Google+ Badge

sábado, 26 de maio de 2012

Será que as empresas são tão inovadoras quanto dizem?

Na sua empresa há inovação? Praticamente todas diriam que sim.

O termo é usado a torto e a direito por empresas. É um modo de mostrar que estão na vanguarda, seja lá do que for: da tecnologia, da medicina, dos salgadinhos, dos cosméticos. É um tal de exibir diretores de inovação, equipes de inovação, estratégias de inovação. Há até "dia" da inovação.
Não significa, no entanto, que a empresa esteja realmente inovando em alguma coisa. Nada disso: embora o termo remeta a uma transformação monumental, o progresso sendo descrito volta e meia é bem ordinário.

Como outros motes popularíssimos no passado — "sinergia", "otimização" —, a inovação corre o risco de virar um clichê. Se é que já não virou.

"A maioria das empresas diz que é inovadora na esperança de levar o investidor a crer que há crescimento onde não há", diz Clayton Christensen, professor da Faculdade de Administração Harvard e autor de "O Dilema da Inovação", de 1997.

Uma busca em informes de resultados anuais e trimestrais apresentados à agência reguladora do mercado aberto nos Estados Unidos, a SEC, revela que empresas citaram alguma variação do termo "inovação" 33.528 vezes no ano passado, alta de 64% em relação a cinco anos antes.

Mais de 250 livros com o termo "innovation" no título foram lançados nos últimos três meses — a maioria na seção de administração, segundo pesquisa na Amazon.com.

A definição do termo varia muito dependendo de quem estiver respondendo. Para Bill Hickey, diretor-presidente da Sealed Air Corp., significa inventar algo que não existia antes, como o plástico-bolha da empresa.

Para o presidente da Ocean Spray Cranberries Inc., Randy Papadellis, significa transformar um artigo como a casca de uma fruta — no caso, cranberry, ou mirtilo —, que antes ia para o lixo, numa guloseima, como os doces Craisins.

Para o diretor de pesquisa e desenvolvimento da Pfizer Inc., Mikael Dolsten, é pegar um produto que já existe e aplicá-lo a outro público, como uma vacina para bebês que também se prova eficaz em idosos.

Scott Berkun, autor de "Mitos da Inovação" — um livro de 2007 que alerta para a diluição do termo —, diz que o que a maioria das pessoas chama de inovação não passa, na verdade, de um "produto muito bom".

Berkun prefere reservar a palavra a inventos capazes de transformar uma civilização —como a eletricidade, a imprensa, o telefone e, mais recentemente, talvez o iPhone.

Hoje consultor de inovação, Berkun aconselha clientes a banir a palavra da empresa.

"É uma palavra camaleônica [usada] para ocultar a falta de substância", diz.

Para Berkun, a popularização do termo inovação remonta à década de 1990, época da bolha da internet e do lançamento de Dominando a Dinâmica da Inovação, de James M. Utterback, e do livro de Christensen.

O termo seduz empresas estabelecidas por conotar algo ágil e bacana, como seriam uma empresa nova e seus criadores, explica.

Nem sempre empresas de tecnologia são as que mais abusam do termo. A Apple Inc. e a Google Inc. usaram a palavra inovação 22 vezes e 14 vezes, respectivamente, nos últimos relatórios anuais. Junto com elas vieram Procter & Gamble Co. (22 vezes), Scotts Miracle-Gro Co. (21) e Campbell Soup Co. (18).

A febre da inovação fez nascer toda uma indústria de consultoria. Empresas do ranking das cem maiores da revista "Fortune" pagam a consultores de inovação entre US$ 300.000 e US$ 1 milhão para a colaboração em um único projeto, o que pode chegar a US$ 1 milhão e US$ 10 milhões ao ano, estima Alex Kandybin, consultor de estratégia de inovação da Booz & Co.

Além disso, quatro de cada dez executivos dizem que sua empresa hoje tem um diretor de inovação, de acordo com um estudo recente do fenômeno divulgado no mês passado pela consultoria Capgemini.

Os resultados, baseados numa sondagem pela internet de 260 executivos do mundo todo, além de 25 entrevistas mais detalhadas, sugerem que o título pode ser mera "propaganda".

A maioria dos executivos admitiu que sua empresa ainda não tem uma estratégia de inovação clara para respaldar o posto.

Jeff Semenchuk, que em agosto virou o primeiro diretor de inovação da Hyatt Hotels Corp., diz que seu cargo não tem nada de "enrolação".

A cadeia de hotéis fez uma sondagem recente com centenas de hóspedes e concluiu que "estamos todos basicamente presos ao passado", diz ele em alusão ao setor.

Semenchuk dirige iniciativas experimentais em oito hotéis recentemente destacados como "laboratórios" no mundo todo. Entre os projetos: um processo no qual um recepcionista com um iPad em punho vai ao aeroporto receber o hóspede e dar início ao seu registro.

A palavra inovação de nova não tem nada. O primeiro registro do termo, que vem do latim "innovatus" (renovação, mudança), em um documento impresso data do século 15, diz Robert Leonard, presidente do programa de linguística de Universidade Hofstra, nos EUA.

Com a aceleração do ciclo de produtos em empresas, a palavra passou a significar não só fazer algo novo, mas fazê-lo com mais rapidez, diz ele.

A fabricante de sopas enlatadas Campbell, por exemplo, diz que está tentando levar novidades — novos sabores de sopa, novos molhos — ao mercado mais depressa do que as concorrentes. "Hoje em dia, uma ideia pode ser imitada com muito mais rapidez", diz o vice-presidente e gerente-geral da empresa, Darren Serrao.

Para Christensen, há três tipos de inovação: a inovação na eficiência, pela qual o mesmo produto é feito a um custo menor, como a automatização da consulta ao cadastro de crédito de alguém; a inovação sustentadora, que converte um produto já bom em algo ainda melhor, como o carro híbrido; e a inovação de ruptura, que transforma coisas caras e complexas em algo simples e mais acessível, como a migração do mainframe para o microcomputador.

Para a empresa, o maior potencial de crescimento reside na inovação de ruptura, diz. Christensen observa que as demais modalidades poderiam muito bem ser chamadas de progresso comum — e normalmente não criam mais empregos nem negócios.

Como a inovação de ruptura pode levar de cinco a oito anos para dar frutos, diz ele, muita empresa perde a paciência.

Para a empresa é bem mais fácil, acrescenta o autor, apenas dizer que está inovando. "Todo mundo está inovando, pois qualquer mudança virou inovação".

Usuários inveterados admitem que já estão cansando do termo inovação.

Hickey, da Sealed Air, diz que a empresa vem usando o termo em informes ao mercado pelo menos desde a década de 1980. E que está considerando suspender seu uso.

E o que entraria no lugar? "Inventivo".

"Inventivo é estado de espírito; inovação é uma coisa", explica. "Vamos abrir caminho".

(Colaborou Melissa Korn.)


WSJ Americas

Em Altamira - Blog do BACANA


Zé Geraldo não será candidato a prefeito de Altamira.
Ontem o pessoal do PT falou com o PMDB.
Mas Claudomiro do PSB pode levar a melhor e ter o apoio dos vermelhos
.

Pelo bem de Altamira....

Dilma faz 12 vetos e 32 alterações no Código Florestal



Dos 84 artigos do Código Florestal aprovado na Câmara dos Deputados, 12 trechos foram vetados pela presidente Dilma Rousseff.

O anúncio foi feito na tarde desta sexta-feira em entrevista coletiva, no Palácio do Planalto, com os ministros Izabella Teixeira, do Meio Ambiente; Mendes Ribeiro, da Agricultura; e Pepe Vargas, do Desenvolvimento Agrário; além de Luís Inácio Adams, da Advocacia-Geral da União.

A decisão de Dilma foi tomada após duas semanas de reuniões diárias e longas com ministros, autoridades e técnicos do governo. O texto aprovado pela Câmara, em 25 de abril, por 274 a 184 votos, fez mudanças significativas no substitutivo do Senado, defendido pelo governo.

A presidente fez um total de 32 alterações ao texto: 14 recuperam o texto aprovado pelo Senado, 13 representam ajustes ou adequações de conteúdo do projeto de lei e cinco dispositivos novos foram incluídos.

Entre os pontos vetados estão as duas principais polêmicas, a possibilidade de anistia a quem desmatou ilegalmente e a redução dos parâmetros de proteção de áreas de preservação permanente (APPs), presentes no artigo 61.

A recomposição de APP será feita de acordo com o número de módulos fiscais que a propriedade possui, variando a recomposição de 5 a 100 metros a partir das margens dos rios. Mesmo que tenham a mesma área, as propriedades poderão ter que recompor extensões diferentes, uma vez que dependerá da largura dos rios - maior ou menor que 10 metros.

