Google+ Badge

sábado, 21 de junho de 2014

Lema do PT: Dilma vai mudar porque deu certo




Engolfada por uma onda de impopularidade, a pior que seu governo já enfrentou, Dilma Rousseff é relançada à Presidência como a mudança de si mesma. Lula e o PT informam que o primeiro mandato de Dilma deu muito certo. Deu tão certo que terá de mudar. A única crise que o país enfrenta é de semântica. Mas isso será rapidamente solucionado quando João Santana puder explicar na propaganda eleitoral o que é “dar certo”.

O povo anda meio irascível. Ouvida pelos institutos de pesquisa, mais de 70% da sociedade cobra mudanças. Lula e o PT avaliam que a sociedade está correta, muito correta, corretíssima. O que está errado é o mau humor da sociedade. A irritação da sociedade só existe porque a elite e a mídia golpista desinformam o país. Logo, logo João Santana revelará toda a verdade: depois que Lula e Dilma inventaram a felicidade, a sociedade exige ficar ainda mais feliz.

A reeleição de Dilma é o passaporte para a felicidade, informam Lula e o PT. A satisfação plena pode ser apalpada no slogan da campanha: “Mais Mudanças, Mais Futuro”. Ah, o futuro! Um espaço impreciso que a propaganda se encarregará de tornar concreto. Grande sacada do João Santana! No futuro cabe tudo. O futuro não pode ser cobrado. O futuro não pode ser conferido.

Os pessimistas decerto perguntarão: que fim levou 2011, futuro de 2010? E 2012, futuro de 2011? E 2013, futuro de 2012? E o que será de 2014, ainda tão presente e já premido pela visão do pretérito passando? Lula e o PT, otimistas a mais não poder, respondem: com Dilma, a sociedade não perde por esperar. Ganha. No momento, a sociedade flerta com a alternância do poder. Mas João Santana demonstrará que é tolice fixar um prazo para a felicidade. Vem aí Lula-2018.

Josias de Souza




PT oficializa candidatura de Lindbergh Farias ao governo do Rio e apoio a Romário ao Senado pelo PSB



RIO - Sem a presença do candidato Lindbergh Farias, o PT do Rio encerrou na manhã desta sexta-feira a convenção regional que ratifica a candidatura do senador ao governo do Estado. O evento durou menos de 10 minutos e aconteceu no auditório da sede do partido, com cerca de 50 lugares, a porta fechadas, sob a liderança do presidente regional, Washington Quaquá.

Além de Lindbergh, não estavam presentes lideranças regionais, como a ex-governadora e deputada Benedita da Silva e o vice-prefeito Adilson Pires, coordenador regional da campanha à reeleição da presidente Dilma Rousseff no Estado. A imprensa foi convidada a aguardar do lado de fora do auditório.

A indicação de vaga para o Senado para o deputado e ex-jogador Romário, que é do PSB, foi aprovada na convenção do PT e a expectativa é que Lindbergh irá ao PSB para confirmar o convite no início da tarde. A convenção do PSB do Rio é neste fim de semana.

O PT do Rio está dividido entre a candidatura própria e o apoio ao PMDB do governador Luiz Fernando Pezão, também candidato.


(Renata Batista | Valor )

PT. Nosso olhar não é a aldeia, é a eleição presidencial


Aqui somos aldeia....

PT deve fechar alianças com partidos de oposição

BRASÍLIA - A Executiva Nacional do PT irá decidir na próxima quinta-feira sobre coligações regionais de última hora do partido para este ano. O PT poderá fechar alianças com candidatos de partidos que fazem oposição no plano nacional.

Já está praticamente definido o apoio petista à candidatura ao Senado do deputado Romário (PSB), que em troca apoiaria formalmente a candidatura ao governo do Rio de Janeiro do senador Lindbergh Faria (PT). A atual candidata a vice na chapa de Lindbergh, a deputada Jandira Feghali (PCdoB), deverá se candidatar a um novo mandato na Câmara.

No Pará, o PT discute a entrada do DEM na chapa majoritária indicando um candidato a vice para o pemedebista Helder Barbalho, candidato a governador. A sigla poderá apoiar candidatos do PV em Tocantins e Sergipe.

“Nosso olhar não é a aldeia, é a eleição presidencial e compor com partidos que tem outro candidato a presidente em alguns estados converge para isso”, disse o deputado estadual Durval Angelo (MG), que participou nesta sexta-feira da reunião do Diretório Nacional do PT em Brasília.

A Executiva Nacional deverá ainda intervir na formação de alianças no Amapá e no Maranhão, para forçar o apoio local ao PMDB do senador José Sarney (AP) e seus aliados. O partido cogita lançar candidatura própria ao governo no Espírito Santo, já que o ex-governador Paulo Hartung (PMDB), que era o cabeça de chapa, demonstra maior interesse em disputar um novo mandato ao Senado. Também serão arbitradas alianças no Rio Grande do Norte, Amazonas, Rondônia e Alagoas.

(César Felício e Cristiano Zaia | Valor)

“Se em 2002 a esperança venceu o medo, desta vez a verdade vai vencer a mentira e a desinformação”


Se existe desinformação não é culpa da oposição. Resulta cômico terceirizar a responsabilidade sobre a informação, como se fosse a oposição que governasse. 



BRASÍLIA  -   - A presidente Dilma Rousseff afirmou, logo após ser proclamada candidata à reeleição por aclamação pelo PT, que “o Brasil quer seguir mudando, pelas mãos daqueles que já provaram que tem capacidade de transformar”. Com queda na aprovação popular, Dilma inicia a campanha tentando dividir com a oposição o desejo de mudança já manifestado pelo eleitorado em pesquisas de opinião. O tom do discurso de Dilma foi belicoso. “Se em 2002 a esperança venceu o medo, desta vez a verdade vai vencer a mentira e a desinformação”, afirmou. 

Dilma disse que governou em um cenário de crise econômica internacional, que semeou nos países “uma avassaladora desesperança”, da qual o Brasil teria escapado. “O Brasil soube defender como poucos países o que é mais importante: o emprego e o salário do trabalhador”. A presidente definiu como “completamente desastrosa” as políticas de ajuste fiscal, alta de juros e privatizações que foram adotadas por “eles”, em uma referência ao governo de Fernando Henrique Cardoso (1995-2002). 

A presidente afirmou que a Petrobras está fortalecida e citou como realizações o modelo de partilha do pré-Sal, as políticas de cotas raciais, os programas de ensino técnico (Pronatec) e o programa Mais Médicos. “Não fui eleita para trair a confiança do meu povo e para arrochar o salário do trabalhador. Não fui eleita para vender o patrimônio público e colocar de novo o país de joelhos. Esta não é minha receita”, disse. 
Por César Felicio e Raymundo Costa | Valor



quarta-feira, 18 de junho de 2014

A verdadeira ROJA é Chile!








O 10% não deu





Mensalão volta a assombrar o PT


A três meses e meio da eleição, dirigentes do PT avaliam que nunca antes, desde 2005, os efeitos do mensalão se fizeram sentir sobre o partido como agora, nas eleições de 2014. A situação é atribuída sobretudo ao desgaste produzido pelo julgamento da Ação Penal 470, entre agosto e dezembro de 2012.

Foram 53 sessões do Supremo Tribunal Federal (STF), transmitidas ao vivo pela televisão, que expuseram as vísceras do PT e do governo Lula. Em 2013 foram à pauta os embargos infringentes, sem tanta audiência quanto o julgamento da AP 470, mas o bastante para enxovalhar a imagem do partido mais popular do país. Dirigentes históricos foram presos.

Nas duas eleições realizadas desde então (2006 e 2010), Luiz Inácio Lula da Silva foi reeleito e elegeu Dilma Rousseff sucessora. Ambas decididas no segundo turno. Os efeitos do mensalão foram moderados na eleição para a Câmara, em 2006 - o partido caiu de 91 para 83 deputados, mas se manteve entre os grandes da Câmara.

Partido avalia que só agora sente efeitos da Ação Penal 470

No período que antecedeu o julgamento da AP 470 - a ação do mensalão -, a direção do PT bem que tentou transformar o escândalo numa página virada. Acabou aprisionada no discurso de que os acusados de participar do esquema tiveram um julgamento político. Não funcionou.

Prova disso é que o presidente do STF e relator da AP 470, Joaquim Barbosa, tocaiado pelo PT durante todo o julgamento, é o segundo mais influente cabo eleitoral do país. Segundo a última pesquisa Datafolha, 36% dos entrevistados responderam que votariam num candidato indicado por Lula, enquanto 26% apoiariam um nome apoiado por Barbosa - a ex-senadora Marina Silva (PSB, ligada ao Rede Sustentabilidade) ficou em terceiro com 18%.

Em algum momento do processo eleitoral de 2014, o PT julgou que poderia eleger uma superbancada para a Câmara dos Deputados. Houve quem falasse em 130 deputados federais. Mas isso foi antes de junho de 2013, quando a presidente Dilma ainda sustentava índices de aprovação na casa dos 57%.

Na esteira do mensalão, o PT perdeu alguns de seus principais puxadores de votos, como José Dirceu, João Paulo Cunha e José Genoino, em São Paulo. O partido agora aposta no ex-presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, para puxar votos no Estado. Mas por enquanto ele é apenas isso mesmo: uma aposta.

Com a queda de Dilma nas pesquisas e Lula no banco de reservas, cada vez com menos chances de entrar em campo no lugar da presidente, o PT se articulou para construir pelo menos uma fortaleza em um dos três maiores colégios eleitorais do país: São Paulo, Minas Gerais e Rio. Se perder a eleição presidencial, o governo de um desses três Estados será importante para a reestruturação do partido. Basta lembrar que São Paulo e Minas é que asseguraram a sobrevivência do PSDB, nesses quase 12 anos de exílio do governo federal.

Não é à toa que o PT comprou uma briga com o PMDB, no Rio de Janeiro. Pelas pesquisas conhecidas, o senador Lindbergh Farias tem hoje tanta possibilidade de se eleger para o governo do Estado quanto seus principais adversários do PMDB (Luiz Fernando Pezão) e do PDT (Anthony Garotinho). Mas quando Lula abraçou o nome de Lindbergh, no ano passado, o PT tinha uma expectativa mais otimista em relação à candidatura do ex-presidente da UNE.

A avaliação sobre as possibilidades de Alexandre Padilha, na disputa pelo governo de São Paulo, também já foi melhor. Ele corre o risco o até de ser largado ao mar, se Paulo Skaf comprovar que pode ser o nome dos partidos aliados no segundo turno.

Em nenhum Estado o PT é o grande favorito. A exceção é Minas, o único dos três maiores colégios eleitorais em que lidera as pesquisas. O que não deixa o PT mais otimista em relação ao futuro de seu candidato, o ex-ministro Fernando Pimentel. Natural. Em Minas, o apoio de Aécio Neves (PSDB) tem tudo para ser decisivo na eleição para o governo.

Dilma foi muito pressionada por uma parte do PT a prestar solidariedade aos réus do mensalão, mas manteve-se à distância, baseada nas pesquisas. Entre partidos aliados do governo, avalia-se que o PT também "puxa" Dilma para baixo, nas pesquisas.

O mensalão é só o eixo. Há o escândalo envolvendo a Petrobras, mais recente, e outros que só agregaram valor à associação feita da imagem do PT com a corrupção. De Erenice Guerra, acusada de tráfico de influência quando Dilma ainda era candidata, ao deputado André Vargas (PT-PR), que não consegue explicar sua relação com o doleiro Alberto Youssef, passando pelas consultorias do ex-ministro Antonio Palocci.

A direção do PT já se deu conta do estrago que o tema corrupção, um dos estandartes das manifestações de junho passado, pode representar nas eleições. A palavra de ordem de Lula é para o partido é dar respostas imediatas às denúncias, como aconteceu recentemente com o deputado André Vargas, "convidado" a se desfiliar do partido (O PT fez isso com Delúbio Soares, no escândalo do mensalão, mas depois readmitiu o seu ex-tesoureiro). Luiz Moura (PT-SP), flagrado numa reunião com um integrante da facção criminosa PCC, foi suspenso.

A questão da corrupção, parece ser mais latente em São Paulo, onde o partido enfrenta outros problemas, como a rejeição à administração do prefeito Fernando Haddad. Impressionam os índices de São Paulo, medidos pelo Datafolha. O secretário-geral do PSD, Saulo Queiroz, ficou particularmente intrigado com as simulações de segundo turno. Dilma perde até para Eduardo Campos, por 43% a 34%. "Estes números não teriam grande significado se na lista de primeiro turno a disputa trouxesse uma informação de razoável equilíbrio", analisa. "Não foi o caso. Na lista plena Campos teve apenas 6% de indicação".

O senador Aécio Neves (PSDB), o candidato no encalço de Dilma, já tenta tirar proveito dessa situação. Numa comparação de sua candidatura com a de Eduardo Campos, o tucano disse que ele é o "adversário histórico do PT". Campos, até bem pouco tempo, convivia sob o mesmo teto com Lula e a presidente Dilma.

Raymundo Costa é repórter especial de Política, em Brasília. Escreve às terças-feiras

E-mail: raymundo.costa@valor.com.br

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Marina critica coligações a 6 dias de selar aliança PSB-PSDB em SP




“Não estou nem aí”

Barbosa sobre debate de cotas no Judiciário


BRASILIA - Após sua última sessão como presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o ministro Joaquim Ba rbosa, que também preside o Supremo Tribunal Federal (STF), disse não estar “nem aí” sobre a continuidade de uma discussão sobre cotas para negros e índios no Judiciário - assunto que entrou em pauta na sessão desta segunda-feira com uma pesquisa sobre os juízes brasileiros.

“Não sei e estou de saída. Es ist mir ganz egal (em tradução livre do alemão, ‘para mim, tanto faz’). Não estou nem aí”, declarou o ministro, batendo as mãos uma contra a outra, em gesto de indiferença. A resposta ocorreu ao ser indagado se o primeiro Censo do Judiciário, divulgado nesta segunda-feira pelo CNJ, poderia resultar em políticas de cotas para negros e índios nos tribunais brasileiros.

A pesquisa mostrou que apenas 1,4% dos juízes brasileiros são negros e 0,1% indígenas. Outros 14% declararam-se pardos e 82,8%, brancos. O censo foi feito justamente para embasar um pedido de providências sobre cotas no Judiciário.

Barbosa também se recusou a fazer um balanço sobre sua gestão à frente do CNJ. Segundo ele, há balanços de ordem financeira, orçamentária, administrativa e disciplinar. “Infelizmente vocês nunca querem saber”, disse a jornalistas ao deixar sua última sessão como presidente. Barbosa se aposenta como ministro do STF no fim de junho.

Por Maíra Magro | Valor