Google+ Badge

domingo, 17 de junho de 2012

O PT enloqueceu, mas foi honesto, mostrou a cara


 
Marta Suplicy critica negociação entre PT e partido de Maluf - E não era para criticar?, devia ficar calada?, engolir em seco?, quando estava com mais de 35% das preferências?.

Comentário deste blog

A articulação eleitoral LULA não tem sido para construir uma alternativa de um novo modelo de desenvolvimento sustentável para o Brasil. Os compromissos assumidos são apenas olhando sua própria situação e umbigo, para não perder o poder que exerce, detrás do trono. 

A divisão da Presidência da República é muito clara, só não entende quem não quer, até um estagiário pode explicar muito simplesmente o enredo do núcleo duro do Governo Lula/Dilma. Dilma governa, mas não manda. Ela segue sendo uma técnica, que exerce com toda a capacidade que pode seu mandato. Nunca pode esquecer-se de se referir ao Presidente Lula como Presidente do Brasil, assim que alguém da imprensa ou da oposição ousa criticá-lo, pobre dele, vira saco de pancadas. A Casa Civil se encarrega de construir e desconstruir, uma resposta e a imagem, do louco que criticou o Presidente Lula. Quem fale mal do Lula será grado e se submetido a leitura labial para demonstrar que mentiu.

Agora veja a palavra da Martha Suplicy.(ela sabe que seus 30-35% são praticamente dela, pouco disso será transfeirdo para o Ministro de Educação do ENEM. 

A senadora Marta Suplicy (PT-SP) criticou as negociações entre seu partido e o PP do deputado Paulo Maluf. Segundo ela, a aliança com o pepista na eleição seria um "pesadelo" maior do que ter respaldo do PSD de Gilberto Kassab, cogitado antes de José Serra virar candidato dos tucanos e ganhar apoio do prefeito.


'Cada um faz as suas alianças', diz José Serra

"Acho que seria pesadelo com Kassab, imagine agora com o Maluf", disse Marta, sentada na primeira fila do desfile do estilista Samuel Cirnansck na São Paulo Fashion Week, neste sábado.

Preterida pelo PT, que preferiu lançar um neófito em eleições, Fernando Haddad, à Prefeitura de São Paulo, Marta resiste a apoiá-lo na campanha. Tem faltado sistematicamente a atos realizados para promover o petista. Já chegou a declarar que "não basta o novo" para que o PT volte à prefeitura, em evento com a presença do ex-presidente Lula e do próprio Haddad.

Uma aliança com Maluf significa que Marta sepultará de vez qualquer chance de endossar a campanha de Haddad no futuro? ""Nã-nã-ni-nã-não", disse ela "Eu não disse isso."

ERUNDINA

Ela disse "ter muito respeito" pela deputada Luiza Erundina (PSB-SP), escolhida como vice de Haddad. Marta, contudo, criticou-a por ter comparado a eleição de São Paulo à luta de classes.

Questionada se Erundina já a procurou, a senadora aconselhou a pré-candidata a vice a "dar os braços para Haddad" e sair em campanha com ele.

Nesta semana, Erundina disse que ia procurar Marta pessoalmente, "porque somos amigas e precisamos estar juntas nessa tarefa histórica".

Folha de São Paulo.
ANNA VIRGINIA BALLOUSSIER
DA COLUNA MÔNICA BERGAMO 

Um comentário:

Anônimo disse...

garoto, seu conceito de honestidade é ridículo e desonesto.