Google+ Badge

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Lançado livro sobre hidrelétricas na América Latina. Paraense um dos autores

Publicação é resultado de debates entre procuradores de diversos países da região


Felício Pontes Júnior, um dos autores da obra 
Arquivo. Beth Begonha

O procurador do Ministério Público Federal no Pará Felício Pontes Júnior, um dos autores da obra sobre hidrelétricas na América Latina, é o entrevistado desta quinta-feira (30) doAmazônia Brasileira. Ele fala sobre o livro, lançado por membros do Ministério Público da América Latina e pesquisadores, que aborda os impactos causados pela instalação de hidrelétricas na região e a maneira como o MP trabalha para evitá-los ou minimizá-los.

Hidrelétricas e atuação do Ministério Público na América Latina registra a importância de tratar os impactos causados pelas hidrelétricas de forma integrada, observando os efeitos acumulados da instalação de diversas usinas em uma mesma região. A publicação apresenta também propostas para que poder público, empresas e cidadãos possam aprofundar a análise e o tratamento das questões socioambientais ligadas a esses impactos, principalmente na região amazônica do Brasil, Equador e Peru. O livro é organizado por Felício Pontes Júnior, pelo promotor de Justiça em Minas Gerais Leonardo Castro Maia e pela procuradora de Justiça no Rio Grande do Sul Sílvia Capelli.

A obra está disponível para download em PDF na internet.

Matéria da Rádio Nacional da Amazônia/EBC, publicada pelo EcoDebate, 31/01/2014

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Se somente atinge 4%, para que tira esse benefício?


O Liberal. 

Novos capítulos da mesma novela



Diário do Pará 

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Se o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) fosse branco?

Barbosa rebate críticas de João Paulo Cunha





O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, reagiu ontem à crítica do deputado João Paulo Cunha (PT-SP), publicada domingo na "Folha de S.Paulo", de que tem feito "pirotecnia" em relação a seu mandado de prisão no esquema do mensalão. "Esse senhor foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal, pelos 11 ministros do STF. Eu não tenho costume de dialogar com réu. Eu não falo com réu", disse Barbosa, ao chegar a Londres. "Não faz parte dos meus hábitos, nem dos meus métodos de trabalho ficar de conversinha com réu", ressaltou.

O ministro criticou a imprensa brasileira por dar espaço a declarações de condenados no esquema do mensalão: "Eu tenho algo a dizer: eu acho que a imprensa brasileira presta um grande desserviço ao país ao abrir suas páginas nobres a pessoas condenadas por corrupção. Pessoas condenadas por corrupção devem ficar no ostracismo. Faz parte da pena."

Na entrevista, o deputado disse que falta "civilidade, humanidade e cortesia" ao presidente do STF. Barbosa decretou a prisão do petista, mas viajou à Europa sem assinar o mandado dele. O ministro mostrou-se irritado com a entrevista de Cunha: "A imprensa tem de saber onde está o limite do interesse público. A pessoa quando é condenada criminalmente perde uma boa parte dos seus direitos. Os seus direitos ficam em hibernação, até que ela cumpra a pena. No Brasil, estamos assistindo à glorificação de pessoas condenadas por corrupção à medida que os jornais abrem suas páginas a essas pessoas como se fossem verdadeiros heróis."

Barbosa desembarcou em Londres depois de cinco dias em Paris para encontros oficiais. Ele fica até amanhã na capital britânica, onde também tem uma agenda de compromissos. Questionado, ele não quis dizer se assina semana que vem o mandado de prisão de João Paulo Cunha.

Ontem, o site criado para receber doações com o objetivo de ajudar Delúbio Soares a pagar a multa imposta ao ex-tesoureiro por sua participação no esquema do mensalão mostrava arrecadação de R$ 242.421,37. O montante equivale a mais da metade dos R$ 466.888,90 que o petista tem que pagar até a sexta-feira. Delúbio cumpre pena de 6 anos e 8 meses em regime semiaberto por corrupção ativa. Ele recebeu autorização para trabalhar na Central Única dos Trabalhadores (CUT), em Brasília, onde atua como assessor da direção nacional da entidade.

A página "Solidariedade a Delúbio Soares" foi criada na terça-feira, após o site "Parceiros da família Genoino" ter arrecadado uma quantia superior à necessária para pagar a multa de R$ 667,5 mil, à qual Genoino foi condenado.

Por Folhapress, de Londres e São Paulo

domingo, 26 de janeiro de 2014

Entraram em campo de salto alto e deu no que deu

Foi muito dinheiro investido para experimentar a pior derrota dos dois últimos anos. Foi avião trazendo jogadores contratados, outros atravessaram a avenida, saíram da Curuzu e foram para o outro lado, com muito dinheiro no bolso, que desde o ano passado o Paysandu pagava, para o "maestro" não jogar. 

Foi jogo de bastidores, um dia antes ofereceram ao Yago Pikachu R$ 8 milhões para mudar de lado ou ir para um clube do sul ou centro oeste. Mas nada de jogo no domingo. O pobre mordeu a isca e não jogou, mesmo descumprindo contrato. 

Não foi necessário, nem Eduardo Ramos fez falta, nem Yago Pikachu desfalcou o Paysandu. 

Primeiro tempo foi Bicolor de lado a lado. 




O Paysandu venceu o primeiro clássico da temporada 2014 e entra na semana do centenário na liderança do primeiro turno do Campeonato Paraense. O Papão derrotou o Clube do Remo por 2 a 1, na tarde deste domingo (26), no estádio Mangueirão, em Belém, recebendo um grande público.

Acompanhe como foi o lance a lance do Superclássico da Amazônia


O inicio da partida foi nervosa, com poucas chegadas de ataque das duas equipes e aos poucos, azulinos e bicolores chegavam com perigo ao gol adversário. Na primeira tentativa, Eduardo Ramos cobra escanteio e o zagueiro Rogelio cabeceou assustando o goleiro Matheus. O defensor azulino acabou falhando no primeiro gol bicolor.

Aos 16 minutos do primeiro tempo, Djalma cruza e o meia Héverton acabou dividindo com o zagueiro remista, que acabou tocando por último na bola e marcou gol contra. Em vantagem, o Paysandu pressiona o Remo e não demorou muito para o segundo gol. Após falha da defesa azulina, Lima mata no peito e tira do alcance de Fabiano, ampliando o placar, aos 36 minutos.

Após sentir os dois gols sofridos, o Remo voltou para a etapa final e tratou logo de por fogo no jogo. Logo a um minuto, após falha da defesa bicolor, Zé Soares diminui o placar para o Leão, que pressionou em busca do empate, mas acabou parando na forte marcação bicolor.

Ainda deu tempo para Lima, sozinho dominar e chutar para fora e Val Barreto, fazer uma bela jogada e chutar para fora a última chance do empate azulino. No fim da partida, a festa foi bicolor no Mangueirão.

Com 10 pontos na tabela de classificação, o Paysandu volta a campo na próxima quinta-feira (30), em Tucuruí, contra o Independente. O Remo joga na quarta-feira (29), no Mangueirão, contra o Gavião Kyikateje.

FICHA TÉCNICA

REMO: Fabiano; Diogo Silva (Ratinho), Rogelio, Max e Alex Ruan; André, Jhonnatan, Eduardo Ramos e Athos (Zé Soares); Leandrão (Val Barreto) e Thiago Potiguar.

Técnico: Charles Guerreiro

PAYSANDU: Matheus; Djalma, João Paulo, Charles e Airton; Vânderson (Augusto Recife), Ricardo Capanema, Zé Antônio (Pablo) e Héverton (Bruninho); Lima e Hellinton.

Técnico: Mazolla Junior

Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (FIFA-RJ)

Assistentes: Fabrício Vilarinho (GO) e Clerison Cley Barreto (SC)

Cartões Amarelos: Charles, João Paulo e Augusto Recife (PSC) ; Eduardo Ramos, Max, Rogélio e André (REM)

Renda: R$ 686.640,00

Público Pagante: 16.914

Público Total: 18.680

(Diego Beckman/DOL)

Rolezinho.Por mais saúde, transporte e educação. Ingratos!


O Governo Federal e seus ministros perderam todas as referências de autocrítica, acham que são deuses e não aceitam protestos. Logo quando os "vândalos" invadem as ruas a presidente culpa à direita e incentiva as manifestações.

Seguidamente aparece o Ministro franciscano, Gilberto Carvalho e chama a essa verdadeira "torcida do Flamengo" que saiu para as ruas, de ingratos.



Um grupo de aproximadamente 35 jovens, de vários bairros de Belém, estiveram na tarde deste sábado (25), no Boulevard Shopping, onde realizaram o primeiro "rolezinho" da capital paraense. O ato durou cerca de 40 minutos e o número de participantes esteve bem abaixo dos 950 que confirmaram presença pela rede social Facebook.

O protesto não apresentou incidentes e seguiu dentro do estabelecimento ao som de gritos de ordem por parte dos manifestantes. Os seguranças monitoraram todo o trajeto.

Assustados, comerciantes fecharam as lojas durante a movimentação, mas deram apoio ao ato. Miriam Portugal, gerente de uma loja disse que o ato era desnecessário já que o shopping é um local aberto a todos, mas considera justo que eles lutem por mais locais de lazer . " A loja foi fechada, os clientes pediram com medo de que vândalos estivessem infiltrados, mas tudo ocorreu dentro da normalidade", explicou.

Para monitorar a caminhada, duas viaturas da Polícia Militar, quatro da Ronda Tática Metropolitana (Rotam), e cerca de 30 agentes do Detran acompanharam a manifestação.

O DOL entrou em contato com o Boulevard Shopping que informou que não vai se manifestar pelo fato do ato ter ocorrido dentro da normalidade, sem prejuízos, confusão ou danos ao patrimônio.