Google+ Badge

domingo, 16 de agosto de 2009

POLÍTICA - ''Eu absolveria Sarney e Virgílio''


ENTREVISTA - José Eduardo Dutra: candidato à presidência do PT

Vera Rosa, BRASÍLIA

Candidato à presidência do PT pela corrente Construindo um Novo Brasil, o geólogo José Eduardo Dutra passa amanhã o bastão no comando da BR Distribuidora e vai ajudar o governo a jogar água na fervura do Senado. Na sua avaliação, a bancada do PT deve depor as armas nessa crise porque não há "provas robustas" para cassar nem o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), nem o líder do PSDB, Arthur Virgílio (AM).

Apoiado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Dutra recomenda aos petistas a absolvição dos dois. "Se eu fosse senador, votaria pelo arquivamento de todas as representações que estão hoje no Congresso contra Sarney e contra Virgílio", afirma. "Não podemos continuar nesse ramerrame, porque, em última instância, o que fica mal é a imagem do Congresso. Fala-se que lá é uma fábrica de pizza, quando, na verdade, há uma banalização do processo de quebra de decoro."

Para Dutra, o conceito de decoro é "mutável" ao longo do tempo. Ele vai mais longe: alega que o Conselho de Ética deveria ser impedido de julgar seus pares porque não tem condições de investigar nada e suas decisões são políticas. "Na maioria dos países, o parlamentar é julgado pelo Judiciário", diz o ex-senador do PT (1995-2003), que confessa já ter usado sua cota de passagem aérea para trazer mulher e filho a Brasília. "Era uma cultura do Senado", conta.

Dutra é o favorito na disputa pela presidência do PT, em novembro. Se vencer, será um dos comandantes da provável campanha da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, ao Palácio do Planalto, em 2010. Nesta entrevista ao Estado, ele prevê um embate "muito duro" contra o PSDB e ameniza o racha na base aliada com as possíveis candidaturas da senadora Marina Silva (AC), hoje no PT e de malas prontas para o PV, e do deputado Ciro Gomes (PSB-CE). "Críticas ao governo todos nós temos", diz. "Mas candidatura de oposição, para mim, é a do PSDB."

Por que o sr. vai deixar o comando de uma estatal poderosa como a BR Distribuidora para ser candidato à presidência do PT, cargo visto como ''abacaxi'' até por petistas?

Essa foi a pergunta que minha mãe fez. Ela me ligou perguntando se eu não tinha juízo. Brincadeiras à parte, sou um homem partidário. O meu projeto é político. Sei da responsabilidade, sei que é um tremendo abacaxi (risos), mas acho que a vida da gente também precisa de desafios. Estou com muita disposição de ser presidente do PT.

Se o sr. for eleito, terá de comandar a primeira eleição presidencial disputada pelo PT sem Lula, além de dirigir um mosaico de tendências internas. A ministra Dilma não tem experiência eleitoral. Não é muito desafio?

A ministra Dilma pode ser excelente candidata e uma excelente presidente da República. Eleição se aprende disputando. O fato de pela primeira vez o nome de Lula não estar na cédula aumenta a responsabilidade do PT. As correntes do PT, que eu conheço muito bem, terão de pôr seus melhores quadros para dirigir o partido. Esse cenário tanto é importante na hipótese de vitória, porque o PT precisa ter protagonismo, quanto até mesmo - deixa eu bater na madeira (bate três vezes na mesa) - no caso de derrota, para reaglutinar a tropa.

Leia a entrevista na íntegra no Estado de S. Paulo
Aqui

Nenhum comentário: