Google+ Badge

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Organização reúne pesquisa e indústria na busca de economia sustentável para a Amazônia





Promover o uso sustentável da biodiversidade amazônica é o foco da organização social Biotec-Amazônia, criada na última quinta-feira (4), em Belém. O núcleo objetiva difundir o conhecimento e prestar informações e serviços nas áreas de biodiversidade, biotecnologia e bionegócios no estado do Pará, para fins de desenvolvimento econômico e social. O próximo passo do grupo é receber a qualificação do Governo do Estado.

Entidades que são referências no tema estão reunidas na organização. Compõem o Conselho Administrativo da instituição o presidente da Empresa Brasileira de Pesquisas Industriais (Embrapii), Jorge Almeida Guimarães e o diretor executivo do Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE), Márcio de Miranda Santos. Além disso, o professor Seixas Lourenço foi eleito para o cargo de diretor-presidente.

A Universidade Federal do Pará se faz presente na organização da Biotec-Amazônia com a participação dos professores e pesquisadores Paula Schneider, do Instituto de ciências biológicas, Arthur Silva, coordenador da pós-graduação em genética; Sidney Santos, diretor do núcleo de pesquisa em oncologia; e Gonzalo Enríquez, diretor da Universitec e que também foi o diretor provisório da instituição, mas agora integra o Conselho de Administração.

“Todas essas entidades de grande expertise em pensar a Amazônia com responsabilidade socioambiental estão reunidas na Biotec a fim de potencializar os resultados em função dos objetivos de constituição e consolidação de um modelo econômico autossustentado, baseado no conhecimento e voltado à diversificação das cadeias produtivas regionais”, frisa Gonzalo Enríquez, diretor da Universitec, a Agência de Inovação Tecnológica da UFPA.

O encontro contou com as participações de vários parceiros, entre eles o secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Técnica e Tecnológica (SECTET), Alex Fiúza, e o secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (SEMED), Adnan Demachki, que já sinalizaram o apoio do governo do Pará à iniciativa da Biotec–Amazônia.
Ciência e sustentabilidade
Entre as prioridades traçadas pela organização, está a indução da parceria entre a academia e o setor produtivo, possibilitando a pesquisa de novos produtos, processos para a redução dos custos de transação, além da superação dos entraves de fornecimento às indústrias, entre empresas e órgãos públicos.

A promoção do crescimento das cadeias industriais - particularmente da bioindústria-, também é um dos focos da Biotec-Amazônia. Para tanto, o grupo irá utilizar, entre outras estratégias, da infraestrutura dos Parques Tecnológicos e das incubadoras, de novas empresas de base tecnológica, voltadas, prioritariamente, aos produtos da biodiversidade.

“Precisamos de uma instituição que desenvolva o crescimento integrado da biotecnologia na Amazônia para que preenchamos determinadas lacunas com uma gestão tecnológica integrada, com prospecção de negócios, além de uma articulação efetiva e permanente com diversos setores, e neste caso a Biotec – Amazônia vem para cumprir bem este papel”, destaca o Diretor-presidente Seixas Lourenço.

Texto: Gil Sóter - G1/Pará
Foto: Wan Aleixo/Universitec





Pesquisadores da UFPA desenvolvem batom feito de bacuri

Uso da gordura do fruto típico da Amazônia reduz a utilização de metais pesados no cosmético.

Por G1 PA, Belém

25/05/2017



Batom feito à base de gordura de bacuri é a aposta do 'coméstico verde' (Foto: Divulgação)



O bacuri, uma fruta típica da Amazônia e amplamente saboreada em sobremesas, agora vai virar item de beleza. Pesquisadores da Universidade Federal do Pará (UFPA) desenvolveram um batom a partir da gordura da fruta, que será apresentado até esta quinta-feira (25) na FCE Cosmetique, evento de tecnologia para a indústria cosmética na América Latina, em São Paulo.


O trabalho foi realizado pelo Laboratório de Nanotecnologia Farmacêutica, coordenado pela professora Roseane Maria Ribeiro Costa, e o Laboratório P&D Farmacêutico e Cosmético liderado pelo professor José Otávio Carréra Silva Júnior, ambos docentes da Faculdade de Farmácia da UFPA.


Os dois laboratórios atuam há anos com as matérias primas da região amazônica como óleos, gorduras e resíduos que são extraídos de frutas que fazem parte do dia a dia dos consumidores do estado. Além da utilização do bacuri, eles também desenvolvem trabalhos com o cupuaçu, tucumã, ucúuba, pracaxi, açaí, castanha do Pará, cacau, muru-muru e patauá, tendo linhas de pesquisas relacionadas ao desenvolvimento de medicamentos e cosméticos.


“O nosso objetivo é desenvolver produtos ecologicamente corretos, que atendam as práticas sustentáveis e agregue valor às cadeias produtivas da região. Temos que utilizar as substâncias de forma racional e inteligente para que o produto final seja de qualidade e seguro, que tenha em sua essência a tecnologia verde”, explica a professora Roseane Maria Ribeiro Costa.



Bacuri, fruto vendido nas feiras livres, é uma das matérias primas que podem inovar o mercado dos cosméticos (Foto: Fernando Araújo/O Liberal)



Cosmético verde


O diferencial do batom desenvolvido nos Laboratórios da UFPA é a utilização da gordura do bacuri, que por sua vez tem a extração da própria semente. Para obter esse “cosmético verde”, houve a troca das substâncias comercias que são comumente utilizadas na produção. No geral há um conjunto de ingredientes, mas vale ressaltar que com essa pesquisa, os laboratórios conseguiram ter uma quantidade ínfima de metais pesados.


Ao longo desse processo, vários estudos foram realizados para saber se a gordura do bacuri era realmente biocompatível para desenvolver o produto, sendo ela aprovada em todos os testes. O desenvolvimento seguiu as normas do Guia de Estabilidade de Produtos Cosméticos da ANVISA, que é o órgão regulador de medicamentos e cosméticos da Vigilância Sanitária.


Entre os pontos que foram destaque no batom, estão as suas propriedades emoliente e hidratante. “A intenção é seguir com as pesquisas e o aproveitamento agregando valor a matéria prima amazônica. O próximo passo será dar uma coloração para esse batom tendo como base elementos da região, como o açaí”, conta a professora Roseane Maria Ribeiro Costa.


O trabalho de acompanhamento, cuidado e liberação de patente está sendo administrada pela Agência de Inovação Tecnológica da UFPA, a Universitec. O Diretor da instituição, o professor Gonzalo Enriquez, explica a importância dessa participação durante o processo produtivo.

“Pesquisas como essa, que utilizam os insumos da Amazônia, ajudam a promover o desenvolvimento sustentável da região. O trabalho aconteceu nos laboratórios da UFPA e agora a Universitec se junta para apoiá-lo, já que esta é uma fonte para a agregação de valor aos produtos oriundos da nossa biodiversidade”, afirma.