A decisão de Dilma será publicada no Diário Oficial de segunda-feira, juntamente com uma Medida Provisória que será editada para cobrir o “vácuo legislativo” que resultará dos vetos.

Na manhã desta sexta, a presidente já se reuniu com os líderes do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), no Senado, José Pimentel (PT-CE), e no Congresso, Eduardo Braga (PMDB-AM), pedindo que eles se mobilizem para garantir a aprovação da proposição.

(Tarso Veloso, Yvna Sousa e Fernando Exman / Valor)



© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.

Leia mais em:http://www.valor.com.br/politica/2677136/dilma-faz-12-vetos-e-32-alteracoes-no-codigo-florestal#ixzz1vwQDVhev

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Prato que se come frio


Collor acusa procurador-geral de 'atuação criminosa' no caso Cachoeira

BRASÍLIA - O senador Fernando Collor (PTB-AL) afirmou, em discurso no plenário nesta sexta-feira, 25, que a resposta por escrito enviada pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel, à CPI do Cachoeira comprova, de maneira "cabal", crime de prevaricação. Quarta-feira à noite, Gurgel afirmou à comissão que a Operação Monte Carlo demonstrou correção ao segurar, em 2009, uma investigação que apontava o envolvimento de parlamentares com o contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

A Monte Carlo, deflagrada no final de fevereiro pela Polícia Federal, revelou, na avaliação de Gurgel, indícios para pedir a abertura de inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o senador Demóstenes Torres e três deputados federais - elementos que não havia há três anos, quando recebeu a Operação Vegas.

Para Collor, a omissão do chefe do Ministério Público de não levar adiante a Vegas materializa o crime de prevaricação e, no mínimo, constitui ato de improbidade administrativa por não ter cumprido prazos previstos em lei para lidar com uma investigação.

O senador disse que se Gurgel não tinha indícios contra pessoas de foro privilegiado, ele tinha as alternativas de pedir diligências, buscar mais informações, arquivar o caso em 15 dias, segundo o Código de Processo Civil, ou devolver o caso para a Justiça de primeira instância. Collor disse que a atuação do procurador-geral foi "criminosa".

"O fato é que o senhor Roberto Gurgel nada sobrestou; ao contrário, omitiu-se ou prevaricou, falhou com a verdade, ao afirmar a necessidade de se retomarem as interceptações telefônicas e outras diligências", afirmou. "No engavetamento da Operação Vegas, sem as formalidades legais, ou seja, com despacho de arquivamento, o procurador agiu de forma criminosa, já que um membro do Ministério Público que atua em qualquer entrância ou instância tem de agir nos estritos limites da legalidade", disse.

No discurso, Collor lembrou que os delegados responsáveis pelas operações Vegas e Monte Carlo disseram que as duas investigações, ao contrário do que afirmou Gurgel, não tem ligações entre si. O senador já apresentou pedidos de convocação do procurador-geral e da mulher dele, a subprocuradora Cláudia Sampaio. Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, a subprocuradora disse que o MP tomou em conjunto com a PF a decisão de "segurar" a operação Vegas.


Resposta ao Deputado Zé Geraldo do PT (PA)

Santarém, 25 de maio de 2012 

Ao Sr. Deputado Zé Geraldo (PT/PA)

Em seu pronunciamento em 18/05 pp. o Sr. fez referência a fatos muito ofensivos relativos à minha pessoa que inexistem, são injustos e absolutamente falsos. Sr. Deputado, por quê faz isso com alguém? Por mais que em seguida eu o responda, o Sr. e seus companheiros já divulgaram ao léu estas declarações! Mesmo que o Sr. divulgue esta minha resposta por todos os espaços que divulgou seu pronunciamento, blogs etc... – o que me garante a lei e espero que o faça – há danos irreparáveis, o Sr. bem sabe disso, em meio à onda de falsos “denuncismos” que atingem esta Nação e, inclusive, membros de seu próprio partido. Certamente que outro pronunciamento reparatório também é o mínimo que se pode esperar de uma pessoa ética e que busque ser justo, mais ainda, de um representante do povo brasileiro.

Mesmo não sendo especialista em assunto jurídico, pude identificar o seguinte:

(A) O Sr. disse que meu nome "aparece em diversos processos no site do TCU". Meu nome, como de qualquer servidor público e, especialmente dirigente universitário, consta nas seguintes situações, todas coletivas:

(i) processo para a devolução da URP a todos os professores aposentados da UnB que a tem incorporado no salário e que a ADUnB impetrou um mandato de segurança coletivo, cuja decisão é negar o objeto (consideram ilegal a solicitação de incorporação), mas aguardar o julgamento do mandato coletivo;

(ii) prestação de contas da Universidade de Brasília/UnB em períodos em que eu era Pro Reitora desta instituição, nos anos de 2002 e 2003, em que constavam todos os que lá ocupavam cargos e também não há condenação alguma. Orgulhosamente meu nome está posto em seguida ao da digníssima Professora e minha mestra Profa. Carolina Bori, da USP, na época membro do Conselho Diretor da UnB.

(B) Quanto à referência que este deputado faz a processo por "acumulação indevida de cargos", identificando-a, (TCU 864/2006): trata-se de um processo relativo ao "Ex-Prefeito de Curianópolis, PA, Sr. Osmar Ribeiro da Silva". Portanto, mais uma falsa acusação de sua parte! Por quê faz isso tão levianamente, Sr. Deputado Zé Geraldo, representante do Pará, um estado desta federação ao qual tenho dedicado tanta atenção, trabalho e energia para o desenvolvimento de um dos mais importantes projetos acadêmicos deste país, neste momento de nossa História?

Sr. Deputado, veja bem: jamais tive qualquer processo jurídico em minha profissão, jamais acumulei cargos públicos, sou aposentada desde 2003, nunca fui ordenadora de despesa e, portanto, jamais poderia ter processo em TCU, além destes que tocam a todo servidor público, em cargo executivo ou não. Certamente o Sr. entende a gravidade de suas afirmações tão falsas! Mesmo que se desculpe comigo, o dano é muito grande!

Desejo completar esta mensagem abordando outros pontos de seu pronunciamento que atingem toda a instituição. Primeiramente, as afirmações sobre os faturamentos e contas, a administração da UFOPA já está com tudo pronto à disposição do público, como disse em seguida o reitor Seixas Lourenço em sua mensagem à comunidade. Portanto, não me atenho nisso pois deixo aos interessados, especialistas e aos técnicos da UFOPA que tanto tem se dedicado a implantar esta instituição com os prazos e resultados que estão conseguindo. Quero me ater ao projeto acadêmico, pois alguns companheiros seus em nossa instituição, notadamente os dois vices reitores indicados por seu partido, tanto o combatem e terminam gerando confusão nesta universidade.

A UFOPA é a universidade hoje portadora de uma das mais importantes experiências de inovações acadêmicas, tão almejadas pelos governos que seu partido promoveu: em dois anos já usufrui da condição de "universidade", com 1 curso de doutoramento e 3 mestrados, fora uma dezena de outros cursos de pós graduação, coisa que grandes universidades levaram 30 anos para conquistar e um número imenso delas até hoje não conseguiriam. Acrescentamos 35 novos cursos à esta região, dentre eles muitos na direção das engenharias, até hoje inexistentes por aqui. Trabalhamos para cerca de 8000 alunos alunos, conquistados nestes 2 anos, aos quais ofertamos um currículo voltado, como universidade brasileira alguma ainda o fez, para uma formação inicial sobre o conhecimento interdisciplinar das grandes ciências – aspecto almejado por todas as mais importantes instituições do mundo atual -, indispensável hoje para a lide com a complexidade dos problemas contemporâneos, especialmente para a Amazônia, deputado! Uma Universidade premiada recentemente, especificamente por dedicar-se a se envolver acadêmica e cientificamente com novos modelos de desenvolvimento local, exatamente para a região que o Sr. representa, deputado!

Fazemos tudo isso sem exame vestibular, sem que o estudante gaste um centavo para nela entrar, atendemos a 90% dos jovens da região, sem nos fecharmos à federação, com membros de quase todos os estados brasileiros. Conseguimos conquistar quase 1000 bolsas para nossos alunos, de variadas modalidades, com acesso inclusive e especialmente, para nossos 1200 calouros anuais. Será que o Sr. percebe o valor do que estou falando? Mais ainda: estes alunos podem ir construindo gradativamente seus percursos acadêmicos ao longo do tempo, sem exclusões, amadurecendo sem risco de serem postos fora do sistema de ensino por tentarem novos rumos acadêmicos. Nossas taxas de evasão estão em torno de 7%, enquanto o país alcança, na mesma fase do percurso, 20 a 25%. Superamos um sistema excludente que só permitia que se formassem menos da metade dos que nele entraram e já podemos projetar melhores resultados. O Sr. percebe o valor disso, Sr. Deputado?

Mais um aspecto de suma importância: o Sr. praticou ato tão deplorável especificamente num primeiro dia de greve que, embora dita de caráter nacional, é incendiada localmente por acusações deste tipo que o Sr. faz e que ofende a tantos servidores nossos! Isso vem sendo estimulado por seu grupo político em nossa universidade, após seu governo haver baixado Medida Provisória atendendo a demandas históricas, além de salariais, do nosso movimento docente - reiteradas exatamente há poucos dias pela mensagem do Ministro da Educação, Senador Mercadante, dando continuidade às negociações. Num cenário como este de interesses políticos contrários ao governo, o Sr. e seu grupo político atuante na UFOPA contribuem com injusta excitação à greve local com mais este ataque a uma equipe que tem se dedicado, como poucas na História deste país, à construção de uma Universidade identificada com o futuro verdadeiramente sustentável de uma região tão importante como esta que o Sr. representa...

O que é isso, Sr. Deputado? Fazendo acusações sem comprovação e falsas denúncias, sem certificar-se; apoiando grupo que propaga denúncias anônimas, inverídicas, desrespeitosas, ofensivas; pessoal que cria emails piratas para que não haja identificação; e, principalmente, gente que rompe continuamente com pressupostos éticos de lealdade inicial aos cargos, funções e equipes? O Sr. não deve concordar com esta falta mínima de respeito à veracidade das acusações, muito poderia contribuir para que a cultura de leviandade denunciatória fosse superada!

Sinto muito, Sr. Deputado pelo mal que vem praticando sem sequer certificar-se do que acusa! Lamento mesmo, porque sou uma "companheira" que, mesmo sem filiação assinada, lutou muito para que nossos ícones chegassem à Presidência da República. O Sr. me decepciona profundamente!

Gostaria muito de poder ter sua reparação, da forma mais justa e correta que o Sr. puder promover e fico aguardando, apesar de tudo, ainda com esperanças de que consigamos mais paz em nossos cenários de atuação!

Professora Doutora Dóris Santos de Faria
 
Uma cidadã aposentada, sem qualquer mancha em sua vida profissional, 63 anos, muitos dos quais dedicados às mais belas utopias da Humanidade e extremamente dedicada à UFOPA, porque tem absoluta convicção no projeto que esta universidade vem implantando.

UFOPA CONTESTA DENÚNCIAS DO PT.


Peter Bernstein Trio - Dragonfly

quinta-feira, 24 de maio de 2012

O Açaí, fruto típico de uma palmeira amazônica, ganhou o mundo



O açaizeiro é uma palmeira tipicamente tropical, encontrada no estado silvestre e faz parte da vegetação das matas de terra firme, várzea e igapó. A palmeira também é explorada na região para a extração do palmito. Conhecido por ter uma polpa com grande poder nutritivo, a fruta é consumida no mundo todo em bebidas, mix de frutas, sorvetes e cápsulas

O Açaí, fruto típico de uma palmeira amazônica, ganhou o mundo. É vedete nas lanchonetes de cidades litorâneas do Brasil, em quiosques de Los Angeles e Nova Iorque (EUA) e até em Paris (França). Açaí, típico da região Amazônica, fruto do açaizeiro (Euterpe oleracea, família Palmae) é muito utilizado pelos habitantes no preparo de sucos, vinhos, doces, licores e sorvetes. O açaizeiro é uma palmeira tipicamente tropical, encontrada no estado silvestre e faz parte da vegetação das matas de terra firme, várzea e igapó. A palmeira também é explorada na região para a extração do palmito. Conhecido por ter uma polpa com grande poder nutritivo, a fruta é consumida no mundo todo em bebidas, mix de frutas, sorvetes e cápsulas.

Na região amazônica, o suco feito com a polpa é conhecido como “vinho de açaí”. Consumido geralmente com farinha de tapioca, faz parte da alimentação local. Hoje, o estado que lidera a produção é o Pará, com quase 90% do mercado, mas o açaí é apreciado em toda a região amazônica e recentemente tem sido também consumido pelos estados do Sul e Sudeste do Brasil, principalmente por academias e atletas.
Despolpamento do fruto
Pelo despolpamento do fruto, obtem-se o tradicional "vinho do açaí", bebida de grande aceitação e bastante difundida entre as camadas populares, considerado um dos alimentos básicos da região. O caroço (endocarpo e amêndoa), após decomposição é largamente empregado como matéria orgânica, sendo considerado ótimo adubo para o cultivo de hortaliças e plantas ornamentais.

Utilização da Estirpe do Açaí
Quando adulto e bem seco, a estirpe é bastante utilizado como esteio para construções rústicas, ripas para cercados, currais, paredes e caibros para coberturas de barracas, lenha para aquecimento de fornos de olarias. Experiências realizadas pelo Idesp-Pará, demonstraram a sua importância como matéria-prima para produção de papel e produtos de isolamento elétrico.

A Copa
As folhas do açaí servem para cobertura de barracas provisórias e fechamento de paredes, especialmente as de uso transitório como as utilizadas pelos roceiros e caçadores. Quando verdes e recém-batidas, servem como ração, sendo bastante apreciada pelos animais. As folhas do açaizeiro, após trituração, também fornecem matéria-prima para fabricação de papel. Na base da copa, constituída pela reunião das bainhas e o ponto terminal do estipe, encontra-se um palmito de ótima qualidade e muito procurado pelas indústrias alimentícias.

As bainhas da folhas, por sua vez, após separação para extração do palmito e os resíduos deste, são utilizadas como excelente ração para bovinos e suínos, bem como - após decomposição - excelente adubo orgânico para hortaliças e fruteiras.

A Planta
É palmeira de belo porte, apresentando-se bastante alta, quando em concorrência na floresta, porém de porte médio se cultivada isoladamente ou sem influência de árvores de grande porte. Presta-se com ótimos resultados para ornamentação de jardins e parques. Pelas características de cultura permanente, pode ser recomendada para proteção do solo, por apresentar uma deposição constante de folhas, aliado ao sistema radicular abundante que possui.

Importância Comercial
O açaí é de importância incalculável para a região amazônica em virtude de sua utilização constante por grande parte da população, tornando-se impossível, nas condições atuais de produção e mercado, a obtenção de dados exatos sobre sua comercialização. A falta de controle nas vendas, bem como a inexistência de uma produção racionalizada, uma vez que a matéria-prima consumida apoia-se pura e simplesmente no extrativismo e comercialização direta, também impedem a constituição de números exatos.

Variedades
O açaizeiro apresenta duas variedades bastante conhecidas pelo homem interiorano, cuja diferenciação é feita apenas pela coloração que os frutos apresentam quando maduros, as quais podem ser assim caracterizadas:
Açaí Roxo:
É a variedade regional predominante conhecida com açaí preto, pois seus frutos apresentam, quando maduros, uma polpa escura, da qual se obtém um suco de coloração arroxeada "cor de vinho", originando assim, a denominação popular de "vinho de açaí".
Açaí Branco
É assim denominado por produzir frutos cuja polpa, quando madura, se apresenta de coloração verde-escuro brilhante, fornecendo um suco (vinho) de cor creme claro.

Além de ser aproveitado de todas estas formas, o palmito do açai, que é muito apreciado e considerado como um prato fino, é comercializado em grande escala e chega a ser exportado.

Bom para a Saúde
O mais recente resultado da pesquisa traz nova boa notícia aos consumidores do açaí. Em artigo publicado no Journal of Agricultural and Food Chemistry, os cientistas descrevem que os antioxidantes contidos no fruto são absorvidos pelo organismo humano. O estudo envolveu 12 voluntários, que consumiram açaí em polpa e na forma de suco, esta última contendo metade da concentração de antocianinas – pigmentos que dão cor às frutas – do que a versão em polpa. Os dois alimentos foram comparados com sucos sem propriedades antioxidantes, usados como controle.

Amostras do sangue e da urina dos participantes foram tomadas 12 e 24 horas após o consumo e analisadas. Segundo os pesquisadores, tanto a polpa como o suco apresentaram absorção significativa de antioxidantes no sangue após terem sido consumidos. "O açaí tem baixo teor de açúcar e seu sabor é descrito como uma mistura de vinho tinto e chocolate. Ou seja, o que mais podemos querer de uma fruta?", disse Susanne Talcott, principal autora do estudo, do qual também participaram cientistas das universidades do Tennessee e da Flórida.

Segundo ela, trabalhos futuros poderão ajudar a determinar se o consumo do açaí pode resultar em benefícios para a saúde com relação à prevenção de doenças. O grupo do qual faz parte tem estudado a ação do açaí contra células cancerosas. “Nossa preocupação é que o açaí tem sido vendido como um superalimento. E ele definitivamente tem atributos notáveis, mas não pode ser considerado uma solução para doenças. Há muitos outros bons alimentos e o açaí pode ser parte de uma dieta bem balanceada”, disse Susanne.

O artigo Pharmacokinetics of anthocyanins and antioxidant effects after the consumption of anthocyanin-rich açai juice and pulp (Euterpe oleracea Mart.) in human healthy volunteers, de Susanne Talcott e outros, pode ser lido por assinantes do Journal of Agricultural and Food Chemistry em http://pubs.acs.org/journals/jafca

Com menos de 50% de cobertura vacinal, Ceará confirma quinta morte por gripe suína



A Secretaria de Saúde do Ceará confirmou a quinta morte provocada pela influenza A (H1N1) – gripe suína – este ano. A vítima, uma mulher de 35 anos, deu entrada em um hospital de Fortaleza já com um quadro de insuficiência respiratória e morreu no último domingo (20).

De acordo com a assessoria de imprensa, a paciente não fazia parte de nenhum grupo de risco, mas não respondeu bem ao tratamento durante o período em que ficou internada na unidade de terapia intensiva (UTI).

Além dela, uma gestante e um adolescente menor de 15 anos também estão entre os mortos pela doença no estado. Desde janeiro deste ano, o Ceará confirmou 129 casos de infecção pelo vírus Influenza H1N1 em 16 cidades, sendo a maioria em Fortaleza e em Beberibe.

A Secretaria de Saúde informou que a cobertura da campanha de vacinação contra a influenza, que imuniza também contra a influenza A (H1N1) – gripe suína – no estado, atingiu 46% do público-alvo. Alguns municípios, como Juazeiro do Norte, sequer alcançaram a margem de 40% de imunização. A campanha acaba na sexta-feira (25). (Fonte: Paula Laboissière/ Agência Brasil)

ENEM. Corrigindo mais problemas, herança do Haddad



MEC altera forma de correção da redação do Enem

São Paulo - O Ministério da Educação (MEC) decidiu alterar a forma de correção da redação do próximo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), marcado para 3 e 4 de novembro. A discrepância máxima entre as notas dadas pelos dois corretores cairá dos atuais 300 pontos para 200. Quando esse limite for ultrapassado, um terceiro corretor analisará a redação. Segundo a reportagem apurou, nos casos em que nem um terceiro corretor conseguir chegar a um consenso com os outros dois, a prova será submetida a uma banca examinadora, que dará a nota final.

O anúncio dessas e de outras mudanças será feito hoje em coletiva de imprensa pelo ministro Aloizio Mercadante e o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Luiz Cláudio Costa. Desta vez, o edital do processo contemplará um único exame, e não vários.

Na última edição do Enem, o Inep foi confrontado com processos judiciais de candidatos que criticaram as notas finais. Foi o caso de uma estudante carioca que recebeu três notas diferentes: 800 (do primeiro corretor), 0 (do segundo) e 440 (do terceiro). A mudança na forma de correção deverá aumentar o número de redações revisadas e exigir melhor treinamento.

Em entrevista logo após assumir o cargo, Mercadante já havia defendido uma nova forma de corrigir as redações. "Precisamos aprimorar o critério, pois sempre há componente subjetivo", disse na ocasião.


quarta-feira, 23 de maio de 2012

RISCO À SAÚDE: O BRASIL É O MAIOR CONSUMIDOR DE AGROTÓXICOS DO MUNDO


Durante muito tempo, uma dieta rica em frutas, verduras, legumes e cereais era garantia de saúde porque suas vitaminas, minerais, fibras e proteínas são essenciais para o bom funcionamento do organismo. Mas essa opção já não é mais sempre tão saudável


Agroquímicos largamente usados para compensar a terra maltratada e exaurida e para matar ervas daninhas e insetos, sob pretexto de aumentar a produção, permanecem nos alimentos e causam uma série de doenças. Estudos científicos, inclusive dos próprios fabricantes durante o desenvolvimento dos produtos, constatam prejuízos à saúde.

A pesquisadora Raquel Rigotto, professora da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará, conta que há intoxicações agudas que surgem logo após as pulverizações, sinalizadas por dor de cabeça, náusea, alergia, ardor na pele, no nariz e até convulsões, coma e morte. E há os efeitos crônicos pelo acúmulo de veneno no organismo, afetando quem planta e quem consome.

“Causam alterações hormonais, no fígado e rins, abortos, malformações congênitas, câncer de tireoide, de mama, leucemia, distúrbios cerebrais e comportamentais, como tentativas de suicídio”, esclarece Raquel, que estuda os impactos das pulverizações aéreas na região da chapada do Apodi, no Ceará. Há aumento de casos de câncer, mas a pesquisadora diz que a subnotificação esconde os números reais. Existe ainda o potencial agravamento dos problemas de saúde devido a mistura de ingredientes ativos, dosagens maiores e as aplicações seguidas para compensar a resistência das plantas aos componentes.

O relatório mais recente do Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), traz dados preocupantes. Das 2.488 amostras colhidas em 2010, apenas 37% estavam livres de veneno. Isso preocupa por se tratar de alimentos comuns da mesa dos brasileiros: arroz, feijão, alface, tomate, batata, cebola, laranja, repolho, pepino, abacaxi, beterraba, cenoura, couve, maçã, mamão, manga, morango e pimentão. E somente em 35% havia resquícios em doses inferiores ao limite permitido. Já em 28% havia sinais de produtos proibidos para aquela planta, além de substâncias autorizadas mas acima do permitido.

Há culturas que recebem produtos impróprios, banidos no país ou nem sequer registrados para uso. Segundo a agência, 59,9% das amostras apresentaram pelo menos um ingrediente ativo irregular e 23,3%, ao menos dois. Em uma porção de morango havia seis diferentes ingredientes e em uma de pimentão, sete. Entre os venenos mais encontrados estão o carbendazim e o clorpirifós, com uso restringido pela Anvisa, o metamidofós, em processo de proibição, e o acetato.

Das 694 porções insatisfatórias, 30% continham sobras de componentes ativos que não deveriam ser usados porque estão em processo de reavaliação toxicológica. “A mandioca, o milho e a soja, base da indústria de muitos alimentos, ainda não são analisados porque o processo é complexo e caro”, afirma Luiz Cláudio Meirelles, gerente-geral de toxicologia da Anvisa.

Segundo Meirelles, o órgão trabalha pelo banimento de agrotóxicos proibidos em outros países e pelo cumprimento das normas estabelecidas por lei. “À luz do conhecimento científico atual, há limites para o uso seguro. Mas é claro que isso pode mudar. Há 30 anos, substâncias hoje sabidamente cancerígenas, como o BHC (hexabenzeno de cloro) e o DDT (dicloro-difenil-tricloroetano), eram liberadas.”

A presença de resíduos acima do limite tido como seguro decorre do uso abusivo, sem intervalo entre a última aplicação e a colheita, e do desrespeito às orientações. “Lavar os alimentos em água corrente só retira parte dos resíduos presentes na casca e nas folhas. Alguns agrotóxicos são absorvidos pelos tecidos internos da planta e, se não forem degradados pelo metabolismo do próprio vegetal, serão ingeridos”, afirma Rosany Bochner, pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e coordenadora do Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas (Sinitox).

Como ela destaca, a toxidez dessas substâncias supera a dos medicamentos. “Enquanto o agrotóxico mata três a cada 100 intoxicados, os medicamentos matam um a cada 200.” Em 2009, foram registrados 7.677 casos agudos (7,64% do total) causados por produtos de alta toxicidade, como o chumbinho, vendido nas cidades e de maneira ilegal, para matar ratos. “Muito usado em tentativas de suicídio, acarreta um grave problema de saúde pública.”

O Brasil é o maior consumidor mundial de agrotóxicos. Em 2010, foram comercializados mais de 1 milhão de toneladas, o equivalente a 5 quilos por habitante. A triste liderança começou entre 2001 e 2008, quando as vendas passaram de US$ 2 bilhões para mais de US$ 7 bilhões. No mesmo período, a área cultivada por alimentos aumentou só 4,59%. “Os lucros seguem para as matrizes no exterior. Nós ficamos com as doenças e o impacto ambiental”, diz o agricultor Cleber Folgado, da coordenação da Campanha Permanente contra os Agrotóxicos e pela Vida.

As extensas lavouras de soja, milho e algodão colocam Mato Grosso como o maior consumidor nacional. Como em outras áreas, no estado o veneno geralmente é pulverizado por aviões ou outros implementos, ignorando limites de córregos, beiras de rio e quintais das casas, conforme determinam inócuas instruções normativas do Ministério da Agricultura. Segundo especialistas, o vento e as chuvas espalham o veneno, alcançando também os lençóis freáticos.

