Google+ Badge

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Pesquisadores do Pará descobrem 169 novas espécies da flora e da fauna na Amazônia

O Museu Paraense Emilio Goeldi (MPEG), uma das principais instituições de estudos sobre a Amazônia, anunciou nesta quarta-feira que seus cientistas descobriram nos últimos quatro anos um total de 169 espécies da flora e da fauna na maior floresta tropical do mundo.

São 14 novas espécies de plantas e 155 de animais, a maioria aracnídeos, informou em comunicado a instituição, vinculada ao Ministério de Ciência e Tecnologia.

Das novas espécies de fauna descobertas e descritas, 112 são de aracnídeos, 12 de peixes, dez de aves, dez de anfíbios, seis de répteis, quatro de dípteros (grupo dos mosquitos e moscas) e somente uma espécie de mamífero. Já as da flora, foram encontradas 13 espécies de angiospermas e uma de briofita.

O único mamífero na lista é o “Mico rondoni”, um pequeno macaco batizado assim por ser encontrado apenas em Rondônia e por habitar uma região entre os Rios Mamoré, Madeira e Ji-Paraná.

De acordo com o museu, esta espécie, já ameaçada pelo avanço do desmatamento em seu habitat, foi confundida por muitos anos com a do “Mico emiliae”, típico do Pará. Contudo, estudos mais detalhados, especialmente de morfologia e crânio, chegaram a conclusão que são diferentes.

Segundo o MPEG, o expressivo número de invertebrados na lista de novas descobertas não é surpresa, já que eles aparecem em maior quantidade na natureza.

A quantidade de espécies descobertas nos últimos quatro anos é significativa se for levado em consideração o Catálogo Espécies do Milênio, publicado em 2012. Nele, a instituição descreveu 130 novos espécies (49 de flora e 81 de fauna) descobertas em 11 anos de pesquisa (2000-2011).

O forte aumento das descobertas foi favorecido pela participação dos pesquisadores do museu no inventário da Biodiversidade Planetária, desde 2007. A iniciativa reúne cientistas de 20 instituições do mundo todo, e permite a descrição de novas espécies em uma plataforma online

“Com as ferramentas cibernéticas é possível fazer descrições estruturadas, que podem ser comparadas com as dos outros colegas, o que facilita e acelera a descoberta de novidades”, afirmou o zoólogo Alexandre Bonaldo, pesquisador da instituição.

Para o especialista em mastozoologia, José de Sousa e Silva Jr., que também participou do trabalho de identificação do novo macaco, o museu pode anunciar nos próximos meses a descoberta de outras espécies, já que analisa vários exemplares resgatados da região amazônica inundada pelo lago da Usina Hidrelétrica de Samuel.

Segundo ele, algumas novas espécies de mamíferos, a maioria primatas, estão em fase de final de investigação, como, por exemplo, o macaco zogue-zogue-rabo-de-fogo.

Os cientistas do MPEG afirmaram que a diversidade biológica da Amazônia pode ser maior do que se imagina devido ao fato de vários grupos da mesma família se desenvolveram como espécies diferentes ao ficar separadas em margens opostas de grandes rios, um fenômeno visto somente nesta região. (Fonte: Terra)

Nenhum comentário: