agregado. 

Kd essa mudança?.


Veja aqui


Mineração potencializa economia do Pará

Os resultados mais recentes do Produto Interno Bruto (PIB) dos municípios paraenses, divulgados pelo Idesp, confirmam o papel desempenhado pela indústria de mineração como a locomotiva da economia do Estado. Responsável por cerca de 86% de todas as exportações do Pará, e com peso decisivo na formação do segundo maior saldo na balança comercial entre os diversos Estados brasileiros, o setor mineral vem impulsionando também o desenvolvimento dos municípios mineradores.

Na relação dos dez municípios paraenses com maiores participações no PIB, conforme consta do estudo divulgado pelo Idesp, observa-se que cinco têm sua base econômica fortemente vinculada ao setor mineral. São eles: Parauapebas, segundo maior PIB do Estado (com R$ 7,572 bilhões, abaixo apenas de Belém); Barcarena (R$ 3,860); Marabá (R$ 3 ,593); Canaã dos Carajás (R$ 1,271 bilhão) e Oriximiná (R$ 980,9 milhões). Belém, por razões óbvias, abre a relação, liderando o ranking do PIB entre os municípios paraenses, com R$ 15,316 bilhões.

O segundo maior, entre os municípios não mineradores, é Ananindeua. No caso da capital, explica-se a pujança do seu Produto Interno Bruto pela concentração dos serviços especializados, principalmente nas áreas de saúde, educação e financeiro. De acordo com o Idesp, Belém apresentou como principal setor econômico, em 2008, o de serviços, tendo como principais atividades o comércio, aluguel, administração pública e instituições financeiras.

Leia mais no Diario.com