Estudos coordenados por Wanderlei Pignati, professor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Mato Grosso, mostram que, além de pessoas e animais, a terra, o ar, a chuva, as águas e até o leite materno estão contaminados nas cidades de Rio Verde e Campo Verde. Ele conta que, das 232 amostras de água de poços artesianos, 83% continham vários tipos de pesticida.

O mesmo ocorreu com 56% das amostras de água de chuva recolhidas nas escolas: 25% apresentavam pelo menos dois tipos de veneno, como o endossulfam – que será proibido a partir de julho. O leite de 62 mães que participaram do estudo continha uma substância derivada do DDT, proibido em 1985 para a agricultura, e 76% tinha endossulfam. Algumas das mães tiveram filhos com malformações congênitas. No sangue de trabalhadores rurais havia o dobro de resíduos de glifosato em relação ao de moradores da zona urbana.

“Comparações mostram que o problema é maior onde os agroquímicos são usados em quantidades maiores”, afirma Pignati. Segundo ele, outras pesquisas no estado apontam maior incidência de câncer nos municípios onde há maior pulverização. Os dados respaldam a luta de movimentos sociais e sindicatos, que já resultou em ações do Ministério Público.

Pesquisadora da Fiocruz em Recife e professora da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Pernambuco, Lia Giraldo da Silva Augusto afirma que os malefícios dos agrotóxicos são denunciados desde a década de 1960. Os produtos daquela época, os organoclorados, foram substituídos pelos fosforados, que se mostraram ainda piores.

“Como essas substâncias não atacam apenas as pragas que se deseja eliminar, as intoxicações são mais intensas.” Outra questão é a falta de estudos sobre os danos causados pelo acúmulo de pequenas quantidades. “Prevalece ainda a ideia de que os agrotóxicos só trazem problemas agudos. O que mais preocupa, em termos de segurança alimentar, é justamente essa exposição crônica, que se confunde com outras causas de doenças.”

Conhecendo os riscos dos agrotóxicos, a professora de tai chi chuan Maria Luiza Hourneaux Affonso, de Santo André, no ABC paulista, optou por uma alimentação agroecológica há mais de 30 anos. E ganhou saúde. Antes, ao fazer exames para doar um rim para o pai, soube que tinha o mesmo problema. A doença, que atinge todos os familiares, evolui para a insuficiência renal, que exige sessões de hemodiálise e posterior transplante. “Como os filtros do meu organismo estavam comprometidos, eu não poderia continuar ingerindo venenos. Deixei de consumir alimentos com agrotóxicos, cortei carne, e convivo até hoje com meus rins.” Segundo conta, nunca precisou fazer hemodiálise. Um primo bem mais novo não teve essa preocupação e está na fila do transplante.

No final de 2011, a Comissão de Seguridade Social da Câmara aprovou relatório sobre o uso de agrotóxicos. De acordo com o texto do relator, padre João (João Carlos Siqueira, PT-MG), esses produtos são beneficiados pela redução de ICMS e isenção de IPI para vários ingredientes ativos perigosos e de recolhimentos para o PIS/Pasep e Cofins. Há ainda benefícios estaduais, como no Ceará, onde a isenção chega a 100%. Já a produção agroecológica, com métodos alternativos para o controle de pragas e doenças, não tem incentivos.

Mesmo assim, há pequenos agricultores que romperam com o sistema que os obriga a comprar sementes, inclusive transgênicas, e pesticidas como condição para o acesso ao crédito. Muitos trabalham para produzir alimentos livres de veneno. Em Linhares, no Espírito Santo, os familiares de Ana Cristina Soprani e Elias Alves dos Santos deixaram para trás a monocultura do café praticada por mais de duas décadas.

Nos últimos 12 anos, se organizaram para o retorno a uma produção diversificada. Tiveram de recuperar o solo degradado, frequentar reuniões e cursos de agroecologia. Hoje produzem feijão, milho, mandioca, café, banana, laranja, abóbora, quiabo, jiló, maxixe, mamão e coco verde, além de doces e pães caseiros. Ao todo, são comercializados 1.600 quilos de alimentos toda semana. “Não queremos selo para agregar valor à nossa produção, mas oferecer à classe trabalhadora o mesmo alimento saudável que está na nossa mesa”, diz Ana Cristina.

Em Nova Santa Rita (RS), a Cooperativa dos Trabalhadores Assentados da Região de Porto Alegre já comercializa arroz branco, integral e parboilizado. A safra deste ano está prevista em 280 mil sacas. São 417 famílias, de 16 assentamentos, cultivando 3.993 hectares de arroz ecológico. Para o produtor Emerson José Giacomelli, essas famílias poupam o meio ambiente de agressões químicas. “O arroz tradicional utiliza muito inseticida, adubo, fertilizante e ureia, que contaminam a água dos arrozais e, depois, os córregos para onde correm.” Outro diferencial, segundo ele, é o preço. Como as famílias controlam desde a produção das sementes até a distribuição, os produtores vendem mais barato e têm melhor renda.

Para a agrônoma Nívia Regina da Silva, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), é possível alimentar toda a população sem agrotóxicos. Isso, porém, exige mudanças no campo, hoje marcado pela concentração de terra, monocultura de produtos para exportação e uso de sementes modificadas, fertilizantes e pesticidas. “A luta do pequeno agricultor, que realmente produz alimentos, é enorme. Ele é obrigado a comprar sementes que não brotam, que exigem a presença de agroquímicos, os quais, por sua vez, exigem sementes melhores. É um círculo vicioso. Se não mudarmos essa forma de produção, teremos um país doente.



UFOPA anuncia doutorado em parceria com a Unicamp


O reitor da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA), Prof. Dr. José Seixas Lourenço, anunciou nesta terça-feira, dia 22, a consolidação de parceria com a Universidade de Campinas (Unicamp), a qual irá possibilitar a oferta de Doutorado Interinstitucional (Dinter) voltado para a grande área da Educação. O anúncio ocorreu durante coletiva de imprensa, concedida na Reitoria da UFOPA, no Campus Tapajós, em Santarém. Participaram da coletiva o coordenador do programa, Prof. Dr. Anselmo Colares; o pró-reitor de Pesquisa, Pós-graduação e Inovação Tecnológica, em exercício, Prof. Dr. Ricardo Bezerra, e a diretora do Instituto de Ciências da Educação (ICED), Profa. Solange Ximenes. Com a parceria, será atendido grande anseio da comunidade docente da área das Ciências da Educação da UFOPA por cursos de pós-graduação stricto sensu.
O Dinter, conhecido também como “casadinho”, terá duração de quatro anos; os aprovados no processo de seleção, que deverá ser realizado durante o mês de junho, cursarão as disciplinas em Santarém, na UFOPA, durante o 2° semestre de 2012 e 1° semestre de 2013. Após esta etapa, o pesquisador deverá deslocar-se até a cidade de Campinas, onde terá a vivência dos grupos de pesquisa da Unicamp. Esta fase de preparação do pesquisador terá a duração de um ano e, ao término dela, o pesquisador voltará a Santarém para a conclusão de sua tese de doutorado.
O edital com as diretrizes do processo seletivo do curso será publicado pela Unicamp ainda neste mês. Ao todo serão ofertadas 20 vagas, distribuídas em três linhas de pesquisa: “História e Filosofia em Educação”; “Políticas de Educação e Sistemas Educacionais”; e “Ensino e Práticas Culturais”. Como é exigência deste tipo de parceria que os beneficiados sejam os próprios professores da instituição, inicialmente as 20 vagas deverão ser preenchidas pelo corpo docente da UFOPA. “Estamos discutindo a possibilidade de outros docentes poderem participar do processo de seleção; no entanto, temos um número de 50 professores da UFOPA interessados no curso”, informa o coordenador.
Demanda histórica
A necessidade de formação continuada para os professores formados em experiências de interiorização, em Santarém, é histórica. De acordo com Anselmo Colares, há uma demanda que se prolonga desde a década de 1980, quando foram ofertados os primeiros cursos de licenciatura. “Essas pessoas que se formaram em licenciatura e permaneceram aqui não passaram do nível da especialização. Alguns dos doutores que aqui encontramos buscaram sua formação em outras cidades, e alguns não voltaram. Ou seja, este Dinter em Educação é de grande importância estratégica para a região e para a universidade, pois a partir dele poderemos alcançar a independência, com a criação do nosso programa de pós-graduação em Educação, atendendo esta demanda antiga por pós-graduação stricto sensu”, destaca.
Foi com o intuito de superar estas e outras desigualdades educacionais históricas, vividas pela população do interior da Amazônia, que, da união das unidades da UFPA e da UFRA no Oeste do Pará, surgiu a UFOPA, um marco no que se refere ao ensino superior público na região Amazônica. “Para se ter uma ideia da velocidade com que a UFOPA está se consolidando: estamos caminhando para superar o nível de doutores da UFRA, uma das instituições que nos deram origem. Em apenas dois anos alcançamos a marca de 240 doutores, a UFRA tem 250, e com a realização de mais de 100 concursos para professor adjunto da UFOPA, daremos um salto que superará a instituição que nos deu origem”, salienta o reitor.
Talita Baena – Comunicação/UFOPA
23/5/2012

