Google+ Badge

sábado, 12 de setembro de 2009

Internacional - Morre vice-presidente de Cuba, Juan Almeida


(Na foto do lado do Fidel castro)

O vice-presidente cubano, Juan Almeida, número três entre os históricos da revolução dos irmãos Fidel e Raúl Castro, morreu aos 82 anos, vítima de uma parada cardiorespiratória, informou no sábado a imprensa oficial.

Seu falecimento, pouco antes da meia-noite de sexta-feira, deixa claro a passagem do tempo sobre a velha guarda que meio século depois da revolução segue governando Cuba.

O logotipo do diário oficial Granma foi publicado neste sábado em preto em sinal de luto, junto com uma fotografia de Almeida em seus dias de guerrilheiro.

O governo cubano declarou o domingo dia de luto nacional para honrar Almeida, que era o único comandante negro da revolução.

"O nome do comandante da revolução Juan Almeida Bosque permanecerá para sempre no coração e na mente de seus compatriotas como paradigma de firmeza revolucionária, sólidas convicções, valentia, patriotismo e compromisso com o povo," afirmou o Birô Político do Partido Comunista, em nota publicada no portal do Granma.

Almeida será sepultado nas montanhas do leste de Cuba, onde combateu há 50 anos sob as ordens de Fidel Castro.

O Granma destacou sua proximidade com Fidel Castro, de 83 anos, afastado do poder desde que adoeceu, em meados de 2006.

"O Comandante Almeida esteve sempre na primeira linha de combate junto ao chefe da revolução, valente, decidido e fiel até as últimas conseqüências," afirmou o jornal.

"Artífice da revolução"

O presidente do Parlamento cubano, Ricardo Alarcón, disse em ato em frente à missão diplomática dos EUA em Havana que Almeida "é um dos principais artífices da revolução cubana".

"Foi um homem de origem muito humilde, pedreiro, negro. Toda sua vida trabalhou com suas mãos, com o suor de seu rosto, mas era um homem de muita sensibilidade, músico, poeta e foi soldado no combate revolucionário desde o primeiro momento", disse Alarcón ao concluir uma vigília para pedir a liberação de cinco agentes presos nos Estados Unidos desde 1998 por acusações de espionagem.

Pouco antes, cerca de 1.000 cubanos convocados para o ato respeitaram um minuto de silêncio para recordar o comandante.

"São tantas as impressões que tenho por trás de sua morte que não tenho como resistir a esse grande choque de quem foi um exemplo em Cuba", afirmou Eleida Padrón, uma sindicalista que afirmou ter trabalhado junto a Almeida no começo da revolução, na década de 1960.

Almeida era vice-presidente do Conselho de Estado e membro do poderoso Birô Político do Partido Comunista.

Em seus últimos anos, Almeida costumava receber a novos embaixadores estrangeiros em Cuba. Também era considerado um influente mediador dos assuntos internos do Partido Comunista e um dos homens de maior confiança do presidente Raúl Castro.

(Reportagem adicional de Nelson Acosta)

Arte - Pintura realista do Iran

Iman Maleki nasceu em 1976 em Teerã. Ele foi fascinado pela arte da pintura desde criança. Aos 15 anos, começou a aprender pintura sob o domínio de seu primeiro e único professor - Morteza Katouzian - que é o maior pintor realista do Iran. Em 1999 graduou-se em Design Gráfico pela Universidade de Arte de Teerão. Desde 1998, tem participado de várias exposições. Em 2001, criou o ARA -Atelier de Pintura onde começou a ensinar pintura, considerando os valores clássicos e tradicionais da pintura realista.

As exposições mais importantes: exposição de pintores realistas do Irã em Teerã, Museu de Arte Contemporânea (1999); The Exhibition, grupo de pintores Studio KARA, na SABZ Gallery (1998); e na Sa'ad ABAD Palace (2003). Em 2005, Iman recebeu o prêmio William Bouguereau e o prêmio do presidente Choice na competição Salão Internacional ARC.

Confira a qualidade das pinturas do pintor, onde o jogo de luz e sobra e detalhes são perfeitos.









sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Política - O cineasta Oliver Stone afirmou que o rei Juan Carlos da Espanha deveria se calar e ouvir o chefe Estado venezuelano, Será?

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, não hesitou em brincar com a nova imagem do rei Juan Carlos I da Espanha ao ser recebido nesta sexta-feira no Palácio de la Zarzuela.
"Deixou a barba crescer, como o Fidel", comentou Chávez. O rei, no mesmo tom informal, também não deixou por menos: "É para mudar um pouco o 'look'".
Os dois realizaram uma breve reunião na residência oficial da Família Real espanhola, após a qual não houve declarações oficiais.

Tal como já aconteceu há um ano no Palácio de Marivent, na ilha de Mallorca, o rei recebeu o presidente com um afetuoso aperto de mãos, para alegria das dezenas de fotógrafos presentes no momento.

Chávez aproveitou uma escala na capital espanhola depois de seu giro pelo Oriente Médio, norte da África, Rússia e Belarus.

Em julho passado, Chávez e Juan Carlos deram por encerrado o incidente ocorrido na Cúpula Ibero-americana do Chile, em novembro de 2007, quando o rei espanhol lançou o famoso "por que não te calas?" para o presidente venezuelano, que, na ocasião, insistia em interromper o discurso de Zapatero.

Foi justamente a este episódio que se referiu o diretor de cinema americano Oliver Stone, que apresentou no Festival de Veneza um documentário sobre o presidente da Venezuela. Ele afirmou que o rei Juan Carlos da Espanha deveria se calar e ouvir o chefe Estado venezuelano.

"Vosso rei deveria calar-se e escutar mais a Chávez", afirmou Stone em entrevista ao jornal El País.

