Google+ Badge

sábado, 25 de fevereiro de 2012

O curioso cargo de "representante territorial de cultura". Pré-requisitos "atuação em sindicatos, partidos e organizações da sociedade civil"

A erosão do Estado

BRASÍLIA - Uma repartição na Bahia decidiu contratar nove pessoas para o curioso cargo de "representante territorial de cultura". Entre os pré-requisitos estava a "atuação em sindicatos, partidos e organizações da sociedade civil".
O despautério foi noticiado pela mídia. O governador da Bahia, Jaques Wagner, do PT, abortou a operação. "Achei um absurdo, injustificável", disse. Como consequência, foi demitido um dos responsáveis diretos pela tentativa de oficializar o aparelhamento do Estado.
Esse episódio é exemplar da erosão dos valores e do senso comum dentro do Estado. O "aparatchik" do PT baiano só escreveu o edital de contratação exigindo atuação partidária porque se sentiu à vontade. Um bípede com Q.I. acima de 60 sabe que numa democracia é impróprio exigir de um servidor público que se filie a um partido político.
Porteira arrombada, cadeado nela. O governador Jaques Wagner achou um absurdo. O responsável direto foi demitido. Muito bem. Só que a história não fecha. E quem explica o ambiente propício no governo baiano para se criar constrangimentos como esse? Claro, porque a última coisa que se poderia imaginar é que um integrante do governo da Bahia tenha tirado apenas de sua cabeça a ideia de exigir filiação partidária de novos contratados.
Em política não há ingênuos. Todos sabem muito bem como tais coisas acontecem. Não é de hoje nem de ontem que políticos contratam apaniguados para incrustá-los na máquina pública. Essas cracas sempre existiram.
A novidade agora é a sem cerimônia de tentar dar um ar de legalidade a algo ignóbil. Essa deterioração do Estado tem sido constante e gradual. A volta do país à democracia civil em 1985 não conseguiu por um freio nesse péssimo hábito. A chegada do PT ao poder central e em alguns Estados seria uma novidade. Não foi. O fracasso prossegue.

 Fernando Rodrigues/ Folha /Opinião

Nenhum comentário: