Google+ Badge

sábado, 22 de fevereiro de 2014

Não sei


"Não sei que tipo de roupa eu vou levar. Não sei para onde vou. Não sei se eu vou poder levar os meus remédios. O que eu vou poder levar de roupa?"


Roberto Jefferson, ao saber da decisão do STF, em entrevista a O Globo

UFPA recebe recursos para implantação do Campus de Ananindeua


A Universidade Federal do Pará (UFPA) recebeu, nesta sexta-feira, 21, recursos de emenda parlamentar na ordem de R$ 3 milhões, que serão destinados à infraestrutura do recém-criado Campus de Ananindeua.



A verba será investida na construção de um centro de convenções com auditório e biblioteca, que atenderá tanto as necessidades do campus quanto as do município, de modo geral, que ainda não dispõe de nenhum espaço desta natureza. A emenda foi iniciativa da deputada federal Elcione Barbalho (PMDB), que também destinou R$ 600 mil para o Plano Emergencial de Expansão do Ensino Superior no Marajó.

Para oficializar o repasse do recurso, que já consta no orçamento do Campus de Ananindeua e do Movimento Marajó Forte, a deputada Elcione, juntamente com o ex-prefeito de Ananindeua, Helder Barbalho, realizou visita de cortesia ao reitor Carlos Maneschy. Também participaram da reunião o deputado estadual Francisco Melo, o Chicão (PMDB); a vereadora Nilse Pinheiro (PMDB); a coordenadora do Campus de Ananindeua, Edilza Fontes; e o coordenador do Movimento Marajó Forte, Ricardo Fialho, além de outros representantes do Movimento e do Campus de Ananindeua.

Educação superior de qualidade - “Sem Educação nada acontece. E a meta é investir cada vez mais neste município com o qual tenho uma ligação muito forte e um compromisso pessoal”, afirmou a deputada Elcione Barbalho. Segundo ela, tanto a emenda de Ananindeua como a do Marajó foram repassadas como questão de honra para concretizar um sonho. Helder Barbalho também explicou que o sonho de tornar realidade o Campus da UFPA em Ananindeua iniciou-se em 2001, em virtude da grande demanda do município por educação superior de qualidade. “Todas as instituições de ensino superior do Pará foram procuradas, mas este sonho veio se concretizar com a colaboração da UFPA”, lembrou Helder.

Futuras instalações - O próximo passo é concretizar a construção do prédio que abrigará as instalações do Campus de Ananindeua, a ser sediado no terreno da Granja do Governador, no Icuí-Guajará. É neste local que será construído o centro de convenções para o qual a verba da emenda será destinada. O campus, no entanto, já existe, temporariamente sediado nas instalações da Faculdade da Amazônia (FAAM), com cem alunos e dois cursos – Engenharia de Materiais e Bacharelado em Ciência e Tecnologia –, os quais iniciam atividades em 2014. “O curso de Engenharia de Materiais, inclusive, já foi avaliado localmente pelo Ministério da Educação e recebeu conceito Muito Bom”, afirmou Edilza Fontes.

Realidade - O reitor Carlos Maneschy agradeceu a emenda e reconheceu que este sonho se torna realidade a partir de esforços coletivos empreendidos pela UFPA e pelo então prefeito Helder Barbalho e que a consequência de tal esforço atravessará gerações. “A Universidade é uma fonte de sonhos e coloca em movimento o resultado de interesses coletivos em formar cidadãos plenos. Só há um investimento capaz de atravessar gerações: educação”, frisou. Segundo Maneschy, além de Ananindeua, outros sonhos que se tornaram realidade em sua gestão foi o Campus de Salinas e a criação da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa). Está também em andamento um projeto de expansão do Campus de Altamira. Permanece a luta pela criação das Universidades do Marajó, Nordeste do Pará e Região Tocantina.

Texto: Jéssica Souza – Assessoria de Comunicação da UFPA
Fotos: Laís Teixeira

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

"A trilogia da paixão" a Festival de Chocolate e Flor Pará 2014

Como disse o poeta: "O que brilha com Luz própria, ninguém consegue apagar". 


Festival do Chocolate, jóias e flores. A "Trilogia da paixão" é o tema do do Festival de Chocolate e Flor Pará 2014. Na foto autoridades do Governo do Estado e empresários. Destaque para Fabio Sicilia, Hildegardo Nunes, candidatíssimo a um cargo político nas eleições de 2014. Presentes também, O Diretor Superintendente do SEBRAE/PA, Vílson Shubert, Presidente da FAEPA, Francisco Xavier, o novo Secretário de Agricultura do Pará, Andrei Gustavo Castro e a Secretária de Estado Adjunta da SEICOM, Maria Amelia ENRÍQUEZ, Linda e elegante,  participando da abertura da Feira.





Autoridades de diversas instituições participando do evento. 



Emater apresenta bombom de chocolate com recheio de jambu

A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater) esteve presente ao lançamento do II Festival Internacional do Chocolate e Cacau da Amazônia e Flor Pará 2014, realizado na noite desta quinta-feira, 20, no Espaço São José Liberto. Na ocasião, a diretora administrativa Ely Cristina Santos e o assessor técnico Sinval Paiva, representantes do órgão, apresentaram o bombom de chocolate com recheio de jambu, criado no Centro de Treinamento Agroecológico Inovação Tecnologia e Pesquisa Aplicada do Nordeste Paraense (UDB), da Emater, em Bragança.
A iguaria une a tradição do chocolate ao regionalismo do jambu. A proposta do bombom de chocolate com doce de jambu - que será lançado durante o Festival, em abril, no Hangar Centro de Convenções e Feiras da Amazônia – é ser transferida aos agricultores familiares do estado que trabalham com a cadeia produtiva do cacau.

Para atingir meta de superávit primário, governo federal anuncia corte nas despesas de R$ 44 bilhões neste ano

Meta de superávit primário do setor público é de 1,9% do PIB em 2014

SÃO PAULO - Em mais um esforço para reduzir a desconfiança em torno da economia brasileira e mostrar solidez fiscal, o governo federal anunciou nesta quinta-feira que, para atingir a meta de superávit primário de R$ 99 bilhões (1,9% do PIB), fará um corte nas despesas de R$ 44 bilhões, sendo de R$ 13,5 bilhões de despesas obrigatórias e R$ 30,5 bilhões de despesas discricionárias.

De acordo com o documento, foram preservadas as prioridades do governo, como saúde, educação, desenvolvimento social e ciência, tecnologia e inovação. Esse orçamento, segundo apresentação do Ministério da Fazenda, foi feito com "estimativas conservadoras para a receita".

Em 2013, o país não conseguiu cumprir o compromisso fiscal estipulado inicialmente e fez uma meta do setor público consolidado de 1,9% do PIB, ou R$ 91,306 bilhões. O compromisso de 2013 era de 3,1% do PIB, mas a área econômica havia informado que perseguiria uma meta de 2,3% do PIB.
Da meta de R$ 99 bilhões do setor público consolidado previsto para 2014, o governo central será responsável por R$ 80,8 bilhões ou o equivalente a 1,55% do PIB. Já os Estados e municípios deverão contribuir com 18,2 bilhões, ou 0,35% do PIB.

Dentre os parâmetros econômicos utilizados pelo governo para fixar a meta de economia para pagamento de juros da dívida está a previsão de crescimento econômico de 2,5% para este ano. Essa previsão vem caindo gradualmente. Na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), essa estimativa era de 4,5%. O número recuou para 4% na proposta de orçamento e para 3,8% do relatório de receita que consta do orçamento sancionado para 2014.

O governo trabalha ainda com uma estimativa de receita total de R$ 1,302 trilhão para o ano, uma queda de R$ 28,9 bilhões ante a lei orçamentária deste ano. Desse montante, R$ 176,8 bilhões correspondem a concessões, dividendos e royalties.

A discussão em torno da definição do superávit primário deste ano e do corte para atingir esse objetivo levou vários dias e fez com que o ministro da Fazenda, Guido Mantega, desistisse de ir para a reunião do G-20, na Austrália. Inicialmente, o governo queria definir uma meta de primário de pelo menos 2%.

Porém, o custo adicional do uso das térmicas para compensar a falta das chuvas injetou um problema novo para o governo.

No ano passado, o governo fez um corte no orçamento de R$ 38 bilhões em duas etapas. A primeira de R$ 28 bilhões e a segunda, para cobrir frustração de Estados e municípios de R$ 10 bilhões. Em 2012, esse contingenciamento chegou a R$ 55 bilhões.

Por Lucas Marchesini, Edna Simão, Vandson Lima e Leandra Peres | Valor

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Pesquisadores do Pará descobrem 169 novas espécies da flora e da fauna na Amazônia

O Museu Paraense Emilio Goeldi (MPEG), uma das principais instituições de estudos sobre a Amazônia, anunciou nesta quarta-feira que seus cientistas descobriram nos últimos quatro anos um total de 169 espécies da flora e da fauna na maior floresta tropical do mundo.

São 14 novas espécies de plantas e 155 de animais, a maioria aracnídeos, informou em comunicado a instituição, vinculada ao Ministério de Ciência e Tecnologia.

Das novas espécies de fauna descobertas e descritas, 112 são de aracnídeos, 12 de peixes, dez de aves, dez de anfíbios, seis de répteis, quatro de dípteros (grupo dos mosquitos e moscas) e somente uma espécie de mamífero. Já as da flora, foram encontradas 13 espécies de angiospermas e uma de briofita.

O único mamífero na lista é o “Mico rondoni”, um pequeno macaco batizado assim por ser encontrado apenas em Rondônia e por habitar uma região entre os Rios Mamoré, Madeira e Ji-Paraná.

De acordo com o museu, esta espécie, já ameaçada pelo avanço do desmatamento em seu habitat, foi confundida por muitos anos com a do “Mico emiliae”, típico do Pará. Contudo, estudos mais detalhados, especialmente de morfologia e crânio, chegaram a conclusão que são diferentes.

Segundo o MPEG, o expressivo número de invertebrados na lista de novas descobertas não é surpresa, já que eles aparecem em maior quantidade na natureza.

A quantidade de espécies descobertas nos últimos quatro anos é significativa se for levado em consideração o Catálogo Espécies do Milênio, publicado em 2012. Nele, a instituição descreveu 130 novos espécies (49 de flora e 81 de fauna) descobertas em 11 anos de pesquisa (2000-2011).

O forte aumento das descobertas foi favorecido pela participação dos pesquisadores do museu no inventário da Biodiversidade Planetária, desde 2007. A iniciativa reúne cientistas de 20 instituições do mundo todo, e permite a descrição de novas espécies em uma plataforma online

“Com as ferramentas cibernéticas é possível fazer descrições estruturadas, que podem ser comparadas com as dos outros colegas, o que facilita e acelera a descoberta de novidades”, afirmou o zoólogo Alexandre Bonaldo, pesquisador da instituição.

Para o especialista em mastozoologia, José de Sousa e Silva Jr., que também participou do trabalho de identificação do novo macaco, o museu pode anunciar nos próximos meses a descoberta de outras espécies, já que analisa vários exemplares resgatados da região amazônica inundada pelo lago da Usina Hidrelétrica de Samuel.

Segundo ele, algumas novas espécies de mamíferos, a maioria primatas, estão em fase de final de investigação, como, por exemplo, o macaco zogue-zogue-rabo-de-fogo.

Os cientistas do MPEG afirmaram que a diversidade biológica da Amazônia pode ser maior do que se imagina devido ao fato de vários grupos da mesma família se desenvolveram como espécies diferentes ao ficar separadas em margens opostas de grandes rios, um fenômeno visto somente nesta região. (Fonte: Terra)

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Todo cuidado é pouco

Gato escaldado morre de medo até de água fria  





Lamento, mas o Senador precisa falar com os Russos antes dessa loucura ambiental


Jader pede derrocamento de pedral já




Pedir todo mundo pode.


Do Blog do ENRÍQUEZ. Sem um análise sério e um RIMA ambiental muito debatido, como gostam os ambientalistas, não sairá neste governo. Só se Jader torça para tirar IBOPE da sua candidata a reeleição, Dilma Rousseff.

São mais de 40 Km que terão que ser implodidos de diversas forma e a principal pedra é com dinamite.


Sugiro que Jader se foque em acompanhar outro pedido já feito por ele mesmo, a construção da ferrovia Açailândia/Barcarena. Aí conta com o apoio da sua amiga e militante do seu partido (PMDB),  governadora do Maranhão, da família Sarney Roseana.

Veja matéria do Diário do Pará.
De posse de informações passadas a ele pelo Ministério dos Transportes, o senador Jader Barbalho (PMDB/PA) disse ontem, em Belém, que considera tecnicamente equacionado o projeto de derrocamento do Pedral do Lourenço, no rio Tocantins, e que por isso espera – e vai cobrar – o imediato lançamento do edital para licitação do empreendimento. “Já tivemos embromação demais. Agora, é o próprio Ministério (dos Transportes) a admitir que a questão está tecnicamente resolvida”, afirmou o senador, acrescentando: “Sendo assim, não há mais justificativa para qualquer atraso”.

A manifestação do Ministério dos Transportes veio em resposta a um requerimento de informações apresentado por Jader Barbalho no dia 9 de outubro do ano passado. O pedido foi, naquela ocasião, encaminhado à mesa diretora do Senado com enquadramento constitucional. Este, aliás, é um procedimento que o senador tem adotado em relação a diversos requerimentos apresentados nos últimos tempos, todos eles tratando de temas relevantes e mesmo estratégicos para o Estado do Pará. “Este é, modernamente, um dos mais poderosos e efetivos instrumentos de ação parlamentar”, faz questão de frisar o senador.

Em seu requerimento, Jader Barbalho fazia um histórico do projeto e realçava a sua importância para a integração econômica das regiões sul e sudeste do Pará. Também chamava a atenção para a possibilidade de melhoria da própria cadeia logística nacional, já que a hidrovia do Tocantins, quando implantada, vai abrir um corredor de transporte interligando o Centro Oeste do Brasil aos portos do Pará, na Região Norte.

Especificamente na microrregião de Marabá, enfatizava o senador peemedebista, o derrocamento do Pedral do Lourenço é condição necessária para pôr em funcionamento as eclusas de Tucuruí, obra que custou ao tesouro nacional R$ 1,6 bilhão e que se mantém até hoje inoperante, “como verdadeiro elefante branco”. Além disso, observava ainda Jader Barbalho, a hidrovia do Tocantins – e, pois, o derrocamento do pedral – é ainda uma pré-condição para a implantação da Alpa e do tão sonhado polo siderúrgico em Marabá e na região sob influência da província mineral de Carajás.

Em seu requerimento, o senador considerava inaceitável o “jogo burocrático” em que se arrastava o projeto, desde 2010, e exigia do governo que desse aos paraenses explicações objetivas e convincentes. O líder maior do PMDB no Pará disse na época, e reafirmou ontem, que “o Pará e os paraenses não podem mais aceitar, nesta e em outras questões que dizem respeito ao Estado, falsas explicações com palavras evasivas e escapistas, que mais tentam confundir do que explicar”.

A reposta ao requerimento lhe chegou às mãos, com data de 14 deste mês, por meio de ofício assinado pelo chefe de gabinete do ministro César Borges, Herbert Drummond. A correspondência endereçada ao senador Jader Barbalho veio acompanhada de documento elaborado pela Diretoria Executiva do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes. O DNit é a entidade que, dentro do Ministério dos Transportes, administra a infraestrutura do Sistema Federal de Viação, constituída pelas vias navegáveis, ferrovias e rodovias federais, as instalações e vias de transbordo e de interface intermodal.

Marinha discorda de projeto da UFPA

O documento preparado pela Diretoria Executiva do DNit, em atendimento ao requerimento de informações de autoria do senador Jader Barbalho, destaca que foram encontradas “relevantes diferenças” entre o projeto apresentado pela Universidade Federal do Pará e aquele contratado pela mineradora Vale. Notadamente, esclareceu o DNit, quanto à aplicação das normas adequadas ao caso, influindo diretamente na definição da largura do canal de navegação.

Ontem, ao fazer uma leitura analítica do documento, o senador observou, com base na informação do DNit, que o assunto foi levado à instância da Marinha do Brasil, na condição de autoridade marítima. Ao se posicionar quanto ao traçado do canal de navegação adequado às condições existentes na região dos pedrais do rio Tocantins, a Marinha considerou, em seu parecer, que “o projeto da UFPA era incompatível com o comboio-tipo definido para a hidrovia”. Quanto ao projeto bancado pela Vale, o entendimento era de que o mesmo necessitava de adequação do traçado elaborado pela projetista para o canal navegável.

Segundo a orientação da Marinha, a largura do canal, em trechos retilíneos, deve ser de 145 metros – e não de 70 metros, como constava do projeto elaborado pela UFPA – e de 160 metros nos trechos em curva. Já nos trechos em tangente, ainda segundo o parecer da Marinha, o trecho derrocado deve ter extensão equivalente a cinco vezes o comprimento da embarcação – ou comboio, no caso.

Na correspondência dirigida a Jader Barbalho, a direção do DNit e o Ministério dos Transportes esclarecem que, após análise de propostas, selecionou a da Universidade Federal do Paraná para efetuar os ajustes técnicos do projeto de derrocamento, de modo a adequá-lo às exigências da Marinha do Brasil.

A UFPA concluiu o trabalho em dezembro de 2013. Nele ficou especificado que, abrindo-se o canal de navegação em conformidade com os ditames da autoridade marítima, o projeto resultará em um volume de derrocamento de aproximadamente 1,13 milhões de metros cúbicos de rochas. Volume superior ao previsto no projeto original da UFPA, que era de cerca de 700 mil metros quadrados, mas significativamente menor que as estimativas feitas na época pelo próprio DNit, que projetavam um volume de quase três milhões de metros cúbicos. “Dessa forma, cumpridas integralmente as ações técnicas descritas, já foram iniciadas aquelas necessárias ao lançamento do edital para licitação do empreendimento”, completa o ofício assinado pelo gerente de projetos do do DNit, Zeno José Andrade Gonçalves.

Para o senador Jader Barbalho, desde que superada a polêmica em torno de alegadas impropriedades técnicas contidas nos projetos elaborados pela UFPA e pela Vale, o foco passa a ser a licitação do empreendimento, conforme admite o próprio DNit. “Se do ponto de vista técnico o projeto está resolvido, cabe então agilizar o edital, e é isso que nós queremos”, finalizou.

(Diário do Pará)

domingo, 16 de fevereiro de 2014

Aliança feita


Eduardo Campos elogia Aécio Neves


BRASÍLIA - “Mantivemos sempre uma relação de muito respeito, de respeito mútuo. Pela capacidade que ele mostrou ao gerir o Estado de Minas Gerais e deixar Minas Gerais como deixou, com os mineiros felizes”, disse nesta sexta-feira o pré-candidato a presidente da República Eduardo Campos (PSB) sobre seu adversário Aécio Neves (PSDB). O discuro aproxima ainda mais os dois candidatos da oposição ao governo Dilma.

Campos, governador de Pernambuco, falou sobre a união dos dois oposicionistas durante reunião do Diretório Nacional do PPS, partido que recentemente declarou apoio à sua candidatura. Ele foi questionado sobre a possibilidade de se aliar aos tucanos no segundo turno da eleição pela deputada estadual Luzia Ferreira, do PPS de Minas Gerais, uma pessoa muito próxima do presidenciável do PSDB.

Na resposta, Campos não disse claramente se está trabalhando por uma aliança entre seu partido e o PSDB. “Convivo com Aécio e sou amigo de Aécio há muitos anos. Nós nunca esperávamos viver um ano de 14 como vamos viver. Tivemos um momento muito bonito no processo da redemocratização, quando ele acompanhava o doutor Tancredo [Tancredo Neves, avô de Aécio] e eu acompanhava o doutor Arraes [Miguel Arraes, avô de Eduardo Campos]”, respondeu o pernambucano.

Eduardo Campos falou ainda sobre a aliança que tem com Aécio há anos na cena política de Minas Gerais. Os partidos fizerem uma aliança, que também teve participação do PT, para eleger em 2008 o prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda – hoje está no PSB, mas já foi filiado ao PPS. Disse que Aécio teve “capacidade de reunir forças quando ele teve um gesto com o PSB, e o Fernando Pimentel do PT também teve, de se encontrarem”, disse Campos.
Depois do evento, Campos não quis responder se está trabalhando por um acordo com o PSDB.


Por Fábio Brandt e César Felício | Valor