Google+ Badge

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Casa das Caldeiras

De olho na China

Vítima da recessão global e da desaceleração brusca no setor imobiliário no curto prazo, a economia chinesa será freada em 2012 – ano em que os investimentos serão menores e as exportações também. A avaliação é do Departamento Econômico do Itaú Unibanco, que compilou uma série de respostas a questões levantadas por investidores ao longo do tempo. O economista-chefe da instituição, Ilan Goldfajn, divulgou no fim de dezembro um documento reunindo projeções sobre atividade, inflação, sistema financeiro e estatísticas econômicas do país.

Nesse documento sobre a China, o economista Artur Manoel Passos, que integra a equipe de Goldfajn, explica que o Produto Interno Bruto (PIB) chinês deve crescer 7,8% no ano que vem. As perspectivas para o período de 2013 a 2020 são de crescimento potencial gradualmente menor, com reequilíbrio moderado da economia.

O consumo, que está avançando a uma taxa de 9,3% neste ano, deve manter o mesmo ritmo em 2012, enquanto os investimentos em setores controlados pelo governo já mostram desaceleração.
Nos demais setores, esclarece o economista, os investimentos são compatíveis com a expansão da renda e da competitividade. Especificamente sobre o setor imobiliário, o Itaú Unibanco prevê desaceleração, em movimento induzido pelo governo.

Em 2012, a inflação chinesa deve preocupar menos, em função da estagnação das commodities e da desaceleração da atividade doméstica.

Ao esclarecer dúvidas sobre o sistema financeiro na China, o Itaú Unibanco lembra que a última reforma que aconteceu por lá (1998-2008) envolveu compra de carteiras de crédito inadimplentes, capitalização dos bancos pelo governo e abertura de capital das instituições que devem enfrentar aumento de inadimplência nos próximos anos. Esse aumento decorrerá de empréstimos aos governos locais. Mas os bancos comerciais têm capacidade de absorver as perdas.

Quanto às estatísticas chinesas, o Itaú Unibanco comenta que são confiáveis, mas alerta que possuem falhas. “Permitem avaliar a evolução da atividade e da inflação”, conclui Passos.

Valor Econômico.

Nenhum comentário: