Google+ Badge

sábado, 19 de novembro de 2011

Pensamento do dia. Charles Chaplin.



"Quando me amei de verdade, compreendi que em qualquer circunstância, eu estava no lugar certo, na hora certa, no momento exato.
E então, pude relaxar.
Hoje sei que isso tem nome... Auto-estima.
Quando me amei de verdade, pude perceber que minha angústia, meu sofrimento emocional, não passa de um sinal de que estou indo contra minhas verdades.
Hoje sei que isso é...Autenticidade.
Quando me amei de verdade, parei de desejar que a minha vida fosse diferente e comecei a ver que tudo o que acontece contribui para o meu crescimento.
Hoje chamo isso de... Amadurecimento.
Quando me amei de verdade, comecei a perceber como é ofensivo tentar forçar alguma situação ou alguém apenas para realizar aquilo que desejo, mesmo sabendo que não é o momento ou a pessoa não está preparada, inclusive eu mesmo.
Hoje sei que o nome disso é... Respeito.
Quando me amei de verdade comecei a me livrar de tudo que não fosse saudável... Pessoas, tarefas, tudo e qualquer coisa que me pusesse para baixo. De início minha razão chamou essa atitude de egoísmo.
Hoje sei que se chama... Amor-próprio.
Quando me amei de verdade, deixei de temer o meu tempo livre e desisti de fazer grandes planos, abandonei os projetos megalômanos de futuro.
Hoje faço o que acho certo, o que gosto, quando quero e no meu próprio ritmo.
Hoje sei que isso é... Simplicidade.
Quando me amei de verdade, desisti de querer sempre ter razão e, com isso, errei muitas menos vezes.
Hoje descobri a... Humildade.
Quando me amei de verdade, desisti de ficar revivendo o passado e de preocupar com o futuro. Agora, me mantenho no presente, que é onde a vida acontece.
Hoje vivo um dia de cada vez. Isso é... Plenitude.
Quando me amei de verdade, percebi que minha mente pode me atormentar e me decepcionar. Mas quando a coloco a serviço do meu coração, ela se torna uma grande e valiosa aliada.
Tudo isso é... Saber viver!!!"



‘Caro amigo’...
Lula recebeu uma emocionada cartinha de Sarkozy.
Escreveu o presidente francês de próprio punho: “Caro Lula, ao saber de sua doença, pensei que seu destino é lutar sempre. Lutar pela democracia, pela justiça, por seu povo, pelos pobres, pela África, pela grandeza do Brasil. Lutar contra as adversidades que tanto surgiram em seu caminho. Agora, é preciso pensar um pouco em você e lutar por você mesmo. Um abraço do amigo Nicolas Sarkozy.”



Ex-governadora e sua secretária de Educação vão responder ação na justiça


A ex-govenrandora do Estado, Ana Júlia Carepa (PT) e a ex-secretária de Educação, Iracy Gallo Ritizmann, atual chefe de Gabinete do Secretário de Ciência e Tecnologia do Estado, Alex Fiuza, Deverão responder à justiça pelo caso dos kits escolares distribuídos no governo Ana Júlia Carepa (PT), entre 2008 e 2009.

O assunto voltou à tona nesta sexta-feira (18). O juiz da 1ª Vara de Fazenda de Belém, Elder Lisboa, aceitou a Ação Civil Pública movida pelo Ministério Público contra a ex-governadora Ana Júlia e a ex-secretária de Educação, Iracy Gallo Ritizmann, por prática de improbidade administrativa.

Além da distribuição dos kits pela Seduc aos estudantes das escolas públicas estaduais, a ação também inclui a divulgação de foto da governadora e de logomarca do governo em publicação denominada Educação em Revista, contendo as ações na área de educação promovidas pela administração petista. A denúncia do MP, assinada pelo promotor de Direitos Constitucionais, Firmino Matos, foi protocolada em 2009, considerando que a distribuição dos kits aos estudantes das escolas estaduais e da revista era irregular, por ferir o princípio da impessoalidade, por conter símbolos e imagens que caracterizam promoção pessoal.

