Google+ Badge

sábado, 14 de março de 2009

Segue polêmica sobre arcebispo de Recife - O vaticano o "excomulgou"

Esse Arcebispo nem levantou a voz quando centenas de padres foram denunciados por pedofilia e hoje promove a excomunhão aos familiares e médicos que operaram a minina de 9 anos que corria risco de vida após ser violentada sexualmente.

"Antes de pensar em excomunhões seria necessário e urgente salvaguardar sua vida inocente, devolvendo a ela um nível de humanidade", disse o presidente da Pontifícia Academia para a Vida, monsenhor Salvatore Rino Fisichella, em artigo publicado pelo jornal vaticano L'Osservatore Romano com data de domingo, 15/3.

As declarações de Fisichella contrastam com a decisão do arcebispo de Olinda e Recife, Dom José Cardoso Sobrinho, que dias após o aborto da menina anunciou a excomunhão de sua mãe, dos médicos e dos integrantes de ONG's envolvidos no caso.

"A terrível historia da violência cotidiana" da qual a menina foi vitima, sofrendo abusos frequentes por parte de seu padrasto, "teria passado despercebida com a intervenção do bispo", observa o presidente da Pontifícia Academia para a Vida.

Para o representante do Vaticano, a menina brasileira "deveria ter sido defendida antes de tudo", mas "não foi feito isto, lamentavelmente, prejudicando a credibilidade de nossas instruções que, para muitos, parecem marcadas por insensibilidade, incompreensão e falta de misericórdia".

A criança, admite o prelado no artigo, "levava dentro de si outras vidas, tão inocentes quanto a sua, embora frutos da violência, e que foram suprimidas, mas isso não era suficiente para fazer um julgamento que pesa como um machado".

O caso da menina ganhou destaque na mídia internacional, em meio a protestos contra a decisão de Dom José. A repercussão se tornou ainda maior pela postura da Igreja Católica em um Estado laico, interferindo diretamente nas decisões judiciais, e porque o padrasto, acusado de violentar a menina de 9 anos e sua irmã, de 14, não foi excomungado.

No fim de semana passado, comunidades eclesiais de base italianas afirmaram que a decisão do arcebispo brasileiro demonstram, "mais uma vez, o sentido de distanciamento radical entre a 'Igreja do Poder' e os dramas humanos".

Em uma nota emitida na ocasião, as comunidades também criticaram o Vaticano por sua postura, afirmando que a Santa Sé teria apoiado a postura de Dom José.

Brasil, Rio de Janeiro - Severn Suzuki a minina que silênciou ao mundo por 6 minutos e 32 segundos

Vale a pena assistir este vídeo da ECO-92

Biotecnologia, o novo negócio dos laboratórios

São Paulo, O fechamento do negócio entre a suíça Roche e a norte-americana Genentech ontem, por US$ 46,8 bilhões, após oito meses de negociação intensa, é um bom indicador da importância que os medicamentos biotecnológicos recebem hoje por parte da indústria farmacêutica.

O sequenciamento genético e as numerosas possibilidades oferecidas pela biotecnologia abriram as portas para que os laboratórios encontrassem uma boa saída para as dificuldades de criar novas patentes na mesma velocidade da perda dos direitos das que expiram. Além disso, garantem mais receita, já que a complexidade da nova forma de obtenção dos remédios reduz bastante a possibilidade de desenvolvimento de genéricos.

O que pouco se fala, no entanto, é sobre as diferenças entre um medicamento sintético e um biotecnológico. Enquanto no primeiro os efeitos colaterais incluem desde alergias até um choque anafilático, ainda há poucas referências sobre o segundo. Por lidar com células vivas, um remédio biotecnológico pode causar até uma reação autoimune, segundo pesquisadores.

Deborah Crespo, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Hepatologia, diz que esta é uma grande evolução, mas exige dos países organização maior na regulação e controle, em função da responsabilidade com a saúde pública. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) também está preocupada com a mudança na indústria, mas informa que o Brasil já possui testes de imunogenicidade para esse tipo de produto. Leia mais aqui: www.gazetamercantil.com.br

BRASIL, RECIFE - CRUZADA CONSERVADORA DO ARCEBISPO "DOM DEDÉ"

É uma garotinha do Brasil. Para protegê-la, a justiça proíbe que se divulgue sua identidade. Vamos chamá-la de V. "V" de vítima. "V" de violentada. Ela tem 9 anos, mas mal parece ter essa idade: 33 kg para 1,36 m.
É o que mostra a única foto que se tem dela, com o rosto censurado, pequena e franzina, segurando a mão de sua mãe. É uma criança do Nordeste. Ela vive em Alagoinha, perto de Recife, a capital do Estado do Pernambuco.
No final de fevereiro, V. começou a se queixar de dores no ventre, de tonturas e de enjoos. Sua mãe a levou a um médico. Seu diagnóstico foi assustador: a menina estava grávida de 15 semanas, esperando gêmeos. Um fato raríssimo.
O padrasto de V, de 23 anos, trabalhador agrícola, confessou seu crime à polícia. Ele abusava havia três anos da menina e de sua irmã mais velha, de 14 anos com deficiência. Ele pode ser condenado a 15 anos de prisão. V. contou seu drama.
O homem se aproveitava da ausência de sua companheira para estuprar a garota. Ele a ameaçava: "Se você contar, mato sua mãe". De vez em quando ele lhe dava uma moeda de um real.No Brasil, a interrupção voluntária de gravidez (IVG) continua sendo proibida, exceto em caso de estupro ou de risco para a vida da mãe. Essa dupla exceção se aplica a V. No hospital público de Recife, o dr. Sérgio Cabral recomendou que fosse feito um aborto imediato. A interrupção foi bem-sucedida."A criança estava anêmica, certamente desnutrida", explica o médico. "Seus órgãos mal estavam formados. Era preciso agir rapidamente. Esperar demais a faria correr um risco de morte".
Esperar? É justamente o que queria o pai biológico de V., separado de sua mulher havia três anos. Ao saber da situação de sua filha alguns dias antes do aborto, ele procurou a justiça. Avisado sobre o caso, entrou em cena um personagem importante: Dom José Cardoso Sobrinho, conhecido como "Dom Dedé", arcebispo de Olinda e de Recife. O monsenhor foi pessoalmente ao tribunal para se certificar, junto de seu presidente, que a intervenção não seria autorizada. Armado do direito canônico e brandindo o mandamento da Igreja ("Não matarás"), ele dispara: "O Brasil tem leis sobre o divórcio ou o aborto que vão contra a lei de Deus. Esta é superior à lei dos homens".
Uma vez interrompida a gravidez, o prelado excomungou a mãe de V. e toda a equipe médica. As vítimas desse castigo coletivo não poderão mais receber os sacramentos da Igreja. Só a menina e seu estuprador escapam da fúria de Dom Dedé. Ela, por ser menor de idade; ele, porque a jurisprudência católica não previu nada para puni-lo. "Ele cometeu um pecado muito grave", admite o arcebispo. "Mas, aos olhos de Deus, o aborto é um crime ainda mais grave".
Leia mais: http://noticias.uol.com.br/midiaglobal/lemonde/2009/03/12/ult580u3606.jhtm

A HORA DA MÚSICA - UMA CRIANÇA.......

BRASIL, PARÁ, HORROR, NOVOS CASOS DE CRIMES DE PEDOFILIA CONTRA BEBES DE ZERO A 2 ANOS - Neue Fälle von Verbrechen gegen Kinder von Pädophilie

Impossível não denunciar crimens que deixam aterrorizadas a qualquer pessoa que tenha uma mínima concepção sobre o sentido da vida ou adquirido uma formação básica (educação, cultura, e costumes).

Não entraremos em detalhes dos casos, nem relatar os metodos utilizados pelos criminosos, para não contribuir com as páginas vermelhas dos jornais sensacionalistas. Tembém porque o foco deste blog não é particularmente esse tema nem quermos substituir um jornal e menos um jornal de notícias manchadas com sangue.

Entretanto, o que nós leva a denunciar os crimens horrorosos contra crianças indefensas é grande indignação e horror de saber que esses casos realmente existem e são práticas quase cotidianas em todos os segmentos sociais. E pior, ainda, conferir que muitos desses casos são pessoas com formação acadêmica, lideranças políticas, inclusive, profissionais da própria área da saúde, formados para cuidar da vida, os responsáveis pela morte de crianças inocentes e pobres.

Acreditamos, que nossas denuncias podem contribuir sensiblizar a mais políticos honestos a se sumarem ao combate a esses crimens.

O mais novo escândalo da pedofilia no Pará chocou o Presidente e o relator da CPI da Pedofilia, Adamor Aires e Arnaldo Jordy. Na visita ao Pró-Paz, os dois não escondiam a revolta com o estupro que mandou bebê de 1 ano para a sala de cirurgia da Santa Casa.

Com esse caso, já são duas as crianças internadas depois de submetidas a intervenções cirúrgicas em consequência de abusos sexuais. Lá, mais comuns do que se imagina, a sagressões sexuais provocam, por ano, em média, 45 cirurgias em crianças.

Na área policial, as estatísticas que contabilizam ataques de pedófilos a crianças na faixa etária de zero a dois anos indicam que, em 2007, houve 49 casos. Os dados foram revelados ontem aos dirigentes da CPI pela coordenadora do Pró-Paz, Eugênia Fonseca. Mas não foram só os relatos de crimes sexuais que escandalizaram os deputados da CPI na visita ao Pró-Paz, sediado na Santa Casa. Nos fins de semana, quando os casos se multiplicam, a falta de plantão para receber queixas elimina a chance de flagrantes.
Diário do Pará http://ee.diariodopara.com.br/

sexta-feira, 13 de março de 2009

85% DA FLORESTA?, NÃO É BRINCADEIRA - 85% de la forêt?, n'est pas une plaisanterie

O aquecimento global vai destruir qualquer possibilidade de salvar a floresta amazônica, diz um novo estudo que prevê que um terço das árvores serão mortas até mesmo por um modesto aumento de temperatura. A informação é do jornal inglês The Guardian.

A pesquisa, realizada por especialistas britânicos, mostra que mesmo cortes severos na emissão de gases de efeito estufa e no desmatamento não serão suficientes para salvar a floresta. Mais de 85% da Amazônia será perdida se o aquecimento global não for controlado e mesmo os cenários mais otimistas mostram que a destruição de grandes áreas da floresta é irreversível.

O estudo, anunciado no encontro sobre o clima em Copenhagen, na Dinamarca, por pesquisadores do Centro Hadley de climatologia, usa modelos matemáticos no computador como forma de investigar como que a Amazônia responderia ao aumento de temperaturas. Os pesquisadores concluíram que um aumento de 2ºC acima das médias pré-industriais, e que é considerado o cenário mais realista de mudanças climáticas, faria com que a Amazônia perdesse entre 20 a 40% de florestas em cem anos.

Um aumento de 3ºC elevaria a porcentagem para 75% e, se a temperatura chegasse a 4ºC a mais do que os níveis pré-industriais, 85% da floresta seria destruída.
Os resultados foram anunciados no segundo dia de debates em Copenhagen. Em dezembro, também em Copenhagen, autoridades de todo o mundo devem negociar um novo acordo de combate ao aquecimento global, que substitua o atual Protocolo de Kyoto.
http://www.amazonia.org.br

OS VERDADEIROS DONOS DO PLANETA por Nurit Bensusan de Rede Globo

Pelo menos as vezes algo bom escrevem na Rede Globo.

Há, certamente, mais biodiversidade entre o céu e a terra do que nossa vã filosofia - e arrogante ciência - pode imaginar. Só o mundo dos besouros deixa qualquer um perplexo: calcula-se que, na copa de uma única árvore em uma floresta tropical, vivem mais que 160 espécies diferentes de besouros e que, se essa estimativa fosse ampliada para a quantidade de espécies que temos nessas florestas, haveria mais de 8 milhões de besouros tropicais.

Isto é, apesar da ilusão da humanidade - e desse blog - esse planeta é definitivamente mais dos besouros do que nosso.
No momento, é possível identificar pelo menos três diferentes tendências para lidar com essa enorme variedade. A primeira é a mais conhecida de todos nós: trata-se de acabar com ela. Os dados de desmatamento das florestas tropicais, como a Amazônia, não deixam dúvidas sobre tal tendência.
Além disso, cada vez mais, acumulam-se provas de que a floresta, mesmo regenerada, não recupera a diversidade perdida (Por exemplo: http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=61771).

A segunda tendência é aumentar a biodiversidade "criando" novos organismos. Esses podem ser os já conhecidos transgênicos ou os resultados de uma das mais recentes modas: a biologia sintética. Trata-se, esta, de desenhar e construir novas partes ou sistemas biológicos que não existem na natureza, por meio da combinação de pequenas partes de DNA, como se fossem peças de "lego" que podem se encaixar de mil e uma formas, e até mesmo da criação de novas "peças" para futuro encaixe. (Para conhecer melhor o assunto, Visite: http://syntheticbiology.org/FAQ.html.

A terceira tendência é a procura de novas formas de vida pelo planeta afora, privilegiando microorganismos de lugares inóspitos, como desertos e profundezas dos oceanos. A idéia é que, nesses locais, poderia haver formas de vida que se desenvolveram paralelamente às que conhecemos e que funcionam de maneiras significantemente diferentes. No caso de descobertas desse tipo, a biodiversidade aumentaria, assim como as possibilidades de encontrar vida fora da Terra. (recente abordagem desse Tema: http://www.newscientist.com/blogs/shortsharpscience/2009/02/how-to-hunt-for-shadow-life.html#more).

Resta saber como os verdadeiros donos do planeta, os besouros, vão reagir a essas tendências... e resta, também, saber como nós, pobres mortais, seremos impactados... se sobrevivermos...

OS CARTÕES DE CRÉDITO, MAIS UMA EFEITO DA CRISE


Kenneth Lewis, Presidente do Bank of America, segundo maior administrador de cartões de crédito dos EUA, afirmou, em depoimento no Congresso estadunidense, que o desemprego e a retração orçamentária doméstica, estão levando os americanos a não honrarem as faturas do cartão de crédito.
Para analistas, isto pode ser um índice de que a próxima bolha a estourar será a inadimplência no setor, que poderá chegar a US$100 bilhões em 2009.
Os bancos, já combalidos com a crise das hipotecas, não agüentariam mais este calote, sem, novamente, o Tio Sam meter a mão nos bolsos para socorrê-los.

EM ÉPOCA DE JUROS CAINDO, OS JUROS DO BANCO REAL SUBEM MAIS AINDA - CUIDADO COM O USO DE CHEQUE ESPECIAL OU CHEQUE PARCELADO

Notícia kafkinana do Banco Real.

Por um erro emiti um cheque por R$ 225,00, utilizei, por erro meu, uma das três últimas folhas do talão que o BANCO REAL "OFERECE" cortesia de cheques parcelado, em 12 vezes. Quando conferi os jurus que teria que pagar ao ano por essa brincadeira fiquei chocado. R$ 144,32 de de juros, equivalentes a 61% do cheque que erradamente emiti. Por isso todo cuidado é pouco com os bancos que descontam nos clientes a perda do seu valor de Mercado.

Segundo falou o Ministro Mantega (palestra já postado no Blog http://www.fazenda.gov.br/portugues/documentos/2009/p050309-CDES.pdf) o valor de mercado dos bancos americanos passou de 1,4 trilhões US$, para 300 bilhões US$, ou seja uma perda no mercado de 1,100 trilhões US$. Deu para sentir o tamanho do rombo?.

EXTRATIVISMO NA AMAZÔNIA - OS DESAFIOS DA SUSTENTABILIDADE (I)

(entrevista na Reserva de Desenvolvimento sustentável do IRATAPURU).

O extrativismo,é uma atividade social e econômica relevante para a conservação da floresta amazônica, sempre e quando tenha como base social uma categoria de extrativistas não subordinados ao sistema tradicional de latifúndio ou fazenda, que predominou na região no passado e que ainda predomina, no presente, em diversas regiões.
O “extrativismo" é o nome dado para a remoção de produtos florestais não-madeireiros, tais como látex, resinas e castanhas, que têm perspectivas excelentes de uso sustentável. Para o autor, o estabelecimento de Reservas Extrativistas na Amazônia Brasileira se converteu em uma possibilidade concreta de assegurar áreas substanciais de floresta para comunidades residentes. As primeiras reservas extrativistas (RESEX) foram decretadas no estado do Acre em 1988; depois outras foram propostas em Rondônia, Amazonas e Amapá. Se essa opção destina-se a obter um impacto significativo sobre os padrões de uso da terra na Amazônia no futuro, afirma o autor, precisa‑se de rapidez na demarcação e legalização das reservas, além de se restringir a construção de estradas em áreas vizinhas.

Pó outro lado, uma economia extrativa é, no sentido básico, uma maneira de produzir bens na qual os recursos naturais úteis são retirados diretamente da sua área de ocorrência natural, em contraste com a agricultura, o pastoreio, o comércio, o artesanato, os serviços ou a indústria. A caça, a pesca e a coleta de produtos vegetais são os três exemplos clássicos de atividades extrativas. A combinação dessas três atividades sustentou, com exclusividade, um número desconhecido de sociedades humanas, por centenas de milhares de anos, por vezes associadas com diversas formas de agricultura e/ou pecuária itinerante. Elas só deixaram de ser decisivas – embora sem desaparecer – com o aparecimento da agricultura temperada permanente que a literatura arqueológica e antropológica associa à revolução neolítica ocorrida há apenas alguns milhares de anos.

Uma das alternativas para pensar o desenvolvimento sustentável pode ser o modelo extrativista, considerando-se as enormes mudanças tecnológicas, a importância crescente da biodiversidade e a urgente necessidade de conter o avanço do desmatamento na região amazônica. Para ela, o extrativismo não pode ser visto apenas com a visão tradicional do passado. Assim, é de fundamental importância conhecer quais têm sido os diversos enfoques sobre os modelos de exploração dos recursos naturais da região amazônica e, sobretudo, desmistificar a visão da economia neoclássica tradicional sobre o modelo extrativo da Amazônia, visão que coloca como centro do desenvolvimento os mecanismos do mercado.

Até entrada a década de 1990, as idéias sobre as políticas de exploração da floresta amazônica centravam-se em duas orientações, por um lado, a adoção de tecnologias de uso sustentável para a derrubada de árvores e, por outro, o estabelecimento de áreas de conservação que limitaram ou racionalizaram o uso de recursos da floresta. Foi flagrante a falta de mecanismos de controle e os conflitos gerados pelo governo, quando incentivou atividades econômicas que não eram compatíveis com a cultura e o clima da região.

Nesse sentido, o extrativismo tem sido alvo de grandes debates por parte da comunidade científica, bem como de toda a sociedade. Muitos apontam as RESEX como alternativas econômicas e ecológicas para a região amazônica. Outros afirmam, entretanto, que este sistema de produção está superado e, portanto, não existiria mais viabilidade econômica para tal tipo de atividade. Assim, grande parte dos analistas questiona até que ponto o extrativismo vegetal, tendo em vista o atual padrão tecnológico, garante a manutenção das comunidades com a preservação do meio ambiente.
(GONZALO ENRÍQUEZ, maio, 2007)

quinta-feira, 12 de março de 2009

O CHICO MENDES DO AMAPÁ: OS DESAFIOS DO EXTRATIVISMO TRADICIONAL -challenges the traditional extrativismo

"Se a humanidade quer abreviar os dias dela, pode derrubar tudo, não tem problema. A natureza vai responder e a humanidade vai pagar por isso, mais cedo ou mais tarde" ( entrevista com Pedro Ramos, dirigente do Conselho Nacional dos Seringueiros 10.5.2007)


Um dos maiores desafios dos produtos do extrativismo tradicional consistem em agregar valores aos produtos atualmente comercializados apenas como matérias-primas.

Os produtores devem procurar novos nichos de mercado e aproveitar as novas tendências de uso dos produtos da biodiversidade. Nesse sentido, já existem grandes compradores incentivando comunidades a diversificar seus mercados, já que o ciclo de vida dos produtos da biodiversidade é muito curto, razão pela qual a constante inovação é o requisito principal, no sentido de evitar a saturação de mercado e queda dos preços dos produtos elaborados. Assim, essa nova oportunidade deve ser rapidamente aproveitada já que se o consumidor muda de gosto, a oportunidade também desaparece.

Existe também uma lacuna em termos de marcos regulatórios e regras pouco claras na cadeia produtiva, da extração na floresta até a exportação do produto final ou da matéria-prima.

Da mesma forma, a produção extrativa é um setor que recebe pouco apoio das agências governamentais de fomento, no que concerne a termos de planejamento, a crédito, a coordenação e a gestão dos interesses econômicos dos extrativistas, produtores e exportadores. Ou seja, o setor está exposto ao livre choque comercial da oferta e da demanda no mercado capitalista. (Gonzalo Enríquez, 2007).

Brasil, Brasília - Lucros com biodiversidade têm que ser divididos com populações tradicionais MMA


O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, defendeu nesta quarta-feira (11) durante a abertura da reunião do Grupo dos Países Megadiversos Afins, no Palácio do Itamaraty, a união das 17 nações em defesa da biodiversidade planetária e da criação, para 2010, do regime de Acesso e Repartição de Benefícios (ABS). O mecanismo, previsto pela Convenção sobre Diversidade Biológica das Nações Unidas na Cúpula Mundial do Rio - Eco-92, garante às populações tradicionais e povos indígenas parte dos lucros obtidos com a exploração da biodiversidade e dos conhecimentos produzidos por elas.

Minc pediu o engajamento das nações do grupo. "Devemos ousar e falar alto em prol da vida - e que o mundo ouça o clamor daqueles que, em seus países, preservam a maior parte da biodiversidade do planeta, da vida em todas as suas formas", disse.
A reunião integra os esforços do Brasil à frente do Grupo dos B-17 - que reúne as 17 nações mais ricas em biodiversidade do mundo , rumo à implantação de um Regime Internacional de Acesso a Recursos Genéticos e Repartição Justa e Equitativa dos Benefícios dos Recursos Genéticos durante a 10ª Conferência das Partes (COP-10) da Convenção a ser realizada em outubro de 2010 em Nagóia, no Japão.
http://www.mma.gov.br/sitio/index.php?ido=ascom.noticiaMMA&idEstrutura=8&codigo=4619
Grace Perpetuo
ASCOM MMA

Europeus discutem a castração dos criminosos sexuais - Européens de discuter de la castration des délinquants sexuels


Pavel recorda-se das violentas sudoreses noturnas que o acometeram dois dias antes do assassinato. Ele consultou-se com um clínico geral, que disse que o problema desapareceria espontaneamente. Mas ele conta que, após assistir a um filme de artes marciais de Bruce Lee, foi tomado por desejos sexuais incontroláveis. Ele convidou um vizinho de 12 anos de idade para ir à sua casa. A seguir, esfaqueou o garoto cinco vezes.

O psiquiatra de Pavel diz que o seu paciente obtém prazer sexual com a violência.

Mais de 20 anos se passaram. Pavel, que à época tinha 18 anos, passou sete anos na prisão e cinco em uma instituição psiquiátrica. Durante o seu último ano na prisão, ele pediu para ser cirurgicamente castrado. Segundo ele, a operação foi como a drenagem da gasolina de um carro preparado para uma colisão.

Um homem grande, de face redonda, ele é estéril e abriu mão do casamento, relacionamentos românticos e sexo. A sua vida gira em torno de uma instituição católica de caridade, na qual é jardineiro.

"Finalmente posso viver sabendo que não machucarei ninguém", disse ele durante uma entrevista em uma lanchonete McDonald's daqui, enquanto crianças brincavam barulhentamente nas proximidades. "Estou levando uma vida produtiva. Quero dizer às pessoas que existe ajuda".

Ele recusou-se a fornecer o seu sobrenome por temer ser perseguido.

A possibilidade de a castração poder ajudar a reabilitar criminosos sexuais violentos está passando por um novo escrutínio depois que, no mês passado, o comitê anti-tortura do Conselho da Europa afirmou que a castração cirúrgica é "invasiva, irreversível e mutiladora", e exigiu que a República Tcheca deixasse de oferecer a cirurgia a criminosos sexuais violentos. Outros críticos afirmam que a castração ameaça conduzir a sociedade a uma rota perigosa rumo à eugenia.

A República Tcheca permitiu que pelo menos 94 presidiários fossem castrados nos últimos dez anos. Este é o único país na Europa que utiliza esse procedimento, conhecido tecnicamente como pulpectomia testicular - uma cirurgia de uma hora de duração que envolve a remoção do tecido que produz testosterona. Psiquiatras tchecos que supervisionam o tratamento insistem que esta é a forma mais segura de conter o furor sexual em predadores perigosos.
Leia mais: http://noticias.uol.com.br/midiaglobal/nytimes/2009/03/11/ult574u9215.jhtm

Céticos pressionam por provas dos benefícios do AÇAÍ


É difícil ignorar a badalação em torno do açaí, a fruta roxa que dá em árvores de 18 metros na floresta tropical brasileira e passou a ser ingrediente em bebidas "desintoxicantes" e cremes antienvelhecimento.

Basta verificar suas mensagens de e-mail ou as propagandas no Facebook para se ter uma idéia das alegações: "Perca peso com o segredo de dieta favorito de Oprah!" "Coma a fruta que o dr. Oz chama de 'superalimento Nº 1!

"Cinquenta e três novos alimentos e bebidas contendo açaí foram lançados nos Estados Unidos em 2008, em comparação a quatro em 2004. As vendas de produtos tendo o açaí como ingrediente principal ultrapassaram US$ 106 milhões no ano encerrado em 24 de janeiro, segundo a Spin, uma empresa de pesquisa de mercado especializada em produtos naturais.

A Naked (que é de propriedade da Pepsi) e a 180 Blue (Anheuser-Busch) oferecem bebidas com açaí. O dr. Nicholas Perricone, famoso dermatologista, vende o suplemento de açaí, e a fabricante de cosméticos Fresh tem um Sugar Açai Age-Delay Body Cream por US$ 65.As virtudes de uma bebida de açaí de uma empresa chamada MonaVie foram exaltadas pelo magnata da mídia Sumner Redstone, que disse à revista "Fortune" em 2007 que esperava que o suco, a cerca de US$ 40 a garrafa, o ajudaria a viver mais 50 anos. (Ele atualmente tem 85.)

Apesar da atenção, há pouco apoio às alegações extravagantes feitas em prol do açaí. Apesar de a fruta conter antioxidantes - moléculas que podem desacelerar os danos causados pela oxidação de outras substâncias no corpo - não há estudos de longo prazo provando que o açaí remova rugas ou, como alegam vários produtos de desintoxicação, limpe o corpo das toxinas. Também não há evidência que apoie as esperanças de uma fruta mágica daqueles que fazem dieta.

"Atualmente não há pesquisa científica que apoie a alegação de que o açaí contribua para perda de peso", disse Stephen T. Talcott, professor associado de química alimentar da Texas A&M University, que publicou vários estudos sobre a fruta. "Algumas empresas estão explorando o fato do açaí ser amplamente desconhecido do público em geral, sendo vendido como fruta de curas milagrosas vinda das profundezas da floresta Amazônica. Se trata apenas de uma exploração da ignorância do consumidor."
Leia reportagem completa do NYT AQUI:
http://noticias.uol.com.br/midiaglobal/nytimes/2009/03/12/ult574u9218.jhtm

Música globalizada....

http://vimeo.com/moogaloop.swf?clip_id=2539741

quarta-feira, 11 de março de 2009

FALA O PIB BRASILEIRO......

Desmentindo todas as análises, inclusive as vozes mais autorizadas do Planalto, o Ministro Manteiga e a Ministra Dilma, o dono da maior parcela do PIB brasileiro a FIESP, que reúne o empresariado paulista e que sempre fala por último, já falou em alto e bom som. O Brasil foi o segundo país mais afetado pela crise internacional.

Não fez uma semana que neste mesmo blog postamos a palestra do Ministra Mantega onde el falou o por que o Brasil estaria melhor preparado para enfreentar a cris e mostrou com informações convincentes que o Brasil tinha sido o país que menos impactos negativos había sofrido. Agora o assunto complicou, quem está com a verdade?

Veja a palestra do Ministro Mantega abaixo:

http://www.fazenda.gov.br/portugues/documentos/2009/p050309-CDES.pdf

Um estudo apresentado nesta quarta-feira pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) diz que o Brasil é o segundo país mais prejudicado pela crise internacional.

Em comparação com vários países, entre os quais Alemanha, Espanha, Reino Unido, Estados Unidos, Japão, Canadá, China, México e Coreia, o Brasil foi o que apresentou maior retração acumulada do Produto Interno Bruto (PIB) desde o início da desaceleração da economia mundial.

De acordo com a pesquisa, o Brasil acumulou queda de 5,3 pontos percentuais do PIB (soma de todos os bens e riquezas produzidos no país) desde que a crise começou a afetar seu crescimento, no fim do ano passado. De um crescimento de 1,7% ocorrido no terceiro trimestre de 2008, o país apresentou variação do PIB de -3,6% no quarto trimestre.

Os Estados Unidos, por exemplo, apresentaram diferença acumulada de -2,8 pontos percentuais: de um crescimento de 1,2% no terceiro trimestre de 2007 -o último antes do início da desaceleração-, o país fechou o quarto trimestre de 2008 com queda de 1,6% no PIB. No Japão, a variação foi de -4,2 pontos percentuais e na Zona do Euro, de -2,2 pontos.

Levando em consideração as premissas do estudo, o Brasil só tem melhor resultado do que a Coreia, que acumula diferença de -7,2 pontos percentuais. O resultado, porém, foi acumulado em quatro trimestres de retração da economia. No Brasil, isso ocorreu em um trimestre.

"O que sente a sociedade são os pontos percentuais de queda do PIB", afirmou Paulo Francini, um dos responsáveis pelo estudo. "O Brasil, em termos de amplitude e em termos de prazo, não tem paralelos."

Ministro lança plano para desenvolvimento da Amazônia


A implantação de um novo modelo agropastoril e logístico para a Amazônia, voltado à preservação e recuperação do meio ambiente, é o objetivo do "Plano Amazônia Sustentável - Área de Influência da BR-163: Estradas Vicinais e Programa de Recuperação de Áreas Degradadas", que o secretário de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, ministro Roberto Mangabeira Unger, lançará nesta quinta-feira (12), no auditório do Sindicato Rural na cidade de Sinop, no Mato Grosso.
O Estado do Pará será representado na solenidade pelo secretário de Transportes, Valdir Ganzer.

"O Pará possui mais de 160 mil quilômetros de rodovias vicinais, onde moram milhares de produtores rurais que geram muita riqueza para o Estado e o restante do Brasil", destacou Ganzer. Segundo o secretário, programas do governo federal, como Luz Para Todos, e o apoio à agricultura familiar estão mudando a realidade do produtor rural no Brasil, e “principalmente na Amazônia, onde as distâncias são maiores e a logística de transporte, energia, saúde e educação devem funcionar bem, a fim de garantir mais dignidade e conforto ao homem do campo”.

A BR-163 está sendo asfaltada a partir de Sinop, no Mato Grosso, e tem outra frente de trabalho partindo de Santarém, onde deverá acontecer o próximo encontro para o lançamento do Plano no Pará, cuja data deverá ser definida na reunião de quinta-feira.

Corredor - Pavimentada, a rodovia permitirá que a produção do Centro-Oeste chegue a Santarém, de onde seguirá de navio para portos nacionais e de outros países, viabilizando um novo corredor de exportação a partir do Pará.

O secretário ressaltou a preocupação com os problemas decorrentes da abertura de rodovias, como o aumento do desmatamento, em função da exploração madeireira, da pecuária e do cultivo de grãos. "Temos de buscar soluções conjuntas para a utilização de 30 milhões de hectares de áreas degradadas no Pará, para expansão agrícola e preservação de nossas áreas e parques ambientais já delimitados por lei", ressaltou Ganzer.

Do Plano Amazônia Sustentável consta ainda a criação de logística para recuperação e manutenção de estradas vicinais e intensificação da produtividade.

Também deverão participar do lançamento o governador do Mato Grosso, Blairo Maggi, prefeitos e lideranças políticas de Mato Grosso e do Pará. O encontro com o ministro prosseguirá à tarde, no Parque Florestal da cidade de Sinop.
Texto: Ascom/Setran

BRASIL, SÃO PAULO - VEJA VÍDEO QUE EXPÕE ESQUEMA DE TRÁFICO DE DROGRAS NO AEROPORTO DE GUARULHOS

Já foi dito, escrito e falado, que pelas esteiras dos aeroportos brasileiros passam toneladas de drogas, armas – de todos os calibres- e crianças, que formam parte de uma rede internacional de seqüestro. Tudo dentro de um rigoroso esquema de contrabando. Isso mesmo, rigoroso e competente esquema oficial de corrupção. Depois de muitos anos de livre trânsito pelas aduanas dos aeroportos brasileiros, agora são apanhados alguns quilos de droga. E o resto? O que já passou e, sobre todo, o que vai continuar passando por baixo das pernas dos funcionários das alfândegas brasileiras?
Veja uma pequena mostra do esquema que deve repetir-se na maioria dos aeroportos internacionais do Brasil.

terça-feira, 10 de março de 2009

BRASIL, PEDOFILIA - Senador diz que nenhum criminoso será poupado


Se depender da atuação da Comissão do Senado que veio a Belém investigar os casos de pedofilia no Pará, os chamados “peixes graúdos” denunciados por abuso sexual em crianças e adolescentes não terão tratamento diferenciado. É o que garantiu ontem à noite o presidente da CPI da Pedofilia, senador Magno Malta (PR-ES) (na foto à direita). “ACPI irá cumprir o seu papel. Nós desconheceremos autoridades e não temos compromissos com cargos ou anéis. O crime de pedofilia é igual para todos e não seremos intimidados por nenhum tipo de pressão”, afirmou o senador ainda no aeroporto de Belém, logo após o desembarque e depois de ouvir uma carta lida por uma representante dos movimentos sociais, cobrando resultados em relação aos casos de pedofilia.

O senador garantiu que a CPI local receberá todo o apoio necessário para que possa ir até o final, com resultados concretos. “Todas as denúncias serão ouvidas. Temos apoio do Ministério Público Federal, da Polícia Federal e de setores organizados da sociedade. O que não podemos é nos calar. Quem cala consente.

Não podemos acobertar essa prática nojenta e não podemos silenciar diante desses crimes. Medo é uma palavra que só conheço de ouvir falar”, disse o presidente da CPI.

O principal foco deverão ser as denúncias de abusos sexuais no Marajó. Malta criticou o fato de que o Sistema de Vigilância da Amazônia (Sivam) não consiga fazer a cobertura necessária no arquipélago. “O Sivam não consegue fiscalizar a fronteira, onde ocorrem tráficos de pessoas e abusos sexuais”. Segundo o senador, se a CPI conseguir dar respostas aos casos denunciados no Marajó já terá cumprido seu papel.

Acompanhado de outros senadores, como Sebastião Nery, do PSOL, Magno Malta disse que acabara de chegar de Catanduva, no interior do São Paulo, onde havia a denúncia de 50 casos ligados à pedofilia. No Pará, foram 164 denúncias segundo a coordenadora do Pró-Paz, Socorro Fonseca. Mais da metade envolvem crianças de 0 a 11 anos. “Não podemos nos acostumar com esses números, com essa indignidade”, afirmou o senador, que prometeu mudanças na legislação que pune os crimes sexuais contra crianças e adolescentes. Atualmente o máximo de tempo a que alguém fica preso se cometer esse tipo de crime é oito anos.

A vinda de membros da comissão foi recebida com expectativa por representantes de 40 entidades que foram ao aeroporto cobrar justiça e punição aos principais acusados.
Fonte: Diário do Pará

Pena de 30 anos, sem direito a liberdade antes do cumplimento da pena y COMPANHAMENTO ELETRÔNICO DO CRIMINOSO ATÉ A MORTE!!!!

FRANÇA: LUTA CONTRA O AIDS - MARKETTING DE SUCESSO......

Parece ser que o problema não está na relação e sim na precaução.....
Campanha de marketing premiada na França para arrecadar recursos na luta contra o AIDS.
A pergunta que não quer calar, por que os casos de AIDS ainda continuam aumentando nos países em desenvolvimento e em países como a França estão diminuindo?.
O que corresponde ao preconceito e que parcela se deve a falta de atendimentos e medicamentos?.
Aguardamos sua opinião.

BRASIL, LULA: MUNDO LIVRE DE DOGMAS ECONÔMICOS - World free of economic dogmas - Mondo privo di dogmi economici



O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse esperar um mundo mais "humano" após a eventual recuperação da economia mundial em um artigo exclusivo na página de opinião do jornal "Financial Times" desta terça-feira


"Não estou preocupado com o nome que será dado à nova ordem econômica e social que virá depois da crise, desde que seu principal foco seja o ser humano", diz Lula no jornal.O texto faz parte de uma série de debates e artigos promovida pelo diário britânico sobre o futuro do capitalismo.

"Hoje ninguém ousa prever qual será o futuro do capitalismo", afirma Lula. "Como líder de uma grande economia descrita como 'emergente', o que posso dizer é que tipo de sociedade espero que apareça depois desta crise... Tenho esperanças de um mundo livre dos dogmas econômicos que invadiram as ideias de muitas pessoas e que foram apresentados como verdades absolutas."

"Políticas anti-cíclicas não deveriam ser adotadas apenas em épocas de crise. Aplicadas com antecedência - como foi feito no Brasil - elas são a garantia de uma sociedade mais justa e democrática", escreve o presidente.Lula ainda descreve outras expectativas que tem para o fim da atual crise econômica global."(Espero que surja) uma sociedade que vai valorizar a produção e não a especulação. A função do setor financeiro será de estimular a produtividade - e ele estará sujeito a um controle rigoroso nacional e internacional.

O comércio exterior será livre do protecionismo que está mostrando sinais perigosos de estar se intensificando", diz. Lula também menciona suas esperanças de uma reforma nas organizações multilaterais e de um novo sistema de governança global. Em boa parte do artigo, o presidente também relembra sua infância no interior de Pernambuco, o início de sua vida de metalúrgico em São Bernardo do Campo (SP) e sua trajetória política até ser eleito em 2002."Para mim o capitalismo nunca foi um conceito abstrato", escreve.

SAÚDE - Adolescentes que comem peixe são mais inteligentes, afirma estudo

France Presse, em Estocolmo
Comer peixe favorece a inteligência, concluiu um estudo sueco publicado nesta segunda-feira (9). Segundo o levantamento, os adolescentes que consomem o prato têm coeficiente intelectual (QI) mais alto.

"Descobrimos uma relação clara entre o comer peixe com frequência e os índices elevados" de QI em adolescentes, disse em comunicado Kjell Torén, que realizou o estudo para o hospital universitário Sahlgrenska, de Goteborg, na Suécia.
A pesquisa analisou o QI e as capacidades de expressão e orientação espacial de 3.972 suecos de 15 anos em 2000, que foram comparados três anos depois, no exame médico de convocação para o serviço militar.

