Google+ Badge

sábado, 28 de abril de 2012

Membros da Base Aliada do Governo Federal se divertem. Cabral e dono da Delta construtora oficial do PAC

sexta-feira, 27 de abril de 2012

O PT reclama de falta de democracia na UFOPA, mas não da corrupção no IFPA. Aí está faltando polícia!


Com escasso interesse pela educação, um grupo de deputados do PT, visitou o Ministro Mercadante para reclamar junto ao Ministro de falta de democracia e transparência por parte da gestão da Universidade do Oeste do Pará – UFOPA. Na reunião estava presente o próprio Vice Reitor, o Professor Dr. Clodoaldo dos Santos, na representação do Reitor, José Seixas Lourenço. Para informação dos democratas, quando o Vice Reitor participa de uma audiência oficial, o faz na condição de máximo representante da autoridade da instituição, o Reitor.

A pergunta que não quer calar, por que e Vice da UFOPA precisa ir ao Ministério a criticar a gestão do seu chefe imediato o Reitor? A UFOPA não conta com sua própria estrutura de debates (conselho Universitário) para discutir os problemas internos da instituição?

Se por outro lado, a comunidade acadêmica está tão a desgosto com essa suposta falta de democracia. Por que o Vice Reitor não convoca o Conselho Universitário para debater os problemas da UFOPA? Ele preferiu ir fazer fofoca no Ministério de Educação. Pega mal, já que na UFOPA ele nem aparece e quando o faz aparece cheio de correntes de ouro, brincos nas orelhas e relógios gigantes, engravatado e perfumado, mas entra mudo e sai calado. Assim aconteceu em uma reunião onde eu tive a oportunidade de conferir o que falo.

Aí tem Gato de fora com rabo escondido.

O Vice Reitor da UFOPA está pior que sua antecessora a conhecida Raimundinha, demitida por incompetente. Contam por aí que a própria Professora Berta Becker (uma das geógrafas mais prestigiadas do Brasil) se manifestou pela reprovação da tese de doutorado da Raimunda, mas pelo apoio político de outros professores ela aprovou seu horrível doutorado.
Veja a postagem do site do Deputado Zé Geraldo, preocupado só da democracia da UFOPA. como se a universidade não tivesse Conselho Universitário, Câmeras Técnicas e todos seus órgãos que cuidam dos processos de uma universidade.

Não ha dúvida, o PT quer nacionalizar e politizar a universidade.

Agora com o Reitor do Instituto do IFPA, o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará,Edson Ary Oliveira Fontes (abaixo, foto, no centro, entre Tasso Genro e a irmã, Cuca), volta a ficar sob a suspeita de improbidade administrativa. As denúncias nesse sentido justificaram a criação, por determinação expressa do Ministério da Educação, de um grupo de trabalho destinado a apurar, no prazo de 60 dias, as suspeitas de corrupção envolvendo o reitor do IFPA.Sobre isso ninguém falou com o Ministro Mercadante.
Veja a matéria abaixo e no fim da página (da postagem) veja a matéria do Blog do Barata.

Aí é que falta democracia e polícia, para investigar a quadrilha.

BANCADAS DO PT SE REUNEM COM MINISTRO DA EDUCAÇÃO

Atendendo a um pedido do deputado Zé Geraldo PT/PA, o ministro da educação Aloizio Mercadante recebeu em audiência ontem, dia 18/04, as bancadas estadual e federal do Partido dos Trabalhadores do Pará, em Brasília. A reunião que contou com a presença do presidente do PT no Pará, João Batista Barbosa, toda a bancada federal e parte da bancada estadual do PT, teve como pauta principal o processo de implantação das duas universidades federais no Estado, sendo uma em Santarém, que já está em funcionamento, a Universidade Federal do Oeste do Pará – UFOPA e outra em Marabá, com projeto tramitando no Congresso Nacional, a Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará – UNIFESSPA. Participaram ainda como convidados o vice-reitor da UFOPA, Clodoaldo dos Santos e o ex deputado Paulo Rocha.

A reunião teve inicio com elogios dos parlamentares aos governos do presidente Lula e da presidenta Dilma por terem atendido os pleitos da sociedade das regiões Oeste e Sul e Sudeste do Pará, principais beneficiarias com a implantação das duas universidades. Logo após os elogios vieram as solicitações.

No que se refere ao processo de criação da UNIFESSPA as bancadas solicitaram a inclusão de novos municípios, a serem contemplados com campi universitários.
Quanto a UFOPA os parlamentares externaram grande preocupação quanto ao seu processo de consolidação. Foi relatado ao Ministro Aloízio Mercadante a insatisfação da comunidade acadêmica no que se refere à ausência de uma gestão democrática e transparente, ausência de prestação de conta, assim como, o grande anseio da comunidade acadêmica pela eleição para Reitor.

Na Oportunidade a Bancada solicitou que o Ministério da Educação realize uma visita para verificar in loco o processo de consolidação da UFOPA. O Ministro de imediato solicitou ao Secretário de Ensino Superior (SESU), Amaro Henrique Lins, que realizasse essa visita, juntamente como uma equipe técnica para dialogar sobre os avanços e reclames no processo de consolidação com a comunidade acadêmica e apresentar um relatório.

Ato contínuo, o Ministro foi convidado para visitar a UFOPA, assim como, inaugurar o Instituto Federal Rural de Marabá e fazer o lançamento da pedra fundamental da UNIFESSPA.

Para o deputado Zé Geraldo, com destacada atuação na Câmara dos Deputados em defesa do ensino superior no Estado, tendo indicado individualmente nos últimos três anos cerca de 3,5 milhões de reais em emendas para o setor, a Sociedade Paraense espera uma maior agilidade e transparência na implantação destas Universidades no Estado. Além disso, “o Ministério da Educação e a Sociedade devem estar atentos aos processos de criação e implantação destas instituições acadêmicas para que tudo ocorra dentro da mais alta conduta técnica e democrática”, frisou o deputado.

O Ministro Aloizio Mercadante foi assessorado na audiência pelos seus secretários de Ensino Superior, Amaro Henrique Lins, de Educação Profissional e Tecnológica, Marco Antônio de Oliveira, do Secretário Executivo, José Henrique Paim Fernandes, do Assessor Especial, Rolf Hackabart. Pela bancada estadual do PT, fizeram-se presentes o deputado Airton Faleiro, a deputado Bernadete Ten Caten e o deputado Zé Maria. Os deputados Zé Geraldo, Beto Faro, Claudio Puty e Meriquinho Batista completaram a bancada federal do PT.



O PIB de Educação do Pará, só Professores Doutores das universidades paraenses.

Veja o Blog do Barata. Aqui sim falta democracia e polícia!

IFPA – Edson Ary na mira do MEC e CGU




 Digno e autêntico representante dos petralhas, o neologismo que identifica os arrivistas petistas, e célebre pela incompetência como gestor, um traço nele potencializado por uma prepotência de contornos patológicos, o reitor do IFPA, o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará,Edson Ary Oliveira Fontes (foto, no centro, entre Tasso Genro e a irmã, Cuca), volta a ficar sob a suspeita de improbidade administrativa. As denúncias nesse sentido justificaram a criação, por determinação expressa do Ministério da Educação, de um grupo de trabalho destinado a apurar, no prazo de 60 dias, as suspeitas de corrupção envolvendo o reitor do IFPA.

Mas os percalços de Edson Ary Oliveira Fontes não ficam por aí. Fontes do próprio IFPA revelam que o reitor também está na mira da CGU, a Controladoria Geral da União. “Já há na CGU documentos de sobra sobre as irregularidades detectadas”, asseguram as mesmas fontes. A perspectiva de intervenção da CGU no imbróglio aplaca os temores de que o MEC, por injunções políticas, possa tentar minimizar a gravidade das denúncias que deixaram o reitor do IFPA sob suspeita de improbidade administrativa.

Edson Ary Oliveira Fontes vem a ser irmão de Edilza Oliveira Fontes, aCuca, professora de carreira da UFPA, a Universidade Federal do Pará, e que é também comadre da ex-governadora petista Ana Júlia Carepa. Cuca foi ainda, até passado recente, amiga pessoal e assessora da mais absoluta confiança de Ana Júlia Carepa, pontificando na administração da comadre até entrar em rota de colisão com Cláudio Puty, um dos luas pretas da ex-governadora. Quando isso ocorreu, Ana Júlia Carepa defenestrou Cuca do governo, com requintes de crueldade. Antes do desfecho traumático da amizade com Cuca, Ana Júlia Carepa, então senadora e posteriormente governadora, foi a avalista política de Edson Ary Oliveira Fontes, na ascensão funcional que o tornou diretor do Cefet Pará, o Centro Federal de Educação Tecnológica do Pará, que deu origem ao IFPA, o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará, do qual ele é reitor. O aval de Ana Júlia Carepa a Edson Ary Oliveira Fontes foi devidamente costurado por Cuca, a irmã do reitor do IFPA.

No comando do Cefet e hoje do sucedâneo deste, o IFPA, Edson Ary Oliveira Fontes revelou-se um administrador inepto, desprovido de qualquer resquício de pudor ético. Além de patrocinar o nepotismo, que precisou mascarar devido a súmula 13 do STF, o Supremo tribunal Federal. Prepotente e inescrupuloso, o reitor do IFPA, quando ainda diretor do extinto Cefet, mandou erigir uma aprazível suíte, que era em realidade um pequeno bordel. Com a denúncia sobre essa lambança, feita por O Liberal, Edson Ary Oliveira Fontes tratou de desativar seu improvisado prostíbulo. De resto, embora pessoalmente covarde, e possivelmente por isso, ele se revelou também truculento, naturalmente valendo-se de terceiros. A cada eleição disputada, ele costuma arregimentar gangues de desordeiros, caracterizadas como militantes do PT, para intimidar a oposição e inibir a boca de urna dos seus adversários, o que é ilustrativo do seu caráter. Ou mais exatamente da sua falta de caráter.

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Dilma defende investimento em metrôs e cidades sustentávei


BRASÍLIA -A presidente Dilma Rousseff disse nesta terça-feira, durante o anúncio de um pacote de investimentos de R$ 32 bilhões para obras de mobilidade urbana, que o Brasil deve privilegiar o investimento no transporte público coletivo.

“Todas essas ações do PAC Mobilidade contemplam um imperativo: o Brasil tem que investir em metrôs. No passado, se dizia o seguinte: o Brasil é um país que não tinha condições de investir em metrô porque era muito caro, nós tínhamos que utilizar outros métodos de transporte. Hoje, governadores enfrentam imensas dificuldades para conseguir investir em transporte e em metrô com as cidades em funcionamento.”

Dilma destacou ainda a necessidade de se consolidar o conceito de cidade sustentável e afirmou que essa discussão deve estar “no centro” da Rio+20, a conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, que será realizada no Rio de Janeiro, em junho.

“Significa que nós temos de discutir profundamente qual é o novo paradigma que o mundo necessita, ainda mais o Brasil, que é um país que tem tradição de estar na vanguarda de questões ambientais”, afirmou.

O PAC Mobilidade Urbana Grandes Cidades vai beneficiar moradores de 51 cidades de regiões metropolitanas de 18 Estados. Além de metrôs, os recursos também serão destinados a Veículos Leves sobre Trilhos (VLTs) e implantação de corredores exclusivos para ônibus. Do total de investimentos de R$ 32 bilhões, R$ 22 bilhões são do Orçamento Geral da União e os demais R$ 10 bilhões de contrapartidas estaduais e municipais

O ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro, destacou que as obras vão diminuir o tempo gasto pela população para se deslocar até o trabalho. Segundo ele, alguns dos projetos poderão reduzir esse tempo de quatro para uma hora. “Estamos lançando um programa que irá devolver quase um mês por ano de vida para que nossas irmãs e irmãos brasileiros possam usar esse tempo de uma forma muito mais produtiva e humana”, afirmou.

Durante discurso no evento, o prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho, pediu o início da seleção de projetos, por meio do PAC, para a urbanização de favelas.

Vale e EBX (Eike Batista) Plenjam investimentos


A Vale e a EBX, grupo do empresário Eike Batista, planejam recuperar os 354 km da ferrovia Centro Atlântica, que liga Campos à capital fluminense, em investimento de R$ 1,65 bilhão. A informação partiu do secretário estadual dos Transportes do Rio de Janeiro, Júlio Lopes.

Segundo ele, a linha férrea ligará o Porto do Açu ao Porto do Rio com bitola larga e transportará carvão, granito e material para as plataformas do pré-sal.

Lopes participa nesta quinta-feira de visita ao porto de Açu, no noroeste fluminense. A presidente Dilma Rousseff também estará no evento.

(Marta Nogueira e Paola Moura | Valor)

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Do povo on line

Cachoeira
Quer dizer que aquela frase "colocar a raposa para tomar conta do galinheiro" virou realidade em nosso país?
Com no mínimo 17 senadores-raposas integrando a comissão dessa CPI do Cachoeira, considero uma perda de tempo e de dinheiro (dinheiro nosso, claro) o Senado insistir numa CPI que -já sabemos- se transformará em uma nova e indigesta pizza.

Depois de virar o Google do avesso, continuo na dúvida: Carlinhos é Cachoeira porque ninguém segura ou porque leva todo mundo para o buraco?

 Brasília
Perfeita a análise de Fernando Rodrigues ("Opinião", ontem) sobre os motivos que levaram à mudança da capital federal do Rio para o planalto central.
Somente gostaria de discordar do trecho em que diz que "passaram-se 52 anos e a capital da República não produz nem pregos". Brasília é a maior fábrica de corruptos que existe, consumindo milhões de reais por ano.

Três Poderes?

BRASÍLIA - A República é formada por três Poderes independentes, Executivo, Judiciário e Legislativo. E eles estão pegando fogo.

O Legislativo, o mais tradicional saco de pancadas, está criando uma CPI para investigar tudo e todos, inclusive membros dos próprios três Poderes que andaram perigosamente próximos de cachoeiras, macacos, cachorros e outros bichos.

O Judiciário está de dar dó. Nunca antes na história deste país -sem exagero- os ministros do Supremo se xingam tanto publicamente. Cezar Peluso saiu da presidência do tribunal acusando a presidente da República de desrespeitar a Constituição e o colega Joaquim Barbosa de ser populista, inseguro e temperamental.

Não bastasse, Barbosa, que é relator do mensalão e vai assumir a presidência da mais alta corte do país em sete meses, reagiu em entrevista a Carolina Brígido, do "Globo", despejando os seguintes adjetivos sobre Peluso: "ridículo", "brega", "caipira", "corporativo", "desleal", "tirano", "pequeno", "imperial".

Dá para acreditar numa coisa assim? São esses, nesse clima, que vão julgar o mensalão, um dos casos mais complexos em décadas.

Enquanto isso, o Executivo, que defenestrou sete ministros, faz que não é com ele. A presidente Dilma disse -muito bem, aliás- que vai manter "uma posição absolutamente de respeito" ao Congresso e, portanto, aos trabalhos da CPI.

E quem conhece um pouco do palácio do Planalto diz que o andar do gabinete presidencial parece estar num outro mundo: ninguém fala em CPI, só em economia.

Aparentemente, é ótimo. Enquanto parlamentares e magistrados se engalfinham, a presidente pensa no crescimento, na desoneração das empresas, na garantia de empregos e de salários. Na normalidade, enfim.

Tomara, sinceramente, que dê certo, mas governos não lucram com CPIs e podem perder muito. Depende das torrentes do Cachoeira.

 Eliane Cantanhêde
elianec@uol.com.br

Painel da FOLHA

Pior dos mundos

Além de todos os inconvenientes que pode trazer para o governo federal, a CPI do Cachoeira provoca urticárias também nos candidatos a prefeito do PT, a despeito do empenho da cúpula do partido em instalá-la.

Se um dos objetivos da comissão era tirar o foco do julgamento do mensalão, o efeito foi o oposto: externa e internamente, no Supremo Tribunal Federal aumentou a pressão para que o caso entre em pauta ainda neste semestre. Para petistas como João Paulo Cunha, que é réu no processo e candidato a prefeito de Osasco (SP), a combinação de uma CPI imprevisível com o julgamento de proporção inédita é considerada desastrosa.


Tentáculos 1 Já circula entre parlamentares que além das ramificações previsíveis para investigar o PAC e o Dnit, a CPI poderá ter um braço na área da saúde, devido aos negócios do do grupo de Carlinhos Cachoeira com laboratórios farmacêuticos.

Tentáculos 2 Na bancada do PMDB, há quem aposte que, se a CPI mergulhar nos contratos da saúde, atingirá em cheio o já enrolado governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), que chefiou a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Fogo... Além disso, veteranos de Congresso identificam sinais de que uma ala da bancada do PT, ligada ao líder do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia (SP), estaria disposta a ver o ministro Alexandre Padilha (Saúde) lançado no olho do furacão.

...amigo A briga entre os dois petistas começou quando Padilha, então coordenador político do governo, não indicou Dirceu Raposo, apadrinhado de Chinaglia, para continuar à frente da Anvisa no ano passado. O duelo nos bastidores também explicaria em parte a disputa na bancada pela relatoria da CPI.

Alvos Um dos primeiros nomes na lista que a oposição quer convocar para depor no Congresso é o do ex-chefe do Dnit Luiz Pagot, degolado pela presidente Dilma Rousseff na "faxina" dos Transportes.

Mágoa Diante de evidências de que o grupo de Cachoeira agiu para derrubá-lo, a oposição espera que Pagot continue botando a boca no trombone sobre pressões da Delta para ser beneficiada no órgão que ele comandava.

Emplumada As boas notícias do Datafolha para Dilma Rousseff se estendem à seara tucana. Entre os que declaram ter votado em José Serra para presidente em 2010, a presidente tem 52% de avaliação ótima ou boa. Ela é aprovada por 60% dos simpatizantes do PSDB.

Penetra Alvo preferencial de ONGs ligadas ao meio ambiente pelo fato de ter sido o relator do Código Florestal, o ministro Aldo Rebelo (Esporte) brinca quando questionado se pretende participar da Rio+20: "Se coincidir com uma vistoria da obra do Maracanã, posso aparecer".

Vital De todas as contrapartidas que o PSB pede para o PT para apoiar Fernando Haddad em São Paulo, a aliança em João Pessoa (PB), onde o partido de Eduardo Campos tem a prefeitura e o governo, é questão de honra.

Mapa O PSDB quer ampliar de 793 para mil o número de prefeituras. O foco serão cidades situadas nos oito Estados governados pelo partido. Em São Paulo, a intenção é elevar de 205 para 230 municípios administrados.

Giro No final do mês, líderes tucanos, Aécio Neves à frente, iniciarão uma série de encontros regionais com candidatos a prefeito que vão às urnas em outubro. O primeiro será em Recife (PE).

 VERA MAGALHÃES - painel@uol.com.br

Escassez de água ameaça vinda de gigante chinesa


Gigante Foxconn quer instalar fábrica em região que tenha grande disponibilidade de água


A escassez de água nas bacias dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (Bacias PCJ) ameaça deixar a região de Campinas fora da disputa pela instalação da taiwanesa Foxconn. O Correio apurou que a gigante na produção de displays exige que o local de instalação tenha investimento na área de logística e melhoria da infraestrutura, como o acesso a um aeroporto internacional, uma área extensa para instalação do parque fabril e grande capacidade energética e de água.

A água é um importante insumo da empresa, que a utiliza em resfriamento durante o processo de produção. Esse é o grande limitador da região de Campinas, afirmou uma fonte. Executivos da empresa percorreram a região recentemente e apenas a oferta de água não se enquadrou nos requisitos da Foxconn. A situação é crítica, porque para uma demanda total das cidades da bacia de 81 m3/s, a disponibilidade hídrica total é de 65 m3/s para atender 61 municípios.

O presidente da Agência Paulista de Promoção de Investimentos e Competitividade (Investe São Paulo), Luciano Almeida, disse ontem que aguarda para o final de abril a definição do local onde a empresa vai instalar uma de suas unidades. Ele reconhece que a demanda por água é um fator limitante de investimentos na região de Campinas, mas diz que, no caso da Foxconn, não haverá pressão sobre a demanda. Ele não confirmou, no entanto, se Campinas é uma das candidatas a receber a fábrica.

Devido a cláusula de confidencialidade, que consta no protocolo de intenções assinado com a empresa, a Investe SP não disponibiliza informações como local de instalação, produção, datas, valores, número de empregos, entre outros, até que as negociações sejam concretizadas.

O secretário de Desenvolvimento Econômico, José Afonso Bittencourt, disse que as conversas com a Foxconn continuam, mas a empresa está fazendo exigências que a cidade não poderá cumprir. Segundo o secretário, a taiwanesa quer que a Prefeitura faça uma doação de terreno de um milhão de metros quadrados. “Isso não tem condições, porque além de não termos uma área assim, não é política do município doar terrenos para atrair investimentos”, afirmou. Ele reconhece que a oferta de água é delicada na região, justamente por causa do intenso desenvolvimento dos últimos anos, mas segundo ele, o que pesa no momento é o terreno.

Para o ambientalista José Osório Coelho, aumentar a oferta de água exigirá grandes investimentos em busca de novos mananciais, redução de perdas, ampliação da oferta de água de reúso, economias, proteção de nascentes. “Hoje a bacia PCJ já está em situação complicada e as ações tem sido lentas. Basta ver que hoje apenas 45% do esgoto produzido nessa bacia é tratado”, afirmou.

Seis estados disputam sediar o local escolhido pela empresa: São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Bahia, Pernambuco e Paraná - o local, em tese, precisa ter um solo livre de oscilações e ter garantias de fornecimento de energia e água pura. O presidente da Investe São Paulo disse que o projeto apresentado pela Foxconn possui três fases. A primeira seria a produção da Apple, a segunda, a unificação das fábricas que a empresa tem no Brasil em um só local e, a terceira, a fabricação de telas no País. Ao todo, serão investidos US$ 12 bilhões da gigante asiática no Brasil, para produção de ítens como telas sensíveis ao toque para aparelhos da Apple (iPad e iPhone) e outras marcas. 


Minas Gerais é uma das principais candidatas a receber uma das unidades. O governo mineiro elaborou um plano de benefícios, que contempla infraestrutura, energia elétrica, água e o terreno e acertou que um terço do investimento da Foxconn no Brasil ocorrerá em uma cidade mineira.

A participação da Foxconn no capital social da fábrica de telas planas para iPad que vai se instalar em Minas Gerais será entre 25% e 30%. O investimento nacional ocorrerá por meio do grupo EBX, de Eike Batista, de duas ou três empresas de médio porte do setor de informática, e ainda pelo governo, via BNDESPar. Desta forma, a Foxconn ficaria com uma parcela minoritária e responsável pela gestão do empreendimento. O capital nacional dominaria o bloco de controle da empresa.

Dilma tem aprovação recorde, mas Lula é favorito para 2014


Presidente atinge novo pico de popularidade, com 64% de ótimo ou bom
Questionados quem preferem ver como candidato do PT, 57% citam ex-presidente, contra 32% para a atual


A presidente Dilma Rousseff bateu mais um recorde de popularidade, mas seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva, é o preferido dos brasileiros para ser o candidato do PT ao Planalto em 2014.

Esse é o resultado principal da pesquisa Datafolha realizada nos dias 18 e 19 deste mês com 2.588 pessoas em todos os Estados e no Distrito Federal. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

O governo da petista é avaliado como ótimo ou bom por 64% dos brasileiros, contra 59% em janeiro.

Trata-se de um recorde sob dois aspectos: é a mais alta taxa obtida por Dilma desde a sua posse, em 1º de janeiro de 2011, e é também a maior aprovação presidencial com um ano e três meses de mandato em todas as pesquisas até hoje feitas pelo Datafolha.
Para 29%, Dilma faz um governo regular. Outros 5% consideram que a atual administração é ruim ou péssima. Em janeiro, essas taxas eram de 33% e 6%, respectivamente.

Como a curva de popularidade positiva de Dilma tem sido ascendente desde o início, o Datafolha incluiu desta vez uma nova pergunta no levantamento sobre a eleição de 2014 -quem deveria ser o candidato do PT a presidente: Dilma ou Lula?

As respostas foram bem mais favoráveis a Lula. Ele é o predileto de 57% dos brasileiros para disputar novamente o Planalto daqui a dois anos e meio. Outros 32% citam Dilma. Para 6%, nenhum dos dois deve concorrer. E 5% não souberam responder.

"A presidente Dilma vem tem tendo curva crescente de popularidade e pode reduzir essa desvantagem em relação a Lula se mantiver essa trajetória", diz Mauro Paulino, diretor do Datafolha.

Dilma, entretanto, está tecnicamente empatada com o antecessor, dentro da margem de erro, quando se observam grupos considerados formadores de opinião.
Por exemplo, entre os eleitores com renda acima de dez salários mínimos, Dilma tem 48% contra 45% de Lula. Situação de empate técnico.

O mesmo entre os que têm escolaridade de nível superior: 42% para atual presidente e 41% para seu antecessor.

A ATUAL E OS EX
A comparação com os dois últimos presidentes é muito favorável a Dilma e seus 64% de aprovação. Nesta época, em seu primeiro mandato, Lula tinha 38%. O tucano Fernando Henrique Cardoso tinha ainda menos, só 30%.

Mesmo no segundo mandato, Lula tinha 55% de aprovação com um ano e três meses de governo. Ou seja, nove pontos menos que Dilma.

A alta da petista foi em quase todas as faixas de renda, idade e escolaridade.
Grupos socioeconômicos nos quais Dilma não ia tão bem agora mostraram forte reação. É o caso dos brasileiros com renda familiar acima de dez salários mínimos -4% da população. A petista subiu 17 pontos nesse grupo, passando de 53% para 70%.

Outra alta significativa foi entre a população mais pobre, com renda até dois mínimos por mês -uma massa de 48% dos brasileiros. Nesse grupo, Dilma saiu de 59% para 64% de aprovação.

O atual levantamento foi feito já sob o impacto da queda da taxa de juros de bancos e da redução da taxa básica de juros do país, que passou de 9,75% para 9% na quarta.
A aprovação pessoal da presidente também evoluiu. Para 68%, o desempenho de Dilma é ótimo ou bom; 25% dizem que é regular; 4% avaliam como ruim ou péssimo.

 FERNANDO RODRIGUES
DE BRASÍLIA


domingo, 22 de abril de 2012

Brasil quer dividir recursos do Fundo Amazônia


O governo Dilma Rousseff pretende anunciar durante a Rio+20 que os recursos do Fundo Amazônia passarão a ser compartilhados com os demais países que integram a Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA) – Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname e Venezuela, além do Brasil. O objetivo é demonstrar à comunidade internacional os esforços do Brasil para a proteção e o desenvolvimento sustentável da floresta amazônica.

O Fundo Amazônia já recebeu a doação de US$ 102,6 milhões da Noruega, Alemanha e Petrobras. Gerido pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), ele foi criado em 2008 para captar doações para investimentos não-reembolsáveis em ações de prevenção, monitoramento e combate ao desmatamento e de promoção da conservação e do uso sustentável das florestas. O decreto que regulamentou o fundo prevê a destinação de até 20% de seus recursos para projetos de desenvolvimento de sistemas de monitoramento e controle do desmatamento em outros biomas brasileiros e em outros países tropicais. Mas, na avaliação do governo, o BNDES precisa ainda desenvolver o “enquadramento jurídico” necessário para que os demais países possam acessar, via OTCA, os recursos do fundo.

A expetativa do Itamaraty é que essa adequação burocrática ocorra antes do início da conferência sobre o desenvolvimento sustentável Rio+20, marcado para 20 a 22 de junho, no Rio. “A decisão já está tomada pelo governo, mas está sendo trabalhada uma formatação jurídica para tornar isso uma realidade”, disse a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), que integra a comissão criada para acompanhar a Rio+20.

O Fundo Amazônia já recebeu US$ 94,4 milhões em doações do governo da Noruega, US$ 3,9 milhões do governo alemão e US$ 4,3 milhões da Petrobras. Sua missão é apoiar projetos nas áreas de gestão de florestas públicas e áreas protegidas, controle, monitoramento e fiscalização ambiental, manejo florestal sustentável, uso sustentável da floresta, zoneamento ecológico e econômico, ordenamento territorial, entre outros.

Até o dia 4 de abril, haviam sido contratados 20 projetos que demandavam um total de R$ 258,8 milhões e aprovados outros sete no valor total de R$ 11,5 milhões. Até agora, os desembolsos do fundo somaram R$ 78,1 milhões. Procurada na tarde de ontem, a assessoria de imprensa do BNDES informou que não havia tempo hábil para algum executivo do banco comentar o assunto.
Por: Fernando Exman
Fonte: Valor Econômico

Bioindústria do Pará em Foco


Bioindústria, o diferencial competitivo da natureza paraense

Gonzalo V. Enríquez[1]
A Amazônia representa uma das maiores fontes de recursos naturais, além de ser um dos três patrimônios naturais mais importantes do planeta. Os outros são os mares profundos, sem uma governança ainda definida, e o território antártico, compartilhado entre diversas nações. Assim, a Amazônia é a única grande reserva da natureza que pertence, em sua maior parte, a um único país – o Brasil. Também, a Amazônia é uma das regiões mais cobiçadas no mundo pela riqueza da sua biodiversidade.
É sabido que o atual modelo econômico vigente na Amazônia não tem contribuído para o seu dinamismo econômico sustentável, nem para uma melhor distribuição de renda, a partir do benefício econômico gerado. No caso do Pará, o estado precisa de uma verdadeira transformação do conhecimento e mudança da sua base produtiva. Afinal, nos caracterizamos por ser meramente um exportador de matérias primas, sem valor agregado. Os recursos minerais representam mais US$ 16 bilhões (90%), e deixa o setor madeireiro com quase US$ 400 milhões (2%) e os produtos da biodiversidade ou chamados produtos florestais não madeireiros (PFNM) com pouco mais de US$ 32 milhões (0,18%) do valor das exportações do Estado (Gráfico abaixo).
O maior desafio consiste em alterar esse quadro perverso de exploração predatória dos recursos naturais e ampliar a participação da biodiversidade nas exportações paraenses. Um modelo diferente é necessário para dar valor à floresta e aproveitar a biodiversidade de forma sustentável. Para que isso aconteça se faz necessário transformar os recursos da biodiversidade em produtos com valor agregado e, a inovação tecnológica é a principal ferramenta para que esse processo aconteça.
Entretanto, nossa capacidade científica e tecnológica ainda é extremamente frágil, fragmentada e pouco consolidada. São escassas as experiências de sucesso de empresas que exploram comercialmente a biodiversidade e que representem uma contribuição à economia do Estado.
Conhecemos apenas mostras de pequenas empresas, incubadoras e parques tecnológicos, que são protótipos que mostram a transformação da biodiversidade em produtos com alto valor agregado, mas com pouca expressão na economia paraense. Para transformar essa realidade é fundamental a criação de uma bioindústria paraense, de dar escala aos produtos da biodiversidade, alterando a base produtiva do Estado com produtos de alto valor agregado, como são os perfumes, óleos naturais e essenciais e remédios naturais, os que são altamente demandados nos países desenvolvidos.
A floresta tem valor e pode ser alto e muito rentável, mas é preciso demonstrar que ela pode valer mais como floresta em pé que derrubada, principalmente pelas enormes possibilidades de incorporação de tecnologia e criação de bioindústrias, para produzir produtos com alto valor agregado, remédios e produtos da cosmetologia (cosméticos e dermocosméticos), bem como fitoterápicos, óleos essenciais e alimentos. Esse é o verdadeiro valor estratégico da natureza e que a Amazônia pode oferecer para o mercado mundial.
Assim o confirmam as inúmeras empresas que são verdadeiros cases de sucesso no planeta e que usam insumos da biodiversidade da nossa região. Produtos como copaíba, andiroba, o tradicional óleo de castanha-do-pará que ganham escala em insumos de produtos de beleza, como óleos naturais para massagens, sabonetes óleos essenciais para perfumes e em geral cosméticos, que contam com maior valor agregado que commodities como o ferro, a soja e a madeira, exportados com escasso valor agregado e que contribuem muito pouco com a sustentabilidade do Pará (criação de empregos, renda e preservação do meio ambiente).
Mas, o que está faltando para que a biodiversidade, não apenas tenha um valor potencial e sim consiga alcançar os mercados internacionais? Parte da resposta pode estar na tecnologia, mais especificamente na inovação tecnológica nos produtos da biodiversidade, processo que acontece, precisamente, na indústria. E no caso da exploração da biodiversidade, esse processo acontece na bioindústria. Daí que a bioindústria é um mecanismo essencial para realizar inovação tecnológica e agregar valor aos produtos da biodiversidade.
Apesar de que já existem experiências pilotos de pequenas bioindústrias, em incubadoras e parques tecnológicos, que se relacionam com universidades e centros de pesquisa, o Estado deve transformar esses cases de sucesso, em políticas públicas e dar escala à produção da biodiversidade, caso contrário, continuaremos sendo uma região rica em biodiversidade e em matérias primas e, no entanto, exportando produtos com baixo valor agregado, commodities.
Para dar escala à aos produtos da biodiversidade é fundamental criar um novo conceito de produção sustentável, implantar complexos industriais, dos segmentos empresariais voltados à exploração da biodiversidade. Esses complexos devem contar com políticas públicas, incentivos de investimentos tecnológicos e de gestão e operação para sua implantação, além de apoios das instituições de desenvolvimento que atuam na região Amazônica e no Estado do Pará. Nesta perspectiva, a indústria da biodiversidade poderá absorver as inovações tecnológicas de forma compartilhada e agregar valor à biodiversidade, uma das questões fundamentais para que a floresta consiga produzir para uma demanda cada vez mais crescente de produtos oriundos da Amazônia e, nesse arranjo inteligente, a região deixe de ser apenas fornecedora de matéria-prima, exporte valor agregado, alavanque empregos e distribua renda internalizando os lucros da biodiversidade.


[1] Economista. Mestre em Política científica e Tecnológica (UNICAMP), Doutor em Desenvolvimento Sustentável (UnB), Docente da UFPA

Bradespar diz que incerteza com a China deixa ação da Vale subavaliada


RIO - As ações da Vale estão “subvalorizadas” devido a incertezas em relação à demanda chinesa e a questões tributárias com a Receita Federal envolvendo lucros de coligadas no exterior. A avaliação é do diretor de relações com investidores da Bradespar, Renato Gomes. De acordo com ele, essa avaliação menos favorável em relação às ações da companhia tem prejudicado o valor de mercado da empresa. A Bradespar é integrante do bloco de controle da mineradora.

O executivo explicou que o valor de mercado da Vale em 2007 chegou a atingir US$ 200 bilhões, sendo que esse valor equivalia, na época, a nove vezes o lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda) anual da empresa, que girava em torno de US$ 22 bilhões. Hoje, o valor de mercado da mineradora é de US$ 120 bilhões, equivalente a quatro vezes o Ebitda anual, que está acima dos US$ 30 bilhões, sendo que a projeção dos analistas é para a geração de caixa da companhia em 2012 fica ao redor de US$ 30 bilhões. Ou seja, mesmo com a geração de caixa mais expressiva na comparação com 2007, o valor de mercado da empresa diminuiu.

“Há uma percepção clara no mercado de que a companhia está subavaliada”, disse.
Ele acrescentou que, no caso da China, analistas têm projetado crescimento menor para aquele país, bem como ritmo de crescimento menos intenso na demanda por minério. Gomes lembrou que a projeção do presidente da Vale, Murilo Ferreira, é de avanço entre 7% e 8% para o Produto Interno Bruto (PIB) chinês este ano, sendo que a China vinha crescendo a um ritmo na casa de 10% nos últimos anos.

No entanto, Gomes lembrou que a demanda chinesa nos últimos anos avança em cima de uma base comparativa cada vez maior.

“No caso da Vale, trabalhamos em um horizonte de longo prazo, temos vários projetos grandes para entrar em operação”, ressaltou Gomes, acrescentando confiar na estimativa de produção de 450 milhões de toneladas de minério de ferro em 2016. Atualmente, a produção anual da Vale gira em torno de 300 milhões de toneladas.

O executivo admitiu, no entanto, que as questões tributárias com a Receita Federal podem ter levado a uma perda entre US$ 10 bilhões a US$ 15 bilhões no valor de mercado da empresa.
“É o que eu tenho lido”, disse.

Questionado sobre as projeções para os preços do minério de ferro, o executivo da Bradespar lembrou que o preço do insumo chegou a cair para US$ 120 por tonelada no início do ano devido à incerteza a respeito da economia chinesa, mas agora já atinge patamar em torno de US$ 150 por tonelada.

(Alessandra Saraiva | Valor)

A loucura do amor

Há sempre alguma loucura no amor. Mas há sempre um pouco de razão na loucura.

Friedrich Nietzsche


Na vingança e no amor a mulher é mais bárbara do que o homem.
 
Friedrich Nietzsche


Ainda não vi ninguém que ame a virtude tanto quanto ama a beleza do corpo.
Confúcio