O cineasta americano apresentou em Veneza o documentário "South of the Border" (Ao Sul da Fronteira), sobre as mudanças na América Latina depois da chegada ao poder de Chávez.

Leia no
UOL/NOTÍCIAS

11 de setembro - Golpe de Estado no Chile, 36 anos depois, os mesmos problemas sem solução, ouça o Discurso

Pará - Sustentabilidade reúne empresas

Amazônia Jornal
11/09/2009

Empresários, representantes de órgãos do governo e acadêmicos participam em Belém do 'BAWB Global Fórum', conferência que será realizada entre os próximos dias 14 e 16, na Estação das Docas, e que tem como objetivo sensibilizar o empresariado sobre as práticas de sustentabilidade na Amazônia.

O evento é realizado pela Federação das Indústrias do Pará (Fiepa) e pelo Serviço Social da Indústria (Sesi) e acontece pela primeira vez em uma capital do Norte do País. O tema central é 'Como a Sustentabilidade Agrega Valor ao Negócios'.

Criada em 2001 por um grupo de empresários americanos, o Global Fórum conta com o apoio da Organização das Nações Unidas (ONU) e chegou à América Latina para conscientizar instituições públicas e privadas acerca de ações socioambientais.

Durante os três dias de conferência, os participantes vão discutir e apresentar experiências bem sucedidas e dialogar sobre as dificuldades vivenciadas pela Amazônia quanto à falta de percepção de quem poderia, mas nada faz, para promover práticas sustentáveis. 'Será um momento de aprendizado e de uma troca de experiências importante. O Global Fórum difere de outros eventos por apresentar uma metodologia que pretende mostrar como praticar sustentabilidade', diz José Olimpio Bastos, superintendente do Sesi no Pará.

Segundo o executivo, há uma grande dificuldade na percepção de movimentos mundiais. Por isso, observa José Olimpio, é preciso sensibilizar empresas e organizações para que atuem de forma eficaz a favor do meio ambiente. Exatos 57 grupos de trabalho estarão reunidos na conferência, que vai apresentar nos três dias 22 cases considerados 'vitoriosos'.

O encontro será constituído de três momentos. O primeiro deles será a solenidade de abertura, no dia 14, às 19h, no Teatro Maria Silva Nunes, na Estação das Docas. O segundo será o workshop do 'Prêmio SESI Qualidade no Trabalho (PSQT)', que vai apresentar cases de sucesso, objetivando expor novos modelos de se fazer negócios que possibilitam às organizações atuarem como agentes socialmente responsáveis.

O terceiro momento ocorrerá nos dias 15 e 16, quando os participantes estarão reunidos para aprender a utilização da metodologia 'Investigação Apreciativa', desenvolvida pela Case Western Reserve University, dos Estados Unidos, e que por meio de dinâmicas e troca de conhecimentos entre os participantes, proporciona a descoberta de como agregar valor aos negócios de forma sustentável.

Reforma Agrária - Verba do Incra beneficiará 200 mil famílias

Amazônia Jornal,
11/09/2009

O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) promete investir até o final do ano R$ 500 milhões no Pará. Segundo o presidente nacional da entidade, Rolf Hackbart, o recurso já está sendo empenhado em favor das prefeituras e do governo do Estado. A verba vai beneficiar cerca de 200 mil famílias, em 12 municípios paraenses, e auxiliar na criação de infraestrutura básica nos assentamentos.

A aplicação do empenho viabiliza e implementação de projetos como a pavimentação de 452 km de estrada, a criação de seis pontes, a construção de 36 microssistemas de abastecimento de água e esgoto. A assinatura do empenho garante ainda o repasse da verba do crédito para instalação, que consiste no programa de crédito de reforma agrária para construção de casas e operacionalização da produção. Aproximadamente mil famílias participarão do programa. Cada família vai embolsar R$ 18,2 mil tendo obrigatoriamente que utilizar R$ 15 mil na construção da casa e R$ 3,2 na produção de alimentos. Isso quer dizer que serão destinados R$ 18,2 milhões para 12 municípios - todos do nordeste paraense.

Além dos recursos, as obras de infraestrutura também foram garantidas pela governadora do Estado, Ana Júlia Carepa, com a assinatura de 22 convênios com prefeituras. Os convênios foram firmados em um evento aberto ao público, do qual participaram dezenas de famílias residentes em assentamentos, além do presidente nacional do Incra e representantes das entidades ligadas às terras no Pará. Na ocasião foram validadas as portarias de criação de 17 novos projetos em municípios como Breves, Augusto Corrêa, São Sebastião da Boa Vista e Belém. A governadora também distribuiu 300 títulos de terras para moradores de assentamentos.

Rolf afirma que o Pará é o Estado brasileiro que mais empenhou recurso em 2009. A contrapartida por parte dos governos estaduais e municipais também foi lembrada pelo presidente do Incra, e deve acontecer através da mão de obra técnica, de servidores, custeamento de diárias, computador, maquinário em geral.

Leia no amazônia Jornal Aqui

Economia - PIB do Brasil cresce 1,9% no 2º trimestre, e país sai da recessão


Da Redação do UOL/ECONOMIA
Em São Paulo
(Texto atualizado às 9h27)
O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil cresceu 1,9% no segundo trimestre deste ano, em relação ao primeiro, para R$ 756,2 bilhões (veja gráfico ao final do texto).
Segundo informou nesta sexta-feira o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), em relação ao segundo trimestre de 2008, houve queda de 1,2%.
(Entenda como o PIB é calculado).

Com isso, o país pôs fim a um ciclo usualmente chamado de "recessão técnica" - caracterizada pela queda do PIB por dois trimestres seguidos. Não significa que a economia já tenha se recuperado da crise, mas sim que se encerrou um momento de retração.

Recessão ocorre quando a atividade econômica (produção, consumo, emprego) está em baixa. A crise econômica global está causando recessão em diversos países do mundo, inclusive nos ricos.

No primeiro trimestre deste ano, a economia brasileira havia caído 0,8%, logo após uma queda de 3,6% observada no quarto trimestre de 2008.

A notícia de que o Brasil saiu da recessão já era esperada pelo mercado, pois o governo já dava sinais de otimismo. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou na semana passada que o crescimento do PIB seria de 1,8% a 2% entre abril e junho e também afirmou que em julho e agosto o país deu um salto na atividade econômica motivado pela produção industrial, que voltou a expandir-se, e pelas medidas de incentivo ao consumo.

Segundo pesquisa com 25 economistas feita pela Reuters, a expectativa era que o PIB crescesse 1,6% na comparação com o trimestre imediatamente anterior, mas mostrasse queda de 1,5% em relação ao segundo trimestre do ano passado.

Componentes do PIB
No segundo trimestre, o consumo das famílias cresceu 2,1%, enquanto os gastos do governo caíram 0,1%. A formação bruta de capital fixo, ou investimento, permaneceu estável, sem variação. As exportações cresceram 14,1% e as importações subiram 1,5%.

Comparado com igual período de 2008, apenas o setor se serviços apresentou crescimento, de 2,4%. A indústria teve queda de 7,9% e a agropecuária registrou perda de 4,2%.

O consumo das famílias cresceu 3,2%, a 23ª expansão neste tipo de comparação. Segundo o IBGE, contribuiu para este resultado a alta de 3,3% no rendimento real dos salários no segundo trimestre de 2009. Ainda, as operações de crédito para pessoa física cresceram 20,3% no período.

O gasto do governo expandiu-se 2,2%, mas o investimento recuou 17%, a maior queda desde o início da série, em 1996. A redução é explicada pela redução na produção interna de máquinas e equipamentos.

As exportações caíram 11,4% e as importações decresceram 16,5%.

Leia mais sobre economia Aqui

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Meio Ambiente - A rapazeada do Ministro Minc no lançamento do Programa do Cerrado

BRASÍLIA - O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, anunciou nesta quinta-feira o Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento e das Queimadas no Cerrado (PP-Cerrado), um programa semelhante ao que vem sendo implementado na Amazônia......
e foi feito ao ritmo de reggae. Veja aqui.


Ciência e Tecnologia - Já está no ar o Portal da 4ª Conferência Nacional de Ciência e Tecnologia

(Imagem produzida no CGEE para a Conferência)

Está no ar, em caráter experimental e ainda em fase de construção e aperfeiçoamento, o Portal da 4ª Conferência Nacional de Ciência e Tecnologia - CNCTI

O Portal disponibilizará todas as informações pertinentes e correlatas ao desenvolvimento das atividades de planejamento e definição da programação da conferência, incluindo calendário de eventos, reuniões técnicas, sala de imprensa, comunidades CT&I (Twitter e Orkut), as Conferência Regionais, todas as informações sobre as conferências anteriores, notícias e informações de caráter geral sobre CT&I e muito mais.

Acesse o Portal por meio do link Portal da 4ª CNCTI, aí encontrará as informações completas sobre o evento. Da mesma forma os contatos para obter maiores informações e detalhes.

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

cinema - "CRUDE" Filme sobre a exploração de petróleo na amazônia, imperdível!




A propósito do debate sobre o Pre-sal, recomendo o filme sobre a exploração de petróleo na Amazônia.

Devido a preocupações sobre a mudança climática, deversas manifestações políticas e culturais formam parte do debate atual sobre o meio ambiente.
Alguns filmes como "Uma Verdade Inconveniente" - se concentrou nos resultados terríveis da queima de combustíveis fósseis.

Hoje um novo filme, ainda não estreado no Brasil, "Crude" do diretor Joe Berlinger um documentário profundo e apaixonado de novo, foca seu olhar sobre a produção ao invés de consumo. O filme, que segue o progresso irregular de uma ação coletiva realizada em nome do povo da Amazônia equatoriana, não é sobre as conseqüências indesejadas do uso de petróleo. Em vez disso, ele examina o terrível, freqüentemente não reconhecido custo de extrair petróleo na amazônia.
"Crude", em outras palavras, investiga as manifestações locais - enfermidades, água contaminada, a degradação cultural - de um problema global. Também, muito mais pelo que o filme mostra do que pelo que ele diz, sugere que esse modelo não é mais sustentável.

As corporações multinacionais (como a Chevron, a vilão deste filme) movimentam dinheiro e mercadorias de um lugar para outro, muitas vezes sem levar em conta a soberania ou os costumes das comunidades locais.

Não deixe de assistir o filme e veja mais detalhes no trailler abaixo e no The New York Times

Mudança climática - Reino Unido: clima exige ação de países em desenvolvimento

(Ministro das Relações Exteriores britânico, David Miliband)

Ministros do governo britânico afirmaram que os países em desenvolvimento como China e Índia devem aceitar a imposição de limites às emissões de gases-estufa se o mundo quiser selar este ano um novo tratado para combater a mudança climática. O ministro das Relações Exteriores britânico, David Miliband, disse que há um risco real de as conversações na Dinamarca em dezembro (para definir um acordo que substitua o Protocolo de Kyoto) fracassarem se os políticos centrarem o foco na desaceleração econômica em vez da ameaça da mudança climática.

"Há o perigo real de as reuniões marcadas para dezembro não terem um resultado positivo e há um perigo igual de que no período que antecede o encontro de Copenhague as pessoas não acordem para o risco de um fracasso antes que seja muito tarde," disse ele em uma entrevista coletiva.

Diferentemente das conversações em Kyoto, onde os atritos entre Europa e Estados Unidos foram o principal conflito, no período que antecede a conferência de Copenhague são as diferenças entre os países mais ricos e os que se desenvolvem rapidamente que podem atrapalhar um acordo.

O Protocolo de Kyoto, válido até 2012, comprometia a maioria dos países desenvolvidos com cortes de emissões, mas não estabelecia metas para os mais pobres, cujas emissões per capita eram muito menores.

Com a ascensão da China e da Índia --e o aumento das suas emissões de gases responsabilizados pela mudança climática--, isso agora deve mudar, afirmam políticos do Ocidente.

"Não há dúvida de que os países desenvolvidos têm responsabilidade pela mudança climática que já está acontecendo e que vai ocorrer durante algumas décadas a contar deste momento," afirmou Ed Miliband, ministro britânico de Energia e Mudança Climática, que falou na entrevista coletiva ao lado do irmão David.

"Mas a outra verdade no centro dessas negociações é que 90 por cento do crescimento das emissões virá dos países em desenvolvimento."

"Os países em desenvolvimento precisam também ser parte da solução. Nenhum corte nas emissões atuais, mas eles precisam mostrar como reduzirão o crescimento de suas emissões até 2020 antes dos cortes nas emissões posteriores."

O primeiro-ministro Gordon Brown disse que o mundo deveria reservar 100 bilhões de dólares por ano até 2020 para ajudar os países mais pobres a lidarem com as conseqüências da mudança climática. (Fonte: Estadão Online)

EXCLUSIVO: Pesquisa conjunta entre Brasil e França avalia transferência de águas entre continente e oceano

Danielle Jordan / AmbienteBrasil

A Universidade Federal de Brasilía (UNB) vai contribuir com uma pesquisa de instituições francesas representadas pelo Instituto Francês de Desenvolvimento (IRD) em um estudo da transferência de águas entre o continente e o oceano.

Serão investidos 70 mil euros principalmente em estudos de hidrologia e de isótopos de elementos de transição, áreas de destaque atualmente no Brasil.
Estão sendo avaliados os mecanismos de transferência dos elementos da bacia amazônica. Uma das técnicas desenvolvidas possibilita o cálculo da concentração dos elementos de determinada matéria e o fracionamento isotópico permite identificar a origem das substâncias analisadas. Segundo os pesquisadores é possível identificar se os elementos de determinada matéria estavam no ambiente de maneira natural ou se foram inseridos na natureza pela ação humana.

Será criado ainda o Laboratório Misto Internacional, um laboratório virtual, que não contará com uma sede física.

Desde 94 o programa de cooperação entre os países é desenvolvido, a partir de um projeto do professor Geraldo Bomtempo, que contava com o apoio do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico). “Nós não estamos mais na condição de país que está sendo apoiado para a pesquisa, mas de parceiro”, afirma.

Seis pesquisadores franceses atuam no Brasil e outros dois estão fazendo doutorado na UNB.
*Com informações da UnB

PRE-SAL - empresários reagem ao modelo de partilha



Os quatro projetos de lei que formam o marco regulatório do pré-sal foram debatidos pela primeira vez no Senado na terça-feira (8). O modelo de partilha do óleo e a posição da Petrobras como única operadora dos contratos de exploração foram as principais críticas feitas por senadores e empresários do setor que participaram da audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos da Casa.

“Ninguém é contra o fortalecimento da Petrobras, mas achamos que mantê-la operando sozinha e ainda participando de pelo menos 30% de cada campo não é bom para ela, nem para o setor industrial”, alegou o presidente do Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (IBP), José Carlos de Luca. Para ele, abrir a operação para outras empresas estimularia a competitividade, o que daria mais transparência e criaria mais empregos.

A operadora é a empresa que controla o processo de extração. Mesmo com a participação de outras empresas no negócio, é a operadora que define, por exemplo, como será feita a extração, quais máquinas serão usadas e entra com mais recursos humanos e financeiros.

O modelo de partilha também foi fruto de divergências na audiência. Para o vice-presidente de uma das empresas associadas ao IBP, a British Petroleum do Brasil, Ivan Simões Filho, o modelo que vigora atualmente, de concessão, atende a todas as demandas apresentadas pelo governo para justificar o modelo de partilha.

“O melhoramento do parque industrial brasileiro, o aumento da participação governamental, o fortalecimento da Petrobras, são todas questões que podem ser resolvidas no modelo atual (de concessão)”, avaliou.

No modelo de concessão, todo o óleo extraído é da empresa ou consórcio explorador, que paga ao governo um valor fixo pela exploração. Já no modelo de partilha que vai vigorar nos campos de pré-sal daqui por diante, o petróleo é dividido com o governo e ganha a licitação para explorar o campo quem oferecer maior pagamento em óleo ao Estado brasileiro.

O líder do governo no Senado, Aloísio Mercadante, defendeu a proposta de partilha. Segundo ele, o modelo de concessão era válido para o tipo de exploração que o Brasil vinha fazendo, mas não serve mais para o pré-sal. “O modelo mudou porque o Brasil mudou. O pré-sal mudou tudo e o contrato de concessão usado até aqui se tornou inadequado para a quantidade de petróleo que será extraído”, alegou o senador.

Mercadante afirmou ainda que a Petrobras não será a operadora única do sistema de exploração porque quase 30% da área do pré-sal já foram leiloados em contratos de concessão que não serão alterados pelo governo. (Fonte: Mariana Jungmann/ Agência Brasil)

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Esporte - Felipão é o técnico mais bem pago do mundo


Mesmo comandando o pouco expressivo Bunyodkor, do Uzbequistão, Luiz Felipe Scolari é o técnico mais bem pago do mundo. Segundo levantamento do jornal catalão "Sport", o brasileiro fatura 16,6 milhões de euros (R$ 44 milhões) por temporada.

Curiosamente, quase metade do valor ainda é pago pelo Chelsea (ING). Demitido no início do ano, Felipão ainda tem contrato em vigor com os londrinos. O compromisso, que lhe rende oito milhões de euros (R$ 21,2 milhões) anuais, impede o brasileiro de assinar com algum rival inglês e de fazer comentários sobre o clube

Confira a lista do dez técnicos mais bem pagos do mundo:

Técnico - Clube - Salário anual

1 Felipão** Bunyodkor (UZB) R$ 44 milhões
2 José Mourinho Internazionale (ITA) R$ 29,1 mi
3 Fabio Capello Seleção inglesa R$ 23,3 mi
4 Alex Ferguson Manchester United (ING) R$ 18,5 mi
5 Roberto Mancini* Sem clube R$ 15,9 mi
6 Carlo Ancelotti Chelsea (ING) R$ 15,9 mi
7 Manuel Pellegrini Real Madrid (ESP) R$ 14,6 mi
8 Louis van Gaal Bayern (ALE) R$ 13,8 mi
9 Guus Hiddink Seleção russa R$ 13,3 mi
10 Arsene Wenger Arsenal (ING) R$ 12,7 mi
*Apesar de estar sem clube, Roberto Mancini ainda recebe da Internazionale.
**Felipão recebe salários do Chelsea e do Bunyodkor.

Meio Ambiente - PAC Ambiental do Governo

Segundo "O Globo" o Plano de desenvolvimento sustentável da Amazônia seria usado como plataforma de campanha de Dilma em 2010.

Na realidade o PAS já está sendo executado desde faz um bom tempo pela Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE) que era coordenada pelo Ministro Mangabeira Unger e continua sob o comando do Ministro Daniel Vargas. O PAS em nada tem a ver com a campanha da Marina Silva que também não tem como foco, apenas a questão ambiental.

Veja a matéria da jornalista Catarina Alencastro que escreve para "O Globo":

Para tirar da senadora Marina Silva (PV-AC) o monopólio do discurso ambiental, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva encomendou ao governo, em caráter de urgência, um plano de desenvolvimento sustentável com foco na Amazônia, uma espécie de PAC do meio ambiente. Esse novo plano seria usado como plataforma de campanha da ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) à Presidência.

A ideia é que uma nova versão do Plano de Ação para a Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia Legal seja elaborada e apresentada ainda na atual gestão, mas com ações que se estendam ao longo dos próximos anos.

Dilma, ao se habilitar como sucessora de Lula, herdaria assim um programa ambiental pronto, mas em estágio inicial, no ponto para executado pelo governo que começará em 2011. A candidata de Lula agregaria assim a questão ambiental a seu programa eleitoral.

Até o anúncio da possível candidatura de Marina Silva a presidente pelo PV, o programa de Dilma era centrado exclusivamente no viés da ampliação da infraestrutura do país.

Na próxima semana, Dilma deverá ter uma reunião para se atualizar sobre os principais pontos que vêm sendo negociados para a Cúpula da ONU sobre Mudanças Climáticas, em dezembro, em Copenhague. Na ocasião, deve ser apresentado a ela já um esboço de atividades que podem dar para a Região Norte uma dinâmica mais ecológica.

A encomenda de Lula foi feita no último dia 19 de agosto, mesmo dia da saída de Marina do PT e data em que ficou definido que o Zoneamento da Cana no Pantanal irá excluir as partes ambientalmente sensíveis da região. Como consequência, o assunto já foi tratado internamente pelo ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, e seus principais técnicos, em reunião na segunda-feira seguinte, dia 26. Minc já estuda o novo programa.

Mais ações nos municípios que mais desmatam

O plano que deverá ser apresentado a Dilma passa pela ampliação de ações que já começaram a ser feitas nos 43 municípios que mais desmatam a Amazônia.

Por meio da operação Arco Verde Terra Legal, o governo tenta incutir uma mentalidade mais preservacionista naqueles que sempre viveram de atividades predatórias. Famílias assentadas receberão um cartão verde com recursos para reflorestar assentamentos desmatados.

A outra grande área do programa ambiental será para fortalecer metas previstas no Plano Nacional de Mudanças Climáticas, que visam à redução das emissões de gás carbônico. Aumento da participação da energia renovável na matriz brasileira, melhoria do setor de transporte coletivo e combate ao desmatamento continuarão a ser o tripé da política de clima.

Embora a ministra não demonstre muita intimidade com a agenda ambiental, ela participou de decisões importantes na área. O Fundo Amazônia, a definição de metas para o Plano Nacional de Mudanças Climáticas e a inclusão de painéis solares no projeto de casas populares do PAC da habitação contaram com seu apoio.

Ornal da Ciência e "O Globo"

Desmatamento - Mutirões do governo contra desmatamento entram na reta final

O mutirão Arco Verde Terra Legal se prepara para entrar na reta final. No dia 11 de setembro, a ação será simultaneamente realizada em Mucajaí (RR), em Joara (MT) e em Cumaru do Norte (PA). Com mais essas três programações, o governo federal estará prestes a cumprir a promessa de visitar as 43 cidades do Amazonas, do Maranhão, de Mato Grosso, do Pará, de Rondônia e de Roraima, consideradas prioritárias para a prevenção e para o controle do desmatamento.

Os mutirões são coordenados pela Casa Civil e pelos ministérios do Desenvolvimento Agrário (MDA) e do Meio Ambiente (MMA). A iniciativa visa, de acordo com informações divulgadas pelo governo federal, a permitir o acesso de brasileiros a direitos e à cidadania por meio de ações de regularização fundiária e combate à grilagem de terras na Amazônia.

Cerca de 20 mil quilômetros são alvo dos mutirões que prestam serviços diversos, entre eles, emissão de documentos civis e ações relacionadas à regularização fundiária. Até o momento, 23 edições foram realizadas e a última deve ocorrer em Paranaíta (MT), entre 29 e 31 de outubro. A programação também inclui sessões públicas de cinema, shows, distribuição de livros, além de feiras com produtos da agricultura familiar e assentamentos na região.

O Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam) é um dos parceiros dos mutirões e contribui, entre outros, com a oferta de equipamentos de comunicação e com a produção do material de georreferenciamento das áreas envolvidas. Segundo o gerente do Centro Gestor e Operacional da instituição em Manaus, Bruno Monteiro, o mutirão Arco Verde Terra Legal representa uma fase do processo de conservação e implantação de modelos de produção sustentável na Amazônia Legal.

Em entrevista à Agência Brasil, Monteiro ressaltou que a iniciativa surgiu após a implantação do programa Terra Legal Amazônia iniciativa do governo federal para promover a regularização fundiária. A ação abrange uma área superior a 67 milhões de hectares.

"Não é só o mutirão em si, mas uma sequência de atividades. O mutirão atua, ao mesmo tempo, na área de regularização fundiária e no combate ao desmatamento, sempre buscando formas de produção sustentável para os municípios", destacou o gerente.
Leia mais detalhes no site da terra Aqui

Desmatamento - Estradas "devoram" a Amazônia, diz jornal italiano

Reportagem do jornal italiano La Repubblica indica que a construção de estradas na Amazônia, muitas vezes ilegais, contribui para a presença de madeireiros e acelera o desmatamento na região. "Assim, as estradas e trilhas devoram a Amazônia", diz o título da matéria. A reportagem afirma que 95% do desmatamento e queimadas na bacia amazônica ocorre a até 50 km das vias.

O jornal cita entrevista do cientista brasileiro Enéas Salati à revista New Scientist, que diz que "a melhor coisa que você poderia fazer para salvar a Amazônia é bombardear as estradas". O americano Thomas Lovejoy também é lembrado, quando afirmou que "as vias são as sementes da destruição das florestas tropicais".

Segundo o La Repubblica, a presença das estradas é um problema inclusive para os índios, já que fotografias aéreas mostram, por exemplo, a presença de madeireiros ilegais na reserva indígena Murunahua, no Peru.

A construção de estradas, afirma a reportagem, continua crescendo na Amazônia. O jornal cita a BR-163, com cerca de 1,8 mil km entre Mato Grosso e Santarém, no Pará, além da BR-319, que também cortará a floresta, e afirma que mais três estradas estão programadas para cruzar o continente, do Pacífico à Amazônia.

O La Repubblica diz também que, em toda a floresta, são cerca de 273 mil km de vias.

Outro problema com a construção de estradas, aponta o jornal, é que amplia o contato de madeireiros com índios, fazendo com que os primeiros transmitam doenças para os segundos. Segundo a reportagem, os indígenas estão sujeitos, inclusive, a uma "epidemia devastadora" de gripe suína, já que não têm a mesma imunidade dos invasores.

Leia mais sobre o tema Aqui

Meio ambiente - MMA promove quatro seminários sobre mudanças climáticas até o final do ano

O Ministério do Meio Ambiente promove, até dezembro, uma série de seminários sobre mudancas climáticas, transmitidos ao vivo para todo o Brasil pela internet.

O próximo evento será no dia 15 de setembro e discutirá vulnerabilidade e impactos, com a participação de técnicos do Ministério. Um fórum de discussão é aberto ao final de cada conferência para esclarecimento de dúvidas e aprofundamento no tema.

Os demais seminários abordarão os temas "Adaptação e Mitigação", dia 6 de outubro, "Instituições Internacionais de Mudanças Climáticas", em 3 de novembro, e "O Brasil e as Mudanças Climáticas - Plano Nacional sobre Mudança do Clima", dia 1º de dezembro.

As inscrições devem ser feitas por e-mail, até as 11 horas do dia do evento. Para a região Sudeste, o contato é carlos.alves@mma.gov.br. Outras informações estão disponíveis em MMA.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Desmatamento - ONU pressiona Lula para proteger floresta amazônica

Ban Ki-moon abandonou sua conhecida diplomacia e criticou as taxas de desmatamento no Brasil

GENEBRA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva será pressionado a modificar sua política para a Amazônia e a atender a apelos internacionais em relação à proteção da floresta. Lula ainda será cobrado para que deixe de utilizar o argumento da soberania como elemento para impedir qualquer sugestão externa sobre como lidar com o desmatamento.

Leia mais detalhes no jornal Estadão Aqui

UFPA - O Instituto de Ciências Sociais Aplicadas (ICSA) quase parando


ICSA quase parando
(do Blog do Edir)

De acordo com as informações de nossos internautas do Instituto de Ciências Sociais Aplicado a situação por lá está terrível. O Instituto estaria parando por absoluta falta de materiais de consumo. Nem grampo para os grampeadores existe. Toda esta carência teria começado a partir de maio de 2009.

Espero a opinião dos internautas sobre a capacidade de mobilização administrativa da direção do ICSA.

Não cabe dúvida que é uma grande falta de gestão. O Instituto precisa uma nova gestão, mais inovadora, não apenas recursos materiais e sim uma mehlor gestão dos recursos humanos aí existentes.

A enorme competência dos professores, um expressivo número de doutores e mestres, requereria uma gestão de maior competência, voltada para ampliar o papel do instituto no debate sobre o novo modelo da Amazônia para a sustentabilidade.

O papel das faculdades do ICSA (dentre elas economia) é fundamental nesta nova fase da economia paraense. Muitas oportunidades já foram perdidas por falta de visão estratégica. Entretanto 2010 deverá ser um ano de mudanças e novas oportunidades que podem ser aproveitadas para avançar na melhoria dos cursos.

UFPA _ Reitor esclarece resultados do ENADE e mostra alternativas para melhorar o desempenho da Universidade



Em coletiva realizada nesta sexta-feira (04), a Universidade Federal do Pará pronunciou-se a respeito do resultado obtido pelos cursos da Instituição, avaliados no Exame Nacional de Desempenho de Estudantes - Enade 2008, divulgado ontem, no site do Ministério da Educação (MEC). O ENADE é uma das etapas para a obtenção do Conceito Preliminar de Curso (CPC), indicador que, com a avaliação das condições de infraestrutura física, corpo docente, projetos pedagógicos e programas de pós-graduação, gera os Índices Gerais de Cursos (IGC), os quais, por sua vez, indicam a qualidade da educação nas universidades brasileiras.


De acordo com o IGC 2008 , a UFPA obteve nota geral 3 numa escala em que o conceito máximo é 5. Para chegar a essa nota, 60 cursos ofertados pela Instituição, na capital e no interior, foram avaliados, dos quais, apenas três cursos não obtiveram resultados satisfatórios no CPC: Pedagogia, no município de Breves, que obteve nota 1; Engenharia Química, também com nota 1; e Ciências Sociais, com nota 2, ambos em Belém, o que demonstra que os resultados negativos referentes à UFPA se deram de forma pontual, não representando um agravante para a qualidade do ensino superior da Federal paraense.


Segundo o reitor da UFPA, Carlos Edilson Maneschy, o indicador com base no desempenho dos estudantes na prova do ENADE é importante, mas não é a única face do conceito geral obtido pelos cursos, o qual, como já referido, também leva em conta condições de infraestrutura física e aplicação de projetos pedagógicos. “No caso dos cursos em questão, verificamos que o agravante maior para as notas baixas são, de fato, problemas causados por falta de prédios adequados para instalação das atividades do curso, laboratórios e equipamentos, como acontece com os cursos do interior e os de Engenharia. Infelizmente, nossos orçamentos ainda não são suficientes para atender todas as demandas materiais necessárias, embora já estejamos trabalhando para isso a partir de iniciativas como a do REUNI”, explicou.


A UFPA deve criar uma comissão formada por representantes da Pró-Reitoria de Ensino de Graduação e da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação, que deverão avaliar mais de perto a situação dos cursos e apresentar propostas de mudanças. “O resultado nos preocupa, mas não nos aflige, pois em uma Universidade tão grande como a UFPA, que tem 50 anos de existência, e com quase 150 cursos de graduação, é compreensível que nem todos tenham o mesmo tempo e o mesmo nível de evolução e consolidação”, esclareceu a pró-reitora de Ensino, Marlene Freitas.


O reitor Carlos Maneshy explicou que as notas obtidas referem-se a uma primeira fase do processo de avaliação do MEC e que a UFPA ainda pode entrar com recursos para questionar os resultados, os quais deverão ser verificados a partir de visitas de técnicos do Ministério. “Os números são preocupantes, sim, mas devemos também reconhecer os resultados positivos que obtivemos nas outras áreas do conhecimento. Essa avaliação vem para nos mostrar os rumos que devemos tomar na busca de melhorias”, afirmou.

Saúde - Pense duas vezes antes de escolher o lugar

Cinema -Veneza aplaude filme de Oliver Stone sobre Chávez




VENEZA, Itália, 6 Set 2009) - O documentário do diretor norte-americano Oliver Stone sobre a "revolução pacífica" do venezuelano Hugo Chávez foi recebido neste domingo com muitos aplausos no Festival de Veneza.

Apresentado fora de competição para a imprensa, "South of the Border" (Ao sul da fronteira), descreve em 75 minutos, com diversas entrevistas e anúncios feitos pelas redes de comunicação norte-americanas, as mudanças políticas atravessadas pela América Latina nos últimos dez anos a partir da eleição de Chávez, em 1988.

O documentário "South of the Border", de Oliver Stone e dedicado ao presidente venezuelano, Hugo Chávez, foi aplaudido por vários minutos ao ser exibido hoje fora de concurso durante o 66º Festival de Veneza.

Para destruir o mito do "anti-americanismo" de Chávez, difundido pelo governo norte-americano e pela imprensa do país, Stone foi à Venezuela, ao Equador, à Bolívia, a Cuba, ao Brasil, ao Paraguai e à Argentina, onde conversou com os respectivos presidentes.

Na obra, o cineasta tenta mostrar que este grupo de governantes da região segue os passos do venezuelano, principalmente, em relação aos seus recursos naturais.

Entre os líderes entrevistados está Luiz Inácio Lula da Silva, que aproveita o documentário para pedir o fim do embargo contra Cuba, a paz no Oriente Médio e a permissão para que Chávez visite os Estados Unidos.

Ainda sem distribuidor nos Estados Unidos, "South of the Border" pode ser visto pelo público amanhã no Festival de Cinema Internacional de Veneza, mostra que termina na próxima semana.

Especula-se também que o presidente venezuelano comparecerá ao evento para assistir à produção. Contudo, ainda não há confirmações. "Estou avaliando ir a Veneza", disse ele, que foi convidado pelo cineasta norte-americano.

Mas antes, segundo Chávez, "vem as obrigações políticas". O governante realiza desde a última semana uma viagem internacional, com escalas na Líbia, Síria, Argélia, Irã, França e Espanha.

UOL Cinema

Veja official trailler

domingo, 6 de setembro de 2009

Manchetes deste domingo e principais destaques de jornais e revistas




* Globo: Mais da metade do cerrado brasileiro já foi desmatado

* Folha: Brasil vai fechar com França maior contrato militar

* Estadão: Governo freia concessões para infraestrutura

* JB: Exclusivo – Brasil já sabe fazer a bomba atômica

* Correio: Crime da 113 Sul – Casal Villela pode ter sido morto por encomenda

* Veja: Alcoolismo – É possível prevenir a doença sem cortar a bebida

* Época: Pré-sal – Dádiva ou ilusão?

* IstoÉ: Olhe-se no espelho e descubra como melhorar a autoestima

* IstoÉ Dinheiro: O homem de R$ 20 bilhões

* CartaCapital: Tudo igual, 56 anos depois

* Exame: A nova economia americana


Princiapis destaques de jornais e revistas

JOSÉ ALENCAR: Se for para me encontrar com mamãe e papai, quero morrer agora" - O BRASIL REZA PELA SUA SAÚDE




"Um dia desses me disseram que, ao morrer, iria encontrar meu pai, falecido há mais de cinquenta anos. Aquilo me emocionou profundamente. Se for para me encontrar com mamãe e papai, quero morrer agora"




Leia a entrevista, na intregra na Revista Veja

De que crise me falam?. Leia, recomendo (em espanhol)

CUÁL CRISIS?

Los consejos de Fernando Parrado, sobreviviente de los Andes

(Uruguayos todos ellos).-

'Lo importante viene después del trabajo'

Conmovió a 2500 ejecutivos en Expo Management con una recomendación: apoyarse en la familia.

Jueves 30 de octubre de 2008

¿ Qué conferencista logra hoy colmar un auditorio de 2500
ejecutivos y empresarios, muchos con sus mujeres e hijos, y hablar
durante una hora y media sin que vuele una mosca? Fernando Parrado,
uno de los 16 sobrevivientes de la tragedia de los Andes, a 36 años de
aquella historia que asombró al mundo, consiguió anteayer más que eso:
conmover a un foro de negocios y capacitación empresarial al
transmitir las simples moralejas que le dejaron vivir 72 días en plena
Cordillera sin agua ni comida.


Fue durante la jornada de cierre de ExpoManagement 2008. Su
presentación, un monólogo sin golpes bajos acompañado por videos e
imágenes de la montaña, tuvo dos etapas bien diferentes. En la primera
narró, con un relato íntimo repleto de anécdotas, los momentos que lo
marcaron de aquella odisea a 4000 metros de altura en la que perdió a
buena parte de sus amigos, además de su madre y su hermana. '¿Cómo es
posible sobrevivir donde no se sobrevive?', se preguntó. 'Sobrevivimos
porque hubo liderazgos, toma de decisiones y espíritu de equipo,
porque nos conocíamos desde mucho antes', dijo.

Y arrojó un primer disparador. 'En la vida el factor suerte es
fundamental. Cuando llegué al aeropuerto de Montevideo no daban número
de asiento para el avión. A mí me tocó, de casualidad, la fila 9,
junto a mi mejor amigo. Cuando el avión chocó en la montaña, se partió
en dos. De la fila 9 para atrás no quedó nada. Los 29 sobrevivientes
al primer impacto viajaban en la parte que quedó a salvo.'


'De ellos ? dijo?, 24 no sufrieron un rasguño. Así, los menos
shockeados empezaron a ayudar, actuando como un verdadero equipo.
Administramos barritas de chocolate y maní al punto de comer un grano
por horas cada uno. Marcelo, nuestro capitán y líder, asumió su rol
para contenernos cuando le preguntábamos qué pasaba que no llegaba el
rescate. Decidimos aguantar.'
Pero días después el líder se desmoronó. La radio trajo la noticia de
que había concluido el rescate. '¿Cómo hubieran reaccionado ustedes? ?
desafió a la audiencia. El líder se quiebra, se deprime y deja de
serlo. Imagínense que yo cierro esta sala, bajo la temperatura a -14
grados sin agua ni comida a esperar quién muere primero.'

Silencio estremecedor de la primera a la última fila.
'Ahí me di cuenta de que al universo no le importa qué nos pasa.
Mañana saldrá el sol y se pondrá como siempre. Por lo tanto , tuvimos
que tomar decisiones . En la noche 12 o 13 nos dijimos con uno de los
chicos: «¿Qué estás pensando?» «Lo mismo que vos. Tenemos que comer, y
las proteínas están en los cuerpos.» Hicimos un pacto entre nosotros,
era la única opción. Nos enfrentamos a una verdad cruda e inhumana.'


Desde la primera fila, decenas de chicos llevados por sus padres
escuchaban boquiabiertos. Parrado apeló a conceptos típicos del mundo
empresarial. 'Hubo planificación, estrategia, desarrollo. Cada uno
empezó a hacer algo útil, que nos ayudara a seguir vivos: zapatos,
bastones, pequeñas expediciones humanas. Fuimos conociendo nuestra
prisión de hielo.'
'Hasta que me eligieron para la expedición final, porque la montaña
nos estaba matando, nos debilitaba, se nos acababa la comida. Subí
aterrado a la cima de la montaña con Roberto Canessa. Pensábamos ver
desde allí los valles verdes de Chile y nos encontramos con nieve y
montañas a 360 grados. Ahí decidí que moriría caminando hacia algún
lugar.'

Entonces sobrevino el momento más inesperado. 'Esta no es la historia
que vine a contar', avisó. Y contó que su verdadera historia empezó al
regresar a su casa, sin su madre y su hermana, sin sus amigos de la
infancia y con su padre en pareja nuevamente.

'¿ Crisis? ¿De qué crisis me hablan? ¿Estrés? ¿Qué estrés? Estrés es
estar muerto a 6000 metros de altura sin agua ni comida', enfatizó.
Recordó un diálogo fundamental que tuvo con su padre, que le dijo:
'Mirá para adelante, andá tras esa chica que te gustaba, tené una
vida, trabajá. Yo cometí el error de no decirle a tu madre tantas
cosas por estar tan ocupado'.

Y cerró, determinado: 'Las empresas son importantes, el trabajo lo
es, pero lo verdaderamente valioso está en casa después de trabajar:
la familia. No se olviden de quien tienen al lado, porque no saben lo
que va a pasar mañana.'

Una interminable ovación lo despidió de pie..........