Google+ Badge

sábado, 2 de julho de 2011

Alta do real reacende temor de guerra cambial e agrava problemas econômicos do Brasil


O real brasileiro atingiu sua cotação mais alta em 12 anos frente ao dólar na sexta-feira (1º), reacendendo o temor de guerra cambial no Brasil e agravando os problemas econômicos para a presidente Dilma Rousseff. A cotação do dólar atingiu R$ 1,5523, o valor mais baixo desde logo após a adoção do cambio flutuante em 1999, devido ao afluxo de investidores buscando ativos de maior retorno, após o alívio da crise da dívida grega.


O rápido crescimento econômico do Brasil e as altas taxas de juros reais de quase 6% tornam seus mercados altamente atrativos para os investidores estrangeiros, carentes de oportunidades de investimento nos mercados desenvolvidos.


“As taxas de juros americanas estão próximas de zero, as taxas de juros britânicas estão próximas de zero, as taxas japonesas estão próximas de zero e as taxas brasileiras estão em 12,25% –eu diria que esse é o xis da questão”, disse Neil Shearing, da Capital Economics em Londres.


A contínua valorização da moeda do país é uma dor de cabeça para o governo de Rousseff, que está preocupado com a perda de competitividade do setor industrial do país.


O Brasil tem sido um forte crítico da política monetária ultrafrouxa dos Estados Unidos, conhecida como alívio quantitativo, que é culpada por injetar liquidez na economia global.

O Federal Reserve (Fed, o banco central americano) encerrou nesta semana sua segunda rodada de compra de títulos, chamada de QE2. Grande parte dessa liquidez, argumenta o Brasil, tem fluido para os mercados emergentes, como os da América Latina, inflacionando os preços de ativos e forçando os governos a adotarem controles de capital defensivos.

Mas com o fim do alívio quantitativo, o governo terá que procurar outros motivos para a valorização do real.


Dados do banco central mostram que o investimento estrangeiro direto e os preços mais altos dos commodities são responsáveis por grande parte do afluxo de dólares neste ano, em vez de investimentos especulativos. 

Aproximadamente US$ 42,4 bilhões fluíram para o Brasil entre janeiro e abril deste ano, mais de cinco vezes do que no mesmo período no ano passado. Apenas aproximadamente US$ 7 bilhões disso foram destinados ao mercado de renda fixa.


Além disso, os lares japoneses continuam sendo firmes compradores de ativos brasileiros, com aproximadamente US$ 4 bilhões fluindo para o Brasil a cada mês, de investidores de lá.

O governo se mostrou disposto a permitir o fortalecimento da moeda nos últimos meses para combater o aumento da inflação, mas uma maior valorização provocará oposição dos poderosos lobbies industriais do Brasil.


Rousseff, uma economista, chegou à presidência com a promessa de reduzir as taxas de juros, mas teve suas mãos amarradas pelo aumento da inflação.


Shearing disse que a taxa de câmbio real da moeda brasileira frente ao dólar valorizou 12% desde sua alta pré-crise.


Grande parte da força da moeda vem dos preços recordes dos commodities, que ajudaram a limitar o déficit em conta corrente a aproximadamente 2,3% do produto interno bruto em maio.


“Se o nível das importações se mantiver o mesmo e os preços dos commodities voltarem aos níveis de 2005, nós reconhecemos que o déficit ficaria próximo de 5% do PIB, o que se aproximaria do território de risco”, disse Shearing.

Tradução: George El Khouri Andolfato
UOL/NOTÍCIAS/INTERNACIONAL

Jobim viaja à Europa para ampliar intercâmbio na área de defesa. Viaja sem idiotas

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, viaja nesta sexta-feira (1º/7) à Europa para uma série de encontros com autoridades da Inglaterra e da França. Os compromissos fazem parte da agenda internacional da pasta e têm o intuito de ampliar o intercâmbio com esses países na área de defesa.

Em Londres, Jobim terá reuniões com o secretário de Defesa do Reino Unido, Liam Fox, visitará instalações militares e assistirá demonstrações sobre equipamentos de segurança e inteligência que serão empregados nos Jogos Olímpicos de 2012. A agenda inclui também uma visita à base naval de Portsmouth, onde Jobim pretende conhecer de perto estaleiros de navios e corvetas britânicos.

Em Marselha, na França, além de participar de um seminário sobre economia e segurança internacional, o ministro irá manter contato com lideranças militares e diplomáticas no país. Jobim retorna ao Brasil em 10 de julho.

Presentão do governo ao Pão de Açúcar


Incentivo ao monopólio e ponto. E ninguém do Governo abre a boca. 

Neste País estão indo embora os homens honestos, éticos e que contribuiram com o Brasil contemçporâneo


sexta-feira, 1 de julho de 2011

E agora como é fica essa grande M........


Como devolvem a inocência do homem? e de muitos homens inocentes que foram injustamente condenados? quanto vale uma simples declara;áo de uma pessoas  para condenar pessoas? (neste caso camareira).

O ex-diretor-gerente do FMI Dominique Strauss-Kahn foi solto, pela Justiça de Nova York, sob condição de que irá voltar à corte e responderá processo criminal. A Justiça não devolveu o passaporte de Strauss-Kahn.

"Eu entendo que as circunstâncias deste caso mudaram substancialmente e concordo que o risco dele não aparecer aqui diminuiu. Eu solto Strauss-Kahn sob liberdade provisória", afirmou o juiz Michael Obus.
Obus também concordou em restituir a fiança de US$ 1 milhão e o depósito de garantia de US$ 5 milhões pagos quando Strauss-Kahn foi para prisão domiciliar, diz a emissora americana MSNBC.

Segundo Benjamin Brafman, um dos advogados de Strauss-Kahn, o ex-diretor geral do FMI "será declarado inocente"

Os últimos elementos relacionados ao caso "reforçam nossa convicção de que será declarado inocente (...). É um grande alívio", disse Brafman após a decisão da Justiça de Nova York.


Strauss-Kahn é acusado de tentativa de estupro contra uma camareira de hotel em maio passado.
O ex-diretor-gerente do FMI foi solto porque os promotores têm dúvidas sobre o testemunho da suposta vítima de Strauss-Kahn e consideram que a camareira mentiu repetidas vezes desde o dia 14 de maio, quando ocorreu o incidente em um quarto de hotel em Nova York.

Segundo o jornal "New York Times" a polícia descobriu supostos vínculos da vítima, uma guineana de 32 anos, com atividade criminosa, incluindo lavagem de dinheiro e tráfico de drogas.


Várias pessoas fizeram depósitos em dinheiro - que somaram US$ 100 mil - na conta bancária da suposta vítima nos últimos dois anos, e os promotores teriam conversas gravadas da camareira com indivíduos sobre o pagamento pela acusação de agressão sexual, destaca o jornal.

Leia mais no UOL

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Em homenagem a FHC, Maia destaca o 'homem de bem'

Na homenagem aos 80 anos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT-RS), saudou o tucano como um "homem de bem". Colocando de lado as diferenças partidárias entre PT e PSDB, Maia cumprimentou o ex-presidente, na solenidade realizada no auditório lotado do Senado Federal, por sua trajetória essencialmente democrática.

"Podemos ter divergências de conteúdo, discordância sobre alguns fatos, mas somos capazes de reconhecer em Vossa Excelência um homem de bem", discursou Maia, lembrando as diferenças programáticas entre PT e PSDB. O presidente da Casa também destacou o papel de Fernando Henrique na construção e consolidação da democracia brasileira. "Me sinto orgulhoso de poder dizer e afirmar que vivemos num País verdadeiramente democrático e Vossa Excelência tem muita responsabilidade nisso. Vossa Excelência é, na essência de sua trajetória, um democrata" disse o petista.

Maia reconheceu que era difícil tentar tirar votos de Fernando Henrique nas campanhas presidenciais de 1994 e 1998, quando o tucano venceu o então candidato a presidente pelo PT, Luiz Inácio Lula da Silva. "O eleitor reconhecia em seu trabalho um homem comprometido com os interesses maiores do Brasil e do povo brasileiro." 

(Agência Estado)

Infraestrutura da China

A ponte sobre o mar mais longa do mundo, que atravessa a baía de Jiaozhou da cidade de Qingdao, na província chinesa de Shandong, foi inaugurada nesta quinta-feira - Mais de 36 Kilómetros

Programa à pobreza extrema do MDS, sem nada novo e sem porta de saída para realmente diminuir a pobreza extrema

Em entrevista no Bom Dia Pará a Secretária Extrordinária de Combate à Pobreza Extrema do MDS, não conseguiu agregar nada novo ao que o governo federal já vem fazendo para combater à pobreza extrema. Apenas identifica que no Brasil quem recebe menos de R$ 70,00 encontra-se nessa situação. 16 Milhões de pessoas. Grande descoberta, o IBGE já dispunha dos dados.

Além da dificuldade de explicar as inovações que existem no MDS, só agrega que se está gastando mais recursos aprofundando o que já existe, a Bolsa Família, o resto é política pública inserida nos programas da obrigação do Estado. Nada extraordinário é apenas serviços públicos, saúde, educação, infraestrutura básica, etc.

Conclusão: mais dinheiro para Bolsa Família, inclusão produtiva por meio de mais recursos para costureiras, para pessoas fazer croche, tricô, paozinhos de qqueijo, etc.

a grande inovação que era proposta do Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) foi extinto. Era a real possibilidade de constituir uma porta de saída para o resolver o problema da pobreza de forma estruturante e não apenas com soluções puntuais.

terça-feira, 28 de junho de 2011

Os economistas estão diante de um novo e excitante momento

Antonio Delfim Netto
28/06/2011

Esse é um momento particularmente interessante para os economistas. 

A crise de 2007/09, que atingiu o sistema financeiro e interrompeu o "circuito econômico", já custou mais de 5% do PIB mundial e deixou desempregados mais de 30 milhões de honestos trabalhadores. Ela mostrou as limitações dos nossos conhecimentos de como funciona, de fato, o sistema econômico. 

, também, a precariedade do que parecia ser uma revolução científica: a construção da economia financeira, separada da macroeconomia, feita por pequenos economistas, supostos grandes matemáticos! O economista é um cientista social que procura entender como funciona o mundo real (e não impor-lhe o que gostaria que ele fosse). Tenta encontrar algumas regularidades e organizar histórias plausíveis sobre elas. 

O resultado do seu trabalho deve ajudar a lubrificar o funcionamento das instituições que levam ao desenvolvimento sustentável com justiça social. Os economistas estão diante de um novo e excitante momento Nem toda atividade social é de interesse da economia, mas toda atividade econômica é de interesse social. O agente econômico é um animal mais complicado do que supúnhamos: aprende com uma racionalidade limitada inserido num universo de incertezas. 

O individualismo metodológico e os agentes representativos que estão na base das nossas construções teóricas são insuficientes para entender o fenômeno das redes que dominam o universo social, da tendência à imitação dos agentes e da segurança que a norma lhes dá. 

Eles certamente movem-se por estímulos e interesses, mas num espaço social, numa rede na qual cada um é apenas um elemento, o que condiciona as suas escolhas. A pobre discussão que envolveu a ideia de "Estado mínimo", por exemplo, era apenas uma ação ideologicamente motivada. Na verdade, não existe "mercado" sem um Estado capaz de garantir as condições de seu funcionamento. 

Numa larga medida, a forma de organização do sistema produtivo é ditada pelos que detêm o poder político e formulam a política econômica que serve aos seus interesses. A sua construção teórica e a formalização para justificá-la também são um produto ideológico.

Leia o artigo do  Antonia Delfim Neto completo no Valoronline.com

Em esta tarde gris

Yo tengo tantos hermanos....

domingo, 26 de junho de 2011

Suicídio da agricultura


FOLHA DE S. PAULO
Domingo, 26 de junho de 2011

RUBENS RICUPERO

Excelente desempenho da atividade econômica só vai se sustentar se o Brasil encontrar uma solução para os desafios do ambiente. Se a agricultura brasileira não conseguir sustentar a impressionante trajetória das últimas décadas, será devido à incapacidade de resolver com inteligência o desafio do meio ambiente.

Talvez não haja na história econômica do Brasil nenhum exemplo tão indiscutível de transformação de eficiência e produtividade como na agropecuária. Essa modernização só se tornou possível graças à pesquisa tecnológica, que erradicou o pessimismo sobre a agricultura tropical.

A tecnologia, afirma-se, permitiria expandir a produção sem devastar mais a floresta e o cerrado que restam. Os 70 milhões de hectares de pastagens degradadas poderiam servir de reserva à expansão agrícola ou florestal.

Em teoria, tudo isso é verdade. 

Na prática, o que se vê é pouco. Sinais positivos como o aumento de produção em proporção maior do que a expansão da área plantada são largamente compensados pela destruição. De forma inexorável, a fronteira agrícola avança rumo ao coração da floresta amazônica.

O choque da devastação em Mato Grosso estimulada pelo projeto de lei aprovado na Câmara provocou a mobilização do governo em verdadeira operação de guerra. O resultado foi pífio: a destruição apenas se reduziu marginalmente.

Essa mesma desproporção entre esforços de preservação e resultados precários, geralmente revertidos logo depois, caracteriza o panorama de desolação em todas as regiões e em todos os biomas: mata atlântica, caatinga, Amazônia, cerrado, árvores de Carajás convertidas em carvão para o ferro-gusa.

As entidades do agro protestam que suas intenções são progressistas. 

Contudo o comportamento de parte considerável de seus representados desmente as proclamações. Mesmo em Estado avançado como São Paulo e lavoura rentável como a da cana, quantos recuperaram as matas ciliares de rios e nascentes?

Tem-se a impressão de reeditar o debate sobre o fim da escravatura.
Todos eram a favor, mas a unanimidade não passava de ilusão.

É fácil concordar sobre os fins; o problema é estar de acordo sobre os meios e os prazos. Sempre que se falava em datas, a maioria
desconversava: o país não estava preparado, era preciso esperar por futuro incerto e distante.

Em 1847, um agricultor esclarecido, o barão de Pati de Alferes, se escandalizava com a aniquilação da mata atlântica no manual prático que escreveu sobre como implantar uma fazenda de café: "Ela mete dó e faz cair o coração aos pés daqueles que estendem suas vistas à posteridade e olham para o futuro que espera seus sucessores".

De nada adiantou: o café acabou devido à destruição dos solos. A joia da economia imperial deu lugar às cidades mortas fluminenses e paulistas. Não foi só naquela época. No auge da pecuária no vale do rio Doce, como lembra o ex-ministro José Carlos Carvalho, um hectare sustentava 2,8 cabeças de gado; hoje, mal chega a 0,6!

Produto do passado da erosão e da secagem das nascentes, o processo agora se acelera por obra do aquecimento global, que atingirá mais cedo e mais fortemente áreas tropicais como o Brasil. Sem compatibilização entre produção e ambiente, o destino da agricultura será o do suicídio dos fazendeiros fluminenses e do rio Doce.

Mulheres escondem celular em orgãos genitais

Na manhã deste sábado (25), duas mulheres foram detidas ao tentar entrar com três celulares no CRPP I (Centro de Recuperação Penintenciário do Pará I), em Santa Isabel do Pará.

Elas estavam com os aparelhos escondidos nos órgãos genitais e ao passarem pelo detector de metais foi acusado que portavam algum tipo de objeto estranho. Foi quando na revista manual, realizada por agentes de plantão, os telefones foram encontrados.

As duas mulheres, que são parentes de detentos do presídio, foram detidas e encaminhadas para a Delegacia de Santa Izabel do Pará, onde o caso foi registrado. Elas podem responder pelo crime de tentativa de facilitação de fuga. (DOL)

Deputados já ensaiam reação contra a Lei Kandir



A Assembleia Legislativa começa a se posicionar contra a Lei Kandir, criada em 1996 para desonerar as exportações de produtos primários e semielaborados do país e também sobre a política nacional de royalties. Os deputados estaduais se articulam para pressionar o governo federal por uma reforma fiscal justa para os Estados exportadores, como o Pará, que contribui com grande parte da balança comercial do país, principalmente com a exportação de madeira e minério, mas entre 1997 e 2010 acumulou um prejuízo fiscal de mais de R$ 20 bilhões, conforme estudo realizado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE). 

