Google+ Badge

sábado, 26 de novembro de 2011

Sobre China. Kissinger - recomendo.




Secretário de Estado e Assessor de Segurança Nacional de dois presidentes (Richard Nixon e Gerald Ford, 1969-1977), o cientista político Henry Kissinger foi o principal arquiteto da aproximação entre os Estados Unidos e a China comunista, como uma maneira de pressionar a União Soviética, contra a qual os dois países tinham interesses comuns. Em seu livro mais recente, Sobre a China, Kissinger conta os bastidores dessa diplomacia triangular e procura traçar o panorama da história das relações internacionais chineses do século XIX aos dias atuais. Contudo, o resultado é decepcionante, pois Kissinger está preso a um formato de reflexão intelectual que leva em conta somente as intenções dos principais líderes políticos e dá pouca ou nenhuma atenção às grandes transformações das sociedades, ao desenvolvimento econômico e a temas como democracia e direitos humanos.

As primeiras 200 páginas do livro são dedicadas à análise histórica do período de declínio da China, com as guerras do Ópio, as concessões feitas às potências ocidentais, ao Japão e à Rússia e, finalmente, o turbulento período da primeira metade do século XX, com o colapso do império, a proclamação da República, a ocupação japonesa, a guerra civil entre nacionalistas e comunistas e a Revolução Cultural de Mao Tsé-Tung na década de 1960. É uma história fascinante, mas foi narrada e analisada de modo mais competente do que aquele feito por Kissinger por autores como o historiador britânico Jonathan Spence, em seu Em busca da China moderna, e o economista italiano Giovanni Arrighi em Adam Smith em Pequim.

O foco de Kissinger é no modo como o imperador e os principais mandarins (altos funcionários) da China precisaram abandonar a ideia de que eram o centro das relações internacionais e se inserir no sistema de Estados liderados pelas potêncas ocidentais. Esse processo ocorreu pela força e, após derrotas em guerras para os britânicos, os chineses “convidaram outros países europeus [a estabelecer postos comerciais na China] com o propósito de primeiro estimular e depois manipular a rivalidade entre eles”. Para Kissinger, é parte do “princípio de derrotar os bárbaros próximos com o auxílio dos bárbaros distantes”.

O cientista político afirma que o paradigma chinês de pensar a diplomacia é bastante diferente do Ocidental. Enquanto este se baseia na vitória total e tem no xadrez seu principal modelo, a maneira da China seria melhor ilustrada pelo jogo tradicional Wei qi, uma espécie de gamão que “implica um conceito de cerco estratégico” e no pensamento de Sun Tzu com sua “ênfase nos elementos psicológicos e políticos acima dos puramente militares”. A metáfora é bonita, mas, com ligeiras adaptações, o que o autor classifica como tradição oriental poderia ser igualmente usado para descrever certas medidas dos Estados Unidos durante a Guerra Fria, como o Plano Marshall e a criação da OTAN.

– Negociando com os Comunistas –
O livro torna-se mais interessante quando aborda a China após a Revolução Comunista de 1949. Kissinger examina os erros cometidos pela liderança dos Estados Unidos naquela época, mostrando como a rigidez ideológica do período os cegou para as possibilidades de explorar as divergências crescentes entre Pequim e Moscou, e atrelou Washington a uma aliança ineficaz com o regime nacionalista em Taiwan. Medos e desconfianças fizeram com que os Estados Unidos creditassem ao governo comunista chinês intenções agressivas com relação à Coréia, numa escalada que culminou com a guerra de 1950-2, que terminou num surpreendente impasse militar – ninguém esperava tal desempenho do exército chinês, desgastado após o longo embate contra japoneses e nacionalistas.

Kissinger enumera as razões pelas quais a União Soviética e a China divergiram entre si, apesar do regime comunista comum – disputas ideológicas por influência no Terceiro Mundo, conflitos regionais na Ásia, problemas de fronteira. Novamente, o cisma é melhor narrado por outros autores, como The Sino-Soviet Split, de Lorenz Luthi.

O que Kissinger tem a oferecer são anedotas – algumas delas saborosas – sobre suas negociações com líderes chineses como Mao, Zhou Enlai e Deng Xiaoping. Ele vê o primeiro como um filósofo camponês desconfiado e astuto, o segundo como um diplomata refinado, um mandarim cortês como os que serviram os imperadores. Claramente foi seu interlocutor favorito: “Mao era ávido por acelerar a história: Zhou se satisfazia em explorar suas correntes”. O terceiro é elogiado como pragmático e direto: “Ele incubia seus subordinados de inovar, depois endossava o que funcionava.” Há bons perfis dos líderes chineses da era de Deng, como o reformador heterodoxo Zhao Zyiang, o presidente Jiang Zemin e o chanceler Qian Quichen (“um dos ministros das Relações Exteriores mais habilidosos que já conheci”).

 Maurício Santoro.
 Doutor em Ciência Política, é professor do MBA em Relações Internacionais da Fundação Getúlio Vargas-RJ e colaborador da Globo News, rádio Band News e Folha de S. Paulo.

Nenhum comentário: