Google+ Badge

sábado, 6 de junho de 2009

Não perca!: LULA e o 3º mandato, a "Rahina do Desmatamento" v/s Ministro CARLOS MINC. O PSDB no mato sem cachorro. Belezas e politica na Itália

Do UOL Notícias.
O desmatamento na Amazônia e a possibilidade de mudança nos rumos da política ambiental do governo Lula foram temas de debates entre os políticos esta semana; o Senado aprovou novas regras para regularização fundiária na Amazônia; o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, e a senadora Kátia Abreu (DEM-TO) travaram um duro duelo, com direito a apartes; pesquisa Datafolha mostra que o Brasil está dividido sobre a possibilidade de um terceiro mandato para o presidente Lula; Yeda Crusius falou com exclusividade ao UOL sobre a crise no Rio Grande do Sul, Barack Obama fez um discurso histórico no Egito e, para encerrar, a disputa pelas vagas no Parlamento Europeu; comente este vídeo; veja mais vídeos do Escuta essa!:




F E L I Z


F I M

D E

S E M A N A

sexta-feira, 5 de junho de 2009

POLÍTICA - Mudança na articulação política do Governo

Do painel da folha
Com a ida de José Múcio para o TCU praticamente selada, está reaberta a disputa pelo comando da articulação política. O núcleo petista mais próximo a Lula considera esse um bom "ministério de entrada" para Antonio Palocci no caso de seu retorno ao governo -dali ele iria para a Casa Civil, quando da desincompatibilização de Dilma Rousseff. O PMDB, em princípio, não se opõe à substituição de Múcio por Palocci.
Já siglas como PP e PR têm uma outra ideia: gostariam de transformar em ministro o subchefe de Assuntos Parlamentares, Marcos Lima, responsável pela liberação das emendas. Seria assim uma solução "sem intermediários" para a massa da base aliada.

Painel da Folha

AMAZÔNIA - DETER registra 197 km2 de desmatamento na Amazônia

O sistema DETER – Detecção do Desmatamento em Tempo Real, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), registrou nos meses de fevereiro, março e abril de 2009, respectivamente, 143 km2, 17 km2 e 37 km2 de desmatamentos por corte raso ou degradação progressiva na Amazônia Legal, totalizando 197 km2.

Os números deste trimestre são relativamente baixos por causa da alta cobertura de nuvens no período. Em fevereiro, as nuvens chegaram a cobrir 80% da região. Em março, 88% da Amazônia Legal esteve encoberta e em abril, 73%. Como a densa cobertura de nuvens reduziu muito a capacidade de observação por satélites, não é possível afirmar que estes números representem uma redução no desmatamento em relação ao mesmo período de 2008.

No trimestre, o estado com mais áreas desmatadas foi o Mato Grosso, onde foram registrados 111 km2 do total de 197 km2.

Entre novembro e abril, meses em que a intensidade de nuvens na região amazônica prejudica a observação por satélites, o INPE publica os dados apurados pelo DETER a cada trimestre. A partir de maio, a divulgação dos dados volta a ser mensal.

Veja na íntegra aqui

A avaliação deste trimestre que mostrou que 59% dos alertas foram confirmados como desmatamento do tipo corte raso e 40% como degradação progressiva; apenas 1% não apresentou indícios de desmatamento.

Confira aqui Relatório do trimestre.

AMAZÔNIA - Para Marina Silva, MP da Amazônia beneficia grileiros

Se for aprovada no Senado com o mesmo texto que passou pela Câmara, a medida provisória (MP) 458, que trata da regularização fundiária na Amazônia Legal, beneficiará quem agiu fora da lei até o momento, segundo avaliação da senadora Marina Silva (PT-AC), ex-ministra do Meio Ambiente. De acordo com ela, o texto da MP favorece "práticas lesivas" ao patrimônio público e ao meio ambiente. "Os grileiros darão boas gargalhadas daqueles que confiaram na Justiça", disse.

A intenção de Marina é a de apresentar emendas à MP assim que ela for apreciada pelo Senado. Hoje, a casa votaria a MP 458, mas a ordem do dia foi encerrada por falta de quórum. "O texto é legítimo para quem tem o direito da posse, mas os que não têm o mesmo direito vão se escudar atrás dos que têm." Uma das emendas a serem apresentadas pela senadora diz respeito à obrigatoriedade da vistoria das propriedades. "Não podemos dispensar a vistoria, pois se fizermos o processo de forma autodeclatória, não cumpriremos o que está na lei", argumentou.

Pouco antes, a relatora da MP, senadora Kátia Abreu (DEM-TO), afirmou que não fez alterações no texto por falta de tempo. "Não sei se foi por falta de tempo, mas, de qualquer forma, vou apresentar minhas emendas", disse Marina Silva. De acordo com ela, se a alegação da senadora do DEM for verdadeira, esta será mais uma prova de que a questão deveria ser tratada por meio de projeto de lei, e não por MP. "Vamos repassar 67 milhões de hectares na Amazônia num processo atabalhoado." (Fonte: Célia Froufe/ Estadão Online)

Ambiente Brasil

quarta-feira, 3 de junho de 2009

AMAZÔNIA, PARÁ - Novo Reitor Carlos Maneschy assume Reitoria da UFPA a partir de julho

“Colocaremos experiências, habilidades e competências em prol do fortalecimento das ações institucionais".

Daremos início a uma cultura de valorização das relações entre as pessoas. Esse foi um ponto mencionado na campanha, pois dizíamos que o patrimônio maior da Universidade são as pessoas que aqui trabalham. Laboratórios e prédios compõem e dão condições melhores para que as atividades sejam desenvolvidas, mas o patrimônio que deve ser valorizado são as pessoas.

Rosyane Rodrigues (Beira rio).

A partir do próximo dia 02 de julho, a Universidade Federal do Pará dará início a um novo ciclo. O professor Carlos Edilson de Almeida Maneschy assumirá o comando da Instituição como o seu 12º reitor. Professor titular da Faculdade de Engenharia Mecânica/ITEC, Carlos Maneschy foi diretor executivo da Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (Fadesp) e membro do Conselho Universitário e Conselho Superior de Ensino e Pesquisa da UFPA.

Em entrevista ao JORNAL BEIRA DO RIO, o reitor apresenta quais serão as prioridades no seu primeiro ano de administração e afirma que a UFPA está diante de um modelo diferente de gestão, que irá incentivar a participação de todos na construção da Universidade. Carlos Maneschy também expõe seu ponto de vista sobre o uso do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em substituição ao vestibular tradicional e o sistema de cotas, temas que vêm sendo amplamente debatidos nas universidades brasileiras.

Beira do Rio – Hoje, qual é a imagem que o senhor tem da Universidade e qual é a que o senhor vislumbra para daqui a quatro anos?

Carlos Edilson de Almeida Maneschy – A imagem que eu tenho, hoje, da UFPA é de uma universidade que avançou em muitos aspectos, sobretudo, no que diz respeito à qualificação docente, aumentamos a oferta de programas de pós-graduação, a estrutura física da Instituição foi significativamente melhorada. Ampliamos nossa participação no interior, com a oferta de novos cursos. Olhando por esses aspectos, vejo uma universidade que se consolida cada vez mais no cenário amazônico. Isso não significa dizer que ela não tenha problemas. Talvez o aspecto preponderante dessa problemática esteja naquilo que requer maior investimento, que é a melhoria do ensino de graduação. Nós poderíamos formar profissionais, não apenas com alta qualidade técnica, mas também com capacidade de compreender a realidade de forma crítica. Essa é uma das missões da Universidade. Nossos alunos deveriam ser estimulados a utilizar suas competências e ações empreendedoras para mudar a realidade social. Isto é um pouco do que eu vejo para a Universidade mais adiante: uma integração maior com a sociedade, dando visibilidade àquilo que é produzido internamente; a valorização e a profissionalização da comunicação institucional, de sorte que os resultados daquilo que a Universidade produz possam ser compreendidos e absorvidos pela sociedade; uma ação institucional voltada para exploração de intercâmbios e parcerias, que beneficiariam todos os setores da UFPA, além de consolidar cada vez mais a sua marca.

BR – A partir de julho, a Universidade contará com uma nova equipe na administração superior e isso sempre gera expectativas. O que a comunidade acadêmica pode esperar?

C.M. – A nova equipe chega com o compromisso de fortalecer as ações institucionais, de colocar suas experiências, competências e habilidades em prol do fortalecimento da Universidade. São pessoas com experiências consolidadas e que trazem um legado importante, que poderá contribuir para a melhoria das atividades e das iniciativas que estão sendo desenvolvidas. A comunidade pode esperar muita dedicação e trabalho de pessoas que têm a vida ligada, direta e inseparavelmente, à UFPA.

veja entrevista na íntegra no Jornal Beira do Rio

Assista vídeo aqui

POLÍTICA - Ministro do Meio Ambiente acusado por crime de responsabilidade - Minister of Environment accused of responsibility for crime

A senadora Kátia Abreu (DEM-TO), que também é presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), protocolou na terça-feira (2) denúncia contra o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, por crime de responsabilidade. Na semana passada, Minc chamou os ruralistas de "vigaristas". "Gostaria de informar que protocolei (os documentos) há pouco a respeito das blasfêmias de Minc, que acusou os produtores de vigaristas", disse. Kátia Abreu protocolou a denúncia na Comissão de Ética Pública da Presidência da República e na Procuradoria Geral da República, pedindo a destituição do Ministro a quem chamou de preconceituoso e de faltar o respeito aos ruralistas e madeireiros.

A representante da bancada ruralista e dos fazendeiros já protocolou, também, processo de impeachment contra a Governadora do Pará por negar-se-, segundo a Senadora, a devolver as fazendas de ruralista que foram tomadas pelo Movimento dos Trabalhadores sem Terra -MST.

O Ministro já carrega outras acusações por parte da bancada ruralista no Congresso Nacional, (apelidada pelos ambientalistas de ''bancada da motosserra'' por causa dos desmatamentos que os ruralistas promovem em áreas de floresta). A mais recente foi a de maconheiro e de estar ligado ao crime organizado, nos morros do Rio de Janeiro e até foi acusado, por deputados da mesma bancada, de ser homossexual.

Já o Ministro disse que se as críticas vêm desse segmento político (ruralistas e madeireiros) significa que a política ambiental do Brasil está no rumo certo.

O que você pensa sobre as acusações proferidas pelo ministro e pelos ruralistas, opine na enquete ao lado e ganhe como prêmio um boi pirata.

terça-feira, 2 de junho de 2009

POLÍTICA - Uma colher de chá do Senado, ouçado pronunciamento de um Senador sério

O SR. PEDRO SIMON (PMDB – RS. Pronuncia o seguinte discurso (EXTRATOS ALEATÓRIOS SOBRE AS ELEIÇÕES DE 2001).

Tive oportunidade – é o que venho fazendo, Sr. Presidente – de visitar várias universidades do Brasil. Não tanto quanto gostaria, atendo aos convites intensos que tenho recebido. Eu o faço dentro do possível. De modo especial, tenho ido às universidades, para debater com os jovens essa situação que vive o Brasil. E fico impressionado, profundamente impressionado, eu diria, com a situação de interrogação.

Desde criança, eu me dediquei à vida estudantil, à vida universitária, à vida da mocidade. Embora velho, continuo, de certa forma, a conviver com esses jovens. Nunca vi uma situação de interrogação quanto ao que fazer como essa.Os jovens sempre tiveram a oportunidade da luta, do trabalho, da garra contra a ditadura, contra a guerra, contra o nazismo, contra o fascismo, contra o arbítrio.

Na ditadura militar, com uma atitude fantástica, espetacular, os jovens foram os grandes responsáveis pela redemocratização deste País. Mas, hoje, eles se perguntam: aonde vamos? A interrogação com relação ao terceiro mandato do Presidente Lula era impressionante nas perguntas feitas: pode? Não pode? Está certo? Está errado? Essa confusão em torno do Congresso Nacional, eles não conseguem entender.

E me vi muito mal ao dar as respostas sobre auxílio-moradia, sobre sei eu mais o quê. Realmente, as respostas eram muito difíceis e muito complicadas.Os jornais do fim de semana deixam tudo muito claro. As pesquisas feitas com relação aos Parlamentares, com relação ao que querem nas reformas, deixam tudo muito claro. Fidelidade partidária? Sim, deve haver fidelidade partidária. Mas sempre há uma janelinha para, no final, no acerto de cada campanha, cada um pular para onde quer. Verba pública de campanha? Sim, deve haver verba pública de campanha. Mas isso vem junto com o fundo partidário, para o comando partidário usar como bem entende e onde bem entende.

