Google+ Badge

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Brasil está entre emergentes mais sensíveis a risco europeu, diz FMI


TÓQUIO - O Brasil é um dos países emergentes com risco de crédito mais sensíveis às turbulências na Itália, Portugal, Irlanda e Espanha, aponta o Fundo Monetário Internacional (FMI) em seu Relatório de Estabilidade Financeira Global, divulgado nesta terça-feira em Tóquio. Só as economias do Leste Europeu estão numa situação menos confortável.

O FMI, que realiza o encontro anual em Tóquio nesta semana, calculou o quanto o prêmio de risco de um conjunto de 24 economias emergentes é sensível à deterioração do prêmio de risco desses quatro países da periferia da zona do euro. O Brasil aparece como o quarto mais vulnerável, atrás apenas de Bulgária, Polônia e Hungria.

Uma alta de um ponto percentual no spread de risco de crédito dos países da periferia europeia, medida pelos Credit Default Swaps (CDS, espécie de seguro contra calote), leva a uma alta de cerca de 0,45 ponto percentual no spread de risco de crédito do Brasil, também medido em CDS. No caso de Bulgária, Polônia e Hungria, a alta é pouco mais de 0,5 ponto percentual. Outros dois países latino-americanos, Colômbia e México, não estão muito melhores do que o Brasil.

O relatório do FMI mostra, porém, que o Brasil está relativamente menos vulnerável a uma fuga de capitais estrangeiros de sua divida soberana, comparado com outros países emergentes. O principal risco que ronda o Brasil é a sua rápida expansão de crédito, que pode se tornar o epicentro de uma crise no caso de uma desaceleração econômica mais forte que leve ao aumento da inadimplência.



© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
 

Nenhum comentário: