Google+ Badge

sábado, 16 de agosto de 2014

Mais e melhor inteligência feminina para reforçar a SEICOM

 Ciane Regina Alves Barros


Nomeada dia 07/08/2014 Secretária de Estado Adjunta da Secretaria de Indústria, Comércio e Mineração, somente hoje ganhou destaque na página de TuttiQui, do Jornal O Liberal. Ciane Regina Alves Barros, atuará principalmente, não unicamente, no setor comércio e serviços, de onde obtêm o maior apoio, além de ser indicação direta do Governador Simão Jatene, que está interessado em dar resposta às demandas do setor. Parabéns pela indicação e sucesso à nova Secretária Adjunta.




quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Sob choque, Marina aguarda PSB para definir rumos de candidatura

Marina fala em nome da coligação sobre a morte de Campos: “Nesses 10 meses, aprendi a respeitar, admirar e a compartilhar suas atitudes e ideais de vida”
Eduardo Campos e Marina Silva se despediram terça-feira à noite, no Rio de Janeiro, depois de gravarem um bate-papo transmitido pela internet. Antes disso, o candidato à Presidência pela Coligação Unidos pelo Brasil tinha participado de uma entrevista ao Jornal Nacional e na GloboNews, e Marina o acompanhara. Ela saiu antes da emissora, iniciou o bate-papo e Campos, surpreendentemente, conseguiu alcançá-la no final. Eles se despediram ali, naquela casa do Rio. "A imagem que quero guardar dele é da nossa despedida. Cheio de alegria, sonhos e compromisso", disse Marina à tarde, em pronunciamento emocionado em Santos, horas depois da tragédia.

"Durante esses 10 meses de convivência aprendi a respeitar, admirar e a compartilhar suas atitudes e ideais de vida. Começamos a formar juntos a esperança de um mundo melhor e mais justo", disse, emocionada e rodeada por políticos da Coligação.

"A postura de todos nós é de luto agora", diz um assessor próximo a ela. "É um impacto monumental. Um momento de sofrimento e de apoio à família. Marina está recolhida. Estamos todos recolhidos."

Marina Silva pegou o voo da TAM às 9h30, no aeroporto Santos Dumont, rumo a São Paulo. Chegou a Guarulhos e foi para seu apartamento. O avião de Eduardo Campos decolou do Santos Dumont com destino ao aeroporto do Guarujá. O voo de sua mulher, Renata, com o caçula de sete meses, Miguel, seguiu para o Recife.

Marina passou o dia tentando digerir o absurdo do acidente. "Não discutimos nada de campanha, de consequência. Ficamos na perplexidade do fato", contou outro assessor. "A relação com Eduardo estava intensa, era um momento muito rico. Estamos prestes a lançar o programa. Ele estava muito animado, no maior pique."

A notícia do desastre veio aos poucos, em névoa. Marina estava reunida com assessores para trabalhar nas gravações para o horário eleitoral que começa no dia 19. Primeiro ouviram falar da queda de um helicóptero. Depois, o deputado Walter Feldman (PSB-SP) telefonou avisando que não havia contato do avião de Campos no sistema de controle. "Começamos a ficar muito preocupados", conta um membro da equipe.

A informação que alguém havia conseguido falar com o assessor de Eduardo Campos, Rodrigo Molina, trouxe um alívio momentâneo. Deixaram de pensar no pior, porque Molina estava sempre com Campos. Mas não ontem, quando seguira para o Recife. "A notícia chegou por diversas fontes", lembra um assessor. Foi Carlos Siqueira, coordenador da campanha de Eduardo Campos à presidência, quem recebeu a confirmação do acidente e das sete mortes pelo Comando da Aeronáutica.

Nenhuma pessoa próxima à Marina se arriscava a prever a reação da ex-senadora, passado o choque. "Marina tem um sentido de missão em relação a tudo isso. Para quem tem este sentimento, um evento como este é avassalador. Ela havia assumido a posição de vice, comprou a candidatura de Campos, estabeleceu uma relação de confiança, estava acreditando nele como um líder e aí acontece uma coisa dessas", diz um amigo.

