Google+ Badge

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Dilma vence em 15 Estados, três a menos do que em 2010, e Aécio ganha em dez



Pela sexta vez consecutiva, desde 1994, a polarização entre PT e PSDB decidirá o vencedor da eleição à Presidência da República. A virada de Aécio Neves (PSDB) na reta final, indicada por pesquisas Ibope e Datafolha, no sábado, foi confirmada ontem nas urnas com a ultrapassagem do tucano, com 33,55% dos votos válidos, sobre a ex-senadora Marina Silva (PSB), que obteve 21,32%. O tucano enfrentará, no segundo turno, dia 26, a presidente Dilma Rousseff (PT), que amealhou 41,59% dos votos - cinco pontos a menos do que os 46,91% que conseguiu na primeira etapa em 2010.

Com a virada, Aécio superou em um ponto percentual o desempenho de quatro anos atrás do correligionário José Serra (32,61%) e pôs fim à maior ameaça em duas décadas à polarização entre petistas e tucanos. Marina Silva chegou a liderar as pesquisas ao lado de Dilma no início do mês passado. Mas desidratou com os ataques dos dois principais adversários. Juntos, Dilma e Aécio tiveram oito vezes mais tempo de propaganda no rádio e TV do que a candidata do PSB. No segundo turno, os dois terão espaços iguais.



O mapa da geografia do voto presidencial ficou menos vermelho. Dilma conquistou 15 Estados, três a menos do que os 18 de 2010. Os tucanos tiveram um avanço: enquanto Serra foi o mais votado em oito Estados, Aécio foi o preferido em dez. O refluxo de Marina na reta final de campanha foi grande: em meados de setembro, a pessebista liderava quatro unidades da Federação e empatava, na margem de erro, em mais sete. Ganhou apenas em Pernambuco e no Acre, sua terra natal. E perdeu no Distrito Federal, que lhe deu a única vitória há quatro anos, quando concorreu pelo PV e conquistou nacionalmente 19,33% dos votos. O pior desempenho foi em Rondônia (10,4%).

No caso do PT, foi o Distrito Federal (23%). Mas o Nordeste mantém-se como a grande mancha vermelha, no maior reduto eleitoral do partido. Dilma teve seu recorde de votação no Piauí (70,6%) - patamar semelhante ao apoio máximo de 2010 no Maranhão (70,65%). Na região, a presidente venceu em todos os Estados, exceto em Pernambuco, onde travou uma disputa acirrada com Marina, herdeira dos votos do ex-governador Eduardo Campos, morto em acidente aéreo em 13 de agosto.

A ascensão de Marina à cabeça de chapa levou a candidatura do PSB a ultrapassar Aécio e empatar com Dilma, numa reviravolta inédita em eleições presidenciais. Em Pernambuco, a pessebista venceu por 48% contra 44,2% da petista. Muito longe, Aécio Neves registrou 5,92% - seu pior resultado estadual - num reflexo do mau desempenho histórico do PSDB na região. O Nordeste foi onde Aécio colheu suas piores votações. Ficou em terceiro lugar em cinco dos nove Estados, ainda que por pequena diferença em dois: Bahia e Piauí. Mas no Rio de Janeiro também terminou atrás de Marina, por quatro pontos (31,06% a 26,93%).

Por outro lado, a ida de Aécio ao segundo turno dá ânimo aos tucanos, que durante todo o último mês estavam num distante terceiro lugar. Aécio recuperou terreno principalmente em São Paulo, o maior colégio eleitoral do país. De acordo com pesquisa Ibope realizada entre os dias 6 e 8, o tucano tinha apenas 15% das preferências no Estado, contra 38% de Marina e 25% de Dilma. Nas urnas, fechou em primeiro, com 44,2%, à frente da petista (25,82%) e da pessebista (25,09%).

A melhor votação proporcional de Aécio foi em Santa Catarina, com 52,89%, mas perdeu para Dilma em Minas Gerais, seu Estado, por 43,48% a 39,75%.

Por Cristian Klein | De São Paulo

Nenhum comentário: