Google+ Badge

sábado, 11 de julho de 2009

BIODIVERSIDADE - Cacau selvagem da Amazônia vira chocolate fino na Europa


Este é mais um grande acerto da biodiversidade, entretanto se existissem políticas públicas voltadas ao aproveitamento comercial da biodiversidade e agregar valor aos produtos naturais na própria região o lucro e retorno para as comunidades da amazônia, abriria as portas para demonstrar um modelo de sustentabilidade para a Amazônia.

Veja a matéria abaixo:

O cacau selvagem colhido em um dos lugares mais remotos da Amazônia virou matéria-prima para chocolates finos na Europa. Ribeirinhos de Boca do Acre, na confluência do Rio Acre com o Purus, no sul do Amazonas, colhem o cacau e o vendem a uma cooperativa que beneficia os frutos para enviá-los à Alemanha, onde são ingrediente de chocolates que custam cerca de 3 euros por unidade (mais de R$ 8).

Segundo Jaime Sass, diretor-administrativo da Cooperativa Agroextrativista do Mapiá e Médio Purus (Cooperar), este ano já foram colhidas 6 toneladas de frutos nativos.

Os cacaueiros estão espalhados pelos rios da região. Ribeirinhos fazem a colheita e levam os frutos até a beira do rio, onde são recolhidos com barcos. “Temos muitos gastos devido às grandes distâncias que precisamos percorrer para recolher o cacau”, explica Sass. Após o recolhimento, os frutos são descascados e colocados em caixas de fermentação por alguns dias. Em seguida, são secos em estufas.

Na íntegra aqui

Amazônia - Extrativismo não é solução para a Amazônia, diz pesquisador da Embrapa (Homma) - Claro ele é economista neoclássico

A OPINIÃO DO ALFREDO HOMMA NÃO PODIA SE DIFERENTE.
Quem interpreta de forma errada as propostas para a sustentabilidade da Amazônia deve com certeza chegar a soluções erradas. Assim tem sido o histórico debate com a economia neoclássica.

Com todo respeito que merece o pesquisador Homma pela sua experiência e seriedade com que debate o modelo para a sustentabilidade da amazônia, seu erro está na idéia de pensar que existiria "a proposta" de que o extrativismo seria "a solução" para a a sustentabilidade da Amazônia e não apenas UMA das soluções.

Por outro lado, a economia neoclássica pensa que a exploração extrativista deve ser necessáriamente regida pelas regras do mercado e que a natureza pode ser explorada a vontade, já que é um recurso que não teria valor comercial, é de graça. Esse é outro erro gritante da economia tradicional.

Veja aqui o debate de Homma sobre o tema e depois continue a leitura sobre as soluções para a sustentabilidade da amazônia, do BLOG.

A retirada de produtos da floresta, como a seiva da seringueira e a castanha-do-pará, não são economicamente viáveis a longo prazo. Essa é a opinião do engenheiro agrônomo da Embrapa Alfredo Homma, que há mais de 30 anos estuda a economia rural na Amazônia.

Segundo o pesquisador, os produtos extrativistas (retirados da natureza) tendem a ser “domesticados” em plantações quando a procura por eles é muito forte. “Na natureza há um determinado número de seringueiras, castanheiras. Para um seringueiro cortar (retirar seiva de) 450 árvores, precisa trabalhar em um espaço de 300 a 500 hectares. Essa mesma quantidade de seringueiras você pode plantar em um campo de futebol”, explica.

O extrativismo tem sido uma das principais apostas dos governos para proteger a Amazônia. No Brasil, há 49 reservas extrativistas e 65 florestas nacionais federais. Esses lugares foram criados especialmente para a retirada controlada de produtos da floresta, preservando a mata.

Aqui a matéria na íntegra

OS COMENTÁRIOS DO BLOG:

As modalidades de reservas extrativistas e de desenvolvimento sustentável não podem ser vistas como empreendimentos rentáveis que vão solucionar por si só a vida das comunidades. A análise econômica neoclássica, que se utiliza de instrumentos da economia tradicional para analisar a trajetória do extrativismo, não é instrumento que contribua positivamente, de forma decisiva, para avaliar as comunidades da floresta amazônica, já que estas são mais complexas e não dependem, exclusivamente, dos mecanismos de mercado para se desenvolver. Dessa forma, nas comunidades pesquisadas foi constatado que não podem ser apenas as regras do mercado as que dinamizem as economias locais. É necessária a intervenção do Estado, para fortalecer as cadeias produtivas, melhorar a competitividade, por meio de assistência técnica, capacitação tecnológica, educação e gestão, ao longo da cadeia produtiva.

Veja mais aqui sobre o tema

E aqui uma pesquisa mais ampla sobre o modelo de sustentabilidade da Amazônia

sexta-feira, 10 de julho de 2009

MUDANÇA CLIMÁTICA - Reuniões entre ambientalistas, cientistas e até igreja avaliam impactos das mudanças climáticas

Danielle Jordan / AmbienteBrasil

Até o dia 10 o tema “Mudanças climáticas” faz parte dos debates do Simpósio Internacional Mudanças Climáticas e Justiça Social, evento organizado pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

O encontro tem como objetivo alertar para a gravidade das mudanças no clima para a humanidade. Um dos pontos destacados é o relatório divulgado no dia 29 pelo Fórum Humanitário Global que revela que cerca de 315 mil pessoas são mortas todos os anos vítimas da fome, doenças e desastres naturais.

Comunidades atingidas por fenômenos climáticos e vulneráveis às mudanças na temperatura, como povos indígenas e ribeirinhos, vão apresentar suas reações e adaptações.

O evento acontece no Centro Cultural de Brasília - CCB – L2 Norte, Quadra 601, Brasília – DF.
Na íntegra aqui

MUDANÇA CLIMÁTIA - Suecos e espanhóis conhecem as propostas do Brasil sobre mudanças climáticas

Danielle Jordan / AmbienteBrasil

Na última quinta-feira (09), delegações da Suécia e da Espanha estiveram na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara para debater as propostas dos países sobre as mudanças climáticas.

Os projetos de lei que tramitam na casa foram apresentados pelo deputado Roberto Rocha, que preside a Comissão, com destaque para aprovação do Fundo Nacional de Mudanças do Clima.

veja na íntegra aqui

TECNOLOGIA - O Twitter arma explosiva contra a censura

Silvia Blanco
El País

O Twitter se transformou em uma arma explosiva contra a censura. Às vezes, como no Irã, na única arma à disposição da dissidência. E muitos governos, como o chinês, a temem. Por isso na segunda-feira, quando irrompeu a violência étnica em Xinjiang, o Twitter foi bloqueado.

"Fizeram isso porque é uma mídia instantânea, e porque os que têm maiores conhecimentos tecnológicos o utilizam para ensinar outros a enviar mensagens para o exterior", conta da Califórnia Xiao Qiang, fundador do site China Digital Times. Essa página está recebendo e traduzindo do chinês para o inglês os "tweets" [mensagens] sobre a violência em Urumqi que estão conseguindo escapar da censura.

Mas essa ferramenta dos cidadãos ainda não leva pessoas à rua. "Pena que os revolucionários de antigamente não tinham o Twitter", diz Enrique Dans, professor de sistemas de informática na IE Business School e blogueiro (www.enriquedans.com).

"Sua capacidade é a de aquecer um protesto, ampliá-lo e acelerá-lo. É muito fácil criar adesões, o difícil é transportá-las para o mundo real. A fagulha que acende um protesto virtual quase sempre vem de um fato. Isso ocorreu com a repressão no Tibete no ano passado, e ocorreu no Irã. As redes sociais amplificam o protesto, mas ainda não o provocam", acrescenta.

Mobilizar a solidariedade e a adesão de centenas de milhares de pessoas no mundo sobre o que aconteceu no Irã já é uma mudança. Ramine Darabiha, um francês de 25 anos, passou a madrugada de 13 de junho grudado no computador. A cerca de 3 mil quilômetros de Teerã, estava tão atônito quanto seus pais em Paris e seus parentes e amigos no Irã pelo fato de que tanto Mousavi quanto Ahmadinejad se atribuíam a vitória nas eleições.

Primeiro ele vasculhou sites de notícias em busca de informação; pouco depois encontrou centenas de frases no Twitter e duas palavras recorrentes: "fraude" e "censura". Soube que o Facebook estava bloqueado, assim como os celulares e torpedos. E que de Tampere, na Finlândia, ele podia estar nos protestos.

Há cinco anos Darabiha decidiu mudar-se para essa cidade, ideal para um empreendedor que quer se especializar em negócios na Internet. Lá ficam o centro de pesquisa e desenvolvimento da Nokia, um ímã para cérebros das telecomunicações de todo o mundo. A Nokia é, junto com a Siemens, a empresa (Nokia Siemens Networks) que vendeu para o Irã a tecnologia para filtrar e controlar as comunicações, assim como para outros 150países, segundo "The Wall Street Journal" e a BBC. Além disso, a companhia estatal Irã Telecom administra quase todo o tráfego da internet, o que representa dispor de algo como um botão que permite apagar a rede e os celulares.

Quando o governo iraniano decidiu apertá-lo, se acendeu uma imediata, gigantesca e global cadeia de mensagens de no máximo 140 caracteres para opinar, protestar e solidarizar-se com os iranianos através da rede social Twitter. Darabiha deu um passo a mais: contribuiu, como centenas de internautas de meio mundo, para criar pontes que contornaram a censura para os que estavam no Irã. Dedicou-se a pôr no Twitter endereços de sites que não deixam rastro do destino nem da origem da informação.

Fotos, vídeos e depoimentos começaram a circular freneticamente pela rede. Um estudo do The Web Ecology Project, restrito à Universidade Harvard, o Berkman Center e o Massachusetts Institute of Technology (MIT), registrou entre 7 de junho (antes das eleições iranianas) e 26 pouco mais de 2 milhões de mensagens no Twitter sobre o processo eleitoral no Irã. Cerca de 480 mil usuários únicos se somaram à conversa.

El País na íntegra

INTERNACIONAL - Uma Pequena História da Intervenção dos Estados Unidos em Honduras




Não seria irônico se a primeira intervenção militar do governo Obama ocorresse logo em Honduras?

Eu admito que isto seria improvável, mas não impossível. Jovens presidentes democratas com pouca experiência em política externa geralmente sentem uma necessidade de demonstrar a sua disposição de usar a força. Pensem em John F. Kennedy e na Baía dos Porcos. Ou, para usar um exemplo mais pertinente, lembrem-se de Bill Clinton e o Haiti. Em 1994, Clinton enviou tropas àquele país para recolocar o presidente Jean-Bertrande Aristide no poder depois que este foi derrubado por um golpe militar.

Isso soa familiar?

No Haiti a nossa intervenção não funcionou tão bem. Aristide, embora eleito, não se revelou nem um democrata nem um déspota esclarecido. O país continuou tornando-se mais pobre e caótico. Ele acabou sendo derrubado em um outro golpe em 2004. E dessa vez o presidente Bush foi suficientemente esperto para dar uma carona ao presidente para fora do país - em vez de forçar a sua volta ao poder.

Esperemos que Barack Obama veja nisso tudo uma lição sobre os perigos da intervenção dos Estados Unidos nas questões internas de uma outra nação - algo do qual ele está bem consciente em se tratando do Irã. Mas ele parece bem menos reticente quanto a interferir nas questões internas de Israel ou Honduras.

Ele e a secretária de Estado, Hillary Clinton têm denunciado estridentemente a ilegalidade do recente golpe que derrubou o presidente Manuel Zelaya. No entanto, a questão da legalidade daquilo que ocorreu é nebulosa. O exército alegou que estava simplesmente executando uma ordem no sentido de prender e exilar Zelaya. Teria sido melhor se o presidente tivesse sofrido um impeachment ou sido julgado, de forma que pudesse organizar uma defesa legal, mas o lado anti-Zelaya apresenta bons argumentos quanto à ilegalidade das ações do presidente.

Não houve nada de legal quanto às tentativas de Zelaya de organizar um referendo fraudulento que lhe teria permitido continuar no poder, em desrespeito à decisão do Supremo Tribunal de Honduras. Ele estava nitidamente mobilizando-se - no estilo do seu patrocinador, o presidente venezuelano Hugo Chávez - no sentido de aumentar o seu poder por meios truculentos, mantendo desta forma um invólucro de democracia eleitoral de cerne oco.

Veja na íntegra aqui

quinta-feira, 9 de julho de 2009

BIODIVERSIDADE - Os riscos do patenteamento de material biológico, debate aquece - The risks of patenting of biological material, debate heats up

O artigo 10, da Lei 9.279/96, veta o patenteamento de material biológico e seres encontrados na natureza, mesmo que isolados.

Porém, pesquisadores e parlamentares se mostram favoráveis ao Projeto de Lei 4961/05, do deputado Antonio Carlos Mendes Thame, que possibilita a concessão de patentes a substâncias extraídas de organismos vivos no Brasil. O assunto foi tema da audiência pública da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, que aconteceu no dia 25 de junho.

O parlamentar Germano Bonow, relator da proposta, afirmou que fará uma modificação em seu relatório, cuja recomendação era rejeitar o projeto, por entender que existem contextos para que as patentes sejam conferidas, desde que o material biológico seja isolado por processos de pesquisa. Segundo o deputado, a compreensão era de que “o Brasil deveria proteger esse patrimônio genético, porque é signatário de acordos internacionais sobre o tema”. Para Bonow, hoje há experiências internacionais em que o país pode ter como base.

Para alguns especialistas, o PL pode ser um meio para desenvolver pesquisas no ramo da biodiversidade brasileira e os estudos científicos não podem ser realizados sem que haja investimentos para testes, análises e produção. Logo, o país precisa requerer as patentes.

Na opinião de Gonzalo Enríquez, doutor em Desenvolvimento Sustentável (UnB) e professor de Economia da Universidade Federal do Pará (UFPA), o patenteamento de substâncias biológicas e partes de organismos vivos é uma das controvérsias junto à biotecnologia e direitos de propriedade intelectual. “Existem setores francamente favoráveis e os que lhe fazem oposição. A tese favorável voltou a tomar corpo a partir do anúncio da conclusão do sequenciamento do genoma humano.

Há uma linha argumentativa segundo a qual as pesquisas biológicas e da engenharia genética geram, na verdade, descobertas e não invenções, já que nada mais fazem do que recombinar materiais genéticos preexistentes ou isolar substâncias que ocorrem na natureza”.

Divergência entre os países

A decisão de patentear as substâncias diverge em vários países. Segundo Gonzalo Enríquez, os Estados Unidos já aceitam a apropriação do patrimônio genético. Em contrapartida, a maioria das nações européias não aceita a idéia. “Nem mesmo entre os países participantes do Projeto Genoma Humano há convergência quanto à questão. Para muitos especialistas, o código genético, sobretudo o do ser humano, é patrimônio inalienável de toda a humanidade. A própria Declaração Universal do Genoma Humano e dos Direitos Humanos, promulgada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco): o genoma, em seu estado natural não deve dar lugar a ganhos financeiros”.

Benefícios ao BrasilSegundo o parlamentar Mendes Thame, a exploração da biodiversidade brasileira pode trazer benefícios ao país. Dados da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Biopirataria, finalizada em 2006 e que estudou a proteção do patrimônio genético do Brasil, cujo deputado foi relator, apontam que é necessário beneficiar e remunerar as comunidades detentoras da biodiversidade. Ele salienta que as patentes devem ser conferidas, apenas, às substâncias isoladas. De acordo com o PL, para ser patenteado, o material deve apresentar requisitos de novidade, aplicação industrial e atividade inventiva.

VEJA AQUI MATÉRIA COMPLETA DA REVISTA ACESSO E DEBATE NA CAMARA DOS DEPUTADOS

ESPORTE - O PRESIDENTE LULA É PÉ QUENTE

Mano Menezes
Técnico do Corinthians

Treinador de futebol vive de resultados positivos. Essa frase famosa e muito desgastada no meio futebolístico ganha a cada dia mais um capítulo com uma nova demissão. Se o time não vai bem, não demora pra se encontrar um culpado: o técnico.

Mano Menezes não vive esse drama. No comando do Corinthians conquistou os três últimos campeonatos que disputou e é adorado por dirigentes e torcedores. Foi campeão da Série B do Brasileirão, do Campeonato Paulista e da Copa do Brasil, garantindo a equipe na Libertadores da América em 2010, ano do centenário do clube.

No mês passado a rede de TV americana CNN divulgou uma pesquisa onde Mano Menezes aparece em quarto lugar como o treinador com o melhor aproveitamento. Ele ficou atrás apenas de três grandes nomes do futebol mundial: Josep Guardiola, do Barcelona; Alex Fergunson, do Manchester United e o português José Mourinho, da Inter de Milão.

Mano Menezes nasceu na cidade gaúcha de Passo do Sobrado e foi zagueiro do Guarani de Venâncio Aires. Como técnico, iniciou a carreira treinando equipes de base no futebol gaúcho. Passou pelo Guarani de Venâncio Aires, XV de Novembro de Campo Bom, Caxias e Grêmio antes de chegar ao Corinthians.