Ontem, o magistrado concedeu despacho acatando a denúncia. Elder Lisboa definiu que há “farto conjunto probatório” anexado pelo MP à denúncia e mandou citar as duas ex-gestoras para que apresentem suas defesas. O juiz também determinou a citação do governo estadual para que, se achar conveniente, a atual administração ingresse à ação para dar justificativa.
Os kits escolares contendo uma mochila, uma agenda e duas camisas do uniforme das escolas estaduais foi distribuído a partir do segundo ano do governo Ana Júlia. O caso ganhou proporções escandalosas quando se descobriu que houve dispensa de licitação pela Seduc, sob a alegação de que os kits foram adquiridos com recursos de publicidade, portanto, já haviam sido licitados pelas agências que produziam a propaganda oficial do governo.

NOTA
Além do MP, o Ministério Público Federal (MPF) também denunciou a secretaria de Educação Iracy Gallo e seus diretores. O escândalo causou a queda de Iracy da Seduc e a indisponibilidade de seus bens e de seus técnicos pela Justiça Federal.

No entanto, através de nota, a ex-governadora divulgou cópia de parecer do então procurador-geral de Justiça, Geraldo Rocha, em que o então chefe do Ministério Público Estadual, em 16 dezembro de 2010, exclui a responsabilidade da então chefe do governo paraense. Como à época Ana Júlia ainda era governadora do Estado, os autos do inquérito da Promotoria de Direitos Constitucionais foram remetidos ao procurador-geral de Justiça a quem compete denúncias contra governadores.

Geraldo Rocha considerou que há provas de que houve, em tese, ato de improbidade administrativa. Porém, isentou a governadora da responsabilidade e apontou para os então titulares das secretarias de Educação e de Comunicação, área que realizou a licitação dos kits. “Houve violação dos princípios da moralidade e da impessoalidade, previstos no artigo 37 da Constituição Federal e 4° da Lei da Improbidade Administrativa”, cita Rocha, no documento.

Mais adiante o então procurador afirma: “considerando que a governadora não foi a responsável pela produção e confecção dos kits, por isso, não possuía controle sobre o conteúdo do material, não pode ser responsabilizada por ato de improbidade ao qual não deu causa”. O chefe do MP também determinou que os autos do inquérito fossem remetidos de volta ao promotor Firmino Matos para promover ação civil pública contra os secretários de Educação e Comunicação.

A nota afirma que a “ação nada tem a ver com a aquisição e confecção de kits escolares” e afirma ainda que já apresentou defesa prévia ao MP sobre o caso da Revista Educação. “A revista em tela nunca fez parte dos kits escolares, apenas divulgou políticas públicas de governo que presidi, não havendo nenhuma conotação de propaganda pessoal ou ofensa ao princípio da impessoalidade o que tenho certeza no final do processo”, conclui a nota, assinada por Ana Júlia. 
(Diário do Pará)

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Importação de veículos cresce acima da média no início de novembro

SÃO PAULO – A média diária de importação de veículos nas duas primeiras semanas deste mês cresceu 47,5% em relação à média diária de novembro  do ano passado. Em relação à média diária de outubro a alta foi de 19,9%. A elevação foi bem maior que a da importação total. A média diária do valor desembarcado nas duas primeiras semanas deste mês cresceu 25,2% em relação à média diária de novembro do ano passado. Na comparação com outubro o aumento foi de 10,1%.

Para Fábio Silveira, sócio da RC Consultores, o desempenho é resultado da antecipação na importação de veículos. Para o economista, os importadores estão aproveitando a janela de oportunidade aberta pela decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que suspendeu até 15 de dezembro a elevação em 30 pontos percentuais do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). O aumento do IPI atingiu principalmente os fornecedores asiáticos, já que as importações com origem na Argentina e no México não foram atingidas pela medida.

“Há antecipação, mas com certeza essa importação está sendo ponderada pela perspectiva de menor crescimento da demanda doméstica em 2012”, diz Silveira. “Os importadores também levam em consideração que a demanda por veículos será afetada por um  menor nível de consumo.” Silveira estima crescimento de 3% no Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro para este ano. Para 2012, a expectativa de crescimento também é de 3%.
(Marta Watanabe | Valor)

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Almir Gabriel falando do Sarney.

Não digo amém para o Sarney. Acho que o atraso do Maranhão é uma coisa que é culpa da família Sarney.

Capiberibe. Justiça seja feita

Justiça Eleitoral diploma João Capiberibe como senador



SÃO PAULO - O ex-governador João Capiberibe  (PSB) foi diplomado senador nesta segunda-feira pelo Tribunal Regional Eleitoral do Amapá, um ano depois de ter sido eleito. Capiberibe é o principal adversário do grupo político do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), no Amapá.

Na quarta-feira, Capiberibe deverá apresentar o diploma à Mesa Diretora do Senado e Sarney terá o prazo máximo de cinco sessões para empossá-lo.

No Senado, deverá ocupar a vaga do senador Gilvam Borges (PMDB-AP), aliado de Sarney. Gilvam está licenciado e em sua cadeira  está seu irmão Geovani Pinheiro Borges (PMDB).

Capiberibe foi eleito em 2010 para o Senado com 130,4 mil votos, mas foi impedido de assumir o mandato depois de ser enquadrado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na Lei da Ficha Limpa.

Em 2005, Capiberibe, então senador, e sua esposa, a deputada federal Janete Capiberibe (PSB), foram acusados de suposta compra de votos nas eleições de 2002 e perderam o mandato.

Em 2010, o casal concorreu com o registro indeferido pelo TSE por conta da condenação. Neste ano, porém, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que a Lei da Ficha Limpa não valeria para  a eleição de 2010. Janete tomou posse em julho.

Ex-prefeito de Macapá e ex-governador do Amapá por dois mandatos, Capiberibe registrou sua diplomação no Twitter.  “Hoje é o dia! Está chegando ao fim meu segundo exílio, que já dura seis anos”, escreveu no microblog.

Capiberibe e Janete são pais do governador do Amapá, Camilo Capiberibe (PSB).
(Cristiane Agostine | Valor)

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Martha para Educação?. "Queridos Relaxem e gozem"


BRASÍLIA - O nome da senadora Marta Suplicy (PT-SP) faz parte do leque de opções da presidente Dilma Rousseff para a reforma ministerial, prevista para o início do próximo ano.
A própria Dilma especulou sobre o nome de Marta em conversa com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, quando o visitou no hospital Sírio Libanês, antes de embarcar para a reunião do G-20 em Cannes, no dia 1º.

Pouco antes, a presidente conversou com Marta no aeroporto de Congonhas, em São Paulo. A senadora disse a Dilma que iria desistir da eleição para a Prefeitura Municipal de São Paulo porque Lula resolvera apoiar o ministro Fernando Haddad (Educação).

Marta, segundo apurou o Valor, disse a Dilma que não considerava Haddad o melhor candidato, mas como o ex-presidente achava o melhor para ela era desistir. Marta já dispunha das assinaturas necessárias para concorrer às prévias do PT.

Dilma contou a conversa a Lula quando o visitou no hospital, onde o ex-presidente trata de um câncer. Lula quis saber se Marta procurara a presidente. Dilma confirmou e Lula demonstrou satisfação com o encaminhamento dado à questão.

Nesse instante, Dilma emendou que Marta, talvez amanhã ou depois, pudesse ocupar o lugar do próprio Haddad. Lula, então, segundo contou a fonte ouvida pelo Valor, respondeu  “eu não sei, você é quem sabe”.

Embora na cúpula do PT em geral diga-se que Marta dificilmente será ministra, há uma ala atenta à movimentação da senadora. Por exemplo: pegou mal ela desistir da disputa sem ter imediatamente apoiado o candidato do ex-presidente.

Há dúvidas também se a senador efetivamente quer entrar agora para o governo. No início do mandato de Dilma, ela teria pensado no Turismo, cargo que já ocupou, diante das possibilidades abertas com a realização da Copa do Mundo 2014 e das Olimpíadas de 2016 no Brasil.
(Raymundo Costa / Valor)

domingo, 13 de novembro de 2011

A divisão do Pará. Não existe almoço de graça


Como disse o economista: There's no such thing as a free lunch

O problema.
É surpreendente como essa discussão sobre a divisão do Estado do Pará veio em péssimo momento. Lamento muito, mas os paraenses sofrem um verdadeiro bombardeio sobre um tema que dificilmente conseguem assimilar e menos ainda entender cabalmente.
Introduzir na vida cotidiana de uma população que vive em mais de 40% abaixo da linha da pobreza ou com menos de R$140,00 por mês, uma discussão que presume ser geopolítica, estratégica, e que vai a afetar profundamente a vida dos paraenses, é de uma perversidade que não tem tamanho. Mas, será que vai a afetar a vida mesmo da população?
Os melhores “cases” de sucesso para o debate.
Os exemplos para explicar o assunto em debate são tantos e tão esdrúxulos que recém hoje comecei a reconhecer experiências internacionais de partilha de territórios que nunca estudei nem me interessaram. Um dia é Canadá grande e poderoso, Estados Unidos, uma grande nação que convive muito vem com seus 51 Estados e ainda mais, anexou Porto Rico que é feliz como estado associado (segundo dados dos próprios Estados Unidos). Sem pensar nos exemplos contrários de países como a Rússia que se fragmentou em meio de fortes lutas separatistas que ainda não se resolvem. Dos dois lados temos belos exemplos para justificar a divisão ou para sugerir a unidade da região amazônica.
Descendo para o Brasil, os exemplos também são muito interessantes. De lado a lado temos exemplos abundantemente utilizados pelos defensores de um e outro lado da briga.
Tocantins é o paradigma dos partidários da divisão. Um estado empreendedor, onde claro 80% da população é de fora do estado e que para se implantar teve que destruir mais de 80% da sua biodiversidade e sua floresta nativa, o ativo ambiental, fator verdadeiramente estratégico na construção de um novo modelo de desenvolvimento para a Amazônia.;
Outro exemplo do lado oposto à divisão é o Estado de alagoas, pequeno estado com indicadores sociais que alarmam pela sua precariedade, que revelam que é um dos estados com o pior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Brasil.
Quer outro exemplo? O Território do Grão-Pará. Foi uma das capitanias da América Portuguesa, integrando inicialmente o Estado do Grão-Pará e Maranhão, juntos poderiam ter sido uma potência, mas veja aí no que deu. Maranhão comandado pela elite dos Sarney, que de um dia para outro se tornaram em paradigma de políticos honestos, democráticos e desenvolvimentistas, apoiados no seu poder, fortemente pela elite de esquerda brasileira que assumiu o poder para se enriquecer os melhores amigos do poder central.
A maior parte do debate se sustenta em exemplos que saíram de outras realidades, que nada tem a ver com a história do Pará’ ou da Amazônia que pouco podem servir de paradigmas para enriquecer a discussão.
Tamanho não é documento. Veja o caso do território de Gibraltar (“Peñon de Gibraltar”) uma pequenha colônia britânica (de apenas 6 Km2) situada na Província de Cádiz, Andaluzia, Espanha. A colônia permanece ocupada pelo Reino Unido desde 1704.
As Nações Unidas tem chamado em repetidas oportunidades aos governos de Espanha e Reino Unido a terminar com esta situação colonial e reintegrar o território à seus legítimos donos, Espanha, mas essa mesma pedra é um dos territórios mais prósperos e estáveis no poder da Inglaterra e a maioria da população quere continuar sendo colônia da Inglaterra.Essas experiências tem algo a ver com a nossa realidade?
Os atores do debate e o preço pela falta de Estado e de Poder.
Caros leitores deste blog: Essa discussão é um debate de elites que não chega ao conjunto do povo. Ainda nem sei como se concretizará esse processo de construção do novo modelo, de onde sairá essas enormes quantidades de investimentos anunciados pelo repasse do Fundo de Participação dos Estados (FPE), sem falar das empresas, recursos minerais, e, como já foi comentado, o maior patrimônio com que conta o Estado do Pará, onde ficarão seus ativos ambientais.
Essa divisão, como mínimo requer redefinição de linhas geográficas, estradas, novos caminhos, deslocamentos populacionais. Em síntese um empreendimento do tamanho do que foi feito quando se realizou a mais contemporânea invasão da Amazônia, na década de 1970, pelos governos militares, com o lema de “ocupar para não entregar”. Esse pode ser a versão moderna da nova ocupação da Amazônia.
O marketing e os novos nichos dos publicitários desempregados.
A ousadia dos marqueteiros é tão grande que com esse plebiscito inauguraram um nicho nunca antes explorado, em condições da mudança tecnológica em curso, como é a atual tecnologia de informação e comunicação existente.
Este é um verdadeiro jogo de marketing de publicitários desempregados ou preparando-se para um novo processo eleitoral mais complexo, em 2012.
É uma verdadeira tristeza ver como marqueteiros que pouco conhecem a realidade da Amazônia entraram nesse jogo, mas a população tudo aceita, acostumada a ser eco de qualquer política exógena, aceita passiva seu destino.
Esse é o preço que pagamos todos pela falta de uma política que assuma a condução do desenvolvimento do estado e porque não do Brasil? Algum ministro do governo federal tem manifestado preocupação pela nova partilha que se provoca em uma região tão importante como o estado do Pará. Ninguém meu irmão, ninguém meu mano. 


