Google+ Badge

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Representantes da Universitec participam da do Seminário Internacional da IASP e do Seminário Nacional ANPROTEC,


Representantes da Universitec participam da ANPROTEC e apresentam trabalho científico.




Representantes da Agência de Inovação Tecnológica da UFPA- (Universitec) participam de 14, até o dia 17, do XXIII Seminário Nacional da Anprotec e da 30ª Conferência Mundial de Parques Científicos e Tecnológico IASP. O evento que é considerado um dos maiores nessa temática reunirá gestores de incubadoras, pesquisadores e empresários. O evento acontece em Recife e está sendo realizado pela IASP, pela Anprotec e pelo Sebrae e organizado pelo Porto Digital, com financiamento do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e da Secretaria de Ciência e Tecnologia de Pernambuco (Sectec), apoiado pelo CNPq e conta com o patrocínio da Prefeitura da Cidade do Recife, do BNDES, Chesf, CNI, Finep, ABDI .

Temas como a cultura do Empreendedorismo inovador, desafios para consolidação de habitats de inovação e a dinâmica de inovação nas universidades serão discutidos no evento. Ainda como parte da programação aconteceu o Fórum de Empresas Graduadas em Incubadoras. O Fórum tem o objetivo de contribuir a partir da troca de experiências e da ampliação das redes de Relacionamento para a proposição de estratégias voltadas para à superação de barreiras ao empreendedorismo e à Inovação. Estará participando do Fórum Fátima Chamma, da Empresa graduada na Incubadora PIEBT, Chamma da Amazônia. A empresa é um dos casos de sucesso da Incubadora, da UFPA uma das poucas da região Amazônica presentes no evento.

Na ocasião o diretor da Universitec, professor Gonzalo Enríquez, estará apresentando o artigo “Networks of technological innovation and its interaction with communities in the new Habitat for Innovation in Amazon” o único artigo, do norte do Brasil, dentre os 30 selecionados para serem apresentados nas sessões do seminário e publicados pela revista da Anprotec.

O trabalho toca, precisamente, no centro dos temas mais debatidos nas diversas conferência realizadas, a relação da inovação tecnológica, empreendedorismo e habitat de inovação, para promover o desenvolvimento de regiões e cidades, só que o trabalho do Enríquez apresenta um diferencial importante respeito dos demais trabalhos e debates sobre o tema. Considera fundamental pensar em novos habitat de inovação tecnológica, principalmente para regiões como a Amazônia, onde os atores são diversos , comunidades da floresta, pesquisadores, pequenas empresas que atuam no meio das regiões mais afastadas, atravessadores de produtos da biodiversidade, gestores municipais e, instituições de pesquisa, laboratórios, etc.

O foco não é somente a empresa, segundo Enríquez e sim também comunidades e pesquisadores que muitos deles moram junto com as comunidades.

Em seu pronunciamento o Ministro de Ciência Tecnologia e Inovação, Marco Antônio Raupp, afirmou estar disposto a apoiar e investir em ciência e Tecnologia, pois são instrumentos de discussão de politicas públicas, tecnologias limpas, inovação e questões sustentáveis. Esses ambientes agregarem valor as atividades econômicas do país.

“Os Parques e Incubadoras são ambientes de cooperação entre entidades de conhecimento (universidades) e entidades com a capacidade de transformar esse conhecimento em bens e serviços para a sociedade, por isso receberá cada vez mais investimentos”.

A história trás de novo para Belém, por segunda vez um evento de incubadoras de empresas e parques tecnológicos. Depois de ser um dos maiores encontros de incubadoras em 2000, 14 anos depois será realizado outro evento em Belém, agora no Parque Científico e Tecnológico do Guamá, que tem como gestor a Fundação Guamá, onde a Universidade, por meio da UNIVERSITEC, é parceira. Junto com outras parcerias será realizado o evento em 2014.

Dessa forma, a Universitec, que é a instituição que reponde pela transferência de tecnologia, propriedade intelectual, incubadoras de empresas e empreendedorismo da UFPA, será a parceira natural na realização do XXIV Seminário Nacional da ANPROTEC, que será realizado em Belém (PA), no período de 22 a 26 de setembro de 2014.
Texto e foto: hellen Lobato

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Secretário do MCTI é o primeiro brasileiro a integrar o painel das Nações Unidas



Assessorar o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, e outros dirigentes de agências, fundos e programas do organismo internacional no que diz respeito ao desenvolvimento sustentável. Essa é a missão dos integrantes do painel das Nações Unidas. E o primeiro brasileiro a integrar esse painel de 26 cientistas de alto nível é o secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Carlos Nobre.