Meus irmãos, parece que a reforma política não terá muito jeito, se depender de nós, se não houver reação da sociedade e, de modo especial, da mocidade.Foi um bom debate com a mocidade. Eu me emocionei, porque senti que eles estão na expectativa. E, a rigor, o Brasil está na expectativa de uma movimentação que não seja o debate triste e cruel que estamos vivendo.

O Senador Alvaro Dias pede uma CPI. Assinei a CPI. É importante analisar a vida da nossa Petrobras. Mas quem acompanha o noticiário de jornal em torno da instalação dessa CPI fica com vergonha. De um lado, o Governo diz: “Queremos examinar também o Governo Fernando Henrique”. Do lado de cá, diz-se: “Mas nós queremos o comando, a Presidência e a Relatoria”. Olhem, meus irmãos, se não houver seriedade, se não fizermos CPI na base de buscar a verdade...Eu era Líder do Governo quando se fez a CPI dos Anões do Orçamento. Eu estava aqui, quando se fez a CPI do Impeachment, que não funcionava para buscar o impeachment, mas, sim, para averiguar as denúncias que Pedro Collor, irmão do então Presidente da República, tinha feito contra PC Farias.

A gente escolhia os mais independentes, aqueles que, como a gente confiava, teriam uma atuação mais imparcial. Hoje, há as tropas de choque – a tropa de choque do Dr. Renan, a tropa de choque do Sr. Mercadante, a tropa de choque do Governo, a tropa de choque da Oposição –, para cada um buscar bater no outro e defender-se. Não vejo a busca da verdade, e isso tem chocado, e as manchetes têm levado para esse local.

Mas, em Goiânia, tive oportunidade, junto com o Prefeito Íris Resende... Que cidadão fantástico! Não consigo entender como é que o Senador Íris Resende consegue asfaltar 1,6 mil quilômetros de rua em Goiânia! Juro por Deus que é uma coisa fantástica. A informação que tenho é a de que Goiânia se transformou na segunda capital do mundo em área verde; perde apenas para uma cidade do Canadá. Realmente, é um trabalho fantástico.

Reunimos o Partido, todo o comando partidário. Por unanimidade, Goiás defende a existência de candidato do PMDB à Presidência da República. Isso se dá por unanimidade! Pela palavra da Íris, pela palavra do Prefeito de Goiânia, pela palavra do ex-Governador Maguito, pela palavra de todos, há unanimidade em torno do candidato do PMDB à Presidência da República.Essa informação estou tendo em todos os recantos, em todos os recantos. Enquanto isso, o comando do PMDB discute o que vai fazer. A decisão mais simpática é aquela que dá ao Presidente da Câmara a Vice-Presidência da República, que não pode ser do PSDB, porque o candidato do PSDB é o Serra, e não podem ser o Presidente e o Vice de São Paulo, a não ser que ganhe o Governador de Minas. Se for o Aécio, poderá ser assim, porque aí o Presidente do PMDB é de São Paulo, e poderá ser a dobradinha café com leite.

O próprio Quércia está lá fechadinho com o Serra: Serra para Presidente da República e Quércia para o Senado. Quem diria?! O Serra e mais alguns saíram do MDB, fundaram o PSDB, racharam nosso Partido, por causa do Quércia. Agora, estão lá os dois amigões Serra e Quércia: um deles é candidato a Presidente; o outro, candidato ao Senado. Não é possível! Sinceramente, não é possível!A Presidente Iris Araújo pretende viajar pelo Brasil, e eu pretendo atender a mais chamamentos, como o do Piauí, Presidente, para falarmos sobre a candidatura própria...

Agência Senado

ECONOMIA - O estatismo americano e a privatização brasileira - o paradoxo - The American statism and privatization Brazilian - the paradox

No Brasil se estatizam os bancos (papeis e ativos tóxicos) e se privatiza a indústria e no Estados Unidos se estatizam as Indústrias de ponta. Essa é uma das perversidades do sistema.

Primeiro de junho de 2009 tornou-se uma data histórica para a indústria automobilística mundial: a General Motors Corporate
pediu concordata. Chega, assim, ao fim uma era de um de grandes ícones da idústria e do capitalismo americano. A partir de agora, a maior parte da GM será do governo dos Estados Unidos.

- A montadora americana General Motors pediu concordata nesta segunda-feira, marcando a maior quebra da história industrial dos Estados Unidos.

O anúncio foi feito depois de a GM sofrer quedas nas vendas e perdas no valor de US$ 30 bilhões no ano passado.

O pedido de concordata foi apoiado pelo governo americano, que deve se tornar proprietário de 60% das ações da nova empresa.

A Casa Branca também deve anunciar nesta segunda-feira um novo pacote de ajuda no valor de US$ 30 bilhões para a GM.

O presidente Barack Obama dará uma entrevista coletiva à imprensa nesta tarde, detalhando o futuro da GM. Em seguida, o diretor executivo da empresa, Fritz Henderson, deve falar com os jornalistas.

A montadora, que já recebeu US$ 20 bilhões em ajuda do governo desde o ano passado, afirmou em um comunicado que suas dívidas somam US$ 173 bilhões.

Leia aqui em Democracia & Política

Ouça na Band News

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Voo do Rio para Paris desaparece - Vol de Rio à Paris disparaît - Flight from Rio to Paris disappears


O avião Airbus A330-200 da Air France, que desapareceu dos monitores dos radares durante viagem do Rio de Janeiro a Paris, tem capacidade para até 293 passageiros, quando dividido em duas classes. Nas aeronaves com três classes (primeira, executiva e econômica), a quantidade de passageiros cai para 253 – o voo AF 447, desaparecido, levava 216.


Voo AF 447, que saiu do Rio no domingo, levava 216 passageiros.
Segundo a Airbus, atualmente há 341 desses aviões em operação.

Conheça o avião da Air France que faz a rota Rio-Paris aqui

- 228 pessoas estavam a bordo, segundo a Air France.
- Aeronáutica começa buscas no Oceano Atlântico.
- Airbus enviou mensagem sobre pane elétrica, diz companhia.
- Presidente da França pede todo esforço possível

SAÚDE - Com a crise internacional, na Argentina, a sexualidade também entra em recessão


Eros y Afrodita están amenazados. No es sólo la inquietud por la estabilidad o la desjerarquización laboral; la proeza de poder llegar a fin de mes, inflación mediante; la incapacidad de ahorro o el consumo restringido. La incertidumbre económica y otras preocupaciones coyunturales que no dan tregua, como la inseguridad, los conflictos políticos o la propagación del dengue y la gripe A, dibujan una realidad sumamente tensa, que ha calado hondo en la sexualidad de muchos argentinos.
¿Cuál es la incidencia de este escenario agobiante en los dormitorios? ¿Se hace el amor más, igual o menos que en tiempos de bonanza y armonía? Esa fue la inquietud que La Nacion trasladó a los consultorios y centros especializados en sexualidad.
La respuesta fue tan unánime como concordante: el estrés derivado de la crisis socioeconómica anula el erotismo y vampiriza el deseo. Lo inhibe a tal punto que la frecuencia sexual decae, en promedio, el 50 por ciento, según estiman los especialistas.
Sus mediciones muestran que las relaciones sexuales promedio entre adultos argentinos son de una a dos por semana. Pero la falta de ganas, producto del desasosiego, reduce la actividad sexual de cero a una cada siete días. La contracara en lo que va de 2009, agregan los especialistas, ha sido el incremento del 30% en consultas a centros privados de sexología y del 15% en hospitales públicos.
Na íntegra em "La Nación" de Buenos Aires

domingo, 31 de maio de 2009

PEDOFILIA - Ex-deputado Seffer é solto amparado no "fuero íntimo" de um desembargador que deu habeas corpus ao médico pedófilo paraense


O ex-deputado Luiz Afonso Sefer já está em liberdade, 48 horas após o alvará de soltura expedido na última quarta-feira, pelo desembargador Raimundo Holanda Reis. Sefer deixou a Penitenciária Pedrolino Werling de Oliveira, conhecida como Bangu 8, às 23 horas da última sexta-feira. Ele estava detido no complexo penal desde a terça-feira passada.
O ex-parlamentar permanece no seu apartamento no Rio de Janeiro, mas deve desembarcar em Belém até o início da semana, para audiência com o desembargador.
Luiz Sefer se encontrava detido desde terça-feira passada, por ordem do juiz da Vara de Crimes contra a Criança e Adolescente de Belém, Eric Peixoto. Ele foi preso por policiais da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) da Polícia Civil do Rio de Janeiro, no seu apartamento, no final da manhã daquele dia .
Segundo a denúncia do Ministério Público, ele teria abusado, seguidas vezes, de uma menor, que morou na casa do parlamentar dos nove aos doze anos. Sefer também foi investigado pelas Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs) da Pedofilia, do Senado Federal e contra a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes da Assembleia Legislativa do Pará, de onde renunciou oficialmente do mandato no dia 7 de abril. (Diário do Pará)

Na íntegra no Diário do Pará

ESPORTES - COPA 2014

Tristeza, Belém ficou para trás, mais uma vez......