Participam como convidados entrevistadores:
Antero Greco, editor de esportes do jornal O Estado de S. Paulo e comentarista da ESPN Brasil; Vladir Lemos, apresentador e editor-chefe do programa Cartão Verde, da TV Cultura; Dan Stulbach, ator e Andrea Pasquini, diretora do filme Fiel.

Apresentação: Heródoto Barbeiro

Transmissão ao vivo pela Internet a partir das 17:30, no site do programa.

O Roda Viva é apresentado às segundas a partir das 22h10.
Você pode assistir on-line acessando o site no horário do programa.
RODA VIVA ENVIE SUA PERGUNTA AQUI

ECONOMIA - A queda da indústria do Pará, distorção da informação

Um jonal que circula no estado do Pará e que pertence a uma família de jornalistas, informou dia 08.07.2009 sobre dados da evolução da indústria parense. Segundo o Jornal o IBGE aponta que o Pará teve queda de 5.6% na produção, a maior do Brasil. A informação é impecável, até aqui, só que se analisamos os detalhes dos dados vamos encontrar, na mesma página do jornal, que a referida queda se deve, principalmente à queda da produção mineral que experimento uma redução de -14,1%.

Se os dados da produção mineral fossem comparados com outros estados da federação, os resultados revelam uma queda da produção maior em estados como MG (-20,0%) e Espírito Santo (-29,0), sendo a média nacional de -11,3%. O jornal não mintiu, apenas a manchete da uma idéia errada.

CURIOSIDADES - Chocolates Hershey´s, azar para eles. Nâo consuma essa marca

Homem morre ao cair em tanque de chocolate
Um funcionário de uma fabrica de doces nos Estados Unidos morreu ao cair dentro de um tanque de chocolate quente, segundo informou a rede americana CNN.

De acordo com as autoridades locais, Vicent Smith II, 29 anos, estava colocando chocolate dentro do tanque de derretimento, quando caiu de uma plataforma de pouco mais de 2,5 m de altura. Ele bateu com a cabeça na pá de agitação da máquina.

Outras três pessoas estavam na plataforma na hora do acidente, uma delas tentou desligar a máquina, mas não conseguiu salvar Smith. A fábrica é de propriedade da Cocoa Services Inc. e produz chocolate para a marca Hershey´s. (Terra)

CURIOSIDADES - Á justiça é cega e invejosa

Palma de Mallorca (Espanha), 8 jul (EFE).- Um britânico aparentemente embriagado e sem consciência do que fazia distribuiu os 52 mil euros (US$ 72 mil) que carregava entre passageiros do aeroporto da cidade espanhola de Palma de Mallorca.Os passageiros que estavam no aeroporto estranharam quando J.B.N., de 59 anos, que acabava de aterrissar em um voo procedente de Manchester, começou a distribuir hoje seu dinheiro, segundo fontes policiais.Seu aspecto era de "indigente", pois ele estava sujo, cheirava "mal" e tinha a aparência de "total abandono", segundo um comunicado.O homem, que possuía 50 mil euros (US$ 69 mil) em cheques de viagem e 2 mil euros (US$ 2,7 mil) em notas, ria enquanto distribuía seu dinheiro.A Polícia o identificou, entrou em contato com o Consulado britânico em Palma e comprovou que o dinheiro era seu, aparentemente fruto de uma herança.Hoje mesmo ele foi enviado outra vez ao Reino Unido.

Veja matéria aqui

quarta-feira, 8 de julho de 2009

IMPRENSA - ARTIGO DE LUCIO FLAVIO PINTO SOBRE A CONDENAÇÃO POR DEFENDER A LIBERDADE DE IMPRENSA...

"AO CARO LEITOR

"Li com estupefação, perplexidade e indignação a sentença que ontem me impôs o juiz Raimundo das Chagas, titular da 4ª vara cível de Belém do Pará. Ao fim da leitura da peça, perguntei-me se o magistrado tem realmente consciência do significado do poder que a sociedade lhe delegou para fazer justiça, arbitrando os conflitos, apurando a verdade e decidindo com base na lei, nas evidências e provas contidas nos autos judiciais, assim como no que é público e notório na vida social. Ou, abusando das prerrogativas que lhe foram conferidas para o exercício da tutela judicial, utiliza esse poder em benefício de uma das partes e em detrimento dos direitos da outra parte.

"O juiz deliberou sobre uma ação cível de indenização por dano moral que contra mim foi proposta, em 2005, pelos irmãos Romulo Maiorana Júnior e Ronaldo Maiorana, donos da maior corporação de comunicação do norte do país, o Grupo Liberal, afiliado à Rede Globo de Televisão. O pretexto da ação foi um artigo que escrevi para um livro publicado na Itália e que reproduzi no meu Jornal Pessoal, em setembro daquele ano.
"O magistrado acolheu integralmente a inicial dos autores. Disse que, no artigo, ofendi a memória do fundador do grupo de comunicação, Romulo Maiorana, já falecido, ao dizer que ele atuou como contrabandista em Belém na década de 50. Condenou-me a pagar aos dois irmãos indenização no valor de 30 mil reais, acrescida de juros e correção monetária, além de me impor o pagamento das custas processuais e dos honorários advocatícios, arbitrados pelo máximo permitido na lei, de 20% sobre o valor da causa.

"O juiz também me proibiu de utilizar em meu jornal 'qualquer expressão agressiva, injuriosa, difamatória e caluniosa contra a memória do extinto pai dos requerentes e contra a pessoa destes'. Também terei que publicar a carta que os irmãos Maiorana me enviarem, no exercício do direito de resposta. Se não cumprir a determinação, pagarei multa de R$ 30 mil e incorrerei em crime de desobediência.
"As penas aplicadas e as considerações feitas pelo juiz para justificá-las me atribuem delitos que não têm qualquer correspondência com os fatos, como demonstrarei.

