Google+ Badge

segunda-feira, 10 de junho de 2013

Exploração econômica da floresta no Pará

Governo prepara edital para exploração de 440 mil hectares de floresta no Pará


Mais de 440 mil hectares de uma área florestal no Pará poderão ser explorados por madeireiras a partir do próximo ano. O edital para que as empresas interessadas disputem as concessões de exploração sustentável de madeira foi lançado há uma semana pelo Serviço Florestal Brasileiro (SBF).

A Floresta Nacional do Crepori está localizada entre as rodovias Transamazônica (BR-230) e Cuiabá-Santarém (BR-163). O lote de concessão está dividido em quatro unidades de manejo com áreas de 29 mil hectares, 59,8 mil hectares, 134 mil hectares e 219 mil hectares, o que permitirá atrair empreendedores de vários portes. Um hectare corresponde a 10 mil metros quadrados, o equivalente a um campo de futebol oficial.

Os empresários têm até o final de novembro para apresentar os documentos e as propostas para concorrer à concessão de uma das quatro unidades em que a floresta foi dividida. O valor mínimo de pagamento é R$ 16,38 por mil metros cúbicos de madeira.

A disputa vai depender não apenas da taxa que as madeireiras pretendem pagar a cada mil metros cúbicos retirados. Além disso, as empresas precisam apontar indicadores ambientais, sociais e econômicos que aumentem a produtividade, como uso de tecnologias inovadoras para a retirada do produto e investimentos em infraestrutura e serviços para a comunidade local.

“No plano do manejo, verificamos se tem comunidades tradicionais próximas. Do retorno social, nossa estimativa é a criação de 200 empregos diretos e 400 indiretos, apenas em um dos municípios”, explicou Marcelo Arguelles, gerente executivo de Concessões Florestais do SBF.

Essa será a terceira concessão de parcela de florestas que o SBF abre para concorrência. O primeiro edital foi lançado em 2008 para uma floresta em Rondônia. “Em 2010, lançamos novos contratos no Pará. Temos mais um processo de mais 85 mil hectares em andamento e a expectativa de lançamento de vários editais de grandes áreas, que vão somar mais de 1 milhão de hectares”, disse ele.

A expectativa do governo é estimular a produção de madeira legal e sustentável nessas regiões, mas os técnicos ainda não conseguem medir os impactos da iniciativa.

˜São contratos ainda pontuais. Não temos condições de avaliar regionalmente. Mas do ponto de vista local, há benefícios claros. No Jamari [floresta em Rondônia com área explorada sob concessão], por exemplo, havia problema muito grave de invasão. Com a presença dos concessionários, a exploração ilegal foi reduzida a zero”, concluiu.

Segundo Argueles, a percepção da sociedade local sobre a floresta muda com a geração de riqueza e renda que a concessão passa a representar.

Por: Carolina Gonçalves
Fonte: Agência Brasil – EBC
Edição: Davi Oliveira

Servidores, empresários, produtores rurais, alunos de escolas particulares, familiares de autoridades e mortos

BOLSA FAMÍLIA. Comida pela inflação. 

Além de irregularidades no pagamento, os relatórios apontaram para uma série de problemas, como falta de controle da frequência escolar e do cartão de vacinação das crianças, inexistência de comissão gestora do programa e até desvios de recursos enviados para atividades complementares.

domingo, 9 de junho de 2013

Em visita da ONU ao Pará, Agência de Inovação Tecnológica da UFPA recebe homenagem


Recepção da comitiva da ONU pela Reitora da UFPA, em Exercicio. 

Secretário da ONU visita UFPA06 de Junho de 2013


O secretário-adjunto da Organização das Nações Unidas (ONU), Thomas Stelzer, visitou a Universidade Federal do Pará (UFPA) nesta terça-feira, 4. O secretário esteve acompanhado de sua comitiva, formada pela doutora Sheila Pimentel, presidente da Fundação Humanitare, organização ligada à ONU, a Embaixadora da Áustria Marianne Feldmann, pelo doutor Osório Coelho, do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), pelo Prof. José Rincon Ferreira Coordenador do Prêmio Benchimol da Amazônia e outros técnicos do setor privado e do governo federal. 


