Google+ Badge

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

A grande estrela brilha com luz própria



No evento mais concorrido desta quinta-feira na Festa Literária de Paraty, a escritora Isabel Allende levou o público às gargalhadas falando de sua vida pessoal.

A entrevista, mediada pelo jornalista Humberto Werneck, lembrou mais uma conversa do talk show da norte-americana Oprah Winfrey do que um debate literário. Isabel Allende está lançando "A Ilha Sob o Mar", seu primeiro livro em três anos, mas o assunto passou praticamente em branco no encontro.

Desde "Casa dos Espíritos", em 1982, ela já vendeu mais de 58 milhões de livros em 30 idiomas. Uma medida de sua popularidade pôde ser vista ao final da palestra: uma fila de 100 metros foi formada por pessoas ávidas por um autógrafo da autora.

Com certeza uma das maiores filas formadas na Flip. Abaixo, alguns dos melhores e mais divertidos momentos da participação de Isabel Allende no evento: “Como jornalista, já me arrependi de coisas que escrevi. Como romancista também. Um personagem, num livro, teve a perna amputada e no seguinte ele reapareceu com as duas pernas. Um crítico na Espanha disse que era o realismo mágico” “Desgraçadamente, vivo em inglês com um marido que acha que fala espanhol.

É uma tragédia. Falamos spanglish. Quando brigamos, ele fala em castelhano, para que eu entenda, e eu falo em inglês, para que ele entenda.” “Sou uma mulher mandona. Mais que a mãe judia, que a mãe italiana. Uma mãe chilena.”

“Meu atual marido, quando o encontrei, acho que era o último heterossexual solteiro na Califórnia. Estava recém-separada, há três semanas sem sexo.

Estamos casados há 23 anos.” “Eu precisava de um visto americano. Precisava casar. Ele disse que já tinha casado duas vezes e que precisava pensar. Eu disse. ‘Entendo. Tem até amanha ao meio-dia.’ Foi muito romântico.”

“Por que meus livros são populares? Venho do jornalismo. Não quero perder o leitor, preciso da atenção do leitor. Esta é a sua primeira obrigação”. “Fui uma péssima jornalista. Não era objetiva. Se não tinha o que contar, inventava” Mantenho uma correspondência com a mãe há muitos anos. Tenho um acordo com a minha mãe que nunca será publicado.

Ela me escreve todos os dias. Ela não me escreveria o que escreve se soubesse que alguém iria ler. Falamos mal de muitas pessoas." “Depois de ‘Casa dos Espíritos’, a família ficou 20 anos sem falar comigo.

Só voltaram quando saiu o filme, com Jeremy Irons e Meryl Streep”.

“Um homem com quem sonho? Antonio Banderas. Não está mais jovem, mas também não estou...

Uma mulher para fazer o meu papel no cinema? Penelope Cruz” “Nunca entendi o feminismo como uma guerra contra os homens.” “O que acho do amadurecimento? Hoje me falaram do Pitanguy. O amadurecimento tem coisas boas, poucas, e ruins, muitas.

Não gosto da dependência; o bom do amadurecimento é o desapego, dos bens materiais, se tornar mais humilde.” “Como me vejo velha? Espero ter cabelos. E dentes. Me imagino uma velha um pouco louca, mas escrevendo, cada vez mais desprendida do mundo”.

“Um dentista me disse que quando se aposentar vai escrever. E eu disse: quando me aposentar vou arrancar dentes. Hahaha... Escrever não é arrancar dentes. Escrever é uma paixão.”

Nenhum comentário: