Google+ Badge

sábado, 27 de junho de 2009

MEIO AMBIENTE - Lula pede menos ideologia na discussão ambiental e tem razão

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu que a discussão sobre a preservação ambiental não seja tratada de forma ideológica, durante discurso no lançamento do Plano Agrícola e Pecuário 2009/10. Para Lula, os adversários do Brasil no exterior adotam o discurso ideológico para questionar programas como o de biocombustíveis. "Não metam o dedo sujo de combustível fóssil no nosso combustível limpo", afirmou. Ao explicar a posição do governo sobre a questão ambiental, Lula recorreu à metáfora de uma mãe que é pressionada por dois filhos que desejam decisões diferentes.

"Ela vai ter que tentar mediar", explicou Lula, em entrevista no Parque de Exposições Ney Braga, em Londrina (PR). Para o presidente, o Brasil está chegando a um ponto de equilíbrio. Ele citou o exemplo da carta-compromisso que será assinada nesta semana com empresários do setor de etanol prevendo melhores condições de trabalho no setor. Na mesma linha, o ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, avaliou que sua pasta adota uma postura técnica sobre a discussão ambiental.

Na íntegra aqui

sexta-feira, 26 de junho de 2009

O DE ANTES E DEPOIS

Fico com o Michael Jackson de antes de virar pedófilo. Depois nunca mais ouvi, assisti e nem falei sobre ele, hoje caminha para prestar contas perante a justiça divina.

quinta-feira, 25 de junho de 2009

DESMATAMENTO - quem desmatou não é bandido disse Lula, é vigarista disse Minc

Em lançamento de programa de regularização fundiária na Amazônia, presidente apoia quem saiu do Sul nos anos 70 para colonizar MT

Ele afirma respeitar ONGs, mas discordar de críticas de que, com mudanças no texto, MP que legaliza lotes na área incentiva a grilagem.

ALTA FLORESTA, MT - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse ontem, em Alta Floresta (830 km de Cuiabá), que os proprietários rurais responsáveis pelo desmatamento ocorrido nos últimos 40 anos na Amazônia não podem ser chamados de "bandidos".

No discurso de lançamento dos programas terra Legal e Arco Verde -que preveem um novo modelo de ocupação e uso econômico das áreas da região-, o presidente defendeu os migrantes que, a partir da década de 1970, deixaram a região Sul do país para colonizar o norte de Mato Grosso.

"Nos anos 70, foi feita uma reforma agrária neste país e muita gente foi induzida a vender as pequenas propriedades que tinham no Sul", disse Lula. "Hoje é fácil a gente vir aqui e fazer críticas, mas a gente não sabe quantos pegaram malária aqui, quantos morreram de picada de cobra e não tinha um médico a cem quilômetros." "Eu fico com orgulho quando vejo um cidadão que tinha 50 hectares de terra no Rio Grande do Sul. Hoje ele tem 2.000 hectares, tem casa, carro e está bem de vida porque trabalhou."

Na íntegra aqui

Aqui o Ministro do Mio Ambiente disse que os ruralistas sim são vigaristas

O BLOG DO PRESIDENTE - Deu no Painel da Folha - THE PRESIDENT'S BLOG

No ar 1. O coordenador do Blog do Presidente será o jornalista Jorge Henrique Cordeiro, hoje assessor de imprensa do Greenpeace. É também blogueiro e entusiasta do papel das redes sociais.

No ar 2. O Planalto terá um repórter multimídia nas viagens de Lula. Caberá a ele alimentar o novo blog.


Painel da Folha

MEIO AMBIENTE - Lula vetará só uma parte de MP sobre regularização de terras na Amazônia

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva decidiu vetar apenas uma parte do artigo 7º da medida provisória 458 --chamada de "MP da Grilagem" por grupos ambientalistas-- que trata da regularização de terras ma Amazônia. Segundo reportagem de Kennedy Alencar publicada na Folha. Só será suprimido o ponto que permitiria a transferência de áreas da União para pessoas jurídicas.

A decisão presidencial é uma vitória dos ruralistas, mas com uma concessão aos ambientalistas, a fim de dar ao governo discurso político para sustentar uma medida polêmica. O presidente considerou que, do ponto de vista político, sancionar integralmente a MP poderia trazer desgaste.

Havia pressão de ambientalistas e da ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva para que fossem vetadas outras partes da medida. O projeto pretende regularizar 67,4 milhões de hectares --área equivalente às de Alemanha e Itália juntas.

Veja na Folha Online

quarta-feira, 24 de junho de 2009

O plano de vôo chinês e a falta de rumo brasileira

Luis Nassif
A lógica chinesa é muito clara:

1. Restrição às exportações de insumos e toda ênfase para a exportação de produtos acabados.

2. Restrição à importação de bens e equipamentos nas compras públicas.

3. Restrições à venda interna de produtos audiovisuais de outros países.

4. Apoio total às exportações de acabados, tendo como principais alavancas o câmbio depreciado e o financiamento na venda de equipamentos.


Posto isto, vamos às notícias de hoje sobre o tema:

1. Uma notícia fala dos Estados Unidos e União Europeia entrando na OMC (Organização Mundial do Comércio) contra a decisão da China de proibir exportação de insumos.

2. Decisão da OMC dando ganho de causa aos Estados Unidos em uma ação contra as restrições à venda de produtos audiovisuais na China.

3. A China aumentando substancialmente as exportações de máquinas e equipamentos para o Brasil, em um período em que a indústria nacional está sofrendo quedas de 40% com a crise global e interna.

4. A ineficácia dos planos de política industrial anunciados no ano passado e superados pela crise. Vem aí novo pacote, tudo para contornar o nó da questão: a política cambial.

Com todos os avanços registrados, o Brasil continua um país sem plano de vôo, sem clareza sobre os fatores que levam ao desenvolvimento, submisso a uma política cambial e monetária deletérias.

Portal Luis Nassif

Seminário Internacional Crise Civilizacional: Palestra do sociólogo e filósofo Edgar Morin teórico da complexidade TRANSMISSÃO EM TEMPO REAL

Acontece hoje, 24 de junho O “Seminário Internacional Crise Civilizacional: Distintos Olhares – transição de paradigma de desenvolvimento nos países do sul” no auditório Cuica, da UFT – Universidade Federal do Tocantins, com a palestra de Edgar Morin, sociólogo e filósofo autor da teoria da complexidade, um dos maiores intelectuais da atualidades.

Assista transmissão em tempo real clique aqui

terça-feira, 23 de junho de 2009

AO VIVO - Seminário Internacional Crise Civilizacional em Tocantins com a participação do sociólogo e filósofo Edgar Morin, teórico da complexidade

Transmitido em tempo real pela internet e TV de Tocantins.

Entre os dias 22 e 24 de junho está acontecendo em Palmas, Tocantins o “Seminário Internacional Crise Civilizacional: Distintos Olhares – transição de paradigma de desenvolvimento nos países do sul” acontece no auditório Cuica, da UFT-Universidade Federal do Tocantins, reunindo palestrantes da Europa, Estados Unidos e América Latina, incluindo nomes como o do sociólogo e filósofo Edgar Morin, um dos maiores intelectuais da atualidades; e Michel Brunet, paleontólogo que encontrou o mais antigo fóssil humano.

O evento é realizado pelo Instituto Internacional de Pesquisa sobre Política Civilizacional, com sede na França; pelo CDS/UnB - Centro de Desenvolvimento Sustentável da Universidade de Brasília; pela UFT e Fundação Universidade do Tocantins.

Acesse aqui o site oficial do evento onde estão sendo transmitidas as palestras em tempo real de 22 a 24 de junho, pela manhã e tarde

CORRUPÇÃO - Funcionário do Ibama no Pará acusado por improbidade

Licenciador do projeto é processado pelo MPF/PA

O Ministério Público Federal no Pará (MPF/PA) entrou na Justiça com uma ação por improbidade administrativa contra o coordenador de energia elétrica substituto do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Adriano Rafael Arrepia de Queiroz. Na ação, ajuizada hoje, 23 de junho, Queiroz é acusado de ter validado estudos ambientais do projeto da hidrelétrica de Belo Monte que, segundo técnicos do próprio Ibama, ainda estavam incompletos.

Caso condenado, o coordenador poderá perder a função pública, ter seus direitos políticos suspensos por cinco anos e terá que pagar multa equivalente a cem vezes o valor da remuneração que recebe. Também poderá ficar proibido de contratar com o poder público e de receber créditos ou benefícios fiscais por três anos.


Na íntegra no MPF/PA

VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS - Vale também para os pedófilos

segunda-feira, 22 de junho de 2009

EDUCAÇÃO - DESAFIOS DO REITOR DA UFPA CARLOS MANESCHY

Do Reporter Diário do Pará
Além de tentar transformar a UFPA na maior universidade digitalizada do país, o reitor Carlos Maneschy pretende pôr em prática outro projeto ambicioso: ampliar os espaços de convivência e lazer dentro da instituição e, com isso, reduzir a insegurança nos arredores do campus. A ideia é criar projetos que possibilitem que o público externo frequente o ginásio e a biblioteca, por exemplo. Com a ocupação responsável do campus, Maneschy espera aumentar a segurança interna. "A universidade precisa-se mostrar e mostrar o que faz para a sociedade. Ser vista e encarada como o maior agente de transformação social da nossa região", avalia o novo reitor, que será empossa do no início de julho.
Leia aqui no Diário do Pará

Esses desafios são parte dos compromissos assumidos pelo Reitor da UFPA durante sua campanha, conforme o programa do então candidato a reitor.
Eles vêm ao encontro de uma demanda crescente da comunidade universitária, a de utilizar amplamente as tecnologias de informação e comunicação (TIC) para melhorar o ensino e o conhecimento na UFPA. Para isso se faz necessário o acesso a bancos de dados, estruturação de grupos de pesquisa em rede, uma maior comunicação, mobilidade e transito acadêmico, entre alunos, professores e pesquisadores dos diversos campi da UFPA. Assim, uma universidade como a UFPA que abrangue a maior parte do Estado do pará, só pode se pensar com o uso pleno da tecnologia para manter integrada uma instituição que tem crescido com sérias distorções, dentre elas, precisamente, sua falta de interação entre os diversos campi.
O reitor traz como propostas a excelência na formação dos estudantes de graduação, com investimentos para a melhoria da qualidade dos cursos; a consolidação da instituição como uma verdadeira universidade multicampi.
Veja também no Amazônia Jornal

POLÍTICA - Entre quatro paredes

Por Emir Sader

Quanto mais setores da esquerda consideram que os projetos atualmente existentes são todos cooptados pela burguesia, projetos de uma “nova direita” disfarçada de esquerda, etc., etc., mais deveriam se sentir derrotados e desmoralizados. Porque acreditam cegamente que têm razão, mas nunca conseguem triunfar.

Duas analises tem sido muito difundidas, ambas incorretas: uma acredita que a crise atual levou ao fim do neoliberalismo e condena o próprio capitalismo à morte. A outra afirma que todas as tentativas atuais – especialmente as latinoamericanas – de superação do neoliberalismo fracassaram ou tendem a fracassar, “traindo” os mandatos que receberam.

Parecem analises contrapostas, mas são funcionais uma à outra. Porque remetem à idéia de que as condições de superação do capitalismo estão dadas, só não se realizam pela “traição das direções políticas”, burocráticas e/ou corrompidas, cooptadas pela burguesia e pelo capitalismo.

Além de equivocadas ambas as análises servem de álibi para as derrotas da esquerda: são sempre derrotas “dos outros”. Fica-se na eterna e indispensável tarefa da denúncia, tanto da repressão, quanto das “traições”. Mas os setores mais radicais se consideram imunes às derrotas, como se ao não se aproveitar a crise do capitalismo e o esgotamento do neoliberalismo para construir alternativas de esquerda capazes de disputar hegemonia, não estaríamos sendo todos derrotados.

Na íntegra aqui

domingo, 21 de junho de 2009

MEIO AMBIENTE - Brasil pode ser primeiro país a ter status de desenvolvido sem desmatar florestas por inteiro

CORREIO BRAZILIENSE (DF)

BRASIL • 18/6/2009 • 19:41:01

O Brasil pode ser o primeiro país do mundo a entrar no rol das nações desenvolvidas sem ter desmatado toda a sua vegetação nativa, como aconteceu na Europa e nos Estados Unidos. A avaliação é do pesquisador da Agência Espacial America (Nasa) e do Experimento de Larga Escala da Biosfera – Atmosfera Amazônia (LBA), Eric Davidson.O caminho, de acordo com o pesquisador, passa por soluções econômicas para manter a floresta em pé, como o mercado de carbono, mas principalmente pela mobilização nacional em busca de alternativas de crescimento econômico sustentável.

“O Brasil tem recursos humanos nas áreas de energia, Meio Ambiente, modulagem, sensoriamento remoto; tem recursos naturais, e também tem a sociedade civil, tem democracia, tem debate. Vocês podem conversar entre vocês sobre o futuro de seu próprio país sem depender da influência de outros”, apontou.