De acordo com Nobre, esse painel tem a missão filtrar conhecimento científico e produzir documentos e reflexões na interface entre ciência e políticas públicas globais de sustentabilidade. “Mas ainda tem um enorme desafio, que é conseguir mais visibilidade mundial para essa agenda”, explicou.

Nobre recebeu o convite em 25 de setembro, data da sessão inaugural do Fórum Político de Alto Nível das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, em meio à 68ª Assembleia Geral das Nações Unidas.

Alto nível

Estabelecido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), o conselho inclui pesquisadores de diversas disciplinas naturais, sociais e humanas.

“Apesar de o nome ser Scientific Advisory Board, não se trata apenas de um grupo de cientistas que conhecem muito de um determinado assunto, mas um painel com especialistas em ética, economistas, sociólogos e outros profissionais que trabalham na fronteira dainteração entre sociedade, ciência e política pública de sustentabilidade, seja em mudanças climáticas, seja em oceanos, seja em biodiversidade”, observou Nobre.

A lista inclui 26 pesquisadores de 25 países de todos os continentes. “São pessoas influentes no meio científico, com muito conhecimento, que, portanto, ao aconselhar o secretário-geral e o sistema ONU, podem realmente fazer diferença, principalmente elaborando documentos reflexivos”, destacou o secretário.

(om iformações do MCTI)

domingo, 13 de outubro de 2013

'Faxina' virou pó

PAINEL

Campos Marina. Só no começo...

Apesar da recuperação na pesquisa Datafolha, Dilma Rousseff não retomou todo seu espaço no eleitorado de renda mais alta, que era refratário a Lula, mas que a presidente tinha conquistado nos primeiros anos de mandato. Em março, Dilma chegou a ter 51% das intenções de voto entre eleitores com renda superior a cinco salários mínimos. Despencou para 21% em junho e pontuou 31% agora. A erosão dá respaldo ao conselho de Lula para que a sucessora foque no eleitorado mais pobre.

Inflação Aécio Neves (PSDB) passou de 15% nas duas faixas mais altas de renda, em março, para 26%. Eduardo Campos (PSB) subiu de 5% para 17%. Marina Silva, que aparecia com 19% nesses grupos, hoje tem 35%.

Foco Após analisar a pesquisa, o governo vai intensificar as viagens de Dilma ao Nordeste para evitar o avanço de Campos e consolidar a vantagem da presidente na região, tradicional reduto do PT.

Menina dos olhos Uma das pontas de lança dessa operação será o Mais Médicos, concentrado em cidades do interior nordestino.

Hormônio O QG de Campos projetava na semana passada que o pernambucano só chegaria aos dois dígitos nas pesquisas em dezembro.

Que oposição? Eleitores críticos ao governo preferem Aécio a Campos, mas Marina é quem vai melhor nesse grupo. Entre quem julga Dilma ruim ou péssima, o tucano tem 33%, e o pessebista, 23%. Já Marina tem 43% desses votos, contra 27% de Aécio.

Fase de beijos Dilma tem melhor desempenho entre eleitores que não tomaram conhecimento sobre a aliança entre Marina e Campos. Ela tem 47% nesse grupo no cenário mais provável, contra 34% entre aqueles que se dizem "bem informados".

Marinou Já Campos tem seu melhor resultado no grupo de entrevistados bem informados sobre a coligação. Nesse extrato, ele empata tecnicamente com Aécio: vai a 24%, frente a 25% do mineiro.

Sem Lula Dilma voltou a crescer entre os eleitores que têm o PT como partido preferido. Depois de cair para 58% após os protestos, a presidente aparece com 71% no grupo.

Tela livre 1 Além de flexibilizar o entendimento sobre campanha antecipada na propaganda partidária, o vice-procurador-geral eleitoral, Eugênio Aragão, também acha que não cabe punição a políticos entrevistados em programas de TV, caso não peçam voto abertamente.

Tela livre 2 Pré-candidatos à Presidência fizeram périplo por programas populares nos últimos meses. Aécio foi alvo de representação de Sandra Cureau, antecessora de Aragão, por ter ido ao "Programa do Ratinho".

Alfarrábios Eduardo Campos anota todas as expressões de Marina que fogem ao seu "repertório", dizem aliados. Na última semana, tomou nota quando a ex-senadora falou que será necessário "metabolizar" a aliança e quando ela citou o psicanalista Jacques Lacan.


VERA MAGALHÃES painel@uol.com.br