Google+ Badge

sábado, 4 de dezembro de 2010

"Transparência involuntária", o novo conceito trás Wikileaks

"Transparência involuntária", o novo conceito trás Wikileaks é o argumento pelo qual tem-se legitimado a difusão de documentos obtidos pelo sítio Web sem importar seu origem.


Assista detalhes do conceito de transparência involuntária preconizado pelo site wikileaks

Clique 


Música - Não há como não assistir - Bom fim de semana


Direitos Humanos - Equipe que procura ossadas da ditadura retomará buscas em fevereiro. Parece piada de mal gosto

Sem política de Estado para dar resposta aos familiares das vitimas da ditadura, o Governo optou pelo caminho fácil. Para não se inimistar com os militares, que continuam no governo Lula, paga indenizações aos familiares e vitimas da ditadura. 
Nunca foi condenado sequer um torturador ou responsável de assassinato. 

Vale a pena lembrar que no Chile e Argentina, cerca de 90% dos militares e policiais que torturaram ou assassinaram, nas ditaduras desses países, estão condenados ou em processo, respondendo aos juízos nos tribunais de justiça. 

Aqui conta o jeitinho brasileiro. 

Depois da saída do Tarso Genro do Ministério da Justiça, os companheiros do PT esqueceram até da sua história. 

Veja a matéria completa sobre as buscas de restos mortais. Parece mais coisa de antropólogos de que buscas de restos de assassinados políticos. 


Tenho certeza que quando o PT deixe o governo, aí sim, todos os princípios retornaram e a luta voltará, por enquanto estamos todos muito bem, obrigado.

A equipe que procura restos mortais de desaparecidos políticos no cemitério de Vila Formosa interrompeu as atividades nesta sexta-feira (3), após 25 dias de trabalho.
Novas buscas serão feitas entre 14 e 18 de fevereiro, com um alvo prioritário: encontrar os restos de Virgílio Gomes da Silva, o militante na ALN (Ação Libertadora Nacional) que, sob codinome Jonas, liderou o sequestro do embaixador americano Charles Burke Elbrick, em 1969.
Líder sindical dos químicos, Virgílio fez treinamento de guerrilha em Cuba e comandou o Grupo Tático Armado da ALN. Acabou preso em 29 de setembro de 1969, semanas após sequestrar o embaixador. Morreu no mesmo dia.

A Polícia Federal encontrou ontem, sob 1,2 m de terra, dentes e fragmentos de ossos que acredita serem de Sérgio Corrêa, da mesma ALN. Ele foi vítima da explosão de uma bomba no carro onde estava, em setembro de 1969, na rua da Consolação (centro de São Paulo). Perseguido pelo regime militar, foi enterrado como indigente.
 
O IML (Instituto Médico Legal) analisará esses restos na última semana de dezembro, segundo o Ministério Público Federal de São Paulo.

A equipe é formada por membros do MPF paulista, peritos do Instituto Nacional de Criminalística, da PF, e consultores da Comissão Especial Sobre Mortos e Desaparecidos Políticos (integrada à Secretaria de Direitos Humanos da Presidência).
'POROSAS E QUEBRADIÇAS'
 
Corrêa é o primeiro dos dez desaparecidos políticos que se estima terem sido sepultados em Vila Formosa. Lascas ósseas "porosas e quebradiças, provavelmente de 1969", estavam na quadra do cemitério suspeita de abrigar os restos do militante, segundo a procuradora da República Eugênia Gonzaga.
Ainda não há informações sólidas para localizar oito vítimas da repressão militar --Corrêa e Virgílio são as exceções.
O cemitério de Vila Formosa passou por uma reurbanização em 1975, na gestão do prefeito Miguel Colasuonno. Com a geografia refeita, muitas sepulturas deixaram de existir --uma dificuldade a mais para o trabalho de localizar os desaparecidos políticos.
Nem sempre os mortos eram enterrados em ossuário clandestino, mas isso não era incomum. No começo da semana, a equipe achou uma dessas valas, soterrada sob cimento e areia.

O ossuário clandestino estava embaixo de um canteiro onde, no passado, ficava um letreiro com o nome do cemitério. Com cerca de3 m por 3m, o vão subterrâneo abrigava centenas de ossadas. No topo, dentro de sacos azuis típicos do serviço funerário, estavam ossos que provavelmente são das décadas de 80 e 90.
Cavando até 3 m de profundidade, peritos encontraram pedaços de ossos, misturados e em condições precárias.


'OBRIGAÇÃO DO ESTADO'
 
O presidente da Comissão de Mortos e Desaparecidos Políticos, Marco Antônio Rodrigues Barbosa, afirmou à Folha que a varredura em cemitérios é uma "obrigação do Estado brasileiro em dar uma resposta aos familiares".

Há, contudo, um labirinto judicial para se percorrer.

Em novembro de 2009, a Procuradoria apresentou à Justiça uma ação civil pública pedindo que a União fosse obrigada a fornecer recursos humanos e materiais para a Comissão realizar seus trabalhos.

Em fevereiro deste ano, a Justiça Federal concedeu uma medida liminar no processo, atendendo ao Ministério Público. A decisão foi cassada em abril pelo TRF (Tribunal Regional Federal), e a ação civil continuou.

Em julho foi assinado um convênio entre a comissão especial, a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, o Ministério da Justiça e a PF para viabilizar as apurações.



Década bate recorde de temperatura; aquecimento é 'inegável', diz relatório

As últimas três décadas foram as mais quentes já registradas; anos 90 superam os 80 e 2000, os 90


Associated Press
Cientistas de todo o mundo estão trazendo ainda mais provas de que há um aquecimento global em marcha. "Uma revisão ampla dos principais indicadores climáticos confirma que o mundo está se aquecendo e que a década passada foi a mais quente já registrada", diz o relatório anual Estado do Clima

Compilado por mais de 300 cientistas de 48 países, o relatório diz que análises de dez indicadores que são "todos claramente e diretamente ligados ás temperaturas da superfície contam a mesma história: o aquecimento global é inegável".
Derel Arndt, do Ramo de Monitoramento Climático do Centro Nacional de Dados Climáticos dos EUA, destaca que a década de 80 tinha sido a mais quente de todos os tempos, mas que cada um dos anos da década de 90 havia sido mais quente que a média dos anos 80, o que fez dos anos 90 os mais quentes já registrados. 

Mas agora sabe-se que cada um dos anos de 2000 a 2009 foi mais quente que a média dos anos 90, o que faz dessa década a mais quente.

O relatório, divulgado pela Administração Nacional de Atmosfera e Oceano (NOAA) e publicado como um suplemento do Boletim da Sociedade de Meteorologia dos EUA, focalizou dez indicadores de aquecimento, sete dos quais estão em elevação e três, em queda. 

Em elevação encontram-se a temperatura média do ar, a taxa de vapor de água no ar, o conteúdo de calor dos oceanos, a temperatura da superfície do mar, o nível do mar, a temperatura do ar sobre o oceano e a temperatura do ar sobre a terra. Em queda encontram-se a cobertura de neve, as geleiras e o gelo sobre o mar.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

DIREITOS HUMANOS

Criança realizando trabalho doméstico em um campamento rural em Mauritania. A Organização Internacional do Trabalho calcula que, somente na África, há ao menos 10 milhões de crianças trabalhando.



No Brasil, no Rio uma criança responsável de um stand sobre cultura negra. Na
ExpoBrasil - Desenvolvimento Local, realizada no Rio de Janeiro, de 1 a 3 de dezembro de 2010, no Centro de Convenções SulAmérica.



Não será nesta sexta feira

 Só quando o PMDB quiser

Lobão de volta


A presidenta Dilma Rousseff confirma nesta sexta-feira o que esta coluna antecipou há semanas: o senador Edison Lobão (PMDB-MA) retomará o cargo de ministro de Minas e Energia.

Coluna do Cláudio Humberto. 

Em reunião na AL, Jatene faz críticas ao orçamento



Cada vez que a votação de orçamento se aproxima, a temperatura esquenta na Assembleia Legislativa do Estado (AL). Na tarde de ontem, o governador eleito, Simão Jatene, participou de uma reunião da Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária, com direito a conflitos entre deputados e reclamações sobre a elaboração da peça orçamentária.

Quem abriu a sessão foi a presidente da comissão, deputada Simone Morgado, que já demonstrou a intenção da pauta. “O orçamento de 2011 é o que nos preocupa. Temos vários exemplos de problemas. Vemos que 80 municípios não receberão o Bolsa-Trabalho e o Fundo de Desenvolvimento Estadual (FDE) pode ter investimento zero para 2011”. Na mesa, além dela e de Jatene, estava o presidente da AL, Domingos Juvenil. Outros 20 deputados participaram da reunião.


Jatene continuou os ataques ao orçamento elaborado pelo atual governo. “Existem problemas que se referem à distribuição dos recursos entre os órgãos e, o mais grave, as previsões entre investimentos, custeio (despesas diversas) e gastos com pessoal. São problemas que sintetizam a nossa preocupação”.


Uma das críticas referiu-se ao previsto com folha de pagamento de pessoal. Ele disse que este ano estão previstos R$ 5,970 bilhões de gastos com pessoal, enquanto que para 2011 são R$ 5,928 bilhões. “A proposta do orçamento cobre apenas a folha atual. Não prevê margem de reajuste e recuperação dos salários dos servidores e nem o aumento do salário mínimo. E não se prevê no orçamento os planos de carreiras que tramitam aqui”.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

11-12-2010: Reunião de fim de ano com o Reitor da UFPA Carlos Maneschy



No sábado (11-12) os amigos, de militância acadêmica, do Maneschy estarão fazendo uma singela confraternização de final de ano. Será no Doca Boulevard (Capital Steak Hall), a partir das 12hs.



quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Pará - Pesquisa e Desenvolvimento, Contas a pagar.

Após a resposta da Fapespa, através de sua Assessoria de Comunicação, sobre o atraso no processo de pagamento das bolsas a alunos de graduação, pós-graduação, iniciação científica e ensino técnico básico, afirmando que "não existe nenhuma anormalidade no processo de pagamento dos bolsistas", mais bolsistas se manifestaram por meio de comentários postados na noite de ontem (30) e na manhã de hoje, no Diário Online.
Eles questionam como pode haver normalidade no pagamento se a bolsa referente ao mês de outubro, que deveria ser paga até o quinto dia útil de novembro, ainda não foi paga. Além do atraso, os bolsistas não conseguem nem uma previsão de quando o problema será resolvido. "Ligamos e nunca ninguém diz nada", afirma a estudante Rosi Souza.
"O que acho interessante é que a Fapespa acha normal o atraso no pagamento das bolsas, mas se você não entregar o seu relatório no período certo, a sua bolsa é temporariamente retida", reclama Luiz Henrique, outro bolsista da instituição.
A equipe do Diário Online entrou novamente em contato com a Ascom da Fapespa, mas nenhuma resposta foi dada de imediato. A Assessoria solicitou que fossem enviadas, por escrito, as reclamações postadas no espaço de comentários do DOL, relativas à matéria, para que estas sejam encaminhadas para o setor administrativo afim se obter um posicionamento sobre o assunto.
Enquanto isso, os bolsistas continuam se deslocando diariamente aos bancos com a esperança de que em algum momento o valor referente à bolsa esteja na conta. 

(DOL)

Leia aqui comentários dos bolsistas.

  • Rosi Sousa
Quarta-Feira, 01/12/2010, 09:56:53
Como assim, não há anormalidade, então é normal o pagamento referente ao mês de outubro, nós estarmos no mês de dezembro, e ainda não ter saido o pagamento, e ligamos e nunca ninguem diz nada, nem um prazo sequer. Isso é uma falta de RESPEITO e COMPROMISSO. UM VERDADEIRO ABSURDO.

  • Marília Fontes de Castelo Branco
Quarta-Feira, 01/12/2010, 01:14:56
É brincadeira... agora além de ter q entrar com processo administrativo contra a FAPESPA ou sei-lá-quem é responsável pelo repasse das verbas destinadas às nossas bolsas teremos também que entrar com processo de Danos Morais... adoro!

  • Luis Henrique
Quarta-Feira, 01/12/2010, 00:00:33
O que eu acho interessante é que a FAPESPA acha NORMAL o atraso no pagamento das bolsas, mas se voce nao entregar o seu relatório no periodo certo, a sua bolsa é temporariamente retida...parece que todos os bolsistas deixaram de mandar o relatório pq reteram nossas bolsas! o pior de tudo é que não podemos trabalhar e mesmo assim devemos ir aos laboratórios trabalhar todos os dias, caso contrário somos julgados de preguiçosos!Um absurdo!


  • Flavio
Terça-Feira, 30/11/2010, 23:22:42
A bolsa esta atrasada! Tive a mesma resposta de que não há previsão para o pagamento.

  • Denis
Terça-Feira, 30/11/2010, 23:19:03
Sou bolsista de Pós-graduação da FAPESPA e, assim como vários outros colegas da UFPA, ainda NÃO RECEBI o referente ao mês de outubro. Também me mantenho exclusivamente dessa renda e estou com problemas financeiros sérios, por conta desse atraso abusivo. 


Política - Agora é a vez de começar a pagar a conta

 Do Blog do Josias de Souza,


Azedaram-se as relações do PMDB com Dilma Rousseff. 

A um mês da posse, o partido e a presidente eleita flertam com a primeira crise. Escolhido por Dilma para chefiar a Casa Civil, Antonio Palocci recebeu um aviso.

Pode ser resumido assim: ou Dilma aperfeiçoa o método de escolha de ministros ou fará do PMDB um partido em chamas. No centro encrenca, está o vice-presidente eleito Michel Temer. Marginalizado, ele começa a perder o controle de sua legenda.

O tempo fechou depois que Sérgio Cabral (PMDB) anunciou, no Rio, uma novidade que acertara na véspera. Num encontro noturno com Dilma, o governador fluminense emplacara como ministro da Saúde um de seus secretários: Sérgio Cortês.

Na manhã desta terça (30), Temer foi recebido por Dilma e Palocci, na Granja do Torto. Nada lhe foi dito sobre o preenchimento da Saúde. A notícia lhe chegou como ao resto dos mortais: pelo noticiário da internet.

Desmerecido no seu papel de negociador-geral das nomeações do PMDB, Temer viu-se compelido a desperdiçar sua terça-feira entre telefonemas e reuniões. Compartilhou apreensões com a caciquia de seu partido.

Ex-detentor de seis ministérios, o PMDB é espremido por Dilma em quatro pstas (Agricultura, Minas e Energia, Cidades e Previdência). Mais duas cadeiras cujos detentores não avaliza (Defesa e Saúde).

Participaram das conversas com Temer, entre outros: José Sarney, Geddel Vieira Lima, Henrique Eduardo Alves e Wellington Moreira Franco. Os diálogos entraram pela noite, num jantar servido na mesa de um restaurante da Capital.

Terminado o repasto, o repórter ouviu um dos grão-pemedebês que frequentaram todas as reuniões. Ele fez um resumo das inquietações da legenda. Empilhou as frases que recolheu durante o dia. Comentários azedos.

Vão reproduzidos abaixo, sem a identificação dos autores. As aspas respeitam rigorosamente o relato feito ao blog pelo interlocutor de Temer:

1. “O PMDB inteiro colocou o Michel como depositário das negociações. De repente, vem o Sérgio Cabral, que ocupou o morro do Alemão, e acha que pode ocupar tudo”.

2. “Sem conversar com o vice-presidente, o Sérgio Cabral nomeia um ministro. Foi o primeiro ministro que teve a nomeação feita fora do grupo de transição”.

3. “O Michel e nós todos soubemos da notícia pelos blogs, na internet. O problema é mais de método do que de mérito”.

4. “A ambição do Lula é que o José Alencar desça a rampa do Planalto com ele. O PMDB quer saber se a Dilma deseja que o Temer suba a rampa com ela”.

5. “Do modo como a Dilma trata o Temer, fica claro que o papel do vice-presidente no governo dela será o de alimentar as emas do Palácio do Jaburu”.

6. “Além repetir a barriga de aluguel que o Lula impôs ao PMDB ao nomear o [José Gomes] Temporão para a Saúde, o Sérgio Cabral quer vetar o [Wellington] Moreira Franco [candidato de Temer à pasta das Cidades]”.

7. “Ora, o Michel, sendo vice, não consegue nomear um ministro. O Lula, pra agradar o Zé Alencar, criou um ministério extraordinário pro Mangabeira Unger, que tinha chamado o governo dele de o mais corrupto da história. Política é feita de gestos”.

8. “Dizem que o PMDB tem a goela larga. Temos o vice, 79 deputados, 21 senadores. E o PT vai ficar com 18 ministérios. Nós é que somos os fisiológicos?”

9. “Querem dar a Integração Nacional pro PSB do Eduardo Campos [governador de Pernambuco], tratado como o administrador do século. E ninguém nos informa: ‘Olha, vocês vão perder a Integração’.”

10. “Os jornais informam que o PMDB vai perder as Comunicações. A conversa é de que precisa moralizar os Correios. Os técnicos do PMDB não prestam. E quem garante que, com o Paulo Bernardo, o PT não vai entregar os Correios a uma Erenice Guerra?”

11. “A Dilma diz: ‘eu quero o [Nelson] Jobim na Defesa. De novo, repetição da barriga de aluguel. Tira todos os cargos do ministério do Jobim [Infraero e Anac]. E nós temos que engolir?”

12. “Pra nós, dizem que os que perderam a eleição não podem chegar ao primeiro escalão. O Fernando Pimentel, que perdeu em Minas, vira ministro. Pra eles, do PT, tudo. Pra nós nada”.

13. “O PMDB, calado, sem fazer barulho, é chamado de fisiológico nos jornais. Se é isso o que a Dilma quer, então ela que peça ao Sérgio Cabral e ao Jobim pra garantir as votações na Câmara. Eles que se fodam para arranjar os votos”.

14. “A conversa da Dilma com o Michel não foi boa. Parece que querem entubar o PMDB. O mal-estar está instalado. E começa a dividir um partido que tinha chegado à união. Se continuar assim, vai dar merda”.

15. “A Dilma está entregue ao Lula. Normal. Ninguém tá querendo que seja diferente. Ela pergunta: ‘Queriam que eu conversasse com o DEM?’ Claro que não. Mas com o PMDB não pode deixar de conversar”.

16. “O PMDB fixou as bases: queremos manter o que temos. Resta à Dilma dizer o que que deseja: ‘vem cá, o governo mudou, não dá pra ser isso. Quero a sua compreensão. Tem aqui o Jobim e o sujeito do Cabral, dá pra aceitar? Não tem a Integração e as Comnicações. Mas tem isso e aquilo outro. Concordam?”.

17. “No regime presidencialista, a participação no ministério tem um único objetivo: garantir apoio congressual. Do jeito que está, quem vai garantir, o Sérgio Cabral?”

18. “Estão desmoralizando o Temer. O Palocci foi informado das coisas. Cabe a eles decidir como querem jogar. Alguma coisa precisa acontecer. Como está, não acaba bem. O PMDB não é barriga de aluguel”.



Pará - Tucuruí, depois de 3 décadas

Eclusas de Tucuruí estão oficialmente inauguradas







Com a transposição feita ontem (30) de um empurrador e duas chatas que levavam o presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva e comitiva, estão oficialmente inauguradas as eclusas de Tucuruí. Será necessário, contudo, regulamentar o uso do serviço que, por enquanto, será operacionalizado pela Eletronorte por meio de um contrato assinado com o Departamento Nacional de Infra-estrutura Portuária. O contrato deve ficar em torno de R$ 3 milhões por ano. Nesta fase, serão feitas transposições de teste, mas a expectativa é de que aos poucos, com avaliação da demanda, seja criada uma rotina de uso de um dos maiores sistemas de transposição hidroviária do mundo.

Lula desembarcou em Tucuruí por volta de 14h. Foi do aeroporto direto para a eclusa um, que fica a ao lado da usina hidrelétrica de Tucuruí. La, embarcou para a viagem de pouco mais de 40 minutos, mas que ficará na história do Pará. Desde a construção da usina hidrelétrica, a navegação estava interrompida no rio Tocantins. Para resolver o problema, o governo iniciou, em 1981, a construção das eclusas, mas foram necessários 29 anos para que a obra fosse, finalmente, inaugurada.

PARCEIROS

No empurrador com Lula estavam a presidente-eleita do Brasil, Dilma Rousseff; a governadora do Para, Ana Júlia Carepa e os prefeitos de Tucuruí, Sancler Ferreira, e de Ananindeua, Helder Barbalho, além de ministros, dos governadores da Bahia, Jacques Wagner; de Sergipe, Marcelo Dedá e de ministros e deputados. Após passarem pela eclusa um e por parte do canal de seis metros que a liga à segunda eclusa, Lula desembarcou num galpão onde três mil pessoas o esperavam.

Lula desfiou um rosário de obras do atual governo, elogiou Dilma Rousseff e deu conselhos. “Neste País vale tudo. A única coisa que não vale é deixar de ser verdadeiro com este povo”, disse, afirmando que, quando se sentir abandonada por aliados, Dilma deve “pedir ajuda ao povo que ele ajudará”.
Lula, que falou depois da presidente eleita, ressaltou a necessidade de dar um caráter social às grandes obras. “Esta eclusa só terá sentido se significar a melhoria da qualidade de vida dos homens e mulheres do Brasil, do Pará e da região”. A obra foi iniciada em setembro 1981 e até a inauguração foram três interrupções. Passou por sete presidentes até ser oficialmente entregue, na tarde de ontem.

Primeiro a falar, o prefeito de Tucuruí Sancler Ferreira apontou os problemas do município, que responde por 10% da demanda de energia do País, mas onde os moradores não têm saneamento ou água tratada. Para ele, contudo, a interrupção da navegação no rio Tocantins era o “maior passivo da usina hidrelétrica de Tucuruí”. A expectativa, contudo é de que o governo federal e as empresas que atuam na área invistam em políticas sociais. “A nossa região tem um dos menores IDHs (Índice de Desenvolvimento Humano do País”.
Representante dos trabalhadores das eclusas, Sebastião Ivo Lemos, classificou a inauguração como um “momento histórico para a engenharia do País”. “Muita gente já não sabia onde buscar tanta fé para manter esse sonho vivo”.

INVESTIMENTOS

As eclusas consumiram investimentos de R$ 1,6 bilhão. Apenas nos últimos três anos, desde que a obra foi incluída no PAC e retomada, os investimentos somaram R$ 1 bilhão. No auge das obras, foram gerados quase 4 mil empregos diretos.

GRANDIOSIDADE

Sob qualquer ângulo que se veja, as eclusas são um empreendimento grandioso, gerador de grandes números. O concreto usado nas duas eclusas, por exemplo, seria suficiente para construir seis estádios de futebol do tipo exigido pela Fifa para a Copa de 2014.

Entre as maiores obras do mundo

O ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, ressaltou que as eclusas estão entre as maiores obras de transposição do mundo e afirmou que elas representam uma opção estratégica pelo transporte hidroviário. As eclusas estão preparadas para receber comboios de até 19 mil toneladas. A obra não é destinada a pequenas embarcações de passageiros.

Com a transposição do rio Tocantins, abre-se a possibilidade de aproveitamento hidroviário num trecho de até 800 quilômetros do rio. Pode haver também uma ligação com o rio Araguaia, somando dois mil quilômetros.

Para consolidar a hidrovia no trecho entre Marabá e Tucuruí, permitindo levar cargas do sul do Estado até o porto de Vila do Conde ainda serão necessárias uma série de obras. As principais são a derrocagem do pedral do Lourenço e a dragagem entre Tucuruí e Marabá, além da construção de uma plataforma multimodal (rodoviária, ferroviária e hidroviária) em Marabá. O porto em Barcarena já está sendo ampliado para atender a essa nova demanda e todas as outras obras, segundo Passos, estão garantidas.

A presidente-eleita, Dilma Rousseff, acompanhou Lula na transposição pela eclusa um. Eles saíram do Lago, ficaram cerca de 15 minutos dentro da câmara, até as águas baixarem cerca de 30 metros e então fizeram o percurso pelo canal até o palco na Nova Matinha, para onde foram remanejadas as 200 famílias atingidas com as obras.

“O Pará sempre teve uma situação muito difícil. Sempre foi olhado como um Estado muito rico em minério, na agricultura, nos grãos, um Estado do qual sempre se tirou e não tinha projeto de devolver ao Pará aquilo que o Pará tinha direito na Federação por ser um dos Estados mais importantes quando se olha o País. Importante pela grandeza de sua extensão territorial e por sua população, pioneira”.

Para a governadora Ana Júlia Carepa, a obra vai mudar o “patamar da competitividade das empresas paraenses”. “Criamos uma ambiência favorável ao desenvolvimento, à atração de indústrias”, gabou-se.

ANA JÚLIA

Ao descer do empurrador para uma das chatas que levava a comitiva presidencial, a governadora escorregou. Para não cair, sustentou-se no braço esquerdo e acabou tendo, o que pelo menos por enquanto, foi classificado como uma luxação. Ana foi tirada da embarcação e levada, numa lancha, para atendimento médico. Ao chegar à nova matinha, Lula ainda esperou alguns minutos até que a governadora retornasse para então dar início à cerimônia. Após o incidente, a governadora participou do restante do evento, mas evitou movimentos com o braço.

Lula exibiu o costumeiro bom humor. Brincou com a plateia, mas não escondia o cansaço, tanto que ficou algum tempo ausente do palco. “Fui ali chupar gelo porque o calor estava demais e só água não resolvia”.

No palco houve decerramento de placa e uma sessão de discursos. Convidado de Lula e adepto da rede social twitter, o prefeito de Ananindeua Helder Barbalho passou informações e postou fotos sobre o evento. Em uma das mensagens brincou: “Essa obra tem quase o mesmo tempo que eu de vida”.

CAPACIDADE

A previsão é que, pela hidrovia, sejam transportadas, anualmente, 40 milhões de toneladas de carga, sendo R$ 10 bilhões em minérios e quase R$ 30 bilhões em soja. Não por acaso, o senador eleito do Mato Grosso e conhecido como o rei da soja, Baliro Maggi, era um dos convidados de Lula no evento.

(Diário do Pará)

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

É mineiro o novo Ministro do MDIC



Não é o Patrus não. O novo Ministro do MDIC é o que está ao lado.

Patrus vai receber outra pasta e vai  ficar feliz.


domingo, 28 de novembro de 2010

Modelo da Victoria’s Secret Marisa Miller descuida-se com o biquíni em praia do Caribe.

Veja foto.

Na eleição realizada pelo site AskMen, para descobrir quais as mulheres mais sexy do mundo. Em terceiro lugar ficou a modelo da Victoria’s Secret Marisa Miller. Na praia do Caribe foi clicada quando arrumava seu biquíni após um mergulho.





Economia e finanças - Oito passos para sair do endividamento. Dinheiro, dívidas, salário, cartão, cheque e limites.

 O aumento da oferta de crédito no mercado foi um dos bons indicadores da economia brasileira nos últimos anos, mas a facilidade veio acompanhada do crescimento da inadimplência. O problema pode ser causado pela ausência de um programa de educação financeira  que oriente a população sobre as implicações de lidar com financiamento e taxa de juros.


Oito passos para sair do endividamento

1. Faça uma lista com o dinheiro que você recebe no mês. Inclua salário, pensão, rendimentos da poupança etc. Não inclua seu cheque especial ou limites de cartão.

2. Faça uma lista com todas as contas que você paga no mês. Não inclua o pagamento das suas dívidas.

3. Faça uma lista com todas as suas dívidas. São consideradas dívidas todas as prestações. As dívidas com taxas de juros mais altas devem ser as primeiras da lista. Lembre-se: todo pagamento parcelado é maior dos que os feitos à vista.

4. Veja se você tem dinheiro para pagar suas dívidas. Não esqueça que você não deve deixar de pagar ou atrasar uma parcela, pois os juros e multas fazem com que sua dívida aumente ainda mais.

5. Diminua seus gastos. Pense como economizar em cada despesa: luz, água, lazer etc.

6. Substitua suas velhas dívidas por novas dívidas que você consiga pagar. Você pode quitar sua antiga dívida fazendo um novo empréstimo, desde que tenha taxas de juros mais baixas do que as que você paga atualmente.

7. Procure empresas que emprestam dinheiro. Identifique os financiamentos que têm taxas de juros menores que as suas dívidas atuais.

8. Faça um novo empréstimo para quitar suas antigas dívidas. Só faça uma nova dívida para pagar as dívidas antigas se a taxa de juros for menor e se você tiver como pagar o novo empréstimo

PMDB Retorna ao governo do Pará, em união com o governo de Simão Jatene

Em entrevista à jornalista Célia Pinheiro (Perereca da Vizinha) o senador Jader Barbalho se abre e conta detalhes sobre a campanha eleitoral e a participação do PMDB no governo do Jatene.
 
Segundo a Perereca, aos 66 anos de idade, o deputado federal Jader Barbalho está tinindo... 

Otimista, bem humorado, não parece arrependido da opção que fez, há 44 anos, pela carreira política, apesar de todos os problemas que já enfrentou: acusações de corrupção, ações judiciais, processo de satanização, prisão e, mais recentemente, a cassação branca do mandato de senador conquistado no último pleito.

“Confesso que vivi”, diz ele, rindo, ao plagiar o poeta chileno Pablo Neruda.


Veja a entrevista do Jader no Blog da A Perereca da Vizinha 


Pará - Comerciantes inescrupulosos e quadrilhas propõem a venda do último patrimônio físico do Paysandú


Os sucessivos dirigentes do Paysandu Clube, que se enriqueceram como políticos corruptos ou como comerciantes de tudo o que cai nas suas redes. 

Verdadeiros atravessadores, que nada agregam ao crescimento do nosso clube e ao Pará, hoje querem vender o que resta do patrimônio físico do Paysandu, sua sede. 

Em vez de trabalhar para conseguir tirar o clube das dívidas que eles mesmos deixaram. Por que não realizam uma campanha publicitária ou de marketing, com sorteios, leilões de doações dos sócios, muitos deles enriquecidos as costas do clube, roubando ou fazendo negócios, utilizando a própria infraestrutura do Paysandu para vender jogadores e lucrar acima das transações. 

Outros dirigentes, simplesmente roubaram das contas e orçamento do clube e depois abandonaram o Paysandu, desapareceram. 

Eles querem seguir o caminho mais fácil e de lucro imediato, vender o que pode gerar dinheiro, como se fossem produtos de um roubo, pela metade do preço, mas levando uma percentagem na negociação. 

Essa é a realidade do nosso querido Paysandu. Assim nunca retornaremos à segunda divisão e menos ao grupo de elite do futebol brasileiro. 

Vamos defender uma proposta inovadora para saldar as dívidas deixadas pelas quadrilhas que comandaram o Paysandu. Um programa inteligente que inclua renegociações das dívidas, mecanismos de marketing com apoio dos marqueteiros ligados ao Papão.

Um programa ousado de arrecadação de fundos, transparente, com prestação de contas à comunidade, que recupere a capacidade financeira do Clube. Mas nunca venda de patrimônio. Isso não existe. Duvido que algum desses perdulários irresponsáveis venderiam suas casas para pagar dividas contraídas por outros em seu nome. 


Os sócios deveríamos manifestar nossa indignação frente a mais um assalto já anunciado pelos que pretendem ser dirigentes do nosso clube.

 VEJA AQUI A MATÉRIA DO O DIÁRIO DO PARÁ. 

O candidato a presidente do Conselho Deliberativo do Paysandu pela chapa da situação, Ricardo Rezende, propôs a venda da sede do clube para pagar dívidas, quando ocupou a presidência em 1998. 

Rezende tentou aprovar a venda do patrimônio numa reunião do Conselho Deliberativo, presidido naquela oportunidade por Arthur Tourinho, chegando até a ameaçar renunciar caso a venda fosse negada pelos membros do órgão máximo do clube.

Apesar da pressão feita por Ricardo, a proposta foi rejeitada e a venda acabou não acontecendo, devido ao parecer contrário de uma comissão, presidida pelo conselheiro Wladimir Ferreira, criada para analisar a questão. O DIÁRIO teve acesso à ata da reunião do Conselho do dia 12 de Janeiro de 1998, que relata a tentativa de Rezende rechaçada, por ampla maioria, e que visava pagar dívidas do Paysandu com o FGTS, o INSS e o IPTU. Ele informava que as finanças do clube estavam mal e que não via outra alternativa.

Além de curioso, já que hoje o candidato se diz defensor do patrimônio do clube, o ato demonstra que a situação financeira já não estava boa naquela oportunidade, colocando em cheque a afirmação de Rezende, de que os problemas do clube foram causados pela gestão de Arthur Tourinho à frente da presidência do Paysandu.

No quesito pagamento de dívidas, a ideia de Rezende seguiu molde do que defendeu o atual presidente do Remo, embora em fim de mandato, Amaro Klautau. 

(Diário do Pará)


DESDE 2002 ANO DA VITÓRIA DA COPA DOS CAMPEÕES O PAPÃO NÃO TEM UMA VERDADEIRA E COMPLETA FELICIDADE.