Segundo Davidson, o mercado de carbono é atualmente a melhor oportunidade de transferência de recursos “do Norte para o Sul”, dos países mais industrializados para as nações em desenvolvimento – principalmente as que têm florestas – mas ainda não é uma “solução completa” para garantir a conservação.

“O carbono não é biodiversidade, não é conservação, mas tem valor de mercado. É um dos únicos instrumentos que temos agora e movimenta muito dinheiro [para investimentos em preservação]”, ponderou. “Talvez outros países também possam ajudar com treinamento, tecnologia, mas a solução fica com vocês, com a sociedade civil Brasileira”, acrescentou.Davidson acredita que o Brasil tem papel fundamental na discussão do futuro da regulação das emissões de gases de efeito estufa, que será definido durante a reunião da Convenção Organização das Nações Unidas sobre mudanças climáticas em dezembro, em Copenhague, na Dinamarca. “A posição do governo Brasileiro é muito importante para se chegar a resultados. O Brasil é um dos países chave porque tem muitas florestas”, afirmou.

De acordo com o cientista, apesar de a Amazônia ainda dominar o interesse internacional por pesquisas sobre a biodiversidade Brasileira, o Cerrado começa a atrair atenções e ser alvo de estudos específicos sobre a contribuição do bioma para a emissão de gases que aceleram as mudanças climáticas, por exemplo.

“O estoque de carbono dentro dos solos é enorme, porque o Cerrado é um ecossistema onde as plantas tem raízes muito profundas. Mas infelizmente há pouca pesquisa. Há vários estudos preliminares que mostram que existe uma grande perda de carbono do solo com as mudanças no uso da terra na área de Cerrado”, adiantou.Davidson participou nesta quinta-feira (18/6) de um fórum internacional sobre Meio Ambiente, paralelo ao 11º Festival Internacional de Cinema Ambiental (Fica).

ECONOMIA - O PIB duvidoso indicador de desenvolvimento


do Clóvis Rossi da Folha

SÃO PAULO - Ladislau Dowbor, professor titular do departamento de pós-graduação da PUC de São Paulo, discute a sacralização do PIB (Produto Interno Bruto, a soma dos bens e serviços produzidos por um país). "O PIB é um cálculo incorreto e não constitui uma bússola adequada", diz, em entrevista à revista "Desafios do Desenvolvimento", editada pelo Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas.

A revista, aliás, já foi muito boa, mas, agora, está "chapa-branca" demais. Praticamente só ouve gente do governo, o que obviamente empobrece o debate público que seria o seu objetivo principal. Voltando a Dowbor, ele cita vários exemplos de como atividades que enriquecem o PIB podem, no entanto, empobrecer a vida das pessoas. Um deles: os formidáveis congestionamento de trânsito em São Paulo. Como é óbvio, provocam gastos com o carro, gasolina, seguro, o que aumenta o PIB. Mas provocam também doenças respiratórias (pela poluição) e tempo perdido, item, este último, que nem entra no cálculo do PIB.

Um segundo exemplo, pelo qual em geral passamos batidos, é a expressão "produtores de petróleo". Diz Dowbor: "Nunca ninguém conseguiu produzir petróleo", por ser "um estoque de bens naturais". Logo, "sua extração é positiva [no sentido de que aumenta o PIB], mas temos que lembrar que estamos reduzindo cada vez mais o estoque de bens naturais que iremos entregar aos nossos filhos".

Pode parecer uma visão excessivamente ingênua, mas não custa lembrar que, no auge da crise econômico-financeira, muita gente que de ingênua não tem nada defendeu a tese de que seria a oportunidade de ouro para mudar o padrão de consumo do planeta, que está se tornando (ou já se tornou) crescentemente insustentável. Mas a atenuação da crise levou a abandonar essa ideia e fez PIB voltar a ser palavra mágica.
Opinião da Folha

TEM BLOGUEIRO NA PRAÇA E BOM DE PAPO - deu no UOL

VAMOS VER SE COMO FALA ESCREVE;
Blogueiro. Empolgado com a repercussão do blog da Petrobras, Lula mandou apressar o seu. Os idealizadores tomam cuidado para não ferir o princípio da impessoalidade, mas o presidente estará em todo canto, a começar pela seção semanal de vídeo em que responderá perguntas dos internautas. Para completar, Lula irá a um fórum sobre software livre na sexta em Porto Alegre. Com Dilma.

Veja aqui na Folha