MAIS SOBRE A UFOPA - ESCLARECIMENTO À SOCIEDADE E À COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA


A reação da Universidade do Oeste do Pará (UFOPA) foi rápida, ante o pronunciamento do deputado e pecuarista o capixava Zé Geraldo membro da direção nacional do PT quer declarou um banho de corrupção na UFOPA. O que este deputado não sabe é que na universidade existem câmaras técnicas, Órgãos competentes para tratar assuntos do interesse da Academia. Mesmo tenha uma reitoria Pro-Tempore, não pode ser trocada, como se trocam os dirigentes do INCRA (com polícia) ou dirigentes de uma repartição pública direta. Seria bom o Zé Geraldo conhecer uma universidade onde se estuda e se produzem entre outras coisas muitos doutores. Assim aprenderia que la a única "baderna" aceitável é a que produzem os estudantes e professores. A vida universitária, com deus defeitos é extremamente rica. É a única instituição que permanece intata desde a época medieval.   


Seguem os esclarecimentos à comunidade universitária da direção da UFOPA. 

1. A presente Manifestação à Sociedade e à Comunidade Universitária decorre de pronunciamento na Câmara Federal e da recente produção de graves denúncias, reproduzidas em mídia, contra a Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA) e alguns dos seus dirigentes e servidores que dão suporte à primeira fase de implantação da Instituição;

2. Esses pronunciamentos e denúncias, que apenas vêm se repetindo periodicamente, envolvendo as mesmas pessoas, claramente pretendem repassar para a comunidade e para a opinião pública um falso e artificializado cenário de crise na UFOPA e, desta vez, coincidem com o término do Congresso Estatuinte e o encaminhamento à Reitoria do Projeto de Estatuto, que será apreciado e aprovado pelo Conselho Universitário Pro Tempore, com base na Constituição Federal e na legislação vigente;

3. Lembramos que o Processo Estatuinte foi instituído por ato da Reitoria e o seu desfecho representa uma conquista geral para a Instituição;

4. A Administração Pro Tempore da UFOPA foi escolhida, constituída e designada pelo Governo Federal, desde a sua fase de estruturação, para promover o processo de implantação e de organização da nova Universidade, incluindo pessoas que já têm experiência da administração universitária e, no caso do reitor, pela sua ampla e longa vivência no meio acadêmico e na administração universitária e pela respeitabilidade que granjeou em todos
os setores da Educação e da Administração Pública, fatores essenciais para esta desafiadora e complexa fase de instalação de uma nova universidade;

5. Essa Administração, portanto, vislumbra concluir o processo de implantação da Universidade com a consolidação de uma base física mínima necessária, um corpo docente qualificado, um corpo técnico-administrativo sólido e competente, um corpo discente consolidado e com o aparato normativo interno em pleno vigor, para que a nova Instituição possa atuar com autonomia e autodeterminar o seu destino;

6. O clima de denúncias que só parece pretende acelerar a mudança de comando na Universidade é avaliado neste momento como um artifício nocivo àprópria Instituição, que exatamente nesta fase começa a andar com suas próprias pernas, que colhe as primeiras conquistas e que já se firma de forma consistente entre as melhores instituições, com o seu modelo acadêmico novo e inovador, o que nos abre a possibilidade de um processo
de transição pacificado, num ambiente acadêmico respeitável e numa
perspectiva grandiosa para a Educação e para o Conhecimento na Amazônia;

7. As denúncias contra a UFOPA, que passaram a proliferar nas últimas semanas, parecem apostar numa suposta ingenuidade da comunidade universitária e da própria população, como se a tramitação dos processos de obras, compras e aquisições ficasse restrita apenas ao Reitor e a um grupo fechado de auxiliares. E todos sabem que não é assim.

8. Quem conhece um mínimo de universidade sabe que esses processos, geralmente com vários volumes, tramitam em inúmeras instâncias e unidades e obedecem a um rigoroso procedimento previsto na legislação antes de ter uma decisão. Impossível, portanto, qualquer tipo de desvio ou irregularidade sem envolver um número enorme de servidores, técnicos e
dirigentes. Daí, que esse tipo de acusação infundada só faz atingir a honra e a dignidade dos próprios servidores da Instituição, que trabalham com dedicação e seriedade e que acabam vendo o seu trabalho sendo denegrido e acusado de desonesto;

9. Todas as contratações de obras e de serviços na UFOPA são realizadas com total respaldo na legislação vigente, principalmente na Lei das Licitações e Contratos e na Lei do Pregão Eletrônico, neste caso para a aquisição de bens e serviços comuns. Esses processos passam,
inicialmente, pela análise da Procuradoria Geral Federal, vinculada à Advocacia Geral da União, e, posteriormente, pela inspeção da Controladoria Geral da União. Para os casos que mereceram algum tipo de denúncia interna, a Reitoria da UFOPA imediatamente procede à averiguação do assunto, para o seu total esclarecimento inclusive notificando as empresas para manifestação;

10. As aquisições de terrenos, que fazem parte do plano de implantação, expansão e consolidação da UFOPA, como uma universidade criada há dois anos, são todas precedidas de avaliação de órgão oficial, no caso a Superintendência de Patrimônio da União (SPU), de acordo com o que é determinado pela legislação (publicado no Diário Oficial da União – DOU), e, posteriormente, de exame por parte do Ministério da Educação, órgão ao qual a Instituição se encontra vinculada, além dos controles já citados acima;

11. Portanto, a UFOPA atua em total obediência à legislação e totalmente vinculada e articulada com os órgãos de controle interno e externo e da Administração Federal, que vêm, inclusive, prestando valiosa contribuição ao processo de implantação dos sistemas federais na Instituição conforme pode ser verificado no relatório da CGU;

12. Por outro lado, a implantação da UFOPA significa o início de um novo ciclo de desenvolvimento na Região Oeste do Pará e na Amazônia. Tem-se a clareza que para isso se tornar realidade temos que fazer uma revolução em ciência, tecnologia e inovação que implica a atração e fixação de pessoal qualificado, o que a UFOPA tem feito com muito sucesso;

13. O resultado desse trabalho fica visível quando se verifica a ampliação de oportunidades na graduação e na pós-graduação, com mais de sete mil alunos matriculados, e na ampliação das parcerias com o Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e o Governo do Estado do Pará para a implantação do Parque de Ciência e Tecnologia do Tapajós; com a Eletronorte, na implantação da Base Científica de Curuá-Una; com o Ministério da Integração Nacional e SUDAM, para a implantação do Núcleo de Tecnologia em Aquicultura, que atraiu, inclusive, a visita do ministro à UFOPA; com a Prefeitura Municipal de Santarém, na cessão de pessoal, na melhoria das vias de acesso aos Câmpus da UFOPA e na remoção de famílias que hoje ocupam área institucional e que merecem um cuidado humano e social adequados;

14. É importante que todos entendam que estamos em um período de transição e que a universidade é uma instituição complexa e não se consolida de uma hora para outra;

15. É legítimo que as pessoas tenham o desejo de se tornarem o dirigente máximo da instituição, contudo isso deve ser conquistado pelo mérito e não se tentando desqualificar pessoas que têm uma história na vida acadêmica, científica e de gestão universitária.

16. É importante ter hoje à frente da Universidade uma pessoa de competência comprovada na vida acadêmica para superar os desafios para a construção da primeira universidade federal no interior da Amazônia;

17. Esse quadro de denuncismo sistemático e artificioso, que acompanha a tentativa de desqualificar um trabalho que vem sendo realizado pela ampla maioria da comunidade acadêmica, impõe que a sociedade e a comunidade universitárias estejam atentas, daí o nosso dever de esclarecer a todos sobre essas questões;

18. Em face disso, a Administração da UFOPA coloca à disposição de todos os órgãos, autoridades, representantes, cidadãos, membros ou não da Comunidade Universitária, inclusive àqueles que nunca entraram na UFOPA, todos os processos, a documentação e a infraestrutura das suas unidades relacionadas com as denúncias que vêm sendo formuladas para que todas as questões sejam respondidas e todas as denúncias sejam esclarecidas, pois
isso só fará bem à verdade e à própria Universidade;

19. A vida e a história nos ensinam que as pessoas passam e que as instituições ficam. A Administração Pro Tempore da UFOPA estará passando, mas é importante que haja uma transição madura e benéfica tanto para a Universidade quanto para seus alunos, para que a qualidade e o crescimento institucional não sofram nenhuma solução de continuidade e que a Instituição possa sobreviver a todos os ataques e a todas as dificuldades para esta e para as futuras gerações.