A delegação da ONU foi recebida pela reitora da UFPA,  em exercício,  professora Marlene Freitas. Na ocasião, foi assinado um Termo de Cooperação Técnico-Científico entre a UFPA e a Fundação Humanitare, o qual possibilitará a execução e o desenvolvimento de projetos de estudos, pesquisa, gestão, treinamento e outros de caráter estratégico, voltados ao uso econômico da biodiversidade da Amazônia..

A reunião para a assinatura do Termo iniciou-se com o pronunciamento do diretor da Agência de Inovação Tecnológica (Universitec), professor Gonzalo Enríquez, que falou sobre a importância da parceria com a Humanitare e dos benefícios para a UFPA e região, destacando a importância da inovação tecnológica como ferramenta estratégica para aumentar a competitividade da economia, “Sem o conhecimento científico produzido na universidade as inovações tecnológicas não acontecem na indústria”, manifestou Enríquez. Em seu discurso, Stelzer destacou a importância da produção científica para o desenvolvimento sustentável da Amazônia e a contribuição da UFPA, uma vez que as pesquisas nessa área de atuação têm aumentado durante os últimos três anos.

Stelzer argumentou que na atualidade existe necessidade de redefinir o modelo econômico vigente, principalmente na sua relação com o meio ambiente. Ressaltou que a produção de CO2 não pode continuar nos níveis atuais que são de mais de 30 milhões no Planeta, será necessário ser mais eficiente no consumo de energia e ampliar a acessibilidade e eficiência energética. Atualmente mais de 2 bilhões de pessoas não contam com energia elétrica. Stelzer colocou como exemplo de uso eficiente de energia a economia Americana, que tem aumentado sua eficiência no uso da energia em cerca de 60%.

Por sua vez o Diretor de Agência de Inovação destacou a necessidade de que essa diminuição da eficiência energética tenha efeitos positivos nos países emergente, já que atualmente mais de 70% do consumo energético mundial corresponde aos países desenvolvido e quem responde pela produção da energia em essa mesma proporção são, precisamente, os países em desenvolvimento.

Pioneirismo - Para Sheila Pimentel, a iniciativa do Termo de Cooperação simboliza um marco, já que a UFPA é a primeira universidade brasileira a fechar um acordo dessa natureza. Ela falou, ainda, sobre a relevância do financiamento de pesquisas voltadas à biodiversidade.

Logo após a reunião de assinatura do documento, a delegação seguiu para visita a Agência de Inovação Tecnológica da UFPA- Universitec, onde foram apresentadas as ações da Agência de Inovação, bem como a apresentação de empreendimentos instalados na Incubadora de Empresas.

A reunião para assinatura do convenio foi precedido por um encontro na Federação das Industrias do Pará FIEPA, com a presença de autoridades do Governo do Estado, de ensino e pesquisa e de empresários e instituições locais. Na ocasião a Agência da Inovação Tecnológica recebeu uma placa de homenagem em reconhecimento pelas suas iniciativas em prol da Bacia Amazônica e a inovação tecnológica, destacando-se iniciativas sobre o uso sustentável dos recursos naturais e biodiversidade, como uma proposta concreta de cuidado do meio ambiente e seu papel na transferência de tecnologia. Gonzalo Enríquez recebeu a placa de homenagem, em nome do Reitor da UFPA e da equipe técnica da Agência de Inovação Tecnológica, ressaltando que uma homenagem dessa natureza criava novos desafios para a instituição.



Recebendo o Prêmio de mãos do Secretário da SEICOM,  David Leal. 


Placa da homenagem à Agência de Inovação Tecnológica  da UFPA