Os rapazes que em 2000 comiam peixe pelo menos uma vez por semana tinham pontuação 7% mais elevada em seus testes de QI realizados três anos mais tarde.
Mas os que comiam peixe mais de uma vez por semana registravam pontuação 12% mais elevada que a média.

"Há uma correlação clara entre o consumo regular de peixe aos 15 anos e maiores possibilidades intelectuais aos 18", concluiu Maria Aaberg, coautora do estudo, citada no comunicado.
Em termos de capacidades de expressão, os jovens de 18 anos que comiam peixe uma vez por semana aos 15 anos apresentaram resultados 4% melhores que a média; esse percentual subiu para 9% para os que consumiam peixe mais de uma vez por semana.

Em relação à percepção espacial, os índices foram de 7 e 11%, respectivamente.
O peixe é uma fonte de ômega-3, ou seja, de ácidos graxos, que já tiveram demonstrada sua importância para o desenvolvimento e o funcionamento do cérebro.

Alguns estudos também mostraram que comer peixe durante a gravidez favorece o desenvolvimento intelectual do feto, assim como retarda a decadência dos neurônios nos idosos.

CRESCIMENTO ECONÔMICO: NOVOS CENÁRIOS

Como já tinha sido comentado pelo Blog na semana passada, após do Seminário Internacional sobre o Desenvolvimento, o Ministro da Fazenda Guido Mantega já deu sinais de que o crescimento da economia brasileira não alcançaria as metas de 4% estimadas após a crise financeira internacional. Segundo a Equipe do Ministério da Fazenda o crescimento do PIB, neste ano, deverá ficar entre 2,5% e 2%. Se Brasil atingir essa taxa de crescimento, ainda será um crescimento razoável. Cenário otimista se comente, já que cenário pessimista está muito abaixo do crescimento 0%, taxas negativas. O temor de todos pode estar em que essas taxas pessimistas se tornem as otimistas e o PIB continue despencando.

A projeção, ainda acima das expectativas do mercado, é menor que os 4% que o ministro Guida Mantega aponta publicamente como "meta" para o desempenho do PIB de 2009. O ministério vai fechar a nova previsão para o ano depois de o IBGE divulgar hoje o resultado do PIB do último trimestre de 2008.

Se confirmada por Mantega, a nova previsão deverá ser incluída no Orçamento junto da projeção de receitas do ano. Com isso, o governo poderá decidir o tamanho do corte nos gastos públicos. Ocorre que, politicamente, é improvável que o governo admita publicamente a forte desaceleração --todo o discurso do governo sobre a crise é baseado na ideia de que a economia está sólida e que o consumo deve ser incentivado.

A estimativa atual prevista no Orçamento é do crescimento de 3,5%. O Banco Central prevê 3,2%, mas também poderá revisar para cerca de 2%. Na média, os analistas de mercado apostam em alta de 1,2% do PIB.

A previsão da CNI, Confederação Nacional da Indústria (entidade que representa, apenas, uma parte do setor industrial brasileiro e não inclui a FIESP de São Paulo) é de que o crescimento do PIB em 2009 deve ficar próximo de zero no ano.

A entidade vai divulgar no final de março suas novas estimativas para a economia brasileira em 2009 e, segundo o gerente-executivo da Unidade de Política Econômica da confederação, Flávio Castelo Branco, os números da indústria e do PIB (Produto Interno Bruto, soma das riquezas produzidas no período) serão reduzidos para baixo.

"O dado do PIB será revisto para baixo, possivelmente para um número mais próximo de zero", afirmou Branco.

Ainda segundo a entidade, a indústria brasileira deve fechar o ano de 2009 no vermelho.
Dados sobre o faturamento de indústria divulgados nesta segunda-feira (9) mostraram uma queda de 13,4% em janeiro, na comparação com o mesmo período de 2008, a maior retração da série da entidade, iniciada em 2004. Houve também um recuo de 4,3% em relação a dezembro.
De acordo com os cálculos da CNI, a indústria voltou aos níveis registrados em 2006. Agora, para retornar ao patamar registrado em 2008, precisa de um crescimento de 12% até o fim do ano.

Leia a reportagem de Juliana Rocha na Folha da Folha: http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u532000.shtml

segunda-feira, 9 de março de 2009

BRASIL, MARANHÃO - Pecuária e fazendeiros destruem sustento de comunidades


No Estado do Maranhão quase 90% das mulheres trabalham como quebradeira de coco do babaçu. A presença delas é tão natural que era comum ver nos quadros, que retratavam as paisagens, uma mulher em baixo de uma palmeira retirando a semente do babaçu para seu sustento. Com a expansão da pecuária e outros interesses conflituosos pela terra na região, essas mulheres saíram dos quadros e passaram a ter uma postura ativa diante da sociedade.

Organizadas em um movimento social, essa mulheres passaram a ter como bandeira o "Babaçu Livre", que consiste em garantir por lei o livre acesso aos babaçuais e o uso comunitário, mesmo que dentro de propriedades privadas. O Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu (MIQCB) agrupa quatro Estados onde há ocorrência de palmeiras de babaçu: Maranhão, Tocantins, Pará e Piauí e hoje luta para evitar a derrubada da palmeira.

Em 2008, a Lei estadual foi aprovada e hoje é implementada em oito municípios do Maranhão. Zulmira de Jesus, coordenadora da Regional da Baixada do MIQCB, afirma que a luta do movimento é ampliar esse debate para que mais municípios sejam contemplados com a Lei do Babaçu Livre e que a Lei federal que está tramitando no Congresso desde 1995 seja aprovada.

Segundo ela, a luta é contra interesses de fazendeiros, pecuaristas e muitas vezes contra o próprio governo que entende como desenvolvimento o ato de colocar e apoiar grandes empresas na região sem avaliar os impactos sociais, econômicos ou ambientais.
Leia reportagem na integra: http://www.amazonia.org.br/noticias/noticia.cfm?id=302948

BRASIL, PARÁ, PEDOFILIA: No Brasil, Criminoso rico não vai para a cadeia - In Brazil, Criminal rich is not going to jail

In Brasilien, Strafgerichtshofs reich ist nicht ins Gefängnis
Desembargador nega pedido de prisão de Sefer
O desembargador João Maroja indeferiu o pedido de prisão preventiva formulado pelo Ministério Público contra o deputado estadual Luiz Sefer, investigado em Inquérito Criminal por suposta prática de crime de estupro e atentado violento ao pudor. Quanto à denúncia, formulada pelo mesmo Ministério Público, o magistrado abriu prazo de 15 dias para que o deputado apresente a respectiva defesa, dando-lhe acesso aos autos do processo que podem ser retirados no prazo de cinco dias.
Veja a decisão na íntegra: http://www.tjpa.jus.br/noticias/verNoticia.do?id=1002

