Google+ Badge

domingo, 29 de abril de 2012

Análise: Economia dos EUA perde impulso no fim do 1º trimestre


NOVA YORK - A expansão de 2,2% do Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos no primeiro trimestre não foi um número desapontador apenas porque ficou abaixo da expectativa de crescimento de 2,6%. Também preocupa o fato dos indicadores de março terem sido quase que uniformemente fracos, o que sugere que a economia entrou no segundo trimestre com pouco impulso.

Os consumidores fizeram sua parte: os gastos reais das famílias cresceram a uma taxa de 2,9%, a melhor desde o fim de 2010. A demanda teria sido ainda mais forte caso o inverno tivesse seguido os padrões normais. Como as temperaturas foram mais amenas este ano, as famílias usaram menos energia para aquecer suas casas.

A dúvida agora é como os gastos de consumo podem continuar aumentando perto de 3% se o crescimento dos salários não está acelerando. O relatório do índice do custo da mão de obra, também divulgado hoje, mostrou um aumento de 0,5% nos salários no primeiro trimestre, com um ganho de 1,7% sobre o primeiro trimestre de 2011. O aumento dos salários ficou abaixo da taxa de inflação atual, de 2,7%, o que significa uma redução no poder de compra das famílias.

Os ganhos de renda são registrados em categorias menores, como dividendos e aluguéis. Mas os salários ainda são um item de grande peso. Se os contracheques não crescerem em um ritmo mais forte, os consumidores não poderão continuar aumentando seus gastos muito mais.

Os ganhos no lado da demanda terão de vir, então, das empresas, estrangeiros ou governos. O problema: nenhum deles parece estar disposto ou capaz de proporcionar esse suporte.

Já foram escritos vários artigos sobre o declínio nos gastos dos governos locais e estaduais - que caíram pela sétima vez seguida no último trimestre. Agora, o enxugamento da estrutura de defesa (o que é positivo para a perspectiva) também está levando os gastos federais para o território negativo.

O crescimento das exportações também é limitado pela recessão que atinge a Europa e a desaceleração do crescimento na China.

Com isso, sobra o setor corporativo. As empresas aumentaram seus gastos com equipamentos e software em apenas 1,7% no primeiro trimestre, bem abaixo da expansão de 7,5% no quarto trimestre e de uma espetacular taxa de crescimento de 16,2% no terceiro trimestre.

Parte da desaceleração refletiu o fim de uma isenção fiscal no quarto trimestre e os preços elevados de energia podem ter levado algumas empresas a reduzirem gastos em outras partes.

Para o PIB crescer a uma taxa de 2,5% em 2012 como um todo, as empresas terão de investir em um ritmo muito mais forte. Certamente, o setor como um todo tem dinheiro para investir. Como mostra a atual temporada de balanços, os lucros permanecem ao redor de níveis recordes.

Alguns décimos de um ponto porcentual no crescimento do PIB pode parecer muito pouco para ser uma preocupação. Mas quanto mais rápido for a expansão da economia, maiores serão os ganhos em novos empregos e a recuperação ficará menos vulnerável a choques.

(Dow Jones Newswires)


Nenhum comentário: