Google+ Badge

domingo, 26 de julho de 2009

DESMATAMENTO - ANISTIA GERAL A DESMATADORES PROPÕE KATIA ABREU


Punições deveriam começar em dezembro; mais da metade das propriedades rurais do país está em situação irregular. Minc defende benefício só aos pequenos proprietários, Stephanes quer estendê-lo também aos médios, e Kátia Abreu propõe anistia geral
Faltando menos de cinco meses para a entrada em vigor de punições aos produtores rurais que desmataram além do limite da lei, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai negociar anistia a pelo menos parte dos proprietários de terras.
Segundo o Ministério da Agricultura, mais da metade das propriedades rurais do país está em situação irregular (cerca de 3 milhões de produtores). Reportagem de Marta Salomon, na Folha de S.Paulo.
Lula já havia adiado para dezembro deste ano o início das punições a quem não registrasse as áreas de preservação nas propriedades nem se comprometesse a recuperá-las. Nos últimos meses, representantes do agronegócio tentaram mudar, sem sucesso, os limites de desmatamento fixados no Código Florestal. Com o prazo das punições se aproximando, até o ministro Carlos Minc (Meio Ambiente) admite que mudanças nas regras são “inevitáveis”.
A Folha apurou que são três as propostas que serão submetidas à análise de Lula na semana que vem. Minc defende tratamento diferenciado para agricultores familiares, donos de propriedades pequenas, que acredita ser a base política do governo Lula no campo. O colega Reinhold Stephanes (Agricultura) quer estender a tolerância aos médios proprietários, até seis módulos fiscais: “A proposta alcança a classe média rural, importantíssima”.
A presidente da CNA (Confederação Nacional de Agricultura), senadora Kátia Abreu (DEM-TO), apresentou a Lula uma proposta mais radical, que se dispõe a recuperar a vegetação das margens de rios -sem punições para quem desmatou acima do limite- combinada com o compromisso do agronegócio com o desmatamento zero: “Acham que é fácil chegar a esse compromisso?”, disse.
O “desmatamento zero” significaria manter a vegetação nativa em cerca de 53% do território brasileiro, ainda não desmatado. Os proprietários de terras que não desmataram o percentual hoje autorizado (entre 20% e 80%) seriam remunerados pelo Estado.
Mas Stephanes diz que o desmatamento zero não se aplicaria ao cerrado: “É a região de expansão nossa”. O desmatamento, que alcança 40% no bioma, poderia avançar até 65%. Segundo ele, o governo terá em breve os instrumentos para conter a maior fonte de desmatamento na Amazônia, a pecuária, por meio do monitoramento das fazendas de gado.
Lula vai receber Minc, Stephanes e Kátia Abreu. Os últimos querem uma medida provisória. “Seria a melhor saída”, disse Stephanes. “Estamos com urgência”, disse Abreu. Leia na íntegra
aqui

Um comentário:

victoria disse...

gRACIAS POR COMPARTIR TUS COMENTARIOS QUE COMO SIEMPRE SON ACERTADOS DE LOS CUALES SIEMPRE TE HACE PENSAR TANTAS COSAS QUE ESTÁN OCURRIENDOEN OTROS PAISES QUE NO ESELMIO,GRACIAS POR COMPARTIR.BESOS