A Comissão de Estudos da Lei Kandir, formada na AL, proporá mudanças na Lei ao Congresso Nacional, debate que será incrementado nesta segunda-feira, 27, em sessão especial realizada pela comissão e que contará com especialistas em questões fiscais, representantes das entidades empresariais e comerciais paraenses, das secretarias estaduais de Fazenda, Orçamento e Ciência e Tecnologia, entre outros participantes. A sessão começará às 9h com a previsão de durar a manhã inteira.

A Lei Complementar nº 87 entrou em vigor em 13 de setembro de 1996. Recebeu a denominação de Lei Kandir, porque o autor da proposta foi o então deputado federal Antônio Kandir (SP). A lei determina que os impostos dos Estados nas operações de exportação de produtos primário e semielaborados, relativas à circulação de mercadorias e serviços (ICMS) são isentos de tributos. 

Para compensar a isenção de ICMS os Estados seriam compensados financeiramente pelo governo federal. Na prática, essa compensação ocorreu apenas até 1999. De lá pra cá, as verbas compensatórias aos Estados exportadores têm sido ínfimas, em relação ao volume das exportações produzidas. (Diário do Pará)

Iterpa dá canetadas contra a burocracia

Os ventos da desburocratização começam a soprar forte na emperrada estrutura do Instituto de Terras do Pará, o Iterpa. Dois atos baixados recentemente pelo presidente do instituto fundiário estadual, Carlos Lamarão, têm a mesma finalidade: impor maior racionalidade e eficiência aos serviços e melhorar o atendimento. A remoção de entulhos burocráticos e o fim dos chamados “embargos de gaveta” deverão resultar, segundo a expectativa de Carlos Lamarão, em maior agilidade nas tomadas de decisão e nas respostas às demandas da sociedade paraense.

Uma das medidas com esperado impacto junto ao setor produtivo rural, incluindo os pequenos colonos, diz respeito à expedição de certidões de títulos e registros de terras. Através de instrução normativa, a primeira baixada pela presidência do Iterpa no atual governo, a direção do Instituto se dispõe a minimizar, e se possível eliminar, as dificuldades atualmente registradas no atendimento à enorme demanda de processos e certidões em curso nos seus diversos setores. Ele disse que ainda está sendo feito um levantamento para precisar o número de pedidos de certidão ‘adormecidos’ nas gavetas do Iterpa, mas admitiu que são muitos. “São centenas e centenas”, completou.

As dificuldades no atendimento derivam, segundo Carlos Lamarão, de exigências técnicas e documentais impostas aos interessados e consideradas, em sua quase totalidade, não essenciais ou mesmo dispensáveis. Resultou daí, segundo ele, a urgente necessidade de simplificar, tanto quanto possível, o exame e encaminhamento dos pedidos de certidões de títulos, registros e demais documentos que integram o acervo fundiário do Estado sob a guarda e responsabilidade do Iterpa.

“Nós concluímos que é preciso simplificar as coisas, até como forma de abreviar o fornecimento de informações e esclarecimentos que permitam aferir a regularidade da posse e da propriedade das áreas rurais ocupadas por particulares”, disse Carlos Lamarão. Acrescentou que poderão ser objeto de certidão, por determinação expressa da instrução normativa, todos os fatos que constem dos arquivos do Iterpa.
Os requerimentos de certidão deverão indicar as razões do pedido e serão instruídos com os documentos pessoais do requerente, se pessoa física, e a relação e especificação dos dirigentes, além do ato ou atos constitutivos, tratando-se de pessoa jurídica, além daqueles que comprovem, em ambos os casos, a legitimidade de interesse postulatório sobre o objeto a ser certificado.

A legitimidade será comprovada através de certidão atualizada de filiação dominial, fornecida pelo registro de imóveis competente, ou por meio de documentos públicos ou privados que estabeleçam os elos sucessórios de direitos entre o requerente e o primitivo beneficiário. 

(Diário do Pará)

Já preparam a 2ª ‘privatização’ da Telebrás

* Quanto saiu a demissão de Rogério Santanna da presidência da Telebrás, comentei com pelo menos dois colegas: “Agora só falta essa turma preparar para vender parte do capital da empresa, hoje majoritariamente nas mãos do governo, sob alegação de que precisam de dinheiro para tocar o PNBTeles para a frente”….

Não deu outra.

Com o mercado financeiro ainda aberto, olhem o que acaba de sair na Agência Reuters. Palavras ditas pelo presidente da empresa, ao arrepio da Lei das S/A e da Comissão de Valores Mobiliários:

Telebrás busca parcerias e pode considerar novo sócio 
Reuters – 22/06/2011 
SÃO PAULO (Reuters)Prestes a iniciar suas operações de venda de banda larga e com o desafio de promover a inclusão digital no Brasil nos próximos três anos, a Telebrás está ativamente em busca de parcerias e pode, inclusive, considerar a entrada de um novo sócio em seu capital, afirmou o presidente da estatal nesta quarta-feira.

Se concretizadas, estas medidas fortalecerão a rede e o capital da companhia, visando cumprir a meta do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL) de alcançar domicílios em todo o país até 2014.
“Até o final de novembro ou meados de dezembro queremos ter o backbone (rede principal) do Nordeste e do Sudeste já operacional, com possibilidade de atender mais de 1.000 municípios”, disse Caio Bonilha, presidente da Telebrás, em entrevista à Reuters 
Para isso, contudo, a companhia conta apenas com um reduzido quadro de funcionários (cerca de 200) e um “orçamento limitado” de 350 milhões de reais –como afirmou o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, em um evento na semana passada em São Paulo– e deve buscar o auxílio de parcerias para avançar com o plano.

“Em um primeiro momento, o financiamento é feito pelo Tesouro, mas buscamos parceiros em projetos especiais, como para ampliar o atendimento com fibra ótica”, disse Bonilha. “Não está descartado que novos sócios entrem na Telebrás, embora não seja prioridade no momento”, completou o executivo, acrescentando que neste caso o governo manteria o controle.

Atualmente, o governo federal possui mais de 70 por cento do capital total da companhia. (O acionista controlador da Telebrás, a União detém 89,88% das ações com direito a voto e 72,67& do capital total. ou seja, são quase 90% das ações com direito a voto).

Segundo Bonilha, a Telebrás ainda não estuda a possibilidade de emitir ações para financiar investimentos. “Estamos focados na primeira fase (do PNBL) de instalação de infraestrutura”.

CONTRATOS

Pelo PNBL, a Telebrás planeja construir uma ampla rede de fibra ótica em todo o Brasil para fornecer infraestrutura de banda larga no atacado, ou seja, oferecer conexão para que provedores de internet e operadoras de telefonia vendam serviços de acesso rápido à Internet ao consumidor final, ao preço de 35 reais por mês.

A infraestrutura montada pela companhia deve atender tanto áreas sem cobertura de Internet quanto regiões como São Paulo e Rio de Janeiro, que já possuem redes instaladas, mas registram “gaps (vazios) de atendimento, principalmente em periferias”, disse o executivo. 
Há duas semanas a Telebrás assinou seu primeiro contrato de banda larga dentro do PNBL, com o provedor local de acesso Sadnet, em Santo Antônio do Descoberto (GO).

A fase de testes e montagem de equipamentos está na reta final e o fornecimento da infraestrutura ao provedor em Goiás, a primeira venda de serviços de banda larga da estatal, deve ser iniciado no princípio de julho.

Mais seis contratos devem ser assinados nos próximos dias, adiantou Bonilha, sem revelar quais seriam as empresas contratantes. 
Ele afirmou também que a Telebrás tem que ser lucrativa e “criar valor para o acionista”, o que deve vir, além dos projetos assinados dentro do plano do governo, da venda de infraestrutura para companhias fora do PNBL.

“Se ele (o provedor) se inscrever na regra do PNBL, ele tem um preço de venda (de 35 reais por Mbps), mas, se quiser mais banda para atender outros clientes, como o segmento corporativo, cobraremos preço competitivo do mercado”, afirmou Bonilha.

* Tá difícil companheirada, tá ficando muito difícil….
 
Postado por Luiz Queiroz em Blog Capital Digital,