Pela lei, o PSB tem 10 dias para decidir o futuro; pela prática, menos, já que o horário eleitoral começa na terça. "O ótimo e o óbvio nem sempre são o que acontece em política", analisa um político próximo ao grupo. Ela teve 20 milhões de votos na eleição passada, mas este legado pode ter outra interpretação para parte do PSB que é ligada ao ex-presidente Lula e também para o grupo que flerta com o PSDB. "Há uma hostilidade enorme a ela no PSB, não é líquido e certo que seja ela a candidata. O PSB é um partido com um chefe. Os que nunca apitaram vão começar a falar. É preciso aguardar."

Secretário-geral do PSB fluminense e um dos articuladores da campanha de Campos no Rio, Rubens Bomtempo defendeu que o partido mantenha uma candidatura à Presidência, mas reconheceu que o processo depende de diálogos internos na cúpula do partido e com o grupo de Marina. "Não dá nem para pensar agora. A gente tem que conversar internamente, conversar com Marina".


Por Daniela Chiaretti, Guilherme Serodio e Renata Batista


Inimigos? nenhum, só o PT, igual que Marina



'Eduardo não tinha inimigos', diz Fernando Haddad


O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), prestou homenagem ao ex-governador de Pernambuco e candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Campos, durante inauguração do Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas III, em Campo Limpo, na zona sul da capital, nesta quinta-feira, 14. Antes de discursar, o prefeito pediu um minuto de silêncio pela morte de Campos, a quem chama de "amigo pessoal", vítima de um acidente aéreo.



"Não há como não se sensibilizar com o ocorrido. Um amigo que se foi e vai deixar saudade", afirmou Haddad. Sobre o ex-governador de Pernambuco, o prefeito afirmou ser "um dos maiores talentos dessa nova geração de políticos". "Eduardo não tinha inimigos, tinha, eventualmente, adversários: inimigo jamais. Todos respeitavam seu trabalho, conduta, seriedade e seu amor por Pernambuco e pelo Brasil. Uma perda irreparável", lamentou.



Haddad disse, ainda, que pretende estar presente no velório de Eduardo Campos em Pernambuco. O corpo vai ser velado no Palácio do Campo das Princesas, no Recife, e enterrado no Cemitério de Santo Amaro, ao lado do avô, Miguel Arraes. O prefeito também destacou a relação de Campos com a família, classificada por ele como "tradicional" e "bonita". "Eles impressionam pelo nível de união e respeito mútuo", afirmou.

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

O Brasil perde uma das maiores lideranças da nova geração de políticos do Brasil contemporâneo

Marina Silva


"Quero pedir a Deus que sustente a Renata, ao Zé, ao João, a Duda, o Pedro, o pequenino Miguel e a todos os familiares dos companheiros de Eduardo Campos. Esta é, sem sombra de dúvida, uma tragédia. Uma tragédia que impõe luto e muita tristeza. Eu sei que os brasileiros estão compartilhando com cada um de nós e principalmente com sua família, com seus amigos e conosco.
Durante esses 10 meses de convivência aprendi a respeitá-lo, admirá-lo e a confiar nas suas atitudes e nos seus ideais de vida. Foram 10 meses de intensa convivência e, como eu disse, começamos a fiar juntos principalmente a esperança de um mundo melhor, de um mundo mais justo.Eduardo estava empenhado com esses ideais até os seus últimos segundos de sua vida e a imagem que eu quero guardar dele foi a da nossa despedida de ontem – cheio de alegria, cheio de sonhos, cheio de compromissos.
É com esse espírito que eu peço a Deus que possa sustentar sua família, consolar sua família e também a todos nós."








Pronunciamento
Coligação Unidos pelo Brasil

"Não vamos desistir do Brasil." A frase, dita por Eduardo Campos na véspera do acidente que o vitimou, expressa o testemunho e o desejo de um brasileiro que pautou sua vida pelo anseio de ver a nação unida em torno de um projeto que contemple a melhoria de vida de todos os seus cidadãos. Embalava, no presente, o mesmo sonho que alimentou a trajetória de seu avô Miguel Arraes ou, como ele mesmo dizia carinhosamente, do Dr. Arraes.

Interrompeu-se hoje o caminho de um homem que acreditava na renovação da política pela força do povo brasileiro em escrever o seu destino. Morre Eduardo Henrique Accioly Campos, mas fica o seu legado de luta pelos ideais de um Brasil mais democrático, próspero, solidário, sustentável e justo socialmente.

A Coligação Unidos pelo Brasil acredita que a perda de Eduardo encerrou sua vida, mas não seus ideais. Fica a semente da esperança que move diariamente os brasileiros criativos e empreendedores, capazes de transformar em virtuoso seu duro cotidiano.

A Coligação Unidos pelo Brasil se solidariza com a dor irreparável das famílias de Eduardo Campos e de seus companheiros Pedro Valadares, Carlos Percol, Alexandre Severo Gomes da Silva, Marcelo Lyra, Geraldo da Cunha e Marcos Martins. O momento é de luto e impõe o necessário recolhimento.



Santos, 13 de agosto de 2014.

COLIGAÇÃO UNIDOS PELO BRASIL
PSB, REDE SUSTENTABILIDADE, PPS, PPL, PHS, PRP, PSL
Depoimento de Marina Silva

"Quero pedir a Deus que sustente a Renata, ao Zé, ao João, a Duda, o Pedro, o pequenino Miguel e a todos os familiares dos companheiros de Eduardo Campos. Esta é, sem sombra de dúvida, uma tragédia. Uma tragédia que impõe luto e muita tristeza. Eu sei que os brasileiros estão compartilhando com cada um de nós e principalmente com sua família, com seus amigos e conosco.

Durante esses 10 meses de convivência aprendi a respeitá-lo, admirá-lo e a confiar nas suas atitudes e nos seus ideais de vida. Foram 10 meses de intensa convivência e, como eu disse, começamos a fiar juntos principalmente a esperança de um mundo melhor, de um mundo mais justo.

Eduardo estava empenhado com esses ideais até os seus últimos segundos de sua vida e a imagem que eu quero guardar dele foi a da nossa despedida de ontem – cheio de alegria, cheio de sonhos, cheio de compromissos.

É com esse espírito que eu peço a Deus que possa sustentar sua família, consolar sua família e também a todos nós."



Marina Silva
Nota PSB

No dia em que são passados nove anos do falecimento de Miguel Arraes, o Partido Socialista Brasileiro cumpre o doloroso dever de comunicar o falecimento, nesta data, vítima de acidente aéreo, do seu presidente, ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos, nosso candidato à Presidência da República.

Aos 49 anos recém completados, Eduardo Campos vivia o auge de sua brilhante carreira política: deputado estadual, secretário de Estado de Pernambuco, deputado federal, ministro de Estado, governador de Pernambuco reeleito por consagradora maioria, oferecia sua experiência e juventude ao serviço do País.

Candidato à Presidência da República, apresentou-se ao debate de nossas questões fundamentais, coerente com os princípios que sempre nortearem sua vida, e o primeiro deles era a busca por justiça social, razão de existência do Partido Socialista Brasileiro.

Perdemos Eduardo Campos quando mais o Brasil precisava de seu patriotismo, seu desprendimento, seu destemor e sua competência.

Não é só Pernambuco e sua gente que perdem seu líder; não é só o PSB que perde seu líder. É o Brasil que perde um jovem e promissor estadista.

Estamos todos de luto.


Brasília, 13 de agosto de 2014.


Roberto Amaral
Primeiro vice-presidente do Partido Socialista Brasileiro




Nota Rede Sustentabilidade
Rede está em luto por Eduardo Campos e equipe

Neste momento de dor e perplexidade, a Rede Sustentabilidade manifesta seu profundo pesar pelo falecimento de Eduardo Campos e pelos companheiros de equipe Pedro Valadares Neto, Marcelo Lira, Alexandre Gomes da Silva, Carlos Percol e dos pilotos Geraldo da Cunha e Marcos Martins em um acidente aéreo na manhã desta quarta-feira.

A REDE se solidariza com seus familiares, amigos e assessores e convida a todos a manter Eduardo Campos e sua equipe em seus pensamentos.



Rede Sustentabilidade
Nota Oficial PPS

A morte de Eduardo Campos é uma tragédia que se abateu sobre o Brasil e abalou os brasileiros. A vitalidade da juventude de Eduardo, com ideias modernas sobre a gestão do país, quedou-se sob o peso de um desastre aéreo em Santos.

O PPS apostou na qualidade política de Eduardo Campos neste momento em que o país busca alternativas para seu futuro e um novo projeto nacional de desenvolvimento. Embora jovem, o candidato já havia provado sua competência tanto no Parlamento quanto à frente do governo do Estado de Pernambuco.

Nascido em uma família de tradição socialista, Eduardo Campos começou na política já na Faculdade de Economia da Universidade Federal de Pernambuco. Foi deputado estadual, deputado federal e ministro da Ciência e Tecnologia antes de se eleger governador.

Do Palácio do Campo das Princesas, Eduardo Campos saiu aclamado pelo apoio popular. Sua administração foi aprovada por 90% da população pernambucana, uma marca histórica no Brasil. Conseguiu este feito atacando os principais problemas enfrentados pela sociedade, investindo na saúde e na educação e garantindo desenvolvimento ao Estado.

Para o PPS, assim como para o Brasil, a perda de Eduardo Campos tem o peso de uma grande tragédia. Atinge a vitalidade da promessa de renovação que ele significava para um país que clama por mudanças.

Em meu nome e em nome do partido, manifestamos solidariedade à família de Eduardo e lamentamos profundamente sua morte, com a convicção de que suas qualidades de homem público decente, visionário e cheio de ideias novas farão muita falta ao país.



Roberto Freire
Presidente Nacional do PPS
Nota Oficial PHS

O PHS lamenta a tragédia e morte do candidato Eduardo Campos, do PSB, e das pessoas que estavam na aeronave que caiu nesta quarta-feira (13), em Santos (SP).

Campos foi o candidato escolhido pelo PHS para caminhar junto na disputa eleitoral para a presidência da República, que ocorre em outubro de 2014. Após diálogo nos últimos meses, a Comissão Executiva Nacional do PHS entendeu que o pernambucano seria o melhor nome para presidir o Brasil nos próximos quatro anos.

Hoje, o PHS está em luto e os solidaristas de todo o Brasil se juntam aos familiares de Campos e das outras vítimas nesse momento de grande tristeza.

"Estamos todos chocados com essa triste notícia e enviamos nossos pêsames a todas as famílias das vítimas", lamenta o presidente Nacional do PHS, Eduardo Machado.



"Nos últimos dias, tivemos contato direto com Campos por conta das eleições e acompanhamos seu trabalho sério e comprometido. O Brasil perde um jovem e promissor político", finaliza Eduardo Machado.
Nota Oficial PRP

Foi com grande pesar que recebemos a trágica notícia sobre a morte do presidente Nacional do PSB e candidato a Presidência da República, Eduardo Campos. Ele e outras seis pessoas estavam a bordo do jato que caiu na manhã desta quarta-feira, em Santos, no litoral de São Paulo. Também lamentamos a morte das outras seis pessoas que o acompanhavam.

Eduardo Campos era um homem íntegro, humano e que lutou por grandes causas do nosso País. Esta morte é, sem dúvida, uma grande perda para o Brasil, especialmente neste importante momento democrático, onde ele era opção de mudança, a opção de renovação na política brasileira.

Eduardo Campos foi um político exemplar, e deixará em nossas lembranças e na nossa história seu legado.

Neste momento doloroso, venho externar meus sentimentos e me solidarizar com as famílias das vítimas.



Ovasco Resende
Presidente Nacional do PRP

Delfim Neto e o agronegócio




Contadora do doleiro Youssef revela esquema de pagamento de propina



SÃO PAULO - Os detalhes do funcionamento do esquema de operação da quadrilha que girava em torno do doleiro Alberto Youssef, preso na Operação Lava-Jato, foram revelados à Polícia Federal pela contadora Meire Poza, segundo revela reportagem da revista “Veja” deste fim de semana.

Durante três anos em que trabalhou para Youssef, Meire afirmou em depoimento que manuseou notas fiscais frias, assinou contratos de serviços inexistentes, montou empresas de fachada e organizou planilhas de pagamento. Seu trabalho deu ares de legalidade a um dos esquemas de corrupção mais grandiosos desde o mensalão, segundo a “Veja”.

Nas últimas três semanas, a contadora forneceu cópias de documentos e identificou um a um os contratos simulados e as notas frias, como no caso da empreiteira Mendes Júnior, que nega ter relacionamento com o doleiro.

As informações prestadas pela contadora ajudaram a PF comprovar que Youssef era um financista clandestino, que prospectava investimentos, emprestava dinheiro, cobrava taxas e promovia o encontro de interesses entre corruptos e corruptores. Em outras palavras, usava sua estrutura para recolher e distribuir dinheiro e apagar os rastros.

Segundo a PF, entre os clientes do doleiro figuram as maiores empreiteiras do país, parlamentares notórios e três dos principais partidos políticos.

Sobre um desses parlamentares, o deputado federal André Vargas (sem partido), Meire afirmou que ele “ajudou o Beto [Alberto Youssef] a lavar R$ 2,4 milhões”. “Como pagamento, ele [Vargas] ganhou uma viagem de jatinho. Eu mesma fiz o pagamento”, conta.

Outro político citado pela contadora é o senador Fernanco Collor (PTB): “O Beto fez os depósitos para o ex-presidente Collor a pedido do Pedro Paulo Leoni Ramos (ex-auxiliar do senador e também envolvido com o doleiro). Ele guardava isso como um troféu.”

Meire disse ainda que o deputado federal Cândido Vaccarezza (PT) contou com a ajuda de Youssef para quitar uma dívida de campanha. “O Vacarezza precisava pagar dívidas de campanha. Um assessor dele me procurou em 2011 para apresentar um negócio com fundos de pensão no Tocantins”

Valor

Gripe no Japão


PIB do Japão recua 6,8% no segundo trimestre em base anual

TÓQUIO - A economia do Japão contraiu acentuadamente no segundo trimestre, com famílias e empresas cortando gastos após o imposto do aumento do imposto sobre vendas a partir de 1º de abril.

O Produto Interno Bruto (PIB) real do Japão encolheu 6,8% nos três meses entre abril e junho em base anual, um pouco menor do que a contração de 7,1% prevista por economistas consultados pelo “The Wall Street Journal”. O PIB real é calculado descontando a inflação do período analisado.

Economistas esperavam o recuo após a expansão de 6,1% no primeiro trimestre, também em base anual, quando muitas famílias anteciparam as compras de produtos caros, como máquinas de lavar, antes da entrada em vigor da nova alíquota do imposto de vendas, de 8%, ante 5% anteriores. O governo planeja aumentar o imposto novamente, para 10%, em outubro 2015.

A comparação anualizada projeta quanto seria o PIB de um ano se o desempenho de um trimestre fosse mantido.

Na comparação trimestral, o PIB real caiu 1,7% no segundo trimestre em comparação com o trimestre anterior, também um pouco menos do que a queda prevista pelos economistas, de 1,9%.

Já o PIB nominal (sem levar em conta o efeito da inflação no período) recuou 0,1% no segundo trimestre na comparação com o trimestre anterior e 0,4% na comparação anual.

(Dow Jones Newswires)

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Lançamento do Plano Estadual de Mineração repercute em revistas especializadas de outros estados


Na Revista Mineração & Sustentabilidade N. 16, de julho de 2014 tem destaque  o lançamento do Plano de Mineração do Estado do Pará.