De acordo com o despacho do magistrado, a medida preventiva foi indeferida por ser vedada pelo artigo 53, parágrafo 2º, da Constituição Federal e também pelo artigo 95 da Constituição Estadual, parágrafos 2º e 9º. O desembargador relator destacou que o deputado goza de imunidade parlamentar e, por força constitucional, a possibilidade de prisão, nos crimes inafiançáveis, é admitida somente em flagrante delito ou, como qualquer cidadão, mediante mandado judicial. Dessa maneira, fica afastada toda e qualquer prisão provisória, seja ela temporária, preventiva, decorrente de pronúncia, de decisão recorrível ou mesmo de prisão civil.
Conforme as alegações do Ministério Público, que já denunciou oficialmente o deputado, Luiz Sefer teria tentado aliciar testemunhas, e poderá utilizar seu poder político e econômico, provocando, por conseqüência, embaraços à instrução processual. Por outro lado, a defesa do deputado, com base em precedentes dos tribunais superiores, argumentou que a prisão preventiva não se justifica apenas pela invocação do artigo 312 do Código de Processo Penal. (Ascom/TJE-PA)

A hora do planeta, campanha mundial em defesa do planeta -

Dia 28 de março de 2009 apague as luzes da sua casa por uma hora (20:30 2 21:30) e contribuamos protestando contra o modelo perverso de crescimento econômico que não considera a sustentabilidade da vida e das florestas e que priviligia o esgotamento dos recuros naturais para a osbtenção do lucro fácil da economia.

domingo, 8 de março de 2009

Dia Internacional da Mulher: As mulheres que fazem história

Uma das últimas composições de de Violeta Parra (1966)

Violência contra a mulher existe em todos os países, afirmam especialistas

O problema é tão crônico que mesmo em países desenvolvidos da violência contra a mulher é ainda latente. "Não existe país onde não haja algum tipo de violência contra a mulher", afirma a professora da USP e ex-senadora Eva Blay.

Com o propósito de erradicar este tipo de violação, a ONU definiu como tema deste 8 de março, "Mulheres e homens unidos para acabar com a violência contra mulheres e meninas". Para a pesquisa Wânia Pasinato, do Núcleo de Estudos da Violência da USP, admitir que o problema é de responsabilidade dos dois sexos já é um avanço.

"Não é um problema das mulheres. Os homens devem estar envolvidos não só na luta, mas sensibilizados para se reconhecer como parte dessa relação", explica.

Diferentemente de outros tipos de crime, o maior perigo para as mulheres está dentro de casa. Muitas vezes, ao seu lado, na cama. Segundo dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), 70% das vítimas de assassinato do sexo feminino foram mortas pelos seus maridos ou parceiros. "O problema é que o homem ainda pensa que a mulher é um objeto, é propriedade privada. É necessário que o parceiro reconheça essa possessividade para se livrar dela", diz Eva. Wânia Pasinato segue a mesma linha de pensamento.
Segundo a professora, já há grupos de homens que se reúnem, em algumas ONGs para "trabalhar a questão da mascunilidade" no Brasil. No país, de acordo com a OMS, uma mulher é agredida a cada 15 segundos, um dos índices mais altos do mundo.
Leia a reportagem completa: http://noticias.uol.com.br/ultnot/internacional/2009/03/08/ult1859u746.jhtm

DIA INTERNACIONAL DA MULHER

MUITOS PLANOS E NA PRÁTICA POUCA PARTICIPAÇÃO DAS MULHERES, AINDA CONTINUAM SENDO O FOCO DA VIOLÊNCIA, POLÍTICA E FAMILIAR.

O 2º Plano Nacional de Políticas para as Mulheres lançado pelo governo em março do ano passado tinha entre suas metas o aumento no número de vereadoras eleitas nas eleições 2008.

Nas urnas, o resultado ficou longe do esperado, com as mulheres ocupando apenas 12,5% dos cargos em disputa, percentual praticamente idêntico ao do pleito de 2004, quando as mulheres se elegeram para 12,64% dos cargos de vereador no país.

O plano tem metas também para as eleições de 2010, de aumento em 20% no número de mulheres no Parlamento Nacional e nas Assembleias Legislativas Estaduais. A falta de ações efetivas em busca de um equilíbrio na representação feminina nos espaços de poder e a persistência de uma cultura que desprende a imagem da mulher desses espaços devem impedir, mais uma vez, que as metas sejam atingidas."Nós somos mais de 50% da população brasileira e a média geral de mulheres nos espaços de poder e decisão deve estar em torno de 10%. Em todos os Tribunais Superiores, a presença feminina é de 13%. A ausência das mulheres é um problema para a democracia brasileira, para a sociedade como um todo", afirma a subsecretária de articulação institucional da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Sônia Malheiros.

"A democracia fica mais frágil, não se consolida, se você não tem metade da população devidamente representada nos espaços em que se decidem as políticas", completa Sônia. Na Câmara dos Deputados, as mulheres ocupam 45 cadeiras, ou 8,7% de um total de 513, o que é classificado como "constrangedor" pela bancada feminina. No Senado Federal, são 11 mulheres (13,5%) para 81 vagas.

No Poder Judiciário, há casos como o do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) que não conta com nenhuma representante feminina em seu quatro de ministros efetivos. No Conselho Nacional de Justiça há apenas uma mulher entre 14 homens. Veja a distribuição dos cargos políticos no país no quadro abaixo:


A sub-representação feminina fez com que a Secretaria de Políticas para as Mulheres voltasse a destacar o tema mulheres no poder neste 8 de Março. Um seminário para discutir o tema deverá contar com a participação do presidente Lula na cerimônia de abertura e com a ministra Dilma Rousseff (Casa Civil), provável candidata do PT para as eleições presidenciais do ano que vem.

Para além da disputa política, o espaço que a ministra tem conseguido por conta da sua condição de 'presidenciável' é vista como positiva pelo cientista político da UnB (Universidade de Brasília) Leonardo Barreto. "Este é o fato mais importante para as mulheres na história da nossa República. Nós tivemos a Rita Camata como vice de José Serra (na campanha de 2002) e tivemos a Heloisa Helena como candidata a presidente (em 2006). Só que ter uma mulher com chances reais de ser eleita é mais significativo", analisa.

Também os casos de Argentina e Chile como alguns dos exemplos positivos por terem mulheres no comando do país. "Temos a Michelle Bachelet no Chile, a Cristina (Kirchner) na Argentina, a Angela Merkel (na Alemanha), a Hillary (Clinton), que fez uma disputa muito interessante nos Estados Unidos com o (Barack) Obama, entre uma mulher e um negro.