TUDO ISSO EM UM MÊS! QUEM DIRIA. HOUVE PARTILHAS QUE DURARAM SÉCULOS E AINDA NÃO SÃO RESOLVIDAS. NO PARÁ, A TV E OS MARQUETEIROS QUEREM PRODUZIR UMA DEFINIÇÃO EM UM MÊS. 
Alguém terá que pagar por isto.
There's no such thing as a free lunch

O que ficou da ocupação de um pedaço da Amazônia. 

Terra de ninguém
(Celso Cavalcanti)

“Ocupar para não entregar”. Era essa a palavra de ordem da ditadura quando, nos anos 1970, incentivou brasileiros de todos os cantos a deixar sua terra e tentar fortuna na Amazônia. Foi nessa época que, ainda menino, Dinho saiu do Paraná com seus pais para viver em Rondônia. Eles se fixaram na região conhecida como Ponta do Abunã, uma faixa na divisa com o Acre e o Amazonas, a menos de 10 km da fronteira com a Bolívia.


Os anos passaram. A floresta deu lugar a pastagens; pouquíssimos enriqueceram. Dinho virou chefe de família e líder de assentamento. Depois de quase 40 anos, o lugar ainda não tem luz elétrica, água encanada ou telefone. Posto médico, delegacia, banco, cartório...nem pensar. Terra de ninguém. Pra garantir o sustento, Dinho montou uma banca na feira de Vista Alegre, um distrito a 70 km de sua casa.

Na última sexta-feira de maio, ele descarregava os legumes e verduras do carro quando foi assassinado. Cinco tiros a queima roupa, na frente da mulher e dos dois filhos pequenos. O pistoleiro saiu caminhando. Dinho denunciava a atuação de madeireiros ilegais na região.


Nesta semana estive no assentamento. Uma comitiva de jornalistas e parlamentares em busca de informações sobre os conflitos na área. Quase três horas de Brasília a Porto Velho em avião da FAB e outros 50 minutos num bimotor até a Ponta do Abunã. A equação é clara: de um lado, os poderosos que enchem os bolsos explorando a natureza e a miséria alheia; do outro, os que atenderam ao chamado do governo e ocuparam um pedacinho de terra nos confins do “pulmão do mundo”.


Retornamos a Brasília no mesmo dia. A sensação era de estar vindo de outro país. Cheguei em casa, abracei meus filhos e minha mulher, e me lembrei que Dinho nunca mais vai voltar pra casa e abraçar sua família.