Google+ Badge

sábado, 17 de setembro de 2011

Diminui a pobreza no Brasil. Efeito do Bolsa Família, que sai do orçamento. Mas o lucro dos bancos continua crescendo.


São R$ 12 bilhões os que anualmente o Governo destina ao Programa Bolsa Família (PBF) para diminuir a pobreza no Brasil. Entretanto ainda existe um segmento da população que vive embaixo da linha da pobreza, de mais de 28 milhões de pesssoas.

Estudo de pesquisadpores do IPEA revela que se dobrar o orçamento da bolsa familia, passando de R$ 12 bilhões para R$ 26 bilhões. o Brasil acabaria com a pobreza extrema. O Problema é de onde sairiam esses R$ 14 bilhões a mais. Foi a mesma pergunta que a Presidenta fez para aumentar o orçamento dos programas de saúde. A solução poderia estar no lucro dos bancos. Somente o BRADESCO lucrou, neste primeir trimestre, R$ 100 trilhões e 800 bilhões de reais. Ainda o governo estuda perdoar a dívida dos bancos com o tesouro nacional. Não acredita?, veja aqui a materia.

Jornalista é demitida por difundir a notícia.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Ana Julia se defende. “Não estou inelegível”




Após a divulgação de várias informações sobre a possível inelegibilidade com base na lei da ficha limpa, a ex-governadora Ana Júlia Carepa (PT) falou com exclusividade ao DOL sobre a condenação no Tribunal Regional Eleitoral pelas acusações de conduta vedada e abuso de poder político e econômico durante a campanha ao governo do Estado no ano de 2010.

Ana Júlia explicou que a condenação ainda cabe recurso e que por isso as informações de inelegibilidade eram equivocadas. “Ainda não foi nem publicado o acórdão do TRE e nós vamos recorrer da decisão, não existe isso de eu estar inelegível. Isso é coisa de quem quer ganhar no tapetão”, disse a ex-governadora.

A reportagem do DOL falou com o advogado de Ana Júlia e por telefone João Índio confirmou que vai recorrer da decisão do TRE. “Nós vamos aguardar a publicação do acórdão no Tribunal Regional Eleitoral e depois iremos entrar com um recurso no TSE, porque não concordamos com a sentença. Os convênios com as prefeituras foram assinados antes do período vedado, portanto não há irregularidade”, afirmou João Índio.

Sobre a possibilidade de Ana Júlia se tornar inelegível, João Índio disse que não acredita nessa hipótese. “A ação julgada estava baseada na lei eleitoral vigente, não tem nenhuma relação com a lei da ficha limpa, além do mais ainda cabe recurso, então é cedo para falar de inelegibilidade. A lei da ficha limpa só cabe se a condenação tiver transitado em julgado”.

Entenda o caso:

Por unanimidade, os juízes do TRE entenderam que a então governadora Ana Júlia assinou convênios com 17 prefeituras, totalizando um valor aproximado de R$16,5 milhões, para se beneficiar durante a campanha e que por isso houve um desequilíbrio na disputa eleitoral.

Sobre a inelegibilidade, a lei complementar 135/2010 popularmente conhecida como Lei da Ficha Limpa afirma que “os detentores de cargo na administração pública direta, indireta ou fundacional, que beneficiarem a si ou a terceiros, pelo abuso do poder econômico ou político, que forem condenados em decisão transitada em julgado ou proferida por órgão judicial colegiado, ficam inelegíveis na eleição  na qual concorrem ou tenham sido diplomados, bem como para as que se realizarem nos oito anos seguintes”.
(Henrique Miranda/ DOL)

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Estão brincando com o poder, e a presidenta gosta. PMDB vai levar lista com 80 nomes a Dilma

Por Daniela Martins | Valor
BRASÍLIA – O líder do PMDB na Câmara, Henrique Alves (RN), afirmou agora, à saída de seu gabinete, que o partido resolveu indicar uma lista com os nomes dos 80 deputados integrantes da bancada na Câmara.

A surpreendente iniciativa foi assim explicada pelo líder: “Oferecer os 80 nomes mostra que o PMDB é tão grande que dá para escolher qualquer um dos deputados”, disse. “Ouvi a bancada e resolvemos oferecer a bancada inteira. Quem a presidente escolher, estará bem escolhido”, afirmou. Alves informou, porém, que o novo ministro será “um parlamentar da Câmara e do PMDB”.

Em seguida, Henrique Alves demonstrou surpresa com a posição da bancada: “Achávamos que voltaríamos lá [ao Palácio do Planalto] com três ou quatro nomes. Me surpreendeu positivamente essa posição da bancada”, afirmou.

Henrique Alves afirmou ter solicitado a presença do vice-presidente Michel Temer na reunião da bancada da Câmara. Mas, de acordo com ele, ficou combinado que Temer será consultado sobre o novo ministro se assim a presidente desejar. “Se a presidente quiser fazer qualquer consulta, ela fará ao vice-presidente”, afirmou o líder.

(Daniela Martins | Valor)

Dilma ficou satisfeita com resultado do Enem, diz Vaccarezza

De acordo com líder governista, meta foi atingida. 

Qual meta?

Mantega é o homem forte do governo Dilma

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, chegou ao topo. É o único ministro autorizado a falar em nome da presidente Dilma Rousseff. Tornou-se, nos últimos três meses, o grande protagonista de um governo sem ministros fortes. Fala várias vezes por dia com Dilma. Quando pouco, tem duas conversas diárias com ela. 
 
Também, Mantega é um dos poucos ministros com sólida  formação acadêmica

Senadores e deputados do PMDB disputam Ministério do Turismo

Por Fernando Exman e Daniela Martins | Valor
 
BRASÍLIA - Cientes de que uma das alternativas levantadas pela presidente Dilma Rousseff para resolver a sucessão de Pedro Novais no Ministério do Turismo é a nomeação do senador Eduardo Braga (PMDB-AM), a bancada do PMDB na Câmara elevou o tom do discurso.

O líder do partido na Casa, Henrique Eduardo Alves (RN), chegou a dizer que a lista do partido apresentada à presidente contém o nome de todos os 80 deputados da sigla. Na prática, Alves tenta garantir que o cargo permaneça com sua bancada.

Ontem à noite, emissários de Dilma informaram ao PMDB que a presidente considerava a hipótese de nomear Braga para a função. A medida poderia resolver um problema do governo no Senado: a divisão da bancada do PMDB, que tem um grupo, o chamado G8, que não se sente representado por Renan Calheiros (AL), Romero Jucá (RR) e José Sarney (AP).

Hoje pela manhã, o PMDB do Senado já colocava o nome de Braga na lista de cotados para substituir Novais, caso os nomes apresentados pelo PMDB da Câmara não agradassem o Palácio do Planalto. A pressão do Senado veio, sobretudo do presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP), que indicou o ex-titular da Pasta Pedro Novais.

Uma fonte ligada ao partido disse que Henrique Alves vai tentar emplacar o nome de Marcelo Castro (PI), que teria demonstrado interesse em assumir a vaga e não teria receio em ser alvo de denúncias. No entanto, dentro do partido também se fala que não haveria consenso em torno do nome do piauiense. A palavra final deve ficar com o vice-presidente Michel Temer e a presidente Dilma Rousseff.
(Fernando Exman  e Daniela Martins | Valor)

 

 

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Obama homenageia vítimas nos 3 cenários dos



Atentados do 11/9

Em Nova York, o presidente leu o Salmo 46 da Bíblia, escolhido, segundo a Casa Branca, por ser especialmente apropriado para o momento

domingo, 11 de setembro de 2011

Belém será a nova capital da dança




Balé
Prêmios Novos Talentos e Secult firmam Eidap como referência artística

A capital paraense recebe, a partir do próximo dia 1º de outubro, o XI Encontro Internacional de Dança do Pará (Eidap), que traz na programação as mais variadas modalidades da dança, levadas a três espaços distintos: Teatro Margarida Schivasappa, Instituto de Artes do Pará (IAP) e Centro de Dança Ana Unger. Em 2011, o evento se firma mais uma vez como referência para a produção artística local - por meio do Prêmio Novos Talentos e Prêmio Secult, única premiação deste segmento no Estado - e traz à cidade alguns dos maiores nomes da dança nacional e internacional, numa troca de experiências entre coreógrafos, professores e bailarinos, que beneficia, em especial, artistas locais e o público.

Em sua décima primeira edição, o evento conta mais uma vez com a participação de um dos maiores nomes do balé nacional, Guivalde de Almeida, diretor e principal professor da Especial Academia de Ballet, uma das mais importantes instituições de ensino de dança clássica no Brasil. Ele é ainda diretor artístico e fundador da Cia. Brasileira de Danças Clássicas. Seus alunos já representaram o País por todo o mundo, em concursos de ballet por lugares como Nova York, Lausanne, Nagoya, Buenos Aires, Havana. Alguns se destacam como solistas de companhias dentro e fora do Brasil. 

Desta vez, além de ministrar uma oficina de ballet clássico, o diretor vai atuar como jurado. 'Participo ativamente do Eidap desde sua primeira edição e tenho tido provas concretas do crescimento da dança em Belém', diz. Para ele, um dos principais pontos do Encontro é justamente poder proporcionar essa troca entre bailarinos e outros profissionais ligados à dança de várias partes do País. 'Esse intercâmbio cultural é vital para a sobrevivência de qualquer manifestação artística. Não consigo mais ver o Pará tão distante dos grandes centros. Isso não é só o efeito da globalização, mas o Eidap, nesses onze anos de vida, tem grande parte do mérito desse desenvolvimento da dança no Norte do país', opina.

Outro convidado de peso do Encontro é o bailarino Welton Nascimbene. Habituado a percorrer o País com sua arte, ele virá a Belém marcar presença no evento. 'Fico muito feliz a cada convite que recebo para retornar a esta cidade. Participo do Eidap desde 2003, fiquei fora poucas edições. Após tantos anos, já existe uma relação bem forte com Belém e poder participar do principal evento de dança da Região Norte é sempre uma felicidade e uma expectativa muito grande', assegura.

Nesta edição, Welton se prepara para uma participação especial. 'Este ano vou me apresentar com duas bailarinas fantásticas. Uma já é profissional, com uma longa carreira artística. A outra, uma jovem revelação da dança brasileira, premiada nos principais festivais do Brasil e com uma medalha de prata em New York. Estarei dançando o pas de deux do ballet 'O Corsário', de Marius Petipa, ao lado da convidada Marilia Guillarducci. Com a jovem convidada Paula Alves vou apresentar o grand pas de deux de 'Diana et Acteon', de 

Agripina Vaganova e o duo Devaneio, de Guivalde de Almeida', detalha.

APRENDIZADO

O bailarino ressalta ainda o fato de o evento possibilitar uma maior integração entre o que é produzido nos principais centros de dança brasileiros e a Região Norte. 'É de grande importância essa troca de experiência. Temos sempre algo a aprender e sempre podemos colaborar em algo. A dança é um eterno aprendizado. E uma maneira deliciosa de se aprender é com esse modelo de intercâmbio. São duas regiões distantes, culturas diferentes e um amor que une a todos nós', afirma.

Welton também destaca a importância das oficinas oferecidas durante o evento. 'O Eidap sempre realiza espetáculos diversificados, com artistas convidados em todas as modalidades da dança, do Ballet Clássico ao Gyrokinesis Hip Hop. Os convidados realizam workshops para alunos e profissionais colaborando, e muito, com essa troca de informação. Essa experiência enriquece, engrandece e fortalece a dança na região. Esse contato direto com os artistas é de uma importância ímpar. Todos ganham com esse intercâmbio cultural', reforça. 

'Participar do principal evento de dança do Norte é sempre uma felicidade'

Para ele, uma das coisas mais gratificantes do evento é ver a participação efetiva do público em cada apresentação. 'Os espetáculos são todos lotados. O público é de uma gentileza incrível, uma hospitalidade e tanto. É de fazer muita inveja a outros estados, e olha que participo dos principais festivais de dança do País. A dança paraense, aos meus olhos, é sempre muito bem representada pelo Centro de Dança Ana Unger', diz.
 
O Encontro Internacional de Dança do Pará é uma promoção das Organizações Romulo Maiorana. Patrocínio: Formosa, Di Casa, através da Lei Semear de Incentivo à Cultura - Fundação Tancredo Neves e Governo do Estado do Pará. Apoio: Secult e IAP.