Santarém, 22 de maio de 2012.

JOSÉ ANTONIO DE OLIVEIRA AQUINO – PRÓ-REITOR DE ENSINO

ARLETE MORAES – PRÓ-REITORA DE ADMINISTRAÇÃO

RICARDO BEZERRA DE OLIVEIRA – PRÓ-REITOR (EM EXERCÍCIO) DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

ALDO GOMES QUEIROZ – PRÓ-REITOR DE PLANEJAMENTO INSTITUCIONAL

JORGE TRIBUZY NETO – SUPERINTENDENTE DE INFRAESTRUTURA

SOLANGE HELENA XIMENES – DIRETORA DO ICED

MARIA FRANCISCA ADAD – DIRETORA DO ICS

JOSÉ REINALDO PACHECO PELEJA – DIRETOR DO ICTA

JOÃO RICARDO VASCONCELOS GAMA – DIRETOR DO IBEF

MARIA DE FÁTIMA MATOS DE SOUZA – DIRETORA DO CFI

HÉLIO CORREA FILHO – DIRETOR DO CTIC

DÓRIS FARIA – ASSESSORA

PÉTIA ARRUDA DE OLIVEIRA – DIRETOR DE OBRAS E PROJETOS

MARIA DO SOCORRO QUARESMA SACRAMENTO – DIRETORA DE FINANÇAS E CONTABILIDADE
EDSON FURTADO LOUZADA – DIRETOR DE COMPRAS

ESMÁLIA RAIOL CARDOSO – DIRETORA DE COMPRAS E SERVIÇOS

JOAQUIM MENDES BEZERRA – DIRETOR DE REGISTRO ACADÊMICO GERAL

TEREZINHA DE JESUS DIAS PACHECO – DIRETORA DE INTERIORIZAÇÃO

LUZILDA ELIANE BERNARDES DINIZ – DIRETORA DE GESTÃO DE PESSOAS

OCICLEY MACIEL VIDAL – DIRETOR DE PLANEJAMENTO

JONNES SANTOS FARIAS PEDROSO – DIRETOR DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES INSTITUCIONAIS

EDIENE PENA FEREIRA – DIRETORA DE PESQUISA

EDUARDO DIONÍZIO PAMPLONA DA SILVA – DIRETOR DE GESTÃO DE ESPAÇO

CÉSAR ANDRADE – DIRETOR DE ENSINO

ALCECI DE AQUINO MAGALHÃES – DIRETOR DE LICITAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS

Para reitor, onda de denuncismo na UFOPA é baseada em questões político-partidárias



“Estamos de portas abertas”

Durante entrevista coletiva, na manhã desta terça-feira, 22 de maio, na qual anunciou a criação de mais um curso de doutorado na Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA), este em parceria com a Universidade de Campinas (UNICAMP), o reitor da UFOPA, José Seixas Lourenço, falou sobre as denúncias que a Universidade vem sofrendo por uma ala do Partido dos Trabalhadores, capitaneada pelo deputado federal José Geraldo (PT/PA). "É lamentável, mas reconheço que este tipo de ataque ocorre principalmente em ano de eleições", disse. Lourenço reafirma sua posição: "Só se joga pedra em árvore que dá bons frutos", referindo-se às recentes conquistas da Universidade, como, por exemplo, o acordo de cooperação técnica assinado com o Ministério da Integração Nacional, cujo ministro, Fernando Bezerra Coelho, esteve recentemente em Santarém para conhecer detalhes da implantação de um dos laboratórios do Parque de Tecnologia do Tapajós.

Em menos de três anos de criação, a UFOPA tem muito que comemorar. De acordo com o MEC, uma instituição de ensino superior só pode ser classificada como universidade se ofertar pelo menos três cursos de mestrado e um de doutorado. A UFOPA já atende a esses requisitos, e vai além, ofertando dois cursos de doutorado, que devem começar a selecionar alunos nas próximas semanas.

Para Lourenço, esse não é o papel que se espera de um deputado, diz, referindo-se à onda de denuncismo. "O que se espera de um parlamentar é que apoie a universidade com emendas, e não ataque com denúncias sem nenhuma base de informação, pelo contrário, denúncias baseadas em desinformação". E faz um desafio ao deputado: "Ele deveria conhecer 'a vida' da universidade, poderia vir até aqui para esclarecer suas eventuais dúvidas. Estamos de portas abertas".

À época da implantação da universidade, o deputado Zé Geraldo foi um dos que se pronunciaram favoráveis à criação da UFOPA, a primeira instituição federal de ensino superior amazônica sediada fora de uma capital. "Nós esperaríamos que ele fosse um deputado mais atento, que estivesse nos ajudando a construir a UFOPA, e não adotando essa atitude de denuncismo vazio, sem apurar o que de fato está ocorrendo nesta instituição".

Em nota divulgada nos veículos de comunicação da Universidade e distribuída à imprensa, o reitor já havia refutado todas as denúncias feitas pelo deputado. "São denúncias falsas, na verdade repassaram ao deputado informações falsas; ele está, portanto, desinformado sobre o que ocorre aqui na Universidade". E reafirma: "Eu já me coloquei à disposição da bancada paraense para irmos até a Câmara Federal esclarecer essas denúncias".

Ao longo de seus 40 anos de vida pública à frente de instituições de ensino e pesquisa na Amazônia, José Seixas Lourenço, que é ex-reitor da Universidade Federal do Pará (UFPA), foi um dos responsáveis pela criação e implantação do projeto de interiorização da UFPA, o qual, na década de 1980, também foi alvo de muitas críticas e que, anos depois, virou modelo para inúmeras universidades do Brasil. Lourenço já dirigiu instituições como o Museu Paraense Emílio Goeldi (Belém, Pará) e o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA, Manaus, Amazonas).

Durante a conversa com os jornalistas, Lourenço citou ainda outras conquistas da UFOPA no que se refere ao corpo docente. São mais de 200 professores atuando e, desse total, quase a metade (42%) é constituída de doutores, um número que já ultrapassa os índices de universidades com décadas de existência. Além destes, a UFOPA, por meio do programa de atração de doutores seniores em parceria com a CAPES, mantém em Santarém três professores de renome internacional, atraídos pelo projeto inovador da Universidade, o qual é pautado pela interdisciplinaridade. "Esses avanços incomodam alguns grupos político-partidários", diz o reitor, que completa: "Nós, porém, vamos continuar avançando, e trabalhar ainda mais para consolidar a UFOPA como um das principais instituições de ensino superior do país".

Quando questionado se pretende adotar alguma medida contra o deputado, Lourenço esclarece, com a elegância que lhe é peculiar: "Nesses casos, o que temos de fazer é prestar esclarecimentos. Mensalmente encaminhamos ao Ministério da Educação relatório de acompanhamento das atividades realizadas na UFOPA". Informa ainda sobre a auditoria de rotina por que passou recentemente a Universidade. "Recebemos recentemente uma equipe da Controladoria Geral da União (CGU), o que, além de ser rotina nas instituições que lidam com dinheiro público, é uma providência muito salutar, pois os auditores têm também um papel pedagógico e repassam muitas orientações, principalmente no caso de uma universidade nova; prestamos os esclarecimentos necessários aos órgãos oficiais, é para isso que eles existem e é a esses órgãos que estamos permanentemente prestando contas".

Comunicação/UFOPA

23/5/2012

terça-feira, 22 de maio de 2012

Dime Deus

Paladino da justiça no governo Lula

O Ministro Marcio Thomas Bastos se passou 8 anos atuando como exemplo de paladino da justiça, Lula chorou na sua despedida e qualificou o seu Ministro como o melhor ministro do seu Governo. Agora Thomas Bastas é defensor de bandido, pedófilo, traficante e chefe de quadrilha. Tudo por dinheiro. Nem a CPI da Pedofilia conseguiu derrubar sua "robusta defesa" (10 milhões de reais) do pedófilo do Pará o ex-deputado Seffer. 

A maioria dos jornalistas brasileiros declara que para qualquer pessoa ética, essa mudança de lado, deveria criar um verdadeiro constrangimento. No caso do Thomas Bastos não. 

Deus os cria e o diabo os junta. 



As 500 empresas mais poderosas da América Latina

Poder 360° - Las 500 empresas más poderosas de América Latina



Veja também por países e por setores 



domingo, 20 de maio de 2012

Aí está a explicação...


A explicação não demorou muito. A única razão pela qual o pecuarista e capixava, deputado Zé Geraldo fez todo esse carnaval de denuncias sobre a UFOPA foi para distrair a atenção da invasão que a Polícia Federal fez na Incra de Santarém.