MEIO AMBIENTE - “Os bois comerão a Amazônia em 20 anos” - The cows eat the Amazon in 20 years - Los bueyes comerán la amazonía en 20 años

A abertura de pastagens na Amazônia é responsável por 78% do desmatamento na região. Parte desses pastos depois, se torna lavouras de soja, algodão ou outros grãos. Assim, a fronteira agropecuária do Brasil avança em direção à floresta amazônica. Segundo o economista e especialista em produção agropecuária Guilherme Leite da Silva Dias, se não barrarmos essa expansão e mudarmos o modelo de pecuária extensiva para a intensiva, em 20 anos, as florestas terão sido devastadas pelos bois. “Se deixar do jeito que está, os bois comerão a Amazônia em 20 anos e não há restrição de clima ou solo para isso”, diz.

Para Dias, se a medida provisória 458/09 for aprovada, ficará ainda mais difícil frear o desmatamento. A MP permite que a propriedade de terrenos de até 1500 hectares (15 km²) ocupados na Amazônia Legal seja transferida pela União sem licitação a quem os ocupou até 1º de dezembro de 2004. Dias considera essa medida uma nova “Lei de Terras”, como a que o Brasil teve em 1850 e legitimava o usucapião, ou a “posse pelo uso”, que daria legitimidade à grilagem. A MP foi aprovada pela Câmara na metade do mês de maio e espera agora aprovação do Senado.

O avanço da fronteira agrícola na Amazônia é motivada, principalmente, por dois fatores: a crescente demanda dos consumidores pelos produtos e o baixo preço das terras ilegais da floresta. Estima-se que, a cada dez anos, o consumo de carne bovina estimule um crescimento de 35% no setor pecuário.

O que não se deve esquecer é que o problema é mais complexo, o modelo de destruição da Amazônia envolve a destruição da floresta, a pecuária e o cultivo da soja.Em outras palavras, o que está falido é o modelo de desenvolvimento da Amazônia (Comentário do Blog).
leia artigo sobre o tema aqui

Revista Época

MEIO AMBIENTE - Como lucrar sem poluir, Brasil pode mas, não aparece.....

A Reserva Mamirauá não vai ganhar o mais importante prêmio de turismo sustentável deste ano. No meio da Floresta Amazônica, esse projeto de turismo ecológico tem todos os requisitos que um destino gostaria de ostentar para ser chamado de “sustentável”. Especialistas elogiam seus programas de preservação ambiental e integração com a comunidade – credencial suficiente para encher a pousada local, a Pousada Uacari, com 70% de estrangeiros, todos interessados em conhecer a Amazônia com conforto e sem peso na consciência.

Mas, na lista de premiados pelo Tourism for Tomorrow Awards (Prêmio Turismo para o Amanhã), evento realizado neste final de semana em Florianópolis, em Santa Catarina, só havia estrangeiros. Praias paradisíacas de Punta Cana, na República Dominicana, um parque marinho na Península de Gerakas, na Grécia, e iniciativas de reflorestamento da mata nativa da Costa Rica figuraram entre os 12 participantes que chegaram à etapa final da competição. Nesses destinos, organizações não governamentais ou grupos hoteleiros ajudam a preservar os ecossistemas, criam programas sociais para a população nativa e apoiam a contratação de mão de obra local. Quem recebe o prêmio Tourism for Tomorrow ganha um importante diferencial para mostrar ao turista.

Por que destinos como Fernando de Noronha, em Pernambuco, Itacaré, na Bahia, ou mesmo a Reserva Mamirauá não estão entre os melhores destinos verdes do planeta? Para os especialistas, um dos motivos não está na falta de ações sustentáveis desses lugares, mas na ausência de um certificado capaz de comprová-las. “Criamos a melhor norma de turismo sustentável do mundo, mas não há ninguém para aplicá-la”, diz o consultor Roberto Mourão, presidente do Instituto EcoBrasil. Nenhum hotel brasileiro tem o certificado.
Leia reportagens sobre o tema aqui

ELEIÇÕES - Proposta de terceiro mandato já está nas ruas

Pesquisa Datafolha revela que 47% apoiam proposta contra 49% de reprovação

Em 2007, ideia era rejeitada por 65% dos entrevistados; para Mauro Paulino, do Datafolha, mudança reflete popularidade do presidente

CATIA SEABRADA da Folha

Objeto de debate no Congresso, a possibilidade de um terceiro mandato para presidente da República divide o país, revela o Datafolha. Segundo pesquisa realizada de terça feira a quinta-feira passada, a emenda que permitiria ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) concorrer, mais uma vez, à Presidência tem hoje apoio de 47%dos entrevistados contra 49% de desaprovação. Em novembro de 2007, a proposta era rejeitada por 65% dos brasileiros e tinha o aval de 31%, números compatíveis, à época, com as respostas sobre um terceiro mandato para governadores e prefeitos.Além do caso específico de Lula, o Datafolha perguntou sobre a hipótese de presidentes concorrerem a um terceiro mandato no Brasil: 49% disseram ser a favor e 48%, contra. Hoje, um ano e meio depois, esse índice de apoio a um terceiro mandato para presidentes -de 49%- é bem maior do que para governadores (38%) e prefeitos (35%).
Na íntegra aqui

POLÍTICA - Prestação de contas de um senador da República o "chinelo" Gilvam

Checão 1. Mesmo depois das promessas da direção do Senado de impor regras mais duras para a prestação de contas da verba indenizatória, Gilvam Borges (PMDB-AP) mantém o velho estilo: declara ter gasto o teto de R$ 15 mil por mês, a título de "aluguel de imóveis para escritório político, compreendendo despesas concernentes a eles".

Checão 2. Gilvam, conhecido como "Chinelo" entre os colegas, arredonda num único recibo o que declara ser aluguel e despesas com um prédio em Macapá onde funciona seu escritório político.
No Painel da Folha

POLÍTICA - OPOSIÇÃO FALANDO AO VENTO, DISSE LULA E PARECE QUE TEM RAZÃO....

Último recurso
Antes mesmo de vir à luz o novo Datafolha, no qual a avaliação de Lula, que já era confortável, retoma o patamar pré-crise econômica, o presidente disse a um grupo de auxiliares que o momento exige "atenção especial", pois "a oposição está sem alternativa de discurso e só tem as CPIs para se agarrar".Lula expôs seu raciocínio em reunião da coordenação política do governo, na quinta-feira. A oposição, afirmou, apostou primeiro na crise como um todo. Depois, no descontentamento dos prefeitos com a queda nos repasses do FPM. Em seguida, na mudança das regras da poupança. Em todas essas ocasiões, "ficou falando ao vento". O Planalto está empenhado em fazer com que o padrão se repita na CPI da Petrobras.

Painel da Folha

INTERNACIONAL - AS CANDIDATAS DO BERLUSCONI AO PARLAMENTO



Muitas pessoas têm dificuldade em se entusiasmar com as eleições para o Parlamento Europeu. Mas deveriam prestar mais atenção à colorida lista de candidatos em oferta. De milionários a machões, de sangues azuis a celebridades, a votação da semana que vem tem de tudo.

Silvio Berlusconi, poderoso magnata da mídia e primeiro-ministro italiano, queria reunir alguns "rostos novos" para as eleições do Parlamento Europeu de 2009. Mais especificamente, ele pensava em exibir uma série de mulheres atraentes, incluindo dançarinas profissionais e participantes da versão italiana do "Big Brother" conhecidas em todo o país por causa de seus trajes mínimos. Na visão dele, elas trariam juventude e glamour para seu partido de centro-direita Povo da Liberdade (PDL). Mas então a mulher de Berlusconi, Veronica Lario, cansou-se dessa exibição de feminilidade jovem e denunciou publicamente o marido e a "falta de vergonha no poder". Então, Berlusconi abandonou o plano de reunir uma equipe de jovens mulheres para concorrer.

A única que sobreviveu ao corte foi Barbara Matera. Loira, com as medidas no lugar, e ex-concorrente forte do concurso "Miss Itália", a estrela e apresentadora de TV de 27 anos pode ser vista em vários vídeos no YouTube. Dizem também que sua inexperiência é um refresco no mundo da política.

Aqui na íntegra