Veja fotos e matéria da Revista.

http://www.revistamineracao.com.br/index_noticias.php?not_id=230









domingo, 10 de agosto de 2014

Pará está fora

Nove governadores vão terminar o mandato com seus Estados mais endividados


Nove dos 27 governadores devem entregar aos seus sucessores, no dia 1º de janeiro de 2015, um Estado mais endividado do que encontraram. Segundo o Tesouro da Fazenda as 27 unidades da federação deviam, no final de 2013, nada menos que R$ 500 bilhões.

O nível de endividamento de um Estado é calculado na comparação com a receita corrente líquida. É uma conta similar à de qualquer cidadão: Se você tem uma renda de R$ 1.000, e paga R$ 300 por mês de dívidas (compromete 30%), está mais endividado do que outro que ganhe R$ 2.000 e paga R$ 500 mensais (25%).

No caso dos Estados, a comparação foi feita com base em dados do balanço final de 2010 e de abril de 2014. Nesse período, Acre, Amapá, Espírito Santo, Pernambuco, Piauí, Rondônia, Roraima, Sergipe e Tocantins passaram a comprometer percentualmente mais a receita com a dívida.

Segundo o economista do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), Alexandre Manoel, mais endividados, os Estados passam a pagar prestações maiores, comprometendo ainda mais os apertados orçamentos das unidades e reduzindo, teoricamente, o poder de investimento futuro.

"Os governos têm de pagar, de acordo com o prazo previsto no contrato. Mas nem sempre isso é automático. A maioria dos empréstimos tem carência de dois a cinco anos", explica.

Procurados pelos UOL, cinco Estados responderam aos questionamentos do UOL.Todos alegaram estar com margem de financiamento dentro do limite. Acre, Amapá, Rondônia e Tocantins não responderam à solicitação.

Segundo a Lei de Responsabilidade Fiscal, apenas os Estados com comprometimento superior a 200% de sua receita estão impossibilitados de pedir novos financiamentos. O único do país, segundo balanço do primeiro quadrimestre, é o Rio Grande do Sul.

Patinando



Dilma mantém liderança com 38% das intenções de voto; Aécio e Eduardo Campos oscilaram um ponto percentual para cima





A presidente Dilma Rousseff tem 38% das intenções de voto, mesma taxa registrada há duas semanas, segundo pesquisa Ibope divulgada nesta quinta-feira pela TV Globo. Segundo colocado na corrida eleitoral, o tucano Aécio Neves aparece com 23%, e Eduardo Campos, do PSB, com 9%. Ambos oscilaram um ponto porcentual para cima.

Outros candidatos, somados, têm 6%. Assim, a soma das taxas de intenção de voto dos adversários de Dilma chega a 38%. Para vencer a eleição já no primeiro turno, a presidente precisará de maioria absoluta dos votos válidos, ou seja, mais do que a soma dos rivais.

Em um eventual segundo turno, Dilma venceria hoje seus dois principais concorrentes. Contra Aécio, o placar seria de 42% a 36% – há duas semanas, era de 41% a 33%. Em um confronto direto com Campos, a petista venceria por 44% a 32%.
Assim como o panorama eleitoral, a avaliação do governo se manteve estável: 32% o consideram ótimo ou bom, 35%, regular, e 31%, ruim ou péssimo.

A pesquisa é a primeira desde que o Jornal Nacional, da TV Globo, passou a fazer a cobertura das atividades diárias de campanha dos candidatos a presidente, na última segunda-feira. Desde então, eles têm privilegiado agendas de rua, para produzir imagens televisivas de contato direto com eleitores.

O levantamento do Ibope foi realizado entre os dias 3 e 6 de agosto, por encomenda da TV Globo. Foram feitas 2.506 entrevistas em todas as regiões do Brasil. A margem de erro máxima é de 2 pontos porcentuais para mais ou para menos, em um nível de confiança estimado de 95%. Ou seja, se fossem feitas 100 pesquisas idênticas a esta, 95 deveriam apresentar resultados dentro da margem de erro.

Empacou

Painel Político Folha.