O Deputado, que nunca tinha frequentado uma universidade, parecia dirigentes estudantil. Vestiu um terno e foi para audiência com o Ministro de Educação para obter o golpe que está planejando contra a Reitoria da UFOPA.

Vamos ver no que da.....

Por enquanto veja aqui a postagem do BACANA.


A Polícia Federal invadiu hoje o Incra de Santarém, comandado pelo PT.

É que na época do superintendente Luciano Brunet há acusações de contratos fraudulentos para repasses aos assentados de terra.

Hoje Brunet é vice presidente nacional do órgão.

Dizem, 50 milhões foram desviados.


Lula gastou e a Dilma tem que arrumar a casa, e quem paga a conta?



O governo Lula surfou uma década na economia da abundância. Quando todos queriam poupar para o futuro Lula recomendou gastar muito, ir às compras. Cada ano repetia o anterior. Contra toda recomendação monetarista o governo gastava sem limites. Os bancos com as melhores taxas de juros para enriquecer banqueiros e industriais.

Benditas commodities, só isso nos encheu de divisas, aplicadas, principalmente em investimentos sociais.

O resto da América Latina crescia menos e poupava muito. Ruim porque não desfrutaram da onda de bonança da economia mundial, que gerou um estoque de dólares que aí estão. Podemos viver uma estagnação com inflação.

A previsão de crescimento para o Brasil diminui cada dia, já está nos 2,5% e pode ainda crescer menos, além do mais, existe uma tendência de reprimarização da economia,  da qual Brasil não escapa e, especificamente no Brasil, a falta de planejamento do passado, tem feito com que a economia tenha perdido competitividade.

Os planos se sucedem, mudam de nome, mas tudo continua muito parecido. A Política Industrial, Tecnológica e de Comercio Exterior (PITCE), depois a Política de Desenvolvimento Produtivo e hoje temos a Política Industrial Brasil Maior. Vamos ver qual será o próximo Plano, já que terá que haver outro para dar resposta a crise da Europa, que terá seus efeitos nos países emergentes.

Hoje é o dia........

Felipe Iluminati anuncia forte terremoto na Itália para hoje 20 de maio de 2012

O trânsito na Av. Cachoeira lento, congestionado, nenhum motorista quer avançar

CPI do Cachoeira é a mais lenta em 20 anos

Com potencial para envolver parlamentares e três governadores, a CPI do Cachoeira chega a quase um mês de existência com a marca de comissão mais lenta dos últimos 20 anos entre as destinadas a investigar corrupção.

A Folha analisou outras dez grandes comissões de inquérito criadas desde a CPI do Collor (1992). Nunca antes, em seus primeiros 15 dias de trabalho (descontados fins de semana, feriados e recessos), uma comissão ouviu tão poucos envolvidos e demorou tanto para tomar seu primeiro depoimento público.

Durante a semana a CPI foi alvo de acordo entre governo e oposição para restringir o alcance das investigações.

A primeira tomada de depoimento público, do empresário Carlinhos Cachoeira, está marcada para terça-feira. A previsão inicial era que ocorresse na semana passada, mas os advogados de Cachoeira conseguiram no Supremo suspender a sessão alegando que não haviam tido acesso ao processo. Mesmo que o empresário tivesse dado o depoimento, o cenário da CPI em relação a comissões anteriores não mudaria.

Ainda que sejam contabilizados os depoimentos secretos dos delegados responsáveis pelas operações Vegas e Monte Carlo, a produtividade do caso Cachoeira é muito menor que outras. Em média, no mesmo período, as outras CPIs já tinham realizado oito depoimentos.

A CPI dos Bancos, criada em 1999 para investigar o auxílio oficial dado ao banqueiro Salvatore Cacciola, já tinha ouvido 17 pessoas. A do Banestado, que apurou um esquema ilegal de envio de dinheiro ao exterior, tinha feito 12 oitivas em duas semanas.

Mesmo as CPIs que contaram com blindagem mais explícita para conter maiores estragos ao Palácio do Planalto, como a dos Cartões Corporativos (2008) e a da Petrobras (2009), foram mais céleres em suas primeiras semanas de atividade, com seis e sete depoimentos, respectivamente.

O presidente da CPI, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), diz que a comissão é atípica porque o "trem já estava andando" --a CPI nasceu de uma operação da Polícia Federal. "A comissão está num ritmo adequado", disse. "O governo está usando um rolo compressor", diz o deputado Fernando Francischini (PSDB-PR), eximindo de responsabilidade a oposição, que atua para impedir a convocação do governador tucano Marconi Perillo (GO).

Até quarta, a CPI do Cachoeira também se notabilizava por ser a que menos havia aprovado requerimentos. Na quinta, uma série de pedidos de convocação e quebras de sigilo foi aprovada. Ainda assim, o número de requerimentos derrubados não tem precedentes: 64 só na quinta. 
UOL

O Deputado pecuarista, o capixava Ze Geraldo visita por primeira vez uma universidade, para tratar de dar golpe


O pecuarista e criador de gado, o Deputado capixava, Ze Geraldo do PT, que nunca tinha entrado em uma universidade, apareceu pela Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA) para pretender dar um golpe na direção dessa universidade. Nem se preocupou pela escandalosa corrupção que seus companheiros de partido fizeram no IFPA, onde além de democracia falta polícia, segundo disse o blog do Barata.

Com escasso interesse pela educação, um grupo de deputados do PT, visitou o Ministro Mercadante para reclamar junto ao Ministro de falta de democracia e transparência por parte da gestão da Universidade do Oeste do Pará – UFOPA. Na reunião estava presente o próprio Vice Reitor, o Professor Dr. Clodoaldo dos Santos, na representação do Reitor, José Seixas Lourenço. Para informação dos democratas, quando o Vice Reitor participa de uma audiência oficial, o faz na condição de máximo representante da autoridade da instituição, o Reitor.

A pergunta que não quer calar, por que e Vice da UFOPA precisa ir ao Ministério a criticar a gestão do seu chefe imediato o Reitor? A UFOPA não conta com sua própria estrutura de debates (conselho Universitário) para discutir os problemas internos da instituição?

Se por outro lado, a comunidade acadêmica está tão a desgosto com essa suposta falta de democracia. Por que o Vice Reitor não convoca o Conselho Universitário para debater os problemas da UFOPA? Ele preferiu ir fazer fofoca no Ministério de Educação. Pega mal, já que na UFOPA ele nem aparece e quando o faz aparece cheio de correntes de ouro, brincos nas orelhas e relógios gigantes, engravatado e perfumado, mas entra mudo e sai calado. Assim aconteceu em uma reunião onde eu tive a oportunidade de conferir o que falo.

Aí tem Gato de fora com rabo escondido.

O Vice Reitor da UFOPA está pior que sua antecessora a conhecida Raimundinha, demitida por incompetente. Contam por aí que a própria Professora Berta Becker (uma das geógrafas mais prestigiadas do Brasil) se manifestou pela reprovação da tese de doutorado da Raimunda, entretanto o apoio político de outros professores deixou à professora Bertha em desvantagem. Ela é uma burra, contam que a Professora Bertha falou na saida da defesa da tese, depois de aprovar uma tese horível, conhecido pelo crt C e crt V no meio acadêmico.

o Pecuarista capixava o Deputado Zé Geraldo, está preocupado da democracia da UFOPA. como se a universidade não tivesse Conselho Universitário, Câmeras Técnicas e todos seus órgãos que cuidam dos processos de uma universidade.Como as eleições já estão cerca a campanha começou e quem se quer reeleger anda desesperado tras de votos. Depois da pêssima gestão de Prefeita de Santarém, ela não vai conseguir colocar um poste proposto para eleger alguém do PT.

Não ha dúvida, o PT quer nacionalizar e politizar a universidade.

Agora com o Reitor do Instituto do IFPA, o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará,Edson Ary Oliveira Fontes (abaixo, foto, no centro, entre Tasso Genro e a irmã, Cuca), volta a ficar sob a suspeita de improbidade administrativa. As denúncias nesse sentido justificaram a criação, por determinação expressa do Ministério da Educação, de um grupo de trabalho destinado a apurar, no prazo de 60 dias, as suspeitas de corrupção envolvendo o reitor do IFPA.Sobre isso ninguém falou com o Ministro Mercadante.
Veja a matéria abaixo e no fim da página (da postagem) veja a matéria do Blog do Barata.

Aí é que falta democracia e polícia, para investigar a quadrilha.

BANCADAS DO PT SE REUNEM COM MINISTRO DA EDUCAÇÃO

Para entender o caso.


Veja uma postagem anterior sobre o mesmo caso

http://www.blogdoenriquez.blogspot.com.br/2012/04/o-pt-de-santarem-preparando-eleicoes.html