"O juiz alega na sua sentença que escrevi o artigo movido por um “sentimento de revanche” contra os irmãos Maiorana. Isto porque, 'meses antes de tamanha inspiração', me envolvi 'em grave desentendimento' com eles.
"O 'grave desentendimento' foi a agressão que sofri, praticada por um dos irmãos, Ronaldo Maiorana. A agressão foi cometida por trás, dentro de um restaurante, onde eu almoçava com amigos, sem a menor possibilidade de defesa da minha parte, atacado de surpresa que fui. Ronaldo Maiorana teve ainda a cobertura de dois policiais militares, atuando como seus seguranças particulares. Agrediu-me e saiu, impune, como planejara. Minha única reação foi comunicar o fato em uma delegacia de polícia, sem a possibilidade de flagrante, porque o agressor se evadiu. Mas a deliberada agressão foi documentada pelas imagens de um celular, exibidas por emissora de televisão de Belém.

"O artigo que escrevi me foi encomendado pelo jornalista Maurizio Chierici, para um livro publicado na Itália. Quando o livro saiu, reproduzi o texto no Jornal Pessoal, oito meses depois da agressão.
"Diz o juiz que o texto possui 'afirmações agressivas sobre a honra' de Romulo Maiorana pai, tendo o 'intuito malévolo de achincalhar a honra alheia', sendo uma 'notícia injuriosa, difamatória e mentirosa'.

"A leitura isenta da matéria, que, obviamente, o magistrado não fez, revela que se trata de um pequeno trecho inserido em um texto mais amplo, sobre as origens do império de comunicação formado por Romulo Maiorana. Antes de comprar uma empresa jornalística, desenvolvendo-a a partir de 1966, ele estivera envolvido em contrabando, prática comum no Pará até 1964. Esse fato é de conhecimento público, porque o contrabando fazia parte dos hábitos e costumes de uma região isolada por terra do restante do país. O jornal A Província do Pará, um dos mais antigos do Brasil, fundado em 1876, se referiu várias vezes a esse passado em meio a uma polêmica com o empresário, travada em 1976.

"Três anos antes, quando se habilitou à concessão de um canal de televisão em Belém, que viria a ser a TV Liberal, integrada à Rede Globo, Romulo Maiorana teve que usar quatro funcionários, assinando com eles um “contrato de gaveta” para que aparecessem como sendo os donos da empresa habilitada e se comprometendo a repassar-lhe de volta as suas ações quando fosse possível. O estratagema foi montado porque os órgãos de segurança do governo federal mantinham em seus arquivos restrições ao empresário, por sua vinculação ao contrabando, não permitindo que a concessão do canal de televisão lhe fosse destinado. Quando as restrições foram abolidas, a empresa foi registrada em nome de Romulo.

"Os documentos comprobatórios dessa afirmação já foram juntados em juízo, nos processos onde os fatos foram usados pelos irmãos Maiorana como pretexto para algumas das 14 ações que propuseram contra mim depois da agressão, na evidente tentativa de inverter os pólos da situação: eu, de vítima, transmutado à condição de réu.

"Todos os fatos que citei no artigo são verdadeiros e foram provados, inclusive com a juntada da ficha do SNI (Serviço Nacional de Informações), que, na época do regime militar, orientava as ações do governo. Logo, não há calúnia alguma, delito que diz respeito a atribuir falsamente a prática de crime a alguém.
"Quanto ao ânimo do texto, é evidente também que se trata de mero relato jornalístico, uma informação lateral numa reconstituição histórica mais ampla. Não fiz nenhuma denúncia, por não se tratar de fato novo, nem esse era o aspecto central do artigo. Dele fez parte apenas para explicar por que a TV Liberal não esteve desde o início no nome de Romulo Maiorana pai, um fato inusitado e importante, a merecer registro.

"O juiz justificou os 30 mil reais de indenização, com acréscimos outros, que podem elevar o valor para próximo de R$ 40 mil, dizendo que a 'capacidade de pagamento' do meu jornal 'é notória, porquanto se trata de periódico de grande aceitação pelo público, principalmente pela classe estudantil, o que lhe garante um bom lucro'.
"Não há nos autos do processo nada, absolutamente nada para fundamentar as considerações do juiz, nem da parte dos autores da ação. O magistrado não buscou informações sobre a capacidade econômica do Jornal Pessoal, através do meio que fosse: quebra do meu sigilo bancário, informações da Receita Federal ou outra forma de apuração.

"O público e notório é exatamente o oposto. Meu jornal nunca aceitou publicidade, que constitui, em média, 80% da fonte de faturamento de uma empresa jornalística. Sua receita é oriunda exclusivamente da sua venda avulsa. A tiragem do jornal sempre foi de 2 mil exemplares e seu preço de capa, há mais de 12 anos, é de 3 reais. Descontando-se as comissões do distribuidor e do vendedor (sobretudo bancas de revista), mais as perdas, cortesias e encalhes, que absorvem 60% do preço de capa, o retorno líquido é de R$ 1,20 por exemplar, ou receita bruta de R$ 2,4 mil por quinzena (que é a periodicidade do jornal). É com essa fortuna que enfrento as despesas operacionais do jornal, como o pagamento da gráfica, do ilustrador/diagramador, expedição, etc. O que sobra para mim, quando sobra, é quantia mais do que modesta.

"Assim, o valor da indenização imposta pelo juiz equivale a um ano e meio de receita bruta do jornal. Aplicá-la significaria acabar com a publicação, o principal objetivo por trás dessas demandas judiciais a que sou submetido desde 1992.
"Além de conceder a indenização requerida pelos autores para os supostos danos morais que teriam sofrido por causa da matéria, o juiz me proibiu de voltar a me referir não só ao pai dos irmãos Maiorana, mas a eles próprios, extrapolando dessa forma os parâmetros da própria ação. Aqui, a violação é nada menos do que à constituição do Brasil e ao estado democrático de direito vigente no país, que vedam a censura prévia. A ofensa se torna ainda mais grave e passa a ter amplitude nacional e internacional.

"Finalmente, o magistrado me impõe acatar o direito de resposta dos irmãos Maiorana, direito que eles jamais exerceram. É do conhecimento público que o Jornal Pessoal publica – todas e por todo – as cartas que lhe são enviadas, mesmo quando ofensivas. Em outras ações, ofereci aos irmãos a publicação de qualquer carta que decidissem escrever sobre as causas, na íntegra. Desde que outra irmã iniciou essa perseguição judicial, em 1992, jamais esse oferecimento foi aceito pelos Maiorana. Por um motivo simples: eles sabem que não têm razão no que dizem, que a verdade está do meu lado. Não querem o debate público. Seu método consiste em circunscrever-me a autos judiciais e aplicar-me punição em circuito fechado.

Ao contrário do que diz o juiz Raimundo das Chagas, contrariando algo que é de pleno domínio público, o Jornal Pessoal não tem “bom lucro”. Infelizmente, se mantém com grandes dificuldades, por seus princípios e pelo que é. Mas dispõe de um grande capital, que o mantém vivo e prestigiado há quase 22 anos: é a sua credibilidade. Mesmo os que discordam do jornal ou o antagonizam, reconhecem que o JP só diz o que pode provar. Por assim se comportar desde o início, incomoda os poderosos e os que gostariam de manipular a opinião pública, conforme seus interesses pessoais e comerciais, provocando sua ira e sua represália. A nova condenação é mais uma dessas vinganças. Mas com o apoio da sociedade, o Jornal Pessoal sobreviverá a mais esta provação.

Leia aqui no blog do BARATA na íntegra a história da condenação do Jornalista Lúcio Flavio Pinto

Menos de 2% dos doutores vão para a indústria

Maior parte está na universidade; inovação industrial pode aumentar faturamento em 9,6%, aponta estudo

Lisandra Paraguassú escreve para “O Estado de SP”:

Com a recente média alcançada de cerca de 10 mil doutores formados por ano, o Brasil ainda não conseguiu levar esses profissionais para dentro das empresas, mantendo a maior parte na academia. Estudo realizado por pesquisadores do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) aponta que apenas 1,9% dos 26 mil doutores empregados está na indústria, enquanto 66% permaneciam na universidade. Outros 18% estão empregados no setor público.

O trabalho usou como base a Relação Anual de Informações Sociais (Rais) - que concentra o cadastro de pessoas empregadas no País - e dados do ano passado. "Nosso sistema de formação acadêmica já foi estruturado para abastecer o ensino superior. E essa cultura de formação para a universidade se mantém", afirma um dos autores do trabalho, Divonzir Gusso.

"No próprio sistema de avaliação da pós-graduação o que menos conta é a produção técnica. Se um professor publicou dois artigos no exterior e produziu cinco patentes, o que vale são os artigos", completa ele.

A partir de 2004 a produção de artigos passou a ter o mesmo peso do registro de patentes na avaliação dos mestrados e doutorados feita pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal do Ensino Superior (Capes). "Esse foi um problema que detectamos e a avaliação foi mudada", diz o presidente da Capes, Jorge Guimarães.

Veja mais aqui

Ciência e cultura se encontram na Amazônia

SBPC Cultural mostrará diversidade de manifestações culturais existentes na região. Evento ocorrerá paralelamente à 61ª Reunião Anual da SBPC Além de ampliar o conhecimento científico sobre a Amazônia brasileira, o público participante da 61ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) também terá a oportunidade de ter contato direto com a diversidade cultural da região.Ao término das atividades científicas, nos dias 13 a 17 de julho, a ciência dará lugar à cultura no campus da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), em Manaus, com a realização da SBPC Cultural.Composta por uma série de atividades, com ênfase na produção artística e cultural da região, o evento deverá reunir cerca de 500 artistas, de diversas expressões culturais, reunidos pelo projeto cultural Uakti - um movimento criado no final da década de 80 no Amazonas com o objetivo de possibilitar a expressão e a construção da identidade dos artistas amazonenses.“A programação está fantástica e digna de receber os participantes. Terá uma diversidade de manifestações culturais da região, abrangendo, entre outras, música, dança, artes plásticas e teatro”, conta o coordenador da SBPC Cultural, William Gama.DestaquesDistribuídas por núcleos temáticos, um dos destaques da programação cultural é o show de música popular brasileira “Encontro das águas e dos poetas”, que será realizado nas noites dos dias 13 a 15 de julho. Reunindo 27 canções, de autoria de poetas, cantores e intérpretes amazonenses, a cada três músicas executadas serão recitados poemas com o mesmo tema das composições: a água.

Veja mais aqui

terça-feira, 7 de julho de 2009

EXPORTAÇÕES - BRASIL E O SÉCULO XIX

Só faltava voltar e exportar café, algodão e açúcar, com zero valor agregado. Como dizem os ruralistas: A China é a indústria do mundo, a Índia o escritório e o Brasil a Fazenda. E disso muitos se orgulham.
São Paulo, 6 jul (EFE).- A crise econômica internacional elevou a importância das matérias-primas nas exportações brasileiras, segundo um estudo apresentado hoje pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

"A crise internacional parece ter acentuado uma das principais características do comércio exterior brasileiro: sua elevada concentração de matérias-primas e produtos de menor intensidade tecnológica", aponta o documento.

A pesquisa, intitulada "Radar: Produção, Tecnologia e Comércio Exterior", afirma que "entre janeiro e abril de 2009, a participação das matérias-primas nas exportações cresceu até 51%, diante de uma média histórica um pouco menor, de 40%".Segundo o texto, "o fator de maior peso" no crescimento da importância das matérias-primas nas vendas internacionais do Brasil "são as exportações para a China".Cerca de 77% das exportações brasileiras para China se concentram em três produtos: a soja e seus derivados, o minério de ferro e o petróleo, segundo números do Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

"Enquanto as exportações totais caíram cerca de 23% nos cinco primeiros meses de 2009, em comparação com 2008, as exportações para a China cresceram 34%", afirma o relatório.O documento foi apresentado hoje em São Paulo, pelo diretor de Estudos Setoriais do Ipea, Marcio Wohlers.

UOL ECONOMIA

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Jefe de inteligencia british contaba su vida por Facebook (espanhol)


La seguridad nacional inglesa se puso a prueba tras conocer que el nuevo jefe de Inteligencia y capo del MI6, John Sawers, contaba todos los datos de su vida a través de Facebook. En la red social subía fotos de su familia, videos íntimos y datos personales como su dirección, hijos y amigos, además de poner sus estados de ánimo.
Agentes investigaron al jefe, pero se dieron cuenta que el creador de la página era la esposa de Sawers.

Veja aqui

ECONOMIA - Cesta básica fica mais barata em 13 capitais no semestre, constata Dieese

São Paulo - A cesta básica de alimentos ficou mais barata em 13 das 17 capitais pesquisadas pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), tanto no primeiro semestre quanto nos 12 meses fechados em junho.

No período, as maiores quedas foram apuradas em Florianópolis (-9,02%), Aracaju (-8,76%) e Brasília (-8,14%). Já os aumentos se deram em Recife (3,99%), Salvador (3,08%), Goiânia (1,62%) e Belém (1,28%).

A cesta mais cara foi novamente em Porto Alegre (R$ 253,66), com alta de 0,09%. São Paulo apresentou o segundo maior valor da cesta (R$ 228,10), com alta de 0,33%.

Na pesquisa de comportamento de preços, o Dieese constatou que o leite ficou mais caro em 15 capitais, especialmente no Rio de Janeiro (16,97%), Vitória (15,97%), São Paulo (12,73%), Brasília (12,71%), Florianópolis (12,67%) e Curitiba (12,40%).

O óleo de soja também teve aumento em 13 cidades pesquisadas, como Recife (5,30%), Aracaju (5,22%), Natal (4,89%) e Belém (4,85%).

Entre os alimentos essenciais que compõem a cesta b´sica, 4 deles tiveram reduções mais generalizadas: o arroz, cujos preços recuaram em 15 capitais; o feijão, em 11 capitais; o café, em dez e a carne, em nove.

A carne, produto de maior contribuição no custo da cesta básica, apresentou as maiores elevações em Goiânia (4,88%), Natal (3,41%) e Aracaju (2,89%), enquanto Recife (-2,90%) e Vitória (-2,14%) apresentaram as maiores reduções.

Quem recebe o salário mínimo teve de comprometer 98 horas e 58 minutos da jornada para arcar com as compras, na média das capitais. O custo da cesta básica alcançou 48,90% do rendimento do trabalhador em junho, ante 48,71% em maio.

A cesta básica pesquisada pelo Dieese contém 13 itens: arroz, feijão, tomate, banana nanica, açúcar refinado, óleo de soja, café, pão francês, batata, leite integral, manteiga, carne bovina, e farinha de trigo.

Agência Brasil

PEDOFILIA NO PARÁ - Salinas é o próximo destino da CPI da Pedofilia no Pará

Integrantes da CPI da Pedofilia da Assembléia Legislativa do Pará, que apura crimes sexuais contra crianças e adolescentes no Estado, visitarão o município de Salinópolis, no próxima quarta-feira (8). Os compromissos externos da comissão irão até o dia 27 de agosto.

- Pela manhã, os deputados realizam audiência pública para ouvir autoridades locais, lideranças políticas, comunitárias e os Conselheiros Tutelares. A tarde será destinada para ouvir depoimentos de acusados e testemunhas de crimes de violência sexual contra crianças e adolescentes, informou o deputado Adamor Aires (PP), presidente da CPI.

No dia 7 de agosto, os deputados desembarcam no município de Marituba, Região Metropolitana de Belém. No dia 13, Cametá, na região nordeste, recebe pela segunda vez a CPI. No município, os parlamentares pretendem aprofundar as investigações iniciadas no dia 8 de junho deste ano.

Processo

Os deputados receberam um novo fôlego para continuar as investigações. O prazo para a conclusão dos trabalhos da comissão, que encerrava no dia 11 de julho, foi estendido por mais 60 dias. O novo prazo termina em setembro.

Após o encerramento do prazo, o relator da CPI, deputado Arnaldo Jordy (PPS), terá mais dois meses para concluir o relatório.

Fonte: Portal da Amazônia

biodiversidade e biotecnologia - Conselho da Rede Bionorte debate curso de pós-graduação na Amazônia Legal


A Rede de Biodiversidade e Biotecnologia da Amazônia Legal (Rede Bionorte) conta com recursos para iniciar os seus projetos ainda neste ano. A informação foi dada hoje (6), pelo secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento do MCT, Luiz Antonio Barreto de Castro, durante a 2ª Reunião do Conselho Diretor da Bionorte, realizada na sede do MCT. "No total, dispomos de R$ 21 milhões para serem investidos ainda em 2009", afirmou.

Na ocasião, os participantes do Conselho da Rede Bionorte discutiram a elaboração de um edital para a estruturação de cursos de pós-graduação em biotecnologia. O debate foi feito com base em um estudo realizado, no mês passado, pelo Comitê Científico da Rede Bionorte que apontou a existência de 74 cursos de mestrados e de doutorados na Amazônia Legal.

Entre outros pontos, foram apontados problemas como a dificuldade para a fixação e atração de doutores na Amazônia, a falta de equipamento e o conceito inicial de curso de pós-graduação fixado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). "Em sua grande maioria, eles têm o conceito de nível 3, mas temos que trabalhar muito para aumentar", disse o coordenador do Conselho Científico, Spartaco Astolfi Filho. Ele sugeriu, como forma de amenizar o problema, que esses cursos tenham o mesmo formato da Rede Nordeste de Biotecnologia (Renorbio), onde o aluno pode fazer cursos nas instituições associadas.

Outra proposta é a possibilidade dos projetos da rede terem a participação de pelo menos três Estados, obrigando, assim, maior interação da região. "É uma idéia interessante que pode formar doutores nos Estados da Amazônia Legal", afirmou o secretário Luiz Antonio Barreto de Castro. Os temas das pesquisas deverão ser biodiversidade, conservação e uso sustentável da floresta e a bioprospecção e desenvolvimento de produtos.


Site do MCT

MUDANÇA CLIMÁTICA - AINDA TEM QUEM NEGUE QUE EXISTA




Paul Krugman

Então a Câmara aprovou a legislação Waxman-Markey referente à mudança climática. Em termos políticos, foi uma façanha notável. Mas 212 deputados votaram contra. Alguns dos votos contrários foram de deputados que consideravam a legislação muito fraca, mas a maioria a rejeitou por negar completamente a ideia de que os seres humanos sejam responsáveis pela produção de gases causadores do efeito estufa. Quando vi essas pessoas apresentando os seus argumentos, não tive como não achar que estava presenciando uma forma de traição - uma traição contra o planeta.Para que se compreenda integralmente a irresponsabilidade e a imoralidade representadas pela negação da mudança climática, é necessário conhecer a mudança sombria dos resultados das mais recentes pesquisas climáticas. O fato é que o planeta está mudando mais rapidamente do que esperavam até mesmo aqueles indivíduos mais pessimistas: as calotas de gelo estão encolhendo, e a área das zonas áridas aumentando, em um ritmo aterrador. E, segundo vários estudos recentes, uma catástrofe - uma elevação da temperatura tão grande que é quase inimaginável - não pode mais ser considerada uma mera possibilidade. Pelo contrário, ela é o resultado mais provável caso continuemos na rota atual. Assim, pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), que anteriormente previam uma elevação da temperatura de pouco mais de quatro graus até o final deste século, preveem agora um aumento de mais de nove graus. Por que? As emissões de gases causadores do efeito estufa estão crescendo mais rapidamente do que o esperado. Alguns fatores mitigadores, como a absorção de dióxido de carbono pelos oceanos, estão revelando-se mais discretos do que se esperava. E há indicações crescentes de que a alteração climática se auto-reforça. Por exemplo, a elevação das temperaturas provocará o derretimento de parte da tundra ártica, o que aumentará ainda mais a quantidade de dióxido de carbono na atmosfera.

Aqui na íntegra

PARÁ - O INTERIOR UM OLHAR DIFERENTE

PARÁ - O INTERIOR UM OLHAR DIFERENTE

É GOLPE - REPÚDIO UNIVERSAL

Estava esquecida a cultura dos golpes de estado na América Latina. O que tinha ficado latente dos golpistas e ditadores aflorou em Tegucigalpa, Capital de Honduras.

Veja aqui os acontecimentos mais recentes.

O presidente deposto de Honduras Manuel Zelaya pediu no final da noite de domingo(05/07) de El Salvador às Forças Armadas de seu país que baixem seus rifles e não os apontem contra seus irmãos, ao condenar hoje a morte de uma pessoa em Tegucigalpa.

"Apelo às Forças Armadas de Honduras que baixem seus rifles", declarou Zelaya em entrevista coletiva junto aos presidentes da Argentina, Cristina Fernández; Equador, Rafael Correa; Paraguai, Fernando Lugo; e El Salvador, Mauricio Funes.

Zelaya lamentou a morte de um jovem, no que descreveu como repressão contra uma manifestação pacífica, ao mesmo tempo em que se solidarizou com a família da vítima e as dos feridos. Um jovem de 19 anos, identificado como Isis Obed Murillo, morreu após levar um tiro na cabeça, e pelo menos outras dez pessoas ficaram feridas em confrontos entre seguidores de Zelaya e militares no aeroporto, para onde foram milhares de partidários do presidente destituído.

O chefe deposto de Estado se pronunciou após os fatos registrados em Tegucigalpa ontem, onde seu avião não conseguiu aterrissar depois que militares obstruíram a pista do aeroporto Toncontín. O Exército de Honduras colocou veículos sobre a pista de pouso do aeroporto internacional de Tegucigalpa no início da tarde do domingo. Zelaya acabou tendo de pousar em Manágua, capital da Nicarágua, e em seguida foi para El Salvador, onde chegou na noite de ontem.

Durante a entrevista coletiva o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), José Miguel Insulza, disse que o órgão está disposto a "usar todos os meios diplomáticos possíveis para restabelecer o presidente Zelaya".

"Quero dizer que como secretário-geral da OEA estou disposto a seguir adiante com todas as gestões diplomáticas para obter nosso objetivo que não é uma intervenção, é um objetivo simplesmente de cumprir as normas que todos os países adotaram", assegurou.

Ele assinalou que a Carta Democrática Interamericana foi "assinada livremente por todos os países da região" e insistiu em qualificar como "uma ruptura grave da ordem constitucional" o ocorrido em Honduras.

Veja detalhes do golpe aqui no Do UOL Notícias
Em São Paulo

domingo, 5 de julho de 2009